1. Spirit Fanfics >
  2. Battle Scars >
  3. Only Hope

História Battle Scars - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá,
Essa é uma versão da season finale que imaginei aqui.
AVISO:::::::; LEIAM AS TAGS
Boa leitura :)
Eu escrevi essa oneshot ouvindo Head Above Water do Olive James, seria interessante vocês lerem a fic enquanto deixam a música rolar.

Capítulo 1 - Only Hope


Fanfic / Fanfiction Battle Scars - Capítulo 1 - Only Hope

“Who would've believed it…  A Luthor and a Super working together?”

Eles estavam em seu limite, todos eles, a sala era minúscula para tamanha fúria, frustração e medo… Era a primeira vez em que Lex não era o motivo para o caos interno de Alex, naquela cena ele apenas observava e se deliciava com a luta dolorosa entre as irmãs, as armas mais letais vinham em forma de palavras e na batalha diante de seus olhos desleais, Lex via Supergirl perder.

— Como não pôde perceber?! Como pôde ser tão ingênua a ponto de colocar todos nós em perigo?! - Alex desafiava a irmã, Supergirl tentava manter sua pose confiante, mas o peso da culpa pesou em seus ombros, ela já não sabia como se defender - Você trouxe o inimigo para o DEO, você contou seu maldito segredo!

— Pobre irmãzinha - adicionou Lex - Você poderia ter pelo menos um pouco mais de consideração por Lena.

— Agora não, Lex! - apontou a Diretora com fúria. Lex sorriu e deu permissão para Alex continuar - Você mal o conhecia e o trouxe para o DEO, Kara. Eu confiei em você, eu confiei em seu julgamento e agora por sua causa estamos indo para uma batalha perdida.

— Ele parecia diferente - tentou se desculpar - Como eu poderia saber que William estava envolvido com Leviatã?

— Eu não sei se você é uma tola de coração ou apenas finge não ver algo tão óbvio por conta de sentimentos - Lex se aproximou das irmãs Danvers, sua confiança era irritante, mas Supergirl não estava na posição de confrontá-lo, pelo menos não agora - Willy deu todos os sinais e você não viu, desde o princípio soubemos que vocês precisariam de mim para acabar com Leviatã, olha para mim, eu sou o homem do amanhã e as pessoas confiam em mim mais do que confiam em Supergirl - Supergirl girou os olhos - Mas então Kara Danvers teve a brilhante ideia de aceitar Willy como parceiro e investigar os meus podres, bom, parabéns, vocês conseguiram manchar minha reputação. O mundo me odeia e ninguém confia em mim, assim como ninguém confia em Supergirl pois ela sempre esteve ao meu lado.

— Com a queda de Supergirl e Lex Luthor, Leviatã se tornou o único bom propósito e todos acreditam em sua revolução tecnológica - adicionou Alex decepcionada - Brainy decifrou a Equação Anti-Vida, em breve o mundo inteiro estará nas mãos de Leviatã e não poderemos fazer nada porque ninguém acredita nos dois únicos heróis que imaginaram ter - Supergirl nunca viu sua irmã tão decepcionada assim.

— Alex, eu sin

— É, você sente muito. Mas não, você não achou que William seria diferente, você queria que ele fosse diferente - o golpe final de Alex fez a primeira lágrima de sua irmã escorrer pelo rosto causando uma felicidade nada discreta em Lex - Eu ainda não acredito que você o deixou entrar em nossas vidas, que colocou em risco todos aqueles que você ama. E tudo isso porque precisava desesperadamente confortar sua dor em outros braços.

— Alex…

Alex não deu atenção para sua irmã, apenas para Lex.

— Eu não acredito que direi isso, mas… Precisamos de você, Lex. 

O homem sorriu e estendeu sua mão para a ruiva, era a primeira vez que havia um sincero pedido por ajuda.

— Que tipo de herói eu seria se recusasse tal pedido - Lex piscou para a ruiva e Alex imediatamente soltou a mão do homem - Não se preocupe, eu planejo conquistar o mundo, não posso deixar Leviatã fazer isso antes de mim, é um insulto.

Alex não respondeu, saiu da sala deixando os dois inimigos mortais em um silêncio nada acolhedor.

Lex olhou para a garota de aço, o sorriso cínico no rosto do homem fazia Kara querer socar aquele rosto sem dó alguma, sua situação já era complicada o bastante e não precisava de alguém como Lex Luthor para torná-la pior.

— Escolha bem suas palavras porque eu não vou me segurar com você, Lex.

— O quê? - Lex gargalhou com a acidez da outra - Eu só queria dizer que eu sabia, eu sabia que o namorado de Kara Danvers estava envolvido com Leviatã, um “vilão” reconhece o outro - Lex se encostou na mesa e continuou olhando para seu alvo - E eu esperei por esse exato momento onde tudo iria desmoronar e o mundo precisaria da minha ajuda, onde Supergirl precisaria da minha ajuda. Quando acabarmos com Leviatã tudo voltará aos eixos novamente, eu poderia ter evitado esse momento, mas não perderia a oportunidade de ver você derrotada antes mesmo da luta.

Supergirl segurou o pescoço de Lex e não demorou muito para ele sair do chão, balançando suas pernas como se sua vida dependesse disso, Kara viu o rosto do homem se tornar vermelho com a falta de ar e o soltou.

— Você é patética! - gritou levando uma mão ao pescoço como se tentasse aliviar o incômodo repentino - Por mais que eu odeie seu maldito primo, tenho que admitir que ele não é tão tolo quanto você! - Supergirl estava a uma palavra de voltar a atacar o homem, mas ele sabia que a garota de aço não faria isso pois não iria piorar sua situação - Você! - ele se atreveu a tocar seu dedo no símbolo do uniforme alheio - Você espalha esperança por aí, mas nem ao menos consegue ter um pouco para si, você Supergirl é uma farsa e seu bom coração só é oferecido à quem lhe convém e quando lhe convém, eu não me arrependo nem por um segundo de ter aberto os olhos de Lena. O único erro de minha irmã foi um dia ter se encantado por um falso Deus! - Lex ajeitou a gola de sua blusa e fechou o terno - Eu realmente espero que no meio dessa guerra você seja uma das fatalidades.

O veneno de Lex foi como um chute feito de kryptonita verde, um poderoso e cruel ataque que deixou Supergirl no chão e sem armas para contra atacar.

...

Foi sua culpa, bom, parte do caos criado foi sua culpa. Alex estava certa, Kara não pensou que William fosse diferente, ela quis que ele fosse porque depois de tudo o que havia passado ela precisava de alguém, não para ser um parceiro de vida, mas pelo menos para suprir a necessidade de uma nova figura em sua vida. Ela não o amava, porém achou que poderia conseguir, com isso imaginou que ele era confiável, afinal, o que ele poderia fazer contra a garota de aço? Quebrar seu coração estava fora de cogitação, porque ele nunca o tivera.

Kara sentia um vazio que era incapaz de ser preenchido por alguém qualquer, mas resolveu se deixar enganar para mascarar a dor ainda sangrenta dentro de si. Então ela trouxe William para sua vida, ela tentou moldá-lo para uma mesma forma que um dia lhe ocasionou em tantos bons momentos.

O primeiro convite para noite de jogos veio quando William menos esperava, quando ele parecia sozinho envolvido no trabalho excessivo, mas dessa vez ela não queria de fato, ela não sentia aquela animação de anos atrás, mas dessa vez seu alvo aceitou no primeiro pedido. William se tornou um amigo, parceiro de investigações, companheiro de encontros românticos que terminavam com beijos sem sentimentos, William dizia sim, era fácil, era conveniente para o que precisava, porém com aquele jornalista não havia a parte essencial, a que ela ainda sentia, mas não era direcionado ao homem, era guardado em um lugar onde ninguém poderia alcançar.

William era sua mentira, uma que se convencia todos os dias para poder dizer ao mundo que estava tudo bem, quando na verdade tudo piorava ao perceber que era um erro. Ela odiava aquela mentira, mas por algum motivo não conseguia se libertar dela.

— Eu sinto muito… - Supergirl estava na varanda da Torre, os super amigos/inimigos estavam planejando algo, mas a garota de aço parecia não pertencer aquele lugar, então resolveu avaliar seus erros - Imagino que a dor seja cruel, William parecia um bom homem.

— Não - ela negou - Ele não parecia, eu que tentei vê-lo dessa forma - a garota de aço olhou para Brainy, ele era o único a não culpá-la - Eu coloquei a vida de todos em risco porque eu precisava enganar meus sentimentos.

— Você deveria ter colocado os sentimentos em caixinhas como Lena ensinou - não era saudável, mas era uma boa opção.

— Eu fiz isso… Eu ainda faço - argumentou mantendo os pensamentos mais claros para si - Como ela está indo? De todos aqui você parece ser o único a ter acesso a sua vida.

— Ela está sozinha, ao menos é isso que ela sente. Lena não me trata como um amigo, mesmo que eu a veja como uma - ouvir aquilo causava ainda mais angústia em Kara pois ela sabia que a nova versão de Lena também era o peso de seus ombros - Porém, mesmo em seu pior momento pessoal, ela ainda procura fazer o bem para todos.

Supergirl olhou para sua cidade, era uma bela vista, mas também triste pois dali ela conseguia ver o prédio da LuthorCorp e isso trazia péssimas lembranças.

— Precisamos de Lena - informou baixo demais - Brainiac 5 me confidenciou que Lex seria essencial para termos alguma chance contra Leviatã, mas no momento que estamos acredito que uma outra Luthor seja importante.

— Eu sei, eu preferia trabalhar com Lena do que com Lex.

— Você não foi a única a ser traída - Brainy esteve ao lado de Lena no momento da traição - O projeto Non Nocere caiu nas mãos de Leviatã, Lena achou que poderia passar a perna em Andrea, porém aconteceu o contrário. Agora essa organização está mais poderosa do que nunca, o que Lena construiu para não fazer mal algum está prestes a ser usado para controlar a mente de todos no mundo inteiro em um propósito Anti-Vida. Precisamos de Lena do nosso lado.

Os punhos cerrados sobre o limite de concreto estavam prestes a quebrar aquela extremidade da varanda. Kara poderia imaginar o quão quebrada Lena estava, e isso doeu mais do que a própria traição que sentira.

— Você é a única que ela ouviria - Brainy olhou para trás e viu o grupo tentando encontrar alguma saída, Lex, Alex, Nia e J’onn. O jovem voltou para sua amiga, o olhar sério e até amedrontado - Eu sei que não vai gostar de ouvir isso, mas alguém precisa informá-la - Kara pareceu confusa - Você perdeu Lena não por guardar o segredo, mas por não ter lutado por ela quando mais precisou. Você não deu espaço para que ela a perdoasse, você deu espaço para que Lena entendesse que não faria falta à você e assim ela seguiu sua vida porque precisava fazer isso, porque imaginou que não era importante. Você nem ao menos lutou para tê-la de volta.

— Não, não. Eu fui atrás de Lena, eu tentei lutar por nossa amizade.

— Uma luta que você desistiu na primeira batalha perdida.

Brainy!

— Estamos em uma nova crise e mais uma vez procuraremos resgate em Lena. Você não consegue ver? É como se ela fosse necessária apenas em momentos de caos, nossas próprias ações confirmam o que Lena acha de si mesma, que ela só é importante para nós quando precisamos de sua ajuda.

— Por que está me dizendo isso?

— Porque ninguém teria coragem - Brainy ouviu novamente seu nome sendo chamado e soube que era hora de se juntar ao time - Você acha que seu maior erro foi apresentar William à nossas vidas?

Kara negou como se já esperasse a pergunta.

— Então faça a coisa certa agora, ao menos tente, é o mínimo que você pode fazer nessa situação - Brainy estava prestes a entrar.

— Você acha que ela vai me ouvir?

— Não - ele havia se aproximado de Lena e sabia como ela iria se comportar com base nos conhecimentos de observação - Mas tentar já é alguma coisa - Brainy viu Supergirl concordar - Boa sorte.

— Obrigada, Brainy.

Supergirl voou no mesmo momento e Brainy voltou para dentro da Torre, encontrando os aliados e amigos.

— Onde está nossa Taylor Swift de capa? - perguntou Lex parando suas anotações e olhando para a inteligência ambulante.

— Supergirl foi buscar uma nova opção - antes que Alex pudesse questionar, Brainy continuou: - O que eu perdi?

...

Supergirl parou no meio do céu, era quase como se houvesse uma barreira limitando a distância entre elas. Lena estava sozinha na varanda de seu apartamento, ela olhava para cidade como se tivesse esperanças de algo bom acontecer, na escuridão da noite ela encontrou a luz na garota de aço, algo que ela nunca confessaria. As duas se olharam, a distância era uma pergunta sem respostas, mas Supergirl se atreveu a pedir por uma, a garota de aço voou em direção à varanda e aterrissou ali. O que mais queria naquele momento era abraçar Lena, era imaginar que estavam bem como gostaria, mas tudo havia mudado.

— Eu esperava por Alex invadindo meu apartamento e me acusando de me aliar à Leviatã, mas faz sentido mandar seu melhor soldado para essa missão - Lena sempre parecia travar uma luta quando aquela figura voltava - Guarde seu discurso, não acho que preciso ouvir de Supergirl o quanto fui ingênua.

— Não, Lena - ela não iria culpar a mulher pois sabia de seus propósitos, ela tinha certeza de que Lena jamais usaria sua inteligência para o mal - Eu sei que nada disso foi sua culpa, seu projeto era para ajudar a humanidade.

— E agora vai ser usado para acabar com ela - Lena sorriu tentando mascarar sua dor - Não importa o que eu faça, o quanto eu queira ajudar, minhas ações sempre são convertidas para arruinar a vida de alguém.

Supergirl deu um passo em direção a Lena, e a CEO deu outro para trás informando sua ordem.

— Leviatã se infiltrou na vida de todos nós, usou Andrea para obter o seu projeto final, usou William para acabar com a confiança das pessoas em Supergirl e Lex. Isso foi mais poderoso do que nossas boas ações - Lena viu no olhar da garota de aço que a mesma estava perdida, completamente perdida e aquele sentimento ela entendia - Nesse exato momento minha irmã me odeia, ela prefere trabalhar com Lex do que comigo. Eu não confio em Lex, não importa o que o futuro venha a dizer, eu não confio em seu propósito.

— Ao menos podemos concordar em alguma coisa.

— Mas eu confio no seu - dessa vez Supergirl se aproximou e Lena não tentou fugir - Não fazer nenhum mal, eu sei que você pode ser àquela a parar com o que está prestes a acontecer, acabar com a dominação de Leviatã - Supergirl pôde ouvir os batimentos acelerados de Lena e não soube como interpretá-los - Eu sei que eu já não significo nada para você, mas estou aqui implorando… Me ajude a acabar com Leviatã, eu sei que você e eu podemos fazer isso se trabalharmos juntas.

Agora Supergirl podia ouvir seus próprios batimentos enlouquecendo dentro de si com o simples silêncio e invasão no olhar de Lena.

— Uma Luthor e uma Super trabalhando juntas? - a simples frase de Lena veio com uma lembrança amarga para Kara.

— Mais uma vez - pediu - Para o bem de todos.

— Como faremos isso se eu já não confio em você? - Lena pôde jurar que viu os olhos de sua ex-amiga trazerem um mar de lágrimas aprisionadas.

Kara não sabia o que responder, na verdade, ela tinha algumas opções, mas todas eram frustradas pelo o nó na garganta impedindo uma resposta.

— Mas você está certa, eu criei o projeto Non Nocere, eu sou a única capaz de encontrar uma forma de destruí-lo - Lena viu uma lágrima singular descer do olho de Kara e a mulher imediatamente limpou e mostrou um sorriso para a CEO - Apenas mais uma vez - Lena estendeu sua mão aceitando a ajuda.

— Como você quiser - a voz falha foi percebida por Lena e ali a CEO se amaldiçoou um pouco mais.

Supergirl soltou a mão da CEO, ela olhou para baixo e engoliu a seco tentando se desfazer do nó na garganta, quando retornou para Lena sentiu uma estranha sensação, e rapidamente negou em sua cabeça.

— Então, por onde começamos? - perguntou querendo reverter a situação o mais rápido possível.

Ela iria trabalhar com Lena, depois de tanto tempo ela voltaria a ser a parceira que Lena precisava. Apenas as duas contra o mundo.

... 

“I can be the Luthor who shares her home with a Kryptonian…”

O time era um improvável, dada as novas circunstâncias, o laboratório de Lena abrigava apenas mais duas pessoas, as únicas importantes para aquele momento. Lillian e Lena discutiam sobre algo, sobre um simples erro de cálculos, um erro capaz de arruinar tudo. Supergirl se perguntou como ainda estava viva quando a toda oportunidade Lillian a olhava como se fosse capaz de arruiná-la com um simples olhar, desde sua fuga da Torre ninguém havia se preocupado em resgatá-la, nenhum chamado de Alex, nenhum aviso de Dreamer ou até mesmo uma ligação de J’onn.

— Você perdeu a chance da sua vida, kryptoniana - disparou Lillian ao tirar as luvas plásticas e jogar no lixo ao seu lado - Você poderia ter acabado com Lex em seja lá qual Crise vocês participaram.

— Acredite, eu gostaria que uma das fatalidades tivesse sido seu filho - Lillian esboçou um leve sorriso quase como se pudesse se divertir com aquela garota - Como estão indo? - perguntou quando Lillian ficou ao seu lado e ambas observaram Lena continuar a trabalhar em silêncio no balcão mais distante do laboratório.

— Lena criou um projeto sem falhas, agora ela precisa criar algo tão perfeito para anular o projeto Non Nocere. Estamos aqui há pouco mais de sete horas, você não pode esperar muito em tão pouco.

— Por que está nos ajudando?

— Digamos que eu não sou fã da ideia de ser manipulada, agora que minha ficha está limpa eu pretendo aproveitá-la. Uma vez que que já não houver perigo, eu retornarei à Metropolis.

— Você poderia levar Lex com você - pediu e dessa vez Lillian não segurou a curta gargalhada.

Supergirl sabia que Lillian não havia mudado com o pós-crise, que a escuridão dentro da mulher não poderia ir embora quando fazia parte de si, mas de alguma forma aquela versão parecia menos irritante do que àquela em que enfrentou diversas vezes.

— Se eu não odiasse kryptonianos acho que poderíamos nos dar bem - Lillian viu Lena chamar por ela - Você não está fazendo nada de produtivo aqui, então pode voar por aí e nos trazer algo para comer? Aposto que Lena deve estar faminta assim como eu - pediu enquanto se afastava da heroína - Eu sou fã da culinária alemã, será que poderia voar até Munique?

Supergirl girou os olhos e Lillian seguiu para sua filha, antes de chegar até a CEO ela sentiu o vento repentino mostrando que a garota de aço havia ido embora.

— O que aprontou, Lillian?

— Por que está sempre me acusando de algo? Eu não fiz nada - a mulher se aproximou com um sorriso - Então, encontrou a combinação?

— Preciso que você veja isso - Lena se afastou e deu espaço para Lillian observar a combinação pelo microscópio.

A matriarca da família notou a alteração na substância e imediatamente se afastou.

— O que você fez, Lena?

— Não está pronto ainda - o sorriso cansado da mulher era assustador - Mas é a única forma que encontrei.

— Você não pode, passamos as duas últimas horas discutindo as razões pela a qual jamais deveríamos cogitar algo assim. Eu sou Lillian Luthor, e até mesmo para alguém como eu isso insano.

— A qualquer momento Leviatã pode colocar seu plano em ação, pode alcançar as mentes de todo o mundo e deixar a humanidade aos seus pés, a suas ordens. Não podemos descartar a única opção que pode vencer essa batalha.

— Estou começando a achar que você está ficando insana.

— Talvez eu esteja - Lena voltou a olhar pelo microscópio - Mas pelo menos essa cruel criação venha para o bem.

— Isso causará destruição e você sabe disso - era a primeira vez que Lena via Lillian realmente preocupada com algo - Lex deve estar procurando por uma solução também, acho que nós três juntos poderemos criar algo seguro e que salve esse maldito mundo.

Lena viu Supergirl retornar com algumas caixas nas mãos, a CEO olhou para a mãe e Lillian ainda batalhava em um argumento silencioso.

— Ela não pode saber da verdade.

— Como está Munique? - perguntou Lillian indo até Supergirl, mas se frustrando ao ver as caixas de pizza.

— Eu não sei - a garota de aço deu de ombros e abriu a caixa de pizza - O nome da atendente era Lori e não Munique.

— Obrigada por me lembrar o porquê de sermos inimigas - Lillian puxou uma caixa de pizza para si e seguiu para uma das cadeiras afastadas, quase na saída do local.

Supergirl se aproximou da jovem Luthor, Lena fazia algumas anotações importantes no diário, ela sabia da presença próxima de si e tentava ignorá-la.

— Você não precisa ficar aqui, Supergirl. Quando eu finalizar tudo eu procuro por você.

“Supergirl”. Kara não sabia quando foi a última vez em que Lena a chamou por seu nome, pelo o nome que passou a confiar e construir uma boa história, ela sentia falta… Sentia falta da forma única em como seu nome era pronunciado pela a CEO, algo naquela simples atitude era diferente o bastante para Kara sentir falta.

— Concordamos trabalhar juntas, então é isso que faremos - Lena parou suas anotações e olhou para a loira de capa perfeita - Eu posso não ser útil na ciência, mas ficarei aqui caso alguém queira vir atrás de você, afinal, eles devem imaginar que você está tentando anular o próprio projeto.

— Eu sei me cuidar.

— Eu não me importo de ficar, prometo não atrapalhar.

A verdade era que ela só queria ficar com Lena, ficar ao seu lado porque no momento era o único local que a fazia se sentir bem, e de certa forma se sentir segura, ela sentia falta da CEO mais do que Lena poderia sequer imaginar.

— Aqui - Kara abriu a única caixa de pizza que havia restado em seus braços - Eu trouxe a sua favorita com abacaxi em cima - Kara jamais iria esquecer os detalhes sobre Lena - Eu sei que não é sua melhor opção, mas eu realmente não queria dar o gosto de trazer algo europeu para sua mãe comer - em outras situações Kara veria um sorriso de Lena e um comentário sarcástico, mas tudo o que ganhou foi um novo silêncio - Eu vou deixar aqui - a loira pôs a caixa sobre o balcão e seguiu para onde Lillian estava, era a primeira vez em que recusava comida.

Lillian observou a cena curiosa e algo em sua mente a fez girar os olhos, ela não estava ali por vontade própria, por prazer em ajudar, ela se viu obrigada a dar a mão a sua filha para poder salvar a própria pele, porém já não sabia se o custo iria valer a pena.

— Meus dois filhos odiando os kryptonianos - Lillian limpou a ponta de seus dedos com o guardanapo descartável e colocou a caixa de lado - Acho que posso dizer que nunca estive tão orgulhosa deles como agora, finalmente encontraram algo em comum - Supergirl não precisou olhar para a mulher para saber que havia um sorriso irritante naquele rosto.

— Eu estou convivendo com Lex há meses, não há nada que você fale que possa me tirar do sério, Lillian - Supergirl cruzou os braços e se encostou na parede, ela observou Lena tirar um pedaço de pizza e voltar para suas anotações - E você está errada, Lex e Lena não têm nada em comum, apenas um sobrenome.

— Eu não sei como era na outra realidade, mas na que me lembro um dia tivemos um confronto, você e eu - Lillian levantou pronta para tentar mais uma vez mudar os planos da filha - Eu disse que minha maior arma contra você seria Lena, porque só ela poderia destruir seu coração de aço - Lillian levou sua mão ao símbolo do uniforme da Super e sorriu - E eu estava certa, não é mesmo? Você a olha como se já não houvesse esperanças, como se sua maior arma já não funcionasse.

Supergirl tirou a mão de Lillian de seu símbolo e segurou firme o punho da mulher.

— E sabe o que é o pior de tudo? Que até eu posso ver que você se arrepende por ter escondido o segredo, eu consigo ver estampado na sua cara estúpida o quanto você sente muito… Mas Lena, você a quebrou de uma forma que ela já não consegue ver nada além de dor quando olha nos seus olhos.

— Você deve está adorando isso, não é?

— Eu deveria - Supergirl soltou o punho de Lillian e a mulher tentou não parecer incomodada com a dor no local - Mas para o bem de todos, incluindo o meu, acredito que está na hora de você melhorar seu jogo. Lena está muito próxima de Lex, e por mais que isso afaste ela de uma Super, também é perigoso. Lex chegou a manipular Lena quando ela estava frágil demais, se isso acontecer novamente nem mesmo você vai ser capaz de trazê-la de volta.

— Eu devo acreditar que você está do meu lado agora?

— Eu nunca estarei do lado de um kryptoniano.

Lillian ficou ao lado de Supergirl para poder observar sua filha, Lena não sabia ou talvez não acreditava, mas dentro de Lillian ainda restava amor e a única poção era guardada para Lena mesmo que ela nunca chegasse a saber. As duas observaram Lena comer sozinha como uma garotinha solitária.

— Por que deixou de lutar por ela?

Kara lembrou dos momentos com sua melhor amiga, sua melhor pessoa.

— Porque era isso que ela queria, ela me queria longe e eu só tentei fazer algo certo mesmo que isso me arruinasse.

— Sua tola - Lillian odiava a tamanha inocência da garota. - Tudo o que Lena sempre quis foi saber que era importante para alguém, ela nunca conseguiu isso nos Luthor, mas aparentemente achou ter encontrado uma oportunidade com você. Quando você a soltou, foi quando a perdeu… - Lillian deixava sua atenção cair sobre a garota de aço, enquanto a mesma olhava para a única pessoa que importava - É sua última chance, kryptoniana. Vai finalmente lutar por Lena? - talvez não fosse tarde demais - Você não terá outra chance… Kara - era quase como um pedido mascarado no qual Kara não sabia ao certo como interpretar.

Lillian voltou para sua filha, ainda havia muito trabalho a fazer.

A frustração de Lex o fez jogar o quadro de vidro contra o chão, os pequenos pedaços de caco de vidro sobre os pés dos super-amigos. O brilhante Luthor deixou a Torre sem dizer uma palavra, J’onn trocou olhares com os outros companheiros notificando que iria cuidar do outro aliado.

— Parece que você abriu mão de tudo para nada - o comentário venenoso de Nia ainda vinha cheio de frustração pelo o que Brainy desistiu para se aliar a Lex - Se Lex é tão importante para acabarmos com Leviatã, por que estamos aqui há quase trê dias e ele não consegue encontrar uma solução?! - Brainy entendia a frustração de sua ex, por isso não revidou.

Alex precisava de ar puro, então passou entre aquela discussão e seguiu para a varanda da Torre. Kelly suspirou e o ex-casal percebeu o outro grande problema daquela situação.

— Ela não fala com Kara há três dias, e da última vez que se falaram foi com uma briga - Kelly podia notar a diferença em sua namorada, Alex já não era a mesma - Esse é o momento em que elas precisam ficar juntas e não o contrário.

— Supergirl está fazendo sua parte, está buscando uma nova forma de ajudar - explicou Brainy sem dar muita explicação - Com licença, mas preciso buscar Lex, não podemos parar de tentar agora.

Brainy passou pelas mulheres e Kelly notou o quanto Nia queria ir atrás dele, a psicóloga levou uma mão ao ombro da amiga ao imaginar sua dor.

— Quando tudo isso voltar ao normal teremos Brainy de volta, Nia. Ele está mantendo distância porque acha que de alguma forma está protegendo você.

— Eu sei, o que me magoa é ele achar que eu preciso disso - a sonhadora respirou fundo e com a cabeça apontou para a outra colega lá fora - Acho que ela está precisando de você - Nia se afastou e seguiu para fora do esconderijo.

Kelly seguiu o conselho óbvio e foi até a namorada, sua mão gentilmente repousou sobre o ombro da ruiva e ali depositou um beijo incapaz de despertar a namorada.

— Eu perdi DEO… Aquilo era minha vida, Kelly - a dor da perda era clara, mas Kelly sabia que o motivo não era o DEO - E agora o mundo está prestes a perder o sentido, em breve não seremos nada além de marionetes.

— Quantas vezes você e a super turma estiveram em uma situação como essa? - Kelly imaginava que muitas vezes e a demora de Alex em responder a fez ter certeza - E quantas vezes venceram?

— Dessa vez é diferente de tudo o que enfrentamos. Leviatã não é nada como uma tia vingativa, exército de Daxamitas, Destruidoras de Mundo ou até mesmo Lex. Dessa vez é uma batalha incerta e com grandes chances de derrota.

— Há sempre cicatrizes no final de uma batalha, mas isso não significa uma derrota. Temos o melhor time e acredito que vocês vão conseguir impedir Leviatã da dominação do mundo.

Alex não respondeu, voltou a observar a cidade que havia amanhecido triste, nublada.

— Kara não teve culpa, Alex. Você conhece sua irmã, ela nunca ver o pior das pessoas e de alguma forma ela viu uma esperança em William.

— Não, ela não viu - Alex negou, seus olhos se fecharam ao lembrar do deslize de sua irmã - Ela só queria alguém para preencher o vazio que Lena deixou, sua falsa esperança nos colocou nessa situação - Kely queria negar, mas não estava na posição de fazer isso - Se William não tivesse se infiltrado em nossas vidas, DEO ainda estaria de pé, Lex e Supergirl não seriam o inimigo da situação, o mundo estaria do nosso lado e não contra nós. William foi o perfeito cavalo de tróia, ele nos destruiu quando aceitamos sua amizade.

— Por isso Kara não merece receber a culpa, ela também foi enganada assim como todos nós. Ela deve está carregando essa culpa, e você deveria ser aquela a ajudá-la entender que esse peso não é dela. Alex… Alex! - Alex voltou a olhar para sua namorada, as verdades eram difíceis de encarar - Ela precisa da irmã, se Kara sentir que perdeu você ela entrará nessa luta com um outro propósito. Não a deixe achar que agora são inimigas.

Ali estava um dos motivos para Alex amar tanto aquela figura, Kelly estava sempre certa e quando Alex seguia por um caminho duvidoso Kelly a trazia de volta para a única direção correta.

Kara viu a discussão entre mãe e filha, ela estava para correr e ficar entre as duas, até que Lillian marchou para fora do laboratório como se tivesse jogado tudo para o alto. Em três dias de convívio aquela havia sido a primeira vez em que Kara viu Lillian realmente estressada por algo. Ela sabia que poderia ser perigoso, mas se aproximou de Lena, o diário no chão havia soltado algumas páginas e Kara pegou todas, colocou sobre o balcão e esperou Lena abrir os olhos, a CEO estava tentando se acalmar ou apenas ter segundos de paz em sua mente.

— Lena?

Lena abriu os olhos e ao ver Kara perdeu as palavras, ela não sabia ao certo quando a mudança veio, mas ali já não era Supergirl e sim Kara, apenas Kara.

— Eu já deveria saber que trabalhar com Lillian não seria fácil - Lena puxou o banco e sentou-se ali, sua mão puxou o diário para si - Está pronto - confessou olhando para o diário e não para Kara - Não é algo que possamos fazer um teste primeiro, é nossa única chance - Lena levantou seu olhar e se atreveu a se deixar perder nos olhos que tanto sentia falta - Nossa única esperança.

— Eu confio em você - Kara descansou sua mão sobre a da CEO já esperando uma resposta afiada, mas ela não veio - Obrigada.

Lena olhou para a cena, um sorriso apareceu e ela não tentou esconder porque ele vinha de boas lembranças. Kara puxou sua mão achando está incomodando.

— Se está pronto por que Lillian pareceu zangada?

— Ela nunca aprovou minhas ideias - Lena deu de ombros, era notável o cansaço em seu semblante, afinal, Lena estava presa naquele laboratório por três dias e só parava quando necessitava de algo.

Kara puxou um banco e ficou ao lado da ex-amiga, era estranho passar tanto tempo com Lena e parecer uma desconhecida, era estranho sentir tudo e agir como se nada gritasse por Lena.

Seu maior segredo nunca foi a capa e o símbolo que carregava quando saia para ajudar alguém, seu maior segredo estava ali, ao seu lado, buscando os lugares mais seguros para se esconder.

Kara notou no meio da crise, ela entendeu seus sentimentos no pior momento de sua vida, quando perdeu tudo e todos, quando ela carregava o fardo de ser alguém que simbolizava esperança e que por momentos de fraqueza havia perdido. Ela queria sua terra de volta, queria sua família de volta, queria Lena… Em nenhum momento ela deixou de pensar na CEO, no que havia acontecido, no que iria acontecer.

Depois de um conselho de Kate, Kara se perguntou como não havia percebido antes… Como não percebeu que sua amizade havia se tornado uma nova forma de amor, por isso a ideia de perder Lena era tão assustadora, porque ela não iria perder apenas sua amiga, mas talvez seu mais verdadeiro amor.

— Eu sinto muito - comentou Kara depois de sua reflexão.

— Pelo o quê dessa vez?

— Brainy me contou sobre Andrea e em como ela ajudou Leviatã a chegar até seu projeto.

— Da primeira vez que Andrea me traiu ela teve a escolha, dessa vez sua resistência ocasionou em sua morte - Andrea tentou alertar Lena, mas isso só fez Leviatã chegar até o projeto Non Nocere, a latina havia pagado com sua vida - Eu consegui perdoá-la, mas não valeu de nada porque eu a perdi em seguida.

Ainda era difícil de acreditar que Andrea Rojas havia pagado com sua vida quando tentou ajudar, e William continuava triunfando como se fosse uma importante peça para o grande propósito. Kara se odiava cada vez mais por suas escolhas.

— Eu também sinto muito - foi a vez de Lena - Eu fiquei sabendo que seu namorado faz parte de Leviatã, eu sei como é a dor da traição.

A alfinetada não foi proposital.

— Ele não era meu namorado - eles nunca chegaram a formalizar a relação - Eu não estou magoada porque meus sentimentos por ele não eram reais como tentei me convencer, só estou frustrada por ter sido a culpada por ter dado o acesso que ele precisava para destruir DEO e a reputação de Supergirl, e apesar de tudo, a de Lex. Agora o mundo só acredita em um propósito falso de Leviatã.

Lena só conseguiu gravar o “meus sentimentos por ele não eram reais”, ainda doía lembrar das vezes em que vira Kara com William, em como cada sorriso que trocavam fazia Lena desejar ter o mesmo, mas sabia que nunca seria possível.

Lena levantou com o diário seguro em sua mão, a mulher puxou a lixeira e a deixou entre os bancos. Lena tirou cada folha com anotações e a deixou cair sobre aquele pedaço de metal, quando já não restou nada além de folhas em branco no diário ela voltou a sentar no banco vazio.

— Pode fazer as honras? - pediu e logo recebeu uma aprovação.

Kara usou sua visão de calor para queimar as folhas presas naquela caixa de metal, quando já não restou nada além de cinzas, a loira parou. Ela queria perguntar o conteúdo das anotações, mas não pareceu certo invadir ainda mais a privacidade de Lena.

— Eram as anotações do que acabei de criar - explicou mesmo sem um questionamento vindo de Kara - Ninguém jamais poderá copiar o que acabei de criar, é perigoso demais principalmente em um mundo onde Lex está vivo.

— Você acha que irá funcionar contra Leviatã?

— Acredito que impedirá seu objetivo de dominação - três longos dias de trabalho, três longos dias com Kara ao seu lado, três longos dias que mais pareceram três anos, na mente de Lena eram seus melhores anos, aqueles em que o começo foi uma pergunta que abriu caminho para Kara se tornar uma repórter e que acabou com uma verdade de Lex - Acabamos aqui, você pode ir agora. Quando a batalha começar eu saberei quando entrar em ação.

— Você lembra quando nos conhecemos? Kal e eu conseguimos um horário com você na L-Corp.

— Como eu poderia esquecer? - Lena parecia rendida e por algum motivo aquilo era estranho para Kara.

— Você lembra o que me perguntou? - claro que Lena lembrava, mas se deixou perder na boa lembrança - Porque eu nunca poderia esquecer.

— Quem é você exatamente?

— Eu sou Kara Zor-El - não era o caminho que Lena esperava - Eu vim de um lugar chamado Krypton, perdi minha família, perdi meu planeta e tudo o que eu conhecia e amava. Ao chegar na Terra eu fui acolhida pelos Danvers, eles se tornaram minha família, e por terem me aceitado eles colocaram suas vidas em perigo, eu coloquei um alvo nas costas de cada um. Achei que poderia ser apenas Kara Danvers, mas eu precisava ser um outro alguém porque só assim eu poderia protegê-los.

— Você não pr

— Eu sou Supergirl e sempre vou ser porque o mundo precisa que eu seja, então quando eu visto aquele uniforme eu não posso me dar o luxo de falhar porque se isso acontecer todos perdem - Lena viu as lágrimas se formando dentro do mar de olhos - Mas com você, oh Rao… Com você eu queria poder ser apenas Kara, a garota normal com uma vida normal, então por anos eu fingi ser apenas essa minha versão porque eu sabia que ela nunca poderia fazer nenhum mal a você, Lena. Eu não queria que você soubesse de Supergirl porque eu sabia que no momento que isso acontecesse eu colocaria um alvo em suas costas e a possibilidade de perdê-la por isso me assustava - Lena segurava suas emoções, já Kara não ligava de escondê-las - Eu procurei por você, quando a Crise me fez perder Argo, eu procurei por você em toda cidade e não a encontrei. Então eu continuei lutando contra toda ameaça que aparecia porque no fundo eu achei que quando tudo terminasse eu poderia ter você de volta, por um momento eu quase fui egoísta e tentei reescrever o destino de todos, eu precisava da minha família de volta, da minha Terra, de você. Eu já não sei o que fazer para que você entenda que eu nunca quis machucá-la, tudo o que eu sempre quis foi que confiasse em mim e entendesse que eu poderia ser alguém diferente, que em mim você encontraria uma família - Kara enxugou as lágrimas e não notou a primeira que caiu dos olhos de Lena.

— Você sabe o motivo que me fez vir até National City? - a voz estava intacta em um perfeito tom enquanto seus olhos mostravam a vulnerabilidade - Supergirl - a resposta causou um misto de surpresa e dor, Lena havia mudado sua vida por Kara, por Supergirl - Eu queria ser a Luthor que compartilharia seu lar com uma Kryptoniana - Kara abaixou a cabeça sendo incapaz de continuar a encarar Lena quando havia tanta dor - E por alguns anos eu consegui fazer isso.

— Me perdoa - sussurrou.

— Você me destruiu, ninguém foi capaz de me magoar tanto quanto você, nem mesmo Andrea - com Kara era diferente por isso doía tanto - Eu não a odeio - Lena levantou, ela não poderia continuar naquela conversa dolorosa - Se é perdão que você precisa, então eu estou lhe oferecendo um - Kara não parecia acreditar - Eu a perdoo porque em meu coração eu já não posso carregar o peso do que aconteceu entre nós.

— Isso quer… Isso quer dizer que n

— Eu sinto muito - Kara viu as lágrimas se intensificarem ao deslizarem pelo rosto da CEO - Mas meu perdão não significa uma segunda chance.

— Lena, p

— É tarde demais para nós - Lena caminhou para fora de seu laboratório, seus lábios trêmulos tentavam libertar o choro de sua decisão e últimas palavras.

Ela não se arrependia de ter compartilhado o lar com sua kryptoniana favorita, ela só lamentava não ter sido como um dia pensou.

“Supergirl may have saved me but, Kara Danvers, you are my hero”

Reunidos na Torre estavam Brainy, Nia, Kelly, Alex, J’onn, Superman e Lex. O Marciano havia encontrado uma estratégia e no momento era a ideia mais sábia, os conhecimentos de Brainy sobre a Organização facilitava na localização da mesma, porém não na precisão de quando o ataque funcionaria.

— Quando vocês entenderão que músculos não vencem uma guerra? - questionou Lex olhando para seu maior inimigo.

— Mas eles certamente podem destruir figuras indesejáveis - ameaçou Superman dando um passo à frente, mas Nia segurou o braço do amigo - A única coisa boa é que o mundo finalmente pôde ver quem você é, Lex.

— Em breve eu serei o herói deles novamente - ele sabia que isso iria acontecer e adorava irritar o kryptoniano.

A sala ficou em silêncio quando Supergirl entrou pela pequena porta da Torre, Alex conseguiu sentir um alívio ao ver que a irmã estava bem.

— Onde esteve? Todos estavam preocupados - anunciou Nia correndo para abraçar Kara, a heroína sorriu e a sonhadora deu espaço para a mulher

— Eu fui buscar por ajuda, nossa única e melhor chance - Supergirl olhou para Lex. Lena entrou no local e ficou ao lado de Supergirl, Lex perdeu o sorriso e se incomodou com a presença - Ela encontrou uma saída.

— Lena - cumprimentou Superman com um sorriso - É bom finalmente ver um Luthor em que possamos confiar - Supergirl sorriu com o comentário do primo, e Lena apenas confirmou - Então, qual o plano?

O grupo se posicionou em forma de círculo na pequena mesa central, Lena explicava sua invenção, porém não dava detalhes, sua criação foi seguida por uma linha de ataque sugerida por Alex e complementada por J’onn. Kelly interviu preocupada com o bem de todos, mas logo foi acompanhada por uma saída que Nia deu garantindo segurança. Supergirl se afastou um pouco quando a explicação de Lex se tornou cansativa e perigosa, ela precisa se segurar para não atacar o homem. Alex viu a irmã se afastar e seguiu até ela.

— Por favor, não venha dizer que é perigoso confiar em Lena - pediu Supergirl quando a irmã se aproximou.

— Eu fui injusta com Lena, não apenas com ela, mas com você também - ela iria seguir o conselho de sua namorada, afinal, ela estava certa - Me desculpa por ter acusado você, por ter jogado a culpa de William em você. Eu estava de cabeça quente, e minha atitude foi injusta, por favor, me perdoa - a sinceridade no pedido fez Supergirl abrir os braços para encaixar sua irmã ali - Eu senti sua falta.

— Eu achei que iria perder você também - respondeu lembrando da dor em que sentiu ao ver sua irmã contra ela.

— Nunca, você nunca vai me perder - assegurou saindo do abraço - Eu só preciso que me diga quando eu estiver sendo uma idiota - Kara sorriu ao ouvir o pedido. Alex voltou a se posicionar ao lado da garota de aço e ambas olharam o grupo reunido - Então você e Lena estão bem novamente?

— Ela me perdoou - apesar da felicidade que isso deveria trazer Kara não parecia feliz.

— E por que não me parece feliz?

— Porque eu não precisava apenas de um perdão - Kara sentiu a já conhecida angústia latejar em seu peito - Eu queria uma segunda chance, mas Lena deixou claro que isso não vai acontecer.

— O que vai fazer?

Kara deixou um sorriso curto aparecer, mas não era um contente, ele mostrava o amargo de seus sentimentos, a melancolia de uma perda, de algo incapaz de voltar.

— Eu vou viver por um bom tempo, agora que eu entendi como me sinto eu só tenho um caminho a seguir - Kara olhou para sua irmã que ansiava por um desfecho - Eu vou lutar por Lena, porque eu sei que meus sentimentos são verdadeiros e que ela vale a pena. Eu quero ser Kara Danvers, eu quero poder ser seu herói novamente.

Alex não tinha nenhuma boa resposta, sua irmã parecia decidida e ela não iria intervir, não dessa vez.

O grupo se desfez com as ordens de Lena, porém dois deles continuaram com a mulher naquele círculo. Brainy e Lex. O insano Luthor sorriu para sua irmã caçula, ele tinha que admitir que a mente de sua irmã era tão brilhante quanto a dele.

— Quem usará? Eu voto em Superman - Lex levantou a mão como se fosse uma votação, Brainy e Lena ignoraram o homem - O quê? É a melhor opção, como eu sei que você não deixará Super Swift usar, então Superman é o único nome possível.

— Eu não irei destruir a família de Superman.

— Lena, nós somos os únicos a saber do que essa sua invenção pode causar. É perigoso - Brainy entendeu o motivo de Lena não compartilhar toda a informação com os outros - De todos aqui eu terei mais chance de sucesso, então quando o momento chegar eu usarei.

— Não - negou mais uma vez, a mulher olhou para Lex e ele perdeu o sorriso ao entender o plano de sua irmã.

— Você sabe o que irá acontecer.

— Eu calculei todas as probabilidades, então sim, eu sei a consequência.

— Eu não irei usar por você.

— Eu não quero que faça isso - Lena olhou para Brainy, o garoto havia se tornado bem próximo nos últimos meses e apesar do medo de Lena em confiar mais uma vez, ela conseguia ver sinceridade nele - Quando tudo isso acabar me prometa que tornará o projeto Non Nocere em algo possível, que não faça nenhum mal, que não caia nas mãos de destruidores.

— Você não vai fazer isso! - Lex bateu sua mão contra a mesa e aquilo chamou atenção dos que ainda estavam ali, mas ele não deu atenção aos outros - Você nunca aprende, não é? Não ver que não vale a pena, que nada disso vale a pena!? Eles - apontou para Supergirl mesmo sem olhar para ela - Eles devem morrer por nós - Lex se aproximou da irmã e pegou para si a pequena caixa das mãos dela - Eu não vou perder a oportunidade de acabar com um deles nesse desastre.

Lena abriu a caixa ainda nas mãos do homem, ali ele viu que já não havia nada. Lena nunca viu preocupação em Lex, pelo menos não uma verdadeira, mas naquele momento foi sua primeira vez.

— Você está usando…

— Estou sempre estou a um passo de você - Lena sorriu quando viu a fúria naqueles olhos confiantes.

Lex marchou para longe daquele círculo, Lena olhou para seu amigo e não viu nenhuma felicidade.

— Tem certeza?

— Sim, eu tenho, Brainy.

— Eu irei ajudá-la - Brainy se aproximou ainda mais da amiga - Quando tudo isso acabar, eu ajudarei você a tornar o mundo um lugar mais seguro e melhor. Nós podemos fazer isso - Brainy segurou a mão de sua amiga e Lena segurou seu choro, eram momentos que despertavam seu lado mais sensível - Você me ajudou quando eu mais precisei, eu quero poder fazer o mesmo por você, minha amiga.

— Eu sei que você vai.

Brainy abraçou Lena, o sentimento sincero vindo das duas partes, a CEO poderia dizer para si mesma que havia encontrando um amigo em Brainy, um que sabia exatamente as dores que ela guardava em suas caixinhas.

— Você não pode fazer mais desses? - perguntou Superman pensando em sua família.

— Não - Lena continuou a entregar os dispositivos para os super-amigos e logo eles usaram - Eles vão impedir que Leviatã controle sobre suas mentes.

— E quanto ao mundo? - questionou Alex. Ela se preocupava com aqueles sem a proteção, Kelly havia cedido o seu para Superman porque ele iria precisar mais do que ela naquela batalha.

— Vocês se preocupam com o exército que tentar desafiá-los, eu cuidarei da segurança dos outros - tanta confiança fez os outros acreditarem na palavra de Lena.

— O que pretende fazer, Lena? - foi a pergunta de Nia, Brainy abaixou a cabeça ao ouvir o questionamento.

— Eu sou a única que poderá desativar o projeto Non Nocere.

— Equação Anti-Vida - corrigiu Lex - Eles usaram seu projeto e o tornaram em uma arma - o homem voltou ao seu humor nada agradável - Em breve alguém terá o poder absoluto sobre todo e qualquer ser desse planeta, e minha irmãzinha acha que conseguirá reverter isso.

Supergirl tentou atacar Lex, mas Superman segurou o punho de sua prima.

— Agora não, Supergirl - pediu o jovem sabendo que isso só causaria um caos.

— Pessoal.. - Dreamer arregalou os olhos com o que estava presenciando.

Kelly tinha um olhar vidrado, preso no horizonte sem piscar ou esboçar emoção.

— Kelly? - Alex segurou os ombros da namorada - Amor? Ei, Kelly me ouve.

Kelly segurou o braço de Alex e o torceu deixando a Diretora de joelhos. Kelly soltou o braço da mulher e sem dizer uma palavra saiu do lugar, era quase como ver um robô funcionar. 

— KELLY! - Alex tentou correr, mas J’onn segurou a jovem.

— Alex, já começou - informou Lena - O melhor que podemos fazer agora é deixá-la ir, ela já não está sob o controle de si e qualquer confronto pode fazer com que seja lá quem esteja controlando-a a faça tirar sua vida - Alex só queria proteger a namorada, mas as palavras de Lena mostraram que era perigoso - Supergirl, Superman e J’onn patrulhem o mundo, afinal, os outros heróis de outras Terras devem está sendo manipulados também e isso pode ser um perigo - os três concordaram - Brainy, a partir das frequências e da magnitude de tal poder podemos encontrar de onde está vindo o comando, descubra o mais rápido possível - o homem se afastou sabendo que era preciso encontrar aquele esconderijo o mais rápido possível - Alex e Dreamer, National City é de vocês.

— E quanto a Lex? - perguntou Supergirl.

— Eu irei precisar dele - Lex cruzou os braços e sorriu para a garota de aço - Agora vão.

Supergirl, Superman e J’onn voaram para patrulhar o mundo e ver como estava o alcance daquela hipnose destrutiva. Dreamer seguiu para sua missão, ela encontraria Alex depois.

— Alex, não se preocupe - Lena se aproximou da mulher, era notável a preocupação e medo de Alex - Eu vou trazer Kelly de volta, eu vou trazer todos de volta.

— Como pode ter tanta certeza assim?

— Eu não espero que confie em mim, mas

— Eu confio - disparou antes que Lena pudesse completar, Alex sabia que havia errado com Lena, que duvidar da bondade da mulher havia sido um de seus piores erros - E eu sinto muito por ter demorado tanto tempo para entender que eu estava errada - Alex iria precisar de mais tempo, ela imaginava que Lena não iria perdoá-la assim tão fácil - Eu estava errada quando dei as costas para você.

— Quando tentou me assassinar…

— Quando julguei você por algo que não é - era um pedido sincero, Alex se afastou sabendo que era hora de ir - Obrigada por não dar as costas quando mais precisamos de você.

— Eu nunca recusaria um pedido de socorro.

— Eu sei, foi quando eu entendi que errei com você - Lena concordou sem dizer uma palavra e observou Alex seguir seu caminho.

Lex abriu a boca para soltar seu veneno.

— Nenhuma palavra ou eu tiro seu bloqueador e o deixo ser mais uma dessas marionetes de Leviatã.

— Olha só, de alguma forma o universo quer que trabalhemos juntos, os irmãos unidos que mamãe sempre desejou - o comentário de Lex fez Lena girar os olhos.

Os super-amigos comunicavam o que viam, era angustiante ouvir os relatos, parecia um mundo zumbi onde poucos conseguiram escapar. Heróis de Star City entraram em uma guerra com os de Central City, era uma luta por suas vidas e Superman se viu no meio de um caos inevitável. Supergirl e J’onn continuaram a patrulha por outras cidades, o alcance era aterrorizante. Alex e Dreamer estavam de mãos atadas, elas não conseguiam proteger os milhões de habitantes da cidade. Em três horas de posse Leviatã já havia causado a pior das crises, àquela onde os inimigos eram os próprios eus.

Brainy havia entrado em sua bolha de concentração tentando alcançar aquela fonte de poder.

Lena parecia perdida em seus próprios pensamentos naquela Torre.

— Por que me odeia tanto? - perguntou quando percebeu a presença indesejada.

— Eu nunca odiei - o tom de voz causou surpresa em Lena, pela primeira vez o irmão havia engolido as mentiras e sarcasmo - Talvez eu tive um pouco de inveja, mas ódio? - ele sorriu - Você atirou em mim a sangue frio, e minha vingança foi fazer um trato para que você voltasse sã e salva com suas lembranças depois de uma patética crise. Se eu a odiasse teria feito questão de apagá-la da história - era um bom argumento - A única coisa que nos afasta é o nosso propósito, veja, você acredita na humanidade a ponto de dar tudo de si para um mundo que não a respeita. Eu por outro lado pretendo dominar o mundo para que todos estejam sob o meu controle.

— Ou seja, a única coisa que nos afasta é o fato de você ser um sociopata e eu alguém com noção da realidade.

Lex sorriu com a implicância da irmã, mesmo com tanta história entre eles, ele não odiava sua irmã.

— Não faça isso. Deixe a kryptoniana fazer.

— Para que você possa criar um caos e não tê-la para impedir? - Lena arqueou uma sobrancelha com o próprio questionamento - O mundo precisa de Supergirl.

— Lena? - Brainy invadiu a conversa - Eu encontrei o lugar.

Lex conseguiu notar o medo na expressão de sua irmã, mesmo ela tentando disfarçar.

— Está na hora.

Brainy tirou seu anel e entregou para Lena, o anel da Legião, algo tão precioso para ele.

— Já que nenhum de vocês voam, vão precisar disso - Brainy colocou o anel no dedo da CEO e aquele ato de confiança fez Lena entender o verdadeiro vínculo entre eles - Eu irei esperar você retornar com ele - ele tinha a certeza de que tudo acabaria bem - Vou ajudar Dreamer e Alex, elas precisam da minha ajuda - Brainy abraçou Lena em uma despedida e sussurrou a localização.

— Tenha cuidado, você é um alvo importante e não sei o quanto esses dispositivos podem aguentar - aconselhou a CEO.

Lena olhou para seu irmão e sorriu, ela segurou o irmão pelo terno e pulou da varanda. Brainy sorriu ao ver a amiga cruzando o céu com Lex prestes a cair.

O jovem foi até o monitor e desativou dois dos comunicadores da equipe.

— Brainy, para o Super Time. Estão me ouvindo?

Supergirl, Dreamer, Alex, J’onn e Superman afirmaram.

— Esqueçam tudo o que estão fazendo, encontrei a localização de Leviatã e precisamos estar juntos nessa batalha.

“Onde Lena está?”

Foi a pergunta de Kara.

— Em perigo.

...

Lex usou o poder que ele mesmo lhe deu para atingir os guardas que tentaram atacar Lena, a CEO se abaixou quando ouvir os disparos dos guardas, mas em seguida Lex os matou sem piedade alguma. Ela ainda estava surpresa por Lex ter poderes.

— Agora entendo o porquê de você ter me escolhido - o homem ajeitou seu terno e ajudou a irmã a levantar - Para ser seu herói.

— Não se anime, você nunca vai carregar esse título. 

— O que estamos procurando exatamente? - perguntou enquanto caminhava lado a lado com Lena por aqueles corredores infinitos.

— Alguém que pareça está controlando a mente do mundo.

— Você quer dizer algo como aquilo? - Lex apontou para o centro de uma sala.

Os irmãos se abaixaram quando alguém passou do outro lado da janela. Havia uma cadeira no centro da sala, um capacete cobria todo o rosto de sua figura, em volta diversos guardas protegiam o ser.

— Você nunca vai alcançá-los, viu aquilo? - apontou para os guardas - Sãos experimentos de A.R.G.U.S, eu não vou conseguir acabar com eles sozinhos.

— Você vai precisar tentar - Lena levantou e quando fez isso ela e Lex foram jogados para longe com a destruição da parede ao lado.

A fumaça de poeira nublou o ar por alguns segundos e quando a visão dos dois voltou a ficar perfeita eles viram a ajuda. O Caçador de Marte e Dreamer nas duas pontas, Brainy ao lado de Nia, Superman de um lado e Alex do outro, no centro estava Supergirl, a dona da entrada triunfal que jogou Lena para longe.

— Alguém pediu ajuda? - perguntou a loira oferecendo a mão para Lena.

A CEO olhou para Brainy, mas ele não parecia culpado.

Supergirl ouviu os disparos e imediatamente protegeu Lena com sua capa, a loira parecia assustada, já Lena perdida com aquele ato inesperado.

— Não se preocupe, eu não vou deixar nada acontecer a você - prometeu ainda segurando a capa protegendo Lena da chuva de disparos.

Quando o ataque parou os heróis se juntaram.

— Seja lá quem estiver os controlando irá trazer um exército para nos atacar - informou Alex preocupada - Lena, qual seu plano?

— Eu preciso chegar até ele - apontou para o homem no centro de tudo com um capacete na cabeça.

— Lex e eu acompanharemos Lena, vocês cuidam dos outros - sugeriu Supergirl e os amigos concordaram - Oh Rao… - Kara viu o exército de pessoas marchando com grandes armas, e alguns até voando - Tomem cuidado, e lembrem-se, tentem não matar. Eles estão sendo controlados - Lena ficou ao lado de Kara e a loira lhe deu um último sorriso esperançoso - Preparada?

Lena concordou. Por algum motivo ali ela não conseguiu ver Supergirl, e sim Kara, apenas sua Kara.

Eles eram muitos, era impossível se livrar por completo. Alex já não tinha forças para lutar com super soldados, mas seu cansaço não a impediu de lutar até o fim, o grupo lá fora tentava impedir que os outros chegassem até o grupo no centro de tudo. Naquela enorme sala Supergirl e Lex Luthor lutavam lado a lado para impedir que alguém chegasse até Lena, ali eles pareciam a dupla perfeita. A CEO chegou até o homem preso à cadeira, o capacete negava sua identidade, ele estava preso aos bilhões de vida agindo por seu comando.

Lex estava caído no chão e agora Supergirl tentava proteger os dois Luthor.

Estava na hora, Lena olhou para o herói voando e atacando guardas para que Lena ficasse segura. Sua criação era simples de se explicar, porém impossível de ser aceita, por isso evitou explicar para os super amigos. O chip preso dentro de si seria capaz de lutar contra toda aquela dominação de mentes, de vidas, no momento em que Lena tirasse seu inibidor ela estaria vulnerável a equação, mas a surpresa seria que a brilhante CEO não se tornaria um zumbi, o projeto Non Nocere consistia em não fazer nenhum mal, ela só o aprimorou para que toda frequência usada por a Equação Anti-Vida fosse absorvida por aquele dispositivo que usava. Lena iria absorver toda aquela dominação para si, toda angústia, todo o medo, dor, solidão, raiva, todo e qualquer sentimento tirado de bilhões iriam ser absorvidas por Lena ao invés daquele ser com o capacete, e quando Lena finalmente tivesse poder sobre todos, Lex seria o único capaz de terminar o trabalho.

Supergirl segurou um dos guardas pelo pescoço e paralisou aquela cena quando viu Lena olhando em sua direção, mesmo com a distância Kara conseguiu ver as lágrimas dramáticas descerem de seus olhos favoritos.

— Não! - Supergirl soltou o soldado e quando correu para Lena, Lex a atingiu impedindo a garota de aço.

Ainda no chão Supergirl olhou para Lena e viu o exato momento em que a CEO tirou o inibidor, deixando-se vulnerável a dominação. Um enxame de super soldados atacaram Supergirl ainda no chão, mas tudo o que ela conseguia fazer era observar Lena de joelhos.

Lex usou seus poderes para limpar a visão de Supergirl e por alguns momentos eles tiveram algum descanso.

— Lena!

Lex segurou o braço de Supergirl, a garota de aço segurou a mão de Lex e quebrou dois dedos do homem, foi o que o fez tirar a mão da mulher.

— Você não pode! - gritou e correu para ficar diante de Lena - Nesse exato momento Lena está sendo um hospedeiro para todos os sentimentos, pensamentos, seja lá o que for que aquele ser esteja sugando do mundo - Lex ofegava e tentava disfarçar a dor de sua mão - A tecnologia que ela criou é fatal, ela irá absorver tudo como se sugasse bilhões de vidas, para então libertá-las.

— Não, ela

— Quando ela acabar… - Lex odiava aquela parte - Ela fez sua escolha.

Supergirl jogou Lex para longe e correu para Lena, mas a CEO parecia enfeitiçada.

— SUPERGIRL! SUPERGIRL! - o grito de Superman alertou Kara.

Supergirl viu Metallo e seus olhos se arregalaram, ela achava que havia se livrado dele antes da Crise. O vilão estava prestes a finalizar Superman, a garota de aço voou contra o inimigo libertando seu primo da possível perda.

Lex continuava a proteger sua irmã de todo jeito que podia, mesmo cansado, mesmo querendo desistir. 

Supergirl e Superman estavam em uma luta dupla com Metallo, a loira viu sua irmã sendo carregada por J’onn, ela estava consciente, apenas com a perna ferida. O caos naquele lugar era pequeno comparado ao do mundo inteiro, e ela não poderia parar de lutar, não agora.

Sua mente parecia programada, os golpes eram repetidos, as quedas eram evidentes, Superman sabia que sua prima não estava dando o melhor de si, Supergirl só queria voltar para Lena, só queria impedir qualquer grande dano.

— ELES SÃO MUITOS! - gritou Dreamer para os colegas, ela não sabia se poderia aguentar por muito tempo.

— NÃO PAREM DE LUTAR, NÃO PAREM! - Supergirl precisava que seu grupo se mantivesse firme.

Lena já não sabia quais eram seus pensamentos, bilhões passavam por sua mente em questão de segundos e ela sentia que iria explodir a qualquer momento, era demais para carregar, para sentir, mas usou tudo o que tinha para resistir pois era sua única chance, absorver para então libertar.

Lex viu o homem se mexer na cadeira e aquele foi seu sinal, ele já não controlava as mentes e sim Lena. Os ataques pararam e os guardas pareciam imóveis como robôs esperando um novo comando. Lex se abaixou e segurou o corpo da irmã, Lena não conseguia falar, tantos pensamentos, tantas informações, tantos sentimentos a impediam de encontrar o seu.

— Eu não posso fazer isso, eu não posso fazer isso - ela nunca imaginou que veria Lex Luthor chorar, mas ali estavam as lágrimas verdadeiras - Sua estúpida! Não chegou sua hora!

A paralisação de todos hipnotizados era assustador, os heróis se aproximaram. J’onn e Superman ficaram ao lado do homem ainda preso ao capacete.

— Eu não posso fazer isso - Lex olhou para Superman e Clark se assustou com a dor do homem - Eu não posso matá-la.

Supergirl se aproximou, ela notou o sangue no canto da boca de Lena, Lex não precisaria matá-la, o corpo da mulher já não estava aguentando, o dispositivo guardando os sentimentos de milhões iria levá-la ao seu fim.

Kara se ajoelhou e Lex se afastou da irmã, a loira colocou o corpo de Lena sobre suas pernas, a mão trêmula tocou o rosto da CEO e suas lágrimas escaparam conseguindo alcançar o corpo da outra.

— Por favor, não desista, por favor, eu não posso perdê-la mais uma vez, eu não posso perdê-la pra sempre.

Kara já não ligava para a plateia, ali em seus braços ela tinha seu mundo inteiro e mais uma vez estava prestes a perdê-lo. Ela queria uma nova chance, queria uma nova oportunidade para fazer tudo certo, para confiar Lena seu segredo, para ter coragem de confessar tudo o que segurou durante meses, para olhar naqueles olhos e poder dizer simples palavras, mas que significavam o mundo.

— Não pode ser tarde demais, eu não posso aceitar que seja tarde demais - Kara deixou seu choro doer em cada um ali, a loira abaixou sua cabeça e sua testa colou com a da CEO, sua mão encontrou a de Lena - Me deixa ser seu herói novamente, me deixa salvá-la - implorou.

A loira voltou a olhar para a frágil mulher, ela sentia o que estava por vir, Lena havia se rendido...

— Kara… - Lena sorriu, as lágrimas desciam pelas laterais de seus olhos, ela finalmente havia encontrado sua emoção - Kara Zor-El… - Kara não falou nada, a dor do inevitável era cruel - Sempre… meu... herói.

Dreamer virou o rosto e Brainy abraçou a garota, ele já não segurava suas lágrimas com aquela cena. Lena sorriu uma última vez, o sorriso cansado, mas verdadeiro… o mesmo sorriso que um dia fez o coração de Kara acreditar que Lena era a única em sua vida, ali o pobre coração reconheceu, mas agora trouxe dor para a garota de aço.

Kara concordou, já não tinha o que lutar.

A loira beijou a testa fria, suas lágrimas molharam o rosto de Lena. A Super sorriu para a Luthor, já não havia uma saída, tudo o que lhe restava era deixá-la com as melhores palavras.

— Apenas saiba que eu a amo, e que sempre irei amá-la, nunca será tarde demais… - Kara não teve nenhuma resposta de Lena, o olhar ficou vago, Kara fechou os olhos quando não conseguiu ouvir as batidas do coração da CEO.

A loira voltou a chorar, enterrou seu rosto contra o corpo de Lena e deixou suas dores ali.

Os super-amigos olharam ao redor, com a morte de Lena após projetar todas as emoções para o dispositivo dentro de si, elas foram libertas devolvendo a cada um o controle de sua vida.

Lex saiu do local sem dizer uma palavra. Brainy, Nia e Alex choravam em silêncio, Superman só conseguia imaginar a dor de sua prima assim como J’onn.

Lena Luthor havia arriscado tudo, ela havia oferecido sua vida para salvar o mundo, para salvar bilhões de vidas, mas Kara só conseguia pensar no quão injusto era.

Sua dor era inalcançável, e Alex teve certeza de que sua irmã nunca iria se recuperar totalmente daquela perda.

Kara imaginou uma jornada diferente para sua Luthor favorita, ela deveria ter lutado mais, insistido mais, deveria ter escolhidos diferentes caminhos, mas o destino a levou até aquele. Lena os salvou, preservou a vida dos heróis, de sua família, e mesmo assim a CEO não pareceu ver como algo grandioso, ela só queria fazer o bem, só queria poder provar sua bondade, agora o mundo finalmente iria reconhecer seu propósito.

Kara iria manter sua última promessa, ela continuaria amando Lena Luthor. Sempre.

“Lena doesn't realise how much potential she has. I hope now, at least, the world will”


Notas Finais


Bjors


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...