História Behavioral Analysis Agents - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Amber Heard, Criminal Minds, Stephen Amell
Personagens Personagens Originais
Tags Amber Heard, Amor, Criminal, Criminal Minds, Romance, Serial Killer, Stephen Amell
Visualizações 20
Palavras 1.325
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - 01; last day.


Fanfic / Fanfiction Behavioral Analysis Agents - Capítulo 2 - 01; last day.

O campo da derrota não está povoado de fracassos, mas de homens que tombaram antes de vencer. – Abraham Lincoln. 
Paris, França – 16h00min PM.

Chloe já tinha acordado à várias horas atrás, tinha se pego pensando novamente na morte da mãe e em quão cruel o homem que a matou tinha sido. Nunca na vida tinha se imaginado sem a mãe e hoje em dia era Major da Aeronáutica. Resolvia os pequenos crimes cometidos dentro da sua base e até algumas coisas há mais quando lhe pediam. Gostava de partir para a prática da coisa, estava sempre treinando seus tiros e quase nunca errava. Era boa no que fazia e todos que trabalhavam consigo sabiam disso.

A loira já estava pronta e fardada, esperando por um táxi que tinha chamado em frente ao prédio em que morava. Como ainda não tinha um carro, tinha de esperar a boa vontade dos táxis de pararem para ela ou de simplesmente chegarem na hora em que tinha marcado. A mulher tinha muito o que fazer antes de sua viagem para New Orleans. Precisava preparar a pessoa que ficaria em seu lugar e dar dicas de como lidar com os soldados ali dentro, tinha que ter rédea curta com todos eles. Se ela não aprovasse a pessoa que ficasse ali, o serviço ficaria nas mãos de uma pessoa de fora da área, porém de confiança dela até que achassem alguém que ela aprovasse.

Era incrível como tudo estava mudando tão rápido em sua vida, na noite anterior, Major Fleury tinha uma proposta quase irrecusável do coronel e da chefe da nova unidade para que seria transferida. Ela teria que se mudar para Nova Orleans, já que a unidade em questão era uma afiliada a Unidade de Análise Comportamental de Quântico. Ou tinha a opção de continuar em Paris servindo ao seu país, e esquecer que algum dia teve a oportunidade de se alguém muito melhor e ter uma carreira ainda mais brilhante. Obviamente ela não hesitou em aceitar ir para a nova cidade, fazer parte da UAC, mesmo que não a própria de Quântico, ainda era um sonho seu de muitos anos.

Uma buzina tirou sua atenção dos pensamentos de volta para o mundo dos vivos, a loira apenas respirou fundo caminhando até o automóvel amarelo e entrou no mesmo rapidamente. Disse ao homem para onde queria ir e logo estavam na estrada pouco movimentada, naquele momento poucas pessoas estavam na rua, apenas as que realmente precisavam. Desviou seu olhar para a janela observando a paisagem que rolava do lado de fora, enquanto isso seu pensamento vagou lentamente para seu namorado. Colocou uma das mãos na testa como se tivesse acabado de lembrar que deixou algo no fogo, tinha realmente esquecido que ainda namorava.

Não é por não gostar do rapaz, tinha afeto por ele, mas não era mais a mesma coisa de quando se conheceram. A questão era que o homem era modelo, raramente conseguia algum trabalho e vivia a suas custas. Isso quando ele não resolvia fazer uma pequena social no apartamento em que dividia com ele. Apenas ela pagava as contas e ele sequer lavava uma louça dentro de casa, as ela só queria chegar na residência e deitar por conta de um dia cheio, mas o que ganhava era som alto e os amigos dele rindo e gritando como se estivessem em casa.

Por isso, decidiu que quando fosse viajar para Nova Orleans, iria terminar o namoro e seguir em frente com sua nova vida. Não deixaria absolutamente nada para trás, venderia seu apartamento junto com a mobília e levaria apenas o que realmente necessitava, que era suas roupas e alguns aparelhos eletrônicos. O homem não iria ficar com absolutamente nada que era da loira, nem sequer uma poeira. As únicas coisas que eram do rapaz ali dentro, eram suas próprias roupas e nada mais. Ela sabia que ele tentaria ficar com pelo menos o apartamento, mas não iria rolar.

Quando percebeu, já estava em frente ao quartel e o motorista a olhava esperando pelo pagamento. Rapidamente mexeu em sua bolsa retirando uma certa quantia de dentro da mesma e entregou na mão do homem com um pequeno sorriso agradecido, saiu de dentro do veículo e soltou um suspiro pesado caminhando em passos curtos para dentro do estabelecimento. A cada passo que dava, era um soldado batendo continência para a mesma, era um sinal de respeito, mas ainda sim era um saco toda hora que um superior passava ter que bater continência, Chloe sabia bem o que aqueles soldados estavam passando ali.

Se dirigiu até o vestiário feminino deixando sua bolsa em seu armário. Ajeitou a farda rapidamente e caminhou para fora do lugar para ir de encontro com seu ajudante que assim que a viu bateu continência, a loira fez o mesmo e continuou andando com o moreno em sua cola. Ele tinha acabado de subir de patente, era sargento e até que estava se saindo bem em ajudar a procurar alguém para o lugar, tanto que estava quase colocando ele mesmo.

— Major, o primeiro candidato já chegou. — começou a falar enquanto tentava acompanhar os passos da loira e ainda sim ler algo em seu tablet, provavelmente a ficha do candidato. — Ele não é de Paris, veio do Brasil e dizem que é um excelente desarmador de bombas, tem apenas vinte e sete anos. — nesse momento ela esticou seu pescoço para ver o rosto do homem antes de entrar na sala. — Ele fala quatro idiomas, espanhol, francês, inglês e russo.

— Vamos ver se ele sabe falar francês mesmo. — foi a única coisa que a loira disse antes de entrar na sala. — Quel est votre nom? — caminhou por entre as mesas da sala enquanto encarava o homem de costas para ela, em poucos segundos o mesmo já tinha se virado e batido continência.

Je m'appelle Lucas, Major. Lucas Barbosa. — respondeu enquanto olhava para a mesma de forma um pouco desafiadora.

Je vois que vous êtes lieutenant de l'armée de l'air dans votre pays. — o mesmo assentiu rapidamente concordando com o que ela tinha acabado de dizer, enquanto isso a loira pegava o tablet de seu assistente e via atentamente a ficha do candidato. — Pourquoi pensez-vous que je devrais vous choisir pour ce poste?

Je suis sûr que j'en ajouterais beaucoup ici. Je suis allé dans plusieurs divisions au Brésil et je pense que mon expérience dans chaque domaine serait très bonne ici. — o rapaz falou rapidamente, a pronúncia do seu francês era impecável, parecia realmente que era seu idioma de origem. Sem falar que a ficha dele não era assim tão ruim, a surpreendia bastante. Seria interessante para base ter uma pessoa como ele por ali.

— Bom, com o que eu li aqui de sua ficha, juntando o seu francês e seu olhar completamente desafiador, você já pode começar hoje mesmo, Tenente. — a Major estava feliz em finalmente poder dar o cargo para outra pessoa. Levantou seu olhar para o homem que tinha um sorriso animador no rosto, a mesma retribuiu ao sorriso e estendeu a mão para que apertasse. — O Sargento Galloist vai te ajudar em tudo o que você precisar. Ele sempre foi meu fiel escudeiro aqui, espero que seja para você também. — deu os últimos parabéns antes de sair da sala se despedindo de todos ali.

Não os veria tão cedo e esperava que não tivesse que voltar para aquele lugar tão rápido assim. Respirou fundo caminhando em direção a sala do Coronel, queria pegar sua carta de transferência e depois iria de volta para o apartamento começar a encaixotar suas coisas. Não demorou tanto quanto o esperado ali, então apenas foi atrás de suas coisas no vestiário e saiu do quartel dando uma última olhada. Iria sentir falta, apesar de não me dar bem com nem metade das pessoas que trabalhavam ali.


Notas Finais


Sim, eu estou postando já o segundo capítulo pois sou ansiosa.

Disponível também no wattpad: https://my.w.tt/lcBX0LZ3t1


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...