1. Spirit Fanfics >
  2. Beleza Francesa. >
  3. Um novo detetive na cidade de Nova Iorque.

História Beleza Francesa. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Olá, meus amores. Este é o primeiro capítulo oficial da história.
É que no outro , eu dei uma leve bugada nele. E então, decidir recomeçar com a história.
Espero que gostem do capítulo, por favor, comentem o que acharam
Tenham uma boa leitura.

Capítulo 1 - Um novo detetive na cidade de Nova Iorque.


Em uma delegacia no centro da cidade de Nova Iorque nos anos de 1920, dois homens andavam em um corredor de uma grande sala de casos não solucionados ao longo do tempo, repleto de caixas e mais caixas que parecia não ter fim


 

Um destes homens que andavam pelo corredor, tinha uma altura mediana, estrutura um pouco musculosa, fumando um cigarro de uma boa marca, parecendo ter mais de 40 anos, exibindo no peito com orgulho o seu distintivo de chefe de polícia, procurando por uma caixa aleatória.


 

Outro homem que estava perto do delegado, era mais jovem do que o seu chefe, era mais alto do que o seu chefe, era mais musculoso , vestia um terno preto, caminhando lentamente, mantendo uma distância segura , olhando as diversas caixas em seu caminho.


 

Ao chegarem em um certo corredor da sala ,onde se encontravam, Rogercop escolheu uma boa caixa aleatória , jogou o seu cigarro fora,pisou nele , apagando o fogo com uma única pisada , esticou as suas mãos , começando a pegar a caixa escolhida.


 

(...)


 

Rogercop : Acho que este caso é perfeito para um bom começo de carreira na polícia , Cat Noir . Sei que veio da França para tentar uma vida melhor aqui. Por falar nisso. Já encontrou um lugar para morar ? - Ele retira a caixa escolhida da prateleira .


 

Cat : Sim, é bem temporário . É a casa da minha irmã Chantelle. Ainda não encontrei um lugar fixo. Hoje é o meu primeiro dia de trabalho. - Ele ajeita o seu chapéu na cabeça.


 

Rogercop : O que a sua irmã mais nova faz atualmente? - Ele segura a caixa nas mãos.


 

Cat : Ela é a relatora de um jornal local daqui. Nem nos vimos muito. Mesmo assim  a gente tem uma boa relação fraternal entre irmãos. - Ele se aproxima do chefe .



 

Rogercop : Bem, vamos indo para a minha sala. Vou te mostrar o que tem na caixa. Vai te impressionar muito. -  Ele segurou a caixa com firmeza, começando a ir na frente do detetive .


 

Cat : Bem ,do que se trata o caso ? - Ele seguindo o delegado mais uma vez pelo corredor .


 

Rogercop : É de uma antiga modelo . Ela tinha uma boa vida de casada , tinha duas filhas . E morreu de maneira brutal e sem moral. - Ele respondeu ao detetive.


 

Cat : Qual foi a causa da morte dela? Qual era a sua verdadeira identidade? Quem foi o culpado de tudo isso? - Ele pergunta por mais detalhes do caso.



 

Rogercop : Foi assassinada  em seu camarim , antes de um desfile importante na época. O seu marido ficou extremamente muito chocado com a morte inesperada . Chorou por muitos dias . E então o descartamos da lista de suspeitos .  - Ele fala ao se lembrar da reação do viúvo da modelo.


 

Cat : Ah. Estudei muito o psicológico das pessoas durante os anos de estudo na universidade de Paris. - ele se lembra dos anos de surdo que teve.


 

Rogercop : muito bem senhor Noir . Vejo que será bastante útil  para nossa delegacia. Bem, vamos conversar em minha sala.- Ele elogia o nível estudantil do detetive.


 

Cat : Espero que não o decepcione .- Ele fala humilhe ao chefe.


 

Rogercop : Creio que não, meu jovem. Tenho grandes expectativas com o seu trabalho. Imagino que este seu primeiro caso aqui vai ser um bom desafio para o senhor. - Ele fala animado ao novo detetive.

 

Cat : Bem, obrigada pelo voto de confiança . E então, vou ter algum parceiro ? ! - Ele pergunta curioso para o delegado .

 

 

Rogercop : Sim . O nome dele é Carapace . Assim como você, ele é novo na cidade. Somente tem mais tempo aqui do que você , que chegou recentemente aqui. Vamos nos encontrar com ele na minha sala . Iremos falar mais sobre o caso lá mesmo. - Ele responde ao dobrar uma esquina da sala , começando a ir até onde estava o elevador.

Cat : Muito bem. Espero que façamos uma boa parceria .- Ele acompanha o outro de perto .

 

 

(..)

 

 

Finalmente , depois de inúmeros corredores no caminho , os dois homens chegaram ao elevador , Cat Noir foi na frente do delegado, que ainda estava segurando a caixa com o caso da Sabine Cheng , apertou o botão com delicadeza para cima , afastando -se para aguardar a chegada do elevador .

 

 

(..)

 

 

E assim que as portas se abriram , o delegado entrou na frente , levando a caixa com ele , ficando bem no centro do elevador , segurando a caixa com firmeza .

 

 

Cat Noir entrou logo após , apertou o botão de ‘ subida ‘’ ao entrar , ficando ao lado do delegado , esperando o elevador se fecha com eles no interior para subir ao andar desejado pelos dois homens .

 

 

 

(..)

 

 

Em uma outra cidade , perto do estado dos Texas , em uma padaria familiar , que tinha uma enorme fila em torno das ruas que cercavam o estabelecimento comercial

 

 

Todos os funcionários da loja faziam o que podiam para atender a desmanda dos clientes , sem tempo para trocar nenhuma ideia , entre si , carregando todos os produtos disponíveis , recebendo dinheiro dos clientes .

 

 

Tom estava muito atarefado com o movimento crescente em sua padaria , adorando em ter um pouco de ajuda , porque sozinho não ia conseguir de jeito nenhum mesmo.

 

 

Horas se passaram , e finalmente o último cliente do dia havia deixado o local , levando alguns pães frescos , parecendo muito satisfeito com a sua compra diária .

 

 

O padeiro estava muito exausto , tinha trabalhando o dobro naquele dia , do que nos outros dias , desde que se mudou de Nova Iorque , desde da morte inexplicável de sua esposa , levando as duas filhas com ele , desejando em se esquecer do seu passado obscuro .

 

 

 

Fazia mais de dez anos que tinha se mudando para perto do Texas , ali tinha encontrado uma vida decente sendo pai e mãe ao mesmo tempo de suas duas filhas , tinha aberto um bom negócio e encontrou a paz que buscava .

 

 

 

A sua filha mais velha Marinette , já tinha vinte anos de vida , a jovem tinha feito aniversário há duas semanas , e se tornando uma adulta linda e pronta para alguém especial , a beleza de sua filha mais velha era tão radiante como a lua cheia em um lindo jardim de primavera , claro , graças a genética de sua mãe .

 

 

Todas as garotas do bairro, onde a família morava , tinham uma absurda inveja da beleza ímpar da Marinette , que tinha um sonho secreto de ser uma modelo , exatamente como a sua mãe .

 

 

Tom era totalmente contra o sonho de sua filha, desejava que a Marinette seguisse uma outra carreira ,assim ela ia fugir do triste destino que a sua mãe obteve a dez anos atrás .

 

 

Tom nunca contou sobre a morte da mãe para as suas filhas , porque elas eram muito novas na época da morte da mãe , tinha inventado uma desculpa qualquer para dizer que a esposa tinha ido viajar para bem longe , sem tempo de volta .

 

 

Sempre usou a mesma desculpa quando Marinette, ou Tikki o perguntavam sobre o parapeito de sua mãe , porém , não estava dando certo , porque as meninas já tinham crescido , e começando a desconfiar da mentira velha do seu pai .

 

 

Voltando ao tempo presente , todos os funcionários já tinham regressado para as suas casas , Tom já tinha limpando uma boa parte da padaria com ajuda dos amigos , e agora , estava fazendo a contabilidade da padaria , contando as notas de dinheiro e moedas , anotando tudo em um pequeno caderno .

 

 

 

Mais algum tempo depois , a sua filha mais velha , Marinette chegou do seu trabalho como garçonete em uma lanchonete , parecendo muito irritada com algo que tinha acontecido com o seu trabalho .

 

 

(..)

 

 

Tom : Boa noite, minha querida . Como foi no seu trabalho ? - Ele pergunta ao anotar mais um número do caderno de contabilidade .

 

 

 

Marinette : Foi péssimo. Desde que comecei a trabalhar lá . Lila e o seu grupinho de amigas puxa – saco delas ficam me incomodando por todo o tempo. Tentei ignorar a brincadeira de mau gosto delas . Porém , foi em vão . Elas continuaram me provocando. Até todas saíram rindo de mim. Afirmando que não vou ninguém importante na minha vida . - Ela fala com uma expressão nervosa no rosto .

 

 

Tom : Ah, minha nossa. O que seu chefe fez ? - Ele pergunta na tentativa de acalmar os nervos á flor da pele da filha , voltando a anotar os números no caderno.

 

 

 

Marinette : Como ele foi um covarde . Porque precisa que a Lila dê o dinheiro para ele . Ele se comprou com o dinheiro dos Rossi - Ela começa a se aproximar do seu pai.

 

 

 

Marinette : As vezes queria me mudar para Nova Iorque . Para ficar o mais distante possível da Lila . Estou me segurando para não dá uma boa lição de moral para aquela mimadinha e o seu grupo de seguidoras . - Ela confessa para o pai ao chegar no balcão.

 

 

 

Tom : Por que quer ir a Nova Iorque , Marinette ? - Ele questiona a filha e continuando com as suas anotações inúmeras no caderninho.

 

 

Marinette ; Começar uma vida nova . Sei lá , uma nova coisa por lá .- Ela mente ao pai .

 

 

Tom : Ah, muito bem. Já que é uma adulta agora . Pode ir aonde quiser .- Ele continua a dar atenção ao caderninho ao fazer mais anotações nas folhas .

 

 

Marinette : Bem, então, amanhã vou pedir demissão ao meu chefe . Depois com o dinheiro da demissão , vou comprar as malas , a minha passagem para Nova Iorque , e recomeçar a minha vida . - Ela começa com os seus planos de viagem .

 

 

Tom : Muito bem. Mas, sem a carreira de modelo . Não quero que meta naquele mundo sombrio . - Ele recomenda a filha .

 

 

Marinette : Ah, tudo bem.. - Ela fingiu que estava tudo bem , sorrindo forçado .

 

 

 

Tom : Não me leve a mal , Marinette . Não quero se meta na carreira de modelo, que nem a sua mãe . Estou fazendo isso para o seu bem. Mesmo sendo adulta , precisa ter cuidados com certas pessoas - Ele continua com as suas recomendações para a filha .

 

 

Marinette : Ah, tudo bem. Agora, vou descansar um pouco. Estou muito cansada . - Ela decide não criar conflito com o seu pai e resolvendo em ir dormir .

 

 

Tom : Descanse bem , filha . - Ele termina de recomendar a filha , continuando a anotar no caderno .

 

 

 

Marinette : Obrigada , pai. Te amo . - Ela agradece as preocupações do seu pai , começando a sair da padaria .

 

 

 

Tom : Também te amo , filha . - Ele continua com a sua tarefa .



 


Notas Finais


Enfim, o primeiro capítulo chegou ao seu final.
Espero que tenham gostado dele.
Por favor, comentem o que acharam do capítulo.
E estou aceitando ideias para os próximos capítulos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...