1. Spirit Fanfics >
  2. BakuDeku Stories >
  3. Breathe with me; One-shot

História BakuDeku Stories - Capítulo 1


Escrita por: __Dyptaxxw

Notas do Autor


Não sei quando vou atualizar, mas talvez demore. Desculpem a One-shot curta.

Capítulo 1 - Breathe with me; One-shot


Consegui notar o assento tremendo de forma quase imperceptível, aos poucos, pude ouvir a respiração pesada de Izuku. Ele sofria de uma crise ansiosa.

— Izuku — chamei, saindo da cama. Me locomovi para detrás dele, então tocando seus ombros. Virei a cadeira em minha direção, as lágrimas estavam em seus olhos, prontas para saírem. Olhei para a tela do computador, estava escuro, indicando que ele se olhava pela tela. Seu rosto e corpo sempre foram uma insegurança, por culpa minha. Rápido, eu cliquei em qualquer tecla, fazendo a tela se acender em um site — Ei, respire comigo — pedi, tocando seu rosto, limpei as lágrimas de Izuku.

Antes que eu pudesse o ajudar com os exercícios de respiração, ele segurou minhas mãos e as afastou de seu rosto, se encolhendo na cadeira. Agora, seu desespero deve ser enorme, seu medo.

— Olhe para mim — pedi com firmeza, mas calmo. Izuku me fitou, com os olhos repletos de lágrimas — Um — inspirei —, dois — expirei —, três — inspirei de novo, tendo pausas longas entre um número e outro. Então ele passou a me imitar

Continuei a contar até chegar ao vinte, número em que Izuku parecia um pouco mais calmo, mas ainda tremia e soluçava um pouco. Isso é tão horrível, o jeito que eu deixei ele, as coisas que eu fiz ele passar. Estou aqui para consertar meu erro, Izuku nunca mais passará por crises sozinho, não deixarei que ele derrame uma lágrima sequer a sós.

Ser namorado de Izuku fez eu me tornar seu apoio emocional. Não me incomoda, pelo contrário, ficarei o tempo que precisar até que ele relaxe, não importa se passarmos dois minutos ou duas horas respirando em conjunto. Sinceramente, o amor é meio louco, não? Afinal, eu intimidei ele no passado e hoje...bom, hoje eu sou para quem ele corre quando crises como essa começam. Eu agradeço por conseguir ajudá-lo a reverter toda essa situação, eu sou a maior causa dela, afinal. Me odeio e se tivesse oportunidade, socaria meu eu de dez anos, eu era um idiota.

Notando seu estado um pouco melhor, me aproximei dele.

— Pode falar, eu estou aqui, te ouvindo.

Ele então fungou, limpando seu nariz com a manga do moletom. Antes que ele continuasse, puxei uma caixa de lenços da mesa, estendendo para ele. Izuku pegou um deles e assoou o nariz, então dando início com a voz trêmula:

— Eu sou horrível — foi tão simples, que pensei que ele estava apenas dando uma pausa quando completou sua frase.

Mesmo lidando com isso a algum tempo, não sei os procedimentos profissionais para se lidar com tudo isso, mas Izuku sempre se sente melhor quando eu abraço ele. Então, eu envolvi seu corpo em meus braços e o apertei um pouco, sentindo ele fazer o mesmo.

— Confie em mim, você é mais perfeito do que pensa. — disse por fim, acariciando suas costas — Chore e diga o que quiser, está bem? Eu estou aqui para te ouvir.

Então, ele passou a choramingar em meu ombro, apertando meu corpo e de vez em quando soltando algumas frases. Admito que em um momento, passei a chorar também, assistir a dor dele me fez sentir dor junto. Alguém tão incrível, tão especial para mim chorando de forma tão angustiada mexeu comigo de uma forma indescritível. Ele transmitia tanta dor em um único soluço, que senti como se ele estivesse lembrando de tudo de ruim que aconteceu em sua vida, desde derrubar um sorvete, até suas dores mais profundas.

Após longos minutos acariciando seu corpo e permitindo que ele molhasse meu ombro, Izuku limpou seus olhos e assoou o nariz com outro lenço mais uma vez. Ele não estava mais soluçando e aparentemente se sentia melhor. Para conferir, eu segurei seu ombro por trás e sussurrei com a voz trêmula:

— Se sente melhor?

— Sim — ele disse, comigo conseguindo ouvir um fio de sua voz chorosa —, muito obrigado, meu amor, isso realmente ajudou.

— Mas e você? Está bem? — perguntou a mim.

— Sim — respondi simplório — O que vamos comer?

— Que tal pizza? — indagou Izuku.

— Portuguesa? 

— Metade frango — Ele disse com um sorriso curto se formando nos lábios.

— Maravilhoso.

No fim, a noite foi incrível. Pedimos comida, bebemos, assistimos um filme, todas essas coisas um ao lado do outro. Na maioria das vezes, estávamos nos olhando. Seus olhos verdes...pelos deuses, como meu namorado é lindo. Izuku me faz bem, todas as vezes que ficamos assim, meu amor por ele aumenta. Depois de um tempo, nós acabamos fazendo sexo e tomamos banho. A sensualidade de Izuku me surpreende as vezes, assim como seu libido, afinal, pensei que não faríamos hoje, mas ele começou a beijar meu pescoço de forma tão íntima...não pude resistir a ele. Uma tentação, como sempre.


Notas Finais


Caso tenham alguma ideia de One-shot, mas não conseguem escrever, podem me mandar mensagem se quiserem que eu escreva. Vou marcar e falar de quem me repassar histórias para escrever.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...