História Belle Rose e o Tigre Vermelho (GaaSaku) - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Baki, Deidara, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hashirama Senju, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Kakashi Hatake, Kankuro, Karin, Kiba Inuzuka, Matsuri, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Personagens Originais, Sai, Sakura Haruno, Sasori, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shukaku, TenTen Mitsashi
Tags Gaara, Gaasaku, Naruto, Romance, Sakura, Sasuke, Sasusaku
Visualizações 150
Palavras 4.612
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi pessoas lindas,

O Capitulo esta dividido em duas partes O show e a despedida de Sasuke. O show será narrado em dois pontos de vistas Sakura e Gaara, e por ultimo a parte pela Sakura.

Preciso ressaltar que Gaara e Temari NÃO são irmãos aqui…

Obrigada pelos favoritos e comentários, e, espero sinceramente que gostem do capítulo.
Bejinhos da Kah-chan

Capítulo 6 - Shukako


Fanfic / Fanfiction Belle Rose e o Tigre Vermelho (GaaSaku) - Capítulo 6 - Shukako

Sakura

Já havia passado uma semana desde que começamos com ensaios do musical. Combinamos de ir, os sete, assistir ao show de lançamento do Shukako band com o novo integrante, Sasori. Agora o Shukako tinha dois ruivos, e, eu estava louca para ver os boys ao vivo. Soubemos pelas mídias, da infelicidade que ocorreu com o antigo membro, e, mesmo que no anonimato, resolvemos dar apoio moral aos artistas. Também, porque gostamos muito do som rock alternativo do power trio, e claro, os garotos são gatos. Gaara é o sonho de consumo de qualquer ser com bom gosto existente no planeta terra e posso afirmar com letras garrafais que se existir vida extraterreste, também concordarão comigo. Ele simplesmente é um tesão encarnado em forma de homem ruivo.

Alto pa-ra-ca-ce-te, 1,90m de pura gostosura com músculos bem distribuídos por todos os lados e na medida certa. Como eu sei disso? Comprei a revista especial com o ensaio sensual onde o garoto-colírio de olhos estonteantes. Tirou fotos semi-nu...

Oh! Lala! Que Deus. O homem é de babar, cabelos modernamente cortados e vermelhos, o que não sei se é natural ou pintado. Usa sempre um contorno muito negro e esfumaçado ao redor dos olhos e isto ressalta sobremaneira a tonalidade atípica. Sinceramente a cor verde água é algo que não consigo entender racionalmente como a natureza é capaz de tal façanha misteriosa. Deve ter alguma descendência ocidental o que explicaria a tonalidade dos olhos e a cor exótica dos cabelos, mesmo assim, prefiro arriscar na hipótese que ele é um deus encarnado. Os fios lhe caem pela pele clara, de forma meio desordenada, e emolduram um rosto perfeito. O nariz fino, a boca carnuda e sensual dá-me um apetite voraz só de ver. O homem, de certeza, é alguma divindade ou algo do gênero. Do lado esquerdo do braço possui o kanji do amor desenhado. 

Combinamos de nos encontrar bem antes do show para já começarmos a entornar cerveja. Sai ficou de comprar os ingressos e já tinha distribuindo-os entre nós.

Escolhi um figurino básico, calça jeans apertada, blusa regata branca e botas. Claro tinha sempre o toque especial do batom vermelho e o lápis preto para contornar os olhos ressaltando a tonalidade verde esmeralda deles.

Depois que conseguimos entrar no local, decidimos comprar lanternas neon. Estava achando tudo o máximo e divertia-me horrores.

— Bela, quer sentar na minha garupa? — Naruto disse no meu ouvido, uma vez que tinham garotas gritando por todos os lados.

— Óbvio! — respondi imediatamente. Não dava pra desperdiçar.

E como se eu fosse uma boneca de pano, com a maior facilidade, Naruto agachou-se para que eu pudesse subir em suas costas.

Visão privilegiada! — gritei animada.

Fã é mesmo um bicho incontrolável, muito louco e insano, nunca vi tanta gente berrando e descabelada.

Eu me resignava somente a rir, não posso me dar ao luxo de ficar sem voz e rouca. Tenho ensaio na segunda-feira e para minha lástima a minha voz é essencial. É meu instrumento de trabalho.

Shikamaru começou a se engraçar com uma garota e já estava lá dando as maiores cantadas do mundo. Não duvido que ele nem vai assistir ao show, posso apostar que vai acabar se distraindo e conseguindo roubar alguns beijos da menina.

Estávamos num lugar legal, mais a frente do que ao fundo. Dava pra ver bem o palco. Ainda bem que não tenho miopia e ouvia maravilhosamente. Assim poderia apreciar a beleza e a voz alheia.

Ouvi um estrondo indicando que iria começar. Fumaças coloridas e uma iluminação pirotécnica com um palco giratório e os três integrantes começaram descer em bolas voadoras do alto do palco.

Senhor, oh meu bom pastor! Onde essa gente arruma dinheiro pra fazer essas coisas?! Essa era a primeira vez que iria ver Shukako ao vivo. Gosto muito do som, tenho todos os álbuns, só não penduro os pôsteres na parede de casa porque aí já é de mais, entretanto, nunca tinha ido a um show deles. Vida de universitária é uma correria!

E gente, quando eu disse que o Gaara era um gato eu não fazia ideia que ele é muito, muito, muito, incrivelmente muito mais gato ao vivo e a cores do que em fotografias. Fiquei abobada, como uma retardada, tentando entender como que existia no mundo alguém assim tão maravilhosamente lindo. Aquele homem tem um carisma, uma energia e um poder que valha-me Deus. Acho que a explicação de que ele é algum deus encarnado lhe cai bem.

Sugoi! — ele gritou depois de um pequeno e curto tempo admirando as fãs. Resultado: até eu gritei em retorno. — Que lindo! — ele completou.

Ah — eu gritava junto com todos.

— Antes de começar, quero apresenta-los o novo membro integrante do Shukako: Sasori.

A bateria estava em um platô bem no meio e era super iluminada por luzes fortes. Um ser lindíssimo e sarado, com o peito a mostra, cabelos desalinhados igualmente ruivo, entretanto numa tonalidade mais puxada para o loiro, levantou e deu um aceno pra plateia com um sorriso de abrir o solo.

— Venha aqui desfilar, Sasori! — Gaara disse e ele correu em sua direção. — Vamos lá, garoto! Dê uma voltinha pra saber se nossas fãs aprovam o material — o vocalista fez uma cara indiscutivelmente safada, com um sorrisinho torto que me fez quase cair do ombro do Naruto.

“Acho que eu vou encharcar a camisa do loiro de tanto tesão por esse ruivo” Pensava enquanto o vocalista mostrava com o dedo indicador que queria que o baterista fizesse.

E ele o fez... Lentamente e de maneira hipnótica, ele girou ao redor do próprio eixo 360°.

Ai caramba! Pela terceira vez no mesmo dia, meu plano de não gritar correu por água a baixo. Quando me dei conta já estava gritando — gostoso, maravilhoso e tesão!

— Então meninas e meninos! Aprovado?

Quarta vez... Berrei como louca esquecendo completamente que não podia ficar rouca. Pronto, devo ter perdido a voz. Mas nada que um bom saquê com suco de limão, gengibre e mel não resolvam.

Não deu pra resistir, era muita tentação para uma pessoa só. Três homens maravilhosos na minha frente e eu tendo que me controlar? Dane-se. Gritei outra vez e decidi que iria berrar até não aguentar mais.

VAMOS COMEÇAR... PREPAREM SEUS CORAÇÕES!

Nem percebi o instante em que Sasori havia voltado para bateria porque agora estava abobada e encantada admirando Gaara. Ouvi quatro sons de baqueta e a guitarra distorcida de Deidara em alto volume rasgando corações.

Cacete! Isso que é poder — ouvi Kakashi gritar. — Vocês sabem que o Gaara é fã do Sting e se inspirou nele? Daí ele inventou uma técnica só dele inspirado no britânico!

— Que legal! — disse e senti meu coração palpitar alucinado. — Nada como um baixista pra entender de outro…

E assim foi...

Conseguíamos sentir o som bater no peito de tão poderoso. Meu coração queria sair forte pela boca entre uma música e outra. Eu gritava feito louca até que chegou na hora em que haveria uma balada de amor. Parece que Gaara — que era o letrista da banda — escreveu essa canção durante uma decepção amorosa para a tal modelo e atriz Ino e pelo que ele dizia parece que foi terrível pra ele. Não consigo entender como existem garotas que encontram um ser divino como aquele e o descarta.

“Senhor, tem gente que nasceu com todos os parafusos moles e trocados de lugar e alguns faltando. Só pode ser!” Pensava indignada. Gente se fosse eu, iria grudar na dele e nunca mais largava.

E aí, não se sabe como, uma fã maluca conseguiu burlar todos os seguranças fortões com cara de poucos amigos e subiu no palco agarrando o ruivo, quase escalpelando o pobre vocalista. A garota parecia que queria tirar a roupa do homem. Por Deus! Eu rezei, mas eu rezei muito mesmo pra ela conseguir rasgar a roupa dele toda... Fiquei lá, só faltei recitar o terço ou cantar mantras em voz alta, implorando aos deuses para que a garota conseguisse arrancar a blusa daquele deus ruivo.

O segurança já estava lá para tira-la de perto dele, mas para surpresa de todos, o rapaz, com o maior carinho do mundo, a abraçou e fez um gesto de calma para o homem marombado. Começou a balada abraçado à menina.

Cara, aquilo fez minha admiração pelo cantor aumentar mil vezes. Que sensibilidade foi aquela, meu senhor? Amor platônico é uma droga! É uma pena que deuses são intocáveis e vivem em locais inatingíveis, pensava.

A pobrezinha estava com os nervos à flor da pele. Ela tremia visivelmente. Quando terminou ele deu um beijo no alto da cabeça da morena o que fez com que ela falasse qualquer coisa do tipo Eu Te Amo pra ele e os caras fortões levaram-na embora.

Foi lindo de se ver! Emocionante, eu diria, pena que não fui eu a receber o beijo.

O show transcorreu uma maravilha. Aquele show estava acabando com meu coração, sentia-me numa montanha russa de emoções. Não só eu, mas toda a mulherada... Até os homens também quase enfartaram quando um pouco mais para o final aconteceu algo de tirar o fôlego.

Ele estava pingando e suado, daí disse:

— Estou morrendo derretido de tanto calor. O que vocês acham que eu devo fazer? — sorriu e ameaçou soltar o cinto das calças. Meu coração bateu tão rápido que achei que ele ia voar pela boca.

Ele não vai fazer isso, pensei...

­— Oh… — ele sorriu ladino e subiu os dedos para a blusa.

Que sexy, minha Nossa Senhora da Calcinha Ensopada! Ele começou a tirar a blusa.

Na verdade, fez pior do que só tirar a blusa. Começou um mini show delicioso de strip tease masculino.

Gritei um palavrão…

O que era aquele homem!

Deidara e Sasori, logo perceberam, e, começaram uma melodia improvisada para acompanhar a dancinha sexy do ruivinho. O homem colocou o baixo no tripé e começou a rebolar deliciosamente. Gingava pra frente e pra trás, de um lado para o outro.

Outro palavrão…

Voz? O que seria isto? Eu já estava afônica, completamente sem voz de tanto gritar como uma desvairada.

Ele virava ao redor de si próprio num molejo gingado e ficou brincando de levantar aquela maldita blusa vagarosamente.

Um novo palavrão…

Eu gritei, mas eu gritei loucamente, quase arranquei meus cabelos fora!

E o sorrisinho sexy de meio lado que ele fazia! Minha Santa Expedita! Que homem era aquele?

Aquele ser ruivo era um tesão. Meu senhor! Ele era gloriosamente lindo, beirava o inumano. Seus músculos eram magníficos. Acredito que ele era digno de ser imortalizado em uma escultura de Michelangelo. Descobri que o traço do kanji no braço seguia a uma tatuagem tribal de um tigre avermelhado que invadiam o peito esquerdo. Seres do céu, fiquei imaginando aquele homem na minha cama com todo aquele molejo gostoso.

Tigre Vermelho! — gritei quase esperneando na garupa de Naruto que ria da minha cara.

Claro... Uma hora os vis mortais precisariam acordar do sonho, e, voltar para a triste realidade. O show havia terminado e voltamos todos pra casa com um gostinho de quero mais. Como eu suspeitava Shikamaro acabou conseguindo catar a menina que conhecera no show e já estavam aos amassos ainda durante o show. Depois daquela demonstração de hormônios masculino que Gaara mostrou ter para distribuir, o casal estava super excitado. Kakashi foi para casa da namorada dele. Naruto e Sai seguiram cada um pra um canto e eu?

Fui pra casa, rezando para sonhar com aquele homem maravilhoso!

 

Gaara

Depois de três semanas de ensaios exaustivos, conseguimos fechar o show. Sasori estava preparadíssimo e o som estava muito melhor do que antes.

Enfim, o dia do show tinha chegado: Sábado, 21 de Maio,

O palco já estava arrumado conforme planejado.

Como de costume chegamos super cedo para a passagem de som. Mamoru, o técnico que afina meu baixo, arrumou meus pedais de distorção e o resto de toda a parafernália de fios e ligações malditas. Era só vestir e testar.

Arrumei meu microfone na altura certa; testei a intensidade... Volume...

Depois foi a vez do Deidara passar a guitarra. Ele fazia as segundas vozes das baladas. Sim... somos uma banda de rock, mas temos nossas baladas.

Por último, Sasori. O pobre coitado do baterista quem sempre sofre... É infernal a microfonação daquilo.

Tocamos três musicas, o som saía como uma luva.

— Pronto! Vamos descansar antes do show — eu disse no microfone. Era nítida minha satisfação.

Saímos e cada um se dirigiu a seu próprio camarim.

Banho! Só pensava num bom banho. Despi-me e tomei minha rotineira ducha gelada. Vesti minha camisa branca regata aberta mostrando o peito e o crucifixo de madeira escura, calça preta de couro sintético, sou um cara politicamente correto, meus anéis e brincos.

Já tinha ali um buffet preparado com um monte de petiscos e bebida. Comi o suficiente para não ficar farto, entretanto, nunca podia falar o vinho antes do show.

Estava no meu camarim relaxando, quando alguém bateu à porta . Eu disse um entre alto o suficiente para quem estivesse do lado de fora pudesse ouvir, a porta abriu e eu pude ver minha cabelereira e maquiadora.

— Temari, minha cabeleireira deliciosa, por que você tinha que gostar de meninas? — Segurei-a pela cintura.

— Oi gostoso!

— Tema... Abre mão só pra mim... Quer ir lá em casa comer pizza, estou tão carente!

— Olha só gostoso, já te disse. Você é gatérrimo, sarado, magnânimo, gostoso até o último fio de cabelo! Mas, sabe melhor que ninguém que gostamos da mesma fruta.

— Que droga, Tema-chan! Você é toda cheirosa e... — desenhei um violoncelo com as mãos no ar — que desperdício para a ala masculina.

Ela se resignou a rir enquanto eu cruzava os braços com olhos malvados. Temos uma cumplicidade impar, e, parecemos até irmãos… Sem comentar que temos o mesmo tipo de gosto por garotas: as exóticas.

— Já te disse que só escolhi essa profissão pra ficar mais perto das meninas.

— Você é um gênio, Temari! Por que eu não pensei nisso?

— Mas do que você esta falando, moleque? Ficou louco? Você é um ídolo, super cobiçado, tem um monte de meninas suspirando e morrendo por você, gritando o seu nome e fazendo loucuras por você.

— Pois é, mas parece que quanto mais no alto se chega mais sozinho se encontra. Tem tantas por aí que se aproximam só por causa da fama! Sem comentários.

— Ih, gostoso! Depois desse show vamos sair pra nos divertir, o que me diz?

— Me apresenta então umas gatas exóticas. Fiquei animado, Ah! E que goste de homem, por favor, não é? Se não vai ficar difícil.

— Obvio, seu mané! — Ela me deu um selinho antes de começar a maquiagem e o cabelo.

Eu sempre usei o contorno negro ao redor dos olhos. Aquela era minha marca registrada, juntamente com a tatuagem do kanji no braço. Recentemente, aumentei o número de tatoos e desenhei um tigre vermelho do peito e costas.

— Arrasem — disse antes de sair me deixando só com meus pensamentos.

Enchi uma segunda taça de vinho!

Era de praxe tomar vinho antes de entrar no palco. Delicioso. Isso só me deixava mais e mais relaxado.

Estava na hora...

Ouvi no auto falante chamando a banda.

Encontrei com os outros dois no corredor. Unimos as mãos, gritamos...

Ooooooooooohhhhh! SHUKAKO!

Entramos no palco descendo de teto por bolas penduradas em fios grossos.

Luzes fortes e um mar de gente na minha frente segurando luzes neon. Quando eu digo um mar de gente é mesmo um MAR de pessoas gritando e descabeladas. As pessoas emanavam uma vibração incrível!

SUGOI! — gritei assim que peguei o microfone. — Que lindo!

A plateia desesperada gritou de volta.

— Boa noite, meninas e meninos! Vamos começar o maior show que já viram na vida! Estão preparados para tanta emoção?

AAAAAAAAAHHHHHHHHHHHH” ouvia um grito como resposta.

— Antes de começar, quero apresenta-los o novo membro do Shukako: Sasori.

E ele veio, deu uma voltinha e a gritaria era generalizada. Acredito que acertamos na mosca em aderir um novo ruivo à banda.

VAMOS COMEÇAR! PREPAREM SEUS CORAÇÕES!

A maioria das letras das músicas quem escrevia era eu. Os temas eram diversos. Passava pelos filosóficos, amorosos e folclóricos.

O show transcorreu maravilhosamente bem. Uma energia que transbordava. Era magnifico!

Pulei pra perto das meninas que ficavam na primeira fila. Elas quase arrancavam os cabelos quando eu passava os dedos encostando-os nas mãos delas estendidas para me tocar.

No meio do show, uma garota alucinada conseguiu — não entendo como — pular no palco e me agarrar, quase me arrancando a pele fora. O segurança correu para tira-la, no entanto, para acalma-la, eu achei que seria mais humano, ficar com ela ali comigo, calhou de ser exatamente na hora da balada. Cantei com ela abraçada pela cintura. A pobre menina chorava e tremia dos pés a cabeça. Juro, fiquei com medo dela ter um treco ali nos meus braços. Enfim, depois que terminou a balada, dei-lhe um beijo no topo cabeça, ato que fez a garota exclamar “Eu te amo!” e os homens levaram-na de volta à plateia. Acho que aquela garota não ia trocar de roupa por uma semana só porque eu a segurei pela cintura, nem ia lavar a cabeça porque dei-lhe um beijo singelo.

Fazia um calor infernal e já que estávamos no fim da primavera. Começara a aquecer e todos aqueles holofotes juntos estavam me enlouquecendo. Suava como um carne tirada do frigorífico. Estava morrendo e não me aguentava, fiz o óbvio.

Tirei a camisa...

Ah! A plateia veio ao delírio. Voltei a vestir meu baixo e continuamos o show... Eu, sem a camisa....

Infelizmente, tudo tem que ter um fim e o show estava terminando. Apresentei nosso power trio, tocamos mais dois bises e terminamos.

— Gaara! Você sabe mesmo como atiçar a plateia – Kankuro bateu em meu ombro, sorrindo super satisfeito.

Para comemorar o grande sucesso, fomos beber todas na casa do meu irmão. Quando eu disse beber todas, são todas mesmo. Não me deixaram ir dirigindo, tiveram que me levar ate em casa.

Desmaiei no sofá da sala e dormi de babar até o dia seguinte.

[…]

Sakura

Domingo, 22 de Maio...

No dia seguinte ao show, acordei tarde com o som do telefone fixo martelando meus neurônios. Acordei amaldiçoando meio mundo por alguém me ligar àquela hora depois de um show tão intenso. Depois passei a amaldiçoar a mim mesma por ter um número fixo:

— Vou desligar esta desgraça para sempre — ruminei, mas ao invés de ignorar a chamada,  atendi ao telefone.

— Alô — atendi mal humorada, e, tentei disfarçar que tinha a voz sonolenta e levemente rouca típico de quem tinha acabado de acordar, obvio também, de tanto gritar no show do dia anterior.

— Desculpa Sakura, te acordei? Posso ligar mais tarde — ouvi uma voz grave.

— Não! Estava acordada, não se preocupe! — menti — Mas, quem é?

— Não reconhece mais a voz do seu primo?

— Oi Sasuke, tudo bem? — me aprumei na cadeira e esfreguei os olhos para ver se acordava.

— Sim. Gostaria de falar com você! Tem tempo agora?

Agora? — a voz saiu estridente como um gritinho fino — Hum... — fingi que pensava para me dar tempo. Tinha acabado de acordar, ainda estava de camisola e meu tico e teco estavam debatendo-se, sem muito interesse em estarem de pé. E o mais importante, analisava se queria ou não falar pessoalmente com ele depois de eu ter compreendido tudo errado na última visita do meu primo.

— Tenho que te contar umas novidades — ele insistiu.

— Oh! Certo, podemos tocar um café, então — cedi.

— Então, poderia abrir a porta?

O QUÊ? — dessa fez eu gritei mesmo.

— É que estou aqui do lado de fora!

Agora? — comecei a pular no mesmo lugar, como um canguru, sem saber o que fazer. — Espera ai um segundo! — desesperada, desliguei o telefone correndo e tropeçando nas próprias pernas, corri para dentro do quarto buscando algo para me trocar.

— Por Kami! Ele definitivamente ficou louco! — falei alto escolhendo qualquer short e blusa pra me vestir.

Correndo pela casa, bufando e afoita, abri a porta preocupada em não deixa-lo muito tempo do lado de fora. Estava descabelada com a cara toda amassada, prova indiscutível de que tinha acabado de acordar.

— Por que não disse que estava dormindo?

— Sasuke! — eu o repreendi. — Entra e sente-se, só um instante.

Antes de começar a preparar o café, fui ao banheiro fazer uns reparos no meu visual. Estava toda descabelada. A cabeleira rosa parecia mais um ninho de passarinho. Meus cabelos eram lindos e enormes, batiam abaixo da cintura, no entanto, me matavam de dar trabalho. Prendi-os porque como são levemente enrolados não dá pra pentear, fitar e me embelezar em cinco minutos. Saí e me dirigi a meu primo.

— Vem comigo à cozinha? Vou fazer um café — disse meio rouca.

— Não posso ficar muito — anunciou-se. — Vim aqui para te contar algumas novidades.

— Boas ou ruins? — perguntei ligeiramente curiosa.

— Isso depende do ângulo de visão — respondeu ele, enigmático, em um tom que fiquei ligeiramente desconfiada.

— Conta logo, estou curiosa! — disse batendo de leve em seu ombro, com um sorriso. Depois entrelacei ambas as mãos em frente ao peito e fiz cara de chantagem.

Juro que quase morri quando ele se aproximou e me agarrou pela cintura dando-me um beijo quase perto da minha boca. Deixou-me completamente desconcertada e me afastei delicadamente. Sasuke mexe comigo, não aguentaria ser um brinquedo nas mãos dele. Pelos céus, o homem está comprometido.

— V..v...ve...vem? — Não sou de gaguejar, mas não esperava por aquilo.

Passei a semana inteira me convencendo que eu era louca e que tinha entendido tudo errado e agora ele quase me dá um beijo quase na boca? Pela segunda vez? Virei e senti seu olhar nas minhas costas.

Entramos no cômodo e Sasuke sentou-se à mesa da cozinha.

— Então? — disse pra afastar meus pensamentos de: o que ele estava pretendendo com aquilo? — Quais são as novidades?

Ele suspirou e sorriu…

— Primeira, não estou mais noivo.

QUE? — arregalei os olhos fazendo o verde deles quase derreterem de dentro.

— Terminei com Karin no dia seguinte a sua festa.

Como assim? — perguntei enfática.

— Eu não posso mais ficar com uma mulher que não sinto mais nada. É melhor parar agora e manter a dignidade, depois só irá piorar. Eu a amei muito, mas com o passar do tempo, Karin começou a se tornar insuportável e com um ciúme inconsolável. Eu praticamente a aturava.

— Nossa! — sentei a sua frente para poder melhor olhá-lo nos olhos negros. —Isso é uma notícia bombástica.

— E isto foi — ele continuou com olhar profundamente cravado em mim fazendo meu estômago dar voltas de nervoso —, principal e essencialmente, porque percebi que estava começando a gostar de outra pessoa!

— Certo! — murmurei tentando entender onde ele queria chegar com aquela conversa estranha.

Aí ele segurou minha mão que estava em cima da mesa e beijou-a delicadamente no dorso, olhando-me ainda mais profundamente dentro dos olhos. Meu coração bateu acelerado quase saindo pela boca. Eu sou lerda — como Tenten me acusou — mas não sou estúpida. Óbvio que aquilo era uma declaração explícita e escancarada. Ele continuou:

— Não posso dizer o nome dessa garota maravilhosa, divertida, engraçada, especial, sensível, linda, cheirosa, com os olhos incrivelmente verdes, cabelos compridos e rosados com uma cor exótica e linda, boca carnuda e rosada, deliciosa e apetitosa e que acabou de passar para um musical de um anime reconhecido.

Pronto! Essa era a minha melhor descrição; ele conseguiu quase me matar. Agora meu coração tinha parado de bater, e, eu toquei para saber se ainda estava viva. Acho que eu estava prestes a morrer quando ele continuou e piorou meu limbo interno.

— Não posso dizer o nome dessa garota porque vou ter que me mudar para os Estados Unidos devido ao meu trabalho como medico-cientista.

Pronto, segurei um nó dolorido na garganta. Que espécie de brincadeira era essa? Ele vem aqui e diz que está apaixonado por mim, mas que vai se mudar? Só pode ser piada, pensava estática e sem piscar. Ele continuou.

— Ganhei um patrocínio milionário para minha pesquisa e não posso recusar. Gostaria que essa garota maravilhosa viesse comigo — Como assim? Ele quer que eu largue minha vida para viver a vida dele? Pensava com o cérebro a mil por hora —, contudo não posso. Não vou pedir isso para ela. Então, vim aqui pedir a ajuda para minha prima. O que eu devo fazer? Passei toda essa semana quase sem dormir por causa dessa garota rosada e preocupado em como fazer para tê-la, abraça-la e beija-la sem a magoar!

Pisquei muitas vezes, e, quase chorei! Droga! Ele já estava me magoando; isso não se faz com uma garota sem namorado e carente! Por que os deuses não gostavam da minha pobre pessoa rosada? Por que faziam isso comigo? Por quê? Por quê? Deixei que uma gota de lágrima escapasse dos meus olhos.

— Não chore, doce Sakura! Por favor, não chore! — ele passou o dedo indicador no meu rosto limpando a lágrima salgada, eu disse:

— Droga, Sasuke! Por que a vida tem que ser assim tão injusta comigo? Quando você terá que ir?

— Meu voo parte amanha pela manhã — e desta vez eu chorei de verdade, copiosamente.

— Por que você faz isso comigo? Droga, Sasuke! — soluçava — Eu tenho uma vida aqui! Tenho amigos, estou montando uma banda, tem o musical e ainda estou no segundo ano da faculdade.

— Eu sei. Por isso não cobro nada. Mas eu precisava dizer, precisava que soubesse dos meus sentimentos. Quando a vi, tão divertida, absolutamente linda e sensual no dia da festa meu mundo ruiu e tudo virou do avesso.

Fiz o que qualquer garota faria nessa situação, pulei em seu pescoço e o abracei. É muita emoção pra uma pessoa só!

O perfume masculino de Sasuke atingiu-me em cheio. Droga, ele tinha que ser assim tão charmoso e cheiroso. Por que não podia tê-lo? E foi então que aconteceu: ele me beijou.

É isso mesmo...

Ele tocou seus lábios nos meus, delicadamente; depois entreguei-me transformando o beijo em um toque caloroso. Os lábios macios roçando nos meus, o hálito mentolado, o aperto na cintura. Tudo aquilo fez um novo nó na minha garganta.

A chaleira da água apitou e eu entre lágrimas afastei-me para desligar o fogão. Acho que tem pessoas que realmente foram destinadas a ficarem sozinhas, pensava.

Bebemos nosso café em silêncio, até que Sasuke disse:

— Estarei sempre torcendo por você, doce Sakura. É a garota mais linda que eu já vi e é uma artista completa. Artistas são criados para voar, para serem livres. Eu não sou um vigarista para pressionar você e tira-la de onde está, ou pior ainda, faze-la esperar por mim. Você é linda e encantadora demais para isso e vai encontrar um homem que a respeite e que lhe apoie dentro da vida que escolheu. Contudo, deixe-me beija-la uma segunda e última vez.

Ele me puxou, afoito, fazendo com que eu sentasse em seu colo dando-me pequenos beijos por todo meu pescoço, culminando com um longo e sofrido beijo de adeus.

Senti o volume crescer em baixo de mim. Nem me importei com qualquer espécie de vergonha ou pudor que pudesse aparecer. Estava disposta a entregar-me a ele ali naquela hora, mesmo sabendo que iria sofrer muito depois para esquecê-lo.

— Obrigada, doce prima! Tenho que ir embora agora e imediatamente.

Ele levantou-se comigo em seus os braços, abraçou-me apertado e foi caminhando entre beijos até a porta de saída. Colocou-me no chão e disse:

— Até mais, minha bela e doce prima Sakura, sentirei saudades do sabor doce de sua boca macia. Abra a porta pra mim, por favor?

E eu abri a porta meio que no automático e o vi partir. Quando me encontrei sozinha, chorei... Chorei muito ali sentada no chão da minha sala...

continua..


Notas Finais


Que triste, mas assim é a vida, uns vão outros vem! E bem, na minha opinião o que vai chegar é mil vezes melhor

Enfim, no próximo capitulo teremos o tão esperado encontro entre Sakura e Gaara.

Aguardem!
Bejinhos
Inté


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...