História Best Of You - Shin Hoseok - Capítulo 51


Escrita por:

Visualizações 35
Palavras 2.007
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 51 - 50 - Epílogo


Ainda temos um longo caminho à nossa frente

Aconteça o que acontecer, sempre

Até a morte, fique comigo

Nós seguiremos em frente

Onde você estiver, farei sempre com que sorria

Onde você estiver, estarei sempre ao teu lado

O que quer que você diga, estará sempre no meu pensamento

Te prometo a eternidade neste momento

Onde você estiver, eu nunca te farei chorar

Onde você estiver, eu nunca te direi adeus

O que quer que você diga, estará sempre no meu pensamento

Te prometo a eternidade neste momento

(One Ok Rock - Wherever You Are)

   Os olhos de Sooyoung se abriram, logo que se lembrou de toda situação antes de acordar, seus olhos se arregalaram e ela se sentou abruptamente na superfície macia que logo descobrira ser uma cama de hospital. Chanyeol, seu irmão que observava a garota desacordada, fora assustado.

— Hoseok! – Hoseok fora seu primeiro pensamento. Olhou o mais velho sentado em uma cadeira ao lado da cama. — Cadê o Hoseok? – Por algum motivo não conseguia se lembrar se o garoto havia descido ou não do guarda corpo, não tinha ideia do seu bem estar. — Responde, Chanyeol! – Chanyeol encarou a garota e, com uma expressão triste a respondeu:

— Eu sinto muito, Sooyoung – A boca da garota se transformou em uma circunferência perfeita.

— Como assim sinto muito? O que você quer dizer? Cadê ele? Cadê o Hoseok, Chanyeol? – Os olhos da garota transbordaram e, ela começou a ficar desesperada — Me diga que isso não é verdade – Ela foi pra cima do irmão, segurando em seu colarinho. — Anda Chanyeol, diga! – Chanyeol notara como havia deixado a irmã com apenas uma brincadeira idiota. Ele ainda não tinha noção do quanto aquele garoto significava pra ela.

— Desculpa Soo, eu estava brincando – Sooyoung soltou sua blusa e se sentou corretamente sobre a cama, tentando se acalmar, as lágrimas não paravam de escorrer pelo seu rosto. Só a possibilidade de algo ruim ter acontecido com Hoseok, era o suficiente para fazê-la desmoronar, não aguentaria caso algo realmente lhe acontecesse.

— Você tem ideia do quão infantil foi agora? Não se envergonha por brincar com algo assim? Não é hora pra isso, que inferno! – Sooyoung levou as mãos ao rosto enquanto chorava, ainda estava muito abalada pelo ocorrido. — Como ele está? Tudo bem? E o Chang? O que aconteceu com Kihyun e os outros? – Fez suas milhares de perguntas.

— A sua primeira pergunta poderá ser respondida pelo próprio, as outras também. – Chanyeol se levantou e, ao que a garota levantou a cabeça, viu Hoseok. Seus machucados haviam sido tratados, ele tinha ataduras e curativos pelo corpo.

  Sooyoung agora chorava de alívio por ver que apesar dos machucados, ele estava bem. Hoseok se aproximou da cama e se sentou de frente pra garota.

— Eu queria tanto te bater, como pôde me assustar daquela forma? Você ao menos imagina como eu me senti te vendo em cima daquele guarda corpo? Foi como ver uma parte de mim deixando-me, você foi tão egoísta e irresponsável – Sooyoung dissera tudo em prantos, Hoseok se sentira péssimo por causar tamanho sofrimento à garota que tanto amava.

  Shin se aproximou mais de Joy e a abraçou, sua cabeça repousou no peitoral do rapaz enquanto as lágrimas desciam e as mãos dele, acariciavam seus cabelos.

— Desculpa. – O garoto preferia se desculpar, nenhuma explicação ou desculpa sua, seria capaz de justificar o que fizera mais cedo. — Me desculpa, nunca foi minha intenção te fazer derramar tantas lágrimas assim por mim. Sei que perdi a cabeça mas, você me trouxe de volta e, eu nunca mais sairei do seu lado.

  Joy se afastou de Hoseok e levantou a cabeça pra olhá-lo. Shin secou suas lágrimas. Ela parou de chorar em seguida e se acalmou.

— Você não precisa se desculpar – A garota terminou de secar suas bochechas. — Tenho certeza de que você sofreu ainda mais – Sua mão foi até os cabelos do garoto repleto de hematomas à sua frente. Por mais chocada que tivesse ficado, ainda compreendia seu lado, sabia como Hoseok deveria estar naquele momento para cogitar se matar. — Só nunca mais cogite uma loucura como aquela, eu não suportaria se algo lhe acontecesse – Hoseok levou suas mãos ao rosto da garota, o segurando. Então, se aproximou fechando os olhos e a beijou.

  Ao afastar seus lábios, olhou no fundo dos olhos da bela garota e sussurrou o “eu te amo” mais sincero que esse mundo já presenciou. Sooyoung sorriu e lhe deu um selinho rápido, em seguida, sussurrou um “eu te amo também”, tão sincero quanto o de Shin.

  O coração da garota agora batia tranquilo, tinha o amor da sua vida ali, no seu campo de visão, bem, apesar de machucado mas, o mais importante: Vivo. Seu desejo agora era de não ficar um segundo longe dele, após o susto, tinha certeza de que tudo que mais queria era ter Hoseok ao seu lado até o fim dos seus dias.

• • •

Alguns meses depois.

  Alguns meses se passaram desde o ocorrido, muita coisa mudou e outras, voltaram aos seus devidos lugares. O quarteto voltou a frequentar as aulas na semana seguinte ao ocorrido.

  Kihyun ficara tão obcecado com sua vingança, que, mesmo após ter a confirmação de que Hoseok não tinha culpa, continuara insistindo, ele queria alguém pra culpar e julgar. Com isso, seus pais foram obrigados à interná-lo em um hospital psiquiátrico para tratar sua obsessão.

  Jooheon, Minhyuk, Hyungwon e Kyungsoo enviados à um reformatório. Também fora descoberto que Jooheon só ajudou nos planos de Kihyun, porque havia sido ameaçado. O pai de Lee trabalhava para o pai de Yoo e, o garoto usou o emprego para obrigar Jooheon à ajuda-lo. Jooheon usou a amizade com os outros garotos que, nunca foram boa influência para colocar tudo em prática.

  Outra descoberta chocante para alguns e para outros nem tanto, fora sobre o escândalo de suborno do diretor. Após o ocorrido, as mães de Shin, Park, Kang e Im ficaram absurdamente perplexas e então, tomaram providências legais sobre o assunto, tornando o ocorrido de conhecimento nacional, impedindo que o diretor e, os pais que o subornavam, ficassem impune. Inclusive os pais de Yoo que, a pedido do filho, estavam sempre fazendo melhorias na escola e, depósitos bancários na conta do diretor, explicando assim o motivo de muitos acontecimentos terem sido deixados de lado, como as punições em relação à Jooheon e os outros.

  Hoseok finalmente fora declarado inocente, na escola, os alunos já não o encaravam como um monstro. Alguns sentiam empatia e remorso, outros ainda questionavam a veracidade dos fatos. O que, não fazia a menor diferença para o garoto, após tanto tempo sendo hostilizado, ele só queria que deixassem ele, sua namorada e amigos em paz.

  O resto do ano todo fora tranquilo, Hoseok e Joy passavam bastante tempo juntos, fosse estudando ou, apenas fazendo coisas de casal.

  Ambos tiveram que estudar muito e, até ficaram de recuperação no último semestre. Enquanto Hoseok precisava de notas por não fazer as atividades, Sooyoung precisava por não entender absolutamente nada do que a maioria dos professores passavam. Com muito esforço, conseguiram se formar no ensino médio. Contudo, não foram aceitos em nenhuma universidade.

  Hoseok com o apoio de sua mãe e Sooyoung, fizera terapia para cuidar do trauma que havia adquirido. Com as sessões e, também, o apoio de Hyunwoo, irmão de Jeongil, ele finalmente conseguira superar o ocorrido. Estava pronto pra seguir em frente.

  Jiyeon, mãe de Hoseok, começara um tratamento para alcoolismo, frequentando reuniões de alcoólicos anônimos. Seu pai finalmente voltara para casa, cheio de arrependimentos por ter os deixado após saber sobre tudo que acontecera. Prometeu que nunca mais os deixaria e, cuidaria de Jiyeon.

  Seulgi e Changkyun conseguiram ingressar na melhor universidade do país, tinham notas altas e um bom currículo escolar. Seu namoro continuou indo bem, ambos se completavam e, eram perfeitos um para o outro.

• • •

  Hoseok e Sooyoung arrumavam as últimas coisas da garota em uma caixa, o quarto já estava completamente vazio. Ambos olharam para o lugar sendo atingidos com as boas memórias que haviam feito ali. Era hora de guardar as lembranças em seu coração e, deixar o resto pra trás.

  Eles estavam indo embora, não só daquela casa, como da Coréia Do Sul. A mãe de Sooyoung recebera uma proposta para trabalhar no Japão e, decidiu aceitar, trabalharia menos e ganharia mais.

  De primeira, os filhos foram de pura relutância, ambos tinham coisas e pessoas que, de forma alguma, queriam deixar na Coréia. Sooyoung não podia e não queria deixar Hoseok, amava demais o garoto para ir embora e deixá-lo. Chanyeol também havia se aproximado bastante de Shin, ao ponto de até fazerem planos sobre montar um estúdio e produzirem músicas juntos e, não queria abandonar isso.

  Embora parecesse loucura, Sooyoung viu ali, uma chance de todos recomeçarem. Ela e Hoseok sabiam que viver na Coréia normalmente depois do ocorrido seria complicado, por ter tomado uma proporção nacional, sempre haveriam pessoas conhecendo a história e nesse meio, aquelas que duvidam da inocência de Hoseok, afinal, para muitas pessoas, não existe um “ex culpado”, uma vez que você leva a culpa por algo, vai ser culpado e rotulado por aquilo pelo resto da vida. E isso tornaria difícil pra Hoseok até mesmo cursar uma universidade por conta da “perseguição” das pessoas.

  Pensando nisso e, em não querer ficar longe do namorado, Park sugeriu que Shin fosse junto. Obviamente conversou com ambas as partes e, após chegarem em um consenso, fora decidido que ele também iria. Era hora de recomeçar e, Hoseok só queria se fosse ao lado de Sooyoung.

  Sua mãe apesar de ficar triste por ter que deixá-lo ir, no momento em que estavam se dando tão bem, não o impediu. Queria e desejava a felicidade do seu filho, mesmo que fosse longe. Seus pais prometeram que os visitar no Japão assim que Jiyeon estivesse completado o tratamento.

— Tudo pronto? – Hajin – mãe de Sooyoung – questionara, já haviam se despedido de todos e, todas as malas já haviam sido colocadas no carro.

— Sim, mas mãe, antes de irmos ao aeroporto, podemos passar em um lugar antes? – A mulher assentiu.

  Sooyoung e Hoseok desceram do carro juntos e entrelaçaram seus dedos, caminharam juntos pelo gramado que levava até a lápide de Jeongil, estavam no cemitério nacional de Seul. Era a primeira vez que Hoseok ia até lá.

  O casal se abaixou deixando algumas flores brancas sobre. Hoseok encarou o porta retrato que havia do garoto ali por alguns instantes.

— Jeongil-ie, sou eu, Hoseok. Eu demorei, não foi? Estava com vergonha de te encarar, acho que você me entende, não é? Eu espero que sim. Eu vim aqui hoje com a pessoa mais especial que existe nessa terra, achei que você gostaria de conhecê-la. Sei que estou falando como se fossemos muito próximos e, espero que você não se importe. Graças à Sooyoung, eu descobri a sua carta, obrigado Jeongil, você me trouxe conforto. Desculpa por não ter feito muito e, por não ter vindo antes, queria estar em uma fase melhor pra te encarar e, também, acredito que há um tempo certo pra tudo. Isso também é graças a Sooyoung, a minha heroína, ela é alguém especial que, costuma dizer que eu sou o herói dela mas, na verdade, foi ela quem me salvou e me permitiu estar aqui, eu a amo muito.

  Hoseok não pôde ficar muito tempo ali, mas, prometera à Jeongil que, sempre que voltasse a Coréia, iria vê-lo. Era uma promessa.

  Da mesma forma que entraram no cemitério, saíram, de mãos dadas. Aquela visita marcava um lindo e belo recomeço, não só de Hoseok mas, de ambos. Ambos não podiam estar mais feliz, estavam juntos, a tempestade havia passado e os raios de luz retornaram a vida de ambos. Sooyoung conhecia e tinha o melhor de Hoseok e, Hoseok o melhor de Sooyoung e isso, era tudo que precisavam.

“Eu tenho o melhor de você e, você tem o melhor de mim, juntos, nós temos o melhor de nós”

»»»»



Notas Finais


E com esse epílogo, eu finalmente concluo Best Of You.

Foi um prazer imenso escrever essa fanfic e acompanhar todos os comentários, views e favs, sério! Eu não tinha expectativas para essa fanfic e ver como ela cresceu e agradou tanta gente, aqueceu meu coração.

Eu agradeço de coração todo apoio e carinho dado até aqui.

Gostaria da opinião de vocês sobre o término, o que acharam, se gostaram, se podia ser melhor... sério, me digam!

Obrigada à quem deu amor tanto à mim, quanto a fanfic, peço que continuem me apoiando, afinal, esse é o primeiro livro da série Hero, ainda virão outros seis livros. E pra quem gostou do shipp wonjoy, já aviso que essa não vai ser a única fic, eu criarei outras.

Quero avisar que em breve estarei respondendo todos os comentários e, arrumando erros.

Outra coisa, tenho um grupo no wpp para meus leitores e, caso alguém se interesse, chama no pv que eu mando o link ❤


E é isso, obrigada novamente por todo apoio dado à Best Of You, XOXO ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...