História Be Decent - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, Got7, Neo Culture Technology (NCT), Seventeen
Personagens BamBam, Hong Jisoo "Joshua", Jackson, JB, Jinyoung, Lay, Mark, Personagens Originais, Taeyong, Youngjae, Yugyeom
Tags Cassino, Exo, Got7, Hentai, Jogos Eletrônicos, Joshua, Lay, Lee Taeyong, Mark Tuan, Nct, Nct 127, Romance, Seventeen, Taeyong, Você, Zhang Yixing
Visualizações 96
Palavras 1.103
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiã eu denovo rs. Mais um capítulo saindo do forno!

Boa leitura<33

Capítulo 9 - Que hoje, seja a nossa noite.


 

   (...)

 Ir a um karaokê e beber um pouco, por quê? – Perguntou, assustou-se com a movimentação rápida de Mark. Ele deu o capacete preto a ela, e colocou em si mesmo e subiu na moto. Hyang com pouco aflita, subiu na garupa da moto, e envolveu a cintura do outro, com seus braços finos, coberta pela jaqueta de couro preta.

– Iremos a um – Disse por fim, dando a partida na moto e saindo da calçada. Seu corpo estava colocado com a costa do Tuan, o calor que ambos os corpos transmitiam era gostoso de sentir. As ruas iluminadas e cheias de Seoul eram deslumbrantes e tão convidativas. Mark sentia um friozinho na barriga, parecia ser tão bobo, nunca havia se apaixonado por alguém de verdade. Sim, ele estava realmente apaixonado, com questões escondidas.

 

Quando Mark estacionou a moto em frente ao local, os dois desceram. Entraram ali, deparando-se com várias pessoas sentadas conversando e curtindo, e duas meninas cantando no mini palco que havia ali. Mark e Hyang sentaram-se nas ultimas mesas, uma garçonete perguntou se queriam beber ou comer alguma coisa, Hyang escolheu uma água, e Mark o mesmo.

A garota saiu de perto, deixando os dois sozinhos. Hyang tentava não olhar muito para Mark, já que o outro olhava fixamente nas outras duas garotas cantando no palco do karaokê.

– Até que você não é tão ridículo assim... – Hyang começou o dialogo, ganhando uma risadinha do garoto. Mark encarou Hyang e disse.

– E você não é tão mimada assim... – Hyang riu. Os dois se encaram e sorriram, ‘’oh tão clichê’’, pensou a garota.

– Então, me conta mais sobre você Tuan – Hyang pediu. Já Mark disse que nasceu em Los Angeles nos Estados Unidos. Filho de dois taiwaneses nativos, tivera uma infância normal, na perspectiva dele. Seu pai acostumava a ser administrador de uma empresa em sua terra natal, e sua mãe dona de casa.

A ambição de seu pai, para se tornar dono de uma empresa foi grande, e isso foi um dos principais motivos que puxou a família Tuan toda, para a Coreia do Sul. Estudou durante quinze anos nos Estados Unidos, e prestes a fazer seus dezesseis foi para a Coreia, morou em Incheon durante três anos. Foi para a capital com seus quase vinte anos, onde morou com sua irmã mais velha, até se estabelecer completamente naquela cidade totalmente desconhecida pelo próprio.

Sua mãe é uma doce mulher de bom coração. Cuidadosa e linda dos pés a cabeça – ‘’então é daí que tirou essa beleza toda’’ pensou Hyang –. Tinha três irmãos, seu irmão mais velho, a sua irmã mais velha, ele e seu irmão mais novo, que nasceu na província de Incheon.

Formou-se em Seoul, e cursou faculdade de engenharia, mas nunca exerceu a profissão. Nunca gostou de exatas, mas foi obrigado por seu pai a estudar engenharia. A irmã de seu pai casou-se com um coreano, onde a mulher teve Taeyong o único primo na faixa etária da sua idade. Juntos tacavam o terror, além de o Lee considerar Mark como seu irmão que nunca teve.

O seu querido pai, um homem ambicioso, e um pouco calculista. Sempre quis ter muito poder, mas nunca teve sucesso em sua carreira. Ele pode até ser frio, mas tende a ser um pouco carinhoso com a esposa e seus filhos, já que não gosta de demonstrar seus sentimentos.

– E essa foi a minha vida – Falou.

– Então quer dizer que você é engenheiro? – Perguntou recebendo um sim novamente. Um garoto que ela parecia desconhecer, agora passou a conhecer melhor. Além de ter algumas coisas em comum, mas isso é fato.

– Vamos cantar, está na hora de conhecer seus talentos – Sorriu levantando, puxou Hyang até o palco, onde iria passar a música, escolheram Gashina da Sunmi. Começou a tocar, e Hyang soltou sua voz – ‘’Oh ela canta muito bem’’ Mark pensou –. O garoto a acompanhou, fazendo uma perfeita harmonia e sincronia de suas vozes.

E o ultimo refrão foi cantado...

Você vai me deixar mesmo?

Vai me deixar assim tão facilmente?

Você prometeu que estaríamos juntos

E está me deixando, deixando.

 

As palmas ecoaram no karaokê, e dois sorrisos apareceram. Saíram do palco envergonhados. Sentaram-se na mesa, e beberam a água que nem ainda foi tocada. Hyang chamou a garçonete e pediu uma porção de batatas fritas e um pouco de bebida alcoólica, mas só Mark bebeu, Hyang só tomou uns goles nada muito além disso.

 

E lá se foram uma, duas, três, quatro latinhas de cerveja. Tirando algumas caipirinhas que tomou – estava um pouco fora de si? Talvez –.

 

– Está tudo bem Mark? – Hyang perguntou comendo as batatinhas. – Eu quero te beijar – Falou escorando o rosto nas mãos e encarando a Kim comer as batatinhas.

 

– Oi? – Disse parando de comer, e alcançando o pote aonde contêm guardanapos. Limpou a beirada dos lábios, com aquele papel extremamente branco, sendo observada por Mark.

 

– Sua boca deve ter um gosto bom – Riu fechando os olhos por um longo tempo, e logo depois abrindo lentamente.

 

– Mas você já me beijou – falou pegando mais um pouco da porção. Olhou Mark viajar, logo sorriu novamente – ‘’parece que ele lembrou’’ pensou Hyang –.

 

– Eu lembro... Foi bom – Disse bebendo um pouco da água.

 

– Vamos né? Está na hora – Levantou da mesa indo pagar a conta. Logo que voltou, o Tuan estava em pé, tentando se equilibrar nos seus próprios pés.

 

– Eu que iria pagar, sua chata – Ouviu as palavras vindas de Mark e o empurrou para fora dali. Mas foi parada bruscamente por ele, Tuan virou-se e segurou a mandíbula de Hyang e lhe beijou. A garota correspondeu aos lábios dele, sincronia e um pouco de tensão se fez.

 

As mãos de Mark foram descendo calmamente até a cintura fina e magra da Kim, e as mãos dela – que até agora estava desocupadas –, subiram até o pescoço do outro, fazendo uns leves carinhos com as pontas das unhas, deixando-o arrepiado. A boca de Mark transmitia o sabor da cerveja, o que deixou tudo um pouco mais picante.

 

Mark a encurralou na parede do lado de fora do karaokê, beijando-a sem pudor. Os barulhinhos provindos do movimento e toque dos lábios dos dois. Mas infelizmente o ar se fez necessário para o pulmão dos dois. Adrenalina e batimentos cardíacos rápidos deixaram o clima tenso. Entreolharam-se,e o silencio reinou, ouviam-se apenas respirações descompassadas.

– Melhor eu dirigir – Hyang pegou a chave da moto do bolso de Mark, e dando-lhe o capacete, para que ele coloca-se. Subiram na moto, e o percurso foi totalmente quieto e desconfortável. Talvez fosse um dos melhores beijos que os dois já tiveram na vida.


Notas Finais


Desculpa qualquer erro. Estou muito empolgada scrr... Juro que a minha parte favorita foi o beijo é nois. Nesse capítulo falei mais sobre o Mark e a sua família, então agora ele não é tão misterioso assim dciohdcunxjsjz.

50 favoritos!! Obrigada meus amores, muito muitooo obrigada 💞🙆

Até logo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...