1. Spirit Fanfics >
  2. Bendy and the massacre machine >
  3. A carta

História Bendy and the massacre machine - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - A carta


(Azumi)

Acordei ouvindo gritos e logo percebi que eram gritos da Hanna, pareciam vir do andar de baixo. Me levantei preocupada e vi que os meninos também haviam acordado.

- Que barulho é esse?

Perguntou Robbie ainda meio sonolento

- É a voz da Hanna? O que aconteceu?

Nós três descemos as escadas rapidamente mas quando chegamos lá em baixo não encontramos ela em lugar nenhum.

- Hanna, onde está você?

Eu perguntei procurando ela e então avistei uma porta aberta no corredor,
o porão talvez? Corri até a porta e entrei, os garotos vieram logo atrás de mim. Rox encontrou um interruptor e apertou acendendo a luz e fazendo com que nós víssemos Hanna caída no chão tremendo, sua pele estava mais pálida do que normalmente era

- Hanna!

Nós quatro gritamos ao mesmo tempo indo socorrer ela. Eu apoiei um braço dela em meu pescoço e Rox apoiou o outro, juntos ajudamos ela a se levantar.

- O que houve? Eu ouvi você gritando

Falou Rox preocupado. Após levarmos Hanna para cima e sentar ela no sofá ela começou a dizer coisas sem sentido, algo sobre uma criatura que atacou ela

- Eu sei o que eu vi! Vocês acham mesmo que eu sou louca?

- Nós não estamos dizendo que você é louca, só queremos que nos explique com mais calma

Disse Max tranquilizando ela, Robbie se sentou no sofá e abraçou ela. Hanna se acalmou e começou a explicar com mais detalhes

- Eu desci para tomar meu café como sempre faço mas tive curiosidade sobre o porão e decidi ir ver o que tinha lá, não sei muito bem o que houve mas alguma coisa me enforcou.

- O porão?

Eu perguntei meio confusa, eu nem sequer havia visto a entrada do porão antes

- Eu vou descer lá e ver se encontro algo!

Disse Rox já indo em direção ao porão, ele demorou alguns minutos e então voltou segurando algo nas mãos

- Não encontrei nada além de um vazo quebrado e isso aqui

Folou ele erguendo o que parecia ser uma carta, ele veio até nós e começou a ler em voz alta para que todos nós pudéssemos ouvir.

Querido Henry, parece que
se passou uma eternidade deis
de que nós trabalhamos juntos
nos desenhos. 30 anos realmente
passam voando, não é mesmo? 
Se você voltar para a cidade
venha visitar o nosso velho local
de trabalho, tem uma coisa que eu
preciso te mostrar,  do seu
melhor amigo: Joey Drew

- Uma carta do Joey? 

Perguntou Robbie ainda ao lado da irmã, eu olhei para a carta enquanto pensava em várias perguntas ao mesmo tempo.

- E quem é Henry? O que Joey queria mostrar para ele? Onde fica esse tal local de trabalho?

- Vá com calma, antes de tudo, o que está carta está fazendo aqui?

exclamou Max ajeitando o óculos dele de um jeito meio preguiçoso

- Joey me disse que havia deixado algo no porão para mim, mas claramente está carta foi escrita para outra pessoa.

Disse Hanna pegando a carta e examinando ela, Robbie se levantou para poder ler também

- Hanna olhe! Há um selo no canto da carta!

Robbie tinha uma boa visão, realmente havia uma pequena marca no canto inferior da carta. Eu olhei de perto e vi que tinha um formato peculiar

- Esse formato não me é estranho... parece até com aquele antigo desenho, qual era mesmo o nome dele?

- Bendy, Joey Drew é o criador desse cartoon!

Respondeu Hanna rapidamente. Então Rox piscou e falou

- É claro! Eu vi os cartazes quando eu desci no porão e peguei a carta, agora faz sentido!

- Nós precisamos entregar esta carta para esse tal de Henry, pode ser algo importante.

Max disse olhando direto para Hanna

- Mas como? A gente nem sabe onde ele mora, eu sugiro que nós mesmos iremos até este local!

- É mesmo? E porque?

Debateu Max parecendo afim de iniciar uma discussão com a sua prima

- Max, está é a minha casa! Não tente bancar o durão se você não passa de um covarde preguiçoso! 

- Se a Hanna for eu também vou!

Eu respondi ficando ao lado dela

- Também vou, fiquei curioso sobre este tal local antigo!

Disse Rox confiante, Robbie apenas levantou a mão, o que poderia significar que ele também iria com a gente. Hanna deu um sorriso desafiador para Max, apesar de ser engraçado o fato dele ser mais velho e quatro vezes mais alto do que ela.

- somos nós quatro contra você, nós ganhamos!

- que seja, eu vou dormir e sugiro que façam o mesmo!

Disse Max já subindo as escadas de volta para o seu quarto

- Disso ele tem razão, vamos voltar a dormir e partiremos amanhã!

Hanna falou subindo também, nós fomos logo atrás dela.

(no dia seguinte)

Acordei e percebi que Hanna não estava mais na cama, o que era estranho já que geralmente ela sempre acordava tarde. Olhei ao redor do quarto e a vi se arrumando enquanto colocava uma jaqueta preta e vermelha, a clássica jaqueta que ela sempre usava em ocasiões especiais: natal, ano novo, ação de graças, e até mesmo em velórios. Ela percebeu que eu já havia acordado e sorriu se sentando ao meu lado na cama

- Bom dia, luz do dia!

- Bom dia Hanna, as coisas já estão prontas?

- Sim, falta apenas nos arrumarmos e estaremos prontos para ir.

- Perfeito, eu vou me trocar se me der licença

- Mas eu também sou uma garota!

- Isso não é desculpa, me dê privacidade!

- Está certo, eu vou ver o que os outros estão fazendo.

Hanna fechou a porta do quarto e eu ouvi os passos dela a distância. Abri o guarda-roupa e comecei a procurar por uma roupa bonita e confortável, eu não poderia ir visitar nada com um pijama, não é mesmo?

(Rox)

Eu já estava na mesa com a companhia de Max e Robbie, nós estávamos famintos mas a Hanna como sempre havia se atrasado então o café da manhã ainda não estava pronto.

- Eu estou com fome!

Resmungou Robbie com a cabeça apoiada na mesa, Max estava tão distraído lendo o jornal que mal prestava a atenção em nossa conversa

- É um belo dia, não é mesmo?

Disse Hanna aparecendo do nada e nos assustando, ela estava parecendo uma louca com aqueles olhos vermelhos arregalados e um sorriso que mais se assemelhava a um maníaco pronto para matar alguém

- Hanna por favor, tente não nos matar de susto quando decidir aparecer assim do nada!

Eu falei olhando para o meu prato vazio, Hanna também observou os pratos vazios e imediatamente se levantou indo em direção ao fogão

- Esperem só um minuto, o café ficará pronto em um instante!

Nós observamos enquanto ela fritava os ovos e o bacon ao mesmo tempo que colocava café nas xícaras. Azumi desceu do andar de cima e sentou-se ao nosso lado na mesa, Hanna finalmente nos serviu e se sentou ao lado de Azumi, ela parecia ansiosa enquanto bebia o café.

- Já está tudo pronto no carro, só falta vocês colocarem uma roupa descente e estaremos prontos para ir!

Hanna disse calma terminando de beber o café. Ela se levantou, pegou as chaves do carro e saiu enquanto nos aguardava

(Azumi)

Nós terminamos de comer e nos arrumamos indo para fora onde Hanna nos esperava girando as chaves na mão

- Nada disso! Eu vou dirigir! Você não se lembra do estrago que fez da última vez?

Gritou Max pegando as chaves da mão de Hanna, ela claramente odiou a idéia e pegou as chaves de volta

- O carro é meu! Eu vou dirigir o que me pertence!

- Gente, porque tanta briga? Eu poderia dirigir!

Sugeriu Robbie observando os dois brigando como sempre fazem, Hanna e Max pararam de gritar um com o outro por um instante e olharam para Robbie incrédulos

- Você? Ficou maluco? Você só tem dezessete anos!

Disseram os dois ao mesmo tempo. Hanna tentava tirar as chaves do alcance de Max. Robbie também se irritou e começou a gritar junto com eles.

- Olhe só para eles!

Eu ri, Era engraçado o fato deles três serem parentes, eram tão diferentes um do outro. Max era sempre preguiçoso e vivia fugindo quando algo ruim acontecia, Hanna tentava ser a mais séria e responsável deles quando era na verdade a mais insana, Robbie era apenas um adolescente inocente tentando acompanhar os passos do primo e da irmã mais velha. As aparências deles também eram diferentes: Max possuía cabelos pretos e olhos verdes enquanto Hanna tinha cabelos castanhos escuros e olhos vermelhos devido a uma rara doença (fora isso ela era quase normal) e Robbie tinha cabelos em um tom de castanho tão claro que era quase loiro.

- Se não for incomodar, dá para vocês se decidirem logo? o tempo está passando!

Falou Rox apressando eles, Hanna se aproveitou que Max estava distraído e deu um tapa na cara dele pegando mais uma vez as chaves e entrando no carro

- Eu vou dirigir o meu carro e fim de conversa!

E com isso nós fomos, na carta havia um mapa mostrando onde ficava o tal local, era um antigo estúdio de animações


Notas Finais


Eu quero avisar que daqui pra frente as coisas vão ficar um pouco mais pesadas


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...