História Bieber - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Tags Romance
Visualizações 123
Palavras 2.250
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 15 - Chapter 15 - Caitlin, it's Justin, your Justin!


Fanfic / Fanfiction Bieber - Capítulo 15 - Chapter 15 - Caitlin, it's Justin, your Justin!

Eu balancei a cabeça e ajustei para tomar pequenos goles em vez de grandes. Depois de 30 minutos eu estava no meu terceiro copo grande de WKD e Branna estava em sua terceira vodca e Coca-Cola.
 Ela tinha me dito o que estava bebendo quando eu perguntei. 

— Eu tenho que fazer xixi. — eu disse, assim que Branna saltou para dançar a música Scream do Usher. 
— Você quer que eu vá com você? — Branna gritou. 

 Olhei por cima do ombro, próximo à área escura tinha um sinal de neon para o banheiro feminino. Eu me virei e balancei a cabeça.
— Não, é logo ali. Volto em um segundo. 

Branna me olhou por um momento e depois assentiu.
— Não saia com alguém e não aceite bebidas ou qualquer outra coisa se alguém te oferecer, entendeu? 

Eu balancei a cabeça com firmeza.
— Sim, entendo. 

 Virei e caminhei ao redor de algumas pessoas e através de uma área mais vazia em direção ao banheiro feminino. Eu fiz o meu negócio, lavei as mãos, em seguida, saí do banheiro. 
Literalmente dois passos fora do banheiro, uma menina tropeçou e caiu para frente. Eu sabia que ela ia cair de cara no chão se eu não a agarrasse, então foi o que eu fiz, mesmo que tenha matado meu lado machucado. 

— Oh meu Deus! — a menina gritou e em seguida riu quando eu a levantei. 
— Você está bem? — perguntei, soltando seu braço e colocando minha mão em meu estômago. 

 Ela assentiu e olhou para mim; as luzes estroboscópicas estavam de volta, por isso dei uma boa olhada em seu rosto duro. 

— Obrigada querida, essa passou seriamente perto. Você me salvou. — ela sorriu, em seguida, virou-se. — Ela me salvou. — gritou para ninguém e para todos. 

 Eu ri um pouco, mais por falta de jeito do que diversão e inclinei a cabeça, pronta para ir para longe dela. Isso foi até que de repente um corpo parou na minha frente à minha esquerda, fora da área mais escura do clube. 

— Que diabos você está fazendo aqui? 

 Eu reconheci imediatamente aquela voz, porque eu detestava essa maldita voz. Então, quando eu inclinei minha cabeça para trás e encontrei os olhos cinza prateados brilhantes de Justin Bieber, eu rosnei. 

— Não é da sua conta, idiota, agora mexa-se! — estalei tentando soar brava e não com medo, que era o que sentia quando ficava perto dele recentemente. Meu corpo inteiro se tornava hipersensível, quando ele estava por perto. 

 Ele sorriu e deu um passo de dois centímetros em minha direção. Dois centímetros era o único espaço livre que havia entre nós, de modo que o estúpido agora estava pressionado contra mim. 
Eu odiava que eu perdesse meu controle sempre que este filho da puta estava por perto; qualquer um no planeta podia irritar o inferno fora de mim e eu mantinha a calma e ignorava. Com exceção de Justin. Eu não sabia do que se tratava, mas chegava a mim muito fácil e ele sabia disso. Mesmo que eu tivesse medo dele, estava pronta para lutar e beija-lo desesperadamente, tudo ao mesmo tempo. 
 Eu levantei minha mão, fechei-a em punho e virei para ele, mas ele pegou minha mão, me girou, e envolveu seus braços em volta de mim por trás, prendendo minhas costas em seu peito. 

 Santo inferno, como é que ele fez isso?
 Eu sabia que eu era uma lutadora de merda, mas o que ele fez foi muito rápido. Meu movimento foi muito rápido para mim também, porque eu machuquei meu lado mais do que qualquer coisa, e isso me fez assobiar. 

— Vamos lá! — eu gritei. 

 A menina que eu salvei de cair de cara no chão tinha ido quando eu a procurei para pedir ajuda, então eu amaldiçoei. Esse é o agradecimento que eu ganho por preservar seu rosto bonito? Cadela! 

— Sério, baby, o que você está fazendo aqui? — Justin perguntou no meu cabelo perto do meu ouvido para que eu pudesse ouvi-lo sobre a música. 

Eu me encolhi, porque sua respiração no meu ouvido me fez cócegas e fez meus olhos fecharem por alguns momentos. Eu respirei profundamente, e seu cheiro me encheu e me deixou um pouco tonta, mas me lembrei sobre quem eu estava desmaiando e balancei minha cabeça para clarear. 

— Eu vim aqui com a minha irmã, agora me solte. — eu atirei. 
Ele me soltou, então pulei para longe dele. Eu me virei e dei o dedo, o que o fez rir. Então, dei a volta nele e voltei para Branna. Quando cheguei ao lugar que tinha deixado Branna, ela não estava lá, e eu imediatamente comecei a entrar em pânico. 

— Ei, salva-vidas, sua irmã me pediu para vir te pegar. Ela se sentou com a gente. 

Virei-me e reconheci a garota que eu salvei de cair e levantei uma sobrancelha, mas eu a segui. Quando entramos para a área escurecida e viramos para a direita, eu notei as cabines. Elas eram grandes e pareciam legais. Os assentos eram pretos e as mesas eram prateadas parecendo de mármore, com um negócio de bola brilhante no meio; era incrível. 
Eu procurei nos rostos estranhos até que meus olhos pousaram em alguém que eu conhecia.  

 Alec? 

 Eu continuei a olhar para a direita e vi Kane e Damien. Eu quase caí quando vi Justin sorrindo para mim. Eu olhei para ele antes de continuar a olhar para a direita e quando vi minha irmã, sentada no colo de Ryder, eu gritei. 

 Aquilo não podia estar acontecendo! 

— Não! Nem fodendo, levante-se, agora! — eu berrei. 

 O queixo de Branna caiu; Ryder suspirou quando ele me viu, enquanto o resto da mesa ou bufou ou olhou para mim como se eu tivesse problema mental. 

— Caitlin, não seja tão rude. Este é Ryder, eu já ia te apresentar. 

— Foda-se, você está literalmente sentada com o inimigo. Esse é Justin! E o cara sobre o qual vocês está se curvando é o irmão dele! — rosnei e apontei para o bastardo americano de aparência presunçosa. 

 Branna arregalou os olhos.
— Espere Drew é Justin? Esse Justin é o garoto que tentou.. 
— Sim! — rebati e cortei Branna. 

 Branna parecia Muhammed Ali, quando ela estendeu a mão e deu um soco em Justin; foi tão rápido, nenhum de nós teve tempo para reagir. A cabeça de Justin estalou para o lado, mas ele voltou a cabeça tão rápido quanto para encarar Branna. Ryder levantou-se e a empurrou de cima dele como se ela fosse sujeira, e isso me enfureceu. 

— Não empurre a minha irmã, seu grande filho da puta! — eu repreendi e tentei bater em Ryder, mas ele abaixou e saiu do meu alcance. 
— Sai Branna, acabou. — Ryder então rosnou para Branna, claramente louco por ela ter batido no seu irmão mais novo. 

 Branna riu quando agarrou minha mão.
— Acredite em mim, querido, eu vou. De outra maneira, eu mataria seu irmão pervertido por fazer o que ele fez para minha irmã! — ela rosnou.
 Eu não tive a chance de dar a Justin o dedo novamente ou mesmo soltar um insulto de despedida porque Branna me levou dali com ela. 

 Eu a abracei, quando estávamos de volta para a pista de dança. 
— Puta merda, Bran, você foi incrível. Você deu um soco na cara de Justin; estou com tanta inveja! — eu jorrei com admiração e alegria. 

 Branna sorriu e me abraçou com força.
— Ninguém mexe com a minha irmã, especialmente um bonito menino maluco. 

Ela foi brilhante, ela foi, sério! 
Eu estava prestes a perguntar como ela conheceu Ryder, mas ela me interrompeu, gritando:
— Agora, vamos dançar! 

 Eu não precisava ser chamada duas vezes; deixei Branna me levar para o meio da multidão de corpos balançando. Eu estava um pouco nervosa no início, mas eu literalmente só me deixei ir junto com Branna, levantei minhas mãos, e me perdi na música. Foi muito divertido, possivelmente a maior diversão que eu já tive. 
Eu sabia que precisava sair mais, mas isso, estar aqui agora, era um grande passo do meu esconderijo atrás do Kindle em casa ou atrás do meu iTouch na escola. Era um progresso, e eu estava feliz com isso. 
Depois de cinco músicas e algumas danças despreocupadas, Branna e eu estávamos com sede.  Ela pediu uma pequena vodca com Coca-Cola para mim, porque eu não tive qualquer efeito bêbado dos três copos de WKD que eu já tinha tomado. Ela estava muito tonta no momento em que ela terminou seu quinto copo de vodca com Coca-Cola. Eu ainda estava no meu primeiro, porque era forte; estava tomando pequenos goles a cada poucos minutos, em vez de engolir como eu fiz com o WKD. 
Branna e eu estávamos rindo de uma piada que ela contou quando as luzes à nossa direita de repente iluminaram o lado escuro do clube, ganhando altos aplausos e gritos. A maior parte da pista de dança e bar esvaziaram, uma vez que todos correram para as luzes. Concentrei meus olhos e notei que havia uma plataforma redonda levantada alguns metros no ar no centro da área agora iluminada. Uma única faixa preta estava nas bordas da plataforma circular e parecia importante, então eu perguntei a Branna o que era. 

— É apenas para mostrar o ponto do círculo que não pode atravessar. Se um lutador for golpeado para fora dela, é um nocaute automático É um círculo bem grande, de modo que nenhum lutador forte quase nunca sai; normalmente são os lutadores fracos que apanham tanto que inconscientemente se movem para trás por ser mais fácil para eles do que serem nocauteados. — explicou Branna. 

Eu arregalei meus olhos e apontei.
— E as pessoas em pé ao redor da plataforma? — eu questionei. 

 Branna bufou.
— Elas costumam se mover rápido o suficiente para evitar um corpo aterrissando em cima delas.  

 Ofeguei.
— Isso é horrível! 
— Esse é o esporte. — Branna encolheu os ombros. — É uma mistura de coisas diferentes, as principais são quentes, sexys, suadas, perigosas, homens ferozes... 
— Ah, cala a boca. — eu murmurei, fazendo Branna dar risada. 

— Senhoras e senhores, bem-vindos à Darkness! — uma voz profunda de repente soou nos alto-falantes em torno do clube, onde a música estava tocando apenas alguns segundos atrás. 

 A voz causou gritos altos em erupção em torno do clube. 

— É noite de sexta aqui na Darkness e todos vocês sabem o que isso significa...  

— Noite de luta! — a multidão que cercava a plataforma gritou em resposta, fazendo a voz profunda através dos alto falantes rir. 

— É isso mesmo, é Noite de Luta, mas hoje é um pouco diferente. Em vez das nossas habituais três lutas, hoje temos quatro.

 Mais aplausos. 

— Os primeiros dois rapazes ainda são recém-chegados, então peguem leve com eles, porque eles com certeza não vão pegar leve um com o outro. Ambos lutaram algumas vezes ao longo das últimas semanas, assim vocês devem reconhece-los. 

 Aplausos e gritos vieram de perto de mim, me fazendo rolar os olhos; Branna adorava isso. 

— Abram caminho para os nossos novos rapazes, todos vocês podem escolher seus nomes durante a luta de hoje à noite então, por agora, bem-vindos Justin e Drake! 

Eu arregalei meus olhos.
 
Não. 
De jeito nenhum! 


 — Caitlin, é Justin, seu Justin! — Branna ofegou. 

 Meu Justin?
Que porra é essa? 

— Ele não é meu! — eu soltei. 

Branna me dispensou porque ela estava assistindo ao show, então me virei para olhar bem e vi quando Justin subiu na plataforma e meio que saltou enquanto balançava suas pernas. Ele estava sem camisa, e mesmo que eu o odiasse com uma paixão, minha mente automaticamente voltou para o momento em que aquele corpo sem camisa estava pressionado contra o meu, me fazendo tremer antes de balançar a cabeça e mandar os pensamentos para longe. 
Eu estudei o resto de Justin; ele estava em shorts preto, que ia até um pouco acima do joelho e usava luvas sem dedos acolchoadas. Seu cabelo estava empurrado para trás de seu rosto; imaginei que havia um pouco de gel nele agora, porque ele ficou do jeito que foi penteado para trás, fazendo com que parecesse confuso. 

 Eu arregalei meus olhos, quando tive a visão do seu braço direito e das costas conforme ele saltava ao redor. Eu já tinha visto as suas costas em seu quarto quando eu estava fugindo dele, e o ombro só estava parcialmente torneado com uma tatuagem tribal. Agora, no entanto, havia mais detalhes sobre o seu ombro e sua manga estava completa. 

— Bela tatuagem. — Branna meditou. 

 Eu rosnei.
— Nós o odiamos, lembra? 

 Ela encolheu os ombros.
— Sim, mas isso não significa que não podemos dizer que ele tem  uma bela tatuagem, porque ele tem. 

Eu bufei.
— É nova, a manga não estava completa há algumas semanas. 

 Branna olhou para mim.
— Sim, então você deu uma boa olhada em seu corpo naquele dia, não foi? 

 Eu rosnei para ela, fazendo-a rir quando ela pegou a vodca com CocaCola. Estendi a mão para a minha e tomei. Saudei a queimação na garganta e no peito, uma vez que tirou a minha mente de Justin. Bem, até que eu olhei de volta para ele. 

 Eu soltei um suspiro quando outro rapaz da mesma altura e construção subiu na plataforma. Ele estava usando a mesma coisa que Justin exceto que o calção e as luvas eram um azul escuro. 

— Esse garoto Drake é quente. — Branna jorrou. 

 Olhei-o e concordei com ela; ele era quente. Ele tinha um corpo magro sexy, cabelos loiros, e eu só podia adivinhar que ele tinha lindos olhos azuis para combinar. 

— Aqui vamos nós. — Branna sorriu quando ela me puxou do meu assento em direção à multidão.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...