História Between hate and love - Capítulo 65


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Asui Tsuyu, Bakugo Katsuki, Iida Tenya, Midoriya Izuku, Personagens Originais, Todoroki Shouto, Uraraka Ochako
Tags Bakugo, Bakugou X Uraraka, Bakuraka, Bnha, Deku, Kacchako, Katsuocha, Midoriya, Midotsuyu, Todomomo, Todoroki, Todoroki X Yaoyorozu, Tsuideku, Tsuyu, Uraraka, Yaoyorozu
Visualizações 333
Palavras 2.499
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ecchi, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Depois de muito tempo, o capítulo que conta como o Deku foi controlado, foi entregue a vocês.

Na parte do ponto de vista da Shinkan, onde estiver em itálico, ela está falando apenas para o Deku.

Capítulo 65 - Sim... Você quis (Memória Deku)


Sonho on

Quando Deku vai finalmente conseguir tirar a boca dela do seu membro, seu olhos perdem o brilho.

Apenas começa a estimula ela a ir mais rápido. Enquanto briga com si mesmo internamente, não é bem ele mesmo, está mais para...

"Midoriya-kun, que garoto inocente" ... Brigar contra a Shinkan.

"Pare! Me deixe para-lá" vê as imagens de si mesmo em sua frente, enquanto sente suas mãos presas por correntes.

"E perder essa sua carinha vermelha e sofrendo? Nem pensar" da risada.

...

"Shinkan, posso brincar com alguém usando a individualidade? Estou entediada" Kurona fala enquanto está de cabeça para baixo, pendurada na cama.

"Se não revelar como ela funciona, pode" anota algo no bloquinho "Brinque com o Midoriya, faz tempo que não o artomento"

"Okay" coloca a mão no queixo "Que tal um sonho? Isso, vou fazer ele sonhar com sua pior memoria" sorri maléfica.

...

Com Midoriya

A imagem de uma pessoa encapusada aparece.

"Me solta"

"Não..." segura seu queixo "Esse rosto. Essa corpo suado. Seu pau duro. Tudo isso seria perdido se eu deixasse você para-la" aperta a sua bochecha "Como a garota que você gosta é sem sal, se fosse eu ali!" aponta para a imagem "Já te faria ter gozado na hora" dá alguns passos para trás "Pequeno e chato... Não... Ingênuo... Sim, essa é a palavra que te define..."

"Não quero fazer isso com a Tsuyu, pare!"

"Chato..." bufa.

"Pare, por favor! Não posso deixar a Tsuyu perder a virgindade bebada!"

"Quieto, apenas observe" faz um gesto estranho com a mão "Midoriya, pare de enrolar e entre dentro dela"

Midoriya não consegue definir o seu sentimento ao ver você mesmo entrar dentro de Tsuyu de foma bruta, machucando-a, mesmo assim dando estocadas fortes sem ligar para os resmugos de dor.

"Tsuyu..." morde o lábio inferior "Não... Ela está bebada, não deve querer isso... Vai sofrer quando lebrar disso"

"Bebada!? Não querido... As memorias dela vão estar lindas... Com você a agarrando... Dizendo inúmeros eu te amo... Dormindo juntinhos..."

"Se fizer isso, eu não ligo. Ela não merec--"

"Você não me deixou terminar" coloca o dedo em cima de seu lábio "Depois que dormirem, vem a parte boa..." mostra a imagem deles acordados "Eu não queria fazer isso, foi um erro..." conforme fala, as palavaras soam com a voz do Deku "Eu amo a Uraraka" Midoriya arregla os olhos.

"Pare! Não me faça falar isso!"

"Você não se compara a ela! Não passa de uma oferecida, inútil para mim" dá uma risada maléfica "Coitada de você... Pensar que alguém como eu, diria um eu te amo verdadeiro para uma puta como você"

"Pare..." começa a chorar "Não fale isso! Pare!" se debate.

"Olha só! Ela saiu correndo chorando... Coitadinha..." aponta para a imagem "Que maldade, Midoriya-kun, como pode falar essas coisas só para fode-lá e depois dizer isso" segura a barriga de tanto rir "Quem foi que disse que a amava de mais para fazer isso com ela bebada? Cade aquele homem perfeito de minutos antes? Esqueceu dele no meio da foda?" apoia a mão no joelhos "Eu sabia que os homens mudavam no sexo, mas isso! Isso foi de mais! Foi uma cena perfeita de cafajeste maldito" toca o roste dele que está na imagem "Midoriya, Midoriya... Se você falasse isso por querer, eu já estava aos seus pés"

"Calada! Calada! Calada..." não agenta a dor em seu peito.

"Queria ver a sua cara quando voltar a si... Mas não posso me mostrar a você... Só quando me quiser por vontade própria..."

"Nunca vou quere você... Demonio"

"Partiu para violência verbal? Que garoto mau..." seu corpo começa a se transformar em fumaça preta "Sayonara, sugo modotte kimasu, querido*"  acena.

Ele volta a controlar seu corpo.

"Não... Não... Não posso ter feito isso" olha para seu corpo "A Tsuyu pensa que foi eu que falei aquilo..." cobre seu rosto com as mãos "Ela não vai acreditar que fui controlado!" da um soco no chão "Droga!"

Dias depois

"Tchau, Mineta-kun" se despede do amigo.

Midoriya vai caminhando até sua casa, só que acaba parando derrepente.

"Ei, por que meu corpo não se meche?" tenta fazer suas pernas andarem "Que droga é essa?"

"Olá de novo, Midoriya-kun" sente um arrepio.

"Você..." arregala os olhos "Me deixa em paz, demonio"

"Negativo" a pessoa aparece, novamente, com o capuz cobrindo seu rosto.

"O que quer dessa vez?" segura a raiva.

"Hum... Deixa eu pensar..." coloca o dedo no queixo "Que tal você estrupar uma amiga?" fala com voz inocente.

"Han!? Não!"

"Tarde de mais, vai ser isso mesmo" vai para o seu lado "Estabelecer linck! Midoriya, andando" começam a andar juntos "Isso é legal, né!? Além de entrar na sua cabeça, posso te fazer copiar meus movimentos... Que bom que essa parte eu vou fazer você esquecer..."

"Ei! Pare! Não vou fazer isso" da risada.

"Oh... Vai sim" chegam na frente de um apartamento "Sabe se é aqui que a Tsuyu Asui mora? Procurei no formulário dela da escola, só achei esse endereço. Esquece, vamos estrupar a primeira que aparecer..." o faz pega a maçaneta.

"Eu não vou entrar aí" tenta recuar a mão.

"Vamos sim, vai ser legal" fica brava "Tá trancada, melhor bater" dá três batifinhas na porta.

A porta é aberta.

Tsuyu olha surpresa para o garoto.

"Certo, Midoriya-kun, vamos querido, fale o que quiser" da risada "Eu ciudo dos movimentos, imagine que você é um fatoche"

"O qu--" a empurra para dentro.

"Aqui que você mora" acertei "Merda"

"Não fale palavrão, é feio" se encosta na pia.

"Midoriya-kun!?" não entede o porque dele ter vindo a sua casa.

"Sim, preciso falar com você" o garoto muda sua expressão para sério.

"Temos que trancar essa porta, Midoriya" trancam "Se alguém ver, podem te prender, não vai ser divertido assim" se aproxima dela.

Ponto de vista Shinkan on

"Pode falar" se prepare inútil.

"Estou enlouquecendo" enlouquecendo? Não querido, você apenas está fazendo algo bom para nós dois "Não estou controlando minhas ações"

Esse não parece ele.

Seus pensamentos, querida!? Tá bom, vou escuta-los, vai que você me dá uma ideia.

"Não consigo me mover por minha própria vontade, é como o outro dia" ela bate as costas na parede.

Outro dia... Só de lembrar daquela cena, meu rosto arde de prazer.

"Não estou entendendo" a impresa na parede "Pare!" tanta empurra-lo.

Midoriya ficou mais forte, ou ele sempre foi assim? Que seja...

"Midoriya, de um chupão nela, essa pele branquinha deve ficar linda roxa" aponto para uma parte do pescoço dela "Aqui! E com força"

"Não faça iss--" tarde de mais querida.

"Eu não consigo parar" ele já começou a chorar, que chato! "É igual quando eu te beije e na casa da Uraraka"

Beijo!? Não foi apenas um beijo. Foi uma foda das boas, e nós dois vimos de camarote.

"Feche a boca dela, se os vizinhos ouvirem gritos, vão chamar a policia"

"Midoriy--" tampa sua boca.

"Me desculpe, nada do que eu estou fazendo é por vontade minha" toca seu corpo.

Ele está sendo controlado, dá para ver a verdade nos olhos dele.

Parece que o meu palno deu errado. Eu queria dar apenas um susto, mas se ela acreditou nele...

"Vire-a de costa e tire sua roupa" cruzo os braços.

"Não quero te machucar" a vira de costa "Mas não consigo parar" ele começa descer sua roupa.

"Acho que será maldade se você não sentisse prazer... Pode sentir Midoriya, assim sua consciência vai pesar"

Quem manda ele ser tão bonzinho.

"Minha vida está quebrando...." a abraça com força "Não quero fazer isso" ergue sua cintura "Não posso parar, estou preso nesse inferno" seu corpo toca o dela.

"Inferno!? Como você não entende as coisas, garoto" vou por trás dele "Isso não é o inferno, inferno é a sua vida, que caiu sobre a minha" abraço suas costas "Chore bastante, quero ouvir os soluços seus..." inspiro o cheiro do seu cabelo "Suas lágrimas salgadas... Queria tanto poder vê-las sempre... Esse rostinho inchado, chore mais, quero ver..."

"Desculpa" esse barulho de zipper...

"Oh... É agora" levo minha mão a sua "Tire-o para fora... Coloque dentro dela... Faça movimentos fortes... Oh, Midoriya... Vai logo"

Entra dentro dela.

Uso minha individualidade para falar com ele, sem que a voz dele seja ouvida por ela.

"Por favor... Me faça parar" não se meche, apenas deixa as correntes lhe sustentarem.

"Não" olho para seu membro ereto.

"Aaawwwaaa..." morde seu lábio tentando parar os gemidos.

"Está sentindo isso?" gemo em seu ouvido "O meu gemido e dessa garota, somos completamente suas... Ah, Midoriya... Como queria que fosse eu aí, você não teria problemas depois" beijo seu pescoço.

"Por favor..." soluça.

"Por que? Não está gostando de sentir prazer? É tão bom..." apoio cabeça em seu peitoral "A sua amiga ali, tentando gritar de medo, assim que você a penetrou, não se sente bem com isso?..." saio de perto dele "Tsuyu... Como você é bobinha... Medo dele? Você devia apenas abrir as pernas e parar de reclamar, um homem como ele nunca se interessaria por você duas vez..."

"Ela não vai abrir as pernas para mim!" grita "A quero de forma certa, não assim"

Me irrito.

"Me poupe Midoriya" aponto para a imagem "Aquilo é você! Não tem como você não querer aquilo!"

"Eu não quero!"

"Calado" lhe dou uma joelhada na cara "Foder até cansar, é óbvio que você quer! Eu posso fazer isso com você, apenas se quer ou já quis em algum momento"  o seguro pelo cabelo "Cada pensamento pervertidos seu estão ali! Cada gemido que imaginou ela dando, eu vou fazer você escutar" faço os sons eróticos soarem "Cada movimento que fez com a mão, enquanto se masturbava pensando nela, são estocada" começo a rir "Tudo, Midoriya! Tudo isso são seus desejeos! Tudo..." dou um sorrido louco "Você mesmo fez isso!" o largo "Cada coisinha... Quem poderia imaginar!? Você o culpado do estrupo! Não eu! Sou apenas uma interventora disso"

"Desculpa, Tsuyu"

"Não tem como pedir desculpa!" bato palmas "Parabéns, Midoriya" paro "Você pediu desculpa em um estrupo! Qual retardado faz isso? Tinha que ser você mesmo..." passo a mão no cabelo "Cada sentimento, eu faço. Cada sonho, eu realizo. Cada som, eu faço soar. Seu corpo, me obedece. E sua mente, posso controlar" cantarolo de forma sinistra.

"Eu..."

"Vamos ver o resto da cena? Sim! Vamos" falo empolagada "Só vou tirar uma foto para fazer uma montagem para a Kodai" tiro a foto "Que bom que isso vai ser trabalho dela..." pego um gravador "Uma fraze, que você fale, eu vou mudar para a voz do Bakugo e pronto"

Tempos depois

"Tsuyu, me perdoa"

"Bom pedir desculpa mesmo... Quem fez tudo isso foi você mesmo..." assopro minha unha "Temos que ir, se despeça"

O garoto vai para casa.

"Me deixe em paz"

"Não... Logo eu volto, sayonara" sumo de sua vista.

Sonho off

"PARE!" o garoto grota desesperado.

Ponto de vista Midoriya on

"Não, não quero lembrar disso..." aperto os punhos "Saia da minha cabeça, Shinkan! Eu não quero!"

"Nossa... A Shinkan fez um bom trabalho com você"

"Kurona? Agora você!? Suma daqui, desgraçada!" me levanto da cama.

"Não sei voltar" da ombros "Não sabia que você fez tanta coisa errada com sua amiga"

"Não foi minha culpa!"

"Foi sim! Ela mesma explicou..." olha a minha escrivaninha "Uma foto dela? Então é olhando nisso que você se masturba? Não é bonita..." pega a foto da Tsuyu na mão "Mal gosto para caralho. Mas se a sua única opção é ela ou a Shinkan, fique com a sapo mesmo" devolve a foto ao seu lugar.

"Suma!" tento lhe acertar um soco.

"Eu não possuo corpo, fofo, sou apenas coisa da sua mente" sorri.

"SUMA! EU MANDEI SUMIR!" jogo um vaso nala.

"Olha a violência" dá risada "Pensei que um estrupador apenas fodia alguém, não que tentava matar também"

"CALADA! EU NÃO A ESTRUPEI! FOI A SHINKAN" tento bater nela de novo.

"Não foi ela que colocou o pau dentro da sapo"

"FOI O MEU, MAS NÃO FUI EU"

"Você grita, em!?" tampa os ouvidos "Acho que já deu por hoje" abre um portal "Vou encher a Shinkan, até ela me ensisnar a voltar" some.

"CHEGA! NÃO AGUENTO MAIS" pego um caco do vaso "Quero morrer..." o trago para perto do pescoço "Desculpa, mãe"

"DEKU" levo um chute no estomago "O que pensa que está fazendo, seu merda!" segura minha camisa.

"Kacchan!?"

"Em pessoa! Pronto para quebrar a sua cara!" me joga na parede "Cheguei bem na hora..."

"Me bata de uma vez, até eu morrer!" suplico "Acabe com a minha dor, por favor" me solta.

"O que passou na sua cabeça? Se matar, sua mãe não aguentaria a dor" da um soco na parede "Se a sua mãe não tivesse me ligado, você estaria morto" aperta seus punhos "Deku, fale o motivo agora!"

"Não!" me olha com raiva.

"Fale agora! Não importa o que seja, você vai continuar sendo um merda mesmo!"

"O que eu fiz foi a pior coisa do mundo..." sinto meus olhos marejarem.

"Conte!" ele não vai me deixar em paz até falar mesmo.

"Eu... Eu... EU ESTRUPEI A TSUYU" grito chorando "Mês passado, eu fiz sexo a força com ela..."

"Deku..." trinca os dentes "Como pode fazer isso? Você não gostava dela?"

"Eu gosto! A amo! Mas..." me interronpo antes de falar.

"Termine!" segura meus cabelos.

"Eu não quis, a Shinkan me controlou! Não teve como evitar..."

"Claro que tinha! Se você não fosse esse merda, teria acabado com o efeito da individualidade" arregalo os olhos.

"Tinha como fazer isso?"

"Óbvio que tem!" dá um soco na minha cabeça.

"Como?" tenho que saber.

"Você não vai gostar de ouvir isso..." suspira "Você não pode querer"

"Eu não quis..." começo a chorar "POR QUE AQUELA DROGA NÃO PAROU!?" soco a parede com força, fazendo um barulho alto.

"PORQUE VOCÊ QUERIA, DEKU"

"NÃO QUERIA" soco novamente a parede.

"Izuku..." escuto a voz da minha mãe.

"Mãe..." vou para o seu lado "Me desculpe por te dar essa desonra" me ajoelho aos seus pés "Desculpa" choro alto "Seu filho estrupou uma garota... Desculpa..." abaixo a cabeça até o chão "DESCULPA"

"Izuku..." se ajoelha "Filho..." me abraça "Calma, eu sei que você não teve culpa"

"Eu tive sim! Eu queria transar com a Tsuyu, a Shinkan apenas fez o que eu queria" sinto uma mão na minha cabeça "Kacchan..."

"Sim, ela fez" também se ajoelha "Mas ela fez do jeito errado, Deku, se você a ama, nunca faria isso com ela" suspira "Como eu não quero fazer algum mau a Ochaco, você também nunca faria a Tsuyu"

"Eu sei, mas..."

"Deku, não adianta mais se lamentar, vai ter que aceitar que você virou o pior tipo de escória"

"Katsuki!"

"Mas ainda tem a gente..." me surpreendo "Apesar de te odiar como ninguém, você é meu amigo desde sempre, amigo da Ochaco, amigo de todos da sala... Nem que todos te odeiem, não vamos te abandonar" sorri fraco.

"Kacchan... Mãe... Obrigado" abraços os dois "Obrgado por existirem"


Notas Finais


Adicionei algumas coisas na parte que eles acordam, depois arrumo o antes desse.

*A tradução de sayonara, sugo modotte kimasu, é: adeus, te vejo amanhã.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...