1. Spirit Fanfics >
  2. Bem vindo ao inferno >
  3. Querem vê-las?

História Bem vindo ao inferno - Capítulo 25


Escrita por:


Notas do Autor


Hello pessoas! Tudo bom com vocês??
E aqui está mais um cap, espero que gostem!
Boa leitura! ^^

(coloquei essa imagem só porque eu achei ela muito fofa e porque eu fiquei com preguiça de procurar outra rsrs)

Capítulo 25 - Querem vê-las?


Fanfic / Fanfiction Bem vindo ao inferno - Capítulo 25 - Querem vê-las?

 Ray

 

Já se passaram vários dias desde que falamos com a oficial Sparrow, ou pelo menos, eu acho que sim, é difícil dizer quanto tempo já se passou, não tem janelas, e nem relógios, e muito menos calendários, eu não sei como, mas os oficiais sabem quando é cada dia, só que nós não sabemos, eu fico contando o tempo para poder saber quanto tempo se passou, mas claro, não é absoluto, eu não tenho certeza, mas tenho um palpite.

- Princesa, eu estou falando com você, está me escutando?! – Olho para Norman extremamente irritado, parece que hoje vai ser mais um dia em que eu vou tentar ler, mas sempre que eu tento parece impossível grassas ao Norman.

- Norman, por favor, por favor, cala a boca! – Ele fica quieto, mas continua a me encarrar

Infelizmente hoje estamos no quarto e não na biblioteca, por que? Eu também fiquei me perguntando, quando cheguei lá os oficiais não me deixaram entrar e disseram que estavam fazendo uma “faxina” na biblioteca, obviamente eu achei isso péssimo, já que a maioria das pessoas não entra nela pelo falo dela não ser muito bem cuidada, mas agora se eles arrumarem e limparem ela, provavelmente vão começar a ir mais gente para a biblioteca, e eu gosto quando ela esta vazia com somente eu e o Norman nela, espera... não, não, porque eu estou pensando essas coisas?! Solto um longo suspiro para tentar afastar tais pensamentos da minha cabeça.

- Oque foi Princesa? Você anda suspirando muito esses dias.

- Já falei para não me chamar assim.

- Mas não tem ninguém aqui além de nós dois.

Exatamente, só estamos eu e Norman no quarto, Emma e Gilda saíram mais cedo, Gilda ainda está triste e preocupada com os outros e ver a Gilda triste deixa Emma triste, e Don também saiu para algum lugar, disse que queria ficar sozinho, desde aquele dia as coisas tem sido assim, ao que parece eu e Norman somos os únicos que não estamos tristes, quero dizer, eu estou um pouco preocupado, mas não triste, eu não os conhecia direito e também não falava muito com eles, a pessoa com quem eu mais falo é o Norman e as vezes com a Emma, raramente troco algumas palavras com Don e Gilda, como um “Bom dia”, “Boa tarde” e “Boa noite”, agora imagina com os ouros, nossa relação era no máximo uma troca de olhares.

- Ei Princesa, será que eles vão ficar bem? – Norman se deita na minha frente colocando a sua cabeça entre as minhas pernas que estão cruzadas

- Você está preocupado com eles? – Falei mais sem parar de ler o meu livro e tentando ignorar que o esbranquiçado estava deitado em meu colo

- Bom, pode se dizer que sim, mas é mais pela Emma do que por mim.

- Oque quer dizer com isso?

- É que, ver a Emma triste não me deixa feliz, entende?

- ... Acho que sim. Ela normalmente é uma garota alegre e feliz e vê-la triste é, incomum. – Norman se senta na minha frente também de pernas cruzadas. – Oque foi?

- Ouvir você falando assim de outra pessoa, me deixa com ciúmes, sabia? – Norman abaixa meu livro com uma de suas mãos me impedindo de ler.

- Eu não ligo. – Respondo friamente e tentando levantar meu livro novamente para voltar a ler, mas Norman não deixa.

- “Eu não ligo” você diz, mas sabe Ray... – Ele fez questão de colocar um ênfase em meu nome – Quando eu fico com ciúmes assim, minha vontade e de te agarrar e te punir, sabia? Ou vai me dizer que não liga outra vez? – Norman usa uma voz seria e sexy, e eu não sei se foi proposital ou não, mas sua voz saiu um pouco rouca também, e seu olhar era penetrante, parecia que ele conseguia ver através de mim.

Minhas bochechas estavam queimando, quanto mais eu olhava para seus olhos mais envergonhado eu ficava, abaixei a minha cabeça rapidamente, tentando evitar seus belos olhos que me olhavam com desejo.

- Não desvie o olhar Ray, eu quero ver o seu rosto – Ele levanta o meu rosto lentamente e ficou me encarando.

Lentamente ele se aproximou de meu rosto e selou os nossos lábios em um beijo lento e calmo, não demorou muito para que ele pedisse passagem com a língua, e eu retribui, ele começou com algo calmo, apenas para aproveitar aquele momento, mas depois de um tempo ele começou um beijo feroz e prazeroso, ele colocou suas mãos em meu rosto, que lentamente foram descendo até a minha cintura, e quando finalmente chegou na cintura ele me segurou me puxou para mais perto de si me fazendo sentar em seu colo, paramos o beijo mas somente para pegar folego, nossos rostos estavam tão próximos que conseguíamos sentir a respiração descompassada e desacelerada um do outro.

Eu estava morrendo de vergonha, estava sentado em cima do colo de Norman e com as mãos em seus ombros, meu rosto estava queimando, juntamente de meu corpo que estava ficando cada vez mais quente.

- Ray, eu sei que você não é inocente e sabe quais são as minhas intenções com você fazendo isso, eu quero você, Ray.

Eu não sei oque fazer meu coração está batendo tão rápido e tão forte que eu acho que ele pode ouvi-lo, abaixo novamente a minha cabeça, eu não sei oque pensar, eu não sei oque fazer, e eu não sei como agir, oque eu deveria fazer? Eu quero isso, mas eu não sei se quero isso agora, ahh, eu estou tão confuso, mas eu não quero mostrar isso para ele.

- ... Norman, eu acho melhor a gente parar por hoje – Finalmente levanto meu rosto olhando em seus olhos.

Ele parece ter ficado um pouco triste e desapontado também, e acaba soltando um longo suspiro.

- Tudo bem Ray, mas, depois é você quem vai se arrepender de me fazer esperar tanto tempo, entendeu né? – Ele sorri no final de sua fala, um sorriso malicioso.

Certamente fiquei muito vermelho, e minha voz não saia então apenas assenti com a cabeça.

- Bom, já que você estragou o nosso maravilhoso clima, oque acha de darmos uma volta?

- Uma volta?

- Sim, uma volta, oque acha?

- ... Não vejo porque não.

- Que bom, então... – Ele se aproximou de meu ouvido e sussurrou – O que você acha de sair de cima do meu colo agora, ou, será que você quer ficar mais um tempinho? – Minhas bochechas novamente ficaram muito quentes, eu tinha me esquecido completamente que ainda estava em seu colo, e rapidamente saio de cima dele e me sento na cama ao seu lado, mas tentando evitar olhar para ele.

- Ray você é tão... kawaii!

- C-Cala a boca!

- Tudo bem, tudo bem, eu paro.

- Eiii, aí estão vocês! – Emma entra com tudo batendo a porta e nos assustando.

- Emma! Oque aconteceu?! Que desespero todo é esse?! – Norman pergunta parecendo um pouco irritado por ela ter entrado com tudo.

- É a oficial Sparrow ela disse que quer falar com a gente! – Don aparece do nada atrás de Emma.

- Então estamos esperando oque? Vamos até lá! – Norman diz se levantando da cama e indo em direção a porta, mas não sem antes dar meia volta e pagar no meu pulso para me arrastar com ele.

Novamente andando pelo corredor branco até a mesma sala, parece que isso já está virando uma rotina nossa.

Quando chegamos na porta da sala Gilda bate na porta.

- Entrem por favor. – Ouvimos ela dizer do outro lado da porta então Gilda abre a porta.

Nem esperamos ela dizer que podíamos entrar, apenas adentramos a sala de uma vez já sentando cada uma em uma cadeira, e só depois de sentar que olho para a oficial e a vejo com aquele seu sorriso calmo e dócil, “Não confio em pessoas com sorrisos dóceis demais”, eu apenas pensei isso mas na verdade eu queria muito dizer isso pessoalmente para ela, depois dos meus pais adotivos, que tinham esse mesmo sorriso, eu não consegui confiar em mais ninguém que usava essa expressão.

Hoje ela também estava sem o uniforme militar, é normal a gente não usar sempre o uniforme, já que é para isso que serve aquelas roupas brancas que ficam em nosso quarto, mas quando a vimos pela primeira vez, foi também a primeira vez, depois de muito tempo, que vimos alguém além de nós usar alguma roupa que não seja o uniforme.

- E então oficial Sparrow, o que queria falar com a gente? – Gilda é a primeira a perguntar algo.

- Ah, eu queria falar sobre as outras crianças, elas estão muito melhor, vocês gostariam de vê-las?


Notas Finais


Hello novamente! Oque acharam do cap de hoje? Gostaram? Eu espero que sim, já que esse é sempre o meu objetivo!
Hoje eu estou animada, mas eu acho que é só para esconder a vergonha que eu senti ao escrever esse cap kkkk
Até a próxima!
Bye Bye! ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...