1. Spirit Fanfics >
  2. "Beauty and the Beast" (Kiribaku) >
  3. Capítulo 10

História "Beauty and the Beast" (Kiribaku) - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Oi oi pessoal, o primeiro arco da fanfic acaba de chegar no fim, a partir do próximo capítulo vai começar um outro arco, não vou falar mais se não vou acabar dando spoiler ksksksksksksks
Espero que gostem desse capitulo que tem mais de 5 mil palavras aaa ksks💜💜💜💜💜

Capítulo 10 - Capítulo 10


Kendo pov. 

Algumas horas depois de Kirishima e Bakugou fugirem.  

Eu estava furiosa com o que tinha acontecido ali, as pessoas haviam saído correndo atrás deles e aos poucos voltavam sem nenhum sinal daqueles dois, como aqueles imbecis conseguiram fugir assim?

Eu estava repleta de ódio, sentia meu sangue ferver e quase não aguentando mais segurar as lágrimas decidi sair dali e ir para minha casa, ninguém me seguiu o que eu achei ótimo, eu não teria cabeça para lidar com alguém naquelas situações.

Assim que cheguei em casa bati a porta com força deixando toda aquela raiva sair, eu estava com raiva de tudo, mas acima de tudo estava com raiva de mim por ter saído naquela hora para poder ir beber água do rio que estava próximo.


Estávamos eu, meu pai e mais alguns caçadores na floresta próximo de um rio, minha garganta estava seca e eu não aguentava mais, para minha infelicidade eu havia esquecido de pegar algum recipiente com água para beber no caminho.

-Pai, estou com sede irei beber a água daquele rio que passamos agora a pouco, eu já volto. -falei e meu pai fez um gesto positivo, sai correndo e parei na beira do rio.

Fiquei tanto tempo lá, a água era fresca e limpa, quando a sede já havia passado voltei para onde eu estava antes e tive uma visão terrível que mudaria tudo para sempre, um garoto com características de um lobo estava parado na frente do meu pai que estava caído no chão morto, seus olhos tinham uma expressão de surpresa e medo, embaixo dele uma poça de sangue sendo formada ficando cada vez maior, senti minha barriga embrulhar e minha cabeça girar, olhei para o garoto que agora me olhava com uma expressão de surpresa no rosto, olhei para o chão e pude notar a arma do meu pai perto do seu pé, não tinha mais dúvidas, aquele desgraçado havia matado meu pai.

O olhei com toda a fúria que sentia e depois olhei para os caçadores que só esperavam a ordem para poder atacar.

-Peguem...peguem esse monstro. -foi tudo o que consegui falar e logo só vi o assassino fugir com os caçadores atrás dele, sozinha aonde eu estava, com o corpo do meu pai na minha frente, comecei a me aproximar lentamente.

A ficha ainda não havia caído, só caiu quando notei as lágrimas caindo, me ajoelhei e comecei a chorar.

Me sentei perto da porta enquanto mais lágrimas insistiam em cair, eu esperava me decepcionar com qualquer um, até mesmo Momo, mas Kirishima...nunca imaginaria que ele simplesmente deixaria um assassino vir até a vila e fugir com o mesmo.

Era uma decepção tão grande, em imaginar que eu ainda o considerava como alguém importante para mim, deixei uma risada sarcástica escapar e me levantei indo até meu quarto, era só eu e meu pai, minha mãe havia morrido no meu parto, mas meu pai nunca ficou com raiva de mim por eu ter vivido ao invés dela, ele me acolheu e cuidou de mim me ensinando coisas importantes que agora eram bem úteis, ele era uma inspiração para mim...

Entrei no meu quarto e me sentei na minha escrivaninha, eu queria botar tudo aquilo para fora e não havia jeito melhor para fazer isso do que escrevendo.

*

*

*

Abri meus olhos lentamente, acordei com a luz do sol na minha cara, me espreguicei e olhei para a janela o dia estava ensolarado e bonito, sorri e fui até a janela para observar o céu melhor, fui para a cozinha na esperança de encontrar meu pai cozinhando algo aleatório para nosso café e assim começarmos nosso dia bem, quando cheguei na cozinha não vi nada além da mesa vazia, sem ovos, panquecas ou bolos, sem meu pai me cumprimentando com um sorriso alegre no rosto, não havia nada disso e então meu sorriso se desfez e a ficha caiu novamente.

Esses momentos nunca mais voltariam, agora era apenas eu no mundo, não tinha mais ninguém.

Caminhei até a mesa e olhei para onde meu pai sentava, quando as lágrimas novamente insistiam em cair alguém bateu na porta e eu suspirei fundo segurando as lágrimas, fui até a porta e a abri, Tetsutetsu me olhava preocupado, sua expressão era de tristeza também, mas não é como se eu já não soubesse o motivo.

Já fazia anos desde que descobri que ele tinha uma quedinha por Kirishima, então deve ter sido uma surpresa para ele ter sido trocado por alguém que Kirishima conheceu em alguns dias, deixei um espaço para ele entrar e ele entrou, fomos até a cozinha e ele deixou uma cesta com pães na mesa.

O silêncio reinava no cômodo e eu não estava afim de falar nada, apenas peguei um pão que ele trouxe e comecei a comer em silêncio, Tetsu fez o mesmo.

-Então Kirishima escapou mesmo hein? -o platinado começou a falar quebrando o silêncio e eu engoli o pão que comia fechando a cara logo em seguida.

-Não quero falar daquele idiota.

-É eu também não quero falar dele, bem parece que é só eu e você agora Kendo. -ele falou e eu arqueio as sobrancelhas confusa.

-E a Yaomomo? -ao falar nela achei estranho o fato de não ter tido mais contato com ela, obviamente um dos motivos era eu sempre estar caçando com meu pai, mas ela sempre me visitava quando eu chegava, ou se ela não me visitava nos encontravamos nas ruas, mas ultimamente eu não havia visto ela em lugar nenhum.

-Ela está desaparecida. -o platinado falou e eu arregalei os olhos.

-Como assim desaparecida? -Momo era a pessoa mais responsável que eu já havia visto, ela era cuidadosa e sempre tomava cuidado para não se perder ou fazer alguma coisa que a atingisse, agora ela estava desaparecida?

-Ela foi vista pela última vez faz uns seis ou cinco dias atrás, depois disso ninguém mais a viu eu fui até a casa dela para saber o que havia acontecido, mas a avó dela disse que ela saiu sem dar nenhuma explicação e não voltou mais.

-Ela deve ter fugido. -fiz uma suposição.

-Fugido?

-É desde sempre ela não gosta daqui, talvez tenha encontrado um lugar...melhor. -falei tristemente, se Momo conseguiu ir embora sem falar nada para ninguém, nem mesmo para seus melhores amigos então...nossa amizade não significava nada para ela? Erámos só um passatempo, até que ela conseguisse uma brecha para fugir e então finalmente viver a vida que ela queria?

-Mas ela não fugiria sem se despedir da gente Kendo. -olhei para ele com um olhar de pena, pobre Tetsu, havíamos sido trocados duas vezes, primeiro Kirishima que nos trocou por aquele....prefiro não me referir a ele, e agora por Momo, que nos trocou para ter uma vida que ela sempre sonhou, talvez eu estivesse sendo egoísta, mas porra custava ela ter se despedido?

-Sim, ela faria isso. -me levanto indo até onde meu arco e flecha ficava guardado, o segurei e o coloquei nas minhas costas.

-Onde você vai? -o platinado perguntou curioso enquanto pegava outro pão e dava uma mordida.

-Eu vou atrás de quem matou meu pai, não vou deixar que aquele desgraçado fuja assim tão facilmente. -pego minhas flechas e vou até a porta.

-Eu não vou te impedir, mas por favor tome cuidado. -ele falou e eu dei um pequeno sorriso para ele.

-Não se preocupe comigo. -abri a porta e antes de sair o olhei por cima dos ombros. -parabéns por ter conseguido ser responsável pela caça, quando eu voltar com a cabeça daquele monstro, vamos para nossa primeira caça juntos, conto com você Tetsu e tome conta da vila enquanto eu estou fora! -fecho a porta e saio caminhando ignorando os olhares e as pessoas que tentavam falar comigo, meu objetivo era matar aquele tal de Katsuki Bakugou.

Bakugou Pov.

Algumas horas depois da saída deles da casa de Makoto.

Estávamos quase chegando no castelo, confesso que sentia um pouco de falta daqueles idiotas, mas só de lembrar na rotina entediante e sem graça que eu teria que fazer todos os dias já me causava naúseas, esperava que a rabo de cavalo tivesse feito alguns avanços porque eu não aguentaria mais nenhum ano com essa maldição de merda.

Olhei para Kirishima que estava com pequenos machucados no seu rosto, ele havia me chamado por aquele apelido ridículo mais cedo quando saímos da casa daquela garota estranha e eu fui atrás dele, logo em seguida ele acabou caindo do cavalo e obviamente eu ri da cara dele.

Mesmo nós dois querendo ignorar o que ocorreu ontem o clima ainda estava estranho depois da discussão, senti que o cabelo de merda também estava mais afastado, não que eu me importasse porque eu não me importo nem um pouco com ele!

Quando o castelo já estava visível sorri de lado.

-Quem chegar primeiro vence. -o ruivo concordou com a cabeça e saímos em disparada na direção do castelo, eu estava na frente e sentir aquele vento no meu rosto, fez com que eu sentisse uma sensação muito boa, mas logo o cabelo de merda me alcançou e quando eu menos eu esperava ele me passou, tentei alcança-lo, mas não consegui.

Quando já tinhamos chegado no castelo, amarramos nossos cavalos perto de uma árvore, nós dois estavamos ansiosos para finalmente encontrar todo mundo de novo, a diferença era que eu estava sendo mais discreto enquanto Kirishima, parecia que estava estampado em seu rosto algo como “olha, eu vou me encontrar com aqueles idiotas novamente e eu estou muito animado!”

Chegamos perto da porta enorme do castelo e eu abri com tudo afim de assustar os outros.

-Oi! -o ruivo falou sorrindo, mas logo seu sorriso se desfez, e eu dei um passo para trás, eles conversavam com uma garota de cabelos ruivos e com o cabelo amarrado de lado, quando nossos olhares se encontraram percebi rapidamente quem era, a amiga de Kirishima estava lá e sua expressão quando me viu não era nada amigável como estava antes, ela se levantou com tudo encostando em seu arco.

-Eu finalmente te achei seu monstro de merda! -ela falou e então Kirishima entrou na minha frente.

-Por favor Kendo ele pode explicar, só dê uma chance para ele! -o ruivo falava desesperado.

-Cala boca seu traidor, se não sair da frente dele então vai morrer também! -ela falou já posicionada para atirar em Kirishima.

-Gente calma, o que está acontecendo? -Mina falou confusa olhando para a gente e depois para mim e o ruivo.

Os outros estavam confusos também.

-ACONTECE QUE ESSE IDIOTA MATOU MEU PAI!

-EU NÃO MATEI SEU PAI SERÁ QUE DÁ PARA ME ESCUTAR PORRA? -falei sem paciência, aquela garota era um saco e olha que só conhecia ela fazia dois dias.

-Vocês não vão chegar a lugar nenhum com essa gritaria. -Yaoyorozu falou colocando a mão no pulso de Kendo que a olhou confusa. -É o único jeito de te fazer se acalmar me desculpa. -ela sussurrou e então a ruiva desmaiou em seus braços, Momo havia usado a magia que eu usei nela e em Kirishima no primeiro dia que nos encontramos, é eu tinha que admitir até que ela era inteligente.

-Será que agora podemos saber o que tá acontecendo? Meus dois neurônios não estão conseguindo processar o que tá acontecendo. -Kaminari falou.

-Eu que não to entendendo merda nenhuma, o que essa garota tá fazendo aqui? -falei apontando para Kendou que dormia serena nos braços de Momo.

-Explicamos melhor depois, por agora melhor levarmos ela para algum lugar. -Momo falou olhando para a ruiva.

-Vamos coloca-la no quarto de hóspedes! -Mina falou

-Melhor nas celas. -falei e todo mundo me olhou com uma cara de repreensão. -que foi? Se la for no quarto de hóspedes pode querer fugir e nunca vai nos escutar, agora na sala não tem para onde fugir, ou escuta e cala boca e tenta entender meu lado, ou fica lá pra sempre.

-É ele tem razão. -Sero falou e Momo olhou para Kendo de novo a analisando.

-É você tem razão, melhor nas celas.

*

*

*

-Ela chegou aqui toda brava procurando você Bakugou, mas de cara a gente não entendeu que era você de quem ela falava. -Jirou começou a falar.

-A gente falou para ela se acalmar um pouco porque a gente não conhecia o tal “monstro” e então ficamos conversando até que vocês chegaram e...bem já sabe. -Kaminari completou.

-Ela acabou discutindo com a Yaomomo também, mas depois ficou tudo bem entre elas eu acho. -Mina olhou para Yaoyorozu que fez “sim” com a cabeça.

-Perai vocês discutiram porque? -Kirishima perguntou olhando para Momo.

-Depois falamos sobre isso tá?

-Mas e você Kirishima? Não ia ficar lá na sua casa não? -Kaminari perguntou.

-Ia, mas aconteceu algumas coisas...

Contamos tudo o que aconteceu e eles nos olharam surpresos, contei minha parte da história e de o que realmente tinha acontecido com o senhor Kendo e eles não duvidaram de mim como esperado, exceto Momo que ficou um tempo me olhando, parecendo que estava me analisando para ver se eu realmente estava falando a verdade ou não.

-Ah Kiri, não acredito que você fez eu chorar atoa! -Mina falou se levantando e colocando um braço em volta de Kirishima juntamente de Kaminari, logo Sero se aproximou deles e falou algo que fez os três rirem, cruzei os braços enquanto mordia os lábios para não escapar um sorriso.

Eu odiava admitir aquilo, mas eu tinha sentido falta desses idiotas.

-Bakugou. -Jirou falou se aproximando. -Você tá realmente bem?

A pergunta me surpreendeu.

-É claro que eu estou bem!

-Tem certeza? -ela insitiu.

-Porque tá me perguntando isso se eu já disse que tô bem?

-Porque de acordo com você, você viu o corpo do tal do senhor Kendo e...eu sei que te lembrou...aquilo. -Jirou desviou o olhar para o chão e eu entendi o que ela queria dizer.

Na época que o acidente aconteceu, ela foi a primeira pessoa com quem eu desabafei e desde então ela sempre fica de olho quando algum acidente acontece já que isso me da alguns gatilhos, mas isso melhorou muito em comparação com antigamente.

-Eu estou bem. -falo novamente e ela decide não perguntar mais nada se afastando e indo falar com os outros.

Um tempo se passou e fomos ir ver como Kendo estava, apenas eu e Momo fomos lá, Kirishima queria ir também, mas a rabo de cavalo falou que já que ela estava com raiva de nós dois, ela não ia querer escutar, mas se fosse apenas um, talvez havia a possibilidade de ela querer escutar.

-Teve mais algum avanço? -perguntei tentando esconder minha curiosidade.

-Sim, mas falamos disso mais tarde, por agora precisamos resolver um problema primeiro. -ela fala se referindo a Kendo, o que ela tinha descoberto? Será que finalmente havia descoberto como reverter a magia?

-Deixa de frescura e fala logo cacete! -falo sem paciência.

-Parece que você gosta de falar palavrão em. -ela comenta.

-Foda-se?

-Eu já disse, vamos resolver um problema primeiro ok? -Momo fala decidida e eu decido não discutir.

-Mas porque você se importa tanto com essa Kendo? -pergunto curioso, era só deixar aquela garota na cela para sempre e pronto problema resolvido, mas não, a gente tinha que fazer ela entender a verdade, seria fácil se ela não fosse teimosa pra caralho.

-Primeiro, porque ela é uma amiga muito querida minha e eu quero que ela saiba a verdade do que aconteceu com o pai dela, segundo porque trazer ela para nosso lado novamente, vai nos trazer muitos benefícios. -Yaoyorozu fala colocando a mão no queixo.

-Que tipo de benefícios?

-Ela é ótima em lutas individuais, sei que você não deve ter dificuldade nenhuma nisso já que você sempre foi treinado desde pequeno, mas Kirishima e os outros não sabem o básico, sinto que logo, logo precisaremos lutar e eu, você e Kendo protegendo os outros vai ser impossível termos alguma vantagem. -a morena fala me deixando mais confuso do que já estava, que merda ela estava falando? Lutar para que? A magia já estava quase extinta mesmo e nenhum humano tinha coragem de entrar no castelo e mesmo que viessem eu sei que derrubaria uns dez sozinho na minha forma de lobo.

-Lutar para que porra?

-Não é como se você fosse entender mesmo...-ela fala indo na frente e me deixando para trás sozinho, se ela estava falando de luta é porque ela sabia de algo certo? Mas eu não ia perder meu tempo tentando interroga-la para saber o que aconteceria.

Chegamos aonde a ruiva estava e ela estava sentada de costas para gente, quando percebeu que estávamos lá ela se vira e se levanta bruscamente.

-Momo, porque está junto dele?! Ele matou meu pai! -Kendo falou desesperada e Momo suspirou.

-Kendou, ele não matou seu pai, se você ouvir o lado dele. -a morena falou se aproximando.

-Não! Eu não quero ouvir! Eu vi com meus próprios olhos, Yaomomo...eu não esperava que você tentaria defender um monstro igual ele! -Kendo falou se afastando da cela e virando de costas para a gente.

-Você sempre tenta ouvir os dois lados não é? Então ouça o lado dele, confia em mim, seu pai era alguém muito importante para mim, saber que ele morreu é um choque enorme para mim e eu não confiaria nele se ele tivesse matado o senhor Kendo...

Kendo se virou e então olhou para mim, seu olhar não estava mais tão cheio de fúria como antes, ao invés disso ela só estava séria esperando que eu falasse algo.

-Conte seu lado da história então Bakugou, mas lembre-se, estou fazendo isso por que confio na Yaoyorozu, não em você. -finalmente aquela garota teimosa deixou eu falar, contei o meu lado da historia, falando detalhes que eu achava importante, ela escutava atentamente e quando eu parava para ver o que ela ia falar, a garota apenas mexia a cabeça na intenção de falar para eu prosseguir com o que eu falava, assim que terminei de falar ela apenas riu com sarcasmo.

-Você acha mesmo que eu vou acreditar numa história ridícula dessas? -sem mais paciência para aquilo tudo fui até a cela e segurei as grades com violência.

-Olha aqui caralho, eu tô falando a verdade, se você não quer acreditar em mim o problema é seu! Não meu. -antes que eu falasse mais algumas coisas Momo colocou a mão no meu ombro e eu me afastei de seu toque.

-Kendo, eu sinto muito pelo seu pai e sei que você pode estar furiosa comigo, mas eu não vejo motivos para não confiar no Bakugou e ele já mostrou o quanto é confiável. -ela falou calmamente e a outra ficou em silêncio por um tempo até que ela respirou fundo.

-Eu posso dar uma chance para ele. -ela fala calma e eu tenho vontade de falar: “finalmente porra!” mas não falo isso e apenas viro de costas e saio, ouço Momo abrir a cela e Kendo sair, não era porque ela falou que confiaria em mim, que eu confiaria nela, por isso estava atento a cada movimento dela, inclusive ficaria com o arco dela para o caso de ela endoidar e tentar me matar novamente.

O dia se passou bem até, e a noite também, Kendo não tentou me atacar nenhuma vez o que para mim era um milagre, ela também não falou muito comigo, mas eu não me importei nem um pouco e não era só ela que estava me evitando, Kirishima também, ele não foi no lago quando eu fui a noite, o que eu achei estranho já que ele sempre vinha me incomodar, olhei para os lados também a procura de algum vulto que indicasse que talvez ele estava me espionando e não querendo se aproximar, mas nada o lugar estava silencioso e não ouvi nada além da água que fazia barulho quando eu me mexia.

Aproveitei meu tempo sozinho, pelo menos aquilo era bom...sem o ruivo me enchendo de perguntas ou falando sobre ele mesmo, assim eu poderia aproveitar o silêncio...quem eu estava querendo enganar? Aquele silêncio se tornou um incômodo desde que eu havia me acostumado com o ruivo no meu pé, mas eu não podia fazer nada, se ele estava se afastando é porque começou a enjoar de mim como os outros, era sempre a mesma merda que eu acabei me acostumando.



-Makoto que porra é essa? -me afastei rapidamente do beijo, quem ela pensava que era para me dar um beijo assim do nada?

-Desculpa, mas eu não consegui resistir...você é tão lindo. -ela se aproximou passando a mão pelo meu rosto e eu me afastei rapidamente, eu não a via daquela forma e eu não queria me envolver no amor novamente.

-Eu não posso...tem uma pessoa que eu ainda não superei...-fui sincero, eu sabia que não a veria novamente depois daquele dia então foda-se eu seria sincero com alguém que mal conhecia pela primeira vez depois de muito tempo.

-Ah...-ela olhou para algo atrás de mim e olhei para trás, mas não enxerguei ninguém perto da porta, olhei novamente para Makoto que agora encarava o chão com uma expressão de culpa, decidi que não iria querer entender aquilo e voltamos a falar sobre magia.



Foi desde daquele momento que o ruivo começou a agir estranho...será que a Makoto falou algo...?

Tentei raciocinar enquanto olhava as flores que brilhavam fortemente, e cheguei a conclusão que Makoto falou algo para Kirishima, mas o que ela poderia ter dito?

Puta merda, será que ela achou que a pessoa que eu ainda não tinha superado era ele e abriu a boca pra falar pra ele isso? E o ruivo começou a agir estranho porque acha que eu tenho uma queda por ele? Bem aquilo fazia sentido e me deixou puto era por isso que eu não era sincero com pessoas que eu não conhecia, nunca se sabe se a pessoa vai usar aquilo contra você e a pior coisa além disso era desabafar para um fofoqueiro e no caso tive a grande sorte de ser sincero com uma fofoqueira de merda.

Eu iria esclarecer as coisas para que Kirishima não tirasse conclusões precipitadas, lembrando que eu só estou fazendo isso porque eu não quero que o ruivo pense que gosto dele! E não estou fazendo isso só porque sinto falta dele enchendo meu saco e não desgrudando de mim como se estivesse colado em mim, nada disso.

Sai do lago e vesti minhas roupas indo para o castelo logo em seguida, falaria com ele assim que desse e em um lugar onde ninguém ouviria.

°

°

°

Senti algo se aproximar e abri meus olhos assustado, por reflexo desviei de uma faca que voava na minha direção, Kendo estava lá dentro do meu quarto enquanto olhava assustada para mim ao perceber o erro que havia cometido, aquela desgraçada tentou me matar enquanto eu dormia! Cerrei meus dentes e rosnei para ela, fui em sua direção e ela saiu correndo, eu havia acabado de acordar e provavelmente ainda estava de madrugada, minha cabeça girava, quando eu acordava precisava de pelo menos 10 minutos para associar que eu finalmente havia acordado, agora ali, eu havia acordado do nada e por sorte desviado de uma faca.

No momento estava correndo atrás de uma garota que parecia assustada e pegava qualquer objeto que estava no seu caminho para jogar em mim, obviamente isso acordou todo mundo com o barulho alto e foram ver o que era, mas eu estava focado em persegui-la, ela ia se arrepender de tentar me matar as três, quatro...sei lá que horas eram da madrugada!

Ela correu para dentro da floresta e por causa da escuridão acabei perdendo ela de vista, caminhei discretamente enquanto olhava em volta tomando cuidado para não ser pego desprevinido, se passou um tempo e eu estava quase desistindo de persegui-la quando ouvi um barulho na floresta.

Fui discretamente tomando cuidado para não fazer nenhum movimento brusco e não chamar atenção para mim, quando consegui me aproximar e ver melhor o que estava acontecendo, vi Kendou e os outros caçadores, consegui reconhecer os caçadores, um deles foi o que atirou no pai da ruiva, fiquei analisando para poder agir se algo saísse do controle.

-Ah mas que sorte! Finalmente te encontrei Natsuko! O monstro que matou meu pai está próximo daqui, em um castelo venham que eu guio vocês. -ela falou abraçando o tal de Natsuko, olhei com desgosto para o homem que a abraçou carinhosamente, mas logo a empurrou para longe dela, Kendo ficou confusa e logo foi cercada pelos outros caçadores.

-Kendo...finalmente posso acabar com a linhagem Kendo...-Natsuko falava baixo em vitória e eu cerrei os dentes.

-O que? Do que você está falando Natsuko?

Ele se aproximou enquanto pegava o queixo da menina, ele sorriu perverso e então se afastou virando de costas para ela, ele colocou a mão no bolso e de lá tirou uma arma apontando para a ruiva.

-Eu matei seu pai, mas como você é ingênua e burra não descobriu que fui eu, antes de te matar quero finalmente desabafar e falar meus motivos, eu matei todos da sua familia, um por um, a família Kendo fez coisas terríveis para minha família e quando descobri que a vila onde minha família cresceu e viveu estava sendo liderada por um Kendo eu não pude deixar de ficar bravo e decepcionado, mas agora finalmente toda essa frustração vai se acabar e poderei finalmente viver em paz. -Natsuko falou orgulhoso.

-O que minha...família fez...de tão ruim? -Kendo perguntou, era nítido no seu rosto que ela estava tentando não surtar e chorar ali, também era nítido que ela estava com a cabeça cheia de pensamentos e sentimentos.

-Eles precisavam de terreno e minha família teve o azar da sua família passar pela minha, eles invadiram, roubaram, mataram e dizimaram cada um da minha família, no fim eu fui o único sobrevivente, com medo sai de lá e quando estava maior e voltei lá, percebi que havia se transformado em uma vila que estava sendo liderada pelos Kendo...mas isso não importa mais últimas palavras? -ele falou pronto para apertar o gatilho e eu estava pronto para agir, eu não iria deixar outra pessoa morrer na minha frente respirei fundo e olhei analisando quando podia intervir.

Kendo ficou quieta e Natsuko não esperando mais apertou o gatilho, mas dessa vez eu não deixei outra pessoa morrer, fui para cima de Kendo tomando cuidado para não machuca-la, abri meus olhos e Kendo estava sem expressão enquanto me olhava, sentia a dor em seus olhos, sai de cima dela e olhei para os caçadores, para minha sorte o único que parecia bem armado era Natsuko, ataquei um por um dos caçadores, alguns acabaram se machucando feio pois resistiram e outros não se machucaram tanto, já outros fugiram de medo, eu sabia que não iria conseguir sozinho, até que por sorte outros lobos apareceram, o problema era que eles poderiam me atacar e atacar Kendo a qualquer momento, resolvi deixar o trabalho para aqueles lobos e fui até Kendo indicando para que ela subisse nas minhas costas, a ruiva me olhou ainda sem expressão.

-Porque está me ajudando? Eu tentei te matar duas vezes, me deixe aqui para ser devorada pelos lobos ou talvez seja morta pelo Natsuko. -revirei meus olhos e rosnei, sei que o choque era grande, mas não era hora para aquilo caralho!

Sem paciência mordi sua blusa sem machuca-la e sai correndo, até que ela entendeu que eu não a deixaria e falou para eu parar, parei para ela subir em cima de mim e então fomos correndo de volta para o castelo, olhei de lado e pude ver de longe Natsuko sendo devorado por um dos lobos enquanto os outros devoravam os outros caçadores, era uma pena para Natsuko ter tido sua família sendo morta e não tido conseguido sua vingança, mas a vida era assim e agora, naquele momento Kendo era mais importante para mim do que ele, agora que ela finalmente havia entendido, talvez ela pudesse treinar aqueles idiotas e a rabo de cavalo poderia me explicar que luta ela estava falando. 

Chegando no castelo eu estava cansado e Kendo parecia pior, deitei na grama enquanto via o sol começar a querer aparecer, senti minhas pernas e braços voltarem lentamente a forma humana, olhei para cima e percebi Kendo de joelhos enquanto chorava desesperadamente, os outros se aproximaram, Kirishima e Momo vinham correndo e a abraçaram sem hesitar, a ruiva os abraçou e continuou a chorar, os outros se aproximaram lentamente enquanto a abraçavam também.

Olhei para frente enquanto fechei os olhos e respirava fundo, ela finalmente teria entendido?

°

°

°

Duas semanas depois.

Duas semanas se passaram, na primeira semana Kendo quase não saia do quarto, Kirishima e Momo eram os que mais a visitavam, conforme os dias se passavam ela ficava menos depressiva e saia do quarto mais vezes, tinha alguns dias que ela até puxava assunto, já na segunda semana ela se soltou mais e conversou melhor com a gente, não tocavamos no assunto de seu pai ou o que havia acontecido aquele dia, a única vez que tocamos no assunto foi quando ela se desculpou.

Os únicos que decidimos que poderia falar sobre aquilo com ela eram Kirishima e Yaoyorozu, tirando eles mais ninguém poderia tocar no assunto.

Agora eu estava no lago, mas não dentro pois o tempo começava a esfriar e eu sabia que o inverno viria a poucos dias e eu não queria ficar resfriado, senti uma ventania e me agachei tocando a água, ela estava gelada demais não tinha como nadar naquilo, decidi que ficaria na beirada olhando para as flores que se mexiam com o vento.

Eu havia desistido de procurar um sinal de que Kirishima estava por aqui , eu sabia que ele não estava e desde do ocorrido estava sendo difícil achar um momento para resolver aquele mal entendido.

E sempre que tentava falar com ele, o ruivo falava que precisava falar com Kendo, a desculpa perfeita...

Senti um movimento atrás de mim e me virei, notando o ruivo que se aproximava com as mãos em volta dele na tentativa de se aquecer.

-Finalmente apareceu em. -brinquei escondendo minha surpresa por vê-lo ali.

-Desculpa atrapalhar, só vim porque eu estava em dúvida se você nadaria ou não num tempo desses e como não sabia, tive que vim aqui ver com meus próprios olhos. -ele falou desviando o olhar para o chão.

-Eu não sou louco de nadar numa água dessas. -o ruivo se agachou do meu lado.

-Está tão gelado assim? -sorri de lado.

-Quer descobrir? -falei e ele me olhou com os olhos arregalados.

-Não se atreva a fazer isso bro...-deixei um risada anasalada escapar.

-Eu não vou te jogar na água fica tranquilo. -Kirishima relaxou do meu lado de novo e então joguei um pouco de água nele o fazendo cair para trás.

-Tá muito gelado! Isso é maldade Bakugou! -ele falou passando a mão por onde a água respingou e eu ri cara dele.

-Kirishima. -falei sério e o ruivo se levantou e ficou como estava antes me olhando atentamente.

-Sim?

-Eu preciso te falar algo. -falei olhando para a água e não notei que o ruivo estava com o rosto começando a avermelhar, eu também não sabia que seu coração batia rapido na esperança de eu falar algo específico.

-P-pode falar Bakugou.

-Eu não sei que porra a Makoto falou, mas eu preciso acabar com esse mal entendido. -olhei para o rosto de Kirishima.

Autora Pov.

O coração do ruivo estava acelerado, ele batia fortemente em seu peito, principalmente depois de receber aquele olhar de Bakugou.

-Eu não sei que porra a Makoto falou, mas eu preciso acabar com esse mal entendido.

Mal entendido? Kirishima pensava confuso, Makoto falou algo para ele? Sim, Makoto havia lhe falado que ela havia beijado Bakugou, mas que ele se afastou falando que não havia superado alguém.  

Kirishima prendeu a respiração, será que esse alguém na verdade era ele e Bakugou estava com medo de revelar seus verdadeiros sentimentos?

A mente de Kirishima trabalhava rapidamente pensando em cada possibilidade, mas o ruivo querendo ou não focava na cena de Bakugou lhe falando que o amava também e tinha medo de contar seus verdadeiros sentimentos e então Kirishima o olhava e falava que ele não precisava ter medo porque...

-Kirishima? -Bakugou repetiu olhando para o ruivo preocupado, o loiro achava que falou algo errado já que Kirishima nem ao menos piscava enquanto olhava para algo, mas ao mesmo tempo não olhava para nada.

Kirishima balançou a cabeça saindo do seu transe.

-Eu não ouvi pode repetir?

-Eu falei que não é para você se preocupar e que não é para acreditar nas besteiras que Makoto falou para você, eu não queria admitir e odeio admitir isso, mas sua amizade é algo que...se tornou importante para mim e eu não quero que isso acabe por você achar que eu gosto de você, eu não gosto de você Kirishima, então se você se afastou de mim por causa disso, pode ficar tranquilo tá? -Bakugou falou novamente olhando para Kirishima que no momento tentava processar o que ouvia.

Para a infelicidade do ruivo, não era o que ele queria ouvir, muito pelo contrário era a última coisa que ele queria ouvir e lá estava ele sendo rejeitado indiretamente, mas não é como ele já não soubesse a resposta, já estava estampado bem na cara dele que ele ia ser rejeitado, apenas o ruivo queria negar isso.

-A-ah...b-bem...não tem problema...na verdade não foi nada disso...é que...eu acabei me afastando sem querer e não percebi estava tão preocupado com Kendo, me desculpa Bakugou. -Kirishima falou olhando para o chão e depois olhando para Bakugou de volta e lhe dando um sorriso.

-Então tá. -Bakugou falou desviando o olhar, mas dentro dele, o loiro comemorava de Kirishima não ter enjoado dele e continuado a amizade.

-Então quer dizer que você gosta da minha amizade em? -Kirishima cutucou ele com o cotovelo e Bakugou revirou os olhos.

-Olha aqui, eu só falei aquilo sem pensar, não fique se achando. -Katsuki riu baixinho cruzando os braços.

-Ah claro, claro vou acreditar nisso. -Kirishima se levantou. -Eu vou indo, que bom que...nos acertamos...-ele sorriu novamente e saiu de lá, suas suposições estavam certas, Bakugou não sentia nada além de amizade, bem pelo menos agora ele sabia que Katsuki gostava da amizade dele...

Enquanto isso Bakugou olhou para o chão, pensando se falou algo errado já que não esperava aquela reação vinda do ruivo.. .

O importante era que agora eles haviam se resolvido, sem nada mais para fazer lá, Bakugou se levantou e caminhou para dentro do castelo enquanto sentia os pequenos flocos de neve caírem, parece que o inverno tinha vindo mais cedo do que o esperado.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...