História Ballerino - Capítulo 27


Escrita por:

Visualizações 159
Palavras 4.297
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 27 - 27 - Raiva sem motivo


Jimin estava sentado no sofá do apartamento de Jungkook e tudo estava um completo silêncio. O Park não tinha dormido direito na noite passada, pois seu irmão chegou em sua casa e quis conversar sobre sua vida inteira e quando viu, já tinha passado as três da manhã e ele sequer tinha tomado um banho. Foi uma coisa horrível, porque quando foi dormir, já passava das quatro da manhã e as sete, ele já precisaria estar acordado para ir para cada dos Lithium para ficar com a "criança".

O bailarino ficava encarando a televisão desligada, sentindo seus olhos pesarem e quererem dormir, só que ouviu a voz de Jungkook ecoar pelo local, tirando a paz de estava ali. Jimin apertou seus olhos, abrindo-os rapidamente e olhou para Jungkook a sua frente. Se tinha uma coisa que ele não gostava era quando o cantor já acordava reclamando das coisas. Se fosse assim, ele preferia que ele acordasse o ignorando.

— Bom dia, Jungkook. — Jimin sorriu, olhando para o homem a sua frente. — Dormiu bem?

— Cadê meu café da manhã, hein? Todos os meus outros "professores" faziam e você fez durante um tempo e depois parou.

— Você ficava com uma cara horrorosa, falando se coloquei veneno na comida e essas coisas, que eu perdi a vontade de te trazer café da manhã. Se quiser faz, pois eu não sou pago para servir de cozinheiro para você, meu querido.

— Você nem fazia, você só comprava.

— Ah, agora eu tenho que gastar meu salário todo contigo?

— De preferência. — ele confirmou. — Acordei morrendo de fome e não tem nada aqui!

— Tem ovo. Frita e come. — Jimin bufou, acompanhando com o olhar o outro ir para a cozinha. — O que deu em você, hein? Até ontem, você estava sendo uma pessoa agradável de se conviver e já voltou a ser insuportável?

— Você é engraçadinho, não é? — falou da cozinha. — Você me acostuma com as coisas e depois não mantém elas.

— Pelo amor de Deus, desacostuma, se for assim. Não é você que fica dia e noite falando que quer que vá embora? Ontem você até me levou para comemorar que só temos mais um mês juntos, Jungkook. Quando for embora, você vai querer que venha aqui e faça café da manhã para você e depois vá embora?

— Ok, Park, eu já entendi! — Jungkook reclamou da cozinha. — Chega mais cedo amanhã e coa café para mim.

— Vai pensando. — Jimin falou baixo.

— Eu vou malhar depois. Fica atento, pois quando eu bater na porta, eu quero ser atendido em cinco segundos.

Jimin rolou os olhos, coçando o cabelo. — Como é chato, meu Deus! — pensou.

O bailarino fechou seus olhos em busca de um pouco de descanso, porém tentava a todo custo não dormir. Afinal, ele não queria ser pego pelos outros três, dormindo em horário de trabalho. Só que ele sequer aguentou e fechou seus olhos um pouquinho, pois o silêncio do local ajudava a ele querer descansar. O Park suspirou fundo, pegando uma das almofadas, colocando abaixo de seu pescoço, jurando para si que seria "só" dez minutos.

Jungkook tocava a companhia de casa, cheio de raiva. Já tinha, pelo menos, cinco minutos que ele estava ali. O rapaz só queria entrar em sua casa e tomar um banho para descansar, já que não faria nada naquele dia, pois já sabia que quando voltasse a preparação do comeback – se fosse ter mesmo – ele não teria mais tempo para fazer nada e muito menos para descansar.

Quando Namjoon abriu a porta para Jungkook, o mesmo até pensou em reclamar pensando que era Jimin que tinha deixado ele ficar cinco minutos do lado de fora por puro deboche mesmo. Ele só deu um sorrisinho de lado, sem falar nada e entrou em casa, vendo Jimin praticamente desmaiado no sofá, enquanto seu cachorro estava em cima dele.

— O que aconteceu com ele? — Jungkook perguntou.

— Não sei, quando eu desci, ele já estava dormindo.

— Ah, tá bom. — ele deu de ombros, aproximando-se mais de Jimin.

— Vem cá! — ele tirou o cachorro de cima de Jimin. — Não fica em cima desse humano ou você vai começar a ficar chato e idiota que nem ele.

— Você fala do Jimin como ele fosse a pior pessoa do mundo.

— Ele não é uma das pessoas que mais detesto, porém não é uma das quais mais amo também. — respondeu. — Só que ele é chato! Não sei onde arrumaram ele!

— Foi Yoongi. Yoongi disse que ele era perfeito para você.

— E você acreditou?

— No desespero, até se ele falasse que um magnata ia te dar um jeito, eu acreditava. — Namjoon foi para a cozinha, porém foi seguido por Jungkook que ainda estava com o cachorro no colo. — Ao menos está dando certo.

— Claro que está dando certo, ele está com minhas coisas e eu quero elas de volta ainda!

— Vocês são amiguinhos, não?

— Jamais! — o mais novo negou.

— Pensei que eram, todo dia saem juntos.

— Eu não vou te falar nada.

— Eu não estou reclamando. — Namjoon falou para ele. — Estou bem feliz que você esteja fazendo amizade com alguém. — sorriu. — Então, eu vou para a Big Hit terminar umas coisas por lá e eu não sei se os outros vão ficar aqui, é... Você tem Jimin e ele sabe a senha.

— Quando vão me dar a senha da porta da minha própria casa? — o mais novo perguntou. — Acha que eu vou mudar para ninguém mais entrar?

— Olha...

— Você acha?

— Você é meio vingativo quando quer, não? — Namjoon olhou para ele, colocando café no copo.

— Eu não vou. — respondeu. — Só quero poder entrar e sair daqui sem que precise de uma babá no meu pé ou ficar a mercê de vocês.

— Vamos conversar sobre isso quando eu chegar. — Namjoon pediu. — Tudo bem?

— Se eu tiver no clima, eu desço para falar com você.

— Já sei que nunca vamos falar sobre isso, pois você nunca "está no clima".

— Claro que eu vou vir uma hora, é uma coisa que me interessa também. — respondeu.

— Quando eu chegar, nós conversamos sobre isso, pode ser? — Namjoon perguntou mais uma vez, recebendo um aceno positivo do mais novo. — Ótimo. Outra coisa, você sabe que semana que vem, nós vamos viajar para gravar o clipe, né?

— É, eu sei. — ele colocou o cachorro no chão. — Eu já peguei a coreografia e quarta, nós já vamos repassar tudo de novo.

— Jimin vai com a gente.

— Ah, não! — Jungkook arregalou os olhos.

— Ah, sim!

— Eu pensei que teria dos dias de folga dele. — Jungkook se aproximou do maior. — Melhor ele não ir.

— Melhor ele ir.

— Eu juro que eu vou me comportar e não vou sumir que nem da última vez. — o Jeon só faltou ajoelhar na frente de Namjoon, implorando. — Repensa isso, por favor.

— Eu queria tanto, mas tanto falar "certo, eu não vou levá-lo", só que alguma coisa aqui dentro... — Namjoon tocou seu coração. — Me diz que preciso fazer isso para o seu bem.

— Certo, é só um mês. — o mais novo sussurrou. — Só que tenho exigências.

— Você sempre tem.

— Se ele ficar no meu quarto...

— Ele vai ficar com Taehyung. — o Kim o cortou. — Você vai ter o quarto só para você, tudo bem? Eu vou dividir com Jin, Taehyung com Jimin e você sozinho.

— Ótimo. — ele sorriu. — Foi muito bom conversar com você, nós nos falamos de noite... Eu acho. — Jungkook virou-se, saindo da cozinha.

Ele subiu para seu quarto, tomando um banho e vestido uma roupa leve, ficando a vontade em cima de sua cama, mexendo em seu celular. Ele espreguiçou-se, já que se sentia entediado com o silêncio da casa. Era legal quando ele tinha seu computador de gamer que dava para ficar jogando sem ninguém enchê-lo o saco.

Ele saiu de uma cama, descendo as escadas com cuidado, olhando para a sala e Jimin continuava dormindo. Jungkook tinha certeza que ele tinha passado a noite na balada e por isso estava daquele jeito. O idol até estava pensando em ir para a terapia de táxi, já que seria um perigo andar com ele sonolento daquela forma. Ele aproximou-se do bailarino, pensando em acordá-lo, só que pensou duas vezes já que vai que Jimin acordasse que nem um cachorro raivoso e mordesse ele? O Jeon tinha certeza de que teria que tomar uma vacina antirrábica depois. Só que Jungkook tinha um espírito de criança atentada que gostava de provocar os outros e não ficaria calmo enquanto não fizesse alguma coisa que acalmasse o seu interior.

E se ele jogasse água em Jimin? Desenhasse na cara dele? Ficasse jogando almofadas nele até que acordasse? Eram tantas opções só que ele não conseguia se decidir qual delas, ele queria. Só que o mesmo se controlou, pois precisava ficar educado, já que era um acordo entre eles e não podia mais quebrar a confiança de Jimin, depois de ter "roubado" o carro dele. Jungkook sentou-se um pouco perto de Jimin, pegando a mão esquerda dele, tirando os anéis.

O mais novo não entendia o motivo de Jimin usar tantos anéis em seus dedos. Particularmente, ele achava aquilo estiloso, embora não achasse que combinasse com a personalidade que Jimin passava para ele. O cantor fez o mesmo com a outra mão e o Park estava em um sono tão profundo que nem se dava conta de que estava sendo "furtado". Jungkook sentou-se no outro sofá, colocando os acessórios do Park em nos dedos que cabiam. Ele admirou sua mão, dando uma risada e saiu de perto do outro, indo para cozinha fazendo um miojo.

Jungkook só se perguntava onde Jin estava, já que Taehyung estava com Hoseok e Namjoon trabalho. Só o mais velho que não tinha aparecido. Ultimamente, todos daquela casa estavam passando muito tempo fora, ou será que era ele que estava passando muito tempo dentro de casa? Não teve sequer um dia que eles não fizeram nada que os outros três ficavam em casa. Era viagem para suas cidades natais, era passar tempo com os namoradinhos e namoradinha, era trabalho solo e tudo mais, exceto ele que não tinha nada para fazer a não ser cuidador de um cachorro e uma gata.

Depois que terminou de comer, Jungkook voltou para a sala, tirando os anéis de Jimin e seu dedo e colocou na mesinha ao lado da parte que ele dormia. Entretanto, tinha um que não queria sair de jeito nenhum. O acessório parecia "entalado" em seu dedo e mesmo que tivesse puxando muito, não saia. Jungkook respirou fundo, tentando não se desesperar e foi para a cozinha, passando detergente em seu dedo e tentando-o tirar debaixo d'água. Ele tentou fazer aquilo por alguns longos segundos, mas não deu certo. Ao desligar a água, Jungkook subiu para seu quarto, pegando creme e óleo, passando em suas mãos, porém não saia por nada desse mundo e ele só pensou que quando Jimin acordasse, o mesmo ia pirar com ele. Com certeza, aquele anel em seu dedo não deveria ser barato e o bailarino ia sair gritando por aquela casa que ele pagou 300 mil dólares em um anel que agora estava entalado em um dedos de Jungkook.

Jungkook riu, pois sabia que a tragédia estava por vir. Claro que era uma ótima ideia pegar os acessórios de Jimin que era menor e tinha a mão e dedos menores do que ele e colocar em si. Claro que aquilo daria muito certo no final. O pior era que seu dedo estava inchando e doendo. Uma dor que ele não sabia se era apenas psicológico ou real pelo sangue não conseguir circular naquela área.

— Certo, Jungkook, ele ainda está dormindo e você só precisa encontrar um jeito de tirar isso do seu dedo. — disse para si mesmo, tentando se acalmar.

Ele pegou seu celular, abrindo o Naver, procurando como tirar um dedo preso no dedo e viu a dica do fio dental. Jungkook foi no banheiro, abrindo a gaveta, pegando o fio dental, enrolando no seu dedo, do jeito que tinha visto, só que não saia.

— JUNGKOOK!

O Jeon ouviu a voz ecoar do piso debaixo.

— Você tirou meus anéis, por quê? — ele ouvia a voz de Jimin mais perto, pois, com certeza, estava indo procurar Jungkook em seu quarto.

— Tirei e me fodi, tá bom? O carma voltou muito rápido dessa vez. — ele respondeu do banheiro. — Nem deu tempo para me preparar.

— Onde você tá?

— No banheiro, tentando tirar seu anel do meu dedo! Certeza que eu vou amputar o dedo. — começou a ficar desesperado.

Jimin apareceu na porta do banheiro, olhando para Jungkook com uma cara que não aprovava muito. Ele entrou no banheiro e, silenciosamente, pediu para Jungkook mostrá-lo o anel em seu dedo. Jungkook, como uma criança sabendo que aprontou e sabendo que levaria uma bronca mostrou para o mais velho.

— Só me diz, por quê? — Jimin perguntou.

— Não tinha nada para fazer e eu tive essa ideia!

— Você não aguenta ver nada quieto no lugar, não? Eu durmo meia hora...

— Duas horas. — corrigiu, pois mesmo que tivesse vulnerável a Jimin, ele ainda era afrontoso.

— Você não consegue deixar as coisas quietas, não?

— Não. — ele balançou a cabeça de um lado para o outro. — Eu pensei em te acordar, só que eu fiquei com medo de você acordar invocando Lúcifer e não tinha nada para fazer. Eu queria jogar um balde de água em você, mas minha consciência disse "Não Jungkook" e aí eu peguei seu anéis, pois eu não gosto de obedecer nada! Nem meu lado sensato.

— Isso nós podemos observar, não é? — Jimin não acreditava nas coisas que ouvia. — Podia ser qualquer anel, mas não, tem que ser logo esse!

— É especial?

— Sim!

— Ai, eu vou ter que amputar o dedo. — Jungkook respirou fundo. — Eu não quero amputar meu dedo, Park!

— Se acalma.

— Eu não vou me acalmar, porque eu já tentei óleo, eu já tentei creme, já tentei detergente, já tentei fio dental e nada! Só não tentei camisinha porque não tinha! — Jungkook começou a ficar mais desesperado. — Agora meu dedo tá doendo.

— Se deixasse as coisas quietas no lugar, não teria acontecido isso. — Jimin afastou-se, só que foi seguindo por onde quer que o Park fosse. — Vamos ter que cortar.

— Cortar o quê? — o coração do mais novo acelerou em ouvir aquela palavra, já que estava pensando sempre no pior. — Meu dedo? Park, pelo amor de Deus, eu quero casar, eu quero ter um dedo para colocar minha aliança! Como vou explicar para minha futura esposa e meus filhos que eu não tenho um dedo, hein?

— Onde que fica a caixa de ferramentas? — Jimin não se importou com o desespero do outro.

— Park, olha, seja piedoso. Eu sei que não sou a melhor pessoa do mundo, porém eu não mereço ser desdedado antes dos 25! Você ouviu que eu disse? — ele ia seguindo Jimin pelo tour pelas gavetas da varanda, achando um alicate com a ponta fina e virou-se para ele. — Se afasta de mim!

— Me dá o dedo com o anel. — o bailarino pediu.

— O quê?! — Jungkook arregalou os olhos. — Veja bem o que você quer fazer!

— Eu deveria arrancar seu dedo mesmo, mas eu vou cortar meu anel mesmo.

— Ah... — ele ficou um pouco mais calmo. — Pede com carinho, então.

— Me dá a porra dessa mão ou eu deixo você necrosar esse dedo!

— Tá bom. — ele estendeu a mão para Jimin, que virou sua palma para cima, colocando a ponta do alicate, focando a pele dele para baixo.

Jungkook fechou os olhos, sentindo dor. Jimin fez dois cortes um tanto mal feitos em cima e embaixo, e uma das partes caíram no chão, livrando da agonia de ter algo apertando seu dedo.

— Pronto. — Jimin disse, pegando o pedaço que tinha caído no chão e o qual estava na mão de Jungkook, colocando o alicate, onde tinha encontrado.

— Obrigado.

Jimin balançou a cabeça, voltando para sala, sentando-se no sofá, olhando para as duas partes e juntando elas, como quisesse que, magicamente, elas colassem. Ele fez um bico, suspirando.

— Pelo menos, meu dedo foi salvo. — Jungkook falou subindo. — Nunca fiquei tão feliz por conta de não perder o dedo.

Jimin colocou as partes da joia no centro, voltando a olhar para o teto.

— Pensei que ia ficar mais possesso. — Jungkook sentou-se no sofá perto de Jimin e o mais velho reparou que ele tinha um band-aid no dedo.

— Olha, eu estou tão cansado e com dor de cabeça hoje que, se você quiser pular da janela com uma guarda-chuva aberto, eu deixo. — Jimin respondeu, baixo.

— Me deixa tentar?

— Olha, não pensa muito, só vai. — Jimin olhou para ele. — Só que faz uma live, para as pessoas terem certeza de que você se jogou porque quis, pois se você morrer e não ter uma prova disso, eu vou ser o culpado e eu não estou a fim de ir para cadeia por sua conta.

— É tristeza? É por que você sabe que vai viajar com a gente para o sul, não?

— Não. — negou. — Só dormi pouco.

— Quem mandou passar a noite na gandaia?

— Onde eu passo a noite não é da sua conta.

— Eu sei, só que você sabia que no outro dia viria trabalhar, por isso, se fosse responsável, sairia mais cedo de lá.

— Desde quando você tem moral de dar sermão em alguém? — Jimin deu risada. — Até porque, até onde eu sei, eu não afirmei que estava em uma balada ou festa por aí e, se eu tivesse, você não deveria me dar sermão.

— Você é meu funcionário, eu posso fazer o que quiser.

— Eu não sou seu funcionário, eu sou funcionário do Namjoon. — o Park corrigiu.

— Nem você acredita nisso.

— Claro que acredito! Afinal, vou ele que assinou minha carteira de trabalho por seis meses e paga meu salário.

— Puta que pariu, seis meses? — Jungkook franziu os lábios. — Pensei que estava zoando quando disse que ia ficar até o final do ano.

— Se quiser, eu fico.

— Deus me perdoe. — ele riu, baixo. — Meus pecados não foram tão graves assim ao ponto de eu ter que te aturar até o final do ano.

— Você esconde sua insegurança atrás desse deboche que só convence você, não? Só que vou ser uma pessoa legal e fingir que acredito também.

— Nossa. — Jungkook riu. — Já que gosta tanto da minha presença, vamos ficar uma semana só você e eu 24 horas por dia? Topa? Nós alugamos um quarto de hotel e durante uma semana, nós faremos tudo juntos. Vamos acordar juntos, tomar café juntos, almoçar, jantar, passear e dormir juntos. Quem pedir para sair primeiro, perde.

— E quem não pedir ganha o quê?

— Ganha um final de semana no SPA descansando a mente do outro.

— Só não aceito, pois eu vou perder.

— Você disse isso com Pokémon e bem, nós sabemos muito bem o que aconteceu.

— Foi sorte do dia. Agora, se você já está me deixando a flor dos nervos com 8 ou 12 horas por dia, imagina 24 horas por dia. — Jimin bufou, debochando. — No segundo dia, eu ia sair correndo pelado de lá com uma cueca na cabeça.

— Aí você me pagava um final de semana no SPA.

— Jungkook... — Jimin fechou os olhos.

— Sim.

— Você não disse que ia me ajudar no balé, por que não ajuda? Você vai lá, fica me enchendo o saco e tal, mas nunca ajuda.

— Eu te gravei dançando para ver em casa e procurar vídeo no YouTube, sabia? — se defendeu. — Eu dou o meu melhor para quem não sabe nada!

— Se você não sabe nada, por que oferece ajuda?

— Park, é que assim... — o Jeon coçou o cabelo. — É que eu não consigo achar defeito sabe? Não sei se é porque não tem ou porque não sei nada da dança. Eu não sou formado em dança e todas essas coisas, eu só posso falar com a minha experiência. Eu acho que você deveria ser meu professor de balé, não? Aí você me ensina as coisas eu posso te ajudar.

— Você? — Jimin riu. — Eu não te vejo dançando balé.

— Não é para dançar, mas saber na teoria. — ele rolou os olhos. — Eu nunca ia por aquela legging e aquela sapatilha e ficar pulando de um lado para o outro como minhoca no chão quente.

— Se fosse te ensinar, passaríamos mais tempo juntos.

— Essa é a parte péssima do negócio. Se quiser me falar um pouco mais na sexta.

— Na verdade, você não vai na sexta, pois nem eu vou. — ele falou.

— Posso saber por quê?

— Eu vou sair com... Olha, eu não te devo satisfação da minha vida.

— Calma. — Jungkook riu. — Vai namorar, né? Vai na fé! Talvez volte melhor humorado.

— Obrigado.

— De nada. — respondeu. — Ensina na outra sexta.

— Vou ver o que posso fazer por você.

— Park... — Jungkook falou um pouco baixo, fazendo Jimin olhar para ele. — Eu já te disse isso uma vez, mas eu vou falar de novo. Eu não odeio você. Eu posso ter raiva de algumas coisas, como eu acho você chato, que se acha o dono da razão, que acha que só você é o certo, se acha perfeito, que me acha a pior pessoa do mundo todo e todas essas coisas. Só que você faz um bom trabalho, você sabe chegar no ponto fraco da pessoa, se posso chamar assim, e usar isso em seu favor e achar que está a ajudando. Se ajuda ou não, eu só vou saber se testemunhar isso. Você pode ser a pessoa mais legal do mundo, talvez seja mesmo, já que todos te acham. Porém eu não posso aceitar sua amizade. Pode ser por esse jeito que se demonstre para mim, e devo ter culpa de sempre se mostrar esse "cobra" para mim, não? Afinal, eu te ataco por todos os lados também. — ele desviou o olhar. — Eu não estou preparado para uma amizade nova, eu não quero fazer amigos novos por agora, eu não sei como eu estou de verdade, eu não quero te magoar. Alguns pensam "que fofo, você não querer magoar alguém", só que é triste, pois eu não quero mais um na lista. Sabe, de alguma forma, eu sei que vou acabar fazendo isso, pode ser que já faça, não é? Eu acho que você já se meteu demais nos meus problemas e acho que deve se afastar disso, principalmente por não saber o que meu pai pode fazer. Se ele fizer alguma coisa que te constranja ou que te machuque, eu nunca vou me perdoar, como nunca me perdoei quando ele ameaçou Namjoon de contar para a mídia que ele era gay e tinha um relacionamento com outro homem. Eu não posso aceitar a amizade de alguém sabendo que mesmo que eu faça de tudo para não machucar, eu posso acabar fazendo isso indiretamente. Imagina se meu pai descobre que você também é gay. — Jungkook voltou a olhar para Jimin. — Ele pode te ameaçar de alguma forma? Ele pode usar isso para me ameaçar ou até mesmo o Lithium? Quem sabe um dia no futuro, se eu melhorar, se eu não tiver mais medo de nada e nem do meu pai, que Lithium não acabe por ter um casal gay de verdade, pois como sabe, fãs shippam todos nós entre si, porém só entre nós. Bem é nojento, eu sei. Usam uma sexualidade apenas para fetiche delas, mas é assim. Se um dia, eu tiver tudo isso resolvido comigo, nós possamos ser amigos. Só que é verdade, eu não quero e não posso ser seu amigo de maneira nenhuma! Isso não tem a ver com você em si, mas comigo.

— Tudo bem, Jungkook. — Jimin balançou a cabeça. — Eu não vou ficar mais forçando a nossa "amizade". Me desculpa.

— Se afasta dos meus problemas com meu pai, tá bom? Você se envolveu demais nas minhas coisas e coisas que nem precisa se importar. — ele bufou. — Não era para ter brigado com meu pai, agora ele vai fazer tudo para te atingir, então, o quanto mais longe ficar de mim, melhor. Uma vez, Yoongi deve todo seu apartamento destruído. Eu acho que foi meu pai, não é comprovado. Já pensou meu pai faz isso com você? Eu juro, vai ser meu fim. Meu milésimo fim durante esses 22 anos de vida.

— Sabe, eu acho que temos coisas mais importantes para conversar do que isso. — Jimin falou. — Tipo de o que vamos fazer para Namjoon e Yoongi. Tudo bem, eu vou embora, porém você precisa ter uma relação, digamos que, boa com ele, não é?

— Acho que pagar um jantar para eles em um restaurante que gostem, seria melhor.

— Mas você próprio fazer uma coisa para eles, seria mais significativo. Você perdeu tempo pensando, comprando, fazendo, arrumando e eles iam ficar tão felizes com os mínimos detalhes.

— Não sei o que pensar em fazer. — fez um barulho com a boca. — Eu penso melhor depois e te falo.

— Certo. — ele balançou a cabeça. — Está triste?

— Não, por quê? — Jungkook respondeu.

— Parece.

— Só pensativo com certas coisas.

— Quer um abraço?

— Oi? — Jungkook perguntou com indignação.

— Um abraço é sempre bom. — Jimin abriu os braços e Jungkook se levantou, ainda mais indignado.

— Está vendo? Você estraga tudo! — exclamou.

— Mas eu...

— Quem você acha que é para me oferecer um abraço? Eu hein! Eu não quero um abraço seu e eu me arrependi de ter falado aquelas coisas agora, pois...

— Jungkook, se acalma! — Jimin riu.

— Ah, você me irrita! — ele levantou do sofá, morrendo de raiva pelo que Jimin tinha falado e ele nem sabia o motivo.

Jimin deu risada, acompanhando o mais novo com o olhar. Jungkook parecia que ia explodir e Jimin pegou o celular.

— É uma gracinha quando fica irritado. — Jimin falou, rindo mais. — Parece uma criança que jura que é adulto e não quer mais andar de mãos dadas com os pais. Ai, ai. — suspirou.

Jimin jurava que tentava, porém não conseguia parar de rir pelo ataque de raiva, do nada, de Jungkook.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, obrigada por lerem!

Então, pequeno spoiler do próximo capítulo: Jungkook vai dar nomes de verdade para os pets dele! :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...