1. Spirit Fanfics >
  2. Bakugou Katsuki- Enemies, not lovers >
  3. Obrigado

História Bakugou Katsuki- Enemies, not lovers - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


oii gente, trouxe mais um capítulo para vcs uhuul ♡

Capítulo 14 - Obrigado


Fanfic / Fanfiction Bakugou Katsuki- Enemies, not lovers - Capítulo 14 - Obrigado

-Tachibana-San, você está bem? Parece meio aérea hoje- A voz calma de Yaoyorozu soou ao meu lado, a garota mantinha uma distância “segura” entre nós e me olhava com aquela preocupação estranha que vivia cercando seus olhos negros quando se dirigia a mim na maioria das vezes.

-Estou, só não dormi bem a noite passada- Disse a primeira coisa que apareceu em minha mente e dei de ombros como de costume, desviando o olhar para as minhas mãos cobertas pelas luvas de couro do uniforme de herói.

-Entendi, tem que tomar cuidado com o seu sono, sabia? Um herói precisa sempre estar focado e muito bem descansado para as missões- Disse sorrindo abertamente, seus olhos quase se fechavam por conta do grande sorriso.

Ela estava feliz...

Balancei a cabeça sem quebrar o contato visual com a mesma.

Eu não quero que ela se machuque...

-Podem ir agora e boa sorte para todos vocês- Aizawa falou autoritário e os grupos de alunos começaram a seguir a suas respetivas áreas.

-Yaoyorozu!- Exclamei quando a garota estava se afastando, a mesma olhou para mim ainda com um pequeno sorriso e arqueou uma sobrancelha confusa.

-Cuidado- Falei ainda apreensiva, eu não deveria dizer nada que fosse, de alguma maneira, comprometer o plano de Tomura. Então um simples “cuidado” não irá revelar algo.

A garota riu baixinho e acenou animada já se distanciando ao lado de Jirou e Kaminari.

-Você também, boa sorte!

Suspirei quando a mesma saiu de meu campo de visão e ouvi uma voz animada me chamar.

-Tachibana-San! VAMOS LOGO!- Exclamou alto o garoto ruivo, acenando freneticamente ao lado de Bakugou que estava mais carrancudo que o habitual.

Corremos não muito rápido até a nossa área. Vários destroços dos prédios faziam-se presente ali, assim como uma fumaça densa e o barulho de carros buzinando, mesmo que não houvesse carro algum.

-Acho que devemos nos separar- Opinou Kirishima com o olhar perdido em meio a grande bagunça a nossa frente.

“Nos separar” Péssima ideia.

-Os robôs de ataque logo aparecerão, acho melhor ficarmos juntos e procurar os civis- Falei de maneira séria, olhando ao redor em busca de qualquer sinal de vida.

Nenhum sinal do Tomura...

-Tsc. Posso fazer isso sozinho, não me atrapalhem- Bakugou falou entredentes de maneira séria, logo se afastando em uma velocidade quase absurda.

Sério isso?

-Idiota- Murmurei quando o loiro saiu de nosso campo de visão.

Kirishima balançou a cabeça em descrença e soltou um longo suspiro pesado.

-Ele ainda vai acabar se dando muito mal agindo desse jeito- Falou com um sorriso forçado e a mão na testa indicando cansaço.

O ruivo havia uma paciência quase inacreditável com o colega explosivo. Isso é admirável tenho que admitir.

-Um idiota como ele não vai fazer falta- Falei de maneira séria e puxei a katana quando os robôs de ataque apareceram de repente.

-Ele não é tão mal assim- Falou alto enquanto esmurrava com vontade um dos robôs ao seu lado.

Um robô veio rapidamente em minha direção e sem pensar duas vezes o atravessei com um golpe certeiro.

-Uau! Você é muito boa!- Exclamou o ruivo jogando um dos robôs com força na direção de outros que avançavam até nós, fazendo os mesmos caírem contra o chão como dominós.

-Cuidado!- Exclamei quando um dos robôs estava para ataca-lo por trás.

Em um movimento rápido fui para perto do mesmo e cortei fora a cabeça do nosso “oponente”, antes que o mesmo pudesse atacar o garoto de dentes pontudos.

-Preste atenção nas suas costas! Sempre!- Falei um pouco mais alto que o normal e o garoto balançou a cabeça freneticamente, concordando de maneira nervosa, voltando a lutar, agora com mais concentração.

Havíamos finalmente derrotado alguns robôs e resgatado as “vítimas”. Eram apenas bonecos, mas de certa forma foi complicado afastar os mesmos dos destroços e dos robôs.

Enquanto lutávamos Bakugou havia simplesmente sumido, conseguíamos ouvir as explosões do loiro não muito longe de onde estávamos, assim que terminamos nossa parte fomos de encontro ao mesmo.

Assim que estávamos nos aproximando ouvimos uma explosão em uma parte mais afastada da USJ, uma explosão que seria impossível ser do loiro, já que o mesmo se encontrava quase a nossa frente.

-O que foi isso?!- Kirishima havia os olhos arregalados em espanto e ofegava por conta da luta recente.

-Eu não sei- Murmurei observando a grande fumaça que havia se instalado naquela parte afastada.

Eles chegaram?

Olhei para onde Bakugou estava e sua atenção também era dirigida a tal explosão, mas logo foi voltada para nós.

-O QUE PORRA VOCÊS ESTÃO FAZENDO AQUI?!- “Perguntou” gritando irritado como sempre. Uma fumaça densa saía de suas mãos e o mesmo se encontrava ofegante, vários robôs estavam jogados e destruídos ao seu redor. Ele lutou sozinho...

Que idiota impulsivo.

-Acho que você se esqueceu que isso era uma atividade em grupo- Falei séria indo em direção ao mesmo, sem desviar o contato visual e mantendo a cabeça erguida como sempre, estava já sentindo meu sangue ferver em raiva conforme me aproximava do loiro.

-EU POSSO MUITO BEM FAZER ISSO SOZINHO!

-Para de palhaçada Bakugou, tá acontecendo uma coisa muito séria lá atrás, então parem de brigar vocês dois e vamos ver o que tá acontecendo!- Exclamou Kirishima, e pela primeira vez desde que o conheci pude ver certa irritação no olhar do mesmo.

Algo completamente compreensivo, tenho certeza que essas brigas entre mim e o garoto bomba estão ficando cada vez mais exaustivas.

Suspirei baixo, passando as mãos pelo cabelo tentando me acalmar.

-Tsc. NÃO ME DÊ ORDENS CABELO DE MERDA!- Bakugou exclamou indo para frente do ruivo, já com as mãos em posição de ataque e com o maxilar trincado indicando sua atual ira.

-Kirishima tem raz- Minha fala foi interrompida por um conjunto de gritos agudos, que ecoou em uma parte afastada da zona de ruínas.

-Yaoyorozu- Murmurei reconhecendo a voz da garota no meio da gritaria desesperada.

Ela estava longe da Zona de ruínas, como seu grito chegou até nós?

Os garotos se entreolharam de maneira nervosa e eu pude ouvir o ruivo engolir em seco assustado.

Uma grande fumaça estava se fazendo presente novamente e pude observar com facilidade o momento em que vários portais foram abertos dentro da USJ.

Tomura estava iniciando o plano dele... Eles iriam atacar agora.

-O que tá acontecendo?- Perguntou o ruivo com a voz ameaçando falhar, o mesmo estava quase paralisado enquanto fitava os portais em tons de roxo se abrindo no centro da USJ.

-Os repórteres foram uma distração- Me virei bruscamente para Bakugou após o mesmo dizer isto de maneira tão convicta.

Ele chegou a essa conclusão rápido demais.

-Estamos sendo atacados- Falou de maneira seca, mantendo o olhar irritado voltado para aquela parte. Desviei o olhar do mesmo quando seus olhos escarlates se voltaram contra mim, foi como se algo tivesse me acertado com força.

Logo lembrei-me de Yaoyorozu e que a garota a pouco havia gritado. Quando percebi eu havia corrido para longe dos garotos, olhando ao redor de maneira afoita em busca da garota. Eu conseguia ouvir a voz alta de Kirishima atrás de mim gritando para que eu retornasse, mas ignorei a mesma.

Corri o mais rápido possível, ainda sem conseguir achar a garota e paralisei ao chegar no centro do grande prédio.

Calma Akame...

-TACHIBANA! VOLTE PARA ONDE VOCÊ ESTAVA!- A voz autoritária e apreensiva de Aizawa soou atrás de mim.

Virei-me para o mesmo e sua expressão era de pura preocupação, estava em posição de ataque e estava quase cercado pelos vilões que começavam a sair dos portais.

Haviam dezenas deles...

Quem são essas pessoas?... Poucas ali eram conhecidas, a Liga não havia tantos membros assim. O que o Tomura havia em mente agora?

Isso definitivamente não é só para assustar...

-Ora, ora, ora... Eraser Head, quanto tempo, não é mesmo? Eu gostaria muito poder conversar sobre os velhos tempos, mas tenho coisas mais importantes em mente agora. Onde está o All Might?- A voz grossa e intimidadora de Tomura soou não muito longe de mim, seguida por uma risada sinistra do mesmo.

Nossos olhares se cruzaram rapidamente, mas sua atenção estava toda concentrada no herói a sua frente.

Ele já pretendia atacar o All Might? Não iríamos esperar até depois do festival esportivo? Porque ele já estava agindo assim?

-SAIA DAQUI! AGORA- Gritou mais uma vez em minha direção e por algum motivo eu não consegui ignorar, aquele olhar foi desesperador. Meu olhar mais uma vez se cruzou com o de Tomura e era como se o mesmo mandasse eu obedecer.

Corri o mais rápido possível, eu não tinha uma direção para seguir, eu estava ofegante e sem saber o que fazer, o prédio era realmente grande, não me surpreenderia se estivesse perdida a essa altura do campeonato.

O que eu devo fazer agora? Me esconder como sempre? Atacar? Correr? Correr para onde?

As saídas provavelmente estavam todas trancadas.

Os vilões conforme saiam dos portais se espalhavam pela USJ, provavelmente para emboscar os alunos.

Yaoyorozu estava em equipe com Jirou e Kaminari na zona montanhosa, era muito longe da onde eu estava no momento. Não tem como eu ir até lá... Não agora... Eu não iria conseguir. 

Não sou rápida o bastante...

Eu não conseguia ouvir nada ao meu redor com precisão, o espaço era tomado por gritos e explosões, me deixando desconcertada conforme ainda tentava me afastar.

"Vá para uma parte afastada e se esconda", dizia meu subconsciente, mas a outra parte de mim não queria se esconder.

Parei bruscamente quando uma grande estaca de gelo voou em minha direção, sem me dar tempo o suficiente para desviar.

-CUIDADO- Não reconheci a voz que havia me alertado, mas senti meu corpo ser jogado para o lado rapidamente com força e alguém cair encima de mim com tudo, me protegendo de ser atingida pelo gelo.

-VOCÊ TÁ QUERENDO SE MATAR SUA IMBECIL?!- De imediato reconheci a voz de Bakugou perto de mim, o grito irritado poderia ser reconhecido em qualquer lugar, mas não havia sido o loiro a me alertar da grande estaca de gelo.

Abri os olhos devagar e vi o garoto de olhos escarlates acima de mim me fitar com uma expressão quase que indecifrável. Estava irritado como de costume, mas sua respiração ofegante e os olhos levemente arregalados indicavam outra coisa.

-Você se machucou?- Virei o rosto para o bicolor ao nosso lado que nos olhava de maneira séria e um tanto quanto culpada.

Todoroki.

-Não- Murmurei meio atordoada com toda aquela situação.

Como eu não vi o gelo antes?

-Tsc. O QUE PORRA VOCÊ TAVA FAZENDO MEIO A MEIO DE MERDA?! AGORA NÃO É HORA PARA BRINCAR DE PRINCESA DO GELO!- Bakugou se levantou rapidamente e começou a ir para cima do bicolor de maneira ameaçadora.

-A Liga está atacando, caso não tenha percebido tem vilões nos atacando agora mesmo- Falou friamente, dando as costas para o loiro que continuava a bufar e proferir vários xingamentos ao meio ruivo.

Me levantei com certa dificuldade, senti minha perna fraquejar e meu corpo ir de encontro ao chão novamente.

Minha perna... Agora não por favor...

Os olhares dos garoto se voltaram contra mim, logo me irritando por conta disso.

Não quero esse tipo de olhar dirigido a mim! Eu não preciso disso agora!

Senti minha perna latejar com a dor e franzi o rosto ao tentar miseravelmente me levantar de novo, eu sentia a carne da minha panturrilha arder, mas não tinha sangue ali, ao menos não era visível por conta do uniforme.

O gelo havia me cortado? Como eu não senti isso na hora?

-Ela se machucou- Proferiu Todoroki se aproximando, sua expressão continuava séria, mas parecia se sentir mal pelo o que aconteceu.

Afinal o ataque do gelo veio do bicolor, mas isso não importava agora.

-Temos um Sherlock Holmes aqui, ÓBVIO QUE ELA SE MACHUCOU! VOCÊ QUASE A MATOU SEU IDIOTA!- Os dois se olhavam irritados e pareciam estar prestes a brigar entre si.

Todoroki estava com o cenho franzido, ele estava nitidamente irritado e isso era novidade. Não sabia que seu rosto era capaz de demonstrar emoções assim...

-Não é hora para vocês ficarem brigando. Eu vou ficar bem, vocês precisam ir a-ajudar o Aizawa sensei, os vilões o cercaram- Falei levantando-me de mal jeito e me apoiando em uma parede ao meu lado.

Você me colocou em uma tremenda bagunça Tomura.

-Não vamos deixar você aqui desse jeito- Todoroki falou de maneira calma, passando a mão nos fios de cabelos bicolor.

Que patético.

-Vocês vão, eu sei me virar sozinha- Falei séria tentando disfarçar a dor que sentia na perna. Sempre fui boa em disfarçar a dor, o que era bom caso precisasse me afastar de situações como essa.

-Acredite a coisa que eu mais quero agora é deixar você aí para ser atacada e morrer, mas não seria nem um pouco heroico da minha parte fazer isso- O loiro falou de maneira séria, se aproximando a passos firmes, mantendo aquele olhar indecifrável encima de mim.

-Se quisesse que eu morresse não teria me salvado, não acha?- “Perguntei” em tom irônico sem o olhar, mantendo a atenção na grande fumaça no centro do prédio.

Olhei ao redor e percebi que estávamos na zona de deslizamento de terra.

Eu havia me afastado muito do centro da USJ e da zona de ruínas...

-NÃO OUSE FALAR COMO SE EU ME IMPORTASSE SUA INÚTIL!- Gritou enfurecido, recebendo um revirar de olhos meu como resposta.

-Precisamos sair daqui e levar ela para um lugar seguro, só então podemos ajudar o Aizawa sensei- Falou o bicolor como se eu não estivesse presente, também mantendo o olhar na grande fumaça que parecia se espalhar cada vez mais.

Acho que esse lance de querer liderar como se mais ninguém ali tivesse uma opinião é de família. Ele é muito parecido com o Touya...

-Não tem um lugar seguro, os vilões se espalharam pela USJ, vocês precisam ir agora- Falei olhando séria para os garotos, cerrando os punhos já sentindo minha paciência se esvair.

Eu sabia que se ficasse aqui sozinha nada iria acontecer comigo, afinal eu era um membro da Liga então os “vilões” não me atacariam, por isso manter esses dois por perto só iria complicar tudo.

-Tsc. Vai atrás dos outros e avisa sobre o que está acontecendo, eu levo ela para uma parte afastada- Não pude evitar revirar os olhos para a frase séria e surpreendentemente “centrada” do loiro.

Qual o problema deles?! Eles não vão mesmo me escutar?

Todoroki balançou a cabeça minimamente e saiu correndo sem dizer uma palavra sequer, logo sumindo do meu campo de visão.

-Qual o seu problema?! Eu não quero a sua ajuda! Vai embora!- Exclamei já impaciente, sem conseguir mais controlar minhas emoções frustradas por não ser ouvida.

Por favor vai embora... Se eles aparecerem agora estaremos ferrados... Por favor...

-Cala a porra da boca e sobe- Falou sério se virando de costas para mim.

-Não vou subir nas suas costas, qual a parte do “eu não quero a sua ajuda” você não entendeu?- Cruzei os braços e encostei-me na parede para não perder o equilíbrio, sentindo minha perna latejar de dor e tentando manter a expressão em meu rosto o mais séria e firme possível.

-VOCÊ VAI SIM! Quanto mais tempo a gente perde aqui, mais pessoas se machucam. Aposto que você não quer que a rabo de cavalo ambulante se machuque, ou quer?- Falou virando-se para mim e me olhando com irritação.

Ele acha que esse tipo de chantagem funciona comigo?

-Eu não ligo e afinal não é como se alguém como você se importasse com os outros, não é mesmo?

-Já falei que você não é tão impassíva quanto pensa que é. E para deixar claro você não me conhece, então não fale sobre mim com tanta convicção. AGORA SOBE NA PORRA DAS MINHAS COSTAS PARA A GENTE SAIR DAQUI E ACABAR COM ESSA MERDA- Gritou impaciente. Seus olhos vermelhos me fitavam com intensidade, fazendo eu pela primeira vez abaixar a cabeça, não por medo ou intimidação, mas porque realmente ele estava certo.

Mesmo que custasse admitir ele havia razão, eu me importava. Eu não queria que Yaoyorozu se machucasse. Mas estar junto a ele poderia nos deixar em risco...

Provavelmente o mesmo considerou meu silêncio como uma vitória e se virou de costas novamente, agachando-se a minha frente.

Suspirei não muito alto e com um leve impulso subi nas costas do mesmo, soltando um grunhido de dor causado pela força que pus na perna.

Mesmo com o uniforme de couro eu pude sentir o quão quente o corpo do loiro estava, assim como suas mãos que se posicionaram em minhas coxas com certa força, me mantendo firme ali. Suas mãos eram muito quentes...

-Eu te odeio- Murmurei emburrada conforme o loiro se pôs a caminhar para longe da zona de deslizamento de terra.

-É recíproco- Falou também em voz baixa, e mesmo não podendo ver o rosto do loiro eu tinha a impressão que o mesmo havia um sorriso de canto convencido estampado ali.

Provavelmente se gabava internamente por ter “ganhado” uma discussão.

Idiota.

-Onde está o Kirishima?- Perguntei, só agora tendo noção que o mesmo não se encontrava com o loiro.

-Tsc. Saiu para procurar por você e ir avisar o quatro olhos- Falou sério, provavelmente se referindo a Iida, olhando com atenção o caminho antes de prosseguir a passos cautelosos.

-E o que você estava fazendo lá?- Perguntei ainda séria, com a voz baixa para não atrair a atenção de ninguém.

Ele havia ido literalmente para o outro lado da USJ, porque?

-Tsc- Obviamente isso foi tudo o que eu obtive como resposta.

Suspirei baixinho e segurei um resmungo de dor por conta da perna machucada.

-Que seja então...- Murmurei já desistindo de insistir em tal assunto.

-Não recebo nem um maldito obrigado por ter salvado a sua vida?!- Disse deixando claro a indignação que sentia.

Ele realmente quer inflar mais esse ego?

-Não vou te agradecer.

-Tsc. Você chega a ser irritante de tão orgulhosa, sabia?- Falou o loiro com a voz séria, dando ênfase na palavra "irritante".

-Você não tem moral alguma para falar sobre orgulho... Você lutou lá sozinho sendo que deveríamos fazer isso juntos- Apoiei meus braços em seus ombro de maneira desleixada, era até confortável estar ali nas costas do garoto, tirando o fato da perna parecer piorar a cada segundo.

-Se eu sei que posso fazer algo sozinho, eu vou fazer sozinho- Disse simplório, mantendo o olhar fixo a nossa frente.

Quanta confiança...

Estávamos dando sorte por não ter cruzado com nenhum membro da Liga até agora, caminhávamos pelas partes afastadas da USJ, evitando o confronto que acontecia pelas zonas do prédio.

Ele deveria estar lá lutando...

-Eu te disse que poderia me virar sozinha a poucos minutos, mas aqui estou eu, sendo carregada como uma inútil enquanto você poderia estar ajudando os outros e acabar logo com isso- Falei sem esconder minha angústia, revirando os olhos e apertando os punhos como um impulso involuntário.

-Eles podem se virar sem mim por alguns minutos. E você não ia conseguir se virar sozinha, simples- Soltei um suspiro com sua frase seca e cheia de convicção.

Que garoto presunçoso.

-Já falei que não sou um peso morto. Eu sei me virar muito bem sem ajuda alheia.

-Não se estiver machucada, você não é de aço sua idiota- Falou ainda sério em um tom de repreensão.

Estou realmente levando bronca desse garoto?! A que ponto eu cheguei...

-Eu não tenho individualidade Bakugou, passei a maior parte da minha vida sofrendo por isso, então eu tenho sempre que me esforçar e não ser um peso, por isso sim. Eu tenho que ao menos agir como se fosse de aço- Falei meio sem pensar, logo me dando conta de que talvez não tenha sido algo necessário a se dizer.

Que droga...

-Esquece, finge que eu não disse nada- Murmurei baixo, sentindo o arrependimento por mais uma vez ter falado demais.

O que está acontecendo comigo hoje?...

-Tsc. Você não é tão fracote assim, e mesmo as pessoas mais fortes se quebram as vezes. Ninguém é de aço e você não precisa agir como se fosse- Não pude evitar a expressão um tanto quanto surpresa em meu rosto, ele não estava sendo detestável como sempre havia agido comigo.

Havia algo estranho na voz do mesmo, falava como se fosse a pessoa mais experiente do mundo e tentasse não só me convencer, mas... A si mesmo também. Mesmo com a situação desastrosa em que nos encontrávamos ele parecia estranhamente calmo, porque? Porque ele estava sendo... Não odiável?

-Eu não posso me quebrar- Senti um nó estranho se formar em minha garganta, uma sensação nada familiarizada me consumia e eu...

-E porque não?- Sua pergunta despertou-me da confusão em minha mente que insistia em se formar a qualquer custo.

Eu preciso acabar com esse assunto, é com o Bakugou que eu estou falando... Não posso mais me comprometer assim.

-Você está sendo legal comigo. Porque isso agora?- Perguntei desviando o assunto, não é como se eu fosse confiar nele agora de uma hora para outra só por não estar sendo insuportável como de costume.

Afinal nem ele confiava em mim...

-Tsc. Não se acostuma, eu não estou sendo legal- Falou voltando ao tom raivoso e irritado de sempre. Que previsível... Tudo que é bom dura pouco mesmo.

-Acha que não percebi você mudando de assunto? Já falei que- O interrompi com um baixo bufar.

- Que não sou tão impassíva quanto penso... Que seja. Mudei de assunto porque você não confia em mim e eu não confio em você, não tem porque ficarmos com essa conversinha profunda- Falei emanando indiferença em minha voz, mantendo o olhar distante como sempre.

-Confiança se conquista idiota- Bufou parando atrás de uma grande parede, olhando por trás da mesma para ver se o caminho continuava seguro.

-E quem disse que eu quero conquistar a sua confiança? Não estou aqui para que confiem em mim ou para confiar em vocês- Bufei baixinho, sentindo o desconforto por continuar com esse assunto desnecessário. 

-Mas você confia na rabo de cavalo, não confia?- Sua voz irônica e cheia de convicção estava me dando nos nervos.

Porque ele age como se soubesse tudo sobre mim? E porque na maioria das vezes ele está sempre certo?!

Fiquei em silêncio, eu não sabia ao certo o que dizer agora.

Ele estava certo, mas... Isso era errado, eu me apeguei a alguém ao qual eu não podia proteger. Alguém ao qual eu tiraria a vida caso Tomura ordenasse. Eu fui uma tola... Eu não quero fazer isso.

-Onde estão esses desgraçados?- Perguntou impaciente após alguns minutos de um silêncio constrangedor.

-Quem?

-O quatro olhos, a rabo de cavalo ambulante, o meio a meio de merda! QUALQUER UM!- Falou a última parte quase gritando, por impulso acabei acertando um tapa estralado em sua nuca.

-Ai caralho!

-Você vai chamar atenção desnecessária, para de gritar- Falei séria ainda em voz baixa. Eu estava desnorteada com o que estava acontecendo e isso era um fato, mas eu deveria me concentrar o máximo possível para evitar mais confusões no momento.

O loiro rosnou em resposta, mantendo o olhar agora irritado fixo em um ponto distante, que logo percebi ser uma luta um tanto quanto destrutiva.

-Alí! Lá encima!- Exclamei um pouco alto, apontando para uma parte alta do prédio onde alguns dos alunos da 1-A se encontravam, agitados e visivelmente assustados.

-Prenda as pernas aqui- Falou elevando um pouco minhas pernas, fazendo com que eu as enlaçasse em sua cintura.

-O que você vai fazer?- Perguntei com um olhar confuso para o mesmo.

-Se segura e cala a boca- Sem me dar tempo de responder o loiro esticou os braços para baixo e com umas explosões se impulsionou para cima rapidamente.

Por impulso fechei os olhos e apertei meus braços ao redor do mesmo, o abraçando com certa força quando as explosões altas se iniciaram.

-Pode me soltar garota de aço, já chegamos- Falou com um discreto divertimento na voz e abri os olhos ao perceber que as explosões haviam cessado e que agora estávamos em um território “seguro”.

Olhei ao redor e todos nos olhavam atentamente, alguns surpresos, outros aliviados e alguns até haviam sorrisinhos idiotas estampados em seus rostos.

Mas nem todos os alunos da 1-A se encontravam ali.

Soltei minhas pernas do corpo do loiro e com dificuldade desci das costas do mesmo. Logo sentindo a dor na perna se fazer presente novamente quando a coloquei no chão.

-Bakugou-kun! Tachibana-San! Vocês estão bem?- Perguntou Uraraka vindo rapidamente ao nosso encontro. Seu rosto estava sujo de poeira e seu uniforme se encontrava levemente rasgado.

-Onde está a Yaoyorozu?- Perguntei ignorando sua pergunta preocupada.

Logo seu semblante mudou para um cabisbaixo e aparentemente nervoso.

-O grupo dela não apareceu ainda- Disse em voz baixa e não pude evitar o suspiro pesado escapar de meus lábios.

-Ela machucou a perna cara de lua. Onde está o Deku e o protótipo do Endeavor?- Perguntou o loiro com seu semblante sério para a garota de cabelos castanhos.

A mesma pareceu não se incomodar com o apelido e o respondeu rapidamente após lançar um olhar rápido para minha perna.

-Eles estão lutando junto com o Aizawa sensei. All Might acabou de chegar junto com outros heróis- Falou a menor de maneira afoita, balançando as mãos freneticamente.

All Might já estava em ação... Tomura não tem chance alguma, o que ele pretende fazer?

Me afastei dos dois, andando com dificuldade até a ponta da meia “ponte” em que nos encontrávamos e olhei com atenção para a praça central da USJ. Tínhamos uma visão um tanto quanto privilegiada da luta que acontecia naquela área.

Aizawa havia derrubado vários dos “membros” da Liga, mas agora parecia estar cansado e em grande desvantagem, sem contar os grandes machucados em seu corpo.

Não era uma cena bonita de se presenciar... O que eu devo fazer?... O que eu faço agora?

Senti minhas pernas fraquejarem e caí com tudo de joelhos no chão frio.

-Ei- Virei o rosto em direção ao loiro e o mesmo tinha um olhar intenso e ainda indecifrável direcionado a mim.

Aquelas orbes avermelhadas pareciam me atravessar com um simples olhar.

-Só fica aqui e não inventa nenhuma idiotice- Disse sério e logo saiu em disparada pela direção onde a luta ocorria.


Bakugou... Obrigado.


Notas Finais


capítulo enorme né? Ksksksks
espero que tenham gostado, eu particularmente gostei de escrever ele hehe >///< até o próximo capítulo ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...