História Beautiful with you - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Nalu
Visualizações 414
Palavras 2.448
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello guys! Cara, esse dia passou muito rápido, e eu não fiz porra nenhumaaaa! Como pode isso? KKKKKKK
Enfim, fico feliz que tenham gostado do especial Gale. Demorou seculos pra fazer
Espero que gostem do cap :P

Capítulo 15 - O caderno secreto da Lucy


POV Natsu

 

-Que caralhos é isso?- Lucy fez uma careta para a caneca que empurrei pra ela.

-Chá de erva cidreira-eu disse, abrindo a geladeira e olhando seu conteúdo. -Hum, vamos precisar fazer umas compras…

-Espera aí, nós?!

-Você atrapalhou meu sono, podia muito bem me ajudar aqui…- eu disse.

-Você foi atrás de mim porque quis-Lucy estreitou os olhos.

-Eu sei- eu sentei, dando um sorriso largo para ela. -Mas ser escolha minha não muda o fato de que não dormi.

-Humph-eu cheirei a caneca e fiz uma careta. -Pra que esse chá?

-Eu li que isso ajuda a eliminar as toxinas do álcool rapidamente. Não quero ninguém de ressaca hoje, ainda mais porque tem que estudar.

Lucy me lançou um olhar estranho. -Isso é muito atencioso, mas eu não me sinto tão mal assim… Só um pouco de enjoo.

-Beba mesmo assim, mal não vai fazer.

Lucy suspirou e bebeu todo o chá, apesar das reclamações. -Pronto, satisfeito?

-Não, só quando lavar a caneca.

Lucy suspirou e lavou a caneca enquanto eu fazia a lista de compras. Eu terminei e me levantei, pegando a carteira.

-Vem, temos que carregar as compras- eu disse, me espreguiçando.

-Certo, eu vou pegar a minha bolsa...Onde eu deixei?-Lucy olhou ao redor.

-Em cima da mesa- eu fui até a mesa e peguei a bolsa. Eu não notei que estava aberta, então acabei derrubando algumas coisas. -Eita, desculpa…- eu comecei a catar as coisas, então notei o caderno rosa da Lucy aberto. Ela nunca tirava aquele caderno da bolsa… Eu o peguei, mas o que estava escrito chamou a minha atenção.

 

Eu não estou te ouvindo

Estou perambulando até o fim da existência

Sem propósito e sem controle

Porque no final somos todos uma mentira

Uma mentira

Dois mil anos eu estive acordada

Esperando o dia em que tudo estremecerá

À todos os prezados que já me injustiçaram

Eu sou, eu sou um zumbi

De novo, de novo, você quer

Que eu abaixe minha cabeça

Eu sou, eu sou, eu sou um zumbi

Olá, olá, quão baixo você vai me empurrar?

Para ir, para ir, para ir, antes de eu me deitar,

Antes de eu me deitar morta

 

-Ei!- Lucy arrancou o caderno da minha mão. -O que pensa que está fazendo??

-Eu só dei uma olhada…- eu me defendi, ainda surpreso com que havia lido. Isso era...? Era a letra da Lucy. -Você escreveu isso?

-Sim- Lucy estava muito vermelha. Ela parecia constrangida e furiosa.

É estranho eu achar ela bonita desse jeito? Eu queria sorrir, mas então lembrei do que havia acabado de ler. -Lushi… É assim que você se sente?

-Às vezes- ela resmungou e enfiou o caderno de volta na bolsa. -Nem uma palavra sobre isso, ouviu?

Eu concordei com a cabeça mecanicamente. Nós seguimos para o mercado- andando, apesar das reclamações dela- e eu fazia o possível para não ficar a encarando. Aquelas palavras não saíam da minha cabeça. Era isso que o pai dela fazia? Queria que ela abaixasse a cabeça e o obedecesse sem questionar? Ou o quê…? Talvez eu precisasse ler todas aquelas páginas para entender o que a Lucy sentia. Ela passava por muita coisa e eu nem tinha ideia… Segurei a mão dela, e Lucy ergueu o olhar, a melancolia sendo substituída por surpresa. Beijei sua mão.

-Vai deixar que eu cuide de você, Lushi?

Lucy abriu um sorriso surpreso, muito doce. -Se é o que você quer.

Isso me fez sorrir também. Eu comprei pouca coisa, só o bastante para essa semana. íamos passar duas semanas no acampamento, então se eu comprasse comida demais ia acabar estragando. Quando chegamos em casa fiz a Lucy me ajudar na cozinha. O prato de hoje ia ser bife acebolado, arroz e purê de batatas. Já passava das duas da tarde mesmo… Não tinha motivo pra fazer um café da manhã.  Nós dois comemos em silêncio, o único som que se ouvia na casa eram os miados do Happy. Lucy terminou primeiro e lavou os pratos sem que eu precisasse pedir. Chegou a minha vez de lavar, pra mim ia demorar mais porque ainda tinha as panelas que usei pra fazer a comida. Eu sorria feito bobo ao ouvir a risada da Lucy enquanto brincava com o Happy.

Quando me dei conta, senti uma coisa macia sendo pressionada contra as minhas costas, e notei os braços da Lucy ao redor de mim. -Natsuuu… Não vamos estudar mesmo, né? - ela disse com uma voz doce, em perto da minha orelha. Dizer que me arrepiei foi pouco… Eu me animei um pouquinho mais do que deveria, mas esse dia já não estava sendo fácil. Eu vi a bunda da Lucy. Nenhum cara segue com a vida normalmente depois disso.

-Vamos sim- eu consegui me manter firme apesar de tudo.

-Mas Natsu…- não sei porque, mas meu coração acelerava só de ouvi-la dizer meu nome. -A gente já estudou tanto…- ela deu um beijo leve no meu pescoço, um beijo que fez meu sangue esquentar. -A gente já sabe o bastante…

-Hm, você tá certa- eu me vi dizendo. A parte racional do meu cérebro simplesmente ficou pra trás nesse momento. Não lembrava nem meu nome. De alguma forma Lucy não se soltou de mim enquanto me virava de frente pra ela.

-Estou, né?- Lucy sorriu, tocando meu lábio.

-Lushi- eu comecei, sentindo que deveria dizer algo. Mas o quê? Minha mente estava tão confusa, eu só conseguia pensar em como o corpo dela era quente e como eu gostava da sensação causada pela nossa proximidade.

-Hum?- Lucy pressionou o corpo contra o meu. Os seios eram tão macios, eu conseguia sentir o coração dela batendo rápido. Isso era por causa de mim? Eu não queria sair disso- acredite, a sensação era muito boa, e eu sentia que podia melhorar muito- mas uma parte de mim ainda sentia que devia falar alguma coisa. Eu fechei os olhos e apertei sua cintura, a aproximando ainda mais de mim. Lucy suspirou.

Então o telefone tocou, tão alto que nós dois pulamos de susto. Consegui levantar a Lucy com algum esforço e fui até o telefone. Era a Levy.

-Ei Natsu, espero não estar atrapalhando- ela disse.

-Hum, não. Claro que não- mentira, mas não ia ficar puto por causa disso.

-A Lu-chan está melhor?

Lancei um olhar para a Lucy. Ela estava encostada no balcão, os braços cruzados, olhando pro chão com uma cara esquisita. Eu suspirei. -Sim, eu fiz ela beber bastante água e tomar um chá pra ajudar na ressaca.

-Ah! Que bom, eu fiquei preocupada.

-Relaxe, estou cuidando bem dela…

Talvez isso também fosse mentira. Eu devia estar cuidando dela, não a agarrando, certo? Não que tenha sido eu a dar o primeiro passo, mas ainda assim…

-Sei que sim, Natsu! Bom, já que está tudo bem, eu vou voltar a estudar. Até amanhã!

Ela desligou e eu coloquei o telefone no gancho. Certo, agora os pensamentos estavam se colocando em seu lugar. O que diabos estávamos fazendo? Não que eu não estivesse gostando, mas…

-Quem era?- a Lucy perguntou.

-Levy- eu respondi. -Preocupada com você.

-Ah. Caramba, eu não lembro muito bem da noite passada, mas acho que estraguei o encontro dela… Que merda.

Eu não respondi. Ficamos os dois em silêncio por um tempo. Finalmente me aproximei, ficando de frente pra ela.

-Já sei- Lucy olhou para cima. -Estudar agora, certo? Meu plano maligno pra te desvirtuar não funcionou.

Eu apenas olhei para ela. Eu tinha um pouco a dizer, que isso não fazia muito sentido e tinha que significar algo, mas… Ela estava tão linda, e eu a queria tanto. Eu levantei o queixo dela e me inclinei. Então nos beijamos.

Lucy… Era tão quente. Seria mentira se eu dissesse que nunca tinha imaginado como seria beijá-la, mas aquilo… Nem sonhando muito eu conseguiria chegar perto daquela sensação. Eu apertei sua cintura e a puxei para mim, continuando de onde paramos antes da Levy ligar. Lucy suspirou em minha boca e aprofundou o beijo, agora usando a língua. Se eu não estava louco antes, caramba…

Eu não sei dizer quanto tempo durou aquilo, mas foi o bastante para ficarmos sem fôlego. Mesmo que tivéssemos afastado os rostos, ainda continuamos colados daquele jeito. Meu coração pulava, e eu estava duro. Chegava a ser incômodo. Lucy se afastou de mim e isso meio que doeu, eu queria puxá-la pra perto. Mas ela voltou por conta própria e manteve os braços ao meu redor. Olhei para baixo e notei que estava corada e sorrindo.

-Alguém tinha que desligar a torneira- ela sorriu e colou os lábios nos meus outra vez, antes que eu pudesse dizer o quanto ela estava adorável daquele jeito.

Até parece que eu ia lembrar de uma torneira nesse momento… Eu segurei seu cabelo, a fazendo inclinar a cabeça para me beijar. Notei que ela estava se apoiando em meus braços, acho que ela era menor que eu. Eu segurei sua cintura a erguendo um pouco.

-Você é baixinha hein, Lushi…- eu sorria feito idiota.

-O tamanho pouco importa quando se está deitado- Lucy deu uma piscadela e pegou a minha mão, me arrastando para o sofá. É claro que me deixei ser arrastado. Ela me empurrou, me fazendo sentar, e logo estava sentada no meu colo. A última coisa que eu queria era que aquele momento acabasse, então não disse nada. Lucy encostou o corpo no meu e beijou meu pescoço,me fazendo arrepiar. Ela me beijou outra vez e senti sua mão descendo pelo meu braço, o arranhando de leve. A outra mão dela estava puxando a minha camisa, até que conseguiu levantá-la e subiu e desceu pelo meu abdômen, me causando arrepios.

Eu queria tocá-la. Muito. Mas…

-Lushi, tem certeza disso?- eu perguntei, meio sem fôlego. Eu ia explodir se ouvisse um “não”, mas sabia que tinha que perguntar.

-Tenho, você não?- Lucy sorriu, abrindo o botão da minha bermuda.

Isso era o bastante para mim. Eu a beijei com intensidade, acariciando as suas costas. Mordi seu lábio quando a senti me tocando. Lucy soltou um gemido em minha boca e colocou a mão por dentro da minha cueca, me segurando e esfregando. Eu ofeguei um pouco. Lucy realmente sabia o que estava fazendo… Era muito diferente de quando eu fazia sozinho, mil vezes mais quente. Lucy se afastou um pouco de mim sem sair do meu colo, puxando a bermuda para o meio das minhas coxas. Agora o incômodo de estar preso dentro da bermuda daquele jeito passou. Murmurei alguma coisa sem sentido enquanto a Lucy seguia os movimentos, acelerando o ritmo.

-Você é mais forte do que eu imaginava- disse Lucy, apertando meu ombro.

-Eu faço kung fu- eu mal reconheci minha voz.

-Hum, eu gosto…-Lucy sussurrou. Olhei para baixo e vi que ela apertava as coxas, se dando um pouco de prazer.

Se era possível eu fiquei ainda mais excitado, ver uma coisa assim ao vivo era impressionante. E ela disse que tinha certeza, então supus que eu podia tocá-la também. Então apertei suas coxas, o quanto eu desejei fazer isso… Eram tão macias e quentes. Eu queria muito beijá-las, beijar ela inteira… Mas na posição em que estávamos eu não podia fazer isso ainda. Então eu levantei sua blusa. Lucy usava um sutiã amarelo que devia ser menor que o seu tamanho, não era possível que ela tivesse tanto peito assim… Minha mão tremia um pouco quando abri seu sutiã. Eu suspirei ao afastá-lo dela. Era linda, perfeita. Não podia mais esperar, eu os apertei… Eu nunca tinha feito isso, então tentei ser delicado… A última coisa que eu queria era machucá-la sem querer. Pelo gemido que a Lucy deu, supus que não estivesse machucando.

Isso fez meu sangue ferver. A mão da Lucy em mim, a forma que arranhava meu braço, seu belo corpo e a forma como estava gemendo… Tudo isso foi demais para mim, eu cheguei ao meu limite. Fiquei completamente sem fôlego, aquela sensação era diferente de tudo que eu tinha experimentado. Não que eu nunca tivesse gozado antes, mas… Com a Lucy era muito diferente de com outra pessoa. Não tinha nem comparação.

-Acho que me sujou um pouco- a Lucy riu. Eu abri os olhos e notei que havia espirrado aquilo por todo o corpo dela.

-Desculpa- ofeguei.

-Sem problemas, mas acho que estragou a minha saia…

Lucy estava tão linda ali, rindo. Eu a empurrei, a deitando no sofá, e fiquei por cima dela.

-Mais delicadeza na hora de empurrar, Natsu- Lucy disse, a voz bem baixa.

-Desculpa- eu disse de novo, e me inclinei, beijando seu pescoço enquanto apertava seu seio com uma mão. A outra descia pela barriga lisinha da Lucy, descendo até a sua saia, que eu me atrapalhei um pouco para conseguir tirar. Lucy teve que me ajudar com isso, bem embaraçoso. -Ahn, eu nunca fiz isso…

-Está indo bem- Lucy gemeu. Eu acharia que ela só estava dizendo isso pra me dar confiança, mas… O prazer na voz dela parecia real. Eu podia ver sua pele se arrepiando. Me inclinei mais, mordendo de leve seu seio. Lucy se contorceu embaixo de mim. Eu chupei seu mamilo enquanto apertava o outro seio com a mão.

-Nat… su…- Lucy gemeu. Eu mal tinha me recuperado e já estava me sentindo animado de novo. Mas o foco agora era a Lucy. Então eu continuei a chupando por um tempo, até que decidi trocar de seio. Dessa vez ao invés de apertar o outro seio com a mão livre a desci até chegar na sua calcinha. Eu a puxei, e olha só… Acabei rasgando.

Lucy vai me matar. Ela soltou um resmungo de protesto, mas agora eu havia encontrado seu ponto sensível. Como era mesmo que eu tinha que fazer? Movimentos circulares, li isso em algum lugar… Estava tão quente e úmido ali embaixo. Eu soltei o seio da Lucy e a beijei enquanto fazia os movimentos circulares com o dedo. Lucy se mexia embaixo de mim e cravava as unhas nos meus ombros, mas aquilo não estava me machucando nem um pouco… De alguma forma aquilo me deixava mais e mais excitado, eu me sentia a ponto de explodir.

Mas quem explodiu foi a Lucy. Eu fiquei a olhando, admirado. O peito da Lucy subia e descia com a sua respiração irregular, seu rosto completamente vermelho e os olhos fechados. A boca levemente aberta tentando puxar mais ar. Ela soltou um gemido tão bom de se ouvir… Me fez pensar que o prazer que eu senti não era nada comparado ao dela. Parecia até durar mais tempo.

-Isso foi inesperado- ela disse finalmente.

Eu que o diga…

 


Notas Finais


Gostaram da surpresinha? ;P
ps: o que a Lucy escreveu eu tirei de uma música de The Pretty Reckless, Zombie. Mas vamos fingir que foi ela quem escreveu, afinal é uma fanfic haha
Alguém reconheceu? :P
Vejo vocês só durante a semana porque ainda não tem capítulo pronto pra amanhã... então see ya!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...