História Batman: o Fim de Arkham - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Asa Noturna, Batman
Personagens Bruce Wayne (Batman), Cassandra Cain (Batgirl), Damian Wayne, Dick Grayson, Harvey Dent (Duas-Caras), Jason Todd, Lucius Fox, Personagens Originais, Timothy "Tim" Drake
Tags Ação, Arkham, Aventura, Batman, Heróis, Luta
Visualizações 8
Palavras 4.179
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção, Luta, Mistério, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Para quem lê os quaquadrinhos pode ver as influências de DC Rebirth.

Capítulo 13 - Sentença de morte.


Depois de saírem da batcaverna e terem ido até a limosine que aguardava na casa de Dick, o trio se dirigia até a festa em um salão  de festas na Zona Norte de Gotham, estavam entre a ponte da Ilha Bleake e da Ilha da Zona Norte.*
- Não seria mais fácil ir direto para o evento de carro ao invés de pegar uma limousine? - pergunta Kevin sentado no banco ao lado de Cassandra e de frente para Dick.
- Não. Kevin, você tem que entender a lei dos ricos! Quando você tem acompanhantes e uma mulher bonita, você pega uma limousine e não um carro esportivo de duas portas. - explica Dick, sempre sarcástico.
- Mas aí poderíamos ir com dois carros esportivos e impressionar mais, não?
- Hmm... não tinha pensado nisso.
Enquanto passavam pela Ilha Norte, Kevin olhava o caminho pela janela do carro e se depara com aquele lugar, o orfanato onde crescera sua sua infância inteira, onde Duas-Caras invadiu para se esconder da polícia ao fugir do Arkham, onde o fogo havia consumido todas as pessoas que amava em uma única noite. O orfanato foi reconstruido por Kevin com o apoio da Fundação Martha Wayne, uma subdivisão da Wayne Enterprises dedicada a serviços sociais comunitários, além de providenciar profissionais de qualidade para ajudar a vítimas de problemas sociais. 

- Kevin... você está bem? - pergunta Dick, notando para onde Kevin olhava.
- Estou... -  responde Kevin, um pouco deprimido e olhando para baixo.
- Você... cresceu... aqui? - pergunta Cassandra.
- Sim... e foi aqui onde eu conheci Dick, ou melhor Asa Noturna. - responde Kevin.
- E logo depois que eu adotei você no outro orfanato e você descobriu quem eu era. - acrescenta Dick.
- Hah, não é como se você não tivesse deixado fácil demais.
Naquele momento Dick pensou que Kevin estava sendo sarcástico, mas depois percebeu o verdadeiro significado dessas palavras.
- Não é como se eu quisesse que você virasse o Batman. - afirma Dick de forma séria.
- Kevin? Keviiiin tá me ouvindo? - pergunta Luke Fox, chamando Kevin pelo comunicador e sendo ouvido por todos.
- Luke? E aí, o que achou na posição do segundo sinal? - pergunta Kevin empolgado.
- Caixas, com um composto chamado Renu, criado pela Dagget Chemical, diziam que é essa coisa era capaz de retrabalhar “quase qualquer material como argila”. E em um lugar da Torre Wonder, o drone encontrou... corujas,  um ninho cheio delas. -  Explica Luke Fox.
- Corujas?  Talvez a Corte esteja fazendo algo com este composto. O que exatamente transmitiu o sinal? - pergunta Dick.
- Não sei, mas... tinha um desenho de um morcego com uma cruz... e o desenho estava pegando fogo. Acho que pode ser alguém querendo alguma coisa com o Batman, alguém querendo ajuda-lo.
- Não é novidade, né Cassie? - pergunta Kevin para Cassandra sarcasticamete, que responde com um sorriso.
Pelas seis da tarde, a limousine chega na entrada do salão. Todos podiam ver pela janela uma grande quantidade de repórteres e fotógrafos na entrada, esperando as maiores personalidades do evento.
O trio logo sai da limousine e é bombardeado por flashes de câmeras.
- Senhor Wayne**! Senhor Wayne! Agora que Lincoln March está morto, qual será o futuro do projeto? - pergunta uma repórter insistente.

- Por favor, todas as suas perguntas serão respondidas na coletiva, inclusive sobre Lincoln. - responde Dick para a câmera.
- Kevin! Kevin Wayne! Há quanto tempo o senhor não aparece para as câmeras! Quem é sua acompanhante, alguma mulher especial? - pergunta a repórter novamete, colocando o microfone na cara de Kevin.
- Não, ela é apenas uma amiga que estava distante de Gotham e voltou, e...
- E onde o senhor esteve? Chegou em Gotham há quase um mês mas desapareceu por quase sete anos, o rosto da Fundação Martha Wayne não pode ficar tanto tempo longe de Gotham... onde o senhor estava?
- Eu... estava apenas...
- Ele estava na universidade oras... um visionário precisa de inspiração, não é mesmo? Agora vamos entrando pessoal. - afirma Dick, puxando Kevin para dentro do salão e repreendendo-o - você tem que aprender a lidar melhor com as câmeras Kevin.
- Foi mal, mas eu preferiria entrar pelos fundos Dick.
- Mulher... chata. - afirma Cassandra, seguindo Dick e Kevin até a parte principal do salão, onde haviam várias pessoas importantes, empresários de grandes corporações e políticos, como o prefeito Jim Gordon.
Quando o trio entra na ala principal, todos começam a olhar para o trio, e depois de alguns segundos Jim Gordon se aproxima para conversar.
- Kevin, meu bom rapaz! - diz Gordon, aproximando-se de Kevin e dando-lhe um abraço.
- Jim! - diz Kevin de igual maneira.
- Há quanto tempo! Onde você se meteu? Não te vejo há quase sete anos jovem!
- Heheh, resolvendo assuntos particulares apenas. E você? Como anda o melhor prefeito  que Gotham já teve.
- Hahahah estou ligado em tudo meu rapaz! Mas parece que vou ter que ficar mais um pouco na minha cadeira com a morte do Lincoln na noite passada. - responde Gordon, de início feliz mas depois mudando para uma postura mais séria ao mencionar March.
- Ele era seu escolhido não era? - pergunta Dick.
- Sim... estou tratando deste assunto diretamente com o comissário Cash e... ele me disse que o Batman voltou... - diz Gordon puxando os dois magnatas pela gola e sussurrando. - vocês... qual de vocês? Digam que não é o Tim.
De início os Kevin e Dick olharam-se por algum tempo, e Dick balança sua cabeça para Kevin.
- Sou eu. - responde Kevin sussurrando de igual maneira.
- Por Deus... bom, espero que não estejamos excluindo a senhorita da conversa, qual o seu nome? - pergunta o prefeito, se direcionando a Cassandra.
- Sou... Cassandra.
- Ela sabe... de tudo isso?
- Sim, não se preocupe, ela é um de nossos aliados. - responde Kevin, colocando as mãos no ombro de Cassandra.
- Kevin, está na hora do discurso. - afirma Dick, se dirigindo ao palco central e sendo seguido por Kevin.
De lá podiam ver todos os convidados, entre eles estava Jacob Kane. Dick então dá um passo a frente e começa a discursar:
- Senhoras e senhores, agradeço o comparecimento de vocês aqui hoje para tratarmos de um assunto muito importante: O projeto Gotham Reborn. E queria aqui prestar meu luto por Lincoln March, um homem que se dispôs a nos ajudar nesse projeto desde a morte de Alan Horningold. Mas a Wayne Enterprises decidiu que não vamos deixar essa cidade nos impedir. Já fechamos acordo com várias firmas de arquitetura e vamos continuar o projeto custe o que custar.
- Para a nossa sorte o governo federal, graças a ajuda do melhor prefeito que está cidade já teve, nos permitiu comprar a March Ventures, então esta será absorvida pela Wayne Tech e não seremos atrasados pela falta de contribuintes. Lincoln March nos deixou um legado. Uma cidade melhor e mais brilhante está apenas a um sonho de distância. - continua Kevin as palavras de Dick, batendo as mãos e abrindo os braços.
 Entre os braços do jovem aparecem um holograma da cidade de Gotham, toda remodelada e reconstruida, com todos os prédios velhos restaurados e tecnologicamente reformados, e com novos prédios e conjuntos comerciais e novas instituições socias, uma Gotham reconstruida. Todos, incluindo Jacob Kane, começaram a aplaudir a dupla e também ao prefeito.

Ambos então desceram do palco e começaram a cumprimentar todos, de empresários a políticos simpatizantes do projeto. Ao tentarem se aproximar de Jacob viram que este desaparecera de sua vista. Então Kevin, escondido de todos vai para fora do salão em uma grande sacada de onde podia ver um jardim.
- Cassandra, onde você está? - pergunta Kevin pelo comunicador.
- Olhando... Kane... ele não... fazer nada. Ala Leste. - responde Cassandra de igual maneira.
- OK, vou até aí rapidamente, vá me atualizando da posição dele enquanto eu me dirijo até vocês.
- Espero que não esteja falando sozinho, você fez um ótimo discurso lá. - diz uma voz que vinha de alguém que adentrava o corredor, uma voz feminina.
Quando Kevin olha para a direção da voz, avista uma linda mulher de cabelos loiros, lisos e compridos, possuía olhos verdes e trajava um belo vestido azul. Logo de cara Kevin a reconheceu, era a ninja de Nyssa, com quem se reunira em cima do quartel do GCPD.
- Apenas falando com meu agente... e qual é o nome da senhorita? - pergunta Kevin, com um ar descontraído, forçado mas bem trabalhado.
- Então é assim que você quer jogar? Não é como se não tivéssemos nos encontrado na noite anterior. - afirma a jovem, passando por cima do jogo de identidades que Kevintenta construir.
- Nyssa te enviou eu suponho. O que vocês querem comigo agora? - pergunta Kevin num tom frio.
- Eu... precisava ver você denovo Kevin, cara a cara, sem máscaras. - responde Liza, aproximando-se dele e dando um abraço longo e apertado. - eu pensei que você tinha morrido naquele dia, mas depois se alguns anos vi você aparecendo em jornais e na TV. Eu sonho com isso há muito tempo.
 Kevin hesita por um momento mas retribui com um leve abraço.
- Eu pensei que você estava morta, por que nunca me procurou? - pergunta Kevin, um pouco emocionado.
- A liga de Nyssa não me deixava, diziam que eu devia abandonar-lo, mas eu nunca consegui. Eu lembro de cada momento que tivemos juntos como se fosse ontem... Deus, como você está crescido!
- Obrigado, você também cresceu Liza... eu queria...
- Por que está tão sério? Acabamos de nós reencontrar  mas você está tão frio. - diz Liza interompendo seum "irmão".
- Eu queria mesmo conversar com você, mas eu não estou aqui pra isso. Preciso ir atrás de Jacob Kane agora,  saber o que ele sabe sobre a Corte das Corujas.
- Mas ele não é da Corte, ele tem outras intenções...
- Por isso mesmo vou ter que me preocupar com ele em dobro... olha, eu queria muito ter um tempo agora mas tem muita coisa em jogo aqui, se você...
- Então me deixe te ajudar! - exclama Liza, apertando Kevin com força e interrompendo-o novamente.
- Tem certeza? O que Nyssa vai dizer?
- Vamos dizer que por hora eu estou de folga dela.
- Ótimo, ele está na ala Leste do salão, eu usaria a tubulação mas ternos não são feitos pra isso. - afirma Kevin sendo seguido por Liza.
- Kevin.. ala Norte... com Gordon  - diz Cassandra pelo comunicador enquanto seguia o coronel.
-  Ele está com o prefeito?! estou indo!
- Com quem está falando? -  pergunta Liza curiosa.
- Uma aliada minha que está de olho no Kane. - responde Kevin, seguindo até a ala Norte do Salão.
Assim que os dois chegam no local, deparam-se com Jacob Kane conversando amigavelmente com o prefeito. Assim Kevin aproxima-se para conversar.
- Eu sabia que nossos heróis estavam estavam interessados nos projetos da Wayne Enterprises,  mas por que num projeto de restauramento urbano e social? - pergunta Kevin, fazendo papel de ricasso como atuação e cumprimentando o coronel.
- Não, eu vim aqui por conta própria senhor Wayne... ou senhor Gidon. - responde Jacob Kane sem saber como se referir a Kevin.

- Apenas Kevin.

- Por conta própria? Quais são seus interesses com o projeto? - pergunta Jim Gordon.
- Apenas vim... checar a segurança do local prefeito. Soube que Kevin foi mantido refém bem nesse salão quando era criança, não? Tenham cuidado, pois pode acontecer de novo... a propósito, minha filha Kate mandou um oi para vocês. Agora devo ir pois o tempo urge, até algum dia. - diz o coronel, se retirando do local.

Nesse momento Cassandra, que os via de longe, se aproxima e pergunta:
- O que... descobriu?
- Nada, ele não vai dar qualquer informação assim de cara... mas ele agiu de forma meio estranha, como se quisesse...
- Dizer outra coisa? - acrescenta Liza, interrompendo Kevin.
- Sim... ah, vocês não se conhecem! Cassie, esta é Liza. - diz Kevin para descontrair o momento de tensão.
- Ah... prazer em conhece-la. - afirma Liza estendendo a mão, e sendo recebida de igual maneira por Cassandra.
- Como assim ele não vai dar informações? - pergunta Gordon curioso.
- Bom... parece que o coronel tem relações com a Corte das Corujas. - responde Kevin, baixo para ninguém ouvir.
Não tiveram tempo de ter uma conversa em paz. Logo em seguida o alarme de incêndio é ativado e todos correm para se retirar do local, com excessão de Dick, Cassandra, Kevin, Liza e o prefeito.
- Vamos sair, o edifício deve estar pegando fogo. - afirma Gordon, tentando sair mas sendo puxado por Kevin.
- Espere... tem alguma coisa errada. - afirma Kevin, olhando ao seu redor de forma suspeita.
Quand já estavam sozinhos no local, repentinamente todas as luzes se apagam, havendo iluminação apenas da janelas. E da escuridão parecem os  Talons, os assassinos profissionais das corujas.
- Kevin Gidon, a Corte das Corujas lhe sentenciou à morte! - grita um Talon, partindo para cima de Kevin.
"Devo me conter, qualquer um pode estar olhand e deduzir minha identidade" pensou Kevin, preparando-se lara lutar. Kevin e o Talon começam a brigar e a trocar uma sequência de golpes.
- Quando esse garoto aprendeu a lutar assim?! - pergunta o prefeito surpeso.
- Está... se contendo. - acrescenta Cassandra, deduzindo as ações de Kevin.
- Hahahah vejo que o senhor sabe  alguns movimetos Kevin! Mas não pode me derrotar! - diz o Talon, rindo como se aquilo fosse divertido.

- Posso sim, pois o seu estilo... é um estilo de mil anos atrás! - responde Kevin tentando acabar com a luta rápido.
Kevin tenta aplicar um golpe  faca de mão no pescoço do oponente, uma técnica comum no karate, kung Fu, Krav Maga e no Kali. mas o assassino bloqueia e enfia uma faca no braço de Kevin. Em seguida o Talon tenta cortar a garganta de Kevin, mas este redireciona o golpe com a mão e desvia, em seguida o puxando aplicando um mata-leão.  "Estranho, para derrubar um ser humano preciso aplicar uma força de cinco quilos de pressão. Já estou aplicando mais de cinquenta e ele nem se incomoda!" pensou Kevin surpeso. O Talon então enfia uma outra faca na perna de Kevin e se solta. "chega de brincadeira!" pensou novamete, agarrando o pescoço do Talon e se jogando da janela, mas conseguindo prendurar na borda e sendo puxado por Cassandra e Liza. Podiam ver o Talon lá em baixo, caído em cima de carros no estacionamento do salão.
- Kevin! Você está bem garoto? - pergunta Gordon preocupado.
- Sim, não se preocupe. - responde Kevin descontraído, como se aquilo fosse normal.
- Mas você se machucou.
- Sim, eu me contive na luta, pois não se sabe quem pode estar olhando. Esta na escuta? - explica Kevin, em seguida fazendo chamada pelo comunicador sem se referir a Bruce diretamente.
- Sim, já enviei o bat-traje para o telhado pelo batwing, deve chegar em questão de minutos. Já contatei Dick, ele  está indo para lá, e eu também estou enviando roupas para Cassandra e Liza. - responde Bruce, que via tudo pelas lentes de Kevin.
- Ótimo... venham comigo, vamos para o telhado. - afirma Kevin, dirigindo-se até uma porta no final do corredor onde estavam.
Ao abrirem a porta, depararam-se com uma cena desagradável, haviam vários Talons correndo em direção a eles. Rapidamente eles fecham a porta colocam uma barra de ferro nas maçanetas.
- Eu vou matar esses desgraçados! - afirma Gordon, puxando um revólver calibre 38.
- Não vai funcionar Gordon, eles não são humanos normais. - responde Kevin.
- Então o que vamos fazer? - pergunta Liza preocupada.

Depois de pensar um pouco, Kevin segue para uma pequena grade que estava na parede e a abre, dando direto para a tubulação.
- Você sabe por onde ir pela tubulação? - pergunta Gordon.
- Sim, eu já fui sequestrado aqui, e para fugir tive que ir pela tubulação, eu a conheço como a  palma da minha mão, não se lembra prefeito?
- Por Deus... - afirma Jim surpreso.
Assim seguiram caminho pela tubulação e chegaram até o último andar, saindo para fora do edifício e escalando-o até o telhado. Lá encontram Dick, que estava esperando.
- Ainda bem que chegaram, estava começando a ficar preocupado. - afirma Dick.
- Fomos pela tubulação, é provável que ainda haja mais deles. - responde Kevin.
Em poucos segundos o Batwing chega voando e lança duas cápsulas metálicas no telhado. Ao abri-las Kevin e Dick podiam ver seus uniformes de Batman e os colocam, seriam de suma importância para proteção. Dentro das cápsulas haviam também duas grandes maletas, cada uma com uma roupa para Cassandra e Liza. Cassandra coloca o seu traje normal de Órfã , mas que havia sido modificado para ser leve e resistente, e parecia um super traje como os de Batman e Asa Noturna.
O traje de Liza era um traje mais simples, parecia um militar. Mas possuía Batarangs, uma katana, bombas de fumaça  e um arpéu.
- Sinto muito por não termos algo mais adequado, mas é bem melhor do que salto alto. - afirma Batman.
- Está ótimo. Como sabem o meu tipo de equipamento? - pergunta Liza curiosa.
- Bom... sabemos muito sobre a Liga dos Assassinos. - responde Asa Noturna.
Batman levanta seu braço e um holograma começa a sair de sua luva, indicando um ponto vermelho e um ponto verde se movimentando pela cidade.
- Vejam, eu coloquei um rastreador no Talon que joguei da janela, ele está se movendo pela cidade, e o ponto verde é do coronel Jacob Kane. Órfã, siga o Talon pela cidade, eu vou atrás do coronel. - afirma Batman.
- Mas e nós? - pergunta Asa Noturna.
- Preciso que você vasculhe o edifício e veja se há pessoas inoscentes que ficaram para trás, depois vá para o GCPD como Dick Grayson e lhes dê um álibi. Liza, tire o prefeito daqui e chame a polícia.
- Lá vai ele, arrogante que nem o Bruce! - afirma Asa Noturna, irritado mas sarcástico ao mesmo tempo.
- Kevin, toma cuidado. - afirma Liza, segurando-o pelo pulso.
- Não se preocupe. Tome isso para caso precisar me contatar. - afirma Batman, dando um pequeno comunicador que poderia ser encaixado no ouvido por onde se poderia conversar,  em seguida usando seu arpéu para sair do telhado.
- Kevin, de acordo com o rastreador o coronel foi para o Leste, estou usando um drone para segui-lo. Ele está... indo para o aeroporto de Gotham. - afirma Bruce pelo comunicador.
- Mande o Nightwing para cá, vou fazer uma abordagem diferente desta vez....
Sete e meia da noite, o coronel Jacob Kane estava em um  avião, um avião Hercules com o símbolo da Colônia, estava carregando armas, munições e alguns soldados. Jacob Kane estava sentado olhando a janela do avião, e a sua frente estava conversando com um jovem que aparentava ter vinte e poucos anos, usando uma jaqueta e jeans, tinha cabelos castanhos e longos.
- Eu já disse Ulysses, não vamos incluir trajes vermelhos e verdes. - afirma o coronel impaciente.
- Ah qualé Kane, todo Batman precisa de um Robin! - responde Ulysses.
- Isso só serve pra desperdiçar dinheiro.
Enquanto conversavam, sentiram o avião estranhamente tremer bem mais do que o normal, mas ignoraram. Entretanto o tremor  novamente ocorre, preocupando a todos. O coronel olha pela janela para tentar olhar a asa do avião, mas observa alguma coisa no ar, alguma coisa negra voando ao lado do avião, mas que desaparece.
- Ele... está aqui. - deduz Kane, referindo-se ao Cavaleiro da Trevas.
- N-Não pode ser... - responde Ulysses, espantado e meio empolgado.
De repente todas as luzes do avião de apagam, estava quase completamente escuro.
- O que está acontecendo?! - pergunta um dos soldados que estava na cabine de passageiros.
- Eu não tô vendo nada, os visores não tão funcionando. - diz outro soldado desesperado.

- Fiquem calmos, isso deve ser... WHAAAAAAH! - grita um terceiro soldado, que depois fica calado, como se algo tivesse acontecido com ele.
- Alex! Tá tudo... Argh!
As luzes então voltam ao normal, e todos os soldados da cabine estavam caídos no chão, e Batman estava segurando um pelo pescoço inconsciente, então o larga e vai em direção a Jacob.
- O que estava fazendo lá?! - interroga Batman, chutando Ulysses para longe e agarrando o coronel pela garganta. - O que você foi fazer na coletiva dos Wayne?!
- N-não... eu fui... avisa-lo! - responde Jacob, tentando colocar os pés no chão sem sucesso.
- O que quer dizer com isso?!
- A Corte... ia ataca-lo... eu o avisei... Aaghr não consigo... respirar.
Batman então o joga na mesa com força, pega a faca e a infica ao lado da cabeça do coronel, para intimida-lo.
- Está dizendo que queria avisa-lo sobre as Corujas?! Explique-se!
- Nossa aliança é uma faixada!  Só estamos usando-os para conseguir arrecadação!
- Para que?!
- Para a... Liga dos Assassinos! Estamos tentando conseguir informações sobre possíveis membros da Liga dos Assassinos e da Corte das Corujas! Eles estão infestados por toda a cidade... são tão asquerosos que se infiltraram em cada nível da infraestrutura política de Gotham, sem o Batman nesses anos todos eles se proliferaram como coelhos! Eu insisti que Kate reassumisse o manto de Batwoman*** mas ela recusou! Então vamos eliminar os possíveis membros deles. Estamos apenas querendo ajudar!
- Assim como ajudaram a filha de El Jefe?! Assim como ajudaram Lincoln March?! Diga-me, onde estão os membros da Corte das Corujas! Eu vou terminar isso de uma vez por todas.
- Eu não sei! Nos encontramos apenas em reuniões!  Mas eles vão invadir o Arkham hoje.
Batman podia identificar se  estava mentido pelos sinais vitais e expressão do rosto, e identificou que estava dizendo a verdade.
- Sua divisão militar secreta é ilegal, vou avisar o presidente dos Estados Unidos e você será caçado como um criminoso. - afirma Batman, soltando o coronel.
- N-Não pode fazer isso! O inimigo não está apenas aqui, está lá fora ao redor do mundo, temos que elimina-los por um bem maior! - exclama o coronel irritado.
- "Possiveis" alvos, você quer dizer. Não há certeza nas suas palavras.
- Sim, mas vamos sacrificar alguns inoscentes para salvar bilhões! Eles já destruíram Roma, Grécia, Egito... é um questão de tempo até Gotham queimar também!
- Quando isso acontecer, eu estarei aqui para defende-la coronel, se eu vê-lo de novo com a Colônia voltarei por você. - responde Batman, desaparecendo misteriosamente após as luzes apagarem e reacenderam de novo.
Batman estava mergulhando no ar, então abre sua capa e voa até um alto prédio.
- Bruce, está me ouvindo? - pergunta Batman pelo comunicador.
- Sim, e escutei tudo o que ele disse... não sabemos quando ou por onde, mas vão atacar o Arkham, vamos impedi-los antes que consigam. O que você vai fazer agora?
- A única coisa a se fazer é ir até a Torre Wonder e ver o que as Corujas estão fazendo por lá.
- Kevin? Kevin, você está aí?  - chama Liza interrompendo a transmissão entre Bruce e Batman.
- Liza? O prefeito está seguro?
- Sim, e Dick Grayson já adentrou o local e retirou algumas pessoas que faltavam de lá.
- Ótimo. Onde está a Cassie?
- Ela ainda não deu sinal, deve estar indo atrás daquele cara ainda. Kevin, você pode conversar agora? - pergunta um pouco receosa.
- Não Liza, assim que tudo acabar você pode...
- Não, a Nyssa quer falar com você. - responde Liza, interrompendo Batman.
- O que? Eu disse que não as quero aqui.
- Mas nós podemos ajudar, estamos nesta guerra a mais tempo que você Kevin. Você precisará de nós.
- Não, não preciso disso Liza. Estou indo para a Torre Wonder, se precisar de mim me contate. - responde Batman finalizando a chamada, e em seguida contatando a Órfã. - Órfã, você está bem?
- Kevin... estou bem. Você... ferido?
- Eu estou bem. Você encontrou o Talon?
- Ele... sumiu... o encontrei... morto... corpo... na caverna.

- Ele estava morto?! Como ele morreu?! - Pergunta Batman surpreso.
- Não sei... na caverna... Bruce olhando.
- Tudo bem. Eu vou até a Torre Wonder ver o que as Corujas estão fazendo lá.
- Eu... ajudar.
- Não se preocupe, você já fez o suficiente hoje. Fique na caverna e ajude Bruce com o que ele precisar.
Assim que terminam de conversar, Batman chama o Batwing e vai até a Torre Wonder, situada na Velha Gotham, a antiga Arkham City, para investigar o que as Corujas ali faziam e quem transmitiu o sinal e enviou lhe enviou a mansagem.


Notas Finais


Espero que tenham gostado, o próximo capítulo será pura ação e investigação.
* baseando-se no mapa de todos os jogos é possível construir a Gotham por completo. Mas a Zona Norte de Gotham é uma região não explorada pelos produtores.
** Será comum Kevin ou Dick serem chamados de Wayne, já que seus sobrenomes mudam em cartório.
*** Para quem não sabe Batwoman, no universo de Arkham, é casada. Há um easter egg dela em Arkham Knight em que ela afirma por secretaria eletrônica que vai se casar, e com uma mulher.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...