1. Spirit Fanfics >
  2. Be Mine >
  3. Stars

História Be Mine - Capítulo 25


Escrita por:


Capítulo 25 - Stars


Fanfic / Fanfiction Be Mine - Capítulo 25 - Stars

Kim Namjoon


Acordo com o meu celular tocando num volume muito alto, tento ignorar e dormir novamente, mas por perceber que a pessoa não desiste, atendo o celular pois sei bem quem é só por isso.

— Aish Seokjin, precisava me acordar tão cedo assim? — reclamo.

— São dez da manhã, deixa de ser preguiçoso homem!

— Mas você me ligou ontem a noite, ficamos conversando até às três da manhã e você até dormiu no meio da chamada. — digo e logo solto um sorriso por lembrar de todos os prints que tirei do rosto de Seokjin. — O mínino que eu mereço são mais horas de sono.

— Então eu não devo mais te ligar, é isso? Você não sente minha falta como eu sinto a sua! Você não entende o meu amor!

— Quanto drama, credo.

— Não estou fazendo drama, Kim Namjoon, estou apenas sendo um bom esposo que gosta da companhia de seu marido.

— Não somos casados, Seokjin — de novo esse papo de casados, eu ein.

— Ainda, mas se você me pedir agorinha mesmo, eu aceito.

— Não estamos nem namorando ainda!

— Não estamos? Olha, eu achei que estávamos automaticamente namorando depois que ambos se declararam, até mudei os status das minhas redes sociais poxa.

— Você não me pediu ainda, então não estamos namorando.

— Eu achei que você fosse pedir! — ele fala num tom mais alto.

— Eu já fui o primeiro a me declarar, agora você que me pede em namoro.

— Você só complica as coisas para mim, Kim Namjoon — ele reclama — Esteja pronto às 14:00.

— Por que? — fico um tanto curioso, já que o mesmo não tinha me avisado nada sobre sair.

— Quero levar você a um lugar.

— Que lugar? — ele realmente despertou minha curiosidade.

— É surpresa, não posso te dizer — eu solto um resmungo e ele ri — Tchau Joon.

— Tchau Jinnie — acabo a ligação e jogo o celular em algum canto da minha cama — Nem pra me falar aonde a gente vai só para ter uma ideia de que roupa usar — levanto e vou até meu guarda roupa.

Abro o guarda roupa e uma avalanche de roupas cai em cima de mim.

— Ok, acho que finalmente está na hora de arrumar essas coisas — tento juntar algumas roupas, mas acabo me batendo no guarda roupa, fazendo mais roupas caírem — O universo está conspirando contra mim hoje, só pode.

Por um milagre, consigo levantar e finalmente arrumo o guarda roupa, o que me fez demorar uma hora, mas pelo menos arrumei.

Escolhi uma roupa bem simples e fui correndo para o banheiro ficar bem cheirosinho para o meu Seokjin, torcendo para não cair e me quebrar todo, o que aconteceu, porém não me quebrei.

Levantei rapidamente do chão e fui agora sem pressa, até o banheiro.

Tomo meu banho e pego meu celular, para checar as horas e respiro tranquilamente por ter bastante tempo para me arrumar. Escovo os dentes e penteio o cabelo, as duas coisas ao mesmo tempo, porque aqui tem habilidade.

Vou até meu quarto e coloco a roupa que tinha escolhido antes, checando no espelho se tinha ficado bom ou não

Depois de checar pela décima vez se aquela roupa realmente combinava, mando mensagem para o Seokjin dizendo que já estava pronto. Ele disse que já estava vindo me buscar, então decido o esperar na sala.

Um tempo depois, ele bate na porta e eu abro, ficando hipnotizado com a obra de arte que ele é. O desgraçado tava mais lindo do que o normal, e eu nem sabia que isso era possível!

— Vai ficar só admirando? — Seokjin pergunta com um sorriso malicioso.

— É uma visão realmente bonita. — digo e ele revira os olhos, me puxando levemente pela cintura e me dando um beijo demorado.

— Eu estava com saudades de você. — Seokjin diz e suspira levemente. — Não podemos nos casar logo? Assim eu posso te ver todo dia, prometo que nem reclamo das suas filosofias estranhas. — Solto uma risadinha e ele fica emburrado. — Você nunca me leva a sério!

— E tem como levar você a sério, Seokjin? —Ele continua emburrado e bufa. — Primeiro, não oficializamos nada ainda, segundo, não precisamos estar casados para morarmos juntos, terceiro, o casamento homossexual não é legalizado na Coréia do Sul, então teríamos que nos casar em outro país.

— Você é incrivelmente chato, Namjoon, eu realmente não sei como eu aguento você. — Jin se joga no sofá da sala.

— Você me aguenta por que você me ama, é isso.

— Infelizmente fui amaldiçoado a gostar de você por toda a eternidade, mas eu tenho certeza que algum dia ainda vou enlouquecer.

— Isso foi fofo, nem parece que você quem disse. — O provoco e ele se levanta rapidamente do sofá.

— Isso é uma calúnia! Eu sou fofo sim.

— Você é safado a maior parte do tempo!

— Essa é a primeira vez que você reclama. — Ele cruza os braços.

— Isso não foi totalmente uma reclamação, eu gosto desse seu jeitinho. — falo e ele sorri malicioso.

— Gosta é? Que pena, porque nós temos que sair, e hoje eu vou ser totalmente fofo com você.

— Nós já vamos sair? — Pergunto com uma voz manhosa.

— Sim, nem adianta me persuadir.

— Eu não ia fazer isso.

— Eu sei que ia, eu conheço você. — Seokjin diz e pisca para mim. — Mas agora vamos lindeza, que nós temos um longo dia pela frente.

  ×××


— Chegamos. — Seokjin deixa o carro no estacionamento perto do parque.


— O que vamos fazer?

— Calma homem, tá ansioso? — Seokjin desliga o carro e tira seu cinto de segurança.

— Um pouco, você não me deu nem uma dica. — Digo saindo do carro.

— Se eu desse alguma dica, você iria descobrir, então iria perder toda a graça.

Seokjin destrava as portas e eu desço do carro, esperando ele fazer o mesmo em seguida.

Ele tranca o carro e entrelaça nossos dedos.

— Você está com fome? — Jin pergunta e eu concordo com a cabeça. — Então vamos comer antes, deve ter um restaurante aqui perto.

Andamos até o outro lado da rua, onde fica um restaurante todo iluminado por lustres, provavelmente é um restaurante caro.

Seokjin segura porta para que eu entre e eu estranho, porque geralmente eu que faço isso, já que ele diz que eu tenho que tratar ele como o "princeso" que ele é, mas parece que estamos invertidos hoje.

Nós nos sentamos em uma mesa um pouco distante das outras, bem ao lado de uma grande parede de vidro.

Logo um moço bem vestido que eu presumo que seja o garçom traz dois objetos de capa dura para nos entregar.

Seokjin abre aquilo e percebo que é um cardápio extremamente chique e com aparência elegante.

— O que você vai querer pedir? — Seokjin me pergunta e eu olho por cima do ombro dele para tentar escolher algo.

— Eu vou querer um macarrão ao molho sugo. — Eu não fazia ideia do que era, mas eu pedi mesmo assim porque foi o que pareceu mais atraente.

— O mesmo que ele. — Seokjin diz e o garçom assente e recolhe os cardápios, saindo em silêncio.

Seokjin pega seu celular e começa a rolar o feed do seu Instagram, as vezes parando para curtir as fotos das Kardashians e as fotos de Jungkook com Jimin.

— Quando eu vou descobrir o que é a minha surpresa? — Eu pergunto e ele bloqueia o celular e o guarda.

— Depois que a gente comer, amado. — Ele diz e eu sinto um pouco de sarcasmo em sua voz.

— E vai demorar pra chegar? — Pergunto e ele dá um riso fraco, logo negando com a cabeça.

— Você está parecendo uma criança, Namjoon.

— Talvez, mas eu só estou assim porque a gente nunca sai junto.

— E que culpa eu tenho se o único rolê que você me chama é pra ir na sua casa? — Seokjin fala e eu faço um beiço emburrado. — Não é como se eu não gostasse, você sabe o quanto eu amo ficar de conchinha com você. — Ele dá um beijinho na ponta do meu nariz e eu sorrio novamente.

Eu estou simplesmente amando ser mimado do jeito que o Hoseok disse que eu mereço. Inclusive, não posso me esquecer de fazer o relatório completo para ele depois.

Um casal de moços muito bonitos escolhe a mesa um pouco perto da nossa para se sentar e eu percebo que Jin não tira seus olhos dos dois.

— Jin? — Eu o chamo e ele pisca os olhos, voltando sua atenção para mim. — Você conhece eles?

— Ah, eu acho que sim, não tenho certeza.

Seokjin pega seu celular novamente e o entra no Instagram, procurando desesperadamente o nome de alguém.

— Eu sabia! — Seokjin comemora quando ele acha o tal perfil.

— Você sabe quem é? — Eu pergunto e ele concorda com a cabeça.

— É o Son Hyunwoo, meu ex namorado. — Ele acaba falando um pouco alto demais e o dono do nome olha em nossa direção. — Merda. — Ele murmura porém sorri para Hyunwoo e o o homem ao seu lado.

— Seokjin? Kim Seokjin! — O tal Hyunwoo fala e vem até nossa mesa. — Quanto tempo! — Ele abraça Seokjin.

— Acho que faz uns dois anos em que a gente não se vê pessoalmente né? — Seokjin diz e Hyunwoo concorda.

— Quem é esse aí? — Hyunwoo pergunta e Seokjin sorri.

— Ah, ele é o meu sugar baby. — Ele fala e eu arregalo os olhos, me engasgando com a minha própria saliva. — Vai morrer homem? Calma, é só uma brincadeira, ele é quase o meu namorado, o nome dele é Namjoon.

— Ah, então é esse de quem você tanto falava.

— Espero que ele tenha falado coisas boas. — Digo baixinho e Seokjin me cutuca.

— Se você considerar coisas para maiores como coisas boas, sim ele falava.

Ficamos em silêncio por um tempo, apenas nos encarando, até que eu decido quebrar o gelo.

— Quem é aquele baixinho que estava sentado com você? — Eu pergunto e Hyunwoo aperta os lábios.

— Ele é o meu namorado, Kihyun.

— Tá brincando! Yoo Kihyun? — Seokjin pergunta e Hyunwoo concorda. — Vocês viviam se provocando no ensino médio, pareciam cão e gato.

— Eu acho que no fundo era só amor incubado. — Hyunwoo fala e Kihyun se levanta.

— Você ia me deixar lá sozinho? — Kihyun pergunta quase soltando fogo pela boca.

— Não, meu amor, eu só estava conversando com eles, eu já ia voltar. — Hyunwoo tenta se explicar, mas a única coisa que Kihyun faz é revirar os olhos.

— E quem são vocês?

— Eu sou Kim Seokjin, fui seu colega no ensino médio, mas eu não sei se você lembra. — Jin fala e Kihyun faz cara de nojo.

— Ah, sim, eu lembro de você, você era o riquinho metido a besta, estilo Regina George.

— Como é? — Seokjin cerra os punhos e respira fundo.

— Eu chamei você de riquinho metido a besta, não ouviu? — Kihyun cruza os braços.

— Kihyun, para. — Hyunwoo pede baixinho.

— E você era só um baixinho irritante que arranjava briga com todo mundo! — Seokjin fala e Hyunwoo arregala os olhos.

Kihyun fica com o rosto vermelho de raiva e cerra os punho, pronto para dar um soco em Seokjin.

— VOCÊ ME CHAMOU DO QUE? EU VOU MATAR VOCÊ! — Kihyun tenta partir para cima de Seokjin, mas Hyunwoo o segura.

— Ei amor, não precisa de tudo isso. — Hyunwoo diz num tom calmo, ao contrário de seu namorado que tenta se soltar de seus braços a qualquer custo.

Enquanto isso, Seokjin está olhando para suas próprias unhas, totalmente pleno, como se nada estivesse acontecendo.

— Você não mudou nada mesmo, Yoo Kihyun. — Seokjin fala e toca na ponta de seu nariz. — Mas eu não estou afim de briga hoje, então eu e o Namjoon vamos deixar vocês em paz.

— SEU COVARDE! — Kihyun grita e todos do restaurante olham para ele, fazendo Hyunwoo ficar vermelho.

Seokjin pega suas coisas e segura firmemente minha mão.

— Desculpa por ter feito você ver isso, eu prometo que o resto do dia vai ser melhor, ok? — Jin fala e eu concordo com a cabeça. — Agora vamos porque está na hora de você ver a sua surpresa.

××××


— Você tá pronto? — Jin me pergunta e eu concordo com a cabeça, apertando os lábios de tanta curiosidade.


— Eu já posso abrir os olhos?


— Ainda não, estamos entrando no lugar. — Seokjin continua me guiando.


Ele para e solta minha mão, então de repente eu sinto um pouco de frio.


— Pode abrir seus olhos. — Jin fala e eu os abro lentamente, piscando várias vezes até entender totalmente aonde eu estava.


Uma sala totalmente com um teto branco, e algo estranho no meio da sala.


— Jin? — Eu o chamo.


— Você ainda não sabe que lugar é esse? — Ele pergunta e eu nego. — Já vai descobrir.


Ele me guia até às cadeiras, puxando uma para mim e outra para ele.


— Agora, olhe para cima.


O negócio estranho liga e a sala toda é iluminada por estrelas. Realmente a sala inteira, no teto branco, nas paredes, até no chão.


— Uma vez você me disse que gostava de ver as estrelas da sua cidade natal, mas que em Seul você mal as enxerga, por causa dos prédios e da poluição, então eu trouxe as estrelas até você. — Seokjin fala e eu sorrio totalmente bobo.


— E onde está a lua? — Pergunto e ele abre um sorriso de orelha a orelha, como se já estivesse esperando por essa pergunta.


— Você.


— Eu?


— Você não sabe quantas vezes eu já peguei você olhando para a janela aberta, esperando ver as estrelas, mas só vendo uma lua solitária no céu, porém brilhante, e eu sei que você se acalma ao ver ela, porque você gosta de saber que a noite chegou, você gosta de sentir o vento noturno, gosta de saber que é o fim de um dia.


— Você está falando tantas palavras bonitas, é você mesmo Seokjin? — Pergunto e eu levo um tapa no braço.


— Eu tô tentando ser romântico, seu bobão! Não me atrapalha.


— Ah, tá bom então, eu vou ficar de bico fechado.


— Você tem duas pequenas crateras no seu rosto, que ficam ao lado dos seus lábios, e elas são lindas, não tanto como você por inteiro, sua pele bronzeada brilhante é perfeita, seus olhinhos conseguem me hipnotizar apenas por um olhar, e o que dizer do seu sorriso? Você consegue fazer com que todos os meus problemas desapareçam apenas sorrindo. Então, o que a lua é para você, e sei que algo provavelmente muito significativo, você é para mim.


— Eu não entendi metade das coisas que você falou, mas eu tô com os olhos marejados, eu deveria estar reagindo assim?


— Se você ficasse em silêncio, eu ia pensar que tudo isso foi só fruto da minha imaginação ou que talvez alguém tenha botado cocaína no meu perfume.


— E se for fruto da sua imaginação?


— Então eu espero nunca sair daqui. — Ele me abraça de lado e entrelaça nossos dedos.


— Eu também espero não sair daqui, está tudo tão perfeito. — Encosto a cabeça em seu ombro e continuo a observar as estrelas pela grande sala que antes era totalmente escura.


— É cedo demais para eu dizer que eu te amo? — Jin fala e eu sinto o ar indo embora, me fazendo arregalar os olhos e olhar para ele.


— Você me ama? — Pergunto, incrédulo.


—  Sem dúvidas, e isso é tudo culpa sua! Eu nunca fui tão boiola assim, eu me tornei narcisista demais para conseguir amar alguém que não fosse eu, até você surgir na faculdade, com o seu jeitinho atrapalhado, pedindo desculpa a cada dez palavras que você falava. — Seokjin suspira. — O que você fez comigo, Kim Namjoon?


— Eu... — Seokjin me interrompe com um beijo demorado, que terminou com um selinho.


— Eu não consigo mais Namjoon, eu quero isso a muito tempo, mas eu preciso que você responda uma coisa. — Ele me olha sério e eu engulo seco.


— Fale, hyung.


— Kim Namjoon, você aceita ser meu namorado?


— SIM! Ah, quer dizer, claro.


Ele sorri e sela nossos lábios novamente num beijo longo e cheio de carícias.


Eu não lembro de quando havia sido a última vez, mas nesse momento, eu me senti amado, me senti tão especial.


Então ao invés de pegar meu celular e contar tudo para o Hoseok, eu simplesmente continuei recebendo carinho do meu agora namorado, sobre a luz de mil estrelas, mesmo que elas não sejam de verdade, tornaram esse momento extremamente inesquecível.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...