1. Spirit Fanfics >
  2. Between love and hatred (Min Yoongi - BTS) >
  3. Sentimentos

História Between love and hatred (Min Yoongi - BTS) - Capítulo 75


Escrita por: e Maravilivian


Notas do Autor


Olha eu mais uma vez babys! Boa leitura!

Capítulo 75 - Sentimentos


Sunhee Violet P.O.V


Yoongi não estava nada mal para quem havia passado mais ou menos quase três dias em uma cela. Por mais que soasse estranho, o ambiente parecia lhe cair muito bem.

Ele ainda vestia o terno com o qual apareceu na tevê, mas não parecia nada desarrumado ou cansado, era como se tudo apenas colaborasse com a sua beleza matadora.

Ainda era difícil de assumir que Yoongi mexia comigo de uma maneira inexplicável, mesmo após anos separados, seguindo caminhos diferentes. Com pessoas diferentes. O que vivemos jamais será apagado, principalmente por Erin ser fruto daquela relação avassaladora. Ela tem os olhos e o nariz do pai.

Balanço a cabeça e fito a parede, tentando acalmar os nervos e toda a conversa na delegacia com Namjoon e Hongjoong presente, tentando tirá-la da minha cabeça e deixá-la no passado, longe da minha vida pessoal. Yoongi havia entrado na sala e parecia surpreso com a minha presença, talvez Namjoon não tivesse dito que seria eu quem o representaria nesse caso de agora em diante. Havia me consultado sem a permissão e aprovação de seu chefe, Yoongi, que também não ficou indiferente quando soube que seria eu quem estaria a frente de tudo. Em seus olhos, vi claramente que tinha gostado da idéia, de me ter por perto por um tempo.

Respiro fundo e me jogo na cama, passando a olhar o teto com um enorme espelho, passando a encarar eu mesma através do espelho, os olhos cansados e vermelhos, maa ainda assim emitindo um estranho brilho, que eu mesma tentava me convencer por dentro de que não era por ver Yoongi.

— Primeiro: precisa de algo? Roupa? Sabonete? Qualquer coisa? — Perguntei. — Podemos providenciar qualquer coisa que desejar, uma sela individual...

— Estou bem. Aqui é uma prisão, não um hotel de luxo cinco estrelas — franziu a testa, querendo protestar. — É sério, estou bem, esse lugar não me assusta. Na verdade, estou até acostumado.

Lembrei-me do tempo de rebeldia de Yoongi, antes do nosso casamento ser anunciado. Não o conhecia, mas em pouco tempo soube da sua fama de brigas e corridas ilegais, do tanto de tempo que passava na prisão como se fosse uma segunda ou terceira casa. Da fama de pegar garotas por uns dias e depois simplesmente largá-las como bonecas estragadas.

Afasto o pensamento.

Você e Yoongi não tem mais nada, Sunhee, afaste o passado. Esqueça-o de uma vez, agora é somente uma relação profissional.

Me levanto e vou direto para um banho, ainda lutando para manter longe tudo que tem acontecido repentinamente. Yoongi. Atuar como advogada pela primeira vez. Tudo veio tão repentinamente que chega a ser assustador.

Quando entro debaixo do chuveiro, imagino Yoongi atrás de mim, aparecendo em meio ao vapor da água morna, tocando meu corpo molhado com delicadeza, com o rosto enterrado em meu pescoço, sentindo o doce cheiro do sabonete recém passado, me causando esparmos. Sinto sua mão agarrar meus seios e apertá-los sem muita força, me arrancando um gemido deleitoso. Em seguida, ele segura uma das minhas mãos e a guia até minha parte íntima, estimulando-me.

Respiro fundo, o coração começando a bater descompassado e quando abro os olhos, não há mais ninguém lá além de mim mesma. Pestanejo, horrorizada ao ponto em que cheguei. Quanto mais tento afastar Yoongi da minha cabeça, mais ele vem, querendo me tomar por um todo mais uma vez, fazendo-me desejá-lo como um dia eu já desejei. Agora ainda mais.

Devo estar louca. Recomponha-se!

Ao sair do banheiro, estou tensa e levo a mesma mão com qual me toquei até meu pescoço, tentando aliviar a tensão e esquecer a barbaridade recente. Ao abrir os olhos, me deparo com Hongjoong encolhido, de costas para mim, olhando o mundo lá fora pela janela com as mãos para trás. Quando me mexo, ele se vira, lentamente, como se estivesse com um efeito de câmera lenta, parecendo uma cena de novela com sua virada dramática. Mas no lugar do rosto de Hongjoong, vejo Yoongi e esfrego os olhos para mandá-lo para bem longe dos meus pensamentos.

— O que você...

— Está tudo bem com você? — Ele pergunta por cima, me interrompendo. Assinto. — Ok! Só vim dizer que a babá já se foi e Erin está dormindo.

Respiro fundo e assinto mais uma vez, sentando-me na beirada da cama.

— Então, estou me retirando agora — ele se curva e vai na direção da porta.

— Hongjoong — o chamo. — Aceita tomar uma taça de vinho comigo? — Tento sorrir.


Troco o roupão felpudo por um de seda na cor preta. Hongjoong faz o favor de buscar as taças e o vinho na adega, trazendo junto um prato médio com pequenos pedaços de queijo em cubo, azeitona e carne seca.

Nos sentamos na salinha fora do quarto, nos acomodando em uma poltrona uma de frente para a outra, deixando a mesinha com a bebida e os aperitivos no meio. Quando Hongjoong me serve, bebo a taça de uma vez, só então depois de ter feito me sentindo mal e nada educada.

— Me desculpe — lamento. — Eu sirvo você — pego a garrafa da mão dele e coloco o líquido escuro, preenchendo pouco menos que a metade. Logo depois sirvo a mim mesma.

Erguemos a taça e fazemos um brinde silenciosamente, apenas ouvindo as duas taças tilintar uma na outra. Bebo um gole e suspiro.

— Você está bem? — Ele pergunta e o olho, colocando um pedaço do queijo na boca.

Engulo e tomo mais um gole do vinho.

— Se eu dissesse que sim, estaria mentindo — sorrio.

— E eu com certeza não acreditaria — ele contorce os lábios em im sorriso. — Quer desabafar? — Pergunta e o olho mais uma vez, inclinando-me.

— Não — bebo mais um gole. — É trabalho e não quero trazer a tona.

Hongjoong apenas assente e bebe uma golada do seu vinho, quase secando a taça.

— Desculpe não ficar mais, mas preciso ir — ele se levanta, batendo as mãos nas coxas.

— Tudo bem, tenho que organizar uma papelada de qualquer forma, acho que não posso simplesmente fugir disso — sorrio, bebo o resto do vinho na taça e me levanto. — De qualquer forma, obrigada por me fazer companhia.

Ele me olha como quem tivesse com pena e assente.

— É sobre o caso Yoongi? — Ele pergunta, contorcendo o rosto e percebo o quanto se esforçou para perguntar sobre aquele a qual vem tentando me manter longe.

— É, é sim — suspiro — nunca pensei que advogar fosse tão complicado.

Hongjoong não me responde.

— Não acho que isso, esse caso, faça bem a você — o olho. — Pelo o que eu soube, Min Yoongi não foi um dos melhores maridos.

Eu não respondo, cruzo os braços e desvio o olhar, tentando não trazer a tona as tristes memórias vivenciadas no passado.

— Não deve deixá-lo ser presente em sua vida novamente, Sunhee. Você... Você é uma mulher incrível, não merece um cara como ele.

Mesmo relutante, eu assinto.

— É, eu sei. Mesmo depois de tudo que eu passei, os anos que fiquei longe, os longos dias em que lutei contra mim mesma para superá-lo, foi completamente inútil quando o vi de novo. Agora, eu o quero, o desejo completamente. — Olho para Hongjoong e ele tem os olhos mirados para qualquer outro lugar, menos pra mim.

— É, eu não preciso saber disso — ele estala os lábios.

— Eu sinto muito, Hongjoong — ele me olha por cima do ombro e me pergunto quando exatamente ele se locomoveu tão rápido até a porta. — Sabe, por não corresponder aos seus sentimentos.

"Alguns anos atrás, eu te daria uma chance somente para me aliviar, para provocá-lo, para te fazer mandar para longe esse desejo. Mas eu não sou mais essa pessoa, Hongjoong, eu não... Eu não sou. E eu sinto muito por ver você somente como um irmão..."

— Para — ele me interrompeu, se aproximando bruscamente. — Eu não quero ouvir.

— Sinto muito — sussurro. — Se não suportar mais isso, você pode ir, não vou ser egoísta ao ponto de obrigá-lo a continuar trabalhando comigo.

— Para, por favor — sua voz saiu como um miado.

Hongjoong me deu as costas e foi embora, batendo a porta com força ao sair. Me sento na poltrona novamente, tentando não lamentar ao tocar no assunto sobre os sentimentos de Hongjoong. Mas não podia simplesmente ignorar e lhe dar esperanças.

Me levantei e fui atrás do notebook, abri os arquivos que Namjoon me mandou e pela primeira vez eu dei uma olhada em todas as provas que Namjoon havia reunido. Ele praticamente havia feito todo o trabalho, deixando-me responsável apenas para aproveitá-lo e ao dar uma boa olhada em tudo, fico embasbacada e entendo, Namjoon sabia que seria um gostinho maravilhoso para mim acabar com Soo-Ah.



Notas Finais


E aí suas maravilhosas, o que estão achando?
Até o próximo capítulo, aaaaaa (prometo que será logo)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...