1. Spirit Fanfics >
  2. Believe >
  3. Love me

História Believe - Capítulo 26


Escrita por:


Notas do Autor


Gente, eu só queria dizer que amei o final desse capítulo.

A CADA DIA QUE PASSA A ARIEL SURPREENDE MAIS.
N TEM CORAÇÃO QUE AGUENTE.

Tenho outra proposta pra vocês nas notas finais! Leiaaaaaaaaaaaam

Capítulo 26 - Love me


Fanfic / Fanfiction Believe - Capítulo 26 - Love me

Meu coração é cego
Mas eu não me importo

Porque quando eu estou com você
Tudo desaparece

09 OF 30

Rio de Janeiro, Brasil

12:22 P.M.

P.O.V. Ariel Griffin

Acordei com meu corpo sendo balançado para lá e para cá. Aos poucos, abri os olhos e me deparei com uma cena hilária. Justin estava em pé ( vale ressaltar que sem camisa) do lado da cama, usando uma de suas mãos para me despertar enquanto com a outra balançava um papel. 

A curiosidade falou mais alto então rapidamente me sentei na cama e peguei o negócio de sua mão. 

Sorri assim que li cada item que havia escrito ali : Fazer uma tatuagem * , transar na chuva, ouvir um eu te amo sincero de um cara, pular de para quedas, abraçar desconhecidos,  casar, morrer no Brasil, brigar com alguém, passar uma tarde em orfanatos, participar de um racha *, tiro ao alvo, abraçar o Justin mais uma vez *, pintar o cabelo (decidi que nessa compraremos uma peruca ok?), conhecer o autor de a culpa é das estrelas, fazer um book sensual, andar de moto, um natal no Canadá, conhecer o Avon Theatre ,uma festa com todo mundo nu (só lembrando que você vai usar alguma coisa, ta?), uma noite estrelada ao lado de alguém que ama. 

- Fiz algumas alterações e coloquei asteriscos nos itens que já foram feitos - Justin se pronunciou me fazendo observá-lo com mais cautela e notar assim seus olhos vermelhos.  

Obvio que ele havia usado alguma coisa. 

- Já chegamos ? - Me proibi mentalmente de acabar com aquele momento, não adiantaria de nada avisá-lo mais uma vez principalmente agora que ele está drogado.  

- Sim, vim te acordar, desculpa se não fui muito discreto é que..- Enquanto Justin falava, me perdi nos seus gestos agitados, graças a droga, ele estava elétrico. -.. O que você acha ? Ariel?- Bieber estralou os dedos na minha frente  

- Desculpa, quando acordo sou sempre meio lerda. Repete por favor. 

- O que você acha de realizarmos um item hoje? - Justin sorriu completamente alterado 

Qual é, como diabos eu devo fingir que tudo está bem quando ele se mata cada dia mais na minha frente? Como diabos devo sorrir e dizer “ah claro Justin, vamos lá cuidar da lista e ignorar totalmente sua dependência ?”  Como diabos ?  

Senti meus olhos marejarem, se controla caralho. 

Me levantei da cama de cabeça baixa na intenção de que se uma lagrima teimosa insistisse em cair, Justin ao menos não a veria. O pior de toda essa situação é que para ele está tudo bem se matar lentamente dessa forma, está tudo bem jogar toda uma vida fora por conta de um maldito vicio. 

Mas porra, nada está bem. 

Para complementar meu pensamento, minha cabeça começou a doer, apoiei a mão na mesma quase que institivamente com a intenção de amenizar o desconforto. Justin, ao perceber que eu não estava bem, caminhou até mim, depositou suas duas mãos grandes e firmes na minha cintura e aproximou seu corpo fazendo com que sua respiração batesse no meu pescoço. Fechei os olhos e joguei a cabeça para o lado deixando um lado da minha pele exposto. 

Bieber quase que entendendo como um convite, beijou o local  

- O que foi ? - Sussurrou baixinho ainda com a boca na minha pele 

- Minha cabeça tá doendo – Respondi no mesmo tom 

- Você quer ficar deitada ? O jatinho é meu, podemos sair a hora que quiser – Neguei abrindo os olhos 

- Já já vai passar – Lentamente virei meu corpo de frente para o seu passando as mãos ao redor do pescoço do loiro enquanto suas mãos continuavam na minha cintura  

- O que acha da minha ideia de realizarmos um item da lista hoje ?- Droga, ele estava tão perto. 

Por um misero momento, esqueci da dor, esqueci das drogas, esqueci da minha consciência gritando que aquilo era errado e aproximei meu rosto do seu, ficando próxima o bastante para grudar nossas testas e quase, quase beijá-lo 

Deuses, como quero beijá-lo 

A beleza do Justin é escultural, seu rosto parece ter sido desenhado pelos próprios anjos, sua boca, vermelha e convidativa é capaz de deixar qualquer mulher louca, seus olhos, banhados num castanho claro que petrificam e te fazem não querer olhar para outro lugar a não ser eles. É foda. Tem horas que me pergunto se esse cara realmente existe. Pois não é possível que tamanha perfeição não seja um sonho 

E porra, eu dei pra ele. 

Zerei a vida, eu sei. O câncer já pode me levar. 

- Ariel? - Sai do transe com os movimentos da boca do Justin ao falarem meu nome. Esse homem consegue ser extremamente sexy sem nem tentar. 

Me afastei do mesmo e controlei o impulso de agarra-lo e não soltá-lo nunca mais. 

-Desculpa, eu estava..- Me perdi no meio da mentira 

- Estava olhando pra minha boca – Engoli em seco e decidi que não responderia aquilo  

- O que você quer fazer da lista? - Mudei de assunto drasticamente  

- Pode escolher -  

- Não pode ser qualquer item, e se eu quiser casar  hoje? - Justin soltou uma risada desconfortável 

- Tem razão, temos que ver o que dá pra fazer – Assenti meio desapontada por ele não ter dito “eu caso com você”. 

    Sério Ariel? Isso aqui é vida real, e não uma Fanfic em que um final feliz te espera. Acorda garota, a realidade é bem desapontante.  Logo depois, Justin me tirou dos pensamentos dizendo que era a hora de desembarcarmos, apenas assenti e o segui para fora do jatinho.  

Um carro já nos esperava na pista, claro que, se tratando do Justin Bieber, eu estou zero surpresa. Adentramos em silencio no automóvel e Justin deu as coordenadas ao motorista,  me joguei no banco e suspirei pesado ainda sentindo a maldita dor de cabeça. Bieber pegou seu celular e ficou mexendo em redes sociais aleatórias durante o caminho inteiro.  Era estranho estar de volta ao rio sem minha família do lado, porém confesso que a felicidade de finalmente pisar em casa depois de tanto tempo também é imensa. 

Franzi o cenho quando o carro parou em um parque da cidade, encarei Justin como se perguntasse que porra era aquela e o loiro apenas sorriu pra mim, segurou minha mão e me tirou do automóvel dizendo ao seu funcionário que demoraríamos um pouco. Percebi que atrás de nós, uns seguranças faziam a nossa escolta. 

-Eles estão nos seguindo desde o aeroporto, estavam no carro de trás – Justin respondeu uma pergunta que nem ao menos cheguei fazer 

- O que estamos fazendo aqui? - Deixei um sorriso brotar no meu rosto quando entramos no local e o ar puro veio de encontro a mim 

- Vamos abraçar desconhecidos – Vamos o que? 

- Justin...- Agora sim, eu já quase gargalhava de nervosismo – Você ta falando sério? - O homem confirmou e eu dei dois pulinhos de alegria com nossas mãos ainda entrelaçadas 

- Só por favor, segura a criança dentro de você 

- Ai você já tá pedindo demais - Começamos a rir até que uma garota soltou um grito perto de nós 

É claro, chegamos no Brasil. 

- AI MEU DEUS, JUSTIN? ARIEL? SÃO VOCÊS MESMO? - A ruivinha iria vir correndo em nossa direção mas os armários ambulantes travaram a passagem dela. Encarei Justin puta da vida e ele me olhou com uma expressão de “a culpa não é minha” 

- Libera ela. - Pedi pros seguranças que fingiram nem me ouvir 

- Não estão ouvindo caralho? Ela mandou liberarem ela – Ao Justin, eles obedeceram. 

A ruiva assim que solta das garras dos seguranças correu em nossa direção e se jogou em cima de nós dois. Literalmente ela abraçou a ambos de uma vez, sem priorizar o Justin o que de fato achei no minimo, curioso 

- Eu amo vocês, eu amo vocês - O inglês dela era perfeito  

- Também te amo, pequena – Sorri em meio ao abraço com o carinho do Justin em relação a ela 

Quando nos soltamos, a garota estava chorando e tremendo. Por um momento, me vi no lugar dela e fiquei extremamente feliz por ela não ter passado pela metade do que passei para conhecer o Justin e ao menos ganhar um abraço 

- Como você esta? O twitter esta louco atrás de vocês. Depois que foram vistos no hospital, não tivemos mais noticias e..- Gentilmente a cortei 

- Lembra da lista que postei uns dias atras ? - A garota assentiu – Estamos realizando ela 

- Todos os itens? - Sorriu maliciosa e no momento eu não sabia aonde enfiar a cara  

- Nem todos – Justin tratou de responder  

Continuamos conversando com a fã por mais alguns minutos, sorte que a sua atenção passou para o Bieber e ela parou de me fazer perguntas sobre o câncer. Até porque não seria nada agradável virar para a mesma e dizer:  “ Então, desisti de me tratar e to esperando a morte chegar”  

Justin foi quem teve a audácia de dizer que precisávamos ir, e apesar da garota não gostar muito, ela nos abraçou mais uma vez e disse que manteria a discrição sobre ter nos encontrado. Coisa que eu acho que não adiantará muito, pois em algumas horas o Mundo todo já deve ter descoberto o nosso paradeiro. Por que afinal, os paparazzis que tanto amamos existem na porra do Brasil também 

- Adorei ela – Justin comentou quando voltamos a andar pelo parque -  

- Eu também, me vi nela por um instante 

- Como assim? - Bieber novamente entrelaçou nossas mãos e porra, só aquilo já me iludia num nível que vocês não tem ideia 

- Sei lá, te conhecer, não tem sentimento no Mundo que descreva como ficamos quando finalmente você nos abraça pela primeira vez – Ele parou de andar, me encarou, e soltou aquele sorriso que faz meu coração acelerar  

ASSIM NÃO DA NÉ PRODUÇÃO 

- Me desculpa por ter adiado tanto o abraço em relação a você. 

- Ta tudo bem Justin, na verdade e...- Ele cortou minha fala quando de repente jogou seus braços ao redor de mim e me abraçou. 

Puta que pariu. 

Retribui o contato enfiando minha cabeça na curvatura do seu pescoço e me permitindo sentir o maravilhoso perfume de Justin. Tudo o que eu queria era não me apaixonar ainda mais por ele, porém está sendo praticamente impossível vencer essa missão.  

Nos separamos depois de longos minutos de caricias de ambas as partes, meus olhos marejavam cada vez que ele alisava minhas costas e beijava meu ombro. Continuamos então a caminhar pelo parque até que Bieber avistou um casal de idosos 

- Vamos abraçar eles – Justin só pode ainda estar drogado 

- Vamos o que ?- Antes que eu pudesse rebater dizendo que era loucura, Bieber já me arrastava para próximo dos dois senhores. Ao chegarmos do lado dos mesmos, eles pararam de conversar e nos encararam curiosos – Podemos abraçar vocês? - Quase fingi que não conhecia o loiro apesar de nossas mãos estarem entrelaçadas 

- É o que ?- Um deles questionou em inglês e louvei aos céus por estarmos dando tanta sorte com a língua 

- Eu estou morrendo – Me pronunciei antes que o Justin estragasse mais as coisas – E um dos meus desejos mórbidos é abraçar desconhecidos – Os homens assentiram e rapidamente se levantaram. 

Afastei meu corpo do Justin e depositei todo o carinho que consegui ao abraçar os dois senhores naquela tarde, confesso que quase chorei durante o processo e quando nos despedimos, um deles disse uma coisa que marcou minha alma. 

“O jogo só termina quando o relógio finalmente para de rodar querida, não entregue os pontos, as vezes a vida pode te dar alguns extras“ 

Passamos a tarde abraçando outras pessoas,tivemos de fazer mimica para elas nos entenderem pois meu português estava péssimo e não tivemos mais sorte de achar ninguém que falasse inglês. Alguns seres até nos reconheciam e tiravam fotos conosco, claro que pedíamos para não divulgarem mas a verdade é que não botávamos muita fé nessa discrição toda. Já estava quase anoitecendo quando senti vontade de ir ao banheiro, Justin pediu para os seguranças nos esperarem na saía do parque que já estava fechando enquanto ele me acompanhava até o local. 

Urinei, e sai rapidamente do banheiro pois não estava afim de atrasar o processo de ir embora. Encontrei Bieber próximo ao local e sorridente fui até ele, tinha tido uma tarde tão boa que nada poderia abalar como me sentia no momento. Justin segurou minha mão e ao invés de caminhar comigo para fora do parque começou a voltar la para dentro.  

- O que que você ta fazendo?- Perguntei ansiosa enquanto o homem me arrastava cada vez mas por entre aquelas arvores – Justin precisamos sair e..- Ele parou de andar atrás de um arbusto enorme e se virou para mim 

- Vamos realizar outro item da lista 

- Qual ? - Perguntei de repente me animando para aquela missão ilegal 

- Uma noite estrelada ao lado de alguém que ama – Estava prestes a responder quando ele voltou a falar – Abaixa, ta passando um segurança do parque – Me agachei ao lado do homem e ponderei se aquilo seria uma boa ideia. 

Quando o funcionário do parque não estava mais a vista, levantei e encarei o Justin que ansiava por uma resposta da minha parte. Claro que ele falou por mim, afinal eu o amo e não o contrário.  

- Vamos linda, ainda estamos muito próximos a saída, se decidir ir, tem que ser agora. - Assenti concordando com aquilo e em resposta,Justin sorriu para mim. 

Ele voltou a me puxar para mais dentro do parque, claro que por entre as arvores devido ao fato de estarmos nos escondendo dos seguranças. Riamos a todo instante e vez ou outra Justin olhava para trás só para se certificar de que eu estava realmente seguindo ele, apesar das nossas mãos estarem entrelaçadas 

A vida devia ser sempre assim não é? Leve e feliz. Você deve quebrar as regras de vez em quando. Você deve fazer o que quer sem se preocupar se vão te julgar. Saia da sua zona de conforto, enfrente os seus medos, sussurre para si mesma que você é capaz e acredite fielmente no seu potencial. Viva, pelo amor de deus, viva o mais intensamente que puder e aproveite cada segundo como se fosse o ultimo. Use e abuse daquele ditado de que não se deve deixar para amanhã o que se pode fazer hoje, abrace entes queridos, diga para a pessoa amada que a ama mesmo que tenha medo de não ser correspondido, faça algo que goste e esqueça das obrigações e responsabilidades por algum tempo, escreva uma lista das coisas que você quer fazer antes de morrer mesmo que não tenha uma data prevista para a sua partida como eu tenho. Sonhe, sonhe o máximo que puder e vibre por cada conquista seja ela a menor que for. Agradeça aos seus amigos e a sua família por sempre estarem do seu lado e não desista, não desista mesmo após perder uma batalha. Pois, confie em mim, a guerra é sua. 

Tendo em vista esse pensamento, parei de andar, tirei a mão do aperto do Justin e encarei o homem a minha frente. Ele franziu o cenho, provavelmente preocupado pela minha ação rápida, porém, antes que Bieber pudesse dizer alguma coisa, me aproximei dele e o beijei. O beijei como se fosse a ultima vez. 

Pois me dei conta de que meu tempo está acabando, e apesar de ter medo de me iludir, tenho muito mais medo de não aproveitar cada minuto que resta com ele ao meu lado. 


Notas Finais


EIS A IDEIA NA MESMA BASE QUE A OUTRA MEUS AMORES : Se esse capítulo chegar a 20 comentários, eu posto outro amanhã, terça e quinta!

VAMO VAMO FAMILIAAAA

Entrem no grupo > https://chat.whatsapp.com/BuPSnSuaBKu08jcEUK2YkW


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...