História Begin - Capítulo 42


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Bangtan Boys, Bts, Jikook, Jimin, Jungkook, Kookmin, Namjin, Ódio, Romace, Vhope
Visualizações 540
Palavras 4.739
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Festa, Ficção Adolescente, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


bom dia bom dia bom dia
estão bem? andam se alimentando e dormindo direitinho? espero que sim <3

eu acho que estou me acostumando a escrever capítulos grandes, vocês gostam?
esse aqui será o último narrado pelo Jimin ou Jungkook, os dois próximos (e últimos) serão em terceira pessoa, ok? mas gostaria de saber o que vocês preferem.

aaaaaa boa leitura ❣

Capítulo 42 - Me apaixonando por você outra vez


Jeon Jungkook on.

 

— Enfim, livres! — Taehyung bradou animado, tomando mais um gole do seu drink. Ri anasalado e fiz o mesmo antes de rebater.

— Engraçado que há menos de uma hora você estava agarrado a professora de filosofia, chorando como um bebê e dizendo o quanto era grato por ela ter te ensinado sobre as teorias da conspiração de Aristóteles.

— Aquilo foi um claro momento de recaída, ok? A formatura mexeu sim com o meu emocional, mas de qualquer forma, eu estou feliz em saber que nunca mais vou voltar a pisar os pés naquela instituição. — murmuramos um “ah, claro”.

— Não sejamos hipócritas. A formatura foi linda, assim como essa festa está sendo. Aquela escola já nos proporcionou inúmeros momentos bons, hm? — concordei com o meu namorado e deixei um selar em sua bochecha, ganhando um sorriso em troca. 

O baile que agora acontecia estava sendo divertido. Não consegui contar a quantidade de fotos que havíamos tirado junto de toda a turma, algumas bem engraçadas, por sinal. Mark agarrado a Jackson como um coala, Taehyung e Jin fazendo chifrinhos em cima da cabeça de algumas garotas, eu carregando Jimin nas costas, entre outras palhaçadas que certamente, seria motivo de risadas quando estivéssemos em outra fase de nossas vidas.

Eu sempre imaginava que a minha formatura seria um saco, assim como a minha vida estava sendo antes de um certo loirinho aparecer. Não querendo ser ingrato, pois meus hyungs são amigos incríveis, mas a chegada de Jimin virou minha vida ao avesso, tornando-a agitada e surpreendente. Melhor, eu posso dizer. Com mais amor.

— Eu gostava de lá. — Yoongi começou — Sabe… As zoações com os professores, os namorinhos escondidos, as suspensões… É, tudo isso vai deixar saudades.

— Credo, garoto. Pode ter certeza de que a escola não vai sentir saudades suas, não. — Jin comentou.

— Invejoso. — mostrou a língua. — Impossível não sentirem falta do aluno mais bonito dali. Sabe, eu sempre fui o visual daquele lugar.  

— Yoongi, todos nós sabemos que o visual aqui é o Jin. — Namjoon se intrometeu e Seokjin apenas sorriu presunçoso, gabando-se. — Você era no mínimo o esquisito que andava pelos corredores com roupas maiores que o seu número. Você e o Jungkook. Dois esquisitos. 

— Ei! — retruquei, me sentindo ofendido.

— Exatamente! Eu e Jin tínhamos que aturar esses dois bancando os trombadinhas pelos cantos. E nem vem, Namjoon, você não ficava tão longe disso. — Tae voltou a abrir aquela matraca, surpreendendo um total de zero pessoas. 

— Eu sou seu hyung, me respeita moleque. E eu sempre fui neutro entre vocês, ok? O líder da porra toda, o mais responsável e… — parou ao perceber o Kim mais velho o encarando com um olhar reprovativo. 

— Eu não vou conseguir te defender assim, Nam. 

— Enfim — pigarreou — Deixa isso pra lá… Vamos falar do futuro agora, sim? Eu reuni todos aqui porque quero falar sobre...

— Olha, eu realmente estou tentando me concentrar na conversa, mas sabe, fica difícil quando tem duas pessoas se comendo bem do meu lado! — Hoseok parecia realmente furioso com os empurrões que levava vez ou outra de Mark, quando este tentava entrelaçar-se mais a Jackson. Era uma cena engraçada, não vou negar.

— Vocês dois aí! Se quiserem copular na frente de toda a escola vão para o banheiro porque ninguém é obrigado, não! — Jimin disse, já com uma expressão irritada — lê-se extremamente fofa — no rosto, ganhando total atenção do casal em questão. 

— Ah qual é, gente. — Tuan se pronunciou, aparentemente afastando-se um pouco dos braços do namorado. Seus lábios estavam inchados e suas bochechas, rubras. — Foi apenas um momento de distração, sim? Aliás, nós deveríamos estar aproveitando a festa e não sentados numa mesa isolada de todo mundo.

— ‘Tá decidido então. Mark não passará uma semana em Tokashiki com a gente. Pode se levantar e ir curtir a festa agora. — Namjoon falou sarcástico, em claro tom de brincadeira e o silêncio ali foi imediato, mesmo com a música alta que tocava no ambiente. 

— Tokashiki? A ilha Tokashiki? Japão?! — Jin foi o primeiro a perguntar com euforia e eu sorri, notando que de fato, apenas eu e Namjoon sabíamos daquilo. Fomos nós dois que planejamos, afinal. Todos agora tinham semblantes de confusão e surpresa.

— Sim, meu bem. — Namjoon também sorriu, exibindo as covinhas bonitas em seu rosto. — E por quê a surpresa, gente? Eu não comentei com vocês que faríamos uma viagem para compensar a que não fomos da escola? Agora Jimin estará conosco. — esclareceu. Meu namorado imediatamente virou o rosto em direção a mim, com aqueles olhinhos brilhando em curiosidade.

— Kook-ah, você sabia disso? — sussurrou, mesmo sabendo que a atenção de todos estava em nós dois. Assenti.

— Eu e o Nam hyung andamos planejando a viagem nesses últimos meses. Achamos melhor fazer surpresa e contarmos somente depois que já estivéssemos formados. — um sorriso iluminou o seu rosto e eu não consegui conter o meu ao vê-lo tão animado.

— Me sinto traído e enganado. — Jin fingiu drama, com uma das mãos sobre o peito. — Ok, e animado ‘pra caralho também. — sorriu.

— E eu ainda estou chocado. — Mark continuou. — Digo, a ilha Tokashiki é uma das mais bonitas de todo o Japão. Só as fotos e reportagens de TV que eu vejo mostram como as praias de lá são maravi… — pareceu lembrar de algo e parou rapidamente. — Namjoon, você estava brincando quando disse que eu não vou com vocês, né? — todos nós rimos alto enquanto o acastanhado parecia realmente preocupado. 

— Eu deveria proibir o ‘Sr. impaciente’ de ir sim. A sua sorte é que já fechamos o pacote de passagens com a sua inclusa. 

— Ah cara, eu já disse que amo você? — levantou da mesa afim de ir abraçar Namjoon, porém, tropeçou antes e caiu no colo de Jackson, que riu do namorado bêbado.

— Não acredito que você estava mamado esse tempo todo! Você é incrível, Tuan. — Taehyung comentou, tentando cessar com as risadas enquanto negava com a cabeça. — Mas voltando ao assunto da viagem fodástica que estamos prestes a fazer… podem ir se explicando. Como decidiram que o destino seria Tokashiki? 

— Antes eu só queria ressaltar aqui que a minha conta bancária se encontra mais vazia que a cabeça do Mark nesse momento. 

— Uh? — o citado parou de brincar com as mangas de sua camisa social para encarar Jackson, parecendo processar o que ele havia dito. —  Ah vai a merda, neném. 

— Bipolaridade é uma coisa séria. — Jimin murmurou e acomodou-se em meu peito quando eu puxei sua cadeira para mais perto e abracei sua cintura. — Mas eu também estou curioso para saber como vocês decidiram tudo isso e como conseguiram esconder tão bem de todos. Não é, Jeon Jungkook? — ele levantou a cabeça para poder me encarar e eu apenas sorri cúmplice, beijando sua testa coberta pelos fios claros. 

— Era surpresa, bebê, lembra? 

— Exatamente. — Namjoon concordou. — E nem foi tão difícil esconder, vocês são tão desligados. 

— Desculpa aí, Namjoon. Não temos o Q.I incrivelmente alto como o seu, beleza? — Yoongi resmungou, bebendo do líquido colorido que ocupava o seu copo. Uh, esse estresse todo certamente é por não ter a Sun aqui. Ela precisou viajar com os pais dessa vez, o que deixou meu melhor amigo realmente triste. 

— Isso não vem ao caso agora. Querem ou não saber como tudo foi resolvido? — todos acenaram. — Certo. Bom, confesso que eu e Jungkook passamos horas tentando achar um destino perfeito para a viagem, mas tudo o que vinha em nossa mente estava fora do orçamento de todo mundo aqui. Sabe? Hospedagem, passeios turísticos, sem contar com os gastos com muita comida. — olhou de relance para Jin, que fingiu — descaradamente — não entender a indireta. — Já estávamos para desistir ou remarcar a viagem somente para o segundo semestre do ano que vem. 

— E é agora que eu entro na explicação para dizer que o Namjoon hyung é tão lerdo quanto qualquer um de nós aqui. — não pude deixar de alfinetar.

— O que está acontecendo para vocês estarem tão desrespeitosos comigo hoje? — colocou a mão no peito, em uma pose dramática. Percebemos o que a convivência com Seokjin faz. 

— Bebida. — ditamos em uníssono. 

— Mas conta aí, estou curioso para saber o motivo pelo qual Jungkook te chamou de lerdo. — Yoongi realmente parecia um poço de afronta. 

— Eu nunca cheguei a comentar com vocês, mas meus avós tem uma casa de veraneio em Tokashiki. — Jin murmurou um “como eu não lembrei disso?” por provavelmente já ter conhecimento da notícia, enquanto os outros pareciam de fato impressionados. — Liguei na mesma hora para eles e perguntei se podia usá-la por uma semana com alguns amigos. Eles não hesitaram em liberar e ainda avisaram que o estoque de comidas está cheio, o que já diminui os gastos pela metade. — concluiu e Seokjin bateu palminhas, satisfeito.

— Avisou a eles que esses seus amigos têm uma leve tendência ao vandalismo e à baderna e que as chances de acontecer um prejuízo é grande? 

— Qual é, Jimin-ah, o neto deles é o Namjoon! — Taehyung ressaltou, fazendo as risadas escandalosas serem ouvidas novamente naquele local já barulhento pelas músicas eletrônicas. Sorte que estávamos realmente mais afastados de tudo e de todos, caso contrário, essa conversa seria impossível.

— Eu desisto de vocês. 

— Não fica bravo, coisa linda do Jin. — o de cabelos castanhos aproximou-se do maior e pôs as duas mãos em cada lado de suas bochechas, apertando-as e deixando um selar nos lábios finos do outro. — Todos estamos muito felizes com a notícia, fique sabendo disso. Obrigado por se esforçar por nós planejando essa viagem que, sem dúvidas, será incrível! — Nam desfez o bico irritado — feito propositalmente, com a única intenção de chamar a atenção do namorado, se eu bem o conheço — e exibiu mais um de seus sorrisos, acenando com a cabeça. 

— Não acredito que o meu esforço não será reconhecido por ninguém! — também me permiti fazer um biquinho nada másculo, porém sem receber um pingo da atenção desejada. Fui trocado por um copo de drink, a que ponto cheguei?

— Certo, o Jungkook também merece os créditos, pessoal. — o Kim piscou para mim.   

— O que exatamente ele fez? — Yoongi perguntou e Park finalmente virou-se para mim, colocando as duas mãos ao redor do meu rosto e aproximando aqueles lábios maravilhosos dos meus. Antes disso acontecer eu rapidamente me pronunciei:

— Ora, eu seduzi a moça da agência de viagens e fiz ela nos dar desconto! — Jimin recuou na hora, me dando um tapa forte pra caralho no peito. Porra, eu ia ganhar beijo. — Ai, merda!

— Jeon Jungkook!

— E essa tal moça era a dona do lugar, só para comentar mesmo. Foi uma sorte e tanto. — Namjoon acrescentou.

— Sim! Ela praticamente cortou o preço pela metade, hyung. Pela metade! E eu só precisei passar meu número ‘pra ela. 

— ‘Tá maluco?! Eu sei de algo muito melhor ‘pra cortar! — rosnou. É, admito que Jimin realmente parecia ameaçador agora. Fiz uma cara de dor ao imaginar do que ele se referia para, hm… Cortar. 

— Não precisa ficar chateado, Jimin. O cabeção do seu namorado deu um número aleatório. Eu vi quando ele estava digitando no celular. — obrigado mesmo, Nam hyung. — Confesso que fiquei curioso em saber a quem o número pertencia porque Jungkook parecia animado ao salvar e entregar o celular de volta a mulher. 

— Ah, isso é segredo. — ri baixinho, coçando a nuca. Notei que a cadeira de Park estava mais afastada da minha e automaticamente franzi o cenho. — Qual é, Chim, está mesmo com raiva? — ele me ignorou, bebendo mais do seu drink. Eu realmente estava enciumado por aquele copo está encostando mais em seus lábios do que eu. 

— Eu entendo ele. Hoseok já aprontou uma dessas certa vez, quando estávamos em uma loja, comprando roupas. Não vou mentir, foi a pedido meu. E a mulher quase nos deixou levar tudo de graça, acreditam?! — contava animado, como se revivesse a cena. — Mesmo me corroendo de ciúmes, fiquei feliz por ter comprado minhas camisas maravilhosas da Gucci por um preço ótimo, então tudo terminou bem. Lembra disso, amor? — Taehyung não obteve resposta e só aí percebemos que desde o momento em que citamos sobre a viagem, o Jung não havia falado uma só palavra sobre. Ele olhava fixo para um lugar, com as duas mãos apoiadas no queixo, imóvel. — Hoseok!

— O protetor está na bolsa, Taehyung! — o ruivo acordou do transe e olhou ao redor, franzindo o cenho em pura confusão. — Desculpa gente, eu meio que já estava me imaginando tomando um ótimo banho de sol nas praias de Tokashiki. Uau, parecia tão real, acho que bebi demais.

— EU PRECISO MIJAR! — todos viramos a cabeça de imediato para o mesmo lado ao escutar o grito inesperado de Mark, que estava estranhamente calado até então. O silêncio durou pouco. — MINHA BEXIGA VAI ESTOURAR! ELA VAI ESTOURAR, JACKSON! — gritou mais uma vez e arregalou os olhos em desespero, olhando para o namorado que aparentava estar tão assustado quanto. Até mesmo um pequeno grupo de formandos que passava por ali parou e assistiu de camarote o surto ou melhor, o PT que o Tuan fazia. 

— ‘Tava demorando… — Jin comenta, pondo a mão na testa. 

— Pelo amor de Deus, se acalma, homem! É só xixi! — Wang gritava em sussurros, procurando não chamar mais tanta atenção. Claro que isso já havia se tornado impossível, afinal, nossas gargalhadas também atraíam bastante atenção. 

— VOCÊS ESTÃO RINDO?! EU POSSO MORRER, SABIAM DISSO? FICAR CHEIO DE XIXI E DEPOIS “BUM!” EXPLODIR EM MIL PEDACIN…

— Mark Tuan! — a voz rouca do chinês soou alta, calando a fonte principal do barulho no mesmo instante. Ok, todos ficamos quietos simultaneamente, apenas assistindo a treta de pertinho. — Banheiro, agora! — levantou da cadeira. Pude notar que a expressão temerosa de Mark havia sido substituída por uma completamente sacana. 

Efeitos do álcool. E ah, ele é Mark Tuan. 

— O que vamos fazer lá? — olhou sugestivo para o moreno.

— Ué, você vai se aliviar, hyung. — parou ao notar que não havia escolhido as melhores palavras. O sorriso do Tuan aumentou. — Ah, droga, Mark. Apenas vamos, ok? — abaixou para pegar o citado nos braços e posicioná-lo em seu colo, virando rapidamente para nós — que ainda tentávamos conter as risadas. — Foi mal, pessoal. Vou tentar resolver isso aqui. — riu anasalado, apertando o corpo do outro contra si, que murmurou algo sobre sua bexiga cheia.

— Já estamos acostumados. — Taehyung comentou, ainda meio risonho.

— Você consegue, Jackson. Fighting! — Hoseok incentivou, e assim o casal sumiu de nossas vistas. 

— Acho que depois dessa, nós deveríamos curtir mais a festa, uh? Já são quase uma da manhã! — Namjoon comentou, dando uma breve conferida em seu relógio de pulso. Todos assentimos. 

— Eu e o Hoseok já estávamos indo para a pista. Vem com a gente, Yoongi hyung. — Taehyung o chama e o branquelo sorri ladino. Só queria atenção mesmo, esse cara de pau. 

— Digo o mesmo sobre eu e  Jin. — e em segundos a mesa já se encontrava vazia, restando apenas eu e a bomba relógio ao meu lado. Eu conhecia Jimin o suficiente para saber que ele havia sim se chateado com o lançe da mulher da agência, porém agora estava nada mais nada menos, fazendo cu doce, na melhor das expressões. Arrastei minha cadeira para mais perto. 

— O que acha de dançar agarradinho com o seu homem? — sussurrei rente à seu ouvido e escutei um resmungo reprovativo. — Vai mesmo me negar uma dança, Jiminie? 

— Chama a sem vergonha que te vendeu as passagens, meu anjo. — sua birra me fez gargalhar. — Não ri disso não, otário! — quando notei, já tinha um baixinho furioso em meu colo, estapeando-me por inteiro. 

— Hyung! Para, hyung! — segurei seus pulsos e arfei, puxando o ar com dificuldade após tanta risada. — Deixa disso e vamos curtir a festa, uh? É a nossa formatura, amor. — beijei seu maxilar e sorri aberto, sentindo seus olhos selvagens sobre mim.

— Não sorria dessa forma, você fica tão lindo, porra. — suspira. Meu sorriso aumenta e ele se rende. — Certo, foda-se. Vamos dançar. — levanta-se e puxa-me em direção a música, com seus dedos pequenos entrelaçados aos meus. 

Quando chegamos à pista de dança lotada de ex alunos eu sorri ao reconhecer a música que o DJ tocava ali. There for you, do Troye Sivan. Há alguns dias atrás eu havia mostrado essa música à Jimin e ele a adorou tanto quanto eu. A letra, a melodia, os sentimentos genuínos colocados nela; decidimos nomeá-la como a nossa música do mês. 

É, eu e Park temos uma música para chamar de nossa, todo mês. 

— Escuta, é a nossa música, Jungkookie. — consigo ouvir a voz elevada do loiro quando este vira para mim e me puxa para mais próximo do seu corpo. 

— Sim, a nossa música.

Por mais que o ritmo fosse eletrônico, eu e Jimin dançávamos lentamente, ditando nossa própria velocidade. Agarrei sua cintura com minhas mãos e senti meu pescoço ser envolvido por seus braços. Seu rosto anteriormente franzido em chateação, agora exalava serenidade e seus olhos estavam fechados, balbuciando a letra da música inaudivelmente. 

Eu tenho tanta sorte.

So when your tears roll down your pillow like a river, I’ll be there for you… — eu pude ouvir quando ele cantarolou, abrindo os olhos e mantendo-os presos nos meus.

When you’re screaming, but they only hear you whisper, I’ll be loud for you. — acompanhei a música que tocava para todos daquela festa ouvirem, porém direcionando as palavras apenas para o homem a minha frente. 

But you gotta be there for me too. — concluiu.

E eu sorri, aberto e sincero, mais feliz impossível, selando seus lábios demoradamente como uma clara resposta de que sim, eu sempre estaria lá por ele; e com ele.

 

(...)

 

— Eu não acredito que você me fez de idiota, Jungkook! Não dá mais, eu estou terminando com você. 

— Deixa disso, hyung. Eu já falei que eu realmente estava planejando sair com você, mas mudei de ideia agora, de última hora, entendeu? 

— ‘Tá mas qual o motivo dessa desistência repentina? Tudo isso porque eu não quis trocar essa calça? — apontou para a peça extremamente colada que usava. Sorri. Eu nunca o proibiria de vestir roupa alguma. Isso claro, se eu estivesse sempre ao seu lado, zelando por sua segurança. 

— Eu adorei ela, Minie. — sorri sacana. — E já que insiste, o motivo é simples e claro, eu estava com saudades suas. 

— Mas que raios de motivo é esse? Se saíssemos ‘pra jantar como falou na mensagem, eu estaria com você dá mesma forma que estou agora.

— É aí que você se engana. Eu não quero dividir a sua presença com mais ninguém hoje. Por isso achei perfeita a ideia de ficarmos por aqui mesmo, comendo pizza e jogando conversa fora. — esclareci, vendo um sorriso brotar em seus lábios.

— Aish, pare de ser assim! 

— Como, hyung?

— Assim, incrível! — sorri junto a ele. — Eu confesso que também queria apenas a sua companhia para essa noite. Como conseguimos ficar quase duas semanas sem nos vermos, Kookie? Não passamos nem o natal nem o ano novo juntos. — lamentou.

— Ah, você sabe que eu precisei viajar para Cingapura para conhecer meu novo padrasto né? Inclusive a omma ainda está lá com ele. — ele assentiu. Eu já havia contado-o os detalhes sobre isso. — Fora que, depois da formatura nós fizemos tantos vestibulares que não tínhamos tempo ou disposição para conversar, apenas por mensagens ou chamadas de vídeo. 

— Você está certo. Ainda bem que tudo isso já passou e agora estamos aqui, há apenas três dias de uma viagem maravilhosa, onde iremos aproveitar juntinhos. 

— Verdade. Agora tire essa roupa desconfortável e vista algo mais casual. Vou pedir nossa pizza. — selei seus lábios e caminhei em direção à porta do quarto. 

— Jungkookie. — me chamou manhosamente e eu virei. — Me empresta essa sua camisa? Ela tem o seu cheiro. — apontou para a peça em meu corpo. Céus, meu namorado não poderia ser mais precioso do que isso. Com pressa me desfiz dela e entreguei ao loiro que tanto almejava. 

— Aqui, vista. Ela fica muito melhor em você do que em mim mesmo. — sua breve risada foi a resposta para minha confissão. — Desça quando estiver pronto! — gritei, dirigindo-me ao andar de baixo. 

Após fazer a ligação, me sentei no sofá com o celular no colo, encarando a televisão desligada enquanto pensava em coisas aleatórias. Uma ideia passou pela minha cabeça e eu logo despertei. Corri para os fundos da casa, no final do corredor do térreo, e abri a porta que dava acesso ao “quarto das tralhas”. Afinal, qual casa não tem um quarto desses, hm? Vasculhei por todos os cantos até finalmente encontrar os dois microfones ali, escondidos em uma caixa qualquer, juntamente com o aparelho metálico e retangular. 

Um karaokê. É, isso seria divertido. 

Ao chegar na sala, me deparei com um Jimin esticado no sofá, tentando alcançar seus pés com os dedos das mãos. Observei mais um pouco e sorri quando vi que o pequeno não só havia conseguido, como também agora deitava sobre suas pernas, com a cabeça encostada nos joelhos. 

— Olha, eu ainda sou bastante flexível! — sua voz saiu abafada e ele sabia que eu estava no ambiente, olhando-o. — Os anos de ginástica e dança valeram a pena. 

— Nunca me contou sobre isso. — comentei, aproximando-me mais dele e abaixando-me no tapete da sala, enquanto me concentrava em encaixar os devidos fios do aparelho de karaokê na televisão. 

— Podemos falar sobre esse assunto hoje, uh? — concordei, ainda dando atenção aos ajustes dos aparelhos. — Hey, o que é isso? 

— Eu espero que seus dons de canto estejam aguçados, mocinho. Hoje nós iremos cantar. 

— Não brinca! É um karaokê?! — murmurei um “isso mesmo” e pude ouvir sua voz animada. — Faz muito tempo que eu não vejo um desses. Não que eu tivesse costume de cantar por aí, mas já fiz algumas vezes. 

— Lembrei que tinha o aparelho e os microfones agora a pouco. Fico feliz que tenha gostado. 

— Eu adorei a ideia. — sentou ao meu lado, no tapete, e me deu um beijinho no pescoço. Arrepiei-me instantaneamente. — Mas me diz aí, qual sabor de pizza você pediu? 

— Atum e peperoni. — afirmei. O primeiro sabor sendo o meu preferido e o segundo, o dele.

— Pediu para acrescentar azeitonas? 

— Uhum. Ainda não sei como pode achar aquilo bom. 

— Isso é um assunto proibido, Jeon Jungkook. Não fale mal das minhas preciosas.

— Certo, mas escove os dentes depois de comê-las. 

— Falou o que come pizza de peixe! O mesmo está valendo ‘pra você. 

— Ok, ok. Mas o que acha de nos beijarmos bastante até que a pizza chegue? — o puxei para cima de mim e senti seus braços envolverem o meu pescoço. 

— Eu quero isso ainda mais do que as azeitonas. — sorrimos e logo depois senti a boca de Jimin tomar a minha com uma intensidade e um carinho único dele. Eu era completamente louco por aqueles lábios, assim como era apaixonado pelo dono deles.

E nós ficamos imersos um no outro, trocando beijos e carícias antes da pizza chegar e até mesmo depois, o que fez com que comêssemos a massa meio fria por pura preguiça de esquentar no microondas. Estávamos sentados ali mesmo, no chão duro da sala de estar, sobre o tapete levemente empoeirado, relatando nossas experiências nesses dez anos distantes um do outro, enquanto comíamos nossos sabores de pizza favoritos e acabávamos com algumas garrafas de cerveja.

Contei-lhe coisas sobre mim, como que eu já havia torcido o tornozelo mais de cinco vezes quando praticava taekwondo ou que já havia fugido da polícia quando tinha dezesseis anos, por ser pego pichando um muro qualquer, e me surpreendi com muitas das coisas que Jimin contava, como por exemplo, que já havia beijado uma garota. A pior experiência de sua vida. Palavras dele.

 — Não acredito que você disse isso a ela, hyung. E na frente de toda a sala! — limpei o canto dos olhos. Minha barriga doía e minhas bochechas encontravam-se dormentes. Jimin deixava escapar algumas risadas enquanto falava. 

— Eu juro! E ainda fiz questão de ressaltar sobre como a boca dela era pegajosa e ridiculamente chamativa por conta daquele gloss infeliz. Eu devo ter pisado no ego dela, porque depois disso eu só consegui ouvir os seus gritos de raiva e suas ameaças contra mim. “Isso não vai ficar assim, Park Jimin!” — imitou com uma voz extremamente fina. — O que eu poderia fazer? A culpa de tudo aquilo foi do Jongin. Por outro lado, graças a ele eu descobri que não gosto de mulheres. — deu de ombros, tomando um gole da bebida amarga. — Mas, e você?

— Ah, sério que quer saber das minhas experiências amorosas? Já te disse que eu era péssimo com isso. 

— Broxar bem na hora “H” não me parece uma coisa boa, realmente. 

— Ele estava usando cueca de ursinhos, hyung. De ursinhos! Quem diabos usa isso ‘pra ir em uma balada? 

— Se fosse eu no lugar dele, você broxaria? — provocou.

— Está usando uma agora? — entro na brincadeira e me atrevo a levantar parcialmente minha camisa do seu corpo pequeno, aproveitando sua ausência de calças para checar a peça íntima que ele usava. Vermelha. Minha cor preferida. Porra. — Uh… Definitivamente me parece melhor do que ursinhos.

— Você é tão idiota! — se rende às risadas e eu o acompanho.

— Mas não, eu não broxaria pelo simples fato de ser você. — continuei. — Eu já disse algumas vezes mas irei repetir, Jimin-ah, você é o único que consegue me deixar tão louco na cama. Como ninguém jamais conseguiu. 

— Aish, sério… — colocou as duas mãozinhas na boca, sorrindo com timidez. 

— Estou falando sério. Já tive sim, muitos ‘casinhos’ para alguém com a minha idade, mas eu nunca te tirei da cabeça. Digo, do coração. Acho que por isso nunca me envolvi sério com alguém, eu sempre esperei você. E não me arrependo.

— Como sabia que me amava, mesmo sendo tão novo? 

— Na época era confuso ‘pra mim. Éramos crianças, certo? Ingênuas demais, inocentes demais… Não posso responder se eu sabia ao certo qual era o tipo de amor que eu sentia por você, mas eu tinha a certeza de que o amava. Eu via a omma e o appa demonstrando carinho um com o outro e eu tinha vontade de fazer o mesmo com você. Beijar seus olhinhos pequenos, te abraçar bem forte. Eu não sei, acho que as coisas só começaram a fazer sentido quando eu fui crescendo e ficando mais velho. Só… era diferente com você, era melhor, me fazia bem. 

— Eu sabia, no fundo sabia. Quando você chegava lá em casa e me chamava para brincar, meu coração batia tão forte que eu achava que estava doente ou algo assim. — rimos. — Seu sorriso me aquecia por dentro, a forma como me chamava de dongsaeng apenas por ser mais alto do que eu ou até para me irritar às vezes… tudo relacionado a você me deixava agitado, sabe? Com uma sensação boa no peito. Os meus “eu te amo” sempre foram verdadeiros. 

— Da minha parte também. — assegurei-o e ele sorriu. Tirei a garrafa de cerveja de suas mãos e puxei-o para o meu colo, abraçando-o com carinho, com cuidado. Sua cabeça repousou em meu peito. — Eu te amo, Jiminie.

— Eu te amo, Kookie. — meu coração aqueceu-se na mesma hora. 

— Ok, agora vamos cantar. — beijei o topo de sua cabeça e me levantei. 

— Estamos um pouco bêbados, acha que conseguimos? — perguntou enquanto eu já ligava a televisão e procurava uma música para o loiro começar. 

— Confio em nossas habilidades. Toma. — o entreguei um dos microfones e ele franziu o cenho para enxergar a música que iria cantar. 

— Justin Bieber. Não estou surpreso. — riu soprado.

— Eu preciso saber se você realmente é o homem certo para mim. Só assim descobriremos. 

— Não irei desapontá-lo, então. 

— Sei que não irá. — pisquei para ele.

E de fato, ele não me desapontou em absolutamente nada quando cantou Love Yourself inteirinha, com seu sotaque adorável e sua voz suave. Nem quando arriscou um timbre mais grave ao cantar sua música preferida do seu rapper favorito, Drake. Foi extremamente provocante escutar a letra de Own It cantada por ele, tremi dos pés à cabeça, confesso.

Sua reação quando eu cantei Purpose do Justin foi chorar copiosamente e elogiar minha voz milhares de vezes e, claro, bêbado como ele estava, — mais do que eu, confesso — eu não fiquei surpreso com tanta declaração vinda de sua parte. Sabia que cada uma delas era sincera, de qualquer forma. 

Depois disso, escolhemos uma música qualquer de alguma girl group e cantamos juntos, com direito a umas coreografias ridículas totalmente inventadas por nós, tropeços e muitas, muitas gargalhadas. 

E eu não sabia ser possível, mas naquela noite, eu me apaixonei mais uma vez pelo meu melhor amigo de infância. 


Notas Finais


eu não sei vocês, mas eu fiquei tão soft lendo esse capitulo, ai.
deve ser porque begin ta acabando ou porque o otp é lindo mesmo, nunca irei saber.

1- quem aqui acha que o Taehyung vai realmente sentir falta das aulas de filosofia? haha
2- Markson casal mais fogo no cu ou mais nhonhonho? fica aí o questionamento, a bipolaridade é realmente séria
3- EU SINTO QUE ESSA VIAGEM AO JAPÃO PROMETE HEIN, AGUARDEMMMM, aliás, o que acharam? próximo capítulo eu coloco os links de algumas fotos da famosa ilha Tokashiki.
4- jEON JUNGKOOK DANDO EM CIMA DA MULHERKKKKKKKK TÁ QUERENDO MORRER ELE. vocês acham que ele deu o número de quem a ela?? talvez eu revele isso nos próximos capítulos...
5- Mark bêbado é meu novo conceito preferido eh isto
6- There for you = música dos namoradinhos de busan <33
7- eu sou o Jimin em relação a azeitonas, nÃO FALE MAL DAS MINHAS PRECIOSAS
8- Own It melhor música de pegação jikook rsrs
9- eu senti bastante falta de muitas pessoas que não comentaram nos dois últimos capítulos que postei ;( confesso que até fiquei um pouco insegura, sabe? porque eu escrevo pra vocês, mas quando não tenho retorno, não sei ao certo se agradei ou se ficou terrível. Mas agradeço bastante a quem tira alguns minutinhos pra fazer um comentário. Juro, meu coração aquece lendo o feedback de vocês e eu adoro demais responder. <33
10- vou sentir falta de begin aaaaa não quero que acabe!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...