1. Spirit Fanfics >
  2. Bem de baixo do meu nariz >
  3. Capítulo II

História Bem de baixo do meu nariz - Capítulo 2


Escrita por: User147147

Notas do Autor


Curtam e comentem o capítulo por favor.

Sigam também o meu perfil no Wattpad:
User147147

Obrigada e boa leitura!

Capítulo 2 - Capítulo II



Claire’s Pov:


Escola. Nós passamos mais tempo na escola do que nas nossas próprias casas. No início a escola era divertida, quando criança você se considera amigo de todos os seus colegas de classe, brinca e se da bem com todos. A partir do segundo ano do fundamental um, você começa a perceber que nem todos são verdadeiros amigos, eles passam a se afastar aos poucos. Quando entramos no quinto ano você percebe que você precisa se encaixar em um grupo, uma "panelinha" ou vai acabar ficando sozinho. A partir do ensino médio vemos que aquele que um dia você considerou como seu amigo, companheiro e confidente não passa mais de um desconhecido, um estranho, essa pessoa se torna completamente indiferente a você. São poucas às amizades que são verdadeiramente eternas.


O único amigo que eu mantive desde a infância era ele. Jamie Edward Thompson. Não que eu não tivesse outros amigos, mas ele era o único que esteve comigo em todos os momentos. Não acho que exista alguma lembrança da minha infância em que ele não estivesse presente, sempre ficamos juntos, prometemos isso um ao outro. Nós éramos eternos.


- Chegamos- ele disse estacionando o carro em frente ao enorme prédio , desligando a música que tocava até o momento.


- Vamos logo, quanto antes a aula começar, mais cedo ela termina- respondi pegando a minha mochila e caminhando ao seu lado em direção aos grandes portões.


Não havia mudado praticamente nada desde o ano passado, os mesmos armários, as mesmas salas de aula, os mesmos corredores.

Reparei nas pessoas, amigos se abraçando e gritando histericamente sobre o como sentiram falta um do outro e alguns novatos com cara de perdido na fila da secretaria. 


- Bem vindos ao hospício- gritei ao passar por um grupo de alunos novos que olharam meio assustados.


- E que a sorte esteja sempre ao seu favor- Jay completou com uma referência de Jogos Vorazes, enquanto passava um braço pelos meus ombros me abraçando de lado em quanto caminhávamos.


Entramos na nossa sala de aula. Todas as  carteiras do fundo já estavam ocupadas, exceto por duas, uma ao lado da outra, entre um garoto alto de cabelos castanhos e uma garota negra muito bonita. Se isso não é o destino eu realmente não sei o que é. 


Corremos desgovernados em direção as nossas mesas, jogando as mochilas longe para marcar o lugar antes que alguém os roubasse, assustando os dois que estavam próximos as nossas carteiras.


- Conseguimos!- Jamie comemorou enquanto puxava uma cadeira para que eu me sentasse, fazendo uma exagerada reverência antes de mover seu traseiro e se sentar ao meu lado, entre mim e ao garoto de cabelo castanho.


- Quanto cavalheirismo- respondi ironicamente me sentando, fazendo-o sorrir debochado.


Quebra de tempo


O sinal já havia batido a mais de 15 minutos e o professor ainda não havia chegado na sala. Os alunos já tinham até cansado de badernar, estavam todos sentados conversando.


- Só porque eu cheguei 10 minutos antes esse professor resolveu se atrasar, nunca mais chego cedo- Jay reclamou baixinho fazendo uma espécie de bico e eu ri.


- Veja pelo lado bom, teremos menos conteúdo hoje- respondi fazendo-o sorrir um pouco mais animado, ele era um verdadeiro preguiçoso.


Um homem entrou correndo às pressas parando em frente a lousa. Ele tinha a altura mediana e usava um colete por cima da camisa social xadrez azul e a gravata de mesma cor. Ele tinha cabelo castanho encaracolado e aparentava ter uns 30 anos no máximo.


Ele estava claramente ofegante e suado, parecia ter corrido uma maratona. Possuía os mãos apoiadas  nos joelhos, tentando recuperar o fôlego.


- Bom dia pessoal- ele disse com a voz ofegante acenando para os alunos- Desculpe o atraso, eu sou novo aqui na cidade e acabei confundindo o caminho e entrando na contramão sem querer- ele falou envergonhado- Então, eu sou o professor Dawson- Gostaria de fazer algumas perguntas para começarmos- ele disse caminhando pela sala- Levantem a mão aqueles que pretendem fazer faculdade- ele disse olhando para os alunos.


Todos levantaram a mão.


- Bom eu acho que todos vocês já devem saber que as universidades vão começar a pedir suas cartas de recomendação e suas redações pessoais a partir de novembro e que até lá, vocês já devem ter decidido o que querem fazer se quiserem começar a estudar ainda no próximo ano- ele disse aos alunos enquanto caminhava pela sala- O melhor concelho que eu posso dar a vocês é escolham um curso que vocês gostem, vocês não vão querer passar o resto de suas vidas em uma rotina que vocês não gostam, é claro que dinheiro é importante, precisamos dele, na sociedade em que vivemos dinheiro é poder, mas não se permitam viver às custas dele e arriscar odiar o resto das suas vidas- ele falou com bastante sinceridade- Bom, agora abram os seus livros de geografia na página 4- pediu se virando para anotar a matéria na lousa.


Quando o sinal tocou, antes que o professor conseguisse falar qualquer coisa a maioria dos alunos já estava correndo em direção aos corredores.


- Bom lanche- gritou Sr. Dawson que foi ignorado com sucesso.


- Até mais professor- Jay e eu dissemos em coro saindo da sala.


- Esse cara parece lega, digo ele não parece o tipo de adulto que gosta de enfatizar a todo momento o como adolescentes são complicados e imaturos- Jay disse tirando a carteira do bolso.


- É por que a maioria dos adultos se esquece que já foram jovens um dia, eles agem como se nunca tivessem errado na vida, e mal se esforçam para nos entender, são idiotas- respondi o olhando.


- Espero que não fiquemos assim, a última coisa que eu quero é ser como o meu pai- disse ele com um certo temor na voz, Jay e seu pai não se davam bem.


- Você nunca vai ser como ele, vocês são total e completamente diferentes, você mal parece ser filho dele- eu disse parando de caminhar e ficando em frente a cantina e colocando minhas mãos em seus ombros o reconfortando.


- Obrigada, para mim ser oposto a ele é o maior dos elogios. Ele é a pessoa mais fútil e hipócrita que eu já conheci- ele diz com raiva e eu assenti concordando, por mais que eu não o conhecesse, era nítido o como Jay e a Sra. Thompson sofreram por causa dele.


Compramos nossos lanches, duas mini pizzas e um suco para cada um, pagamos e fomos em direção a quadra, nós costumávamos almoçar em baixo das arquibancadas.


- Minha mãe está com saudades de você. Ela quer que você apareça para jantar um dia desses- ele disse com a boca cheia de pizza e eu sorri. Alice Thompson é sem dúvida alguma uma das minhas pessoas prediletas, ela era gentil, engraçada e bastante compreensiva além de cozinhar bem pra caramba.


- Pode marcar minha presença, sua mãe é incrível e a comida dela é maravilhosa, seria praticamente um crime recusar um convite desses- respondi com o meu melhor sorriso.


- Então depois marcamos um dia, ok? Hoje eu quero ficar na sua casa- ele disse já se convidando a visitar-me.


- Okay então, eu aproveito e já pergunto a minha mãe sobre o encontro que ela teve com o novo boy magia dela- disse pronunciando a última parte da maneira mais pomposa possível.


- Você não parece gostar muito do John, qual o problema com ele?


- Nenhum, eu nem o conheço ainda, eu só tenho medo que ela se machuque, ela nunca se relacionou com ninguém desde que o papai se foi, eu só quero ter certeza de que ele é o cara certo pra ela- eu disse brincando com as minhas mãos- Eu só quero que ela seja feliz sabe? Mais eu não acho que exista no mundo alguém bom o suficiente para ela.Ela é a minha melhor amiga, além de você, é claro.


- Ela parece muito feliz com ele, dá uma chance, ele pode te surpreender.


- Eu acho difícil, mais eu vou dar uma chance pra ele sim. Mamãe quer que eu conheça ele e os filhos dele amanhã à noite. Você pode ir comigo pro jantar? Você é parte da família também.


- Com todo prazer docinho- ele disse sorrindo. - Afinal eu também estou curioso pra conhecer quem é o homem que pescou o coração dela- ele disse de maneira engraçada, esquisita, porém engraçada me fazendo dar uma leve risada.


Nossa paz foi interrompida quando uma figura totalmente indesejada resolveu nos incomodar: Bryan Mackintosh, um idiota, mesquinho, irritante e inconveniente, ou como nós o apelidamos carinhosamente: " filhotinho de trasgo"


- Eaí Grace, tá gata ein - ele disse com um sorrisinho malicioso, eca.


- O que você quer? Por que não vai vender cocada no inferno e nos deixa em paz?- meu amigo disse com a voz carregada de raiva.


- Mas cê tá brabo?- ele disse debochado. Sinto muito querido mas em você esse meme não brilha- Eu estou falando com a Grace, não é gracinha?


- Infelizmente- eu disse


- Eu estava pensando- ele começou porém eu o interrompi.


- Aí meu Deus você pensa- fingi surpresa levando a mão à boca.


- O que você acha da gente sair um dia desses, podemos nos conhecer um pouco melhor, não é?- ele disse se aproximando perigosamente de mim, deixando Jamie claramente irritado.


- Dispenso o convite- respondi me afastando rapidamente e agarrando Jay pela camisa antes que ele tentasse voar no pescoço do garoto- Porém agradeço o bom gosto- falei sarcasticamente puxando meu amigo para longe daquela cara de cú com cãibra do Bryan.


- Ele me dá nos nervos, deveria ter me deixado soca-lo- reclamou visivelmente irritado.


- Não vou deixar você pegar uma advertência por causa de um neandertal estupido- ouvi um resmungo em resposta porém preferi ignorar.


- Vamos pra sala- chamou acelerando o passo para a sala de aula.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...