1. Spirit Fanfics >
  2. Bandmates and Nothing More - Maylor >
  3. Ok, But...

História Bandmates and Nothing More - Maylor - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


devia ter enviado o pov do brian primeiro pq ele levantou mais cedo, mas não me liguei nos horários e tbm eu queria o do roger primeiro, quem não gosto paciência. não pretendo fazer pov do john e do freddy tão cedo (até pq kkk a história não é focada neles ent eles podem esperar sentados, isso se eu fizer ne) ent o próximo cap não vai ser um pov e sim a narração do primeiro ensaio deles e talvez seja grandinho, to tentando não passar de 2 mil palavras pra não ficar cansativo. se ficar grande demais eu divido em dois caps fé fml
eu falando aqui como se alguém tivesse mesmo se aprofundando na história, enfim, boa leitura <3

Capítulo 5 - Ok, But...


8:45  |  Brian Pov.

 

Acordei com marteladas na minha cabeça. Ressaca desgraçada. Me levantei e fui tomar algum remédio para ver se passa ainda hoje, porque sempre que eu bebo fico com uma enorme dor de cabeça depois, é como se fosse o meu subconsciente me punindo por beber. Eu só bebo mesmo em ocasiões especiais, não fumo, não uso drogas, nunca fugi da escola ou matei aula. Há quem me chame de Senhor Perfeitinho, Deaky por exemplo, mas para ser sincero rebeldia não é a minha praia. Sempre preferi ser educado, comportado, exemplar; Não por obrigação e sim porque eu prefiro a recompensa de ser centrado, com a cabeça no lugar do que a atenção que os rebeldes ganham. Pois a recompensa são elogios e reconhecimento de pessoas sábias e a atenção à rebeldia vem de pessoas baixas e sem conhecimento sobre nada, é assim que eu vejo.

Há quem diga que só sou certinho pelo fato da minha família ser religiosa e cobrar muito de mim, porque se não tivesse uma influência familiar eu seria só mais um adolescente perdido na vida e eu até concordo. Minha família me manteve nos trilhos durante muito tempo, mas eu não acho que a família possa influenciar tanto uma pessoa se ela não possui boa índole. Quando você nasce destinado a ser um zé mané sem futuro próspero, não há família, professor, religião ou boa influência na sua vida que te faça crescer. Só quem pode te fazer crescer ou te derrubar é você mesmo.

Amigos da minha família pensam que eu estou fazendo um personagem na frente dos meus pais, que por eu ser apaixonado por rock e ter cabelo grande o meu bom comportamento é uma farsa. Ainda bem que já sou de maior e posso viver como eu quiser, sem contar que meus pais conhecem o filho que têm e me dão todo o apoio que eu preciso. Tanto que a pequena casa nos fundos da casa dos meus pais é minha. Com um quarto, uma sala de estar, um banheiro e uma cozinha eu fico lá a maior parte do tempo, mesmo que ainda diga às pessoas que moro com meus pais, na verdade, eu moro atrás da casa dos meus pais. O que é muito bom, posso receber amigos lá e tocar minha guitarra sem fazer incômodo à eles, como posso estudar em silêncio sem ser interrompido.

Passando pela sala pude perceber que aquele lugar necessitava de uma faxina urgente. Pilhas de livros por toda parte, pacotes de salgadinho em cima do sofá, garrafas de refrigerante no chão e na mesinha de centro, a qual estava lotada de papéis, pesquisas e cadernos no meio de embalagens de doce. Isso foi resultado de uma longa semana de provas e trabalhos avaliativos e agora que eu sobrevivi e passei dessa etapa, tenho que dar um jeito nessa bagunça.

Arrependido de não ter ficado só no refrigerante naquela noite, ou melhor, nessa madrugada, fui escovar os dentes depois de tomar o remédio quando alguém bateu na porta. Com a boca cheia de espuma branca de pasta de dente e a escova na mão, ainda de pijama e pantufa, atendi a porta achando que era meu pai ou minha mãe e dei de cara com John.

— Bom dia, Brian! — cumprimentou o mais novo empolgado, adentrando a sala.

— Bom dia, John?! — cumprimentou de volta mesmo sem conseguir falar direito por conta da pasta de dente. — Você sabe que horas são?

— Sei e que bom que está acordado porque se não estivesse eu teria que entrar pela janela do seu quarto.

— E por quê? 

— Porque se eu ligasse pra cá ia acordar seus pais.

— Sim, mas o que devo a honra dessa visita? 

— Ah, sim. O Fred, ansioso, me ligou agora de manhã pra marcar um ensaio nesse final de semana e eu, mais ansioso ainda, marquei pra hoje às três. — soltou um sorriso largo indo até a cozinha. abriu a geladeira e deu uma boa olhada como se estivesse procurando algo.

— Meio precoce, mas beleza. Onde? — seguiu escovando os dentes indo até onde o mais novo estava.

— Aqui! — fechou a geladeira e começou a anotar em um bloquinho de notas.

— O que tem aí? — perguntou Brian sonolento, com os olhos quase fechando e mastigando a escova de dentes, achando que John estava se referindo à algo de dentro da geladeira.

— Acorda, Brian, vai ser aqui. 

— Opa, opa, opa! Quem te deu permissão pra trazer gente aqui? — cuspiu a espuma da boca na pia e olhou para Deacon de cenho franzido.

— "Gente" não, a nossa banda! Agora shh, Brian. Tô fazendo uma listinha de compras que precisamos fazer pra abastecer essa geladeira.

— Opa, opa, opa. Eu tô emprestando o lugar, não quero gastar meu dinheiro também.

— E não vai. Eu e Fred que vamos fazer as compras depois do almoço, já você vai é limpar esse chiqueiro. Portanto guarda seus opas pra depois e começa logo essa faxina.

— Meus opas?! — perguntou para si mesmo e soltou um bocejo demorado.

— Ai, esquece. Não dá pra conversar com você assim, tá dormindo ainda! — olhou o mais velho dos pés à cabeça e saiu da cozinha, se dirigindo até a porta. — Toma um banho gelado e vê se acorda. Ah! E busca o Roger na casa dele ás duas e meia, ajuda ele com a bateria.

— Espera, o quê? Por que eu? 

— Porque eu e o Fred vamos às compras ás duas horas, né! Só dois de nós quatro tem carro, você e o Roger. Eu e o Fred vamos usar a camionete do Roger pra comprar as coisas no mercado e você usa seu carro pra buscar o Roger e o equipamento da bateria pra cá, só isso que você tem que fazer, entendeu?

— Tá, mas eu não sei onde o Roger mora.

— Deixei anotado o endereço da casa dele na porta da sua geladeira.

— Tá, mas se o Roger tem uma camionete, por que ele não usa pra trazer o equipamento dele pra cá sozinho? Daí eu iria com você e com o Freddy no mercado.

— Porque o Roger não sabe onde fica sua casa, então você vai lá buscar ele no seu carro.

— Tá, mas por que você e o Freddy não vão no mercado comigo e depois nós três vamos buscar o Roger?

— Porque alguém tem que ficar aqui arrumando os outros instrumentos na sala.

— Tá, mas então por que não vamos eu, você e o Freddy no mercado e depois eu e você vamos buscar o Roger? O Freddy fica arrumando as coisas.

— Sozinho? Ele nem conhece a casa, daí alguém teria que ficar com ele e seria eu. Porque eu não tenho habilitação ainda e como você tem, daí VOCÊ teria que ir buscar o Roger na camionete DELE e nem eu e nem o Fred queremos isso, porque a chance de ele te expulsar da camionete e te atropelar só por você respirar perto dele é de tipo uns cem por cento. Por isso você vai buscar o Roger no SEU carro, assim a chance de ele te expulsar do carro e de te atropelar caem pra uns oitenta por cento. Pelo carro ser seu talvez assim a probabilidade de acontecer um acidente diminua. 

— ... Tá, mas e se...

— Não. — interrompeu. — Eu e o Fred já combinamos tudo. Não fica com medo, vai dar tudo certo!

— Não tenho medo desse cara. — deu de ombros.

— Maravilha, até mais tarde! — saiu da casa do encaracolado em pulinhos entusiasmados.

Talvez eu tenha medo desse cara. Ele me ameaçou com um copo de chopp e estava sóbrio, a impressão que eu tenho é que ele é desequilibrado, agressivo e vingativo. Não gosto de julgar as pessoas pela primeira impressão, mas a segunda impressão que eu tive é que ele é arrogante, cruel e ignorante. E a terceira impressão é que ele me odeia. Não que eu me preocupe muito se ele gosta de mim ou não, afinal eu só tô nessa banda por causa do Deaky, só que eu acho muita babaquice ele me detestar por causa da primeira vez que nos vimos. Tudo bem, eu bati de frente com ele, mas isso porque ele foi mal educado comigo. Eu tive uma semana estressante, tudo que eu queria era relaxar e do nada me vem um maluco arrumando briga comigo, chorando pelo chopp derramado. Eu extrapolei, se não tivesse tido uma semana tão intensa eu garanto que não teria respondido ele daquela forma, agora me arrependo amargamente porque tenho certeza absoluta que esse garoto vai ficar pegando no meu pé.

De qualquer forma, eu vou manter a calma e a coerência. Na minha cabeça ele é só mais um cara rebelde, amargurado e marrento que não merece minha preocupação. Ele tem o amigo dele para colocá-lo nos eixos, sem contar que ele não tem relevância nenhuma para mim. Entretanto, mesmo eu não indo com a cara dele, vou manter a harmonia pelo John, nunca vi ele tão feliz, ele queria mesmo entrar para uma banda e agora que conseguiu não vai ser eu quem vai acabar com a alegria dele.

Enxaguei a boca e terminei minhas higienes matinais rapidamente para logo começar a faxina na sala de estar. Não demorou muito e consegui limpar a casa toda, até porque os cômodos não eram muito grandes mesmo, fora a sala, a sala sim era espaçosa e até entendo o John ter marcado o ensaio aqui. Não só pelo espaço, mas sim por conta dos pais, barulho, privacidade e afins. Coloquei a mesinha de centro no meu quarto e meus livros foram para lá também; Arrastei o sofá para o canto da parede e tudo que poderia ocupar espaço eu removi daquela peça ou movi para os lados, deixando o centro da peça vazio; Abri espaço na geladeira também, para as compras que serão feitas. Sendo assim estava tudo quase pronto. 

Chegou meio dia e fui até a casa da frente almoçar a comida caseira e quentinha feita pela minha mãe. Aproveitei e já comuniquei aos meus pais que receberia visitas nessa tarde, para que assim nada interrompesse ou atrapalhasse o ensaio. Após almoçar, fui me arrumar e dar uma última checada na minha parte do equipamento. Deixei tudo muito bem organizado, ou seja, estava mais do que pronto para recebê-los e mesmo que estivesse cansado pelas poucas horas de sono, estava ansioso para ver como iria me sair tocando em conjunto pela primeira vez, já que sempre toquei sozinho e se toquei qualquer tipo de melodia com o John, foram muitas poucas vezes. Agora é a hora da verdade, vamos ver se essa banda realmente vai prestar.


Notas Finais


essa eu não revisei mesmo então se tiver algum erro, foi mal. obg por ler até aqui <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...