1. Spirit Fanfics >
  2. Beyond The Game - (Jenlisa Trans) >
  3. Part 24

História Beyond The Game - (Jenlisa Trans) - Capítulo 24


Escrita por:


Capítulo 24 - Part 24


Lucca Manoban P.O.V

Após uma curta conversa com a mãe de Jennie, eu saio encontrando minha irmã dentro do carro ouvindo música, a mesma olha para mim ligando o carro para irmos embora sem falar absolutamente nada.

-- Por que demorou? – Ela quebra o silêncio.

-- Estava cuidado da Jennie e depois fui conversar com a mãe dela. – Respondi mexendo em meu celular.

-- Quando vai pedir ela em namoro, agora pra valer mesmo? – Pergunta e eu a olho. – O que? Já esta na hora de fazer isso, ou vão ficar assim como está?

-- Eu não sei. – Respondi voltando minha atenção para o celular. – Não sei se é a hora certa pra isso, além do mais eu preciso de me certificar que ela queira.

-- Mais? – Pergunta rindo.

-- Mais o que? – Perguntei guardando o celular.

-- Ela te deu mais do que uma certificada, ela vai querer sim, é só fazer com jeitinho. – Ela para o carro no sinal e me olha ainda rindo. – Se bem que fazer com jeitinho você entende bem.

-- Por que sempre leva pra o lado sexual? – Perguntei.

-- Não estou levando para o lado sexual, mas se quiser levar tenho certeza que aquela safada iria adorar né. – Gargalha.

-- Não fale dela assim, mas voltando ao assunto eu tenho medo, ainda está recente. – Falei.

-- Não está nada recente, cala a boca. – Respondeu voltando a dirigir.

-- E você e a Camila? – Perguntei.

-- Estamos bem, mesmo eu ter apanhado. – Ri de sua cara e ela revirou os olhos. – Mas tudo deu certo no fim.

-- Que bom.

Ficamos em silêncio mais uma vez até chegarmos em casa, assim que cheguei falei com meus pais e a Emma e depois subi para o meu quarto, comecei a tirar a roupa e senti um perfume além do meu, levei a camisa até o meu nariz e o cheirei reconhecendo aquele perfume doce, Jennie. Vesti uma roupa mais confortável, desci até a cozinha para pegar minha garrafa de água e fui em direção a academia fazer alguns exercícios.

[...]

-- Finalmente te achei. – Minha irmã chega. – O que faz?

-- Acho que malhando? – Perguntei como se fosse obvio a vendo mostrar a língua. – Criança.

-- Idiota, mas me diz o que vai fazer depois de terminar? – Perguntou caminhando até a esteira.

-- Tomar um banho e acho que assistir algum filme, por quê?

-- Queria sair, sei lá algum lugar. – Falou. – Vim te chamar pra irmos.

-- Desculpa maninha, mas hoje não vai dar. – Respondi enquanto levantava peso.

-- Por causa da Jennie? – Perguntou se aproximando até a mim. – Ou porque não quer ir mesmo?

-- Porque estou cansado da viagem. – Respondi.

-- Conta outra, você só não quer ir por causa dela, fala a verdade. – Insistiu.

-- Eu estou realmente cansado Laur. – Falei colocando o equipamento ao lugar.

-- Olha na minha cara e fala que não são pelo menos 99% por causa dela? – Me encarou e eu não pude segurar o riso.

-- Esta bem é por causa dela sim e porque estou realmente cansado. – Falei me desviando da mesma.

-- Vou te deixar em paz, mas dá próxima você não vai escapar Lucca. – Falou apontando para mim. – E vê se passa a pomada.

-- Está aparecendo? – Perguntei indo em direção ao grande espelho a vendo me acompanhar.

-- Ela viu? – Perguntou e eu assenti. – Falou alguma coisa?

-- Não e, também não importa mais. – Falei dando de ombros indo pegar minha garrafa e bebendo a água da mesma.

-- Não? – Neguei. – Uau, ela te mudou mesmo.

-- Não sabe o quanto. – Passei as costas de minha mão secando o resquício de água em meu queixo.

-- Então esta bom de pedir – lá em namoro oficialmente. – Falou.

-- Você com esse assunto de novo Lauren? – Perguntei já indo em direção a saída sendo acompanhado. – Não irei pedir, não agora.

-- Quando? – Me puxou pelo pulso me fazendo parar. – Quando ela aparecer grávida? Por que ao invés de namoro, você pede em casamento logo.

-- Por mais que eu queira que ela tenha um filho meu, que não ira acontecer nem tão cedo. – Falei me soltando de suas mãos. – Eu já te falei que eu preciso ter certeza que ela queira algo sério de verdade comigo.

-- Depois dessa viagem você ainda não teve certeza? – Perguntou.

-- Essa viagem foi ótima pra gente fazer as pazes e tudo mais, mas e amanhã? Ela ainda vai continuar com o mesmo pensamento ou vai fingir que eu não sou nada pra ela. – Falei saindo dali.

-- Lucca espera. – Lauren me acompanhou ficando ao meu lado. – Eu te entendo ta bom, mas está claro e nítido que ela quer ficar com você amanhã, depois e sempre.

-- Você não pode ter tanta certeza assim Lauren, eu tenho meus pés no chão.

-- Eu também tenho, mas isso não significa que eu vá deixar de aproveitar e ficar com a mulher que amo por insegurança. – Ela me parou novamente no meio da quadra. – E insegurança é o seu sobrenome, então se continuar assim quem vai achar que não quer nada sério é ela.

-- Ela...

-- Ela vai achar sim, você sabe que ela é fora da caixinha quando coloca algo na cabeça. – Falou e eu não pude deixar de rir.

-- Então o que faço?

-- Você ainda pergunta? Senta em algum lugar e conversa com ela, se ela disser que quer ficar com você, a peça em namoro. – Falou e eu assenti. – Agora vai tomar um banho e lavar esse cabelo seboso seu fedorento.

-- Eu lavei ontem. – Respondi a seguindo.

-- Pois está fedorento e seboso. – Disse e gargalhou. – Alias você lavou ontem, então é passado.

-- Vou contar pra o pai. – Ameacei e a mesma continuou rindo agora mais alto até chegarmos na cozinha.

-- Filhinho do papai, ah Lucca me poupe. – Falou pegando uma maça da geladeira.

-- Que bagunça é essa na minha cozinha? – Minha mãe pergunta aparecendo na cozinha.

-- Ela me maltratando mamãe. – Falei me aproximando da mesma para abraçá-la de lado.

-- Esse seu filho fedorento não quer ir tomar um banho e lavar esse cabelo seboso e, a senhora ainda tem coragem de abraçá-lo todo suado de academia. – Lauren disse fazendo careta.

-- Ah não garoto, passa já pra o banheiro. – Minha mãe se afasta de meu abraço. – Acabei de tomar um banho e vou ter que tomar outro.

-- Vem aqui mãe. – Falei esticando meus braços para a mesma que saiu às presas da cozinha. – Me dá um abraço.

-- Vai tomar seu banho menino. – Minha mãe correu em direção ao seu quarto. – E não apareça até esta de banho tomado.

-- NINGUÉM ME AMA NESSA CASA. – Gritei indo ao meu quarto e gargalhando ao ouvir minha mãe resmungar algo.

Jennie Kim P.O.V

Acordei já quase tarde da noite com uma baita fome, levantei e calcei minhas pantufas e desci até a cozinha encontrando minha mãe em seu celular e tomando seu chá, a mesma se assustou a me ver.

-- Quer matar sua mãe sua doida? – Ela disse com a mãe no peito.

-- Preciso não, a senhora já ta com o pé na cova mesmo. – Brinquei e levei uma tapa na bunda que me fez resmungar de dor.

-- Eita porra. – Massageei minhas nádegas e a mesma riu. – Esta rindo de quê?

-- E eu achando que aquele menino era algum santo. – Respondeu entre uma risada e outra.

-- Está falando de quem?

-- Ora de quem Jennie, do seu namorado. – Respondeu e a olhei confusa.

-- O Lucca não é meu namorado. – Respondi abrindo a geladeira e pegando um Iogurte.

-- Não foi isso que ele me contou. – Respondeu aproximando a xícara para beber seu chá.

-- Ele falou alguma coisa? – Perguntei sentando na cadeira da mesa.

-- A gente conversou depois que ele deixou você em seu quarto. – Respondeu voltando a mexer em seu celular.

-- O que? – Arregalei os olhos, o que esse menino foi contar. – Vocês conversaram o que?

-- Ah nada demais. – Olhou pra mim por cima do celular e depois para o mesmo dando de ombros. – Nada que eu não já não sabia.

-- E o que a senhora...

-- Filha por que não vai tomar um banho. – Me interrompeu. – Aproveita e passa maquiagem nesses seus chupões por causa de seu pai.

-- O que tem demais alguns chupões. – Dei de ombros saboreando meu Iogurte.

-- Me responda uma coisa. – Deixou o celular sobre a mesa e me olhou. – É grande?

-- O que? – Perguntei me preparando para beber mais.

-- Você sabe do que estou perguntando, o... – Fez o gesto com as mãos e eu arregalei os olhos cuspindo o iogurte fora.

-- Mãe. – A repreendi e a mesma fez cara de tédio se encostando na cadeira.

-- Preciso saber se é bem qualificado por ter tirado sua virgindade. – Respondeu.

-- Eu vou subir antes que a senhora pergunte mais alguma coisa. – Falei levantando da cadeira indo em direção a pia.

-- Só foi apenas uma pergunta simples, custa responder pra sua mãe? – Perguntou semicerrando os olhos. – Certo, mas responda pelo menos se ele soube fazer direito e quantas vezes gozou.

-- Impressionante como a senhora é enquanto não descobre algo né senhora Sin Hee? – Perguntei colocando as mãos na cintura.

-- Apenas preciso saber o que entra e sai de você sua ingrata, acha que quero uma filha insatisfeita resmungona mais do que já é aqui em casa? – Respondeu se levantando da cadeira.

-- Não sou resmungona. – Fiz cara de ofendida.

-- Ah claro que não. – Retrucou pegando seu celular para sair.

-- Vá dormir, seu mal é sono. – Provoquei acompanhando a mesma que deu de ombros.

-- Irei mesmo. – Falou chegando perto de seu quarto.

-- E respondendo sua pergunta, é grande sim e sabe tanto o que faz que foram no total de 11 vezes. – Respondi rindo trancando a porta de meu quarto rapidamente.

-- Abre essa porta Jennie. – Minha mãe bateu na porta e eu me direcionei a minha cama ligando a TV. – Amanhã você não me escapa.

-- AMANHÃ SENHORA SIN HEE, AMANHÃ. – Gritei voltando a rir ouvindo os passos fortes da mulher.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...