História Be a Ghost - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Capitão América, Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), James Buchanan "Bucky" Barnes, Natasha Romanoff, Personagens Originais, Pietro Maximoff (Mercúrio), Steve Rogers
Tags Barnes, Bucky, Marvel, Soldado Invernal
Visualizações 147
Palavras 1.321
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


E QUEM É VIVO SEMPRE APARECE NE NOM U.U
GENTI, só hj fui perceber a quanto tempo não atualizo e meu deos, a ultima vez foi em julho O.O
Me desculpem mesmo, eu passei por uma fase de bloqueio fortíssima e fiquei sem inspiração pra essa fic, mas agora eu voltei (de verdade mesmo) e vou terminar isso nem que seja a ultima coisa que eu faça esse ano \o/
Agradeço a todos esse favoritos, obrigado mesmo *---*
Agora vamos ao capitulo pq já demorei demais....
(nome do capitulo = surto)

Capítulo 17 - Outbreak


          A noite em Paris não poderia estar mais bonita. As luzes deixavam a cidade bela e iluminada, juntamente a lua enorme brilhando no céu. Os carros chiques paravam em frente ao enorme prédio no qual seria o baile, de dentro deles saiam dos ricaços da grande Paris e alguns de diversos lugares do mundo. O salão do local era enorme e altamente decorado com lustres enormes e flores belíssimas, a concordância de cores era admirável para o ambiente e o champanhe servido era de maior qualidade, junto dos petiscos preparados pelo maior chefe de cozinha de toda a cidade.

          Casey e Bucky estavam devidamente arrumados. O smoking de James fazia-o se sentir estranho, havia muito tempo que não usava uma roupa tão elegante e se comportava de maneira tão formal. Casey tinha seu cabelo ondulado jogado todo sobre o ombro direito e seu vestido era azul escuro longo e justo até as coxas, seguindo por um tecido macio e várias camadas até os pés, onde estava um salto alto fino transparente com o solado avermelhado. Os dois entraram no baile com Cassandra segurando o braço de James. Ela lançava sorrisos para todos pelo qual passava, mostrando a simpatia que não existia dentro de si realmente para os estranhos que lhe faziam o mesmo.

          Os minutos foram passando, se acumulando em rápidas duas horas de baile. Todos ainda bebiam e Bucky começava a se perguntar o porquê de ele estar ali junto a Casey. Provavelmente tem algo por trás, sempre tem algo por trás... Não, devia confiar em Cas, certo? Nem isso ele sabe, tenta confiar nela pois a ama, mas o que ela fez, tem medo de que não seja a Cassandra que conhece. E não é mesmo.

     - Cas? - ele se aproxima a chamando próximo a sua orelha. - O que estamos fazendo aqui realmente?

     - Calma, James, só estou esperando chegar a hora certa - ela sorri e se vira, roubando um selinho dele - E está quase chegando.

          Os olhos dela vão na direção do relógio elegante na parede acima da enorme porta. Um brilho estranho toma conta deles e Casey se solta de Bucky, andando na direção da grande escada, em seguida indo até o topo da mesma. Parou no topo, abaixo do enorme lustre e todos os olhos se direcionaram para ela, os seguranças do local já a encaravam prontos para reagir a qualquer ato que a mulher fizesse.

     - Boa noite a todos! - ela sorri batendo palmas apressadas sem sair som - O que acham de irmos para a diversão da noite?

          Casey ergue as mãos na direção do lustre e o sobrecarrega de energia, fazendo com que se distribua por todo o salão, fazendo todas as lâmpadas e lustres estourarem, assustando a todos. Gritos de histeria começaram a ser ouvidos e todos tentaram sair pelos grandes portões por onde entraram, mas os mesmos estavam trancados.

     - Já querem ir embora? A noite só está começando - ela ri lançando raios nas mesas onde se encontravam aperitivos, as toalhas começaram a pegar fogo e este a se espalhar.

          Bucky tentava se aproximar de Casey, mas o tumulto não deixava, todos empurravam desesperados enquanto tentavam correr. Encarava Cassandra enquanto tentava subir as escadas. Os olhos dela estavam totalmente brancos e brilhantes, seus cabelos brancos levitavam em uma bagunça e a energia passeando por suas veias era visível.

          Há muitas décadas não via Casey ficar nessa situação, sem controle. Esse estado é muito ruim pra ela, por que assim que seu poder diminuir e o surto acabar, o seu corpo vai estar extremamente cansado e vulnerável, fazendo até com que ela permaneça um bom tempo na cama sem poder se levantar.

          Mas a loira não dava indícios de que ia parar com o surto. Assim o Homem de Ferro surgiu explodindo as portas, os sobreviventes corriam desesperados entre os pedaços de porta no chão e Tony se aproximou de Casey, logo percebendo a presença de Bucky perto dela.

     - Cassandra, você parece estar um pouco descontrolada, se acalme e podemos resolver isso sem violência, com vocês dois... - ele disse se aproximando dela mostrando seu rosto por debaixo do capacete.

     - Descontrolada é a sua vida, Stark - ela diz sorrindo, sua risada soa maléfica e os olhos brancos ajudam bastante nessa imagem. - Eu estou ótima.

          A loira se distraiu com Tony, então Bucky aproveitou para se aproximar dela por trás, seria difícil pega-la apenas com um braço, mas deveria tentar, deveria parar com toda essa loucura. Casey ia atacar Stark quando Bucky a agarrou com o braço e a puxou para trás, fazendo-a bater a cabeça no chão na queda dos dois. Mesmo tonta, Casey se soltou e com uma expressão de espanto se virou para Bucky.

     - É assim agora? Ele queria te matar, você lembra disso!? - ela se levanta com raiva.

     - Casey, pare com isso enquanto ainda é tempo - ele a encarava. - Você não é assim, eu te conheço...

     - Não conhece não - ela sorri e então seu corpo vacila, sua energia estava sendo muito gasta, mal poderia ficar de pé. - Não deixe que nos peguem... James...

     - Sinto muito, Casey, não posso impedir isso - ele a segura e passa a mão sobre seus cabelos claros enquanto se encosta na parede com ela contra seu corpo. - Stark! Prometa não fazer mal ela!

     - Não farei mal aos dois, você virá junto - o homem diz se aproximando rápido.

     - Preciso descobrir o que há de errado com ela, não poderei fazer isso em um cela.

     - Não acho que está em condições de fazer alguma coisa, venha comigo, vai ser melhor para os dois, esse é um conselho de amigo. – o homem diz se aproximando devagar.

     - Eu até aceitaria seu conselho – Bucky sorri de lado – Mas quando se trata dela...

          Outra explosão aconteceu, distraindo Stark, fazendo-o se virar na direção de onde ocorreu a tal explosão. Acabou não sendo nada e quando voltou a olhar para frente, apenas o corpo de Casey se encontrava no chão, nenhum sinal de Bucky. Fez o comando para que suas armaduras vasculhassem as ruas durante toda a noite, mas nada encontraram. O soldado havia realmente apendido a desaparecer.

 

          O soldado entrou no hotel pelos fundos e subiu até o andar em que estavam pelas escadas. Passou pelo corredor tomando cuidado para não ser pego pelas câmeras e se escondeu usando o terno lhe cobrindo a cabeça. Adentrou a suíte e trancou a porta, jogou o terno sobre cama e pegou umas roupas no guarda-roupa, logo as vestindo. Então passou a revirar o quarto, olhou no banheiro - na lixeira e no armário – olhou o guarda-roupa jogando todas as roupas no chão, mas nada encontrou. Olhou para o telefone encima da cômoda e vai até ele, estava desbloqueado. Bucky podia jurar que esse telefone tinha uma senha. Mas isso não importa agora.

          Como poderia contatar seu amigo? Não havia um número em mente. Talvez pudesse tentar conversar com Stark e faze-lo entender, algo que provavelmente daria errado, mas ainda é uma ideia. Tinha que fazer alguma coisa.

          Enquanto pensava, uma nova mensagem chegou no celular.

          “Fez um ótimo trabalho no baile, precisamos no encontrar de novo.”

          “Onde?” – respondeu sem se importar com quem poderia ser.

          “Eu mando o endereço amanhã e o horário, faça o favor de não se atrasar, soldado.”

          Droga, sabiam que não era a Casey ao mandar as mensagens? Será essa uma armadilha para captura-lo? Seu consciente lhe dizia que não era seguro ir, mas a curiosidade e a vontade de saber o que diabos está acontecendo é muito maior. Mesmo podendo morrer, não pode deixar de ir, não só porque indo pode descobrir o que está acontecendo com quem ama, mas também por que sente que pode resolver tudo de uma vez, finalmente se livrar dos problemas, se é que isso é possível.


Notas Finais


Então, comentários? Que tal me inspirar heim?
Tanto favorito, quero ver comentários tbm :3
Ah quase esqueci, quem curte kpop aí, gosta do BTS, eu postei uma fic com o grupo recentemente (irônico não?), deem uma olhadinha ;) https://spiritfanfics.com/historia/yulyeong-10751188
Bejunda :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...