1. Spirit Fanfics >
  2. Batman: O Início >
  3. "Duas Caras"

História Batman: O Início - Capítulo 8


Escrita por:


Capítulo 8 - "Duas Caras"


Fanfic / Fanfiction Batman: O Início - Capítulo 8 - "Duas Caras"

Alfred serviu duas taças de vinho, uma para o seu patrão e outra para a senhorita Vale. Ambos conversam sobre assuntos de jornais ou da Wayne Enterprises. Em um momento, Bruce tirou a taça da mão dela, já que não queria ela bêbada.


— O que acha de irmão para o meu quarto, senhorita Vale? — perguntou em tom sugestivo, indicando que fariam alguma coisa lá.


— Eu aceito, senhor Wayne. — Vicki se levantou segurando na mão do bilionário e o seguiu escadas acima.


A suíte master era enorme, talvez até mesmo o apartamento inteiro de Vicki caberia lá dentro! As paredes eram todas de madeira grossa, massadas e envernizadas. A cama era quadrada e enorme! Não era para menos, afinal, era um king size! Cobrindo a cama ainda tinha uma colcha grossa e branca, com travesseiros da NASA com fronhas igualmente brancas e com babados. A cabeceira da cama era a parede revestida com pedras canjiquinhas na cor cinza da mesma largura que a cama, de teto à chão. Rente à cama, havia um um raque retrô comprido e envernizado, pertencente ao avô de Bruce, Patrick Wayne. Suspensa na parede acima do raque, estava uma televisão da marca WTech — Wayne Technologies —, fabricada pela Wayne Enterprises. Entre a televisão e a cama, havia um sofá torino de três lugares, branco. À esquerda da cama havia uma janela-porta de vidro que dava para uma sacada, sendo fechada por uma porta veneziana articulada de madeira por fora e uma cortina por dentro.


— Uau. — Vicki sussurrou observando o quarto, girando e olhando em volta. — Seu quarto é lindo, senhor Wayne. — Ela sussurrou com um sorriso meio ladino... meio malicioso... Um sorriso que chocaria a alma de qualquer homem, desde o mais sãos ao mais loucos.


Por um momento, Vicki sentiu que só havia — no mundo inteiro — ela e o Wayne. Sabia que era mentira, mas sentir isso era bom para ela. A ruiva abraçou o pescoço do bilionário e aproximou os lábios de ambos... Ela sentia que Bruce Wayne poderia ser o homem que ela tanto queria em sua vida... Conhecera ele hoje, mas queria que fosse ele.


Bruce, por sua vez, segurou a cintura da repórter com suas mãos fortes e firmes. Bruce jamais se imaginara casado, ele sabia que isso não iria acontecer, nem mesmo com Vicki. Seria apenas mais uma noite, mais uma mulher, na cama de Bruce Wayne... Afinal, uma mulher não é digna de se casar com a máscara que esconde o Batman.


Vicki tomou a iniciativa e selou seus lábios com os do bilionário. Vale sentiu seu corpo estremecer com a pegada que o Wayne usou para segurar sua cintura... Ela imaginava em outros momentos. Bruce não interrompeu a selagem dos lábios. Pelo contrário, pediu passagem com a sua língua e foi permitido por Vicki, iniciando um beijo calmo. Mas não ficou assim por muito tempo, afinal, o tesão que ambos estavam não permitia isso. O beijo que Bruce e Vicki estavam protagonizando foi se transformando, gradativamente, em algo voraz; Vicki sentiu seu corpo esquentar com isso. Bruce sentiu o mesmo.


— Está calor. — falou a ruiva.


— Muito. — O ato de Bruce após concordar foi apenas descer uma das alças do vestido bege de Vicki. Ele não precisaria se preocupar com sutiã pois o vestido possuía um decote em V que se prolongava até quase seu umbigo. A própria Vicki desceu a outra alça do vestido tubo.


Bruce tirou Vicki do chão, a levantando em seus braços e caminhou com ela até a cama, onde deitou a ruiva e se deitou entre as pernas da repórter, beijando a boca dela novamente. Durante a noite, Bruce arrancou de Vicki muitos suspirou e gemidos... Assim como vice e versa. Foi uma noite feita do mais puro prazer. Depois do sexo, Bruce e Vicki se sentaram no sofá à frente da cama e pegaram um vinho para beber enquanto conversavam... Bruce gostou dela.... Ela gostou dele...


No dia seguinte, Vicki precisou levantar mais cedo do que de costume para poder voltar para casa e ir trabalhar. Bruce também tinha seus compromissos na Wayne Enterprises... E Gordon tinha problemas. Assim que o capitão chegou na sede do Departamento de Polícia para trabalhar foi avisado de algo horrível: o Comissário Peter Pauling estava morto. Gordon de início não soube nem como reagir. Foi um choque, de fato. O coração do capitão acelerou e sua garganta ficou seca... Afinal, se fosse obra do Charada, ele estava dentro do departamento agora.


Gordon correu o mais rápido de pôde para a sala do Comissário e assim que abriu a porta todos os procedimentos da perícia estavam sendo feitos. Mas algo chamou a atenção de Gordon... Algo importante. A camisa social azul clarinha de Pauling estava aberta e em seu peito estava desenhada, com tinta verde mesclada com sangue, a letra "A". Gordon não teve outra reação a não ser bufar... Ele realmente chegou no departamento.


— Quero todas as informações sobre horário da morte e quem entrou aqui nesse horário! Imagens da câmera de segurança principalmente! — mordeu os lábios. — E avisem o prefeito Hady que ele precisa escolher outro comissário. — Gordon suspirou.


Durante o dia, Gordon ficou investigando sobre a morte. Adicionou mais isso ao seu mural investigativo... O pior é que era como se a morte de Pauling fosse apenas um mistério, afinal, as câmeras de segurança não registravam nenhuma entrada no horário constatado da morte! Isso enfureceu Gordon absurdamente. O capitão se sentou em sua cadeira e foi ver o vídeo da câmera novamente.


Pauling não saia de seu escritório desde as dez e meia da noite, quando saiu nesse horário foi para pegar um café. Mas dessa vez Gordon viu um detalhe que passou despercebido pelo grupo da perícia... O horário. Não tinha diferença na imagem, mas havia um corte brusco nos números que misturavam a hora, o que indicava que o vídeo foi cortado e editado! Gordon aproveitou que ele estava no comando do departamento até a escolha do próximo comissário e formou uma equipe de agentes da perícia. Contou a eles o que aconteceu.


— Eu quero todos vocês trabalhando nisso. — Gordon falou com seriedade e profissionalismo. — Quero saber tudo, até quem teve acesso a filmagem da câmera!


Após o resto das explicações, a equipe se disperdiçou e Gordon agradeceu internamente por já ser seis e meia da tarde... Logo o Batman começará a agir.


Assim que a noite caiu, Gordon ligou o holofote no terraço do prédio do departamento. Era um holofote grandioso, com a silhueta de um morcego marcada, feito de ferro. Chamaram de Bat-sinal. Após acender, o Batman não demora muito a chegar no local marcado.


— Ótimo que veio. — Gordon suspirou. Ainda não acreditava que o falecido Pauling havia permitido a existência do bat-sinal no prédio. — o Comissário Pauling está morto.


Nem mesmo Bruce esperava por essa. Pauling, morto?, era o que o Wayne pensava. Bruce indagava a si mesmo como isso poderia ter acontecido.


— Foi o Charada. — disse Gordon com seriedade. — Ele deixou a letra "A" desenhava no peito do Pauling.


— Charada? Agora ele tem um nome?


— Ele se identificou assim. — Gordon deu de ombros.


— Que seja. — Bruce falou áspero e soltou um suspiro, estava questionando a si mesmo sobre tudo que estava acontecendo. — O próximo nome da lista é Jack Forbes, certo? — indagou. Gordon apenas concordou com a cabeça, mas foi interrompido por uma ligação.


— É do prefeito, só um instante. — Gordon atendeu a ligação, mas as expressões do capitão deixavam claro que a mensagem não era nada boa. — Jack Forbes é o novo Comissário de polícia. — bufou.


Bruce não respondeu, estava pensativo.


— A sala do Pauling já foi desocupada. — Gordon informou. — Forbes deve assumir ainda hoje... — piscou de forma demorada e quando percebeu... Estava falando sozinho. Bruce já havia sumido.


Assim que desceu do terraço, Gordon se separou com o mais novo comissário do departamento de polícia de Gotham City: Jack Forbes.


— Capitão Gordon. — Forbes olhou para Jim com asco. — É muito bom vê-lo.


Gordon apenas concordou com a cabeça e se trancou em sua sala. Forbes era o último nome da lista! Finalmente isso iria acabar... Mas eles ainda precisavam descobrir a letra. Gordon ligou seu computador e buscou no banco de dados todas as informações que podia sobre Forbes. Encontrou sujeira... Muita sujeira. Forbes esteve envolvido com muitos assaltos ainda na adolescência e tráfico de drogas quando adulto. No ano exato em que Forbes entra para a Polícia de Gotham, seus registros criminais terminam... Algo que Gordon desconfiava que fosse realmente verdade. Conversou com informantes durante a madrugada inteira. Por volta das cinco da manhã, conseguiu juntar provas o suficiente para emitir um mandado de busca para Forbes... Mas ele ainda precisava esperar uma hora para pedir. Gordon usou essa hora para tomar café da manhã — e jantar.


Ao dar exatamente seis horas, Jim conversou com George Brigdes, seu amigo juiz, e conseguiu emitir um mandado de busca e apreensão para a casa de Jack Forbes. Além de um mandado de prisão preventiva.


— Comissário Forbes. — Gordon entra na sala de Jack, o mesmo estava no telefone, mas colocou o objeto no gancho após ver a expressão séria de Gordon. — Tenho um mandado de prisão contra você. 


Forbes não teve fala. Estava confuso.


— Vou pedir para que se levante. — Gordon mostrou o mandado para seu superior. — E não resista.


— Certo. — resmungou Forbes, não resistindo. Seguiu para uma cela vazia e lá ficou, resmungando.


Gordon seguiu para a casa de Forbes. Ele pegou as chaves da casa na delegacia, então ao chegar apenas destrancou. O mais estranho foi o interior... Era como se um furacão tivesse passado aqui. Os sofás estavam de pernas para ao ar. A televisão de tubo estava jogada no chão e amassada. As cortinas picotadas. Tudo destruído. No entanto, um aglomerado de papéis verdes colados na parede formavam a letra "R".


— Batman. — Gordon chamou pelo canal de comunicação secreto entre eles. — Casa de Jack Forbes... Você precisa ver isso.


Bruce ouviu o chamado, mas como de praxe não respondeu... Apenas seguiu para o endereço de Forbes. Ao chegar lá, trajado como Batman, ficou realmente surpreso com a cena.


— Isso nos dá a seguinte palavra: Duas Caras. — Gordon falou ao ver o Homem Morcego alí.


— Duas Caras. — Bruce pronunciou baixo, um resmungo. Ele queria saber o que poderia ser "Duas Caras"!


— Duas Caras... — Gordon estalou seus dedos enquanto pensava. — Pode ser dois rostos... Alguém do signo de gêneros? — Gordon supôs sem pensar muito... Nem fazia muito sentido.


— Não. — Bruce respondeu sério. — As moedas com a coroa queimada... Duas Caras... Harvey Dent. — Bruce falou com seriedade... Estava convicto.





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...