História Best Mistake - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Cole Sprouse, Justin Bieber, Madelaine Petsch
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Álcool, Drama, Droga, Justin Bieber, Madelaine, Romance, Sprouse
Visualizações 92
Palavras 3.665
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Chapter II


Fanfic / Fanfiction Best Mistake - Capítulo 3 - Chapter II

Justin tinha ido buscar Amanda e eu me recusei a ir, obvio. Não tenho motivos para ir, eu não gosto dela, não quero vê-la e se dependesse de mim ela nunca teria saído daquela clínica.

Estava na sala vendo televisão e vi Pattie entrar com algumas sacolas e logo atrás dela veio um pessoal segurando caixas de papelão. Olhei com curiosidade para saber o que ela estava aprontando. Ela dava ordens e orientava todas aquelas pessoas dizendo como queria a decoração do Jardim.

Ela vai reformar a casa ou o que?

Percebendo que eu a encarava descaradamente Pattie caminhou até mim.

- Ah querida que bom que está acordada. – Ela disse. – Vou precisar da sua ajuda.

- Não estou disposta. – Disse voltando minha atenção para a televisão.

- Não seja rude. – Ela disse sem se abalar. – A gente tem nossas indiferenças, mas será que podemos deixar tudo isso de lado somente hoje, porque eu preciso muito da sua ajuda.

- Me dê um bom motivo.

- Amanda saí hoje da clínica – Ela começou a falar e eu revirei os olhos com um sorriso debochado nos lábios. - Justin foi buscar ela e Amélia e eu estamos organizando uma festa surpresa para ela. – Ela suspirou. – Ela ficou lá por meses, ela merece isso.

- Ok, agora me dê o bom motivo. – Falei com sarcasmo.

- Chloe não seja tão egoísta, pense em alguém além de si mesma pelo menos uma vez na vida – Ela afagou meu cabelo.

- Ah por favor Pattie, todos sabem que Amanda e eu não nos gostamos o que te fez que pensar que eu ajudaria em alguma coisa?

- Então, só uma coisinha. Já que você não quer contribuir pelo menos tente agir como uma pessoa decente na festa e não como uma... – Ela não terminou de falar. – Ou então não precisa aparecer.

- Vou ver o que consigo fazer. – Desliguei a TV e sai da sala seguindo caminho até meu quarto

 

ɷɷɷ

 

A festa iria começar as seis e o relógio já marcava quatro horas comecei a pensar se eu deveria ir, afinal não teria nada do que me interessa, não gosto da Amanda, não sinto falta dela, ela não faz diferença na minha vida... Porém esse pensamento foi embora na mesma velocidade que veio. É claro que eu iria afinal alguém vai precisar animar aquilo de alguma forma, porque se conheço bem Pattie e Amélia as duas são caretas e cheias de classe, o que elas chamam de festa eu chamo de tédio.

Fui tomar banho e quando terminei comecei a procurar uma roupa, comecei a experimentar uma atrás da outra e nenhuma me deixava satisfeita, experimentei vários vestidos e não gostei de nenhum e quando estava quase desistindo optei por uma saía de cintura alta preta e um cropped da mesma cor. Olhei no relógio e já era quase cinco horas, eu precisava me apressar fiz um coque em meu cabelo e comecei a me maquiar, não passei nada muito pesado e nem muito leve. Estava quase pronta só precisava decidir o que fazer com meu cabelo. Fiz um rabo de cavalo, soltei, prendi de novo, fiz uma trança e nada me agradava. O tempo foi passando e no fim optei por deixar ele solto e joguei para o lado. Falta uns trinta minutos e eu precisava de um encorajamento para lidar com tudo lá em baixo, fui até o guarda roupa e peguei uma caixinha lilás onde eu guardava alguns cigarros de maconha e outras coisas ilícitas que James me dava. Peguei dois, escondi um no meio dos meus peitos e outro eu acendi.

P.O.V Justin

Já estávamos quase chegando em casa onde minha mãe e Amélia estavam preparando tudo para receber Amanda. Disse à ela que iríamos jantar fora e o sorriso dela estava tão grande, ela estava tão feliz por estar de volta. Minha única preocupação é a Chloe as duas nunca se deram bem, Chloe é inconseqüente age sem pensar. Não a vejo desde cedo quando fui buscar Amanda na clínica, não sei se ela vai estar lá ou não.

- Justin o que significa isso? – Amanda me mostrou o celular enquanto eu parava no sinal vermelho.

Era uma foto da Chloe sem blusa e outra comigo abraçando ela e pelo o ângulo que a foto estava dava a entender que estávamos nos beijando.

‘’Parece que Chloe não perdoou nem mesmo seu irmão de criação. Essa manhã ela apareceu na sacada de quarto sem blusa gritando bom dia e logo depois Justin Bieber aparece e os dois trocam caricias. Muito suspeito será que está rolando algo entre os dois? Afinal eles não são irmão de verdade.’’

Desgraçados.

- Não é o que parece. – Tentei me explicar, o sinal ficou verde e estávamos a uma quadra da minha casa.

- Fala sério Justin enquanto eu sofria naquela clínica você estava transando com ela? – Ela me olhou indignada.

- Não, claro que não Amanda. Me escuta. – Falei sério.

- Eu não quero saber, agora para o carro. – Ela falou.

- Me deixa explicar o que realmente aconteceu. – Parei o carro em frente minha casa e ela desceu.

- O que estamos fazendo na sua casa? – Perguntou ela quando eu saí do carro e fui até ela. – Quer saber, não importa! Eu vou falar com sua mãe Justin, tenho certeza que ela não aprova isso. – Ela entrou pisando duro e eu fui atrás dela.

- Amanda espera. – Falei pegando no braço dela.

- Me solta. – Ela puxou o braço de volta e continuou andando.

- Onde está Pattie? – Ela perguntou.

- Talvez no Jardim perto da piscina. – Suspirei.

- Isso não vai ficar assim Justin, não vai mesmo. Eu não admito ser traída dessa maneira seu...

- Supresa! – Todo mundo gritou quando ela apareceu.

- Canalha. – Ela terminou de dizer totalmente sem reação.

Todos começaram vir em sua direção para cumprimentá-la e eu avistei Chloe sentada onde seria o bar com uma garrafa de cerveja na mão. Ela olhava pra mim com um meio sorriso no rosto, aquele sorriso debochado e irritante que só ela tinha.

Caminhei até ela e a peguei pelo braço e o segurança dela interferiu.

- Não posso permitir que a trate desse jeito. – Ele disse.

- Não se mete, assunto de família.

- Sua mãe pode dormir com meu pai mas isso não faz da gente irmãos Justin, estou cansada de ter que te dizer isso. – Ela disse tomando um gole da cerveja.

- A gente precisa conversar. – Falei.

P.O.V Chloe

Justin e Amanda chegaram discutindo, dava para escutar os gritos dela desde o portão, quando ela foi cercada de gente Justin veio falar comigo, sua expressão não era a das melhores. Não sei o que aconteceu, mas seja o que for eu não fiz nada, não dessa vez.

- Primeiro abaixa o tom de voz pra falar comigo, seja lá o que tenha acontecido eu não fiz nada.  – Falei deixando minha bebida no balcão.

- Você viu o que estão falando da gente? – Ele perguntou.

- Da gente? – Perguntei sem entender nada.

- Olha. – Me entregou o celular dele. Um tablóide dizia que Justin e eu estávamos tendo um romance.

- Fala sério. – Comecei a rir. – Foi por isso que você e Amanda estavam brigando?

- Você vai explicar tudo à ela. – Ele disse mandão.

- Você está me dando ordens? – Arqueei a sobrancelha. – Eu não recebo ordens de ninguém Justin.

- Você faz isso ou esquece que um dia fomos amigos.

- Ai meu Deus! – Eu gritei. Você tem quantos anos agora? Porque você não explica pra ela? – Falei irritada. – Quando ela estava internada você traía ela, dia após dia. Ou você acha que eu não sei das orgias que rolam na casa do seus amiguinhos?

- Uma coisa não tem nada a ver com a outra.

- É claro que tem. Não aconteceu nada entre a gente, esses sites inventam coisas o tempo todo e ela sabe disso melhor do que ninguém. – Alterei a voz. – Ela acabou de chegar e já está entre a gente novamente. É sempre assim Justin, é só ela chegar que a gente briga sem motivos. Tenho certeza que se ela não estivesse aqui à essa altura estaríamos rindo disso e dizendo o quanto é ridículo. – Falei e ele ficou me olhando.

- Quer saber esquece, não sei porque eu ainda espero alguma coisa de você. – Ele disse dando as costas.

Incrível como ela consegue ficar entre minha amizade com Justin. Ela acabou de voltar e eu já discuti com ele. Amanda Carey é uma vadia e não do tipo boa. Ela é uma mistura de tudo que tem de ruim no mundo. Eu não vou agüentar essa garota de novo aqui o próximo escândalo que vai sair nos jornais com certeza será sobre a tentativa de homicídio que eu cometi.

Eu não podia deixar ela interferir desse jeito na minha vida, esperei um tempo até que ela ficasse sozinha para falar com ela. Eu iria desmentir o que o jornal estava dizendo, não ia arriscar perder Justin por uma besteira como essa.

Ela finalmente se sentou em uma mesa e vi Justin se aproximar, pelo gestos dela com certeza estava dizendo que não queria ele por perto. Pedi uma dose dupla de vodka e virei de uma vez. Pronto. Agora eu podia deixar meu orgulho de lado e ir falar com ela.

- Amanda querida, que bom que saiu do manicômio. – Disse tentando ser o mais simpática possível.

- É bom ver você também Chloe. – Respondeu ela sem demonstrar qualquer tipo de animação ao me ver.

- Olha vamos direto ao ponto. Eu vim aqui para esclarecer algumas coisas. – dei um sorriso falso. – Justin e eu não temos nada, qual é a gente cresceu junto ele é... – Dei uma pausa. – Como um irmão. – Odiava que dissessem que éramos irmãos

- Pode parar por favor. – Ela disse.

- E como irmão ele só estava fazendo seu papel de me proteger, você sabe como eu sou. Quando ele viu o que eu estava fazendo ele só tentou impedir.

- Vocês estavam se beijando.

- É só uma questão de Ângulo querida. – Falei gesticulando com as mãos

- Eu sei o que...

- Ai você não sabe o que viu Amanda – Revirei os olhos – Olha eu tenho dezoito anos e você vinte e dois, você está sendo tão infantil... Olha você acha que eu estou feliz em estar aqui tentando te explicar a situação? Para mim é um sacrifício ter que olhar na sua direção imagina conversar com você. Mas Justin é tão criança quanto você e está me culpando por vocês terem brigado, então Amanda, menos. Olha você é modelo, nossas vidas são publicas você melhor do que ninguém deveria saber como funciona essa industria maldita. – Disse e me levantei da mesa, Amanda apenas ficou em silencio

Aquela festa estava horrivelmente chata, a banda contratada não tocava nada bom. Sentei na grama em baixo de uma arvore e fiquei observando todo mundo, Avan estava em pé do meu lado e do nada decidiu sentar

- Você não é tão ruim quanto dizem. – Ele disse.

- Eu sou pior Avan. – Sorri de canto pra ele e ele sorriu de volta

- Olha só você sabe sorrir. – Eu disse. – Achei que você fosse sério o tempo todo.

- Só quando necessário. – Ele respondeu, voltando a ficar sério

Meu olhar parou em Justin, parece que ele e Amanda estavam bem novamente, a mão dela estava no rosto dele e ele sorria e em seguida se beijaram. Não gosto do que sinto quando vejo os dois juntos, mas não posso evitar sentir o que eu sinto por ele, não sei se é amor, não tenho um rótulo para esse sentimento, mas eu sei que é forte, tão forte, a ponto de querer estar com ele todos os dias, dormir e acordar com ele do meu lado, eu queria viver todos os meus clichês românticos com ele. Mas ele não pertence a mim, ele pertence à ela, mas eu sei que ele não a ama ele só está com ela por estar. – senti uma lagrima descer do meu rosto, eu limpei rapidamente e peguei o baseado que havia guardado dentro do cropped e o acendi.

- Você devia maneirar nessas coisas. – Avan disse.

- E você devia ficar na sua. – Respondi.

Um garçom passou por mim com duas garrafas de champanhe e eu o parei e peguei uma garrafa.

- Eu fico com isso – Disse sorrindo enquanto pegava a garrafa

O homem saiu e eu o segui com olhar e acabou parando em Justin novamente que me encarava de longe só que dessa vez sozinho. Quando nossos olhares se cruzaram eu desviei, focando minha atenção em qualquer outra coisa. A cada tragada que eu dava, eu sentia meu corpo e minha mente ficar mais relaxados, a preocupação sumia e tudo ficava em paz.

Comecei a tomar um gole atrás do outro e não demorou muito para que eu começasse a ficar tonta.

- Chega, não posso permitir que você continue com isso. – Avan pegou a garrafa da minha mão.

- Me devolve. – Falei com a voz meio embargada. – Me devolve agora!

Ele fez que não com a cabeça.

Me levantei disposta a ir pegar outra, eu estava cambaleando, o efeito da maconha com o álcool é forte e andar em cima daquele salto era um desafio. Quando eu estava no meio do caminho alguém segurou meu braço, achei que era Avan me virei preparada para fazer um escândalo mas fiquei quieta quando me deparei com Amanda.

- Será que podemos conversar? – Ela perguntou.

- Não tenho nada pra falar com você Amanda. – Disse puxando meu braço saindo de perto dela mas ela me puxou de volta

- Eu quero que você mantenha distância do meu namorado sua vadiazinha. – Ela disse ríspida. – Quero você e esses seus peitinhos bem longe dele.

Comecei a rir, foi inevitável eu estava bêbada demais para conseguir levar ela a sério.

- Escuta aqui. – Dei um passo em sua direção. – Você chegou agora na vida dele e está se achando no direito de exigir alguma coisa aqui? – Juntei a sobrancelha irritada. – E quer saber mais? Você pode até conseguir fazer ele se afastar de mim, mas não vai mudar o fato que enquanto você estava na camisa de força ele fodia uma prostituta diferente nas constantes orgias feita na casa dos amigos dele. – falei sem pensar e o arrependimento veio em seguida, mas me mantive firme.

Amanda estava vermelha de raiva e seus olhos se encheram de lagrimas, seu maxilar estava travado e ela se segurava para não deixar as lagrimas caírem. Ela deu um tapa em meu rosto fazendo o mesmo virar.

- Vagabunda. – Gritei empurrando ela que se desequilibrou caindo no chão, subi em cima dela e comecei a estapear seu rosto. Segurei em seus cabelos bati a cabeça dela duas vezes contra o chão. Ela começou a gritar enquanto tentava me tirar de cima dela. Ela arranhou meu rosto em defesa mas foi só o que conseguiu e quando eu ergui o braço e fechei a mão em punho pronta para socar o rosto dela, alguém me segurou e me puxou para trás pela cintura.

- Me solta. – Eu gritava histérica. – Eu vou mostrar pra essa puta que ninguém encosta em mim. – A pessoa me segurava por trás e eu chutava o ar querendo acertar Amanda.

Vi Justin ir até ela e a ajudar a se levantar ele me olhou brevemente com olhar reprovador. Me fazendo ficar parada.

- Você está louca? – Gritou Theodore. – Será que você não pode se Comportar como uma pessoa normal pelo menos uma vez na vida? Você é toda errada Chloe, eu estou cansado de você. – Ele ficou quieto por alguns segundos me olhando. – Tira ela daqui Avan. – Ele disse antes de se virar e ir até Amanda.

Antes de Avan me tirar dali escutei meu pai perguntando a ela como estava e fiquei com ainda mais raiva por ele se importar mais com ela do que comigo que sou a filha dele. Avan me levou de volta para meu quarto e avisei que não queria ver e nem falar com ninguém e tranquei a porta.

Sentei na cama e tirei o salto e depois a roupa ficando somente de calcinha. Deitei na cama e cobri com meu corpo com a coberta e fiquei ali toda encolhida.

Eu não tive culpa, ela quem começou, foi ela quem me provocou e me bateu primeiro. Mas ninguém se importa a culpa vai cair sobre mim de qualquer maneira porque a Chloe é sempre a ruim da história. Ela veio me bater e eu só me defendi.

Uns 30 minutos depois escutei a voz de Justin do outro lado, ele pedia para que eu abrisse a porta porque queria falar comigo eu sabia que ele viria.

- Eu não vou sair daqui até que abra essa porta. - Ele esmurrava a mesma.

Tentei ignora-lo mas era impossível ele não parava de gritar e bater na porta. Mas que merda de segurança Avan era? Eu disse que não queria ver e nem falar com ninguém e ele deixa Justin ficar me perturbando dessa maneira.

Passou cerca de 10 minutos Justin ainda estava ali me chamando de forma insistente. Levantei da cama e destranquei a porta e voltei pra cama, sentei encostada na cabeceira e Justin entrou como um furacão e, Avan veio logo atrás.

- Desculpa Chloe, mas ele estava... - Avan começou a falar.

- Tudo bem, pode me deixar a sós com ele, qualquer coisa eu chamo. - ele assentiu e saiu do quarto me deixando sozinha com Justin.

- O que você tinha na cabeça porque atacou Amanda daquela maneira? - ele esbravejou.

- Ela me bateu primeiro. - Falei na defensiva.

- Você com certeza a provocou. – Ele falou em tom acusativo.

- Se você veio aqui para me acusar pode fazer o favor de se retirar.- apontei para a porta. – Eu falei com aquela vadia como você me pediu porque eu iria atacar ela sem mais nem menos?

- Amanda estava abalada demais para me contar o que aconteceu. - Ele suspirou.

- Poupe-me Justin. - Revirei os olhos e foquei o olhar em qualquer coisa que não fosse ele. - De qualquer forma ela conseguiu ficar entre a gente de novo. - Falei voltando olhar pra ele.

- Ela nunca ficou entre a gente.

- Ah não Justin? Fala sério desde que vocês começaram a namorar a gente só tem se afastado. Só nos reaproximamos depois que ela foi internada. - levantei da cama enrolada na coberta e fui até ele. - Você defende tanto ela Justin, mas ela veio me dizer que eu tinha que me afastar de você! Eu Justin, longe de você? - Alterei a voz eu ainda estava bêbada e não pensava antes de falar. - eu não posso ficar longe da pessoa que mais amo no mundo. Sim Justin, eu te amo! É uma coisa muito louca, eu não sei lidar com isso, com esse sentimento que me deixa fora de controle. Não sei em que momento ele surgiu mas eu sinto que te amo desde sempre. - Eu falava ele permanecia estático sem dizer nada. - você acha que é fácil pra mim ver você com ela? Eu não me importo quando você dorme com uma puta qualquer porque eu sei que não significa nada, mas quando você está com ela é como se estivesse te perdendo.

- Você não sabe o que está falando, que porcaria você usou? - Ele disse mas eu ignorei e continuei falando. Eu precisava por tudo para fora, ele precisava saber o que eu sentia.

- Eu sei que você me vê como a sua irmãzinha mimada e rebelde, mas eu não sou Justin. Não somos irmãos e não é o fato de termos crescido juntos que vai tornar isso realidade. - Senti vontade de chorar. - Eu pertenço a você Justin como nunca pertenci a ninguém antes. É assustador saber que o amor tem uma das formas mais loucas de nos mostrar que ele é quem manda em nós. É difícil aceitar o que está sentindo, mas quando se aceita o difícil mesmo é se lembrar como se era antes. E é isso que me da medo, eu tenho um puta medo desse sentimento porque ele é insano demais para ser entendido. Mas eu te pertenço Justin então por favor me tenha.

Eu estava implorando o amor dele era isso mesmo?

Terminei de falar e Justin parecia chocado, ele não esperava que eu dissesse aquilo, eu também não esperava dizer isso. Eu acabei de me declarar pra ele. Eu vou me arrepender disso amanhã, mas antes do arrependimento vir à tona eu precisava de uma reação dele qualquer que seja.

Justin deu um passo em minha direção ficando a poucos centímetros de mim, sua mão foi até minha cintura e me puxou para ele colando nossos corpos. Sua boca tomou a minha com um beijo violento, levei minha mão até sua nuca intensificando o beijo, ele foi me empurrando pra trás com nossos lábios ainda selados até cairmos em cima da cama. Justin ficou em cima distribuindo beijos e chupadas em meu pescoço e minha boca e logo foi descendo até meus seios.

Ele tirou sua camiseta e jogou em qualquer canto do quarto e sua boca foi descendo por minha barriga até chegar em minha calcinha quando ele ia tirar a mesma eu o impedi. Justin estava agindo por impulso, eu tenho certeza, ele teve uma atitude que eu não estava esperando e eu não podia deixar ele fazer isso, porque se um dia acontecer quero que ele esteja comigo, não adianta a gente transar hoje e ele ir dormir com ela depois, isso eu não aceito

- Justin não! – Falei indo para trás. – Isso não é certo, saí do meu quarto. – Ele me olhou confuso. – Está surdo merda? Saí daqui. - Gritei



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...