História Believe (Paulicia) - Capítulo 36


Escrita por:

Postado
Categorias Carrossel
Personagens Alícia Gusman, Paulo Guerra
Tags Paulicia
Visualizações 592
Palavras 1.792
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 36 - WhatsApp On


Fanfic / Fanfiction Believe (Paulicia) - Capítulo 36 - WhatsApp On

WhatsApp — Alícia 💙

Você tá em Poa mesmo?? —

— Simm

— cheguei faz uma horinha

Por que você não me avisou que vinha pra cá? —

eu não podiaa

— seu time me chamou no direct pra perguntar se eu podia passar uns dias aqui em Porto pra fazer divulgação do jogo e da reforma

— a gente combinou tudo e ele pediu pra eu não falar pra ninguém

— pra ser surpresa

Eu levei um susto —

Onde você tá? —

Pior que eu nem posso te encontrar agora, tenho treino —

— tô no hotel

Qual hotel? —

— pallace alguma coisa

— no centro

Eu sei qual é —

Eu saio do treino as 18h por aí —

Quero te ver —

— humm

— tá legal ahahah

— onde?

A gente pode ir num restaurante La da zona sul —

Ja me conhecem —

Eu te busco aí no hotel —

— tá

Caramba —

Você tá mesmo aqui —

— ahahah tô 💙

-

PAULO ON

— Você viu?? – Mário perguntou dentro do vestiário. — a Alícia tá aqui em Porto.

— eu vi. – falei amarrando minha chuteira. — Eu não sei o que fazer. – confessei.

— chama ela pra sair, ué. – Mário disse.

— eu já chamei, é que, ela veio com um papo ontem da gente ser só amigo. 

— aí complicou... – Mário disse.

— é. – afirmei. — Eu não entendi nada, a gente conversou um tempão desde a festa, eu falei pra ela que tava interessado.

— as mulheres são malucas, meu amigo, entende isso. – ele riu. 

— Mas assim, ela beija muito bem ou você tá gostando dela mesmo? – Mário Arqueou a sobrancelha.

— os dois. – ri. — A gente só ficou na festa, mas eu já via ela nas redes sociais bem antes. Mais ou menos quando ela gravou um vídeo de torta na cara com a Majo, eu comecei a seguir ela e ela me seguiu de volta.

— Pedi pro Dani me apresentar pra ela antes da festa, a gente conversou, eu meio que pedi pra ficar com ela e ela fez um doce.

— mas aí na festa primeiro a gente deu selinho naquela sua brincadeira lá, depois a gente foi pro canto e ficou pra valer. – afirmei.

— Eu vi, todo mundo viu na verdade. AHAHAH, ainda jogaram as fotos na internet. – Mário riu.

— Ela ficou com vergonha das fotos. – falei.

— Por isso ela quer ser só sua amiga. – Mário afirmou.

— hum? – perguntei sem entender.

— Paulo, a Alícia é Youtuber e tals, mas ela disse lá na festa que era tímida. Ela deu uns beijos em você numa festa meio "privada", e já jogaram fotos na internet.

— Se ela ficasse mesmo com você, ia viver saindo na internet. – ele disse.

— será? – perguntei confuso. 

— Eu acho que sim. – ele disse ajeitando a camisa do time.

— Acho que eu gosto dela. – assumi. — pensei muito nela nesses dias e, não fiquei com mais ninguém desde a festa. 

— Seu caso é bem sério. – Mário debochou. — Mas curte aí, pensa que em algumas horinhas você vai ver ela de novo e vocês vão sair juntos. 

— bora. – ele disse caminhando até a porta do vestiário.

Ouvi meu celular vibrar em cima do banco. Puxei ele rapidamente, e fiz sinal para mario.

— eu já vou lá. – falei e ele assentiu, saindo.

-

WhatsApp On — Guerra 2 ❤

— Pauloo

Paulo

Que é —

? —

VOCÊ VIU???

A ALICIA TA AI EM PORTO ALEGRE

Eu sei —

Você já falou com ela??

Que curiosidade toda é essa, Marcelina? —

— aí

— eu só queria te avisar 

— seu grosso

Tá tá —

Eu vou sair com ela de noite —

Era isso que você queria saber? —

— AAAAAAAAAAAA

— era issoo

— que fofos

— diz pra ela que eu adoro o canal dela

🙄🙄 —

-

PAULO ON

(...)

Firmino — nosso técnico — tinha saído há um tempinho. Terminei meu treino físico e fiquei fazendo passe de bola com Mário. O que ele disse fazia sentido, Alícia sente vergonha de ser exposta na internet, por isso não quer ficar comigo, mas se eu mostrar pra ela que consigo ser discreto, ela pode mudar de ideia.

— AI, PAULO! – ouço Jaime me chamar.

— Que foi? – perguntei do outro lado do campo.

— Não é a Alícia ali? – ele apontou para a entrada do campo.

Alícia estava parada ali conversando com o técnico. Ela tinha o celular em uma das mãos e começou a rir de algo que Firmino disse. 

— É ela sim. – Mário afirmou e olhou para mim. — vai lá.

— o que? – perguntei voltando a dar atenção para ele.

— vai lá falar com ela, Paulo, tá com cara de idiota olhando pra ela aí. – ele disse e riu. — Vai la.

Olhei de novo e Alícia começou a falar enquanto se filmava, provavelmente gravando um storie. Caminhei até a saída do campo e Firmino logo repreendeu.

— Paulo, voltando pro campo. – ele pediu, entrando no campo.

— só um minutinho, Firmino. – pedi.

— Depois você fala com ela, volta pro treino. – ele disse.

Bufei e dei meia volta, de volta ao campo. Firmino apitou e jogou uma bola no meio do campo.

— Treinando passe, todo mundo! – ele mandou. 

Procurei Alícia com os olhos e ela continuava gravando stories. Ela começou a digitar no telefone e olhou pro campo. Ela acenou pra mim e em seguida sorriu. Sorri de volta e dei uma piscadinha pra ela. 

Alícia começou a gravar o campo enquanto falava algumas coisas que eu não conseguia ouvir. 

-

Storie > @aliciagusman

— "GENTE, eu tô aqui na Arena do Grêmio, sim, eu vim mostrar pra vocês um pouquinho do estádio por dentro. Vamos lá?"

-

Storie > @aliciagusman

— "Esse aqui é o Firmino, gente, ele é o técnico dos meninos." 

(Alícia filma Firmino, que acena para a câmera).

— "os meninos treinam pesado aqui, né Firmino?"

— "treinam sim, as vezes a gente começa os treinos de manhã, e as vezes só na parte da tarde. Uma série de exercícios físicos, alongamento, corrida e treino de futebol mesmo."

— "Difícil, né gente." – ela diz.

-

Storie > @aliciagusman

— "Gente, o Firmino foi agora continuar o treino. Ele tinha dado uma pausa pra me receber."

(Ela filma o campo com os jogadores)

— "os meninos tão ali, não sei se vocês vão conseguir ver, eles treinam nesse campo aberto aqui e menor, e os jogos são lá no outro"

— "Ali na ponta tá o Jaime." – ela aponta — "e lá no meio tá o Mário e o Paulo "

-

Storie > @aliciagusman

— "Eles tão treinando com bola agora, eu acho que é passe, não sei."

— "A arena é muito grande, galera, eu vou mostrar pra vocês agora mais umas coisas, mas aqui é muito grande, sério."

— "Cabe uns 20 do meu apartamento aqui dentro, e ainda sobra."

-

Storie > @aliciagusman

— "sexta e sábado eles vão fechar a arena pra reforma, e domingo já vai tá tudo pronto pro jogo"

— "esse aqui é o campo que acontecem os jogos, ó".

(Alícia filma o campo vazio. Ela está na parte das arquibancadas )

— "e no domingo eu vou ficar lá em cima." – ela mostra uma parte superior, parecida com um camarote.

— "eles vão trocar o gramado aqui, vai ficar lindo"

-

PAULO ON

Já estava começando a escurecer, não tanto, mas o sol já estava se pondo, ainda mais que hoje não era um dia tão calor, o sol some mais cedo.

— Ótimo por hoje, meninos, estão liberados.

Firmino terminou de falar e eu já havia saído do campo. Fui o primeiro a entrar no vestiário e corri para baixo do primeiro chuveiro. 

Tomei um banho rápido, só pra tirar o suor mesmo. Me enrolei na toalha e fui até o armário pegar minhas roupas.

— isso tudo é pressa de encontrar com ela? – Mário perguntou rindo.

— Não sei se ela já foi embora. – falei vestindo minha camisa.

— ô Guerra, ela postou um storie faz uns dois minutos, ela tá lá perto das mesinhas. – Jaime avisou.

— valeu. – falei saindo.

Sai do vestiário e fui direto para a parte das mesinhas. Puxei o celular do bolso e comecei a ver os stories que ela gravou, ri ao me ver no campo em um deles. Abri o WhatsApp e mandei mensagem pra ela, pedindo pra ela esperar por ali e não ir embora ainda.

Alícia estava distraída mexendo no celular, escorada na parede de frente para as mesinhas. Caminhei pé por pé e apertei ela.

— AI PAULO, QUE SUSTO. – ela começou a rir.

— ahahah, foi mal. – falei olhando pra ela. — Quanto tempo heim.

— umas duas semanas. – ela disse rindo.

Nos abraçamos e ela voltou a se escorar na parede e mexer no celular. Me escorei de lado na parede do lado dela. 

— Por que você não me disse que tava vindo pra arena quando a gente se falou mais cedo? – perguntei.

— Ah, queria fazer você sofrer um pouquinho, ahahah. – ela brincou. — quis fazer surpresa.

— bom, tô bem surpreso. – afirmei e ela riu. 

— senti saudades de você, camisa 10. – ela sorriu.

— eu também. – sorri olhando pra ela. 

Alícia terminou de editar uma foto e guardou o celular no bolso do short. Em nenhum momento parei de olhar pra ela, ela soltou um risinho e balançou a cabeça negativamente. 

— para de me olhar com essa cara. – ela pediu rindo.

— Que cara? Ahah – me fiz de sonso.

— Essa aí. – ela apontou e começou a rir.

— sua risada é fofa. – falei apertando as duas bochechas dela de uma vez, fazendo ela fazer um biquinho de peixe.

— Aí, Paulo AHAHAHA. – ela riu. 

— Já que você tá aqui, a gente pode ir comer alguma coisa. – sugeri.

— hum, eu topo, a última vez que eu comi foi no avião, eu tô morrendo de fome. – ela riu.

— tem o shopping. – falei.

— shopping tem bastante gente... – ela disse. — vão ficar em cima da gente.

— é. – concordei. — tem uma confeitaria muito boa que eu conheço, é um pouquinho longe, mas é boa.

— confeitaria? – ela perguntou e assenti. — pode ser.

— Meu carro tá lá no estacionamento, você veio pra cá como?

— Uber. – ela sorriu e levantou o telefone.

Ri e balancei a cabeça.

— Você tem mais alguma coisa pra fazer aqui? – perguntei.

— não, eu venho amanhã de novo pra filmar o treino de vocês. – ela disse.

— então beleza, eu já tô liberado. – falei.

— ahh, então vamos logo que eu tô morrendo de fome. – ela pediu e fez menção para sair.

— espera aí. – pedi.

— que? – ela voltou para o lugar.

Sorri de lado e umedeci o lábio inferior, puxei Alícia pelo rosto e beijei ela. Cada foto que eu vi dela nessas quase três semanas, eu lembrava dos nossos beijos na festa e batia uma vontade de fazer replay. Soltei Alícia e o rosto dela virou um pimentão. Ela começou a rir e passou a mão na boca.

— Você me pegou de surpresa. – ela disse rindo. — literalmente, me pegou e de surpresa.

— desculpa, ahah. – ri — foi mais forte que eu.

— A gente é amigo, lembra? – ela sorriu.

— foi mal, gatinha. – sorri. — Vamo lá?

Alícia assentiu e começou a caminhar ainda rindo. É, realmente não podemos ser só amigos.  




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...