História Before - Capítulo 81


Escrita por:

Postado
Categorias As Crônicas De Gelo e Fogo (Game of Thrones)
Personagens Arya Stark, Cersei Lannister, Daenerys Targaryen, Jaime Lannister, Jon Snow, Sansa Stark, Tyrion Lannister
Tags Daenerys, Dragões, Grande Guerra, Jon, Jonerys, Rei Da Noite, Stark, Targaryen
Visualizações 147
Palavras 1.917
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Magia
Avisos: Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hellooooooooo galerooooo ❤️❤️ que saudade eu estava de vocês, me perdoem por ter sumido assim, precisava resolver algumas coisas e acabei deixando vocês na mão! Não farei mais isto, prometo. Quero agradecer aos novos leitores que apareceram, aos meus lindos leitores que estão comigo desde o começo, vocês são maravilhosos e meu coração é como o de mãe, sempre cabe mais e mais. Boa leitura e espero que gostem do capítulo. Obs: Galerooooo, eu excluí o capítulo anterior que era igual a este, tive uma outra ideia é decidi que seria melhor reescreve-lo, espero que curtam.

Capítulo 81 - Inocente


Fanfic / Fanfiction Before - Capítulo 81 - Inocente

Arya

Estavam reunidos em uma hospedaria, Sandor e Yara discutiram sobre algo, que ela não fazia questão em saber. Pensava nos irmãos, em Daenerys e na criança que ela esperava, seu sobrinho. Não conseguia tirar de sua cabeça quando achou o irmão no estado que estava, machucado e quase inconsciente.

Vê-lo daquela maneira só a fez pensar se a decisão que tomara fora a certa, deveria estar junto de sua família, os protegendo, talvez se estivesse com eles, Jon não teria sido capturado e sofrido na mão daqueles malditos. Sabia que só ela conseguiria por fim em Cersei, "mas será que aquele era o momento certo?", pensou encarando o copo com vinho.

- Está triste assim por que brigou com o bastardo Baratheon? - Sandor a provocou rindo.

- Deixe-a Cleagane, o amor é para ser sofrido a sós. - Yara virava o copo de uma vez. - Qual vai ser o plano? Estamos aqui a semanas e não decidimos nada.

- Quero sair logo dessa merda de cidade, está pior do que antes, além do fedor de bosta, a morte paira por tudo. - O Perdigueiro estava certo, King's Landing estava em ruínas, o inverno chegara e a cidade estava sucumbindo a fome e a pobreza. O que era antes uma rua repleta de comerciantes, hoje era repleta por pedintes magricelas e doentes.

- Entraremos na Fortaleza Vermelha! - Falou com uma suavidade, como se fosse simples e para ela seria, os outros a olharam como se tivesse perdido o juízo.

- Está louca ou o vinho está fazendo efeito. - Sandor falou. - Não sei se percebeu, mas a cidade está repleta de guardas e de mercenários da Companhia Dourada, são assassinos que matam sem pestanejar.

- Diferente de você, eu presto atenção ao meu redor, aqueles dois guardas sentados a sua esquerda, estavam falando sobre o cortejo real que Cersei fará para o novo herdeiro. - Ela tomou mais um gole do vinho. - Este será o melhor momento para entrarmos.

- E você acha que ninguém reconhecerá essa sua cara comprida, nem a minha ou da Greyjoy?! - O homem continuava descordando.

- Ele está certo Arya, a essa altura Euron deve ter mandado irem atrás tanto de mim como de Theon. - Yara se pronunciou.

- Vocês vão ficar do lado de fora, a espreita, não arriscarei que os vejam. Caso aconteça alguma coisa, fugam para Pedra do Dragão sem exitar.

- Você está perdendo o juízo?! Não a deixarei aqui! - Sandor a surpreendeu com a resposta, jamais poderia imaginar que ele teria aquela reação. Tanto ela como Yara o encaravam perplexas, percebendo a reação de ambas, ele se recompôs. - Seu irmão e a rainha me matariam se algo acontecer a você.

- Eles estão ciente dos ricos, estou aqui para os ajudar também e eu tenho um plano, eles não vão me reconhecer. - Olhou para a bolsa em seu colo, ali está os rostos que guardava, ainda tinha o rosto de uma das criadas de Walder Frey, o mesmo que usou quando o matou. Poderia entrar na Fortaleza como uma criada e ninguém imaginaria que seria ela.

- Mesmo assim, é perigoso!

- Se está com medo fique, pois eu me vinguarei por tudo o que aquela maldita vez com a minha família! Todos aqui temos motivos para isso. - Tomou um último gole do vinho.

- Eu a seguirei. - Yara fez o mesmo e se levantou. - Matarei Euron com as minhas próprias mãos!

- Se isso significar que não precisarei mais voltar pra essa merda de cidade, eu aceito! - Ergueu o copo, tomando o vinho de uma vez só, deixando-o escorrer por sua barba.

Se retiraram a hospedaria, não sabendo se era dia ou noite, o céu sempre estava escuro e uma ventania forte os rondava. Foram em direção aos esgotos, seria por lá que entrariam, na medida que andavam, viam pessoas tentando beber a pouca água que corria pela valeta. Sentiu um aperto por ver algumas crianças também, pagavam o preço pela rainha que mais pensava em si do que no seu povo.

Encontrou a passagem que daria para os crânios dos temidos dragões Targaryen. Se lembrou da primeira vez que os vira, de como pensou que estariam a olhando e que a qualquer momento poderiam pegá-la e de seu pai lhe falando que não existira mais dragões. Se estivesse vivo se surpreenderia com os de Daenerys. Pensou no que seu pai diria se estivesse vivo, o que faria perante tudo o que estava acontecendo, talvez diria que sempre avisara que o inverno chegaria e que estava certo.

Apenas a luz de uma única tocha os iluminava.

- Esperem, preciso me arrumar. - Ela pegou sua bolsa e se posicionou atrás de uma parede, dos vários rostos que tinha ali, escolhou o que usou quando matou Walder, era o rosto que mais a deixava imperceptível. Suspirou ao olhá-lo, aquela era a vida que tinha escolhido e não estava arrependida, daquela forma conseguiria se vingar daqueles que lhe fizeram mal, daqueles que destruíram sua família. Colocou o rosto em cima do seu próprio, não saberia como explicar, como se estivesse dentro de outra pessoa, como se não fosse mais ela. Arqueou o corpo, passou um lenço por seu cabelo e se dirigiu para aonde os outros a esperavam.

- Pelos Deuses! - Sandor se levantou, a olhando assustado. - Que porra é essa?

- Ainda sou eu! - Sua voz também estava diferente. - Esse é o único jeito de entrar.

- Arya... - Yara também a encarava assustada. - Como isso é possível?

- Nem eu saberia como explicar. - Ela lhe lançou um sorriso sem graça. - Vocês ficaram aqui me esperando.

- O combinado é que ficaríamos te esperando na Fortaleza. - Sandor se recompunha aos poucos.

- Pois então, mudei de idéia. Será melhor que fiquem aqui, quanto menos alardes, melhor. - Escondeu a adaga de aço Valiriano que Bran lhe dera. - Se algo acontecer, me prometam que irão para Pedra do Dragão.

- Arya... - Yara fora a primeira.

- Sim, por favor, estarão seguros com Daenerys e conseguirão alertá-los sobre o que os espera aqui. - Arya estendeu a mão, a outra a apertou com força e pôde ver o pesar e a preocupação. Haviam se conhecido a pouco tempo, mas construíram uma amizade e sabia que poderia confiar nela.

- Se algo acontecer, não vou me perdoar. - Sandor falou ao fundo. - Você foi o mais próximo que poderia ter de uma filha e se algo te acontecer...

- Nada vai acontecer. - Ela se aproximou dele. - Isto é apenas uma precaução, eu vou voltar.

E para sua surpresa, ele a abraçou, por um momento prendeu a respiração, não sabia qual reação ter, então, retribuiu o abraço. Aprendera muito com o tempo passado junto dele, antigamente diria que seria impossível ela adquirir algum sentimento ou carinho por aquele homem, mas estaria mentindo, ele também fora para ela a figura mais próxima de um pai, depois que o seu morrera.

- Não saiam daqui! - Fora a última coisa que dissera após sair, faria o mesmo caminho da última vez que escutara o plano para a morte de seu pai.

Tomou o caminho para a cozinha, seu disfarce cairia bem estando alí.

- Menina! - A voz de uma senhora a assustou, "estaria falando com ela?". Decidiu se virar. - O que está fazendo parada aí?! Estamos cheios de afazeres, está acontecendo um grande cortejo para o príncipe e você atoa? Trate de organizar as taças e a prataria!

A velha roliça jogou os panos em seus braços, a arrastando pelos ombros até a cozinha. Estava uma loucura, cozinheiros de um lado para o outro finalizando os diversos assados e especiarias, barris e mais barris de vinho espalhados e diversas pessoas entrando e saindo. Ficaria ali por um tempo, para não desconfiarem, esperaria o momento certo para se dirigir aos aposentos reais.

Pegou algumas taças, passando de qualquer jeito o pano nelas, em uma tentativa falha de polilas.

- Quanta demora! - Um homem surgiu, não se atreveu a se virar para aonde estava, o reconheceu sem ao menos vê-lo. Incompetentes, esta é uma festa para o herdeiro, não para um simples bastardo.

Sua gargalhada ecoava pela cozinha e pôde ver o desconforto dos demais ao tê-lo ali. Seus passos se aproximavam de onde ela estava, dava para ela sentir o cheiro de vinho que aquele homem exalava.

- Mas o que temos aqui?! Você deve ser nova. - Ele parou atrás dela. - Eu me lembraria de você se a tivesse visto.

Prendeu a respiração, se pudesse o mataria naquele momento. As mãos dele pararam em sua cintura e começaram a passear pela lateral de seu corpo, foram para os seus seios e rapidamente para sua barriga.

- Gostosa! - Ele sussurrou em sua orelha. - Quando isto acabar, quero você em meus aposentos.

Arya engoliu em seco, Euron era um homem desprezível, quebraria suas mãos assim que tivesse a oportunidade, mesmo que Yara o quisesse intacto. Se retirou a passos largos, com um cacho de uva em mãos, sorrindo para ela.

Todos voltaram a correr com os últimos preparativos, aquela era sua deixa, largou o pano e a taça, se dirigindo para o corredor que dava aos aposentos. Não mudara nada desde a última vez que estivera na Fortaleza. O mesmo opaco e infeliz lugar. Os corredores estavam escuros, iluminados apenas com algumas tochas nas paredes.

Chegou com rapidez ao seu destino, estranhou ao ver que a grande porta do aposento estava meio aberta e que dois guardas reais estavam caídos, alguma coisa acontecera. O grunhido alto de uma criança recém nascida a fez despertar, um movimento estranho na porta a fez se esconder em uma das frestas da parede, uma pessoa encapuzada passou correndo com uma criança em seus braços, não a vira, estava com muita pressa para nota-lá.

Não pensou muito, o seguiu sem emitir um simples som, percebeu que era um homem por sua estatura e que aquele era o pequeno príncipe. Ele fazia o caminho contrário do que Arya acabara de fazer, estava indo para os esgotos do castelo. Pensou em desembanhar a adaga, mas faria barulho e um simples som que fosse emitido, o homem a veria.

Sabia o que ele tinha em mente, daria um fim na criança. Sentiu o mal cheiro, estavam se aproximando do lugar, o homem parou, colocando a criança no chão, está se mexia inquieta, Arya se manteve escondida, o vendo puxar uma adaga se sua capa. Puxou a adaga da traseira de seu vestido, mesmo com a pouca luz, o aço brilhou. O outro se agachou ao lado do pequeno, pronto para proferir o golpe, a garota fora mais rápida, se aproximou e como um suspiro, cortou o pescoço do homem, fazendo seu corpo pender em seus braços. O largou, limpando o sangue em sua capa, tirou na esperança de ver um rosto conhecido, mas o desgraçado era algum homem comum, um mercenário contratado. A criança aos berros despertou Arya de seus devaneios.

Não fazia ideia do que fazer, o pegou do chão e se impressionou ao vê-lo, ele era diferente, pequeno e frágil, os finos cabelos em sua cabeça eram louros, mas o que despertou sua atenção foram as pernas, eram atrofiadas, a criança era como Tyrion.

Por mais que quisesse se vingar de Cersei, não faria aquilo usando um inocente e não poderia deixa-lo para morrer, antes que tomasse qualquer decisão, o levaria para os outros decidirem junto dela, não derramaria o sangue de mais um inocente.


Notas Finais


Não esqueçam de comentar, dar sugestões, opiniões, me falem o que estão achando, o que estão esperando e o que querem!
P.s.: Este capítulo da Arya, foram um dos mais difíceis que já escrevi, precisei pensar muito no que faria e de qual atitude ela tomaria perante a isto. Postarei outro capítulo hoje mesmo, vou finalizá-lo e já postarei. Muito obrigada e até o próximo ❤️😽


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...