História Best Part - Noart - Capítulo 51


Escrita por:

Postado
Categorias NOW UNITED
Personagens Any Gabrielly, Bailey May, Diarra Sylla, Heyoon Jeong, Hina Yoshihara, Joalin Loukamaa, Josh Beauchamp, Krystian Wang, Lamar Morris, Noah Urrea, Personagens Originais, Sabina Hidalgo, Shivani Paliwal, Sina Deinert, Sofya Plotnikova
Tags Any, Bailey, Beauany, Diarra, Heyoon, Hina, Joaley, Joalin, Josh, Krystian, Lamar, Maliwal, Noah, Noahurrea, Noart, Nowunited, Romance, Sabina, Shivani, Sina, Sinadeinert, Sofya, Urridalgo Sinoah
Visualizações 194
Palavras 1.521
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 51 - "Tivemos gêmeos!"- N.U


Por Sina Deinert:

Era o cara alto,de cabelos escuros e olhos castanhos e, agora nem tanto, bronzeado da praia. Da praia de Cuba.

- Boa noite! - foi o cumprimento, antes da pergunta que eu queria evitar ao máximo. - Eu conheço vocês?

Massageio minhas têmporas com minha mão livre. Noah estende a mão para apertar a do homem.

- Noah Urrea,prazer.- O californiano tinha um sorriso nostálgico em lábios.

- Espera, espera!- O cara da praia olha de Noah para mim repetidas vezes antes de cair na gargalhada.- Cuba! Nós nos encontramos em Cuba.

- É,foi lá que a desgraça aconteceu.- Resmungo e Noah aperta minha mão.

- Perdão?- O cara pergunta.

- Só senti uma dor leve,deve ser cólica. Sina Deinert.- forço um sorriso.

- Me chamo Ian Torres,prazer em reencontra-los!- Ian abre um sorriso amigável.- Por favor, entrem,devem ter vindo visitar o imóvel.

Noah afirma e logo me vejo no meio de uma sala enorme e sofisticada. Eu gostei daqui.

- Como estão as crianças? - Ian olha para a minha barriga.- Pelo visto já nasceram!

Rio de nervoso e Noah ri com som nasal, abrindo a boca em seguida para levar isso mais a fundo.

- Tivemos gêmeos!

Quem ri agora sou eu. Noah não esquece das coisas tão cedo. Ele tinha brincado comigo,quando estava nervosa por se uma situação, exatamente como essa, vinhesse a acontecer,o que diríamos. Foi isso o que ele falou.

- E a Senhora...Urrea?- Ian pergunta e Noah afirma.- Conseguiu controlar a ansiedade?

- Ah, você não imagina o quanto!- Respondo.

- A verdade é que ficamos nervosos pela chegada das crianças,mas Olívia e Jacob são tranquilos,nos ensinaram a ser também.- Noah pareceu um pai de verdade falando. Passo meu braço pelo o seu que juntava nossa mãos,me aconchegado mais a ele.

- Como vocês têm gêmeos, tenho certeza que vão querer equipar essa casa adequadamente, então tenho uma surpresa ótima!- Ian estava animado. - Foi justamente pensando em uma família grande,mas que ainda fosse crescer, que projetei essa casa.

- Bom,isso é ótimo!- Finjo entusiasmo na voz.- Você é arquiteto? Não tem nenhum pouco de cara!

- Sou arquiteto e corretor de imóveis para a empresa do meu pai, quando posso.- Continuamos seguindo Ian para o cômodo que parece ser uma cozinha.- Aqui é a cozinha,como podem ver, é americana e muito bem planejada.

- A casa já vem mobiliada?- Pergunto prestando atenção na quantidade de banquinhos do balcão.

- Bom,sim,mas o preço vem mais gordo.

Ian continua com a demonstração e tento prestar atenção,mas de dez em dez segundos meu olhar vai para Noah. Ele estava realmente centrado, prestando toda a atenção e perguntando coisas que a galera perguntaria como:

- Essa escada é bem escorregadia, qual o material do piso? Sina não gosta que as crianças fiquem soltas pela casa e acabem aprontando alguma. Com essa escada então!

Sorrio pela especulação. Sei que ele perguntou isso por causa de Diarra e Any,que amam andar de salto por aí e uma escada escorregadia não cairia muito bem,ou melhor, cairiam sim! Mas,sim,se eu tivesse um filho, não que eu queira isso exatamente agora,seria uma coruja super protetora. Não gostaria nadinha dessa escada.

- Não se preocupem,a mármore foi encerada e esqueceram de pôr os tapetes. Mas com eles, não há perigo algum de escorregão.

Ian segue na frente mostrando a vista da casa que temos no topo da escada e, em seguida, os quartos. São cinco, no total, mas não vemos problema porque Any,Josh,Bailey e Joalin não se desgrudam mais. Eles não reclamariam em ter um quarto de casal.

- O que foi?- Sou pega no flagra por Noah,o olhando.

- Você. Parece um pai todo preocupado e babão.- Sorrio fraco.

- E você acha que eu não tenho filhos? Nós temos a Sofya e o Joshua pra cuidar, esqueceu?

Rio. Sofya é uma neném que nem dá muito trabalho e Josh é um sem noção. Parecem mesmo crianças!

- Eu só tenho a Sofya,a Oli e o Jacob como filhos.- O tom que queria usar era de deboche,mas acabou saindo sério. Noah sorri para mim e me prende em um beijo.

Ao nos separar, não escuto mais a voz de Ian,ele estava calado,desviando o olhar para a parede.

- Ahm, desculpe, não queria invadir a privacidade de vocês.

- Desculpe!- Peço envergonhada,Noah ri.

O resto do tuor pelo imóvel envolveu mais e mais perguntas envolvendo os nossos "filhos". Ao final, Noah estava assinando a casa em seu nome e pagando com um cheque da mesma forma.

- Venda autorizada. A mudança pode ser feita quando quiserem!- Ian entrega a chave da casa para mim. Sorrio simpática.

- Foi um prazer,Ian, obrigado!- Noah aperta a mão do corretor, para depois o acompanhar até a porta.

Olho ao redor. As garotas irão amar isso daqui, Krystian vai gostar do tamanho dos closets e Lamar do tamanho da garagem no subsolo. Se a O Olívia e o Jacob fossem de verdade, também gostariam de brincar no gramado verdinho do quintal, com cheiro de grama cortada. Sorrio ao me pegar pensando na possibilidade de filhos.

- Eu acho que nossas crianças gostariam daqui. - Noah me abraça por trás. Sorrio por ter pensado o mesmo.

- Eu estava pensando nisso. A Olívia ia amar brincar na casinha da árvore que teríamos no jardim.- Digo sonhadora.

- Jacob ia andar de bicicleta por toda a casa e você odiaria isso.- rimos.

- Você ia apoiar seus filhos em tudo porque é um babão!- Digo me virando para ficar frente a frente com ele.

- E você ia ser a mãe super preocupada, com eles e comigo.- Recebo um selinho.

Eu e Noah nos encaramos por alguns segundos e rio sem graça. Estávamos mesmo pensando em um futuro nosso, com filhos e uma casa para eles.

- Acho que o pessoal está nos esperando.- Noah me solta, indo para a porta.

Estranho o seu comportamento,mas não me imponho. Era estranho estar pensando isso tudo envolvendo ele, nós nem temos um relacionamento firmado! É uma coisa mais solta e...leve. Quando quero ele está aqui e quando não quero também,mas por escolha própria,sem nenhuma pressão por sermos alguma coisa. Eu gosto dessa leveza,dessa naturalidade, mas gostaria mais se tivéssemos alguma coisa séria. Eu estou pensando em algo que não posso. Eu quero,eu realmente quero,quero com todas as minhas forças, mas eu não posso!

- Quer passar em algum drive-thru, antes de voltar pra casa do seu pai?- Noah pergunta, ligando o sinal para o motorista que está atrás de nós.

- Não sei, você está com fome? Geralmente não gosta de comer essas besteiras...

- Digamos que eu esteja bonzinho.

Rio sarcástica e ponho no GPS o estabelecimento mais próximo. O atendimento foi rápido,como deve ser, e ainda estamos levando pizza para os nossos amigos.

- Noah?- Ele me olha.- Por que estamos pensando em um futuro com filhos?

- Não sei.- Ele dá de ombros.- De verdade. O futuro é algo incerto,mas acho que gostaria de ter você no meio disso tudo.

- Eu também gostaria, tenho certeza que sim.- Sorrio para ele.- Mas minha filha vai se chamar Maria!

- Tudo bem,mas só se for outra,porque o nome dos gêmeos já está decidido!- Noah continua com o fingimento de "casal grávido". Rio alto.

A gritaria podia ser ouvida de dois quarteirões anteriores. Peço para que Noah acelere o carro,para chegarmos mais rápido na mansão. Yonta estava no meio da entrada principal, segurando uma garrafa de vidro em mãos, ameaçando jogar em alguém.

- Yonta o que está acontecendo?- Desço do carro às pressas.

- O seu amigo,o Lamar,quer roubar todo o meu vinho! Essa foi a última garrafa que encontrei na geladeira!

- Eu já disse que só estava mudando a posição da adaga!- Lamar se defende.

- Lamar,meu querido, você nem mora nessa mansão,porque tinha que estar mudando o lugar das coisas?- Yonta agora abraçava a garrafa.

- Espera aí, você está bêbada?- Noah pergunta tomando a garrafa dos braços da senhora. Ele me mostra a garrafa quase vazia.

- Por que bebeu tanto Yonta?

- Família, Sina,eu não tenho mais família!

Por mais bêbada que ela estivesse, continuava sendo elegante.

- O quê?- pergunto confusa.- Lamar me ajuda a levar ela pra casa enquanto Noah estaciona o carro, por favor.

Meu amigo se aproxima e Yonta berra, o chamando de ladrão de vinho.

- TÁ LOUCA?!- Nosso amigo se assusta.

- Deixa que eu te ajudo,Sina. - Noah joga a chave para Lamar,que entende o recado e pula para dentro do carro branco,dirigindo para mais próximo da casa.- Era mais fácil levar ela com o carro!

- Andar ajuda a passar o efeito da bebida,nunca ouviu falar não? Era o que Simon sempre me dizia quando chegava de madrugada, bêbada.

- Ah,eu lembro!- Yonta ri descontroladamente.- Era engraçado ver você brigar com o seu pai por besteira!

Olho para Noah, espantada pela forma que ela se libertou tanto na risada,ela nunca foi disso, devia estar muito bêbada mesmo!
Isso ainda vai durar muito...


Notas Finais


Espero que gostem!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...