História My Puckish Love - Imagine Yoseob (BEAST) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias BEAST (B2ST)
Personagens Personagens Originais, Yang Yo Seob
Tags Bbw Imagine, Beast, Beautiful Beast Week, Drama, Imagine, Imagines, Romance, Yoseob
Visualizações 34
Palavras 1.469
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Partilha


Yoseob teve alguma dificuldade em encontrar __________, mas lá conseguiu encontrá-la na saída da escola.

- ________! Espera! - chamou ele correndo até ela.

- O que foi? - perguntou ela sem olhar para trás.

- Vai faltar às aulas? - perguntou Yoseob, visivelmente preocupado.

- Não vale a pena se fingir de preocupado, ok? Eu sei tomar conta de... - parou ao ver um carro na esquina.

Instintivamente, __________ puxou pelo colarinho do casaco do Yoseob, se escondendo atrás de um carro.

- Ei! Tem mais cuidado! - se queixou o garoto, massajando o próprio ombro.

- Cala a boca! - ordenou, antes de observar o dito carro. - Por favor, que não seja quem eu estou pensando... Por favor! - suplicou, juntando as duas mãos.

- Quem é que você...

- Para quem quer ganhar uma aposta, você está trabalhando muito para me tirar do sério... - alertou _________, conseguindo uns segundos de silêncio.

Em seguida, mal ________ vê quem saíra do carro, corre para o ónibus que havia estacionado ali. Yoseob foi atrás dela, pois além de querer entender o que se passava, ele queria ajudá-la.
A viagem foi passada toda em silêncio. _________ sabia que não podia ir para casa ainda, então, inesperadamente ela se virou para o Yoseob e perguntou:

- Posso ficar um pouco na sua casa? Se eu entrar na minha casa, agora, minha mãe me manda de volta para o colégio... - disse, timidamente, fazendo uma vénia em seguida. - Por favor, Yoseob!

Em circunstâncias - ditas - "normais", Yoseob teria rido na sua cara, mas ele sentia que algo não estava bem! Então ele fez a garota ficar direita, forçando-a a olhá-lo nos olhos.

- É claro que você pode. E não precisa de se preocupar, minha mãe não vai nos obrigar a regressar ao colégio... - assegurou. - Meu Deus, ________. Você está tremendo! - afirmou o mesmo, indicando o caminho.

Os dois não demoraram mais do que alguns minutos a chegar na casa do mais velho. A casa estava vazia! A mãe do Yoseob deixara um recado no frigorífico, avisando que tinha saído e voltaria antes das três a casa - isto, caso o filho tivesse chegado mais cedo em casa... o que era pouco habitual!

Enquanto, Yoseob preparava um chá, _________ o esperou na sala.
A garota estranhou, primeiramente, a sua atitude, mas logo se lembrou da aposta, que os amigos dele tinham feito...

- Sabe que você não precisa de ser tão atencioso. Ninguém está aqui para saber se a gente briga ou não... - recordou ela, ainda tremendo.

- Você esteve perto de um ataque de pânico. Como é que eu poderia te zoar por isso, ein? - questionou Yoseob. - Mas me responde só a uma coisa. - pediu ele, com uma expressão séria. - Foi por causa do...

- Eu não quero falar sobre isso! - interpelou. - Eu... só quero esquecer... aquele maldito dia. - declarou, pausada e calmamente.

- Seja o que for o que tenha acontecido, pode ficar tranquila. Quando nós tivermos de sair, um com o outro, não será do mesmo jeito! - afirmou ele. - Prometo.

- Também seria o cúmulo, não é Yoseob? Eu sou o seu brinquedo favorito para praticar bullying e não... para... para outras coisas! - disse relutantemente.

- O que é que você quis dizer com "outras coisas"? - questionou o rapaz. - ________...

- Você deve saber alguma versão dele. Vocês eram amigos, na época! - recordou a garota, olhando para a chavena que tinha em suas mãos. - Não foi por isso que você começou a infernizar a minha vida?

- Nem sei do que você está falando. - retorquiu Yoseob, verdadeiramente, sincero. - Você está tentando me dizer que... o Daebyeon tentou...

- Ele não tentou, Seob... Ele conseguiu, até a um certo ponto! - respondeu ela, envergonhada e cada bem mais intimidada. - Não me faz falar disso, por favor... - implorou _________, tentando conter o choro.

- Você conseguiu fugir? - perguntou o Yoseob, admirado. - Pensei que você não fosse boa em corridas... Você se desequilibra facilmente! - confessou o mesmo, esboçando um sorriso.

- Fugi com a ajuda de uma estatueta vitoriana. - disse ela, esboçando um sorriso forçado em volta. - Bati, com todas as forças que eu tinha e corri de volta para casa... Não saí do quarto até ao começo das aulas. - revelou. - Nem meus pais me viram, durante quase um ano, a bem dizer... Eu fugia deles! - confessou, voltando à sua expressão triste.

- Passado um tempo, o Dae-hyung mudou de escola e o Dannie passou a ser o meu companheiro a todas as horas... - lembrou Yoseob. - Eu nunca entendi porque ele não gosta de você...

- Somos dois. Eu mal o conheço... - acrescentou, olhando com alguma reprovação o rapaz a seu lado. - Assim como eu não entendo a sua implicância comigo, também!

- Não é implicância... é zoação, na maioria das vezes. - defendeu, ele. - Você lembra do que o Hyunseung falou: tem dias, que é muito fácil te provocar; como tem dias, que é um desafio... o que me faz passar dos limites, às vezes! - confessou. - Mas tentarei não fazer isso até ao final do dia 15! Por isso, que tal se a gente fizesse um acordo e trabalhasse em conjunto para não haver mais atrito entre nós? Assim, provamos que somos capazes de ficar mais de 60 horas sem brigar...

- Só aceito fazer esse acordo para que a unnie não me obrigue a sair com a escola inteira! - concordou __________, dando a mão para o mais velho, apertando-a. - Negócio fechado.

- Óptimo! Vem comigo, temos algumas coisas para fazer e a minha mãe s´deve chegar dentro de vinte minutos... - disse ele, puxando pela mão de _________, correndo na direcção do seu quarto. - Temos de escrever o nosso próprio regulamento; escrever uma lista de coisas, que não podemos fazer (ou dizer) um ao outro - para não gerar uma discussão - e temos de criar um código só nosso!

- Você, ao menos, já tem o seu trabalho de história adiantado? É para entregar na próxima quarta-feira! - recordou ela, achando que Yoseob se tinha esquecido da escola por completo.

- Falamos disso, depois de almoço... Agora, faça o favor, senhorita! - disse ele, deixando a mais nova passar.

- Sem segundas intenções ou insultos?

- Não existe nada, nesse momento, que me faça falar mal de você! - garantiu orgulhoso.

- Começo a achar que esta aposta deveria ter sido feita mais cedo... - confessou a garota, admirada. - Isto se eu vou ter um pouco de paz, claro!

Os dois entraram e ficaram horas do quarto, estudando e escrevendo. Até que a mãe do Yoseob bateu na porta do quarto do garoto...

- Filho. O almoço está... - anunciou ela, reparando então na __________. - Olá, ___________-ssi! Como você está?

- Vou bem, ajumma. E a senhora?

- Muito atarefada, querida, mas nada que eu não esteja acostumada...

- Na realidade, mãe, a _________ não estava se sentindo bem, mas não quis ir para casa... - rectificou Yoseob. - Ela teve quase um ataque de pânico e achei que não seria bom deixá-la sozinha!

- Ora essa! Você fez muito bem. - disse a senhora com um ar terno e orgulhoso. - Eu sabia que no fundo, você só queria uma oportunidade para mostrar à ___________ que queria ser amigo dela! - acrescentou, olhando então para a garota. - Sabe querida.... o meu filho fica muito frustrado com ele, mesmo, por não ter coragem de falar a verdade para você. - confidenciou ela. - É muito tímido! Além de que eu acho que o Daniel-ssi o provoca, na maioria das vezes... Espero que o senhor mostre a essa boa menina, que também sabe agir como gente, também! - finalizou a mulher de cabelos negros. - Não se demorem muito, senão a comida esfria. ________, você fica para almoçar, certo?

- Sim, mãe. Ela fica! - respondeu Yoseob, ainda com o rosto vermelho. - Desculpa, mas você não comeu nada, na cantina da escola, lembra? - recordou o garoto, logo depois da sua mãe ter fechado a porta. - E não liga para a minha mãe. Ela tem um código especial...

- Eu sei como é. Mas ela deve estar enganada, com aquela coisa de você querer ser meu amigo. - riu ela, revirando os olhos.

- Porquê?

- Porque você não tem problema em me fazer passar vergonha, na frente dos outros... não faz sentido você ter vergonha de puxar assunto comigo, como uma pessoa normal! - respondeu ela, conclusivamente.

- Bom, na verdade.... sim, eu tive vergonha, mesmo! - admitiu, constrangido.

CONTINUA...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...