1. Spirit Fanfics >
  2. Before I Leave >
  3. Os Sagrados Vinte e Oito

História Before I Leave - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Olá.

Capítulo 10 - Os Sagrados Vinte e Oito


Fanfic / Fanfiction Before I Leave - Capítulo 10 - Os Sagrados Vinte e Oito

O hall de entrada da mansão estava com várias pessoas bem arrumadas que andavam com taças de champanhe de um lado para o outro. O mesmo elfo que abriu a porta levou nossas malas para o quarto. Achei estranho a presença do elfo, já que não é algo fácil de se conseguir e o ultimo elfo dos Malfoy tinha sido liberto anos atrás pelo Potter. Andávamos desajeitadamente pelo salão animosamente cheio, quando um homem de meia idade bem vestido e  com logos cabelos platinados veio em nossa direção sorridente. 

- Henri Greengrass- Lucius Malfoy abre o os braços para cumprimentar com meu pai e eles  se abraçam dando batidinhas nas costas um do outro - Senhora, Senhorita- ele diz beijando nossa mão - Como estão? - Malfoy pergunta e minha mãe começa a falar várias coisas que não presto atenção. Eles começam a rir quando o elfo nos oferece três taças de champanhe. Eu ainda não tinha idade para beber álcool, mas meus pais não ligavam, desde que eu não ficasse bêbada. 

- Narcissa, Draco venham aqui - Lucius os chama e logo a Senhora Malfoy, que estava com deslumbrante vestido preto de manga comprida, desce as escadas acompanhada do filho.

Eles nos cumprimentam formalmente. Quando Draco se aproxima de mim. Ele estava devidamente elegante em seu terno preto assim com o de seu pai.

 - Boa noite,Greengrass - ele fala e sinto o olhar dos meus pais pairar sob a gente. 

- Todos enturmados, Henri vamos tomar um wisk no meu escritório. Comprei um escocês que foi caríssimo - ele diz levando meu pai até a sala do outro lado. 

 - Vamos um ar - Draco diz me estendendo o braço e saímos da sala. 

Atravessamos a casa que ainda estava com a decoração de Natal. Draco acenava para um ou outro que encontrávamos no caminho.  Ele abriu uma porta que dava para o jardim dos fundos e me deu o seu casaco por causa do frio. Agradeço enquanto ele ajuda a me vestir. Continuamos caminhando pelo jardim até chegarmos em um lugar longe de todos. 

- Gostou dos presentes?- ele peguenta e eu apoio meu pé em cima do banco de pedra que estava no canto ao nosso lado. Começo a levantar saia do meu vestido até a jóia brilhante aparecer.

- Então você gostou? - ele diz sorrindo maliciosamente e depois começa a beijar minha perna até parar no joelho. Um arrepio percorre o meu corpo. Draco que jogo é esse? Nos sentamos no banco e ele continua me beijando só que dessa vez na boca.

- Vamos guardar para mais tarde - digo me levantando. 

 - Haverá um “mais tarde”? - ele pergunta animado e da um tapinha na minha bunda antes de se levantar. 

Voltamos a caminhar pela propriedade fazendo o caminho inverso da ida, quando vejo Dafne se aproximando com um vestido rosa que ia até o joelho. Ela estava com uma taça de champanhe em uma das suas mãos. Draco nos deixa a sós dizendo que vai procurar a mãe e some entre os convidados. Ficamos conversando e beliscando alguns petiscos que estavam na mesa, quando vemos Pensy de longe falando com seus pais. 

 - Até aqui !!! - Dafne comenta impaciente. 

-Nos meus sonhos ela não vinha. - digo bebendo um pouco - Pelo menos ela não vai ficar para a noite. - acrescento.

- Olha ela !!! Toda vip - Dafne diz exaltada e nos rimos, o que atraiu a atenção de Parkinson, que começou a caminhar em nossa direção. - Vai atrás do Draco, eu cuido dessa maluca - Dafne diz me empurrando levemente para o lado. “ Pensy, querida “ escuto Dafne falar com desdém atrás de mim. Ela é uma figura. Não queria que ela ficasse sozinha, já que Astoria não foi convidada para a festa por seu pai ter “abandonado a causa”, mas Dafne sabia se virar em qualquer ocasião. 

Andando pela sala vi Crabble e Goyle parados num canto conversando com suas vestes desabotoadas. Eles pareciam que já tinham bebido além da conta e não conseguiam sair de onde estavam. Estranhei sua presença, já que eles não faziam parte dos sagrados vinte e oito, mas como eram muito amigos de Draco não seria estranho se ele tivesse pedido para chamá-los. Continuei andando pela casa à procura de Draco quando o encontro num corredor vazio condensando com sua mãe. 

- E depois cheque se o nosso convidado especial está satisfeito - ela diz ajeitando a gravata de seu filho. 

- D-Draco? - o chamo sem graça e Narcissa treme de susto.

- Hazel? - ela diz com um sorriso amarelo. - Vocês vão dançar juntos? Ela pergunta nos olhando. - Preciso tirar uma foto. Não saiam daí. Eu já volto - ela diz andando apressada.

- Convidado especial? Pergunto e Draco desconversa falando que era um amigo de seu pai. Era incomum ter um convidado especial em festas como essa. 

Demorou uns 5 minutos e Narcissa voltou andando desconcertante com uma câmera na mão. 

- Digam ''x''- ela ordena de uma forma infantil enquanto tira a foto. - Meu menininho cresceu tanto - ela continua olhando pra a foto, que tinha acabado de sair da máquina. - Bom, crianças vão se preparar para a dança - ela fala e passa a língua no dedo para ajeitar um fio rebelde que levantava da franja perfeitamente enrijecida de Draco. 

- Mas antes venha cá Hazel, vou te mostrar uma coisa - Narcissa diz nos arrasta para um quarto.

Ela liga a luz do cômodo, que revela uma biblioteca onde havia várias fotos dá família na parede. A maioria de Draco em diferentes fases da vida.  

- Olhe querida, ele tinha seis meses - ela diz me mostrando uma foto de Draco bebê tentando pegar um pato de borracha na hora do banho. Ele dava risinhos quando o brinquedo afundada. 

 - Ah mãe, foto pelado não - ele diz constrangido e sua mãe o ignora. 

- Olha essa de quando ele nasceu. - ela apontou para outra foto do mesmo tipo fazendo com que Draco levantasse e fosse até o outro canto da sala com vergonha. 

 Olhamos o álbum inteiro quando ela saiu para se arrumar para a dança que aconteceriá em 20 minutos e nos deixa sozinhos no cômodo. Olho para Draco, que estava na frente de um móvel estrategicamente posicionado para esconder algo. 

- O que você tem aí? - pergunto me levantando para ver. 

- Nada - ele responde rapidamente se colando ao objeto. 

Tivemos uma pequena lutinha, que eu ganho ao fazer cócegas em sua barriga, forçando ele a  se afastar do lugar em que estava. No móvel, havia um porta retrato virado para baixo. O levantei e nele tinha uma foto de Draco e Pensy numa escada no dia do baile de inverno no ano passado. Ele estava vestido com uma roupa preta muito bonita e ela com um vestido rosa de babado. Os dois sorriam enquanto fingiam que estavam dançando. 

 - Eu falei que você não ia querer ver - ele diz sentado onde eu estava. 

- Eu sou teimosa esqueceu? - comento sem graça botando o retrato na posição em que estava. 

- A curiosidade matou o gato? Não se preocupe, mais tarde você vai ter mais do que procura. - Agora vamos. Temos que fazer uma dança formal de mais para a gente dançar. Senhorita Greengrass - ele diz me estendendo o braço como se estivéssemos no século 19.

 Dançamos a valsa dos anfitriões que sempre tinha antes do jantar. Nisso, pisei no pé de Draco umas 3/4 vezes durante a música. Ele fechava os olhos tentando conter a dor de ter algum dedo esmagado por um salto scarpin, mas acabou rindo no final ao me ver vermelha de vergonha. O fato de termos dançado juntos levantou muitos comentários de todos que estavam ali. Bons e ruins porque Pensy observou tudo de longe. Se ela pudesse queimar de raiva igual a uma fênix, ela queimava. Não sei o que estava passando em sua cabeça, mas me senti triste por ela. Pensy dançou com Malfoy nos anos anteriores e ela dançava muito melhor do que eu. Acho que a primeira vez que Draco começou a dançar junto com seus pais, ele tinha onze e ele tinha convidado a Pensy todo ano desde então. 

A noite terminou depois de um grande banquete na sala de jantar dos Malfoy, que era enorme. Todos os convidados estavam perfeitamente acomodados em uma grande mesa preta de madeira. Não se tinha um assunto em comum já que todos falavam e devido ao diversos copos de champanhe, todos falavam mais alto do que de costume. 
 Quando os convidados começaram a ir embora, fui para perto da porta da sala com o intuito de me despedir de Dafne, que eu não tinha visto desde que ela tinha assumido a nobre missão de perturbar a Pensy. Fico alguns minutos parada lá, quando sinto alguém chegar atrás de mim me fazendo arrepiar por inteiro. 

- O “mais tarde” chegou, Greengrass - Draco diz colado ao meu corpo. - Venha comigo - ele me estende a mão e eu o sigo. 
  Subimos as escadas de mármore perolado e andamos até a metade de um corredor. Draco abre a porta de um quarto que era famigeradamente grande para uma pessoa só. O quarto tinha alguma bandeiras de Sonserina penduradas assim como uma foto autografada de Krun e um porta retrato de Draco e seus amigos no que parecia ser o seu primeiro Ano em Hogwarts. 

- Uau - digo sentando na cama admirada com o quarto de tons sóbrias. Eu gosto de decoração simples.

- Gostou? - ele pergunta sentando do meu lado acariciando minhas costas. Sua mão boba abre o zip do meu vestido fazendo com que ele fique solto e praticamente caído na parte de cima. 

- Não vai querer conversar sobre a decoração? - digo me deitando no travesseiro. Ele sobe em cima de mim e começa a descer o meu vestido me deixando somente de calcinha. Era a primeira vez em que ficamos nus juntos e pensar nisso fez a minha bochecha queimar.nDraco começa a beija meu pescoço e posso sentir que ainda havia vestígios do perfume que notada antes da festa. Que era muito bom por sinal. Continuamos a explorar cada centímetro de nossos corpos quando o sinto dentro de mim. Estava morrendo de vergonha de gemer na casa dele. Vai que alguém escuta. 

- Não se preocupe. Estamos longe do quarto dos meus pais e os seus estão no andar de baixo - ele diz ao perceber o meu incomodo. 

Consegui me soltar mais depois de alguns minutos em que as coisas ficavam mais frenéticas. Queria poder fazer isso mais vezes, mas infelizmente estudávamos em um internato e Umbridge ficava cada vez mais rigorosa com seus decretos. E agora parando para pensar, acho que estou ficando louca de pensar nela enquanto transo. Quando gozamos, ele cai meu lado exausto e eu aproveito para deitar em seu peito que subia e descia. Estávamos muito cansados para conversar então ficamos um tempo respirando e trocando carícias. 

- Hazel, você quer namorar comigo? - ele pergunta quebrando o silêncio e olhando para mim enquanto eu esboço uma cara de surpresa. 

 - Quero- digo e me arrasto para cima para o beijar. Acabo adormecendo ouvindo as batidas de seu coração que iam se acalmando aos poucos.
 


Notas Finais


Então, minhas aulas vão começar e eu não sei com qual frequência irei postar, mas estarei sempre acompanhado os feedbacks.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...