História Bexana: Aqui para todo sempre - Capítulo 33


Escrita por:

Visualizações 194
Palavras 3.510
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa noite Baby Cakes!!

Hoje o capítulo está bem emocionanteeee, vamos ter muito amor e uma tragédia, bom finalmente nossa hot Bexus, espero que vcs gostem, A Bex está descobrindo o amor e o mundo, enquanto a Lana sente seu mundo desabar, mas espero que Bex curta bastante esse momento, porque vai se complicar #spoiler....

Boa leituraaaa!!!

Capítulo 33 - Finalmente Amor


Fanfic / Fanfiction Bexana: Aqui para todo sempre - Capítulo 33 - Finalmente Amor

A chuva também incomodava Lana, que se mexia de um lado pro outro, na cama e não conseguia dormir, o lado vazio de Fred, tinha toda a culpa daquilo, Fred havia viajado a uma semana e isso estava matando Lana, isso sempre acontecia, mas dessa vez era diferente, Lana sentia algo agoniante e algo que incomodava ela, não entendeu bem o que era, mas ela tinha certeza que não era bom, nenhum pouco bom. Então Lana resolveu ligar para o marido, uma vez que lá, onde ele estava, não era tão tarde, mas chamou e chamou e ninguém atendeu, Lana estava aflita e resolveu comer e ligar para a pessoa que mais confiava e que não se importaria de atender ela a meia-noite. O telefone na casa de Rebecca toca, mas não havia ninguém lá, após quinze minutos foi que Marc entrara com Rebecca em seus braços, mas Lana já havia desistido. Enquanto isso, Marc desce a mulher devagar e a coloca no chão!

 

– Vai trocar essa roupa ou vai ficar resfriada… - Diz Marc, fazendo carinho no nariz dela.

– E você? Eu vou trazer algo para você também! - Diz ela, depositando um beijo na boca do moreno.

– Tá, to na sala!

 

Rebecca sobe, se seca e coloca um vestido confortável e leve, sem demoras ela estava de volta na sala, trazia consigo uma toalha e um roupão.

 

– Olha, se enxuga! - Diz ela, dando a toalha a ele. - Depois pode vestir isso! - Rebecca entrega o roupão. – Vou botar sua roupa na secadora! Se quiser tenho roupas do Mike lá em cima! - Brinca ela, por fim!

– Acho que o roupão me cai muito bem, no acha? - Brinca ele, de volta!

 

Marc vai ao banheiro e se troca, e coloca suas roupas na secadora, e volta para a sala, onde vê a ruiva toda encolhida no sofá, ela se tremia de leve e estava arrepiada.

 

– Devia tentar a lareira!

– O que? - Responde ela, sem entender ao certo!

– Para o frio, mas meus braços também são quentes. - Disse Marc, rindo e sentando no chão, perto da lareira, a fim de se aquecer um pouco.

– Ah é? Como posso confiar nisso? - Disse Rebecca, com um sorriso malicioso.

– Simples, vem cá! - Diz ele, batendo nas suas coxas oferecendo um colo.

 

Marc abriu as pernas e abrigou Rebecca no meio delas, ela encostou a cabeça sobre o peito do homem que a abraçou, Rebecca alisava o músculo do braço dele e fitava o fogo, Rebecca pensava em como era bom aquele momento com ele, e que nunca Mike tinha deixado ela tão segura como o Marc sempre a deixava, ela sabia que havia uma diferença gritante entre eles e que isso estava deixando ela cada dia mais decidida pelo Marc, mas e sua filha? Cresceria longe do pai? O Mike também tinha qualidades para Rebecca e ela o amava por isso, por menor que fosse, isso a fazia amar muito ele, mas Rebecca também sabia que não era seguro cuidar de um bebê com o Mike por perto, no meio de tanto conflito, Rebecca é obrigada a fugir deles com o chamado de Marc.

 

– Bex? Bex? Tá me ouvindo?

– O que desculpa, o que falou?

– Bex, no que tá pensando? Tá preocupada?

– Não, só pensando numas coisas, mas não quero mais pensar! Mas, o que ia me perguntar?

– Se passou mais o frio.

– Ah sim, claro, tinha razão, seus braços são bem quentes. - Diz ela, rindo.

– Que bom, porque não pegou um casaco, ia proteger mais ela.

– Ela? - Pergunta ela, assustada.

– Ué, você sonho com uma menina, num acha que é uma menina? - Pergunta ele.

– Sim, eu também me refiro ela. - Responde a ruiva, rindo!

– Marc?

– Hum?

– Quer mesmo isso pra você, sabe eu e uma mini eu?

– Hum, deixa eu vê, quantos homens que eu conheço tem essa honra, de ter a mulher e uma mini dela… - Brinca ele, com a mão no queixo parecendo pensar. - Ah é, nenhum, sou mesmo um grande sortudo!

– Você é um bobo sabia…

– Por isso que me ama, confessa…

– Sim, por isso. - Diz Rebecca, rindo.

 

A mulher se solta do aconchego do colo do homem e fita ele, beijando e sentindo ele acariciar suas costas, o beijo se torna intenso, deixando eles com tanto calor que já poderiam se afastar da lareira, mas não fizeram, Rebecca se empolgava e abre as pernas e monta no homem, assim senta no colo dele, eles se empolgam no beijo, e Marc sente não vai conseguir se controlar muito…

 

– Bex… Bex… Calma… - Fala Marc, afastando um pouco ela.

– O que? O que foi? - Pergunta ela, um pouco ofegante, devido ao beijo.

– Sabe que estou sem nada por baixo desse roupão, no sabe? E você está me deixado bem animado.

– Eu estou sentindo, ou… desculpa…Culpada. - Brinca ela, erguendo a mão.

– Tem certeza disso? Está mesmo pronta?

– Sim, eu quero… - Disse ela, sorrindo para ele.

– É que você disse, que… sabe… - Diz ele, sendo interrompido por ela, ao tampar a sua boca com uma de suas mãos.

– Xiu, esquece o que eu disse, eu agora quero, eu estou certa disso, cansei de fugir…

– Tá tudo bem, então, quem sou eu pra negar o pedido de uma gestante. - Brinca ele, rindo.

– Acho bom! - Retruca ela, também sorrindo.

 

Eles se beijam, ele aperta as costas dela e a deixa mais colada a ele, e assim, Marc ataca o pescoço de Rebecca beijando intensamente e deixa a mulher toda arrepiada, ela segurava o pescoço dele enquanto recebia todo o carinho do homem, os leves sussurros de Bex, devido aos seus leves gemidos deixava Marc cada vez mais animado e conseguia cada vez mais sentir isso, e isso estava empolgando muito ela. Marc jogou ela para trás lhe dando liberdade para beijar seus seios ainda bem cobertos pelo vestido…

 

– Podemos nos livrar disso? - Pergunta Marc, puxando de leve o vestido dela.

– Fique à vontade… - Diz ela, num tom malicioso.

 

Marc traz Rebecca de volta pra perto e assim que ela sente ele tira seu vestido, deixando ela quase nua, Marc aperta as costas dela a pressionando contra ele com força…

 

-Aii… um pouco devagar gostosão… - Geme Rebecca, parecia ter levado um tapa.

– Desculpa te machuquei?! - Pergunta Marc, parando os carinhos.

– A minha não! - Diz ela, rindo. - Talvez a mini eu.

– Ah meu deus, desculpa, acha mesmo que podemos? - Pergunta Marc, com um olhar assustado.

– Claro seu bobo, já estou com quatro meses, não se preocupa… Só vamos tentar não esmagar ela, tá? - Disse Rebecca, alisando o cabelo dele.

– Claro, não vamos esmagar ela, prometo! - Diz Marc, beijando a mulher.

– Eu já disse que te amo hoje?

– Já ruiva linda, mas pode repetir.

– Eu te amo! - Diz ela, rindo!

 

Eles se beijam, a mão atrevida de Marc, tira rapidamente o sutiã dela e joga bem longe e ele desce novamente a mulher e os cachos ruivos colidem com o chão se espalhando por lá, Rebecca sente o tecido peludo do tapete lhe fazer cócegas, mas isso não importa, ela está muito concentrada nos beijos, lambidas e apertos que estava levando em seus seios, apesar de doloridos e inchados, ela não se importou muito com a dor que estava sentindo, não queria parecer reclamar muito, e no final de tudo ela estava gostando, apesar da dor. Rebecca soltava leve gemidos e massageava os cabelos dele, enquanto sentia os movimentos que ele exercia no corpo dela, sentiu exatamente quando ele abandonou seus seios e desceu seus beijos para sua barriga um pouquinho avantajada, e reforçou a lembrança dele sobre o não esmagar ela, e ele riu sem querer!

 

– O que foi? - Pergunta Bex, assustada.

– Desculpa, lembrei que não posso esmagá-la. - Brinca Marc.

– Bobo! Continue… - Pede ela.

– Sinto muito senhorita Mader, mas vamos ter que nos livrar disso também! - Diz Marc, puxando de leve a última peça que cobria a mulher, sua calcinha.

– Não me importo… - Diz Rebecca, com um sorriso malicioso.

 

Assim que tira a calcinha da mulher, Marc beija novamente a barriga dela e lentamente faz um caminho de beijo até o sexo de Rebecca, finalmente chegando a ele, o homem lambe, beija e chupa toda a parte sensível dela a fazendo se contorcer toda e gemer, ele fez aquilo por alguns minutos e quando sentiu a mulher muito empolgada, subiu e tornou a beijar a boca da ruiva. Rebecca permanece deitada de barriga pra cima com as pernas dobradas na altura do peito dele, Marc se ajoelha à sua frente e logo está dentro dela, ele entra lentamente, ele guia seus movimentos com calma e isso deixa a mulher louca por mais, Rebecca logo percebe que o Marc está temendo algo, e ela sabe que precisa fazer algo com isso…

 

– Ei, tá tudo bem, nada de mau vai me acontecer ou a ela…estamos bem… - Diz Rebecca, alisando o rosto dele e o beijando. – Não vai nos machucar… - Sussurra ela, por fim no ouvido dele.

– Tem certeza?

– Claro! - Disse ela… – Mais forte, vai…

 

Prontamente ele atende aos pedidos dela, e sem demoras ele começa a dá entradas violentas na mulher, Rebecca segura bem firme os braços dele que cercam ela, eles se fitam, e Marc vê no olhar da mulher o quanto ela tá gostando daquilo, e entra e sai com muita força dela, e ela maltrata os braços dele, enquanto geme…

 

– Isso… as-assim… Que delícia… Aiiiii… AHHHH… UII… - Geme Rebecca.

– Gosta disso? Hã?

– Si-sim… Gosto… Continuaaa…

– Ah é, e assim… - Diz Marc, entrando e saindo com mais força.

– Ahhhh, aiiiii… ahhhhhhh… assim… issoooo… vaaaiii… isssoooo… hãhãhãhã… - Diz Rebecca, em meio aos seus gemidos, segurando ainda mais forte os braços do homem.

 

Alguns minutos depois Marc para seus movimentos beijando ela, e a puxando para si, ele senta novamente e coloca a mulher em seu colo, Rebecca logo entende, que quem manda agora é ela, Rebecca sente Marc tocar de leve na sua cicatriz das costas, depois a da coxa e isso deixa ela um pouco constrangida…

 

– Espero que não esteja contando isso, ele me deixou muitas e vai mesmo nos atrapalhar aqui! - Brinca ela, com um sorriso amarelo e um pouco gélida.

– Não, não estou…

– Isso te incomoda? É muito pra você? Quer parar? - Pergunta ela, num tom tristonho.

– Claro que não, elas fazem parte de você, amo tudo em você até mesmo essas marcas que ele te deu. Você é até mais charmosa com elas, te amo do mesmo jeito! - Diz ele, lhe dando um beijo ardente.

– Eu também te amo!

 

A ruiva se anima mais pelo que ouvira de Marc, pega apoio nos ombros dele e logo ela começa a subir e descer lentamente enquanto fita o homem e morde os lábios…

 

– Rebecca Mader, não faz isso… - Dispara Marc, dando um tapa na bunda dela. – Des-desculpa não devia ter te batido… não… é que… – Marc lembrara que Rebecca sofria violência doméstica e que provavelmente ela evitava isso no sexo.

– Xiu! - Disse ela, botando seu dedo indicador nos lábios dele. – Não se desculpe, aqui você pode…melhor, você deve… então me bata, que eu gosto… - Diz ela, beijando ele, e aumentando seus movimentos, enquanto recebia um tapa mais forte em sua bunda! – Isso, bata como homem…

 

Marc segura firme as costas da mulher e logo a impressa firmemente contra ele, ele segura a cintura dela com muita força, com as duas mãos e agora ele dita os movimentos dela, ele sobe e desce ela fazendo seus cabelos dançarem com o vento, Rebecca enroscou os braços ao redor do pescoço de Marc pegando um apoio e ela gemia muito…

 

– AHHH… HÃHÃHÃHÃ…Vo-Você é muito gostoso… Por-porque nã-não fizemos isso antes? - Pergunta Rebecca, em meio a gemidos.

– Porque você não ligava pra mim… - Diz ele, batendo com força na bunda dela.

– Aiiii… gostoso, vai me punir por isso? Espero que sim… - Diz ela, mordendo os lábios.

– Vou sim, vou fuder você! - Disse ele, apertando com as duas mãos a bunda dela e continuou os movimentos mais intenso.

– HÃHÃHÃ… AIIII QUE DELÍCIA… AS-ASSIM… ISSO… VAI… - Geme Rebecca, que estava louca de tesão.

 

Marc puxa o cabelo dela, e leva ela um pouco pra trás enquanto chupa novamente um de seus seios e faz ela se arrepiar com o gesto. Marc levanta com Rebecca no colo e guia ela até o sofá, a deita com cuidado e logo a beija com carinho, enquanto ela alisa as suas costas…

 

– Seu cheiro é tão bom… o que fez comigo ruiva? Estou muito apaixonado por você…

– Eu não fiz nada, mas eu também estou muito apaixonada por você, o que o senhor fez a mim? - Brinca ela, rindo e o beijando… – Eu vou te amar mais, se continuarmos com o que fazíamos! - Brinca ela, beijando ele.

– Ai que mulher fogosa que eu tenho! - Diz ele, beijando ela.

 

Marc botou as pernas dela enrolada na sua cintura e entrava e saia com violência dela a fazendo gemer e sem muita demora ela e ele chegam ao ápice. Não muito distante dali Lana assiste a um filme, que nem sabia o título, era engraçado e ela precisava se distrair para tirar o peso que sentia em seu coração. Já havia ligado para todos que julgava importante e que se tivesse acontecido algo ela sentiria aquilo, mas duas pessoas, as duas pessoas quase mais importantes da vida dela não atendia ao celular e isso estava matando Lana, a morena tentou ligar para Fred e finalmente foi atendida, mas não por quem gostaria.

 

*Ligação On.

 

– Alô! - Fala uma voz feminina do outro lado da linha!

– Quem tá falando? - Pergunta Lana, desconfiada e quase gélida, como uma mulher atendeu o telefone do marido?!

– Desculpa querida, você quem ligou, acho que você quem deve se identificar. - Diz a desconhecida, num tom sarcástico.

– Olha esse telefone é do meu marido e quem porra é você?

– Ai meu deus Lana?

– Co-como sabe meu nome?

– Sou eu, a Emily!

– Emily? Sério? Onde está o Alfredo, põe ele na linha, agora! - Diz Lana, irritada, ao perceber que a mulher que dava em cima do seu marido, descaradamente, atendeu o telefone dele, às 01:45 da manhã!

– Lana, precisamos conversar. - Disse Emily, num tom sério.

– NÃO QUERO CONVERSAR PORRA NENHUMA COM VOCÊ, ME PASSA PARA O MEU MARIDO AGORA…

 

Enquanto Lana tentava convencer Emily de explicar o que estava realmente acontecendo, Rebecca e Marc, se curtiam, parecia que o mundo acabaria depois daquilo, e eles estavam deitados no tapete novamente, Rebecca tinha pegado um edredom para eles, apesar da lareira, estava uma madrugada fria, Rebecca havia colocado uma camisola e Marc havia pego sua box na secadora, ela mantinha sua cabeça encostada no peitoral dele e alisava sua barriga, ele abraçava ela com um só braço e acariciava os cachos ruivos dela, suas pernas estavam entrelaçadas e aquecia uma a outra.

 

– O que faremos agora?

– Do que tá falando Marc?

– Você sabe, você e o Mike? O bebê? Eu e você? Quando ele volta?

– Amanhã ou melhor pela hora, mais tarde… - Diz Rebecca, olhando para o relógio! – Sinceramente, eu não sei por onde começar, eu não sei como acabar com ele, não sei como contar sobre a gravidez, eu não sei o que ele pode fazer ao saber que estamos juntos…

– Bex, do que precisa?

– Não podemos ficar juntos assim que eu terminar com ele, ficaria muito na vista… quero proteger você, a gente!

– Não, não precisa me proteger…

– Preciso e vou… precisamos nos manter um pouco longe, pode tentar fazer isso? Por mim? - Diz Bex, fitando agora o homem.

– Tá, você está certa… Não se preocupa tá… vamos ficar bem… - Diz ele, beijando ela. – Mas não vou aguentar muito tempo, eu vou sentir sua falta! - Diz ele, com manha.

– Claro que não, eu também não sei como vou ficar longe de você, podemos arrumar um jeito de nos vê! - Diz ela, num tom malicioso.

– Vamos mesmo, não vou suportar a ideia de te deixar dormir toda noite sozinha!

– Também não quero deixar você dormir sozinho… - Diz ela, sorrindo.

– Seu sorriso é tão lindo, eu não sei como deixou ele desaparecer por tanto tempo, não deixe mais ele te fazer isso, por favor!

– Não vou, um dia, vamos ficar juntos e só vou sorrir, eu tenho certeza…

– Vamos sim, eu te amo e você é minha, eu sei que é…

– Também te amo, você também é meu, nunca mais vou deixar você escapar, e assim será! - Diz ela, beijando ele.

 

O clima romântico de Bex e Marc é interrompido pelo toque da campainha…

 

– Quem é essa hora? O Mike? - Pergunta Marc, assustado.

– Não, não mesmo, o voo dele estava previsto para chegar às 13:00 hrs, eu vou lá!

– Não, fica ai, eu vou… - Diz Marc, que coloca o roupão e corre para atender, já que a pessoa já tocou três vezes.

– Tá!

 

Marc abre a porta e logo vê Lana na porta, ela chorava e parecia nervosa demais…

 

– Lana, o que faz aqui essa hora? - Pergunta Marc.

– E você o que faz aqui só de roupão? Não seja idiota, cadê a Bex? - Pergunta Lana, entrando na casa e ignorando a existência do Marc na porta. – BEX? BEX?

– Lana? To aqui… - Responde Rebecca. – Veio dirigindo assim? - Pergunta Bex, preocupada.

– Sim, sem drama Sis, não é tão longe, eu to bem! - Disse Lana, chorando. – Preciso de você!

 

Assim que viu a amiga na sala, Lana abraçou ela e logo se desmanchou em mais lágrimas, Bex havia perguntado a Lana o que havia acontecido, mas não obteve respostas, ela e Marc trocaram olhares, porque não entendiam nada, depois de alguns minutos paradas ali, Bex conseguiu guiar Lana até o sofá e logo a fitou.

 

– Sis, o houve? Fala comigo, me diz o que houve!? - Pergunta Bex, enxugando as lágrimas de Lana.

– O Fred… foi o Fred…

– O que ele fez? Ele te machucou?

– Não, ele não é o Mike! - Diz Lana, num tom agressivo e Rebecca não entende aquela atitude.

– Tudo bem, vou ignorar isso, já que está muito nervosa.

– Marc, pode pegar água pra ela?

– Sim, já volto!

– Be-bex, pre-precisa me levar no hospital… O Fred… - Gagueja Lana, em meio ao seu choro.

– Lana, vai com calma, assim não entendo nada, tá me deixando nervosa já, porque hospital?

– O Fred sofreu um acidente de carro, ele estava voltando mais cedo, para me fazer uma surpresa e conseguir ir comigo a uma festa beneficente estúpida, e veio dirigindo a noite… isso é tudo que sei, e sei também que aquela médica puta, está cuidando dele, logo no plantão dela, desgraçada! Pode me levar lá? - Lana finalmente consegue falar.

– Ah meu deus, espera dois minutos, vou tomar um banho rápido, me trocar e vamos… - Diz Bex, dando um beijo na bochecha da amiga e indo para seu quarto.

 

No caminho para ir ao quarto Bex encontro Marc e explicou tudo a ele, e pediu que o homem se arrumasse também que já sairiam. Rebecca não demorou muito e logo estava de volta a sala, pegou a amiga no sofá.

 

– Ei, espera ai, me dá isso… - Disse Bex, pegando a chave do carro de Lana da mão dela. – Toma você dirige! - Disse Bex, jogando a chave pra Marc que ainda estava entrando na sala.

– Ok, vamos? - Pergunta Marc, que pegou a chave jogada por ela.

 

Sem muita demora eles seguiram pelo caminho já conhecido pelos três, rumo ao hospital, e assim que chegaram Lana tinha se acalmado por alguns instantes graças ao colo de Bex, desceu do carro, e pegou na mão da amiga e elas entraram…

 

– Tudo vai ficar bem, ele vai ficar bem Sis! - Diz Rebecca, apertando de leve a mão que segurava de Lana.

– Eu espero de verdade que esteja certa!

– Eu estou! - Sorriu Rebecca com um sorriso amarelo.

 

Marc seguia logo atrás delas e também estava muito nervoso afinal era o melhor amigo dele, isso estava matando ele. Foram na recepção e a mulher informou a eles que Fred estava em cirurgia e Lana sentiu o coração quase parar, e Bex além de sentir seu corpo gélido, sentiu também a sua mão quase quebrar, devido ao aperto recebido pela mão de Lana.

 

– Senta aqui Sis, você tá bem? Tá pálida! - Disse Bex, sentando a amiga na cadeira.

– Vou pegar água, preciso de ar… - Diz Marc, também abalado pela notícia.

– Tá, não demora! - Diz Bex! – Ei, olha pra mim, tão cuidando dele tá, ele logo sai de lá e você pode vê-lo. - Disse Bex, enquanto fica de joelhos em frente a amiga, levantando o queixo dela, fazendo ela lhe fitar e tentando fazer Lana retornar do transe em que estava.

– To com medo! - Foi tudo que Lana conseguiu dizer naquele momento, enquanto deixa as lágrimas molharem seu rosto.

Continua...


Notas Finais


E ai o que acharam???

COMENTEMMM, CURTAMMMMM E FAVORITEMMMMM....

Até quarta, obggg por lerem...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...