História Batman: O Terror da Máscara - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Batman
Personagens Alfred Pennyworth, Barbara Gordon (Batgirl), Bruce Wayne (Batman), Comissário James "Jim" Gordon, Coringa (Jack Napier), Dick Grayson, Harleen Frances Quinzel (Harley Quinn / Arlequina), Personagens Originais, Selina Kyle (Mulher Gato)
Tags Ação, Batman, Drama
Visualizações 15
Palavras 1.891
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Depois da derrota e fuga de Máscara Negra, a cidade está sem a ameaça de traficantes e mafiosos. Mas a paz em Gotham sempre dura pouco...

Capítulo 5 - Fraquezas


Fanfic / Fanfiction Batman: O Terror da Máscara - Capítulo 5 - Fraquezas

ASILO ARKHAM

Uma noite fria e sem estrelas.

Depois de um mês sendo a psiquiatra de Coringa, muitas coisas aconteceram e os dois até mesmo se beijaram, mas Harleen decide se afastar e abrir mão do paciente.

Coringa está chorando copiosamente e Harleen quer que ele pare.

-Senhor C. Eu sinto muito. De verdade, mas eu não posso continuar fazendo isso.

-Você vai me deixar! Como todos! Você é exatamente como todos os outros! Como os guardas! Como os jornalistas! Os policiais... Todos com medo de mim! Todos fugindo de mim! Eu! Eu não fiz nada! Eu não sou o culpado! Vocês me criaram! Eu sou uma conseqüência!

-Senhor C...

-Eu achava que você era minha amiga! Minha única amiga!

Coringa se exalta, batendo na mesa e gritando com Arlequina. Dois guardas ouvem e entram na sala, tentando segurá-lo. Coringa bate com a cadeira em um e dá um soco em outro. Harleen está apavorada e chorosa.

-Não! Senhor C! Pare!

Mais três guardas chegam e batem nele. Coringa é espancado e eletrocutado. Ele desmaia e é arrastado pelos guardas. Harleen continua chorando e é acalmada.

PREFEITURA DE GOTHAM

Uma coletiva de imprensa em frente a prefeitura acontece e o Prefeito fala sobre como a cidade está melhor nas últimas semanas desde que os criminosos responsáveis pela máfia e o tráfico de Gotham acabou. Gordon também está na coletiva e fala sobre os últimas acontecimentos, como seu desaparecimento e a prisão dos mafiosos.

-Com muito esforço nós conseguimos capturar todos, menos Máscara Negra, aquele que se dizia sucessor dos antigos mafiosos e o assassino de Carmine Falcone, sua filha e filho. Ele está desaparecido, mas com sorte o encontraremos e manteremos a ordem na cidade. Uma boa tarde a todos.

A coletiva acaba e o Prefeito e Gordon conversam.

-Agora vai tirar uma bela folga, certo Jim?

-Pode ter certeza.

-Eu gostaria de poder tirar uma. Agora que a cidade está em paz, umas semanas no Havaí não seriam de todo o mal.

-Agora que a cidade está temporariamente calma, o senhor devia se esforçar para mantê-la assim. Eu não estarei sempre aqui para limpar a imagem da cidade, Prefeito.

O Prefeito ri, desdenhando de Gordon.

-Você? Nós dois sabemos quem realmente mantêm a cidade segura. Ou pela menos tenta.

-Sim. E nós dois sabemos que ele é meu amigo, não seu. Na verdade, ele não te suporta. Não vê a hora de arranjar uma oportunidade de descobrir seus antigos podres.

Gordon sorri e o Prefeito está enfurecido.

-Se cuide, Prefeito.

-Vai pro inferno, Gordon.

-Pode deixar comigo.

RESTAURANTE

Silver e Bruce estão quietos durante a maior parte do encontro e Bruce nem comeu direito, mas agora Silver já perdeu a paciência.

-Olha, eu sei que você ficou chateado naquele dia, mas o que podia fazer? Eu não estava te esperando e nunca achei que você fosse querer continuar com isso...

-Continuar com o que?

-Com isso. Essa coisa que a gente tem.

-E a gente tem alguma coisa. Nós só dormimos juntos e estamos comendo comida japonesa agora. Nós não temos nada.

-Você quer ter alguma coisa?

-Você acha que eu quero? Eu? Achei que pensasse que eu jamais poderia querer alguma coisa além uma boa noite de sexo.

-Bruce, por favor. Aceita as minhas desculpas. Eu te chamei pra vir aqui exatamente pra gente conversar, se conhecer e talvez ir para meu apartamento depois daqui. Mas você não fala nada, e quando eu falo você mal me responde. Eu estou tentando...

-Eu não posso.

-O que você não pode?

-Eu não consigo e nunca consegui. Ter algo sério. Ir além de uma noite. Você está certa sobre mim. O máximo que eu tive foi um namoro adolescente e que não começou nem acabou bem.

-Bruce...

-Eu que devo me desculpar. Pela minha falta de cavalheirismo durante toda a noite.

-Bruce, por que você é assim?

-Assim como?

-Assim tão misterioso. Ninguém te conhece de verdade. Talvez só o seu mordomo. E esse seu olhar... Melancólico. Como se algo estivesse sempre faltando. Mas ao mesmo tempo eu amo o seu olhar.

-Silver...

-Você nunca superou?

Bruce olha seriamente para Silver, e ela ajeita sua postura, ficando assustada.

-Bruce...

-Me desculpe, Silver. Eu preciso ir embora.

-Não. Bruce!

Bruce deixa algumas notas de 50 na mesa e vai embora, mesmo com Silver tentando segurar seu braço.

Bruce sai do restaurante e atravessa a calçada, um carro quase bate nele e o motorista o xinga, mas Bruce nem da atenção. Ele só caminha pela cidade, perdido no meio da noite. Depois de caminhar por meia hora, Bruce já não sabe onde está e não há ninguém na rua, nenhum sinal de vida a não ser um bar aberto na esquina. Bruce entra no bar e há poucas pessoas e todos estão muito silenciosos. Há apenas uma mulher no bar, sentada próxima a parede, no escuro, mas Bruce consegue ver seus lindos cabelos loiros e seu par de óculos. É Harleen, ela parece estar se segurando para não chorar e já em sua terça ou quarta garrafa. Bruce se senta próxima a um encapuzado no balcão do bar. Bruce pede uma cerveja ao barman e bebe uma garrafa rapidamente. Quando ele pede a segunda, um homem de cabelos ruivos e olhos verdes entra no bar. Bruce o encara e o homem encara de volta. Ele se parece com...

-Bruce?

-Tommy? Tommy Elliot?

Tommy e Bruce riem, se cumprimentam e dão um forte abraço.

-O que você está fazendo aqui?

-Visitando meu tio. Ele não está muito bem.

-Oh, sinto muito em saber disso. Eu nem lembrava que você ainda tinha alguém aqui.

-Bom, ele é a única coisa que ainda e traz de volta para esse inferno.

-É  tão bom te ver, sério. E uma grande surpresa. Quanto tempo faz?

-Eu acredito que desde que você deixou Gotham.

-Quinze anos.

-Uau. Quinze anos.

-E logo depois que eu fui embora você também foi.

-Exato. Mas agora o bom filho a casa torna.

-Vai tomar algo?

-Ah, eu estou precisando amigo, com certeza.

Depois te tentar fugir do passado no jantar com Silver, Bruce nem percebeu que o passado tinha acabado de voltar e está prestes a beber algumas garrafas de cerveja com ele.

CASEBRE

Uma manhã ensolarada. A luz do sol bate no rosto de Máscara Negra e ilumina o casebre no meio de uma fazenda à uma hora e meia de Gotham.

Roger chega com um pacote de comida e entra no casebre. Máscara Negra está com camisa e calças moletom, muito grandes para ele. Ele parece estar furioso e cansado.

-O que temos para hoje, Roger?

-Asinhas de frango com feijão e arroz.

-Eu odeio feijão.

-Então não coma o feijão.

-Para beber?

-Água como sempre.

Máscara Negra observa Roger. Roger coloca o pacote de comida na mesa e no lado um garfo e uma faca.

-Roger.

Roger evita olhá-lo.

-Eu estou prestes a te matar com essa faca.

Roger para o que estava fazendo e olha para Máscara Negra.

-Por quê?

-Por que eu estou cansado e ficar trancado nessa porra o dia inteiro, comer essa comida de merda e olhar para essa sua cara de palhaço. Quem que tá mandando essa comida? Quem tá por trás dessa bosta toda? Quem era o cara no telefone?

Roger sorri.

-Você tá me achando engraçado, filha da puta?

Máscara Negra pega a faca e coloca Roger contra a parede, encostando a faca em seu pescoço.

-Abre a boca agora ou eu te mato.

Roger ri e bate duas vezes na porta do casebre. A porta abre e quem entra é um homem alto, calçando botas marrons, vestindo suéter e calças pretas e com um grande sobre tudo bege. Máscara Negra olha para seu rosto e ele está coberto por esparadrapos. Máscara Negra só consegue ver o grande par de olhos verdes. Máscara Negra deixa a faca cair no chão.

-Queria me conhecer? Aqui estou.

Máscara Negra sorri.

MANSÃO WAYNE

Bruce acorda com Alfred abrindo as cortinas de seu quarto e tendo uma terrível dor de cabeça. Alfred observa a paisagem e ironiza:

-Que belo dia para uma ressaca, certo Patrão Bruce?

-Por Deus, Alfred. Feche essas cortinas.

-Hoje é sexta, não sábado. Você tem uma reunião com os acionistas da Wayne Enterprises. E obviamente, o senhor vai chegar atrasado.

-Eu não vou, Alfred. Eu não posso.

-O encontro com a Senhorita Silver foi assim tão ruim?

-Pior do que você poderia imaginar.

-O que aconteceu?

Alfred se senta ao lado de Bruce.

-Ela começou a se desculpar por ter e me julgado previamente, mas ela me julgou corretamente. Eu sou o que as pessoas falam. Eu sou fechado. Sou grosseiro. Eu realmente durmo com várias mulheres diferentes o tempo todo. Nunca durmo com uma mais de uma vez. Nunca as convido para um jantar no dia seguinte. E todas elas só dormem comigo por cauda do meu dinheiro. Tudo isso é verdade. Eu sou esse cara. Eu sou isso. Eu... Eu não consigo amar.

-E Julie? E Vicki?

-Tentativas. Falhei com ambas.

-E Selina? Até mesmo Talia Al Ghul...

-Nunca as amei. Nenhuma delas. Julie, Vicki, Selina ou Talia... Não de verdade. Apenas tentei amá-las.

-Você está se enganando. Você ama. Você ama de verdade. Só você acha que não é capaz disso. Você se auto sabota. Esse é o problema. Você sempre acha que vai acabar mal, que vai errar... Você não se deixa em paz, não se deixa ser feliz. O único momento em que você se sente capaz de algo é quando coloca aquela maldita máscara. Acredite em Bruce Wayne pelo menos dessa vez, e não só no Batman. Certo?

Bruce sorri.

-Você sempre sabe o que dizer. E o que você diz sempre está certo. Como você consegue?

-Pare de besteira e se arrume. A Senhorita Silver espera por você.

WAYNE ENTERPRISES

Bruce chega na reunião apressado e fechando os botos de seu terno. Lucius, Erik, Silver e os outros seis acionistas o vêem. Silver sorri. Silver está segurando um buquê de flores.

Na entrada do prédio, depois da reunião, Silver vai até Bruce com as flores nas mãos e sorridente.

-Para você.

Bruce pega o buquê.

-Obrigado.

Eles se olham e os dois sorriem um para o outro.

-Olha, Bruce...

Bruce a agarra e a beija, se entregando a ela.

APARTAMENTO DE HARLEEN

Harleen acaba de acorda, ela se olha no espelho e está acabada. De ressaca, com grandes olheiras e cheia de dores. Harleen até choraria, mas já cansou disso. Ela se encara no espelho com raiva. Tira a roupa, toma banho, se arruma para o trabalho, come uma maça e quando pega sua bolsa prestes a sair de casa, se lembra de algo. Harleen vai até uma gaveta de calcinhas e tira uma pequena faca de lá. Ela corta um pouco seu dedo e chupa o sangue.

CASEBRE

Roger sai do casebre e em seguida o homem com os esparadrapos no rosto. Logo depois Máscara Negra sai, com um lindo terno preto, uma gravata branca e sua antiga máscara. Os três entram na viatura de Roger e ele que irá dirigir. Máscara e o outro homem sentam no banco de trás. Roger sai com o carro e Máscara olha para o homem, que está focado na paisagem.

-Então... Você tem um nome?

-Para você... Silêncio.


Notas Finais


Novos capítulos em breve! Me desculpem pelo atraso!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...