1. Spirit Fanfics >
  2. Begin (percabeth!au) >
  3. Monday Pt. 2

História Begin (percabeth!au) - Capítulo 5


Escrita por:


Capítulo 5 - Monday Pt. 2


“Verdade.” Disse Percy, nervoso. Todos estavam alternando os olhares entre Annabeth e o moreno, esperando alguma reação.


“É verdade que você namorou a Calypso?” Annabeth estava séria. Ok, Percy definitivamente não estava esperando aquilo. Leo logo lançou um olhar questionador ao amigo, esperando sua resposta. 


“Não.” Percy limpou a garganta antes de começar, odiando ter que entrar naquele assunto com Annabeth, na frente de todos os seus amigos. “Nós ficamos por uma semana no primeiro ano. E parei de falar com ela, agora ela me odeia.” Percy foi sincero. Annabeth aceitou aquela resposta, sentindo honestidade na resposta do moreno, embora não fosse a versão que Calypso contou. Percy não devia saber do resto, então a loira se deu por satisfeita com aquela resposta. Percy tentou não deixar o clima ficar estranho. “Hazel.” Ele atraiu o olhar da cacheada para si, que parecia nervosa também e mordia os lábios. Ela não gostava daquele tipo de jogo, achava que ficava muito exposta. “Verdade ou desafio?” Percy continuou. 


“Hum... Desafio, acho?” Ela respondeu, incerta. Percy sorriu, olhando para Jason, que entendeu as intenções do amigo. 


“Te desafio a beijar meu amigo canadense aqui.” Disse, dando um tapa suave no ombro de Frank ao seu lado, que sobressaltou, não acreditando que o amigo teria feito aquilo. Hazel parecia desconcertada, tímida. 


“Tudo bem se você não quiser.” Frank disse, coçando a nuca, tentando não olhar para a garota. Surpreendentemente, Hazel se esticou para frente, encostando seus lábios nos de Zhang por alguns segundos, num longo selinho. Percy, que estava praticamente colado em Frank, abriu a boca em surpresa, enquanto Leo se apressava para tirar uma foto da cena, pensando em mostrar para o amigo depois. Annabeth cobria a boca com a mão para esconder seu sorriso, e Thalia, Jason e Piper arregalaram os olhos. Assim que o pequeno beijo dos amigos acabou e eles se distanciaram, se encarando profundamente, Percy soltou um grito de comemoração, junto de Leo e Jason, enquanto Hazel parecia que iria explodir de vergonha a qualquer momento. Frank ainda estava em um estado de choque, mas tinha gostado da atitude da morena - e muito.


“Ok, próximo. Leo.” Hazel chamou, ainda vermelha como um tomate, tentando desconversar e tirar o foco de si. Leo se endireitou, batendo continência. “Verdade ou desafio?” 


“Não se ofendam, mas não ‘to afim de beijar ninguém aqui não. Verdade.” O latino brincou, levando um soco de Jason no ombro. Hazel pareceu pensar por um segundo antes de continuar. 


“É verdade que você gosta da Calypso desde a oitava série?” Leo ficou branco. Como ela sabia daquilo? 


“O-o que?” 


“Você gosta da Calypso desde a oitava série. É verdade?” Hazel repetiu, pressionando-o. Mesmo que Leo decidisse mentir, estava na cara que aquilo era uma verdade, e ele estava entre amigos, Calypso não estava ali de qualquer forma, então não teria mal algum em admitir a verdade.


“Como você sabe? Não conta pra ela!” Leo pediu, a cor finalmente voltando ao seu rosto. Hazel riu. 


“Você me disse na festa do Jason, bobo. Ela não sabe, relaxa!” Hazel achava cômico o desespero do amigo, que suspirou aliviado ao ouvir a última frase, embora não lembrasse de ter falado aquilo no dia da festa. Ele teria que tomar mais cuidado com o que bebe, e principalmente com a sua língua, dali para frente. Ninguém na roda parecia surpreso com aquela revelação, a não ser Annabeth, que ainda não estava 100% integrada nas fofocas do grupo. 


“Tá, tá, só não contem pra ela, ok? Próximo. Annabeth!” Leo voltou ao seu comportamento de sempre, sorrindo macabro ao pronunciar o nome da loira. “Verdade ou desafio, loira?” Percy revirou os olhos quando ouviu o amigo chamá-la pelo apelido que ele deu à garota, levemente enciumado. Annabeth pareceu pensar por um momento, e respondeu. 


“Verdade. Manda.” Ela endireitou a postura e ficou séria de repente, como se estivesse concentrada em alguma tarefa. 


“É verdade que você quer beijar o Percy?” Leo, direto como sempre, perguntou. Percy, novamente, não esperava isso. Ele desviou o olhar para a loira, porque queria se lembrar de cada detalhe de seu rosto e suas expressões enquanto respondia a pergunta, que lhe interessava muito. Annabeth de repente parecia Hazel: tímida e vermelha como um tomate, não querendo encarar Percy nos olhos. 


“É.” Ela murmurou. 


“Desculpe, eu não ouvi.” Leo provocou, sorrindo. Todos estavam encarando os dois, na expectativa, como se assistissem a um programa. 


“É verdade Leo, que saco.” Annabeth exibiu sua carranca irritada - a mesma que usava quando olhava para Percy - enquanto cruzava os braços e seu rosto voltava à cor normal. Percy sorriu, olhando para o seu colo, prendendo seu lábio inferior entre os dentes. Aquilo tinha o deixado mais feliz do que qualquer coisa naquele dia. Não era como um sentimento de conquista, de vitória, era pura felicidade em saber que a garota estava interessada nele como ele estava nela, e que ele talvez tivesse uma chance. Antes que pudesse dizer algo, Íris apareceu no quarto da loira, colocando apenas metade do corpo para dentro, movendo os olhos azuis pelo cômodo. 


“Queridos, a comida chegou. Espero que gostem de ravioli.” Hazel foi a primeira a pular da cama, ainda desconcertada com aquele jogo, e feliz por ter um pretexto para acabar com aquilo. Thalia logo a seguiu para fora do quarto, reclamando sobre como sua barriga estava roncando, sendo seguida pelo resto dos amigos, até que Annabeth e Percy estivessem sozinhos no quarto. 


“Então... você quer me beijar.” Percy começou, levantando-se da cama. Annabeth pôs a mão sobre o olhos, totalmente arrependida de ter confidenciado aquilo. O jogo foi uma péssima ideia. Ela não se mexeu, permanecendo sentada na ponta da cama, de pernas cruzadas, enquanto sentia Percy rodear a cama, chegando perigosamente perto da loira. Ela tirou a mão do rosto para encontrar os penetrantes olhos verde-esmeralda, que a analisavam de perto. 


Talvez não tivesse problema em beijá-lo. Quer dizer, ele era um completo cafajeste, e mulherengo, e havia magoado uma da suas amigas no passado, então aquele beijo não significaria nada para ele, certo? O que significava que Annabeth poderia fingir que nunca aconteceu. Tudo bem, um beijo não faria mal a ninguém, e ela finalmente conseguiria parar de pensar no moreno se acabasse com aquela vontade. 


Ainda com aquele pensamento, Annabeth descruzou as pernas, esticando-as para fora da cama, enquanto encarava Percy igualmente. 


Conforme Percy se aproximava da garota, sentindo suas veias pegarem fogo em ansiedade, ele pensava se realmente deveria fazer aquilo, alimentar aquela vontade. Quando finalmente parou, apoiando as mãos na cama, ao lado do corpo da loira, e a encarou nos olhos cinzas, ele se sentiu perdido, derretido. 


“Eu quero te beijar, muito.” Ele confidenciou, mas não se aproximou mais. 


A loira então, impaciente, quebrou a distância entre seus rostos, colando seus lábios macios aos de Percy em um selinho pousando suas mãos delicadas nas bochechas do garoto, que suspirou. Quando ela se afastou do moreno, ele bufou, descontente com o beijo breve, mas não teve tempo de reclamar antes que a loira colasse seus lábios de novo, e quando um lábio começou a se movimentar contra o outro, Percy interviu, lentamente colocando sua língua quente no beijo, sentindo o gosto de bala na boca da loira. Os lábios se amassavam e um apenas se preocupava em sugar os lábios do outro, da melhor forma possível. Sentindo o beijo aprofundar-se, Percy empurrou a garota para que ela deitasse na cama, ficando por cima enquanto prendia as mãos da garota acima da cabeça, com suas próprias mãos. Percy agora comandava o beijo, ditando velocidade e intensidade, mantendo o beijo lento, mas intenso, e ele estava absolutamente amando a sensação de beijar a garota. Ainda segurando as mãos da loira com uma mão, Percy desceu sua outra mão para a cintura da garota, explorando suas curvas sensacionais. A sensação de tê-la dessa forma, tão perto de si, apertá-la e beijá-la, era indescritível para o moreno, e ele queria mais e mais. 


Quando seus pulmões pediram por descanso, Percy voltou sua boca para o pescoço branco da loira, que estremeceu com a sensação de ter os lábios molhados e quentes do garoto em seu pescoço, arrepiando. E ela não podia mentir, estava amando a forma como Percy a tocava, como se ela o pertencesse. 


Beijando e marcando o pescoço cheiroso da loira com as algumas mordidas, Percy apertava toda a pele ao seu alcance: as coxas grossas, a cintura delineada, a bunda farta da garota. Ele podia sentir uma pré-ereção se formando, mas não iria parar. Largando o pescoço de Annabeth, ele voltou para a boca chamativa e gostosa da loira, e eles voltaram a sugar os lábios um do outro com maestria, de uma forma gostosa para os dois. Perdendo o foco quando a loira mordeu seu lábio inferior, puxando-o e sugando-o, ele a soltou e permitiu que ela o empurrasse para que ele ficasse deitado na cama, invertendo as posições. Percy teve alguns segundos para respirar fundo e olhar a garota antes que ela iniciasse um novo beijo, faminta por ele. Agora por cima, Annabeth passava suas unhas levemente compridas pelo peito definido do garoto, coberto pelo moletom, enquanto rebolava ocasionalmente em seu colo, estimulando sua ereção. Percy suspirou em deleite e agarrou a bunda da loira, apertando possessivo, enquanto recebia beijos por todo o caminho da boca até o pescoço, e estava amando. 


Apoiando as mãos no peito do moreno, Annabeth parou a sessão de beijos para olhá-lo abaixo de si, com o cabelo muito preto bagunçado e espalhado, as bochechas vermelhas e os olhos muito verdes dilatados, e ele nunca esteve tão lindo. Rebolando mais uma vez sobre o membro do moreno, ela o assistiu fechar os olhos e suspirar mais uma vez, e quando estava prestes a partir para um novo beijo, ouviu passos no corredor, e logo uma voz resplandeceu pelo quarto. 


“Gente- Meu deus, desculpa, desculpa! Estraguei tudo, podem continuar. Desculpa, ‘to descendo!” Piper disse, envergonhada e culpada por ter estragado o momento dos amigos, que estava quente. Annabeth ficou vermelha como um tomate instantaneamente, enquanto Percy soltou uma gargalhada relaxada, ainda apertando a bunda da garota diante de si, que deitou sobre seu peito, escondendo o rosto na curva de seu pescoço. 


“Meu deus, que vergonha.” A loira murmurou abafado contra o pescoço do garoto, que deixou um tapa em sua bunda antes de trocar suas posições e levantar, deixando a garota deitada. 


“Acho melhor a gente descer.” Percy disse, apertando sua ereção por cima da calça jeans, coisa que Annabeth notou, ficando ainda mais vermelha. 


“É. Vamos descer.” Concordou, arrumando o cabelo bagunçado antes de sair do quarto, seguida por Percy. 


(...) 


Percy passou o resto da tarde com vontade de beijar a loira de novo, e de novo, e de novo. Mas não arriscou, com medo de que a garota o rejeitasse se ele tentasse algo na frente dos amigos, levando em conta o quão envergonhada ela ficou quando Piper os viu. E quando desceram para o almoço foi pior ainda, Annabeth queria cavar um buraco no chão e nunca mais sair de lá. 


Agora, eles haviam decidido assistir um filme, escolhido por Hazel e Piper. Algum romance chato demais para Percy. Ele preferia assistir Annabeth enquanto ela assistia ao filme. 


Thalia estava desmaiada no ombro do irmão, que também cochilava em uma posição que não parecia muito confortável, seguido de Piper e Frank. Apenas Leo e Hazel prestavam atenção no filme, ocasionalmente comentando algo sobre o mesmo. E Percy começava a ficar inquieto, sentado no tapete marrom da sala, ao lado de Annabeth, tudo o que ele queria era sair dali e terminar o que haviam começado mais cedo. Ele precisava beijá-la de novo. 


Tomando coragem, ele moveu seu joelho contra o de Annabeth, chamando sua atenção discretamente, e ela o olhou, entendendo suas intenções de cara. E ela queria também, muito, beijar o moreno de novo, mas é claro que não admitiria. Levantando, sem tirar os olhos de Percy, ela anunciou aos amigos que iria no banheiro. Alguns segundos depois, Percy levantou, indo atrás dela cegamente, e os amigos logo entenderam suas intenções. Leo soltou uma risada enquanto Hazel se envergonhava novamente. 


“Clássico, clássico.” Leo murmurou, antes de voltar sua atenção para o filme. 


Quando Percy chegou ao quarto da loira, esperando que ela estivesse lá, foi surpreendido com um empurrão, sendo jogado contra a parede enquanto a loira encostava a porta e enlaçava os dedos em seus fios da nuca. Percy ficou surpreso pela atitude da loira, mas logo sorriu sedutor, agarrando a cintura da garota. 


Sem dizer uma palavra, eles iniciaram um beijo intenso e quente, mais desesperado do que o primeiro. O moreno levou suas mãos até as coxas da loira, abaixo da bunda, e ela entendeu suas intenções, pegando impulso e pulando para o colo de Percy, enrolando suas pernas na cintura dele, enquanto o mesmo a sustentava pela bunda farta. Percy estava nas nuvens, ainda sem acreditar que estava beijando-a. Ele andou até a cama, ainda sem abrir os olhos, e a deitou na mesma, delicado. Desgrudando seus lábios, Percy colocou uma mecha loira atrás da orelha de Annabeth, olhando cada detalhe de seu rosto perfeito, o nariz fino, as leves sardas marrons, quase imperceptíveis, os olhos cinzas rodeados por longos e escuros cílios e os lábios vermelhos e inchados. 


“O que você fez comigo?” Percy perguntou, mais para ele mesmo do que para a loira, que sorriu, puxando-o de volta pela nuca, puxando seu lábio inferior entre os dentes, sem quebrar o contato visual. Mesmo que ela não dissesse, estava tão hipnotizada e atraída pelo moreno quanto ele estava por ela, e não podia deixar de notar como ele a tratava de forma diferente, como se ela fosse sua prioridade, e isso era incrível para ela. 


“O que você acha da gente ficar aqui um pouco, só... juntos.” Ela perguntou, sem jeito, ainda com o rosto colado ao do garoto, que assentiu, entendendo sua vontade. Ela não queria fazer nada a mais naquele dia. Percy, então, satisfeito, puxou-a para debaixo dos cobertores, se acomodando ao lado da loira, que abraçou sua cintura, apoiando a cabeça no peito do moreno. “Obrigada.” Ela murmurou antes de fechar os olhos. 


Percy passou seu braço atrás da cabeça da loira, deixando um beijo em seus cabelos antes de fechar os olhos também. 


E ele se sentia mais do que bem ali, junto da garota. Se sentia protegido, confortável, sentia como se pertencesse ali; nos braços dela. 


Notas Finais


xoxo :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...