1. Spirit Fanfics >
  2. Bakusquad >
  3. A família Bakugou

História Bakusquad - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Só uma história pra descontrair
Os ships que eu escolhi por nessa fic foram
Kiribaku(acho que era meio óbvio)
Kamijirou
Seromina(acho que é esse o nome do ship)
Mas a história e focada no grupo em si e não exclusivamente nos casais
Boa leitura ✌🏼❤️

Capítulo 1 - A família Bakugou


Era sábado as duas da tarde e Bakugou havia acabado de almoçar, estava em seu quarto se revirando na cama no maior tédio do mundo 

Ele estava de olhos fechados pensando quando acabou lembrando de seus amigos 

Quer dizer...Bakugou nunca chamaria os mesmo de amigos em voz alta, não, e de jeito nenhum admitiria que gostava da presença deles

Claro que eles eram irritantes, e barulhentos, e desnecessariamente enxeridos, e Bakugou falava a si mesmo que os odiava, e aos outros também, mas no fundo, ele os considerava...

Suportáveis 

E talvez, só talvez, o loiro gostasse da presença deles 

Estava pensando nisso quando ouviu zunidos vindo do celular, era o grupo chamado “Bakusquad” como os imbecis tinham debilmente apelidado 

~grupo on~

ET COR DE ROSA: eae galeraaaaa

FITA CREPE: eae

PIKACHU: dboas?

CABELO DE MERDA: eae povo

BOMBA ATÔMICA: o que vcs querem seus jumentos 

PIKACHU: grosso

ET COR DE ROSA: to no tédio e queria saber se vcs queriam das uma saída no shopping 

FITA CREPE: opa eu topo

PIKACHU: Eu to dentro, tá passando um filme mo legal no cinema, a gente podia ver

BOMBA ATÔMICA: vcs podem esquecer, eu n vou nessa merda

CABELO DE MERDA: a qual é tsuki, vai ser top, e não é como se você tivesse nada melhor pra fazer 

BOMBA ATÔMICA: e como vc sabe que não tenho nada melhor pra fazer?

CABELO DE MERDA: e tem?

BOMBA ATÔMICA: TÁ BOM EU VOU NESSA PORRA

CABELO DE MERDA: Eeeeeee, depois do cinema podemos comer alguma coisa e daí dormir na casa de alguém

ET COR DE ROSA: Boa ideia Kiribaby, mas não vai dar na minha, meus pais vão sair hoje e eles nunca deixariam eu ficar sozinha em casa com um bando de garotos desmiolados 

PIKACHU: pra que ofende poxa

FITA CREPE: não vai dar na minha também não gente, meu irmão vai trazer uns amigos aqui hoje 

PIKACHU: não da na minha 

CABELO DE MERDA: nem na minha, o que significa...

BOMBA ATÔMICA: Não 

PIKACHU: a qual é Bakugou por favor 

BOMBA ATÔMICA: sem chance, minha mãe vai tá em casa e a velha é maluca 

ET COR DE ROSA: Bakugou a gente é acostumado com vc, sua mãe não vai fazer diferença

FITA CREPE: vamos por favooooor

CABELO DE MERDA: por favooooor tsuki

PIKACHU: por favoooor

ET COR DE ROSA: por favor por favor por favor

BOMBA ATÔMICA: TÁ BOM MERDA, MAS NÃO SE ACOSTUMEM 

CABELO DE MERDA: Uhuuuul

ET COR DE ROSA: 15:30 na casa do Bakugou, levem suas coisas pra dormir, a gente deixa lá e depois vai pro shopping

PIKACHU: fechou

FITA CREPE: falou galera

CABELO DE MERDA: Isso vai ser muito másculo 

BOMBA ATÔMICA: porque eu concordei com isso 

ET COR DE ROSA: pq no fundo vc ama a gente birbinha 

BOMBA ATÔMICA: Amo nada sua ET enxerida 

ET COR DE ROSA: vou fingir que acredito 

~grupo off~

Bakugou colocou o celular de lado mais não sem antes olhar a hora, 14:30, tomou um banho rápido, vestiu um jeans preto, uma camiseta preta e uma jaqueta jeans azul e desceu para avisar a velha sobre os amigos

—O MAAAAE— ele gritou descendo as escadas

—VEM AQUI EM BAIXO SE FOR PRA FALAR COMIGO KATSUKI— o loiro ouviu a voz da progenitora

—TA JÁ TO INDO— ele disse tentando não se estressar 

Ao chegar lá embaixo encontrou a mãe vendo tv enquanto o seu pai mexia no celular ao seu lado 

—Mae— disse o bakugou mais novo

—Que é— ela deu pause na tv e se virou

—Uns amigos vão vir dormir aqui falou?— ele disse sentando ao seu lado

—Unhum— ela disse focando novamente na tv, até que, depois de um segundo, deu pause de novo, o olhando pasma

—Ahn, tá tudo bem velha— perguntou o loiro mais novo

—Voce disse amigos?— ela questionou chamando a atenção do pai 

—Sim, são uns mongolóides, já devem estar chegando— ela afirmou olhando para a porta

Masaru e Mitsuki se olharam, os olhos arregalados, até a mãe ficar seria subitamente, as sobrancelhas unidas

—Como eles são?— perguntou, ainda seria

—Como assim— o mais novo a olhou confuso 

—São bullies como seus “amigos”— ela disse essa palavra fazendo gestos de aspas com as mãos— antigos, ou são realmente pessoas decentes

—Oque...MAE— ele disse se levantando 

—So estou confirmando se vc está com boas influências

—Minhas influências não tem NADA a ver com vc

—Mas tem TUDO a ver comigo— ela disse brava— eu sou sua MÃE Katsuki 

Era verdade, por mais que Katsuki odiasse admitir, se sentou novamente no sofá, surpreendendo a mãe, que achava que o garoto só fosse xinga-lá e ir embora 

—Sao uns imbecís— ele disse fazendo a mãe ficar um pouco apreensiva— mongolóides, enxeridos, barulhentos e irritantes

—Entao porque sai com eles ?— foi Masaru que perguntou

Bakugou o fuzilou com o olhar, por raiva do pai, e por raiva do fato de que ele sabia perfeitamente a resposta

Ele hesitou

Bakugou Katsuki hesitou

—Eles são os menos piores daquela sala— ele murmurou se afundando mais ainda no sofá— são... toleráveis 

Masaru e Mitsuki se entreolharam, sem acreditar no que ouviam, Katsuki elogiando alguem, Katsuki falando que alguém era seu amigo, considerando alguém amigo, um sorriso predominava a face de Masaru 

mas não de mitsuki 

não, mitsuki só sorriria quando conhecesse os tais amigos 

Quando CONFIRMASSE que eles eram companhias saudáveis para seu filho, pois se tinha algo que duvidava era o julgamento de Katsuki para amigos, pois geralmente eram bullies ou interesseiros que andavam com ele só por causa de seu poder, e mitsuki não queria isso, queria que o filho tivesse amizades verdadeiras, boas e saudáveis, com pessoas que estavam dispostas a atura-lo e ajudá-lo a mudar sua personalidade horrível 

Alguns minutos se passaram e a campainha tocou

—Eu atendo!— disse mitsuki, forçando um sorriso animado

Assim que abriu a porta, se surpreendeu, esperava alguém usando preto, com a cara emburrada, alguém parecido com...seu filho?

Ao invés disso, estava recebendo um menino de cabelos vermelhos pra cima e dentes afiados em um grande e simpático sorriso

Mitsuki o analisou de cima a baixo, o garoto trajava uma calça jeans rasgada, uma camiseta polo vermelha e crocs também vermelhas

—Olá senhora...— ela parou no meio da frase

—Primeiramente, senhora é o cu, não sou velha, meu nome é Mitsuki, e vc deve ser um dos amigos do Bakugou— ela disse ainda analisando o gentil garoto em sua frente que parecia genuinamente nervoso

—Sou sim senho....Mitsuki, ele já está pronto?— questionou o falso ruivo 

—Nao acho que ele se deu o trabalho de tentar se arrumar— debochou mitsuki— você pode entrar menino, aliás qual seu nome?

—Eijirou kirishima, Mitsuki— ele disse entrando hesitante na grande casa

—É um prazer Eijirou—ela disse sorrindo para o menino, aparentemente, ele era bem gentil, mas isso não era confirmação para a loira— PIRRALHO— ela gritou

—QUE FOI

—É O RUIVINHO

—O CABELO DE MERDA? 

Mitsuki olhou pra ele em dúvida, porém o garoto esboçou um sorriso e assentiu

—ELE MESMO

O bakugou mais novo pulou do sofá ao encontro do melhor amigo e a mãe, que estavam na frente da porta principal,  e ao chegar lá a mãe lhe deu um safanão na cabeça 

(autora: não sei se é assim onde vcs moram, mas aqui, safanão significa tapa)

—Respeite seus amigos peste, não é assim que se trata alguém 

—É assim que vc me trata— rebateu Katsuki estressado

—Eu sou a sua mãe garoto, quantas vezes tenho que repetir— ela resmungou com ódio 

—É cara, meu cabelo é incrível— disse o menino em tom de brincadeira 

—umh, então ele não passa a mão na cabeça do Katsuki hein, a maioria estaria morrendo de medo de contestar ele—pensou a mulher mais velha 

—Tao incrível quanto suas crocs— ele resmungou com ironia 

—Elogiando minhas crocs? Quem é você é o que fez com o Bakugou Katsuki— brincou o outro

—Eu não elogiei seu lerdo 

—Eu hein acordou com o pé errado hoje tsuki

—tsuki— mitsuki analisava 

—Vem, vamos esperar os outros bocós— ele disse segurando o pulso do mais alto e o levando pela sala

—Eita, calma aí

Ao chegar nos sofás o garoto se afundou, seguido pelo amigo que se sentou com cuidado pedindo licença, cumprimentando Masaru, que não podia estar mais feliz, e deixando a bolsa em uma cadeira próxima onde bakugou havia indicado, Mitsuki se sentando em uma poltrona próxima 

—Masaru, esse é Eijirou kirishima— Mitsuki disse para o marido apontando para o garoto ainda sorridente

—É um prazer Kirishima

—O prazer é todo meu

—Então Eijirou, seu nome me é familiar, a quanto tempo é amigo do meu filho?

Kirishima ficou em silêncio por um momento, a mão no queixo pensativo 

—Ja faz um tempo sinceramente, nos conhecemos desde que entramos na UA e bem... fomos construindo uma relação aos poucos, não sei exatamente quando viramos amigos, e quanto ao meu nome ser familiar, eu fui uma das pessoas que salvou...— Eijirou olhou para Katsuki que o fuzilava com o olhar e revirou os olhos sorrindo—... uma das pessoas que deu abertura para a melhor rota de escape para seu filho fugir dos viloes quando ele foi sequestrado 

—É, foi isso mesmo eu acho— disse mitsuki com o dedo no queixo se lembrando de alguns nomes fora os de Izuku midorya; Todoroki Shouto e kirishima Eijirou, tinha quase certeza de que tinha mais alguém porém ela não se lembrava—Fico feliz por meu filho ter um amigo aparentemente verdadeiro, ele nunca foi bom com amizades

—Imagino— disse o suposto ruivo rindo e subitamente abraçando o loiro, que para a surpresa da mãe, não explodiu o garoto nem gritou, apenas virou o rosto 

Naquele momento a campainha tocou e Mitsuki se levantou para atender de novo 

—Eu vou também— disse o filho, enquanto praticamente arrastava o amigo junto 

Ao abrirem a porta se depararam com uma garota de pele rosada usando um camisetão e sandálias, com uma scrunchie no pulso e um grande sorriso na cara

(autora: eu acho que é isso que uma vsco girl usa né?)

—Mina!— exclamou o de dentes afiados 

—Eae kiribaby, oi birbinha— ela disse em tom de brincadeira até notar a mais velha ali— Senhora Bakugou

—Porque vocês adolescentes continuam me chamando de senhora? Pode me chamar de Bakugou ou só Mitsuki mesmo—ela disse para a menina— e você seria?

—Mina ashido— ela disse feliz 

—Entra aí ET— disse Bakugou recebendo outro tapa da mãe— Quer parar de me bater?

—Quer parar de ser sem educação?

—Se eu sou sem educação e pq vc n me deu—ele resmungou já dentro da casa, porém a mãe fingiu que não ouviu

Depois disso, aconteceram algumas conversas, Sero chegou, recebendo um selinho da namorada

(gente eu shippo a mina e o kaminari com Deus e o mundo)

Logo depois disso, kaminari chegou, junto com jirou, o que não foi surpresa pra ninguém por que apesar dela não estar no grupo de WhatsApp, quase sempre que eles iam sair, kaminari a chamava para ir junto, o que não era incômodo para ninguém, nem mesmo para bakugou, pois todos gostavam muito da “emo”

—Trouxe a jirou, se não tiver problema— disse o Pikachu 

—Claro que não né cara de burro, agora entrem— falou Bakugou revirando os olhos

Assim que todos chegaram e deixaram suas coisas, eles sentaram no sofá para descansar um pouco, afinal o filme só começaria dali uma hora, e eles já tinha comprado os ingressos on-line, só precisariam ir para o shopping mais próximo, que ficava a 10 minutos da casa de Bakugou 

Em meio de risadas e provocações, Mitsuki assistia, convencida e feliz, trocando olhares com o marido, aquelas crianças...não tinham medo dele, e o respeitavam, não como o rei que ele acreditava ser, mas como um amigo

E seu filho...Mitsuki podia dizer com toda certeza do mundo que o garoto amava os amigos, afinal o conhecia mais que qualquer um, e se esses fossem como os antigos “amigos”, ela sabia que no primeiro apelido que dessem pra ele, ele explodiria eles e os mandariam embora, mas com aquelas pessoas, ele respondia as brincadeirinhas, tinha sua cara emburrada, claro, mas mesmo assim, provavelmente pela primeira vez para mitsuki, ela não parecia verdadeira.

Bakugou estava feliz 

Feliz por algo que não envolvesse suas ambições ou suas conquistas, feliz por algo que não envolvesse só ele mesmo

E se seu filho estava feliz, ela também estava 

—Acho que já tá na hora de vazar gente— disse kaminari olhando o relógio 

—É vc tá certo, falta trinta minutos pro filme começar— concordou mina se levantando— foi um prazer conhecê-los, senhor Bakugou, Mitsuki 

—O prazer foi nosso, mas ainda vamos nos ver hoje a noite não?— respondeu Masaru

—Vamos sim—Sero sorriu também se levantando com ajuda da namorada

—Até depois, e obrigado— Kirishima se levantou 

—Obrigada— falou jirou, se apoiando no braço de Bakugou para levantar 

— Nos e que agradecemos, por cuidar de nosso filho— disse o acastanhado sorrindo, porém Bakugou notou que Mitsuki continuava calada ela olhava para o chão com as mãos juntas sobre a boca, parecendo pensativa, e uma onda de preocupação o atingiu, sabia que se a mãe não gostasse dos amigos, podia simplesmente afastá-los dele, já tinha feito isso antes 

Apesar disso, o garoto viu o olhar da mulher, e um sorriso se formando debaixo de suas mãos, então a mãe o olhou

E Bakugou soube que os bastardos tinham passado em seu pequeno teste

E ele não pode deixar de sorrir 

 

 

 

 


Notas Finais


Perdão por qualquer erro
Espero que tenham gostado
Até a próxima ✌🏼❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...