História Between Times - Capítulo 2


Escrita por: e rinelenkagam

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Fantasia, Homestuck, Referencias, Viagem No Tempo
Visualizações 11
Palavras 3.445
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ficção, Luta, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural
Avisos: Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá pessoal, sejam bem vindos ao segundo capítulo de minha história. Novamente estou aqui faz quase 1 mês adaptando o segundo capítulo. Porém não se preocupem, eu irei postar os próximos capítulos em breve, mesmo que demore um pouquinho. Afinal, eu meio que não ganho nada com isso e eu tenho várias outras obrigações para tratar, e também tenho minha vida pessoal que preciso cuidar. Ou seja: vai demorar porém no final vai sair. Dessa vez continuará na mesma regra do capítulo anterior, os números entre parenteses junto ao jogo da velha servirá para levar à páginas com vídeos e áudio, e como não posso colocar link pois posso ter a história apagada eu preciso colocar esses trecos no meio do texto para simbolizar que nessa área teria um link. Porém ele estará como no capítulo anterior nas notas finais, lembrem-se disso okay? Bom, agora podem ler a história caso queiram. E não, sem pegadinhas dessa vez, o selo da seriedade está ativado. Bom, era só isso. Até!

Capítulo 2 - Assombroso - Act 1


Fanfic / Fanfiction Between Times - Capítulo 2 - Assombroso - Act 1

(Derse)

Sentado em seu respectivo trono um governante de carapaça negra como a noite mais escura rege seu reino tão escuro quanto a própria carapaça, mas não é desse cara de quem vamos falar agora e sim de quem está sempre de olho em cada um de seus passos. Seu nome é Enzero Listrackts. Você faz parte de uma máfia sinistra que tenta tirar  o rei do poder à anos com vários planos. Se tudo der certo seu chefe irá ascender como o novo líder e você como braço direito dele. Ou é o que você pelo menos espera que aconteça. De qualquer forma será seu chefe no poder e você terá que seguir as ordens dele de um jeito ou de outro, até lá VOCÊ é a linha de frente para que isso aconteça!

>Enzero, Anote os hábitos do rei e passe para o seu chefe!

">Enzero: Eu já faço isso faz 4 anos, hoje quero fazer algo diferente."

>Enzero, Relatório da situação agora!

 

========================================================================

"Relatório da situação por Enzero Listrackts. Após mais algumas semanas vigiando o rei descobri uns fatos à mais. Não sei se faz muita relevância, mas após uns muito tempo observando descobri que ele evita coisas com amendoim, pode ser algo banal porém poderíamos se considerarmos que ele tem alergia a essa noz com certeza podemos usar essa fraqueza à nosso favor. Ainda tenho que pensar sobre o que fazer, até lá terei mais informações. Até mais ver. {EL}."

========================================================================

>Enzero, transportalize o relatório à seu chefe!

Você coloca o relatório dentro de seu transportalizador portátil e seta as coordenadas para a localização de seu chefe.

>Enzero, aperte o botão!

*Quando Enzero aperta o botão o envelope com o relatório dentro é teletransportado!* 

Seu plano está começando a ganhar forma, uma charada diabólica é a unica coisa que sustenta esses pequenos fiapos se sustentarem, a solução dessa charada é a brisa que você precisa para levar esse reino ao colapso.

>Enzero, tom cuidado para não ser capturado pelos guardas!

Tarde demais, você já foi capturado e está sendo levado para sua cela, nisso que dá ficar espiando a realeza.

(Mudança repentina)

Você encontrou um pequeno envelope com as iniciais do Enzero. Leia ele. Espera, quem diabos é você? Deveria dizer pelo menos seu nome para nos conhecermos melhor não acha?

>?: Não

Vai, fala seu nome para nós por favor.

>?: Por que eu deveria?

Pois se você não disser eu darei, quer explicação melhor que essa?

>Spades: Meu nome é Spades. Spades Slick! satisfeito agora?

Sim, estou. Pera ai, VOCÊ É QUEM?!

>Spades: Argh! Não vou repetir novamente a mesma frase, você que descubra agora.

Okay. Você é Spades, você é líder de uma máfia macabra chamada Midnight Crew, você pode ser o líder, porém ainda sim existe um superior acima de você no cargo, o líder da porra toda em outras palavras. Você acabou de receber uma carta de um de seus colegas de trabalho, talvez seja importante.

>Spades, Leia a carta!

>Spades: A carta não é pra mim e sim pro chefe, o incompetente deve ter errado as coordenadas do transportalizador.

>Spades, Entregue a carta seu chefe.

>Spades: Não.

Por que não?

>Spades: Não tenho motivo para entregar para ele, se ele quiser que ele venha pegar.

*Spades recebe uma ligação via rádio de seu patrão*

>Spades, atenda seu chefe!

>?: Spades, fiquei sabendo que Enzero errou as coordenadas do transportalizador dele, por favor venha e me entregue a carta. Imediatamente! *Click*

>Spades: Droga! *facepalm*

(Mudança repentina novamente!)

>Enzero, saia de sua cela

Você não acredita que algum guarda imbecil deixou o portão aberto. Será sabem que um prisioneiro perigoso como você pode fazer?!

 *Enzero sai e sua cela e vai caminhando cautelosamente até o fim do corretor*

  Você sai cautelosamente de sua cela e vai até o fim do corredor  evitando que qualquer guarda te veja. Você sabe que uma hora ou outra alguém notará sua ausência então é melhor você sair logo daqui

>Enzero, comunique ao Spades!

>Enzero: "Não posso estranha voz na minha cabeça, eu estou sem meu rádio momentaneamente. Talvez se eu roubar e alterar a frequência do sinal do rádio de um guarda irá servir."

E você sabe como fazer isso?

>Enzero: "sim, por que não saberia?"

Eu não sei, por que você saberia?

>Enzero: Também não sei.

Tudo bem, apenas saia desse lugar e vá para algum lugar seguro antes que um guarda te veja.

(Enquanto isso...)

>Spades, Ascenda as escadas.

>Spades: Eu odeio meu chefe!

Você sabe que uma hora ou outra teria que entregar essa merda pra ele, então não reclame e pare de quebrar a quarta parede!

>Spades: Vai te catar seu idiota!

*Spades em um ato de descuido acaba escorregando e caindo das escadas*

It keeps happening!

>Spades, Ascenda as escadas direito!

>Spades: Eu sei que foi você que fez isso seu bastardo!

Primeiramente: Cala a porra da boca e faça o que a narrativa manda antes que esse capítulo fique maior que Homestuck em sí.

Segundamente: (se é que essa palavra existe) você merece mesmo.

*Spades sobe a escadas prestando atenção nos degraus cautelosamente e se dirige até a sala de seu chefe*

>Spades, agora abra a porta e entregue a carta

>Spades: Dessa vez eu seguirei suas ordens só porquê não quero me ferrar novamente.

*Spades abre a poorta e é recebido por seu chefe*

>Nixtrak: Olá Spades, vejo que trouxe minha carta.

*Spades se aproxima um pouco mais de Nixtrak e se senta em uma poltrona*

>Spades: Sim chefe, eu trouxe ela, gostaria de algo mais?

*Spades entrega o envelope à Nixtrak*

>Nixtrak: Bom, eu recebi uma mensagem de radio apouco tempo do Enzero.

>Spades: E...?

>Nixtrak: Ele me disse que foi capturado e precisa de ajuda para poder escapar da penitenciária de Derse. Preciso que você vá ajuda-lo.

>Spades: Bom, já que eu não tenho outra escolha mesmo. Eu vou lá. "Obrigado Enzero. Eu definitivamente te odeio"

>Nixtrak: Bom, leve a sua equipe com você, talvez seja preciso.

>Spades: Certo senhor espere apenas alguns minutos que eu irei os reunir.

>Nixtrak: Por enquanto é só. Pode se retirar.

*Spades sai da sala de Nixtrak*

>Spades, Reùna sua equipe!

>[S]Introduct (#1)

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

(Enquanto isso, em um lugar onde o tempo é relativo e a percepção de passado, presente e futuro ainda é algo de opinião pessoal...)

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

(Internato Estadual do Vale do Norte - 2 dias depois do incidente das luzes.)

>Paulo: Então, quer dizer que você já viajou por vários lugares no espaço procurando essa rocha?

>Maria: Sim, já faz 1 mês que eu sai com Liren nessa aventura. Já exploramos vários lugares misteriosos no espaço paradoxal, porém decidimos voltar à terra por causa de um sinal que recebemos de um de nossos aparelhos.

>Liren: Até agora só encontramos a do espaço. Assim que encontrarmos a que controla o tempo não precisaremos vagar pelo universo para procurar a próxima pedra, pois teremos uma liberdade maior para explorar.

>Luiz: Como assim? 

>Maria: As pedras estão espalhadas apenas pelo espaço, mas também pelo tempo. Ou seja, nós podemos estar sentados nesse momento em cima de onde a 300 anos havia uma pedra da brisa.

>Liren: Sem a pedra do tempo nós precisamos viajar até certos lugares no universo onde possuem esses portais temporais. O problema é que eles não abrem sempre que precisamos e as vezes não nos levam para o tempo exato onde precisamos estar.

>Paulo: Eu acho que entendi. E acho que também tenho uma ideia.

>Luiz: Qual é ela então gênio?

>Paulo: Podemos procurar pela internet lugares no nosso planeta onde já ocorreram fenômenos parecidos

>Liren: Só tem um problema nisso: existe no máximo 2 ou 3 entradas em alguns planetas, e não é garantido ter em todos. Porém foi uma boa ideia essa sua.

>Maria: Poderíamos pesquisar sobre isso mais tarde, agora vocês tem aula e nós temos que arranjar um jeito de ficar por aqui sem ser clandestinamente.

>Luiz: Okay, vamos lá para a sala de química Paulo. Antes que nós nos atrasemos novamente.

>Paulo: Okay, só tentem não se meter em encrenca.

>Maria: Claro! Pode deixar.

*Paulo e Luiz saem do quarto e vão andando em direção a sala de química*

>Luiz: Cara, não acha que isso está indo meio longe demais?

>Paulo: Bom, se você acha que nossas vidas e famílias não correm risco de simplesmente deixarem de existir sim, eu estou.

>Luiz: Okay. Vamos morrer de um jeito ou de outro. Já entendi. Eu só espero que não paremos em uma caverna 10 anos no passado lutando contra um alien com mais de 90 anos de idade sem forma física. E VOCÊ ME ENTENDE MUITO BEM DO QUE EU ESTOU FALANDO!

>Paulo: Sim, eu sei. Mas bom, olhe pelo lado bom, vai ser bem difícil isso acontecer.

*A professora de química de repente sai da sala gritando algo que nenhum dos dois consegue entender direito*

>Luiz: Wow, você ouviu o que ela gritou?

>Paulo: Pelo que eu ela gritou algo sobre plasma

>Luiz: Eu entendi algo como plantas má.

>Paulo: Sua criatividade interfere um pouco no entendimento da frase. Talvez tenha sido alguém que estivesse tendo um ataque de asma.

>Luiz: De qualquer forma, é melhor eu ir lá acalmar ela. Antes que ela descubra algo sobre os nossos inquilinos.

>Paulo: Tudo bem, enquanto isso eu vou tentar descobrir sobre o que está acontecendo lá na sala.

*Luiz sai atrás da professora*

>Paulo, suba as escadas!

*Paulo sobe as escadas*

Você sobe as escadas cautelosamente com uma pequena tensão em seu braço esquerdo. Talvez seja apenas o medo de que esteja tudo escuro. Você não tem nada com que se preocupar bastardo, você enfrentou à dois dias um alien negro de uma máfia sinistra. Apenas continue andando!

*Paulo chega em um corredor escuro onde a sala de química se localiza ao seu fim*

>Paulo: Sério mesmo que vou precisar ir até lá n-nesse escuro?

Você acha que é muita coisa para você fazer sozinho. Tente acender a luz pelo interruptor à sua esquerda!

*Paulo aperta o botão do interruptor na parede...Porém ele não funciona*

>Paulo: Ahhh... Só pode estar de sacanagem comigo!

Você acha que é muita coisa para aguentar sozinho. Um corredor longo e escuro com piso de madeira onde a cada passo que você dá um rangido é escutado. E pra piorar esse lugar a noite dá muito medo! E a aparência desse lugar ainda não ajuda muito. 

>Paulo, converse com seu irmão!

*Paulo pega seu  celular e abre o Pesterchum*

========================================================================

[Pesterlog]

========================================================================

-- chimeraBiologist [CB] began began pestering opticalCientist [OC] at 18:33 --

[18:33] CB: Cara por favor me ajuda! Eu estou em uma grande furada!

[18:33] CB: As luzes do corredor não estão acendendo e eu tô tendo que caminhar no escuro, por favor me ajuda!

[18:34] OC: Wow, calma ai cara. O que foi que aconteceu?

[18:34] CB: Bom, eu e o Luiz após terminarmos de conversar com a Maria e o Liren fomos para a aula. Porém no meio do corredor no segundo andar a professora de química passou por nós gritando bastante. Então o Luiz foi tentar acalmar a professora e descobri o que havia ocorrido e eu subi aqui para poder averiguar a situação.

[18:35] CB: Agora eu estou no meio de um corredor escuro com uma sensação estranha de estar sendo observado.

[18:35] OC: Calma cara, apenas relaxe. Talvez tenham sido apenas um curto que tenha dado na fiação. Apenas chegue na sala e veja o que aconteceu.

[18:35] CB: Isso tá me lembrando bastante Hiveswap. Aposto que se tivesse com a música: "Cherubim-REVERIE" de fundo iria dar um clima ótimo para esse ambiente.

[18:36] OC: Olha o fanático por Homestuck ai novamente. Bom, eu preciso fazer umas coisas aqui em casa. Mais tarde eu converso mais contigo.

[18:36] OC: Fala um pouco com o Luiz pois talvez ele possa te ajudar. Até mais mano!

[18:37] CB: Okay irmão. Até mais...

-- chimeraBiologist [CB] stopped pestering opiticalCientist [OC] at 18:37 --

========================================================================

>Paulo: Acho que o mano deve ter razão. Talvez seja apenas coisa de minha mente. Eu deveria relaxar, afinal, Fantasmas não existem. E pensando bem, eu estava errado. A musica que realmente combinaria com esse momento é a Half-Harley Manor de Hiveswap. Eu sou um completo jumento mesmo. Bom, acho que eu deveria apenas falar com o Luiz mesmo.]

>Paulo, fale com Luiz pelo seu rádio!

Sim, vocês realmente carregam um rádio para onde quer que vocês vão. Vai que uma hora é necessário.

*Paulo pega seu Walkie-Talkie e tenta falar com Luiz*

>Paulo: Luiz, tá me ouvindo? Over!

>Luiz: Sim, tô na escuta, o que tem ai em cima?

>Paulo: Na verdade eu não cheguei na sala ainda. As luzes deram curto e eu não consigo acender elas. Over!

>Luiz: Aqui, no fim do corredor tem uma lanterna em uma caixa velha em um armário no começo do corredor. Aproximadamente uns 5 metros à esquerda após a escada.

>Paulo: Okay. Over!

>Luiz: E PARA DE FALAR "OVER" NO FIM DE TODA A FRASE! O V E R !

>Paulo: Okay. Over!

>Luiz: AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA CARAMBA!!!!!!!!!!!!

>Paulo: Hehehe

>Luiz: Apenas pare, okay? Pegue a lanterna, vá até a sala, verifique o que tem na sala e faça um relatório.

>Paulo: Beleza, Over!

>Luiz: ... não digo nada.

*Luiz finaliza a transmisão*

>Paulo, vá até o armário e pegue a lanterna!

*Paulo caminha até o armário e pega a lanterna dentro de uma caixa em uma prateleira*

>Paulo: Okay, beleza, será que ainda tem bateria?

*Paulo aperta o botão de ligar e desligar*

>Paulo: É, pelo jeito acende. É uma luz um pouco fraca mas eu acho que vai servir. Contanto que não apague.

>Paulo, caminhe até a sala e entre!

*Paulo caminha até o fim do corredor e tenta abrir a sala apenas puxando a maçaneta. Porém a maçaneta se solta em sua mão e ela acaba caindo.*

>Paulo: Droga! Agora não tem como eu entrar! Acho que se eu encontrar algo que possa mover o trinco da maçaneta eu possa conseguir abrir a porta.]

>Paulo! Pense rápido e use a tesoura em sua bolsa como maçaneta!

O velho truque das escolas públicas precárias. Todos conhecem essa técnica estranha desenvolvida por um gênio.

*Paulo pega a tesoura em sua bolsa, a usa como maçaneta e abre a porta*

>Paulo: É, obrigado voz estranha em minha mente, isso foi realmente intuitivo. Mas ainda acho que eu precise ir em um psiquiatra.

*Ao entrar na sala, Paulo se depara com uma sala escura e aparentemente normal*

>Paulo: Ué, parece completamente normal...

*Paulo sente uma brisa fria que passa por seus pés e sobe por sua perna o arrepiando todo*

>Paulo: Tá de sacanagem. Eu sei que tem merda vindo por aí. Não adianta se esconder!

*Paulo entra um pouco mais dentro da sala*

>Hihihi. Bem vindo bobinho.

*No exato momento em que paulo escuta essa voz, um calafrio sobe por sua espinha e a porta bate e se fecha sozinha*

>Paulo: Puta que pariu... Simplesmente fodeu.

>Seja bem vindo à minha moradia, onde eu vivo faz mais de setenta anos.

>Paulo: QUEM ESTÁ AÍ ?! MOSTRE-SE JÁ!

>Ora, eu sou apenas uma garota chamada Mandara que vivia aqui a quase um século sem ser incomodada.

*Uma garota aparece no meio da sala usando um vestido de renda branco com claros olhos verdes que brilham ate no escuro*

>Paulo: *Facepalm* Tinha que ser a porcaria de um fantasma pra variar, uma criatura  que não pode ser tocada, não morre e que é capaz de me possuir. Obrigado roteirista por me arranjar essa coisa na minha frente!

>Mandara: Oush, tá falando com quem garoto?

>Paulo: Simplesmente com uma vós que fica enchendo o saco na minha cabeça dizendo o que eu tenho que fazer e se eu não obedecer ele me pune com coisas físicas, como quedas de escada, socos em certos lugares, tropeços, etc. EU SOU BASICAMENTE UMA MARIONETE CONTROLADO POR ELE!

Ehh... Bom cara, eu só estou fazendo o que eu acho que daria um bom rumo à história. E no fim eu não mencionei pra lutar com ela. E outra coisa: Eu apenas narro, as ações ficam com base nas suas decisões.

>Paulo: Olha ele ai novamente. Como eu gostaria de mandar ele ir pra aquele lugar.

>Mandara: Nossa. O pior é que eu consigo entender um pouco como se sente.

>Paulo: Bom, eu vim aqui para simplesmente te pedir para sair, afinal você está atrapalhando a nossa aula.

>Mandara: M-mas eu estou aqui faz mais de setenta anos. Vocês que estão me atrapalhando aqui.

>Paulo: Mas o que te faz ficar presa aqui?

>Mandara: À muitos anos eu acabei sofrendo de um ato horrível causado por um ser humano. Ele condenou minha alma a vagar por aqui quando eu tinha apenas 13 anos. Eu não posso nem sequer descansar em paz por causa do sofrimento que eu passei naquela noite.

*Paulo de repente se enche com o sentimento de coragem e começa a falar com a doce garota fantasma*

>Paulo: Hey, eu acho que eu tenho uma solução para seu problema.

>Mandara: Como?

>Paulo: Eu e meus amigos estamos em um tipo de missão. Nós estamos a viajar no tempo e espaço para resolver muitas coisas. Se tudo der certo, além do universo salvo, eu farei questão de evitar que aquilo aconteça a você. Só preciso que você me dê algumas semanas.

>Mandara: Você me promete?

>Paulo: Prometo por tudo que é mais precioso em todo o espaço paradoxal.

>Mandara: Tudo bem, temos um acordo!

>Paulo: Não considere isso como um acordo, e sim como uma obrigação minha que eu farei.

*Mandara se enche de felicidade e abraça Paulo de uma maneira semi-física fazendo ele acabar se avermelhando um pouco de vergonha*

>Paulo: E-eu estou um pouco envergonhado com esse abraço ASSOMBROSO que você está me dando agora... E estou um pouco apavorado também.

>Mandara: Hihihi, tudo bem bobinho.

>Paulo: Bom, eu preciso ir para avisar a todos que o problema foi resolvido. Poderia aparecer lá fora amanhã pra poder conversar mais?

>Mandara: Claro,eu adoraria!

>Paulo: Tudo bem, amanhã eu te vejo lá okay?

*Paulo se dirige à porta se despedindo de Mandara*

>Mandara: Tudo bem, até!

(Enquanto isso no andar de baixo)

>Luiz: Mas professora, eu preciso que você nos conte o que realmente viu lá.

>Prof.Hilda: Mas eu estou dizendo, eu vi o fantasma de uma menina!

>Luiz: Mas professora, fantasmas não existem!

*Paulo chega caminhando para perto deles*

>Paulo: Existe sim, e eu consegui mandar aquela pobre alma para o lugar onde possa descansar em paz.

>Ângela: Nossa, mas você não teve medo?

>Paulo: Lógico que eu tive, mas que mal aquilo poderia me fazer? Estava apenas com medo e sozinha. Assim como eu.

>Lucas: Mesmo não acreditando nessas coisas acho que realmente aconteceu algo de anormal por lá. Pois acho que nada consegue assustar a prof tanto assim.

>Prof.Hilda: Bom, já que o problema foi resolvido e perdemos todo esse tempo que poderíamos estar estudando. Acho que após todo esse incidente podemos cancelar o que iriamos revisar hoje. Amanhã continuamos.

>Paulo: Bom, acho que está tudo certo por enquanto... Acho melhor irmos aproveitar nosso tempo livre restante.

>Lucas: O Paulo tá certo. Vamos lá aproveitar!

*Paulo chega perto de Luiz*

>Paulo: Luiz, precisamos pesquisar sobre aquilo.

>Luiz: Eu iria pesquisar um pouco após acabar a aula. Porém aconteceu esse imprevisto.

>Paulo: Eu sei que não ia.

>Luiz: Okay, talvez não. Vamos logo pro porão falar com aqueles dois.

(De volta a Derse)

Spades Slick, Diamond  Droog, Heart Boxcars e Clubs Deuce se unirão para poder executar seu plano de salvar Enzero da penitenciária de Derse.

>HB: E então Spades, qual é o plano?

>DD: Ele explicou bem antes de sairmos do esconderijo. Nós devemos passar pela segurança discretamente e chegar até a lavanderia, que é o lugar onde ele está escondido.

>SS: Exatamente. Lembrem-se de uma coisa: Para evitar a chance de sermos capturados nós devemos andar em grupos. Assim caso um seja encontrado a chance de conseguir resistir é ainda maior. Isso de acordo com o CD

>CD: Mas isso é verdade. Se estivermos juntos a chance de conseguirmos nocautear um pequeno grupo de inimigos é ainda maior.

>DD: Okay, Vamos decidir nossos grupos logo. Antes que sejamos pegos ainda aqui fora.

>HB: Eu fico com o Clubs, nós dois armamos um plano de entrada quando estávamos vindo. E além disso você e o Spades formam uma bela dupla.

>DD: Tudo bem. Vamos lá.

*Eles se separam em dois grupos e entram escondidos em um buraco que os levam para dentro dos muros.*

Continua...

Fim do capítulo 2 - Ato 1


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...