História Bibidi-Bobidi-Bu - Jikook - Capítulo 4


Escrita por: e JaoHoseok

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Blackpink, Red Velvet, Tomorrow X Together (TXT), TWICE
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Jikook, Namjin, Namoradinhos Of Busan, Taejin, Vhope, Yoongi
Visualizações 212
Palavras 1.595
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Fluffy, LGBT, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpe-me se tiver algum erro, ás vezes eu não consigo arrumar tudo.

Tradução do título: O Arqueiro

Capítulo 4 - Bibidi-Bobidi-Bu - The Archer


Fanfic / Fanfiction Bibidi-Bobidi-Bu - Jikook - Capítulo 4 - Bibidi-Bobidi-Bu - The Archer

Ser príncipe de um reino onde as pessoas não aceitam erros, é muito difícil. Minha vida é controlada pelos meus pais, e se eu errar é uma decepção imensa. Bom, pelo menos o meu pai nunca entende que as pessoas erram.

 

Meus pais comandam o Reino de Ouro, e eu sou o único herdeiro, príncipe Jeon Jungkook. Eu fui criado para ser um rei perfeito. Com 20 anos de idade, os empregados ainda escovam meus dentes, penteiam meu cabelo e colocam meu sapato. Sou tratado como uma criança ainda. Mas, quem me conhece como “O arqueiro”,  — é um personagem que criei para poder andar sozinho pela parte mais pobre do Reino de Ouro. — além de não fazerem ideia que sou o príncipe Jeon Jungkook, não iriam imaginar que sou mimado dessa forma.

 

Quando eu tinha 17 anos, meus pais me contaram que os meus relacionamentos com os garotos da escola nunca deram certos, porque eu fui prometido a uma pessoa de outro mundo. Louco, não? Eu achava que era loucura dos meus pais, até que ano passado aceitei isso. Todos os dias fico em frente da árvore de Ouro esperando meu prometido.

 

Eu estava observando o reino com o telescópio que o príncipe encantado, marido da Cinderela, havia me dado de aniversário.

 

— Majestade?

 

— Sim, Vernon?

 

— O Kim de novo, senhor. — Kim Taehyung é o filho da malévola, e sempre está roubando coisas no reino para poder fazer suas magias. Nunca encontramos seu esconderijo ou se quer encontramos o Kim, mas um dia iremos pegar aquele bruxo amador e o fazer pagar por cada furto que cometeu.

                          

— O que ele fez de novo? — encarei Vernon que tinha uma expressão preocupada. — Roubando doces de crianças de novo? A propósito, você não deveria falar isso com os meus pais? — voltei a observar o reino com o telescópio. — Eu ainda não sou rei, lembra?

 

— Sim, mas o rei Jung-Su mandou que você resolvesse isso. E dessa vez o Taehyung não roubou doces de crianças, ele entrou no castelo.

 

— Ele o quê?

 

— Roubou as margaridas da sua mãe.

 

— Mande um grande número de guardas para vasculharam a aldeia. Sei que o Taehyung deve ser esconder junto com eles.

 

— Sim, senhor.

 

Era só o que me faltava, ter que ficar me preocupado com os papéis que o meu deveria se preocupar. Eu queria sair, mas com ele no pé seria impossível.

 

 — Vossa majestade, o príncipe...

 

— Tanto faz. — entrei na sala do meu pai antes de Vernon anunciar minha presença. — Pai.

 

— Jungkook, que falta de educação é essa? Sabe-se que antes de entrar...

 

— Tem que se apresentar. — revirei os olhos. — Eu sei. Pode falar, Vernon.

 

— Sua majestade, o príncipe Jeon...

 

— Jungkook. Pronto. — meu pai lançou-me um olhar mortal.  — Eu preciso falar com o senhor.

 

— Não está vendo que estou ocupado, Jungkook?

 

— Mas pai, eu gostaria muito de ir até a aldeia fazer uma visita para as crianças! O orfanato de Ouro está cada vez mais pobre, precisamos ajudar.

 

— Vernon, verifique se a princesa Aurora irá vir ao baile em comemoração do aniversário da Rainha Moon, por favor.

 

— Sim, alteza. — fez uma breve reverência e saiu da sala.

 

— Pai, o senhor está preocupado com um baile inútil , enquanto crianças do nosso reino estão quase passando fome?

 

— Esse “baile inútil”, é o aniversário da sua mãe, Jeon Jungkook! Iremos ver a situação das crianças mais tarde. Vernon contou-me que mandou alguns guardas para pegar Kim Taehyung. Jungkook, você não pode ser um rei, se não consegue nem pegar um bruxinho como aquele. Se continuar assim, irei passar a coroa para seu primo Seokjin!

 

— Faz isso, ele sempre quis ser rei mesmo.  Estou de saída.

 

— Onde pensa que vai? Você precisa experimentar a roupa para o aniversário da sua mãe.

 

— Eu vou ajudar as crianças, o senhor querendo ou não.

 

Escutei meu pai gritar meu nome diversas vezes, mas apenas ignorei. Como ele pode ser tão insensível? As nossas crianças estão precisando de nós, e o meu pai não está ligando para isso, só pensando no dinheiro e na opinião dos outros reis e rainhas sobre o seu governo. Eles idolatram meu pai, acham que ele é um ótimo rei. Mas eu não concordo. Em minha opinião ele é um rei egoísta e egocêntrico.

 

Observei minha mãe na sala sozinha. Como ela poderia ter se apaixonado pelo meu pai? Ele não é uma pessoa muito boa. Eu posso parecer fisicamente com ele, mas com certeza herdei o resto da minha mãe. Bom, ainda bem! Não iria me suportar se eu fosse igual ao meu pai.

 

A mais velha jogou os gravetos sobre a grelha que rapidamente pegou fogo. Sentou-se de frente para a lareira, de pernas cruzadas, observando as chamas, azuladas e hipnóticas.

 

Depois de um tempo, levantou-se e sacudiu as cinzas das mãos e notou minha presença. — Filho? — sorriu. — Por que mandou a Ashley comprar várias comidas e brinquedos? Vai dar de presente para a Anne, filha da Branca de Neve?

 

— Não, mãe! Vou doar para o orfanato das crianças da aldeia.

 

— Que bom que se importa com essas crianças, se depender do seu pai... Bom, irei me arrumar e ir com você.

 

— Não precisa. Parece tão cansada...

 

— Jungkook, se o rei não vai, a rainha tem que ir. Eu quero ajudar. Irei presentear as pessoas que ajudam a cuidar das crianças.

 

— Mãe, por que a gente não faz uma festa para essas crianças enquanto reformamos o orfanato.

 

— Não é uma má ideia, filho! Irei conversar com a diretora.

 

— Obrigado, mãe. A senhora é uma pessoa incrível. — abracei a mais velha.

 

— Você será um ótimo rei Jungkook, e eu vou sempre ter orgulho de você.

 

— Não é isso que o papai acha, ele quer passar a coroa para o Seokjin.

 

Passou-se algumas horas, minha mãe e eu estávamos no orfanato entregando os presentes para as crianças. Minha mãe contava suas histórias para algumas crianças que ficaram encantadas com a sua beleza.

 

— Príncipe Jeon? — uma menina com um vestido branco cutucou minha perna. A menina deveria ter 5 anos. Ela balançava o vestido e segurava um coelhinho de pelúcia .

 

— Sim? — sorri e agachei ficando da sua altura.

 

— O senhor é muito bonito. — disse tímida. — Eu sempre quis te ver de perto. Seu sorriso me lembra um coelhinho. E eu amo coelhos.

 

— Muito obrigado. — sorri. — O seu sorriso também é muito lindo! Como se chama?

 

— Flora.

 

— Lindo seu nome. — peguei a garotinha no colo.

 

— Senhor Jeon, o senhor poderia esperar até eu completar 18 anos para eu poder casar com o senhor? Meu sonho é ser uma princesa. — gargalhei com o que Flora havia falado. Como as crianças são diretas, não?

 

— Pode deixar que eu irei esperar. — sorri. — Mas quem disse que você não é uma princesa? Toda menina é uma princesa. Vernon, por favor, traga aquelas coroas.

 

Mamãe e eu “coroamos” todas as meninas e meninos do orfanato, eles se divertiram muito e nós também. Foi uma tarde maravilhosa.

 

— Filho? Não vai voltar com a gente?

 

— Pode indo, mãe! Irei dar uma volta na aldeia.

 

— Tome cuidado, Jungkook!

 

Corri até a floresta e coloquei minha roupa de arqueiro. Eu estava sentado arrumando minha arque flecha — que ficava escondido em uma das árvores, já que no castelo era proibido uma —. Talvez eu estivesse distraído quando um homem e duas crianças apareceram em frente da árvore. Não era possível. E se aquele fosse o homem que estou prometido? Só uma pessoa conseguiria abrir o livro, e essa pessoa está prometida a se casar comigo.

 

 

 — Quem são vocês? — perguntei mirando a flecha na direção dos três.

 

 — Senhor Park! Seu cabelo está rosa. — disse um garotinho.

 

— O quê?

 

— Eu fiz uma pergunta. — continuei mirando a flecha. — Não vão responder?

 

— Crianças! Fujam.

 

Os três correram. Talvez eu tivesse assustado eles com a flecha, mas eu não iria acertar de verdade, era só para eles saberem que eu tinha uma arma caso eles sejam algum tipo de espécie maligna. — Esperem! Não vou machucar vocês.

 

E se aquele garoto for o garoto que vou casar? Não, não pode ser. Ou pode?

 

— Enfia essa flecha no seu cu, retardado. — o garoto de cabeleira rosa saiu de trás da árvore e mostrou o dedo do meio. Mas que falta de educação. — Desculpe-me, crianças.

 

— Abaixe esse dedo!

 

— Você queria me matar! Matar-nos. — apontou para as crianças que ainda estavam escondidas.

 

— Eu juro que não iria! Eu só me assustei.

 

— Idiota.

 

— Vocês são daqui?

 

— É claro que somos! Não está vendo essas roupas esquisitas que a gente está usando, não?

 

— Desculpe-me, pensei que eram de outro lugar. Por favor, não digam que me viram! Ninguém pode saber que eu sou o arqueiro.

 

— Tudo bem, esquisito.

 

— Ei! Mais respeito comigo.

 

— Por quê? Por acaso você é um príncipe? — gargalhou. — Vamos crianças, esse cara é louco.

 

Tantas perguntas... Eles realmente não sabiam quem eu era? Será que eu estava tão bem disfarçado sem a máscara? Afinal, quem são essas pessoas? Quem é aquele garoto de cabeleira rosa? E por que estou sentindo uma coisa estranha na barriga?


Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo! Até mais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...