História Belo bandido - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Belo Bandido, Belo Bandido Webnovela, Bete, Cláudia Odete, Novela, Novela Belo Bandido, Romance
Visualizações 11
Palavras 1.496
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 11 - O Luto


Cena 01 – Fazenda Ribeiro – Tarde.

Bete estava de luto e procurou-se acalmar olhando para a paisagem da fazenda através da janela do quarto. O céu estava com um tom rosado e o sol se afastando cada vez próximo as montanhas.

- Eu penso que uma das piores coisas da vida é perder uma pessoa que você tanto ama.  É tão horrível a sensação de saber que a gente nunca mais vai vê-lo novamente! Aquele sorriso e um carisma incontestável. Ele era um homem maravilhoso! – Disse Bete fechando a janela.

Luísa bateu na porta e em sua expressão havia uma calma inabalada.

- Está precisando de alguma coisa? – Perguntou ela.

- Não, Luísa! Estava aqui se lembrando do José, eu ainda não acredito que ele nos deixou! – Disse Bete.

- É assim mesmo, minha querida! O destino de todos nós! – Disse Luísa se aproximando.

- Eu só queria mais um pouco de tempo, ele nem vai conhecer a nossa filha! – Disse Bete chorando.

- Está tudo nos planos de Deus! – Disse Luísa abraçando Bete.

 

Cena 02 – Casa de Cláudia – Tarde.

Guilherme e Cláudia estão aos beijos, os dois estão nus sob a cama e cobertos por um lençol. Ela sorri ao olhar apaixonadamente para o rapaz.

- Às vezes eu paro e fico pensando se isso é mesmo verdade. Eu tenho você de volta! – Disse Cláudia.

- É verdade que você nunca parou de pensar em mim? Eu fui embora daqui a tanto tempo! – Questionou Guilherme.

Cláudia pega a mão do amado e encosta-se a seu peito.

- Está sentindo? Esse coração sempre bateu por você! – Disse Cláudia.

- Eu gosto de você Cláudia e estou feliz por estar aqui do seu lado. Eu garanto que não deixarei mal algum acontecer com você! – Disse Guilherme.

Alguém bate constantemente na porta e Cláudia ouve.

- Chegou alguém! – Disse ela.

- Não, espera que vai embora! – Pediu Guilherme.

Os dois se beijam e ela continua sorrindo devido a felicidade que está sentindo.

 

Cena 03 – Fazendo Ribeiro – Varanda – Tarde.

A porta recebe um feixe de luz e Bete acredita ver a imagem de José Fernando. Ela corre para a varanda e não encontra ninguém. Começa a tocar “Everything I Do de Bryam Adamns” e lágrimas escorrem de seus olhos. A ventania atinge as árvores fortemente e alguns pássaros sobrevoam a fazenda. O sol ainda brilha do lado de fora e Bete continua parada diante a escadaria da fazenda.

 

Cena 04 – Fazenda Ribeiro – Cozinha – Tarde.

Luísa chega à cozinha e encontra sua companheira Maria Francisca encostada na parede.

- Quer desabafar comigo? – Perguntou Luísa.

- Eu não sei se vou conseguir viver nesta fazenda depois de tudo que aconteceu aqui, eu o amava demais! – Disse Maria Francisca.

- Francisca, isso não é hora agora, a Bete está sofrendo! – Disse Luísa temendo o pior.

- Eu não posso negar os meus sentimentos, preciso colocar para fora o que estou sentindo, parece que há um vazio em mim! – Disse Francisca.

- Eu não quero participar disso, Francisca! Eu gosto muito de você, mas eu não quero ser conivente com nada! – Disse Luísa.

- Foi apenas uma noite, a dona Lorena tinha ido ao médico, longe de Novo Horizonte e estava bêbada com o José! – Contou Francisca.

- Por favor, não precisa dizer mais nada, já me contou essa história tantas vezes e agora temos que nos preparar para o funeral! – Disse Luísa.

- Eu sempre amei o José! – Disse Maria Francisca.

Bete passava perto da cozinha e ouviu o final da conversa.

- Eu tentarei ligar mais uma vez para a Cláudia! – Disse Luísa saindo. Bete se escondeu da empregada e estava surpresa com o que acabara de ouvir.

 

Cena 05 – Casa do Prefeito – Noite.

Lucrécia parece nervosa e anda de um lado para o outro segurando o telefone em uma das mãos.

- Onde será que a Cláudia se meteu numa hora dessas? – Questionava a primeira-dama.

Jorge acabara de entrar e estava acompanhado de Thiago e Isabel.

- Conseguiu falar com sua prima? – Perguntou Jorge.

- Está caindo na caixa postal, eu vou de novo à casa dela, o pai da Cláudia morreu e ela tem que saber! – Disse Lucrécia pegando a bolsa e saindo.

Isabel olhou para o noivo e para o pai e saiu deixando os dois sozinhos.

- Thiago, eu preciso falar com você! – Disse Jorge.

- Se for sobre aquele assunto, eu não quero me envolver! – Disse Thiago se sobressaindo.

 

Cena 06 – Casa de Cláudia – Noite.

Cláudia está de roupão e abre a porta para Lucrécia.

- Prima, eu tenho uma novidade, eu nunca transei tão bem na minha vida como hoje! – Disse Cláudia vibrando.

- Você bebeu? – Perguntou Lucrécia seriamente.

- O que foi que aconteceu? Você me visitando e com esse jeito tão sério. – Questionou Cláudia tomando mais um copo de uísque.

- Eu te liguei várias vezes! – Disse Lucrécia. – Ele está aí? – Perguntou ao olhar para o corredor que dava para o quarto.

- O Gui costuma sumir em um piscar de olhos, mas ele volta! – Disse Cláudia.

- O assunto é sério, o tio José está morto! – Disse Lucrécia.

- O que foi que você disse? – Perguntou Cláudia soltando o copo no chão.

- A Luísa me ligou, ela tentou muitas vezes falar com você, mas o celular e o telefone não funcionavam. Cláudia, o teu pai está morto! – Disse Lucrécia.

Cláudia parou e começou a sorrir.

- Não estou acreditando, então, eu estou rica? – Questionou ela.

- Como pode ser tão fria? O Seu pai está morto! – Disse Lucrécia.

- Não vem com essa para cima de mim, eu te conheço muito bem! O Papai e eu não nos dávamos bem e você sabe disso muito bem! – Comentou Cláudia.

- E agora o que vai fazer? – Perguntou Lucrécia.

- Ué, tenho que abrir meu closet e procurar o melhor vestido para a cerimônia. Melhor ainda será no dia da posse de tudo que me pertence, o que me é de direito! – Disse Cláudia.

 

Cena 07 – Fazenda Ribeiro – Dia.

O funeral de José Fernando está pronto e o caixão se encontra na sala do casarão. Bete sai do quarto e espia por pouco tempo o corpo do falecido marido.

- Finalmente consegui falar com a Cláudia! – Disse Luísa para Bete.

- E será que ela se importa? Ela nem deu as caras! – Disse Bete.

- Ela disse que estava sem condições e tomou remédio para dormir para ter coragem de vir antes de o pai ser velado! – Respondeu Luísa.

 - Eu não me importo com a Cláudia, só não vou a deixar fazer o showzinho dela! – Disse Bete.

- Você sabe que estou do seu lado! – Disse Luísa. – Tem muita coisa que não aprovo na Cláudia Odete!

- Imagino, afinal, trabalho para ela há tanto tempo! – Disse Bete.

 

Cena 08 – Estrada – Dia.

Guilherme está dirigindo o carro e Cláudia está retocando a maquiagem no banco do carona.

- Você me espera no carro, eu não gosto de funerais! – Disse Cláudia.

- Cláudia, é o velório do seu pai! – Disse Guilherme.

- Às vezes penso que ele já foi tarde demais, vivia controlando meus passos, meu dinheiro e agora será tudo meu! – Disse Cláudia.

- Tudo seu? – Questionou Guilherme interessado.

- Eu só vou ter um pequeno trabalho, expulsar aquela prostituta que ele colocou para dentro de casa e diz esperar um filho dele! – Disse Cláudia.

- Bem, dinheiro nunca é demais! – Respondeu Guilherme.

- Quem sabe você não pode me ajudar, mas ainda não é a hora certa, você fica no quarto, mas não some! – Disse Cláudia beijando Guilherme.

- Eu ficarei aqui te esperando! – Respondeu Guilherme.

 

Cena 09 – Fazenda Ribeiro – Sala – Dia.

Lucrécia e Jorge se aproximam de Bete para prestar solidariedade.

- Meus sinceros sentimentos! Imagino que esteja passando por um momento muito difícil! – Disse Lucrécia.

- Eu vou ficar bem, mas obrigada! – Disse Bete.

- Quero que saiba que se precisar, pode contar comigo e com a Lucrécia! – Disse Jorge.

- Obrigada, mas não preciso de nada! – Disse Bete dando as costas e indo em direção à cozinha.

 

Cena 10 – Fazenda Ribeiro – Cozinha – Dia.

Maria Francisca não consegue suportar e cai em lágrimas diante do balcão. Bete entra e a vê sofrendo por causa do José.

- Gostava tanto assim do José? – Perguntou Bete.

- Dona Bete! – Disse Francisca. – É claro que eu gostava, o José Fernando foi um ótimo patrão e homem como ele não existe mais!

- Maria Francisca, eu ouvi a conversa entre você e a Luísa. Eu sei que sentia algo por ele! – Disse Bete.

- O que a senhora está dizendo? Eu e o José éramos apenas próximos, ele sempre me confidenciou algumas coisas, ele confiava em mim! – Disse Francisca.

- Entendo Francisca! Mas não precisa mentir para mim, você o amava tanto que chegou a me detestar, essa é a verdade, não é? – Questionou Bete a Maria Francisca.

Cláudia entrou no mesmo momento.

- O que foi essa piranha disse? Responde Francisca! – Exigiu Cláudia.

 

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...