1. Spirit Fanfics >
  2. Be My Help • Drarry >
  3. With love, Draco

História Be My Help • Drarry - Capítulo 14


Escrita por:


Capítulo 14 - With love, Draco


HARRY POV


Uma semana já tinha se passado, e as coisas estavam ficando mais fáceis. Eu estava ficando no estúdio dos meus pais por quatro horas todos os dias depois da escola. 


Ah! A escola... confesso que foi muito difícil nos primeiros dias, ter que ver o Draco sentado longe de mim me olhando com os olhos vermelhos. 


Agora que ele estava solteiro, as meninas caiam matando em cima dele. Claro que ele é gay, mas mesmo assim não é uma cena muito legal de se ver e ouvir. 


Os meninos da minha escola eram mais discretos nesse aspecto. As vezes eu via alguns meninos conversando com ele durante a aula de Educação Física e até entregando papéis com números pra ele. Mas isso não significava nada. 


Bom, pelo menos, não mais. 


Mas agora, eu estava no refeitório da minha escola, almoçando com Ron e Mione - que ficaram muito bravos quando expliquei oque tinha acontecido - e a maior notícia do dia era: um baile do dia dos namorados. 


Meus pais me contaram, que na época da adolescência deles, o prefeito fazia esses bailes, daquele tipo que as pessoas vão em pares usando trajes a rigor, e acontece todo aquele clichê. 


- Você não vai me convidar, Ronald? - Hermione perguntou ao ruivo, que estava com a boca cheia. 


- Te convidar? E é preciso? 


- Se você quiser que eu vá com você, sim. 


- Mas eu não quero ir a esse baile. 


- Mas eu quero. 


- Tudo bem! Hermione Jean Granger, você me daria a honra de ser o meu par, no baile chato de dia dos namorados? 


- Sim. 


Comecei a aplaudir os dois, e Ron já ficou com uma cara de desespero. Ele odiava esse tipo de coisa. 


- E você, Harry? Vai ao baile conosco, não é? 


- Eu não sei...


- Por favor! 


- Bom, se meus pais forem tirar as fotos, como sempre, eu vou só pra ajudá-los. Ai se a gente se encontrar por lá, podemos dançar um pouco. 


- Tudo bem, sei que deve ser difícil pra você. - Hermione disse pegando minha mão e dando um meio sorriso. 


- Na verdade, não é tão difícil depois de ouvir tudo que ouvi. Foi como um choque de realidade. 


- Mas... você vai me ajudar a escolher um vestido e ponto final. - ela disse. 


- Quando nós vamos? - Ron perguntou. 


- Voce não vai a lugar nenhum, mas como falta só uma semana pro baile, eu e o Harry vamos... 


- Quinta. 


- Quinta. 


- Porque eu não posso ir? - voltou a perguntar. 


- Porque da azar se você ver meu vestido antes do baile, bobinho. 


- Desde quando você acredita nisso? 


- Não acredito. Mas é melhor prevenir. 


Depois disso, o sinal tocou e cada um foi pra sua aula. 


No fim do dia, fui até meu armário deixar alguns livros nele, e algo me chamou atenção. Um envelope branco escrito "Harry Potter" em letras verdes estava lá. Eu o peguei decidido que iria ler em casa. 


E foi oque eu fiz. Quando cheguei em casa, seguro no meu quarto, o abri. 


"Harry, você merece o mundo, e não merece ficar triste como eu sei que está. Então, quero que saiba, caso não saiba ainda, que nada do que eu fiz foi culpa sua. Você não merece e nunca mereceu a coisa horrível que eu fiz. Preferi escrever, porque te conheço o suficiente pra saber que não aceitaria falar comigo pessoalmente. 

Eu só peço o seu perdão. Quero que sejamos amigos, mas sei que isso seria demais até pra você. Então só saber que me perdoa, seria o suficiente pra mim, caso decida fazê-lo. 

Eu não quero dizer que estou fazendo mais que o mínimo, mas... olhe pra mim, eu escrevi uma carta pra você, e eu odeio escrever. 

Então considere o meu pedido. Sei que seria muito egoísmo dizer que eu amo você, e que te faria me odiar ainda mais, então não vou dizer, mas você sabe que é verdade. 

Não vou te esquecer nunca. Tenha certeza disso. E onde você for, eu estarei lá. Mesmo que no fundo mais esquecido dos seus pensamentos, eu estarei cuidando de você com todo meu coração. 

Espero que encontre alguém capaz de te fazer feliz como você merece, porque eu, certamente não sou essa pessoa. 

Com amor, Draco." 


Terminei de ler a carta com meu coração completamente acelerado. Depois de dias sem contato algum, ele me mandou aquilo. 


E eu realmente estava disposto a perdoar. Mas não esquecer. Eu nunca esqueceria oque ele fez pra mim e consequentemente, a minha família. Mas o perdão é uma das coisas mais importantes no mundo para todos. Então oque custava? 


Isso não significava que eu seria amigo dele, ou que conversaríamos sempre. Mas o meu perdão, eu era capaz de dar. 


Meus pensamentos foram interrompidos pelo som de notificação do meu celular dentro da mochila. O peguei e vi que se tratava de um antigo amigo meu. 


Cedrico Diggory. 


Ele foi amigo meu, de Mione e Ron alguns anos atrás, quando éramos pequenos, mas a família dele teve que se mudar a trabalho e ele foi junto, obviamente. 


Eu comecei a desconfiar que gostava de meninos, uma parte, por causa dele. Eu me sentia nervoso quando ficava perto dele e sempre gaguejava quando falava com ele. Mesmo sendo amigos e tendo uma intimidade boa, eu ficava corado com muita frequência. 


Principalmente quando ele falava que minha cicatriz era fofa. 


Com o tempo, perdemos o costume de conversar. Mas lá estava. 


"Oi, Harry. Quanto tempo." 


Meus olhos se arregalaram quando eu vi a foto. Ele estava mais bonito do que eu me lembrava. Aquele cabelo castanho claro... o sorriso... 


"Oi! Como você está?" 


Esperei a resposta dele. 


"Bem, obrigado. Advinha? Nossa família vai voltar a morar aí. Chegamos em dois dias. Talvez poderíamos nos ver, que tal?" 


"Seria uma ótima ideia."


"Convide Ron e Mione. Vocês ainda são amigos, certo?" 


"Claro que sim" 


"Bom, então vamos nos falando." 


E então começamos a conversar. Colocar as novidades em dia. Hermione iria surtar quando ficasse sabendo que Cedrico estava voltando. 


E não demorou muito pra ela me ligar. 


- Harry! Cedrico me mandou mensagem! - ela disse em um fôlego só quando eu atendi. 


- Ele me mandou também! 


- Disse que quer te ver? 


- Disse que quer ver todos nós. 


- Ele está bonito, não é? 


- Está sim. 


- Podemos marcar de vê-lo no baile! 


- Você tem razão, mas não sei se ele iria querer ir sozinho. 


- Se ele não quiser, podemos arrumar qualquer menina da escola pra ir com ele. Pansy Parkinson iria, com certeza. 


- Eca. Coitado dele, Mione. 


- É, você tem razão. 


Continuamos conversando alguns minutos, até que eu comecei a sentir o cheiro do jantar no andar de baixo e desliguei para comer. 


Quando eu terminei de colocar minha comida no prato, me sentei e disse:


- Mãe? 


- Sim? 


- Advinha quem vai vir morar aqui na cidade. 


- Não vai parar de vir gente pra essa cidade não? - meu pai resmungou e eu ri. 


- Quem, filho? 


- Cedrico Diggory.


- Ah! Eu adoro esse garoto. - meu pai falou. 


- Aquele que era amiguinho seu? - ela perguntou. 


- Sim. Vamos nos ver quando ele chegar. 


- Fantástico. Já está sabendo do baile? 


- Estou. 


- O prefeito quer que tiremos as fotos. 


- E vocês vão aceitar? 


- Bom... não somos eu e seu pai que ele quer... é você, filho. 


- Eu? 


- Sua professora Trelawney, enviou as fotos daquele trabalho que você fez com... bom, ela mandou as fotos a ele e ele realmente disse que você tem talento. Quer que você tire as fotos. Nós, eu e seu pai, só vamos para cuidar da iluminação, cenário e te ajudar. Mas será a sua noite, querido. 


Ouvir aquelas palavras me deixaram muito feliz. Bem mais do que eu estive nos últimos dias. Aquela era a minha chance. 


- Com certeza nós vamos, então. - respondi e ela sorriu. 


- Estou orgulhosa de você filho. 


- Eu também. - meu pai falou. 


Depois que terminamos o jantar, subi para o meu quarto e um pensamento me acertou em cheio. 


Eu deveria parar de usar a câmera que Draco me deu? 


Pensei por longos minutos e até pedi conselhos a Mione e Ron, mas Hermione disse que estava tudo bem, e Ronald disse com essas palavras "vai querer mesmo uma coisa dada por aquele nojento no seu pescoço?" então, só me restava decidir. 


Por fim, peguei a caixa em que eu tinha guardado minha antiga câmera e troquei as duas de posição. A câmera que Draco me deu, embora muito melhor que a antiga, tinha muito peso emocional pra mim, e eu não queria aquilo. 


- Bem melhor. - meu pai disse quando passou pela porta do meu quarto e eu ri. 


Agora sem dúvidas, ele odiava os Malfoy. 


Depois que tomei meu banho e coloquei meu pijama, fiquei mais algum tempo conversando com meus amigos e fui dormir. 


Amanhã seria um longo dia.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...