História Be Mine - Katnic - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Dominic Sherwood, Katherine McNamara, Shadowhunters
Personagens Dominic Sherwood, Katherine McNamara, Personagens Originais
Tags Clace, Katnic, Romance
Visualizações 148
Palavras 5.562
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Cheguei pessoas lindas!
Vamos apreciar a beleza do Dominic com essa foto antiga 🤤

Como dizem os americanos "old but gold"
(Uma expressão que quer dizer mais ou menos "antigo mas valioso")

Boa leitura 📚

Capítulo 17 - Parabéns, Loiro


Fanfic / Fanfiction Be Mine - Katnic - Capítulo 17 - Parabéns, Loiro

KATHERINE P.O.V


Eu ainda não posso acreditar no que aconteceu naquela escada. Dom conseguiu romper todas as barreiras que impus e não resisti. E foi um dos melhores momentos da minha vida.

Fui sincera com ele, e realmente não me arrependo de nada. Depois que ele explicou as coisas, não tive motivos para impor regras entre nós.

E a Sarah jogando sujo, me fazendo pensar que ainda eram namorados...

Eu acredito em tudo o que o Dom me falou. Se tem uma coisa que eu tenho com ele e ela não tem, é confiança. Confio que me disse a verdade e sei que não mentiria para mim.

Percebi que realmente ele tentou me dizer algumas vezes, mas eu não deixei que falasse. E depois do que fizemos, tenho certeza que o nosso lance é muito mais forte do que eu pensei. Eu estava errada sobre isso.

Deus do céu, eu deixei que ele me tocasse! A forma como nos entregamos ao momento foi tão...intensa. Nunca senti nada assim com nenhum outro homem, muito menos a ponto de fazer isso em um lugar público.

E o nosso amasso teve suas evidências. Como eu explicaria a ausência de um batom vermelho? A sorte é que o batom ficou no carro.

Passei lá antes, para retocar a maquiagem e agora estou seguindo para o salão. E tem também o meu vestido rasgado e...manchado de gozo.

O que houve esta noite, será nosso segredo. Ele não vai dizer a ninguém e nem eu. Combinamos de eu voltar primeiro, e Dom vai esperar alguns minutos e voltar depois para não causar suspeitas.

Eu vou dizer que voltei ao meu carro, e no caminho tive um acidente com meu vestido. Acabei pegando as pontas da fenda e dei um nó onde acabava, nas coxas.

Ficou com um grande laço na lateral e bem curto agora, mas escondeu o rasgo e a mancha. A mancha que prova todo o prazer que sentimos juntos...

Afasto o pensamento quando chego no banheiro, do lado da entrada. Lavo minhas mãos e termino de me ajeitar. Dom e eu sumimos há um bom tempo e tenho certeza que já desconfiaram.

Assim que saio do banheiro e vou para o salão, percebo que estava certa. Eme já me vê logo de cara, e vem correndo:

- Flor, onde você estava? E o que aconteceu com seu vestido? – ela não percebeu que saí do banheiro.

- Eu fui até o carro, pisei na barra do vestido e caí. Rasgou e sujou tudo, e resolvi dar esse laço pra esconder. É uma pena, amiga. Adorei esse vestido.

- Nossa, e por que não me chamou pra ir junto?

- Você estava dançando com Alberto e eu não quis atrapalhar.

- O que é isso no seu queixo? Está vermelho – ela pergunta, me analisando.

Droga! Com todas aquelas mordidas e chupadas do Dom, devo estar marcada nessa pele branca que tenho. Só espero que não tenha nenhuma no pescoço... então, disfarço:

- Sim, eu caí de frente e bati o queixo no chão.

- Mcnamara, você está mesmo dizendo a verdade?

- Por que duvida?

- Porque o Dom também sumiu.

Me faço de boba. Tenho que encarnar uma atriz nesse momento.

- Como assim? Faz tempo?

Ela me olha de forma estranha, mas parece ter engolido.

- Olha como você parece preocupada, então vou acreditar que não sabe de nada.

- Não sei mesmo. Agora me fala o que houve com Dom. Tem quanto tempo que ele sumiu?

- Tem uma meia hora que ninguém o viu. Na verdade, reparamos porque estava chegando a hora de cantar parabéns e partir o bolo. A Sarrapato veio perguntar por ele, e reparei que você também não estava à vista. Pensei que você estivesse no banheiro, mas depois fui lá e não te vi. Eu podia jurar que vocês estavam juntos...

- Você sabe que o estacionamento é meio longe, por isso demorei.

- Bom, a Sarah começou a procurar como uma louca por ele. E depois veio me perguntar de você. Queria que tivesse visto a cara dela quando eu disse que não sabia onde você estava. Parecia que ia explodir de raiva.

De repente, Eme olha pra alguma coisa atrás de mim e diz baixinho:

- Falando no diabo, disfarça.

- Katherine! Até que enfim deu as caras – a voz da Sarah era pura irritação.

Me viro e vejo em seu rosto uma expressão nada amigável.

- Pois é, como pode ver tive um pequeno problema com meu vestido e fui dar um jeito.

- É uma pena! Viu o que acontece por comprar vestidos baratos? – ela provoca.

Eme dá um passo, mas eu seguro sua mão discretamente. Nenhum veneno que venha da boca da Sarah vai me afetar agora.

Nesse momento, estou relaxada demais para dar atenção às suas idiotices. O momento que tive com o Dominic está tão fresco na minha mente e no meu corpo, que sorrio e respondo:

- Pois eu sugiro que tome cuidado com o seu então, pois quando fui à loja vi o seu modelo exposto na vitrine.

Sarah me lança um olhar mortal. Eme dá um sorriso e eu resisto para não rir também. Depois de engolir suas palavras pela segunda vez esta noite, ela responde:

- Nesse momento, tenho coisas muito mais importantes para me preocupar do que um vestido. Eu só quero saber se você viu o Dom.

- Não vi. A Eme estava justamente me dizendo que ele sumiu e eu perguntei há quanto tempo.

- Tem mais ou menos meia hora, mas não se preocupe porque já estou procurando o meu namorado e tenho certeza que logo vai aparecer.

Ela sai com pose. Tenho vontade de dizer que seu joguinho de "namorada” não cola mais, porém não posso. Assim que fica fora do campo de visão e audição, Eme começa a rir:

- Flor, eu te venero! Essa foi ótima. Você sabe como dar um fora.

Ela levanta a palma da mão e batemos.

- Eme, não tenho sangue de barata. Tudo o que ela fez foi procurar oportunidades de me humilhar. Minha paciência com ela está no limite.

- Eu adoro como você sempre sai por cima com elegância.

- Não tem nada que ela diga agora que possa tirar minha paz de espírito.

- E posso saber por quê?

- Porque hoje temos que ficar felizes pelo Dom. É o dia dele, não dela. Apesar de ela fazer até o impossível só pra chamar atenção – digo.

- Tem razão. Falando nele, tem idéia pra onde ele possa ter ido?

- Não. Vou mandar uma mensagem para ele.

Sigo até o guarda-volumes, e peço a minha bolsa ao recepcionista. Assim que pego o celular, decido mandar uma mensagem. Depois me dou conta de que se para os demais ele está “sumido”, quer dizer que já tentaram falar com ele.

A Sarah deve ter ligado e mandado whatsapp umas dez vezes. E se bem conheço o Dom, deixou o celular para vibrar e deve ter desligado a internet. Decido então mandar mensagem por SMS.


Kat: Dom, todos estão achando que vc sumiu. A Sarah está como louca atrás de vc, pq está na hora de partir o bolo.


Fico surpresa em ver que ele demora apenas um minuto para responder:


Dom: Tô dando mais um tempo, KitKat. Se eu entrasse 5 min depois de vc, todos perceberiam. Aliás, como sabia que desliguei a internet para que ninguém incomodasse?
Kat: Pq te conheço bem, loiro. E pq é o que eu faria.
Dom: Acho que vou demorar bastante. Ao invés de comer bolo, prefiro ficar aqui fora lembrando. Seu cheiro está na minha roupa e ainda sinto vc aqui...
Kat: Para com isso. Vou acabar indo aí recordar com vc...
Dom: Não prefere repetir?


Sinto um friozinho na barriga só de imaginar uma dobradinha. Aquela boca habilidosa me beijando com loucura e seu dedo competente, me tocando no meu ponto exato de prazer...


Kat: Quase me convenceu, baby. Mas quero viver momentos bons com vc vivo. E se não voltar logo, alguém pode te matar quando te encontrar.... E vc me deixou marcada. A Eme logo de cara viu um vermelho no meu queixo. Eu disse que foi pq caí.
Dom: ninguém vai acreditar que você caiu com apenas um “machucado”. Vem aqui pra eu te marcar mais...


Não posso negar que adoro o jeito que ele me provoca. E fico louca com seus beijos e mordidinhas. Estou quase indo mesmo.


Kat: Por mais tentadora que seja sua proposta, daria muito na cara. Além disso, tem muita gente aqui. Amigos seus e da Sarah, pessoas influentes... Adoro nossas loucuras, mas acho que já fomos bem óbvios por hoje.
Dom: Sim eu sei, pequena....Quanto tempo tem que você chegou aí?
Kat: Uns 10 min
Dom: Vou demorar mais uns 5 min e vou.
Kat: Ok. Beijos
Dom: Vou cobrar esses beijos...
Kat: Com juros?
Dom: Com juros, impostos, multas, correção monetária, taxas administrativas....


Sorrio e guardo o celular de volta na bolsa e devolvo ao recepcionista. Decido ir ao banheiro novamente para verificar como está o meu queixo.

Ao me olhar no espelho, percebo que a mancha vermelha é um chupão. Droga!

O que me salvou é que está disforme, e pode ser confundido com um machucado.

Eme está me esperando na porta do banheiro, e quando saio ela diz:

- Você tem certeza que não faz idéia de onde o Dom possa estar?

- Amiga, não sou babá dele.

- Mas quando você disse que ia mandar mensagem, ficou um bom tempo olhando pra tela do celular e sorrindo.

Droga! Preciso disfarçar. E rapidamente, a desculpa perfeita me vem à mente. Will, me perdoa...

- Eu mandei mensagem pro Dom, mas ele não respondeu. Então, tinha uma mensagem do Will e respondi.

- Agora entendi o sorriso de boba!

- Eu sorri porque ele me mandou uma piada.

- Sei, lógico.

Estou prestes a responder, quando vejo que o Dom chega nesse exato momento. 

A primeira coisa que faz é trocar um olhar sexy comigo. Quero sorrir, mas Eme está atenta do meu lado. Apenas retribuo com a mesma intensidade e me finjo de boba:

- Dom, onde você esteve?

Ele logo percebe meu jogo. É tão perfeita a maneira como nos entendemos sem palavras ou explicações.

- Eu queria tomar um ar.

- Dom, todos estávamos te procurando. Você simplesmente sumiu e não disse nada a ninguém – Eme dá o sermão.

- Eu precisava de um tempinho sozinho. Respirar fundo, sentir o perfume das flores, apreciar à vista... – ele olha pra mim novamente.

- O que importa é que você já voltou – digo.

Seu olhar está me deixando louca e está difícil esconder. Aqueles lindos olhos descem até minhas pernas e fico arrepiada. Se ele continuar agindo assim, Eme vai perceber.

- Kat, o que houve com seu vestido? – ele pergunta na cara de pau.

- Um pequeno acidente. Eu caí.

- Você está bem? Doeu? Parece que machucou o queixo – ele toca meu queixo com o polegar.

Começo a sentir vontade de rir pelo teatrinho que estamos fazendo na frente da Eme.

- Sim, eu caí de frente – respondo.

Seu dedo ainda está segurando meu queixo e Dom desvia os olhos para minha boca. Até então, meu olhar estava somente nele. Porém, percebo que Eme está nos olhando com curiosidade. Antes que eu diga alguma coisa, Sarah vem até nós:

- Amor, onde você estava?

Me irrita a forma como ela disse “amor”, ainda com esse falso papel de namorada e quero revirar os olhos. Além de querer voar no pescoço dela.

- Eu saí porque precisava respirar – Dominic responde acidamente.

Reprimo um sorriso. Pela cara dela, não gostou nada da resposta dele, mas eu adorei a indireta.

***


DOMINIC P.O.V

Eu estava adorando fazer teatrinho com a Kat na frente da Eme. E assim que ouço a voz da Sarah, sei que a diversão acabou:

- Amor, onde você estava?

Ela continua com isso. Tenho que fazê-la entender que isso não existe. Preciso demonstrar de algum jeito, mas sem ser grosseiro. Decido responder com meia verdade:

- Eu saí porque precisava respirar.

Sarah me lança um olhar irritado, mas logo disfarça, por saber que Kat e Eme estão olhando.

- Bom agora que voltou, está na hora de cortar o bolo. Vamos lá?

Saio com a Sarah, mas antes, trato de conferir a expressão da Kat e vejo que parece tranquila. Ela acredita em mim, graças à Deus. Seu olhar me diz “ok, vou estar aqui” e fico aliviado.

Assim que saímos da frente das garotas, Sarah reclama baixinho:

- O que deu em você?

- A que se refere? – pergunto.

- Dom, você literalmente deu a entender pra elas que eu te sufoco, com isso de “respirar”.

- Eu só fui sincero. Eu queria mesmo tomar um ar, respirar fundo e ficar...sozinho. Sarah, você está a noite toda agindo como se fosse igual a antes, sendo que não somos mais namorados.

- Mas as pessoas não sabem, Dom.

- Eu sei, mas se quer minha sinceridade... sua atitude me sufoca.

Ela parece chocada e me olha como se eu tivesse dito um palavrão. De repente, seu olhar se fixa no meu pescoço.

- Mas o que é isso? – pergunta, arregalando os olhos.

- O quê? – pergunto.

- Essa mancha vermelha na sua camisa! Porra, isso é batom, Dominic??

Kat deve ter sujado minha camisa. Sarah se aproxima de mim e inspira fundo:

- E esse cheiro? Você está com cheiro de perfume de mulher. Você estava com ela, não é? Kat está com batom vermelho... e ela voltou com o vestido todo arruinado!

- Sarah, não me pergunta mais nada. Eu não...te devo mais explicações. É isso que eu quero que você entenda.

- Como você pôde? Eu aqui lutando por nós, fazendo de tudo por você e você me paga de que maneira? Beijando aquelazinha bem debaixo do meu nariz!!

- Ei, não fala assim da Kat!

- Eu falo como eu quiser. Ela se aproveitou quando me distraí pra dar em cima de você.

- Ela não deu em cima de mim. Não vou permitir que reclame da minha relação com a Kat e nem que fale mal dela. Você não tem esse direito. Você já humilhou ela bastante por hoje.

- Ah, e agora sou eu quem humilha a coitadinha?? Você é tão hipócrita, Dom!

- Hipócrita, eu? Por quê? Eu deixei que você permanecesse ao meu lado a noite toda, te agradeci umas mil vezes pela festa, por me amar e por tudo. Não expus nossa situação na frente de todos, mesmo que agindo assim, machuquei alguém que amo também. Só porque eu saí, eu sou hipócrita? Sarah, eu tenho o direito de fazer o que quiser da minha vida.

Ela me olha com desespero e, depois que cai uma lágrima do seu rosto, diz:

- Tem razão. Você ainda não me deve satisfações.

- Ainda? – pergunto com ironia.

- Sim. Porque sei que não vai demorar muito até voltar ao que tínhamos.

Ela está de brincadeira comigo? Estou incrédulo demais para discutir agora e a única coisa que sai da minha boca é:

- Vamos cortar logo esse bolo.


***


SEGUNDA-FEIRA...

Desde ontem de manhã, comecei a sentir sintomas de um resfriado. Aquela moleza no corpo, dor de cabeça e crise de espirros. 

Decidi descansar, e fiquei o dia todo na cama, entupido de remédios e assistindo uma maratona de The Walking Dead, meu seriado favorito.

Hoje me sinto bem melhor, mas ainda não estou cem por cento. Depois de colocar meu terno, me olho no espelho e estou pronto para ir trabalhar. Hoje faço vinte e oito anos e, diferente da Kat, não me sinto mais velho.

Olho para meu braço. O relógio que ela me deu faço questão de usar hoje, não só porque foi presente dela, mas porque eu adorei. Ela conhece bem os meus gostos.

Meu celular apitou várias vezes enquanto eu me arrumava e sei que são mensagens de aniversário dos meus amigos. Recebi ligações dos meus pais e meus irmãos bem cedo. Foram os primeiros a me ligar.

Decido checar as mensagens. Começo pelas da Sarah:


Sarah: Amor da minha vida (vc não pode me proibir de te chamar assim, pois é isso que você representa para mim)
Sarah: Feliz Aniversário! Apesar do que houve na festa, isso não muda o que sinto por vc. Te amo e não vou desistir, pois sei que podemos recuperar o que tínhamos. E espero que logo vc perceba isso. Eu gostaria muito de poder te cumprimentar pessoalmente. Será que tem a possibilidade de te ver mais tarde?


Fico olhando a mensagem pensando no que responder. Não sei se vê-la seria bom ou ruim. Esse é o primeiro aniversário em muito tempo, que não acordo com ela me beijando e fazendo sexo. Uma parte de mim achou estranho.

Por outro lado, eu gostaria de viver isso com a ruiva.

Respondo a mensagem da Sarah:


Dominic: Obrigado, Sarah. Não sei se poderemos nos ver hoje, pois eu tenho muito trabalho e não faço idéia de que horas vou chegar.


Decido então, ver as mensagens da Kat:


Katherine: Bom dia, Dom! Feliz aniversário, baby 🎂🥳Desejo a vc tudo de mais maravilhoso desse planeta e que todos os seus sonhos se realizem! Vc é um ser humano incrível. Te amo, loirinho
Katherine: Espero que esteja melhor do resfriado. E vê se chega logo, pois o que mais quero é te cumprimentar pessoalmente 😘


Ela é que é incrível. Kat se preocupa até por um simples resfriado e isso é uma das coisas que mais adoro nela. Sempre está atenta aos pequenos detalhes e faz com que eu me sinta melhor na maioria das situações, tanto com palavras quanto com atitudes.


Dominic: Obrigado, KitKat 😊Tb te amo. Te vejo daqui a pouco, linda 😙


Respondo também as mensagens dos outros e sigo para o escritório. Pareço um adolescente, consumido pela ansiedade de ver a Kat.

Assim que chego, vou direto para minha sala. Abro a porta e me surpreendo com o que meus olhos vêem.

Kat está sentada no meu sofá. Com as pernas cruzadas. Deus do céu!

Como ela consegue ser tão sexy? Isso com certeza é a melhor maneira de começar o dia. Ela se levanta sorrindo:

- Oi! – diz, vindo na minha direção.

Reparo em seu belo corpo, nas curvas desse vestido vinho e engulo em seco.

- Oi, linda – respondo, com certa dificuldade.

Kat está com um sorriso radiante no rosto e vem me abraçar. Aquela sensação maravilhosa toma conta de mim, o entusiasmo de sentir esse corpo perfeito no meu. Aperto ela com força.

Ela se afasta um pouco e quando olho em seus olhos, sinto aquele frio no estômago e automaticamente meu olhar segue para sua deliciosa boca. Jesus! Sempre começo a ficar excitado quando reparo em seus belos lábios.

E com esse batom combinando com o vestido, só contribui para aumentar ainda mais o desejo de beijá-la. 

Kat levanta meu rosto, tocando meu queixo, e faz com que eu volte a encará-la. Não por muito tempo, pois em seguida é ela quem fixa os olhos na minha boca.

Nós dois queremos a mesma coisa. Ela se aproxima e sinto sua respiração. Ignoro o arrepio que isso causa em mim. Kat então, me dá um beijo no canto da boca.

Ela não faz idéia do que isso me provoca. Merda de resfriado! Como eu queria devorar essa boca agora mesmo...mas não quero lhe contagiar. É como se ela tivesse adivinhado o que pensei, pois volta a me abraçar.

- Parabéns, loiro!

- Obrigado, pequena.

Ela me puxa pela mão e me faz sentar no sofá.

- Eu tenho uma coisa para você – diz, entusiasmada.

Ela se levanta e pega algo na mesa. Quando volta a ficar de frente pra mim, vejo que tem um cupcake nas mãos.

Sorrio. Kat adora fazer bolinhos e só faz delícias, assim como ela.

- Eu fiz pra você, e se adivinhar o sabor, te concedo um desejo – diz, com malícia.

- Você adora brincar disso, não é? – pergunto.

- Digamos que... é muito divertido – ela responde com um olhar atrevido.

Kat acende a velinha do cupcake com um isqueiro e começa a cantar parabéns para mim, em sua linda voz angelical. Ela é adorável e a cada dia isso me conquista mais.

Retiro a vela do cupcake e assopro, bem longe do bolinho. Não quero passar germes para essa delícia.

- Hum, queria saber o que você pediu – diz ela.

- Vai ficar na curiosidade, ruivinha.

- Não faz isso comigo, chefinho. Conta, vai.

- Só posso dizer que o meu pedido é muito gostoso...

Kat engole em seco e o movimento em sua garganta me provoca mais do que imaginei. Ela então, muda de assunto:

- Então, antes de comer adivinha do que é. Pra você ver como sou legal, vou te dar duas chances.

- Beijinho? – sugiro.

Ela me dá um beijo no rosto.

- Pronto, segunda e última tentativa – diz.

Sorrio pela forma como ela levou no duplo sentido o “beijinho”.

- Se eu acertar a cobertura de cima, isso conta? – pergunto.

- Você tem que acertar tudo.

- Mas assim fica muito difícil, pequena.

- Se fosse fácil não teria graça.

Analiso o cupcake com mais atenção. Pela forminha colorida, é impossível confirmar se o bolo é branco ou de chocolate e a cobertura branca está tampando.

- A cobertura é de baunilha. O bolo é branco com recheio de doce de leite.

- Errado, baby.

Droga! Não acredito que perdi a oportunidade de ganhar um desejo dela.

Mordo o cupcake e Kat me olha com expectativa.

- Porra é de chocolate. Eu nunca ia adivinhar. Não dava pra ver se o bolo era branco ou preto. E essa cobertura, é chocolate branco? – pergunto.

- Uau! Seu paladar me impressiona, querido. Sim, a cobertura é de ganache de chocolate branco.

- Nossa! Você nasceu pra isso. Humm...Que delícia! Está incrível.

- E o recheio do cupcake?

- KitKat – respondo sorrindo.

Kat morde o lábio e fica toda coradinha.

- Hum, então você fez pra mim um cupcake seu? Está uma delícia. Posso dizer com toda a certeza que você é gostosa – brinco.

Ela começa a rir.

- Besta... Eu fiz porque na festa você disse que gosta de KitKat.

- Sim, eu amo KitKat. Tanto o chocolate, quanto você.

Ela começa a rir pelo trocadilho e se aproxima de mim. Me olha com curiosidade e pensamentos pervertidos se passam na minha mente, como deitar ela na mesa, passar o bolinho no corpo dela e lamber tudo...

Como não posso fazer isso, tenho outra idéia. Peço para ela esperar e vou até o banheiro lavar as mãos. Volto e pego novamente o bolinho.

- Prova você mesma.

Passo meu dedo indicador na cobertura do bolo, do lado que não mordi. Com cuidado, aproximo meu dedo da sua adorável boca e ofereço a ela.

Kat me olha com desejo. Seus lábios estão entreabertos, respirando forte. Sei que está excitada, porque eu também estou. Esse tesão já me deixou muito duro.

Ela então, fecha os olhos e enfia meu dedo em sua boca, chupando-o.

Agh, caralho!

Meu pau lateja dentro das calças e imagino ela chupando ele, ao invés do dedo. Praguejo mais uma vez por estar doente. Agora estou duro e não posso nem beijá-la.

Ela abre os olhos e sorri para mim:

- Realmente está muito gostoso!

- O recheio ou meu dedo? – pergunto com malícia.

Ela me dá um tapinha.

- Tarado! Você é cem por cento pervertido.

- Tudo o que eu queria era não estar resfriado nesse momento.

Ela passa o dedo na cobertura do cupcake e passa no meu rosto, rindo. Ah, KitKat, essa vai ter retorno.

Agarro ela pela cintura e com a outra mão, pego o cupcake. Empurro Kat até o sofá e a deito, subindo em cima dela. Com uma perna de cada lado, ela está travada embaixo de mim. Adoro prendê-la nessa posição, pois assim ela fica à minha mercê. Sujo seu rosto de cobertura, no nariz e nas bochechas, e começo uma sessão de cócegas.

- Dom, paraaaaa!

Kat começa a rir, e sua risada é tão contagiante que dou risada junto. Ela tenta me sujar, mas está sem forças pelas cócegas. Estamos ambos nos divertindo quando de repente, o meu telefone começa a tocar.

O barulho irritante continua, o que me faz parar.

- Atende para mim, que eu vou lavar as mãos de novo.

- Sim, senhor – Kat responde com sarcasmo, levantando e pegando o telefone.

Enquanto abro a torneira, escuto Kat dizer:

- Sim, deixa ele entrar, Julie.

Seco as mãos rapidamente e quando saio do banheiro, vejo Will abrindo a porta. Automaticamente me aproximo da Kat, ficando atrás dela.

- Bom dia, sr. Sherwood. Kat.

Ao ver a cara da ruiva toda suja, ele pergunta:

- Desculpa, interrompi alguma coisa?

Sim, interrompeu meu momento divertido com minha ruiva.

É isso que tenho vontade de dizer, mas me controlo. Kat limpa o rosto com os dedos e me dá um olhar de repreensão.

É como se ela tivesse ficado envergonhada só porque ele chegou. Será que tem medo do que ele vai pensar?

- Will, desculpa, nós estávamos brincando – Kat diz, e fica vermelha.

Porra! Por que ela está pedindo desculpa, se não deve satisfações a ele?

- Desculpe vocês, eu só vim entregar o relatório do Alberto.

Esqueci que o Alberto não vai vir hoje. Will continua:

- Aproveitando, meus parabéns, Dominic – ele me estende a mão.

- Obrigado – aperto sua mão, talvez com força demais.

Ele se vira para Kat:

- O meu boné preto ficou com você? Já revirei minhas coisas e não acho. E a última vez que usei acho que foi no dia que fomos no parque.

- Sim, ficou comigo. Você me emprestou, não lembra? – ela pergunta, sorrindo.

- Ah, é mesmo.

- Eu te trago amanhã – ela responde.

- Ok. Obrigado, Katie.

Katie? Mas que porra é essa?

Ele dá um beijo no rosto dela e fico super irritado, mas me controlo.

- Bom, eu já vou – Will diz e fecha a porta.

Assim que ele sai, pergunto:

- Por que você pediu desculpas quando ele entrou? – pergunto.

- Na verdade, eu não quero mais uma pessoa especulando sobre nós. Você tem que concordar comigo que nossa situação é... estranha para os demais.

Ela tem razão. Além disso, ninguém sabe sobre as coisas com a Sarah. Tirando o Alberto e a Eme, nenhum dos outros sabe de nada.

- Mas você agiu como se tivesse que dar explicação para ele.

- Eu dei justamente porque não quero que comece a pensar outras coisas e que isso possa gerar uma possível fofoca.

Ela segue para o banheiro para se limpar, me deixando com a impressão que o motivo da sua justificativa não é exatamente esse.


***


KATHERINE P.O.V

Chegou o momento que estava ansiosa: cantar parabéns para o Dom. Apesar de já ter feito isso de manhã, e ter ficado totalmente alucinada quando provei o cupcake do dedo dele, ninguém sabe disso além de nós dois.

Então, agora que acabou o expediente, todo mundo vai cantar parabéns para ele. Harry e eu fomos pegar o bolo e decidimos brincar com o Dom, colocando vinte e oito velinhas no bolo. Enquanto acendemos, ele pergunta:

- Kat, não acha estranho a Sarah não estar aqui?

- Não. Ela já deu a festa no sábado.

- Eu sei, mas o Dom é namorado dela. Antes, ela sempre vinha visitar ele aqui no escritório, ainda mais sendo dia do aniversário. Eu podia jurar que ela estaria aqui hoje.

Decido disfarçar melhor:

- Bom, ela provavelmente deve estar preparando uma festinha particular e esperando ele em casa...

Me arrependo assim que as palavras saem da minha boca.

Droga! Eu pretendia dizer isso só para dissimular, mas uma tristeza me invade ao pensar que ela pode mesmo estar preparando algo pra ele. Algo muito melhor que um simples cupcake.

E se ela o encontrar depois do expediente?

Dom não comentou nada, mas se ela insistir, não sei o que ele faria.

- Kat, está tudo bem? Você ficou pensativa de repente – Harry pergunta.

- Ah, sim.

- Então vamos, que todos já estão na sala de reunião e já foram chamar o Dom.

- Sim, claro. Vamos.

Seguimos para o corredor e colocamos o bolo em cima da mesa. Bem na hora, pois o Dom entra logo em seguida e todos gritamos “Surpresa!”.

Começamos a cantar o parabéns e o sorriso do Dom me enche de alegria. Quando terminamos, ele diz:

- Obrigado a todos! Eu gostaria de poder apagar as velas, mas devido ao meu resfriado, infelizmente não posso. Então, vou pedir para alguém apagar por mim. Alguém que me conhece muito bem. Kat, apaga minhas velas?

Fico surpresa, e ao mesmo tempo, muito feliz por suas palavras. Sorrio para ele e me aproximo do bolo, respondendo:

- Claro! Com prazer apagarei suas velas.

- Faz um pedido especial por mim!

Não faço idéia do que ele pediria, mas sei o que eu quero e isso envolve a nós dois. Então conto até três, penso no pedido e apago todas as velas de uma só vez. Todos aplaudem e Dom fala baixinho:

- Obrigado, ruivinha.

- Sempre que precisar, chefe.

Eu só espero que meu pedido se realize o quanto antes.


***


DOMINIC P.O.V

O dia foi longo, mas valeu a pena cada minuto. Chego em casa super cansado. Apesar de me sentir melhor do que ontem, ainda não estou recuperado. Meu corpo ainda dói.

Já passa das 20h e a única coisa que quero nesse momento é tomar um banho e dormir. Ao abrir a porta do meu quarto, levo um susto.

Dou de cara com a Sarah deitada na minha cama, com uma lingerie vermelha muito provocativa.

- Oi, amor! Eu estava te esperando – diz, com uma voz sexy.

Ver ela assim só de calcinha e sutiã me faz lembrar de quantas vezes beijei esse corpo. Sarah está usando um batom vermelho, o que me lembra de outra boca que me enlouqueceu com um batom assim...

- Oi Sarah.

- Você não me chama mais de amor.

- Porque não temos mais um relacionamento.

Ela se levanta.

- Mas voltaremos a ter, e para isso só depende de você, amor.

Sarah se aproxima e respiro fundo. Ela também colocou aquele perfume que sempre me atiçava.

- Sarah, eu...

Ela me interrompe, colocando o dedo nos meus lábios.

- Não diz nada. Só deixa eu te dar os parabéns...

Apesar de estar quase nua na minha frente, no momento que tenta me beijar, algo dentro de mim desesperadamente quer impedir.

Me afasto dela imediatamente.

- Sarah, não.

- Por quê não, Dom?

- Não vou cometer o mesmo erro duas vezes.

- E desde quando ficar comigo é um erro? Você tem noção de como foi doloroso acordar hoje sozinha na minha casa, sem estar com você? Sem despertar fazendo amor, como foi nos últimos dois anos nesta data especial? Sem poder te dizer olhando nos olhos o quanto eu te amo?

- E você acha que pra mim também não foi estranho?

- Então, por que está me rejeitando?

- Não vou fazer como no Reveillón e ficar com você pensando em outra.

- Por que você dá oportunidade para ela e pra mim não?

- O que você quis dizer com “dou oportunidade para ela”?

- Sábado, na festa. Eu vi a mancha de batom na sua camisa, esqueceu? Foi a Kat.

- Sim. O batom era mesmo dela – admito.

Sarah me olha com muita raiva.

- Vocês fizeram o teatro perfeito, tenho que reconhecer – diz com ironia.

- Sarah, eu já te falei que não te devo explicações.

- Me diz a verdade, Dominic. Quando você ficou com ela na festa, estava pensando em mim? Assim como pensou nela quando ficou comigo no Reveillón?

Não. Quando estava com a Kat, não lembrei da Sarah nem por um segundo. Esqueci de tudo e de todos. E não quero ser grosseiro dizendo essa verdade. Merda!

- Sarah, eu não vou responder isso. Não se trata se uma competição entre você e ela. Somos pessoas e é de sentimentos que estamos falando. Eu apenas não quero ser um imbecil novamente. Já errei muito e é por isso que não deixei você ir adiante agora. Preciso entender de uma vez meus sentimentos, para não machucar ninguém. Nem a mim mesmo.

- Ok. Eu vou embora.

- Por favor, devolve todas as cópias que você tem. Já devolveu a que tinha, mas pelo que vi hoje, tinha outra.

Ela começa a se vestir. Não consigo ficar olhando e desvio o olhar. Depois de se trocar, ela abre a bolsa e pega a chave. Coloca em cima da cabeceira.

- Eu só tinha duas cópias. A que devolvi ano passado e essa. Não se preocupe, que não tenho mais nenhuma – seu olhar de tristeza é evidente.

Antes de cruzar a porta do quarto, ela completa:

- Só espero que você perceba a tempo o erro que está cometendo. E que quando me quiser de volta, não seja tarde demais.


Notas Finais


Num guento esses dois fazendo teatrinho depois da putaria que rolou 🤭

Dom me representa nesse momento pq eu tô com um resfriado chato 🤧🤒

O que será que a Kat pediu quando apagou as velinhas? 🤔
Acho que o desejo dela vou realizar rapidinho 😏😌

Espero que tenham gostado
Até o próximo 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...