História Behind The Secrets - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Ryan Butler
Visualizações 3.887
Palavras 3.695
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Festa, Ficção Adolescente, Mistério, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 20 - Romantic night


Passei na frente dele, e coloquei minha bolsa em cima da cadeira da escrivaninha. Seu notebook estava ligado em cima do mesmo, com uma página aberta em uma foto dele, todo de preto, com óculos escuros. De certo, era algo diferente.

- O que é isso? - Falei curiosa e ele logo abaixou a tela do notebook. 

- Coisas do trabalho. - Falou rápido e parou em minha frente.

- Por que você não me conta sobre isso? - Falei olhando para ele, que cruzou os braços, mostrando ainda mais suas tatuagens.

- Não posso falar sobre isso. - Disse sério. - Mas, eu prometo que um dia te conto. - Falou ao abrir um sorriso discreto, e fitou meus lábios. - Tudo bem? - Questionou esperando que eu dissesse algo. Apenas assenti, e ele me puxou para perto. Por que ele parece ser tão anormal de uma hora para a outra?

- O que vamos fazer? - Falei ao deixar meu celular em cima da bolsa. 

- O que acha de assistirmos um filme, aqui no quarto? - Sentou na ponta da cama. - Preciso que você me ajude em algo. - Falou pensativo. Justin precisando de ajuda? Isso pode ser épico.

- Pode ser. Com o que? - Falei andando pelo quarto, olhando seus objetos.

- Eu quero tentar, ter uma noite tranquila, sabe? Sem ficar pensando apenas em sexo e derivados. - Parou por um segundo, provavelmente pensando em como continuar. - Podemos tentar? 

- Claro. - Assenti rapidamente. Eu estava a favor da proposta dele, porque o Justin realmente está precisando apagar um pouco esse fogo de só pensar em sexo. Se ele sugeriu isso, é porque realmente está disposto a se divertir, sem ser assim. Fui até ele, e sentei em seu colo de lado, que deu-me um beijo no rosto.

- Você não está ajudando. - Disse risonho e esticou as pernas. 

- Se você quiser, eu saio. - Falei ao olhar para ele, que negou com a cabeça e suspirou olhando-me. - Então aprenda a se conter. - Segurei a risada e ele apenas concordou com a cabeça.

- Mas você está de vestido... - Falou ao olhá-lo de cima a baixo. - Não está facilitando. - Falou com a voz fraca.

- E o que você quer que eu faça? - Dobrei as pernas embaixo das dele, e dei a volta com o braço direito em seu pescoço.

- Não me provoque. - Falou ao colocar todo o meu cabelo para o outro lado. Beijou-me no ombro direito bem devagar.

- Não tenho culpa se você é fraco. - Falei ao quase tocar nossos lábios, que apertou minha cintura brutalmente. Beijei a ponta de seus lábios, e tirei seu gorro, enquanto ainda o beijava nos lábios. Toquei nossos lábios lentamente, para ver se ele estava envolvido, que parecia estar se acalmando aos poucos. Ao mesmo tempo que eu queria provocá-lo, queria saber como ele pretende lidar com isso.

- Qual filme iremos assistir? - Pausei o beijo, e ele insistiu em mais um selinho.

- O qual você quiser. Pode escolher na Netflix. - Deu o controle na minha mão. - Mas antes, vou te mostrar toda a minha casa. - Levantei-me e ele saiu do quarto segurando minha mão. Atravessamos o corredor, e ele entrou no primeiro quarto. Era uma suíte com uma cama de casal, e muito bem decorado em um tom neutro. 

- Quarto de hóspedes. Geralmente o Ryan ou o Greg ficam aqui. - Passou para a próxima porta e era um banheiro. A outra era um quarto feminino.

- Quem dorme aqui? - Falei olhando ao redor.

- Ninguém. Mas quando a minha prima vier me visitar, ela fica aqui. - Sorriu.

- Ah, prima? - Falei desconfiando e ele riu. 

- É sério. - Fechou a porta e fomos para o próximo quarto, que era o do "Jason". Continuava do mesmo jeito de quando eu vim antes. Parece que ele nem fica aqui direito. - Eu nunca fico aqui... - Fechou novamente a porta e passamos pelo quarto dele, até a última porta. Era um enorme escritório, que me parecia mais uma biblioteca com mais de 5 andares em prateleiras de livros. 

- Você lê bastante pelo jeito... - Falei olhando ao redor. 

- Não muito. São mais para as minhas pesquisas. - Falou parando ao meu lado.

- Pesquisas, sobre? - Falei olhando para ele, que estava prestes a responder, quando interrompi-o. - Do trabalho, já entendi.

- Sim. - Revirei os olhos e ele me abraçou forte. - Aw. - Falou em um tom carinhoso, e deu-me um beijo no rosto. Tentei permanecer séria, mas sorri sem querer, e ele continuou beijando meu rosto, pausadamente. Ao mesmo tempo que ele tem uma forte pressão em seus dedos, parece tentar ser tão delicado, que eu me confundo.

- Nem vem. - Falei olhando para o nada, enquanto ele tocava seus lábios no canto da minha boca, pedindo para que eu o olhasse. 

- Qual é Mel... eu já disse que um dia te conto. - Falou com a voz baixa, quase tocando os lábios em meu lóbulo, o que me fez estremecer por completo. Tentei me recompor no mesmo instante, e ele obviamente percebeu o efeito que causou, sem esforço algum. 

Saímos do escrítorio, que para mim era mais uma biblioteca. Paramos no fim do corredor, e fui até a pequena janela, que dava para o quintal dele, do qual havia uma enorme piscina e aparentemente, uma área coberta. Em instantes, ele me abraçou por trás, envolvendo seus braços em minha cintura e seu rosto na curvatura do meu pescoço, tendo a mesma vista que eu.

- Está com fome? - Assenti lentamente. - Vamos comer a pizza enquanto assistimos ao flme então. Enquanto eu pego tudo lá embaixo, você escolhe um filme, pode ser? - Falou ao desencostar.

- Ok. - Atravessei o corredor, procurando o quarto dele, e logo entrei no mesmo. Encostei a porta, e vesti um shorts extremamente curto, que fazia parte do meu pijama. Tirei o vestido, ficando apenas com o sutiã vermelho e a parte debaixo da roupa. Sentei-me no chão e fiquei escolhendo os filmes. Eram tantos, que eu não fazia ideia de qual queria assistir. Tudo, menos algo muito romântico, ou muito terrorista. Mandei uma mensagem para a Alice, dizendo que iria passar a noite aqui, e queria saber se a minha tia já estava em casa. Ela não respondeu, então deve estar passeando por aí.

- Esco... lheu? - Guaguejou e empurrou a porta com os pés. Havia me esquecido de vestir a blusa, mas não foi por mal. Tudo bem que, eu gostei da reação dele, mas realmente não foi proposital.

- Se importa se eu ficar assim até escolher o filme? - Falei olhando para ele, que parecia surpreso e apenas afirmou com a cabeça. - Estou indecisa entre O lado bom da vida e Círculo de fogo. Qual você prefere? - Olhei para ele, que estava colocando as bandejas em cima da cama, e tirou as correntes do pescoço.

- Eu... é... por mim, pode ser qualquer um. Esse Círculo de fogo parece ser bom. - Falou enroscando nas palavras, e passou na minha frente, para deixar suas correntes perto da minha bolsa, e aproveitou para inclinar a cabeça, tentando olhar meus seios. Indiscreto. Olhei-o risonha, que lambeu os lábios e esticou as mãos, para que eu me apoiasse para levantar. Fiquei de pé, e ele tocou sua testa na minha, inclinando ainda mais sua cabeça.

- Você não tem um pingo de vergonha na cara não? - Falei ao pegar minha blusa, e ele pegou a mesma da minha mão, colocando atrás de suas costas, escondendo com as mãos.

- Na verdade, não. - Falou sarcástico. - Por mim você pode ficar assim, sem problemas. - Deu os ombros e alguns passos para trás, quase sentando-se na cama. 

- Você quis um acordo, então tem que cumprí-lo. - Falei ao cruzar os braços. - Devolve a minha blusa.

- Eu não prometi nada, então... - Desviou o olhar e sorriu malicioso. - Por que? Fique assim. - Sentou na ponta da cama, e diminuiu a luz do quarto com um controle remoto, que estava ao lado do da tevê. 

- Por que você quer que eu fique assim? - Questionei ainda olhando para ele.

- Porque eu gosto. - Falou como se fosse óbvio. 

- Mas eu não. - Retruquei rápido.

- Se não gostasse, não estaria assim. - Tudo bem... ele me pegou com o que disse, e fiquei sem resposta. Preferi apenas concordar com ele, e dei-lhe um selinho, que colocou o filme e jogou minha blusa na escrivaninha.

Nos sentamos na cama, e peguei minha bandeja, deixando quase ao meu lado, e ele fez o mesmo. Tomei um gole da minha coca e o filme começou. Comecei a comer minha pizza, e ele parecia não estar muito entretido no filme.

- Jay. - Ele rapidamente olhou-me. - Me responde uma coisa, com sinceridade? - Falei ainda olhando para ele.

- Sim babe. O que? - Falou.

- Desde que, estamos juntos, você se envolveu ao menos uma vez? - Falei tentando formular a pergunta certa. - Você sente algo? - Não sabia como tirar isso dele, mas eu queria muito saber o que ele pensa sobre. Justin engoliu seco e deixou sua bebida de lado.

- Eu acho que... acho que sinto, mas não sei o que é. - Como alguém pode sentir algo por outra pessoa, e não saber o que é? Deve ser apenas uma atração física. - Eu já te disse várias vezes que gosto muito de você, mas eu não sei o que é. - Falou em um tom manso, e pude perceber que ele estava sendo sincero.

- O que você sente? - Sentei-me mais de frente para ele, esperando sua resposta. - Não estou falando de tesão ou algo momentâneo. - Queria que ele entendesse perfeitamente a minha pergunta, e pensasse para responder.

Ele permaneceu olhando-me como se eu fosse seu ponto fixo, para pensar em outra coisa. Não queria pressioná-lo, ou esperar uma resposta para já. Eu queria que ele pensasse sobre isso, e me respondesse quando tiver certeza do que sente.

- É complicado. Posso pensar um pouco? - Falou ao deixar sua bandeja de lado. Assenti sem resposta, e ele sorriu sem graça.

Levantei-me e fui até o banheiro. Lavei as mãos, já que estavam todas sujas, e fiz minhas higienes. Assim que saí do banheiro, ele estava entrando no quarto. Olhei para a cama e estava vazia. Ele deve ter levado tudo para a cozinha.

Peguei meu celular e sentei-me na cama, puxando pouco a cortina do meu lado. Ele entrou no banheiro e saiu em instantes. Parecia tão quieto, que ainda deve estar pensado no que me responder. 

Sentou-se ao meu lado e apagou completamente as luzes, aumentando pouco o volume da tevê.

Fiquei quase deitada, apoiando com a cabeça em seu peitoral, que acariciou meu cabelo da raiz até as pontas. Aquilo era realmente bom, e me deixava relaxada. Ele deslizou a mão esquerda em meu braço, até a minha cintura e passou a massagear-me com força nas mãos.

- Não sei explicar. - Provavelmente, pensou alto. - Eu gosto demais da sua companhia, do seu corpo, seu sorriso, de ver que você se preocupa comigo... eu gosto demais. É só isso que eu posso dizer. - Falou ainda acariciando meu cabelo, e desencostei-me dele, para que pudesse olhá-lo nos olhos. Confesso que fui pega completamente de surpresa, e não esperava que ele dissesse logo uma coisa dessas. Eu esperava apenas que... não sei. Ele falasse que gostava do meu corpo, já que ele é esse tipo de garoto. Se ele soube descrever, não é amor ou algo mais forte, mas ele se enrolou tanto para dizer, que até eu fiquei na dúvida.

- Gosta demais, como? - Falei ainda olhando para ele, e cruzei minhas pernas voltando ao meu lugar.

- Ah, muito. Eu não sei explicar. - Mexeu em seu cabelo, desfazendo todo o topete, e voltou a prestar atenção no filme. - Eu já havia dito isso a você. - Concordei, ao lembrar do dia em que conversamos brevemente sobre isso. - E você?

- O que? - Eu não sabia o que dizer. Parece estranho, mas estamos na mesma situação. Eu tenho um carinho enorme por ele, mas não sei se chega a ser um amor forte. Eu o amo como... uma boa companhia. - Eu tenho um carinho enorme por você. Gosto da sua companhia, desse seu jeito bipolar, do seu sorriso. Eu estou dividida entre o Jason e o Justin. - Falei risonha para descontrair, e ele automaticamente sorriu. 

- Ainda bem que você não disse que me considera apenas um amigo. - Falou sorridente, e colocou o celular ao seu lado, na cama

- Qual a diferença? - Não entendi onde ele quer chegar, ao falar isso.

- Toda a diferença. Se eu disse que te amo, não foi apenas como uma amiga, então você... - ele parou de falar rapidamente e olhou-me abismado, como se tivesse dito algo sem pensar. Ele realmente falou que me ama? Não pode ser. Tem algo errado nessa história.

- Você disse que me ama. - Falei olhando para ele.

- Não disse não. - Retrucou, já que não tinha qualquer argumento.

- Sim, você disse. - Tentei imitar sua voz e raspei a garganta. - Se eu disse que te amo, não foi apenas como uma amiga. - Ele riu compleramente sem graça.

- Para com isso. - Falou fraco e ficou quase deitado na cama. Aproximei-me dele, e acariciei seu cabelo, olhando em seu rosto, que tentou desviar seu olhar do meu, o máximo que conseguiu, fingindo estar prestando atenção no filme. 

- Aw, você está com vergonha. - Falei ao dar um selinho nele, que fitou meus seios.

- Não estou não. - Indagou sério. Inclinei-me ao lado dele, e enrolei os fios de seu cabelo com os dedos, acariciando-o. Queria que ele esquecesse o que disse, e queria também, deixá-lo mais confortável com essa situação. Com o polegar, acariciei sua bochecha e ele fechou os olhos devagar, acariciando minha perna com uma das mãos. Beijei a ponta de seus lábios, e toquei nossas línguas devagar, para que ele sentisse algo, como disse há pouco. Tentei agir da maneira mais lenta possível. Ele passou uma das mãos por entre meus cabelos, apertando-os suavemente. Deitei meu corpo quase que em cima do dele, e prosseguimos com a mesma calma. Justin segurou minhas pernas, colocando-as no alto, até que eu ficasse deitada em cima dele. Enquanto nos beijávamos, ele movia suas mãos com leveza por todo o meu corpo, procurando alguma parte para descansar seus dedos. Virei minha cabeça para o lado, assim como ele, que mordiscou o interior do meu lábio e massageou minhas costas, descendo até a minha bunda. Tentou subir meu shorts, o que era impossível, já que ele é curto o bastante, e apertou-as com força, o que me fez abrir a boca para resmungar, e ele voltou a me beijar com um sorriso no rosto. Havia algo nele, que funcionava como um imã para o meu corpo, porque, de certa forma, ele me envolve de uma maneira incrivelmente única, e faz com que eu não consiga parar, me afastar, e muito menos pensar em outra coisa, a não ser ele. 

Foi excêntrico o quanto estávamos calmos e relaxados um com o outro. Parecia que ele não estava pensando em sexo, mas sim, em aproveitar o momento, apenas o agora. Eu não conseguia pensar em absolutamente nada, a não ser o gosto saboroso de seu beijo. Se eu pudesse, o beijaria até não pode mais. Nunca seria um problema para mim. Ele subia suas mão até a alça do meu sutiã, e descia novamente até o fim das minhas costas. Eu estava excitada, mas o suficiente para que pudesse me distrair e esquecer isso. 

- Você não faz ideia, do quanto eu te desejo. - Falou entre o beijo, e deitei com a cabeça no travesseiro, mordendo seu ombro. - Não acredito que admiti isso. - Falou risonho, e colocou todo o meu cabelo para o lado oposto, tentando enxergar meu rosto. Mordi novamente seu ombro esquerdo, e soltei meu corpo em cima dele, que me fez cafuné por alguns instantes, e deu-me um beijo na testa. Foi bizarro ouvir da boca dele, que me deseja muito. Eu não sabia o que responder, porque além de desejá-lo, eu queria estar com ele a todo momento, mas não acho que ainda seja a hora de abrir o jogo e confessar que eu estou realmente apaixonada por ele. Isso não está certo, não agora. Notei que ele ajeitou seu shorts, tentando tirá-lo, mas o impedi, ao pegar em suas mãos, e entrelaçar nossos dedos. Eu queria que tivéssemos um momento romântico, mas que fosse algo natural. Ele pode ter esse jeito não muito normal, mas tenho certeza que sabe como ser romântico, ao menos uma vez. E para a minha surpresa, eu estava certa.

Justin apetou minha mão direita, e com a outra foi tirando os fios do meu cabelo dos ombros, e beijando o mesmo, até a alça do meu sutiã. Ele colocou o dedo indicador por debaixo da mesma, e ameaçou tirá-lo, todo tranquilo. Passou a beijar meu pescoço com a ponta dos lábios, e a morder bem suavemente, para que não ficasse marcado. Meu corpo estava completamente arrepiado com seu toque macio, e ele me deitou ao seu lado. Não sabia o que iria, ou pretendia fazer, então, fiquei imóvel, olhando para a tevê.

Justin ficou quase sentado em cima de mim, e apoiou com os joelhos na cama, entre as minhas pernas. Fez uma longa trilha de beijos pausados do meu busto, até a costura do meu shorts. Manti as pernas fechadas, tentando permanecer, ou ao menos parecer calma. A verdade é que, eu estava ficando descontrolada com tudo isso, sem fazer ao menos um movimento para dizer que estava gostando, ou para que ele continuasse. Apenas fechei os olhos, e deixei-o continuar o que estava fazendo. Ele colocou minhas mãos para o lado, e escondeu-se com a cabeça, no meio de minhas pernas, na região da minha virilha. Depositou  beijos por alí, e sem tirar qualquer peça da minha roupa, mordeu ainda minha virilha, o que me fez soltar um gemido baixo. Nem eu mesma sabia que essa era um dos meus pontos fracos. Sentia meu coração pulsando cada segundo mais rápido, e minhas mãos estavam frias. Minha respiração passou a acelerar junto à batida do meu coração, e eu estava inquieta. Isso nunca tinha acontecido antes. Não tudo de uma vez. Murmurei novamente, e ele sorriu como se estivesse gostando da minha reação. 

- Como você pode ser tão... - Parei na metade da frase, e fechei novamente os olhos. Senti sua respiração próxima ao meus lábios.

- Você merece o meu melhor. - Disse quase tocando nossos lábios, e deu-me um longo selinho. Sorri instantaneamente com o que ele disse, e tocou nossos narizes, trazendo-me novamente a vontade de beijá-lo. 

Arranhei seu couro cabeludo com as unhas, puxando-o cada vez mais. Justin escondeu sua mão direita na minha nuca, tocando o travesseiro e tentou levantar meu rosto, para que pudesse me beijar em uma melhor posição. Conduziu-me a ficar quase sentada, e segurou meu corpo com as pernas, que estavam dobradas, deixando-o sentado, porém ainda inclinado. Eu estava sem forças, não sabia como reagir. Eu apenas... estava o acompanhando.

Rocei nossos lábios, e ele ameaçou beijar-me, deitando-se ao meu lado. Pegou nas minhas costas, puxando-me para que colássemos o corpo um no outro. Ele olhou para os seios e rapidamente colocou uma das mãos no mesmo, apertando-o com tamanha força, que tentei arquear minhas costas em defesa, e ele me segurou. Apertou-o com vontade, aumentando completamente minha excitação. Paramos de nos acariciar por míseros segundos, e beijei-o nos lábios com carinho. Ele sorriu novamente e forçou seus olhos para não abrí-los.

Tocamos nossas testas e suspirei alegre, por estar certa, em que ele realmente sabe como ser romântico e, como consegue agradar tanto uma garota. Pemaneci acariciando sua bochecha com o polegar, e ele deitou com a cabeça quase tocando a minha. Estávamos em um completo silêncio, a não ser pelo volume baixo da tevê, e foi quando eu percebi que o filme havia chegado ao fim. Olhei-o, que acariciava minha mão com o polegar, olhando para o nada, provavelmente pensando em algo.

- Não acredito que você conseguiu ouvir todas essas coisas de mim. - Falou ao olhar-me fixamente nos olhos, e lambeu os lábios.

- É tão difícil assim ouvir isso de você? - Questionei ainda acariciando-o no rosto.

- Você não faz ideia do quanto. - Foi convincente. - Isso é bom. 

- Por que?

- Porque você consegue com que eu seja sincero, espontâneamente. O que é raro. - Deu-me um selinho.

Às vezes, eu acho que ele tem algo por trás de tudo isso. Porque, como pode estar todo grosseiro o dia todo, e de uma hora para outra, se tornar um homem romântico? Mesmo que eu imaginasse, não fazia ideia de que ele verdadeiramente é romântico.  

- Você acha que... nós, ficaremos nessa por um bom tempo? - Falei ainda olhando para ele. - Nessa de ficar por diversão, sabe?

- Não. - Respondeu rápido. - Por mim, podemos ir para a próxima etapa. - sorriu.

 

SPOILER

o Jason disse a ela que vocês estão namorando. - O Justin não teria motivos para dizer isso, ainda mais para uma ex qualquer. Por que ele conversou com ela? Que situação mal explicada.

- Ele disse isso? - Falei tentando não parecer surpresa.

- Sim. Por isso, eu achei que vocês estavam tendo algo sério.

- Huh... mas nós não estamos juntos. - Falei para que ele tivesse certeza de que não há nada serio entre eu e o Justin. - O que você acha?


Notas Finais


Amando os comentários de vocês, mesmo! Obrigada pelos elogios. Beijo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...