História Behind Scenes - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Skam (Vergonha)
Tags Axel, Boyxboy, Elliot, Elu, Gay, Lucas, Maxence, Romance, Skamfrance, Tvshow
Visualizações 31
Palavras 2.056
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Maxence e Axel colocando em prática a lei do revezamento kkkk

🔞🔞 Tem safadeza sim.

Capítulo 11 - Je pense que je suis tombé amoureux


Fanfic / Fanfiction Behind Scenes - Capítulo 11 - Je pense que je suis tombé amoureux

Sou acordado por beijos suaves no meu peito e na curva do meu pescoço. E digo com certeza que essa é a melhor maneira de ser despertado.

O dia não amanheceu totalmente, mas já tem claridade suficiente para iluminar o delicioso corpo em meus braços.

Axel me sorri e seus olhos de céu brilham ainda que sonolentos.

__ Bom dia, Max. - diz contra meus lábios.

__ Bom dia, lindo anjo. - o beijo devagar - dormiu bem?

__ Bem até demais. - faz um bico fofo - tenho medo de me acostumar com isso.

__ Seria assim tão ruim?

__ Seria trágico me acostumar e não poder ter você assim com a frequência que eu preciso. - disse fazendo desenhos aleatórios no meu peito.

__ Estou aqui agora, Axel. - digo contra seu ouvido.

Ele levanta a cabeça e me olha por um tempo. Em silêncio. Eu daria o mundo para saber em que ele pensava enquanto me olha daquela forma.

E então ele me beija, com carinho, sem pressa. Mordendo meus lábios e me despertando o desejo.

Eu correspondo com a mesma paixão e nossos corpos se movem, até que ele esteja sobre mim.

Nossas intimidades se tocando. Ainda estamos nus e isso torna tudo mais intenso.

Quando o ar falta, Axel larga meus lábios, mas continua deixando beijos suaves em meu pescoço. Eu fecho os olhos e apenas aproveito as sensações que sua boca desperta em mim.

É como se fogo corresse em minhas veias. Seus lábios vão correndo pela minha pele e deixando um rastro de fogo para trás.

Solto um gemido manhoso quando sinto sua língua quente rodeando meus mamilos. Sou sensível nessa parte e abro os olhos quando sou lambido e sugado nessa região.

Meu pau já está pulsando no meio das pernas. E me agarro aos lençóis quando sinto a mão de Axel se movendo em meu membro duro, sem parar de sugar meus mamilos. Isso é gostoso demais.

Os olhos azuis estão cravados em mim, como se precisasse registrar cada uma de minhas reações. E devo estar dando um espetáculo aqui, porque estou derretendo em suas mãos e boca.

Axel é um gostoso do caralho!!

Meu corpo todo treme quando os beijos continuam descendo por meu abdômen. Pequenas mordidas e aquela língua circulando meu umbigo. Me enlouquecendo pouco a pouco.

Novamente estou gemendo alto quando essa mesma língua travessa se arrasta na fenda da minha glande inchada.

Meu pau pulsa em sua mão e o maldito me sorri. Como se estivesse apreciando o estrago que está fazendo em mim.

Minha glande sensível é lambida e chupada de forma tão gostosa que me agarro aos cabelos dele e fico repetindo seu nome quase como um mantra. Quase a beira do desespero.

__ Lindo... - ouço-o murmurar contra meu pau dolorido - e tão gostoso...

Segurou meu pau pela base e enfiou tudo na boca. Meu corpo se arqueou sem que eu pudesse controlar.

Gemi igual uma putinha, tenho certeza disso, mas não me importei, porque as sensações eram boas demais. Eu estava mesmo me tornando a putinha dele.

Axel não devia ser tão bom nisso. Santo Deus!

Eu estou quase explodindo de tanto tesão e esse garoto continua me engolindo de forma gulosa, sem desviar os olhos de mim. E isso é o que basta para meu corpo entrar em combustão.

Me contorço todo e quero gritar enquanto me agarro aos lençóis, porque o prazer é quase demais para aguentar.

Não consigo desviar os olhos daquela boquinha carnuda e vermelhinha, me engolindo até meu pau tocar sua garganta.

Estou caindo em queda livre e sem paraquedas. Não sou mais dono de mim. Minha sanidade se esvaiu.

Meu cérebro não responde mais aos meus comandos. Me transformei em uma bagunça de gemidos e resmungos.

Sinto como se Axel estivesse em torno de mim, por todo o meu corpo.E abro mais as pernas quando dedos sorrateiros deslizam pelas minhas bolas e acaricia o anel sensível da minha entrada. Não me penetra, apenas acaricia e provoca, sem parar de me chupar com vontade.

Fecho os olhos e me arqueio mais uma vez quando o primeiro dedo finalmente me invade. É uma sensação nova, um pouco incomoda no início, mas Axel é cuidadoso e o move devagar, me distraindo com a boca ainda em meu pau.

Eu relaxo e apenas me entrego aos seus toques, sem saber com certeza onde isso vai parar. E não me importo, porque ele me tem com facilidade.

Rebolo levemente quando sinto o segundo dedo entrar e logo mais um.

Os dedos se abrem dentro de mim, alargando meu canal apertado e jamais tocado dessa forma antes.

Resmungo um pouco, mas logo estou gemendo de prazer, quando Axel encontra algum ponto dentro de mim, que me dá a sensação de estar tocando o céu.

É uma sensação desesperadora, mas deliciosa. Murmuro o nome dele, pedindo por mais e não consigo desviar os olhos quando o vejo largar meu pau e arrastar os lábios por minhas bolas e seguindo pelo períneo, até estar me invadindo com aquela lingua quente.

Segurou minhas coxas e abriu minhas pernas o máximo possível, expondo minha entrada de forma que me deixaria envergonhado, se fosse em outra situação.

Mas a maneira como ele olhava meu corpo todo aberto ali e mordia os lábios, como se planejasse me devorar...santo Deus!

Eu me sentia lindo e desejava demais ser devorado por esse demônio sedutor com cara de anjo, tão sexy.

E Axel me devorou. Sua língua quente me explorou inteiro. Me lambeu, me penetrou, me chupou.

Eu estava febril e me desmanchei entre seus dedos, que não havia parado de me masturbar em momento nenhum.

Acho que gritei de prazer, mais alto do que devia, porque aquele garoto me olhava com um sorriso satisfeito na cara.

Aquela cara sexy, todo descabelado, bochechas e lábios avermelhados. A própria encarnação do pecado, bem no meio das minhas pernas.

Mas eu não consegui dizer nada, acho que nem estava respirando direito. Meu corpo ainda sendo sacudido pelos espasmos do orgasmo.

E Axel engatinhou sobre mim, seu corpo pairando sobre o meu, quando nossos lábios se uniram em um beijo suave, porque eu ainda tinha dificuldade para respirar.

E eu arregalei os olhos e me agarrei a ele, quando se ajeitou entre minhas pernas e se impulsionou para dentro de mim, sem qualquer aviso.

Eu realmente gritei e devo ter mordido alguma parte do corpo dele, porque meu corpo todo reagiu a essa invasão.

Não foi ruim, apenas inesperada. Axel sussurrava contra meu ouvido, pedindo docemente que eu relaxasse e o avisasse quando pudesse se mover.

Meus músculos internos se fecharam em torno dele, em torno de seu pau pulsante e ambos gemendo com isso.

Arranhei suas costas e avisei que poderia se mexer. E assim o fez.

A príncipio bem devagar, como se temesse me machucar. Então passei as pernas em torno de seu quadril e o recebi por inteiro quando passou a me estocar rápido e forte.

Mais uma vez estávamos naquela dança sensual e deliciosa. Nossos corpos suados se impulsionando um contra o outro.

Sentindo aquele tipo de conexão que ia além de nossos corpos juntos. Os olhos azuis fixos nos meus, repleto daquelas palavras que talvez jamais teríamos que dizer.

Eu o entendia. Eu o sentia. Eu o tinha em mim de todas as formas. E era a melhor das sensações de toda a minha vida!

Em algum momento aquilo tudo foi demais. A onda de prazer me arrastou, levando-o junto e o quarto se encheu de nossos barulhos pornográficos e nossos gemidos quando amolecemos nos braços do outro.

Eu o senti se derramar dentro de mim e meu nome me seus lábios era a coisa mais linda, quando Axel gemia contra meu pescoço.

Éramos a mais linda bagunça com nossos corpos entrelaçados, com Axel ainda pulsando dentro de mim e deixando beijos preguiçosos em meus lábios.

__ Você destruiu toda a minha vida sexual... - reclamou baixinho e eu o olhei confuso - nunca mais vou conseguir transar com uma garota novamente. Eu sempre vou comparar com essa sensação de estar confortável dentro de você. Eu sempre vou desejar esse tipo de experiência. Sempre vou desejar você!

Eu sorri, meio sem forças e beijei sua testa molhada. E suspirei porque eu sabia que o mesmo aconteceria comigo. Sabia que jamais experimentaria esse tipo de conexão com outra pessoa.

Jamais me daria inteiro dessa forma. Jamais conseguiria transar com Elise ou qualquer outra pessoa sem comparar com Axel.

E isso era péssimo, porque havia acabado de perceber que, sem esse garoto em minha vida e em meus braços, eu sempre seria incompleto.



__ Estou faminto. - Axel saiu do banheiro, secando os cabelos, tendo apenas uma toalha em torno de seu corpo - podemos pedir alguma coisa antes de voltar para o mundo real?

__ Podemos. - sorrio pra ele - quer comer aqui mesmo ou prefere ir para algum restaurante?

__ O que você preferir, pra mim está bom. Apenas peça comida, por favor. - fez cara de menino pidão e eu me derreti.

Pedi nossa refeição no restaurante do hotel mesmo e depois tentei ignorar o corpo exposto de Axel, bem diante de mim, enquanto ele se livrava da toalha e vestia suas roupas.

Eu já estava vestido também e deitado na cama que bagunçamos. Axel veio para meus braços, quando já estava todo vestido. Beijou meus lábios com carinho e ficou quietinho, com o rosto escondido no meu pescoço.

Tão quietinho que até achei que tinha pegado no sono.

__ Você está bem? - ouço sua voz baixinho - seu coração está acelerado.

__ Você faz meu coração bater desse jeito. - deixo um beijo em sua testa.

__ Está bem mesmo? - me olha parecendo preocupado - depois do que fizemos aqui...deve estar dolorido...

__ Sinto meu rabo em chamas também. - digo divertido e ele sorri presunçoso - mas estou bem. Você foi maravilhoso, Axel.

__ Eu fui? - me olha meio corado e meio inseguro - acho que nem sabia direito o que estava fazendo. Você é o primeiro homem com quem tenho esse tipo de intimidade. Eu só queria lhe dar prazer.

__ Pode apostar que teve sucesso nisso. - acaricio seu lindo rosto - e não precisa se preocupar com isso. Estamos experimentando, certo? E não me arrependo de nada que faço e descubro com você. Foi bom estar dentro de você e te ver desmanchar-se em meus braços. Assim como foi bom sentir você pulsando dentro de mim e me levando aos limites do prazer.

__ Mesmo que isso vá nos causar sérios problemas depois? - Axel fez um bico adorável - por mais que eu tente ignorar isso, sei que ainda tem uma namorada. E o que estamos fazendo não é certo, embora ao mesmo tempo, pareça perfeito. Isso faz sentido pra você?

__ Sim. Vou resolver as coisas com Elise, eu prometo. Apenas tenha um pouco mais de paciência comigo.

__ E depois?

__ Não sei. - disse honesto - nesse momento eu sei que quero muito ficar com você. Sei que essa escolha terá consequências. Vai mudar a forma como as pessoas vão nos olhar e nos tratar. A pergunta aqui é: está disposto a enfrentar isso comigo?

Axel não responde porque alguém bate na porta. O garoto em meus braços salta para fora da cama e recebe nossa refeição, paga por ela e começa a abrir tudo como se não comesse nada a dias. Ele deve estar mesmo com muita fome.

Me junto a ele e comemos em silêncio. Nada constrangedor. Apenas não havia nada para ser dito e estávamos mesmo famintos.

As horas pareceram voar e a realidade nos chamava de volta. Elise ligou algumas vezes e eu recusei todas as chamadas, porque seria incapaz de mentir pra ela, estando ainda sob o encanto de Axel.

Axel também recebeu algumas ligações, provavelmente de seus pais, já que ele havia passado a noite fora sem deixar qualquer aviso.

E havia chamadas de David também, avisando que tinha cenas dele para serem gravadas. Eu tinha o resto do dia livre, então deixei meu doce garoto em sua casa e voltei para minha própria, me deparando com Elise me esperando lá e com uma cara nada amigável.

Estou muito ferrado agora!!


Notas Finais


Comente e faça essa autora feliz!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...