1. Spirit Fanfics >
  2. Beyond The Throne (Kim Taehyung) >
  3. Aquele Da Abadia

História Beyond The Throne (Kim Taehyung) - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


bom dia, boa tarde, boa noite e boa madrugada. 💗

espero que vocês estejam bem. 🌻
trouxe mais um capítulo e espero que vocês gostem. 💞

me desculpem pelos erros ortográficos. 💙

e tenham uma ótima leitura. ✨

Capítulo 7 - Aquele Da Abadia


Fanfic / Fanfiction Beyond The Throne (Kim Taehyung) - Capítulo 7 - Aquele Da Abadia

Depois do pedido de casamento do Tae Hyung e da sua volta para Suntowrrigan no dia seguinte, eu tinha muita coisa a fazer em Fousvin.
Além dos assuntos reais eu tinha um outro "chamado" não menos importante do que os problemas da corte.
Eu tinha que providenciar a papelada do meu casamento com o Tae Hyung.
Segundo o mesmo, Fousvin seria o local onde seria realizado a nossa cerimônia juntamente com o baile de comemoração que estava sendo organizado pela minha mãe e a Lady Blossom.
Eu acordei cedo como de costume, e me juntei a todos para tomar o meu café da manhã. Afinal, eu teria um dia cheio de atividades hoje.
Depois do café, eu acompanhei a Sooyana até a sala do conselho real para apresentá-la a todos os que trabalhavam em altas categorias no palácio, e é claro, para apresentá-la ao Do Young que seria o seu chefe.
Quando nós adentramos a sala, todos pararam de fazer as atividades que estavam realizando e fizeram uma breve referência para mim e então eu assenti para os mesmos que voltaram aos seus afazeres.
Em seguida eu e a Sooyana nos aproximamos do Do Young que logo nos recebeu com um sorriso.

— Vossa Majestade, fico feliz em vê-la novamente. — Disse ele fazendo uma reverência enquanto beijava a minha mão.

— Igualmente, Do Young. — Falei com um sorriso.

— A que devo a honra da sua majestosa visita? — Perguntou-me ele.

— Eu soube que o seu ajudante teve que sair por motivos pessoais. Então eu trouxe uma substituta. — Respondi colocando as mãos nos ombros da Sooyana.

— Do Young, essa é a minha amiga Sooyana. Nomânde da tribo de Gotenax. — Continuei e então o Do Young analisou a mesma com o olhar.

— Hum... Ela é um tanto quanto que... Jovem demais, não? — Perguntou ele enquanto eu soltava uma risada irônica.

— Sim. Ela tem vinte e um anos como eu. — Respondi.

— Mais se eu com apenas vinte e um anos estou apta a regir um reino, então a minha amiga também é ideal para ser a sua ajudante nos assuntos financeiros. — Continuou e então ele abriu um sorriso.

— Está bem, Vossa Majestade. — Disse Do Young.

— E quanto a você, minha jovem. Você tem algum conhecimento em relação a finanças? — Perguntou ele a Sooyana.

— Não muito. Mais nada que eu não possa aprender com as suas instruções, senhor. — Respondeu ela e então ele sorriu.

— Hum... Tudo bem então. — Disse ele.

— Então venha comigo, minha jovem, que eu te passarei a sua primeira lição. — Falou Do Young enquanto seguia o seu caminho e então ela assentiu.

— Boa sorte, Sooyana. — Falei acenando com um sorriso enquanto ela assentia e sorria de volta para mim antes de adentrar em uma sala com o Do Young.

(...)

Assim que eu sair da câmara do conselho, eu pretendia ir até a abadia em Staticaw para conversar com o sacerdote e decidir uma data para o meu casamento com o Tae Hyung. Por isso que eu estava em meu quarto vestindo um traje mais apropriado para cavalgar até a capital. Porque embora eu fosse uma rainha, eu não abria mão dos meus costumes "aventureiros" de antes.
Eu preferia abrir mão da carruagem do que nunca mais ter que cavalgar.
Eu estava trançando o meu cabelo em frente a minha penteadeira quando a Solar adentrou calmamente em meu quarto.

— Com licença, Vossa Majestade. Mais eu vim te avisar que a sua carruagem já está pronta para a viagem. — Disse ela e então eu me pus de pé.

— Eu agradeço Solar, mais pode dispensa-lo. — Falei.

— Eu irei em meu cavalo. — Continuei e então ela me encarou confusa e surpresa.

— Você tem certeza? — Perguntou-me ela e então eu assenti.

— Tudo bem, eu irei dispensa-lo então. — Disse Solar indo em direção a saída do meu quarto.

— Solar! — Disparei e então ela parou e virou-se para mim.

— Pois não, Majestade? — Perguntou-me ela.

— Você pode informar ao soldado Ji Min que ele terá que me acompanhar até Staticaw? — Perguntei então ela assentiu com um sorriso.

Depois que o Tommy nasceu, o Ji Min não estava mais viajando em missões a mandato do general Carl. Afinal, ele tinha uma esposa e um filho para cuidar.
Porém o Ji Min nunca deixou de ser um soldado. Agora ele realiza vigílias, fica de guarda e sempre me acompanha quando eu preciso fazer alguma coisa, ou seja, ele quem é o líder da minha escolta.

— Como quiser, Vossa Majestade. — Respondeu ela saindo do meu quarto.

Em alguns minutos depois a Solar me surpreendeu ao novamente adentrar em meu quarto. Mais dessa vez, ela também estava trajada em uma linda roupa para cavalgar.
Já é dito na lei, que a dama de corte deve ir a qualquer lugar que a sua rainha for, com exceção das vezes em que a própria rainha a dispense. Mais eu não queria dispensar a Solar dessa vez, já que eu tenho que aproveitar todo o tempo que eu posso para me aproximar e conhecer mais a mesma.
Em seguida eu me pus de pé e caminhei em direção da mesma que estava parada na porta do meu quarto.

— Nossa... Essa roupa realmente ficou muito bem em você. — Falei e então ela sorriu sem jeito.

— Não mais do que a sua ficou em você, Vossa Majestade. — Disse ela ainda com um sorriso sem jeito.

— Aish... Eu já disse que não precisa me chamar de Vossa Majestade, Solar. — Falei.

— Pode me chamar apenas de S/N, ou se preferir, Cherry. — Continuei e então ela sorriu.

— Como quiser, Cherry. — Disse ela me fazendo sorrir.

— Agora sim está melhor. — Falei e então ela riu.

— Bem... Cherry, o Ji Min e a sua equipe de escolta estam te esperando na frente do palácio. — Disse ela e então eu assenti fazendo um sinal para que fossemos até eles.

Quando chegamos na frente do palácio, eu e a Solar montamos em nossos cavalos e depois de cumprimentar o Ji Min e a sua patrulha, nós seguimos em direção a Staticaw.

(...)

Em menos de três horas, nós já havíamos chegado na capital.
A viagem não foi complicada e muito menos longa já que eu, a Solar e o Ji Min nos divertimos muito no caminho.
Foram várias conversas, risadas e brincadeiras que tornaram a viagem mais divertida e curta. Eu até aproveitei para conhecer um pouco dos limites da Solar.
Agora eu sabia até onde eu poderia ir para conhecer e interrogar a mesma sem que eu ultrapassasse os limites da mesma.
Assim que chegamos na frente da abadia da cidade, nós paramos os nossos cavalos e então o Ji Min quebrou o silêncio e atraiu a minha atenção.

— Você quer que eu a acompanhe, Cherry? — Perguntou-me ele.

— Não, tudo bem Ji Min. Eu irei conversar com o sacerdote sozinha. —Respondi enquanto descia do meu cavalo.

— Como quiser. Nós iremos te esperar aqui. — Disse ele enquanto pegava a rédea do meu cavalo e eu assentia.

Em seguida eu adentrei na abadia e logo o sacerdote me viu e sorriu simpaticamente para mim enquanto eu me aproximava do altar.
Eu parei assim que cheguei perto do mesmo e então eu fiz uma reverência respeitosa para o mesmo que logo sorriu contente.

— S/N minha jovem, como é bom te ver. — Disse ele e então eu sorri.

— É muito bom ver o senhor também. — Falei sorrindo.

— Já faz um bom tempo que não nós vimos, como estão as coisas no palácio? — Perguntou ele.

— Estão bem, obrigada. — Respondi.

— E os seus pais, como estão? — Perguntou ele novamente.

— Ah, eles estão muito bem. — Respondi e então ele sorriu.

O sacerdote já é um velho amigo da minha família bem antes de eu nascer.
Foi ele quem me apresentou aos deuses quanto eu era apenas uma bebê, e também foi ele quem realizou a minha cerimônia de coroação. Por isso não há nenhum outro sacerdote nesse mundo que eu desejaria que realizasse a minha cerimônia de casamento do que ele.
Por isso que vim até Staticaw para falar com o mesmo.

— E então, a que devo a honra da sua agradável visita, Majestade? — Perguntou-me ele.

— Bem, eu irei me casar e quero decidir uma data com o senhor. — Respondi e então ele me encarou surpreso e contente.

— Olha... Essa é uma ótima notícia, minha jovem. — Disse ele.

— E quem o sortudo? — Perguntou-me ele.

— É o Tae Hyung. — Respondi e então ele parou.

— O rei de Suntowrrigan?! — Disparou ele surpreso e então eu assenti.

A reação surpresa do sacerdote havia me deixado nervosa.
Será que ele estava assim porque eu me casaria com um rei?
Independentemente de qual seja o motivo, eu só espero que ele aceite em realizar a minha cerimônia de casamento com o Tae Hyung.
Então eu soltei um suspiro para me acalmar e interroguei o mesmo.

— Algum problema, sacerdote? — Perguntei preocupada e então ele soltou um suspiro.

— Minha jovem, realizar um casamento com dois membros da realeza já exercendo um papel de regente é... Complicado. — Respondeu ele.

— Eu sei que é complicado, nós já estamos cientes disso. Mais ainda sim, queremos enfrentar esse desafio. — Falei.

— Eu entendo. Mais eu não posso realizar uma cerimônia de casamento sendo que vocês dois são regentes de reinos opostos. — Disse o sacerdote.

— Mais por quê? — Perguntei.

— Porque o casamento não é apenas para a união de amor entre duas pessoas, mais também tem haver com a divisão de poderes. — Respondeu ele me deixando confusa.

— Ou seja, você e o Tae Hyung já são regentes então... Já possuem muitos poderes. — Continuou o mesmo.

— Por isso que é mais aconselhável vocês encontrarem pessoas que se encontrem em um nível a menos que vocês. Para que assim o poder possa ser bem distribuído. — Concluiu o sacerdote.

— Eu sinto muito, sacerdote. Mais isso não faz sentido. — Falei enquanto controlava a minha raiva.

— Então você está me dizendo que eu e o Tae Hyung devemos encontrar outras pessoas para que nós possamos nos casar sem amá-las? — Perguntei e então o mesmo engoliu em seco.

— Eu não quis dizer isso, Majestade. Me perdoe se eu me expressei mal. — Respondeu ele um pouco assustado.

— Me desculpa sacerdote, mais eu e o Tae Hyung nos amamos demais para aceitar isso. — Falei.

— Você precisa realizar a nossa cerimônia. — Supliquei enquanto o mesmo me encarava comovido.

— Eu sinto muito, S/N. Mais são as regras. — Respondeu ele.

— Eu gostari muito de poder ajudar vocês mais... Enquanto vocês ainda forem regentes, eu não posso realizar a cerimônia de casamento entre ambos. — Continou o mesmo e então eu soltei um suspiro.

— Tudo bem. — Falei me afastando do mesmo.

— Eu darei um jeito, mais eu e o Tae Hyung nos casaremos. — Continuei e então o sacerdote me encarou com uma certa tristeza.

Como se ele quisesse me ajudar, mais não pudesse.

— Até mais sacerdote. E obrigada pela conversa. — Falei enquanto saia da abadia.

— Até mais, minha jovem. — Disse ele preocupado enquanto me encarava sair da abadia.

Assim que eu sair da abadia, eu me encaminhei tempestuosamente em direção ao Ji Min, a Solar e os homens que me escoltaram até aqui e ordenei para que voltássemos. E em seguida, todos me obedeceram e então montamos em nossos cavalos.
Embora eu tivesse tentado, eu não conseguir esconder o tom de estresse na minha voz, o que fez todos perceberem e me encararem preocupados, porém ninguém se ousou em me interrogar nada, principalmente o Ji Min me conhecia muito bem.
Ele sabia que quando eu quisesse, eu revelava os meus motivos.
Então nós estávamos prestes a entrar em uma viagem longa, silenciosa e tensa de volta a corte de Fousvin.


Notas Finais


ih... e mais essa ksks 😬

espero que tenham gostado. 💜

beijos e fiquem bem. 💕

até a próxima. 🌹


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...