História Big Girls Don't Cry (Spin Off de MAT) - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Boruto Uzumaki, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Himawari Uzumaki, Hinata Hyuuga, Kakashi Hatake, Kawaki, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Personagens Originais, Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasuke Uchiha, Shikaku Nara, Shion, TenTen Mitsashi
Tags Hentai, Naruto, Personagens Originais, Sarada Uchiha, Shortfic
Visualizações 182
Palavras 6.920
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite gatinhas e gatões haha eu sei que demorei, e peço desculpas. Mas agora que to finalizando um projeto, eu creio que a frequência de postagens vai ficar mais confortável. Contudo aqui está um belo capítulo pra vcs ♡♡

Capítulo 3 - Você É Especial Pra Caralho


Mesmo nervosa, a Uchiha tenta disfarçar, e desvia o olhar do Hyuuga, que ao contrário dela, não faz a mínima questão de olhar para algo que não seja ela ali. Naruto e Sasuke conversam animados em frente a estante da sala, o loiro mostra alguma coisa no tablet, e Sasuke parece impressionado. Enquanto isso, Sakura e Hinata também parecem colocar o papo em dia, mas assim que Himawari anuncia a chegada da garota com um "Oi Sarada" animado até demais, tanto a Uchiha mais velha quanto Hinata se viram para encará-la.

- Oi, gatinha… - a garota se aproxima dando um beijo no rosto da menor, e a outra sorri. - Faz tempo que não vem me visitar, hein? Esqueceu que tem uma prima postiça?

- Claro que não, mas ultimamente a mamãe não me deixa sair. - Parece emburrada, e isso arranca uma risada de Hinata.

- Não seja tão ingrata, sempre que eu julgo necessário a deixo sair, mas acontece que a mocinha não anda se comportando muito bem. - A mais velha toca o ombro de Sarada, agora atrás dela, e a garota se vira para lhe dar um abraço e um beijo. Gosta de Hinata, porque é uma mulher determinada e compreensiva, e ambas sempre se deram muito bem. - Como vai, querida? A cada dia que eu te vejo parece estar mais bonita.

- Estou bem, tia Hina, e não seja exagerada. - Sarada revirou os olhos, do mesmo jeitinho emburrado que o pai sempre faz. - Onde está o Boruto?

- Foi viajar com a Tenten e o Neji esse fim de semana, como o Yoshiro não quis ir, fizemos uma troca saudável, e devo dizer que esse aqui comparado ao meu filho, não me dá trabalho nenhum. - A garota mais vez desvia o olhar para o Hyuuga, que agora está de pé diante de si com um sorriso no rosto.

- É bom te ver, Sarada. - Ele estica a mão que ela aperta com uma sobrancelha erguida.

- Nos vimos ontem. - Diz tentando forçar naturalidade, mas o garoto da de ombros voltando a se acomodar no sofá. Ela faz o mesmo, só que se senta ao lado de Himawari.

- Então vocês já se conhecem? - Pergunta Sakura.

- Estudamos juntos, mãe. A senhora sabe.

- Sim, mas não sabia que eram amigos. - Ela se levanta puxando Hinata pela mão, e parece uma adolescente que acaba de reencontrar a amiga depois das férias. - Vem, Hina, vou te mostrar as flores que plantei na estufa, elas estão lindas.

- Quero vê-las também. - Himawari se levanta e olha animada para Sarada, mas seu sorriso some quando vê a expressão entediada no rosto da garota. - Nem adianta chamar você, não é?

- Fala sério, Hima, tem noção de quantas vezes minha mãe mostra essas flores para mim e meu pai, todos os dias? Nenhum de nós dois aguenta mais. - As duas riem. - Mas depois volte aqui, precisamos conversar, pirralha.

- Tudo bem - a pequena revira os os olhos, e sai apressada em direção aos fundos da casa.

Agora tudo o que se pode ouvir é a voz alta de Naruto ecoando pela sala, enquanto o mesmo explica para o Uchiha sobre seus planos para a academia. Sarada e Yoshiro permanecem calados, mas há uma clara tensão entre ambos. Ele em um sofá e ela no outro, vira e mexe cruzam olhares desconfiados.

- Não mandou mensagem ontem. - O estômago da garota é tomado pela sensação esquisita, como tivesse borboletas dentro, assim que ela escuta a voz indiferente do Hyuuga.

- E por que eu deveria? - ele estreita os olhos, seus fios de cabelo estão presos em um coque alto, e a camiseta regata que usa deixa seus braços a mostra. - Não é como se precisasse disso para dormir.

- Não seria nada mal dormir com um boa noite seu. - Ela não compreende as investidas do garoto, mas respira fundo. - Foi pelo que eu disse ontem?

- Você disse tantas coisas diferentes ontem, como eu vou me lembrar? - Ele ri alto com a ironia, e ambos nem percebem que acabaram de atrair os olhares dos dois mais velhos, que agora prestam atenção na conversa.

- É uma boa atriz, não me admira que tenha conseguido o papel de Julieta na peça. - Sarada franze a testa, sem entender o que acaba de ouvir.

- Do que está falando? Eles nem lançaram os resultados ainda.

- Lançaram hoje de manhã no portal da escola. - Yoshiro lhe encara orgulhoso. - Parabéns, eu disse que conseguiria.

- Só acredito vendo. - Quando o garoto se levanta, e depois senta ao lado de Sarada no sofá, ela sente os seus pelos arrepiarem com a proximidade, e Sasuke fecha a expressão pois não gosta nada. Ele e Naruto se aproximam lentamente, enquanto o Hyuuga mostra a Sarada os resultados dos testes. Ela realmente conseguiu o papel de Julieta. - Isso é impossível. - Declara chocada, com os olhos arregalados. Como?

- Ah, garota, me poupe. Você sabia que conseguiria no momento em que pisou naquela sala.

- Não sabia, Hyuuga, eu juro que nem me passava pela cabeça. - Sorriu orgulhosa de si mesma, pela primeira vez ela teria destaque em alguma coisa naquela escola. Contudo, logo seu sorriso desapareceu. - Espera aí, não me diga que o Josh da turma dois pegou o papel de Romeu.

- Seria nojento levando em conta que tem uma cena de beijo no roteiro. - Sarada sente um frio na barrida. - Mas para sua sorte, não foi ele quem pegou.

- E quem foi?

- Eu. - Diz simplesmente enquanto boceja, e então um frio na barriga toma conta da garota, e ela mal tem tempo de responder, pois escuta a voz do pai logo atrás de si.

- Não me contou que tinha uma peça de teatro na escola. - Ela salta do sofá o encarando incrédula, Naruto ri, e Sasuke parece irritado, com os braços cruzados.

- O que raios estava fazendo atrás de nós, pai? Escutando a conversa? Coisa horrorosa.

- Calhou de eu ouvir. - Diz com indiferença, e depois lança um olhar mortal para Yoshiro, que embora ache graça da situação, não parece incomodado. - E então?

- É uma peça, e eu tinha feito teste, mas não contava que passaria.

- Romeu e Julieta, hein? Cena de beijo… - Naruto diz sugestivo dando batidinhas no ombro de Sasuke, arrancando um olhar de reprovação do amigo. - Não seja velho, Sasuke. Com quinze você fazia pior.

- Eu sinceramente desisto de vocês... - Sarada bufa dando as costas. - Parecem duas velhas fofoqueiras escutando a conversa. - Ela deixa a sala, deixando os três a sós.

- Não sabia que gostava de teatro, Yoshiro.

- Sempre gostei, tio. - Ele se levanta também, e olha para Sasuke. Sabe que seus pais nunca se deram bem, porque Neji nunca deixou de falar aos quatro cantos de sua casa, o quanto detestava o homem. Mas isso não importa para o garoto, pois ele não é do tipo que julga antes de conhecer. - Onde fica o banheiro, senhor Uchiha?

- Terceira porta a esquerda. - Responde o moreno, com um vinco enorme entre as sobrancelhas, e quando o garoto deixa a sala, ele encara o amigo, que ainda ri. - Isso não tem graça, Uzumaki. Não gosto disso.

- Deixe de ser ciumento, não tem razão para isso, Yoshiro é um bom garoto. Ele tem o jeito do pai, mas não herdou aquela arrogância toda, e digo isso porque o conheço. - Por mais que as palavras do amigo o deixem menos pilhado, Sasuke ainda não gosta da ideia e isso o deixa atento em relação aos dois.

Pelo resto da tarde, Sarada e Yoshiro não se falam mais, e durante o almoço trocam olhares desconfiados, que não passam despercebidos aos olhos do pai da garota, mas ela também não faz muita questão de disfarçar. Aproveita o tempo que resta para conversar com Himawari em seu quarto, enquanto seus pais bebem vinho, e falam pelos cotovelos na sala. O jovem Hyuuga não parece incomodado com a conversa dos maiores, na verdade parece estar em um mundo totalmente aleatório, com seus fones de ouvido, enquanto mexe no celular. Antes de partirem, a garota desce mais uma vez para se despedir deles, e ambos se cumprimentam com um aperto de mãos breve.

É difícil para Sarada acreditar que não só conseguiu o papel de Julieta, como vai ter que interpretá-lo ao lado de Yoshiro, e isso com certeza merece uma ligação. Por isso, antes de dormir ela pega o celular, e disca o número do primo, torcendo para que o mesmo esteja acordado jogando videogame, como de costume. Encolhida em sua cama, escuta o telefone chamar algumas vezes, antes de ouvir a voz irritada de Hizoka do outro lado da linha.

- É bom ter uma boa explicação para atrapalhar o meu momento de lazer. - Diz com a voz arrastada.

- Não queria atrapalhar seu jogo, mas...

- Quem disse que eu estava jogando? - sua voz é sugestiva demais, e isso faz a garota revirar os olhos encenando uma ânsia.

- Poupe-me dos detalhes sujos, seu pervertido. - Hizoka ri do outro lado da linha.

- Mas fala logo, o que houve?

- Consegui o papel de Julieta na peça.

- O QUÊ?! - ela escuta quando o garoto deixa algo cair no chão, e arregala os olhos assustada com o grito repentino. - Está me dizendo que vai interpretar a protagonista de um dos romances mais trágicos da história, na frente de todo mundo daquele colégio?

- Eu sei, isso é loucura. - Se joga na cama bufando com frustração. - Não sei o que eu faço, Hizoka. Pior que isso, é que o Yoshiro pegou o papel de Romeu. Dá para acreditar na minha falta de sorte? - o primo gargalha alto, e demora até que pare de rir.

- Não estou acreditando nisso… - ri mais. - Bom, pelo menos não é o Josh, né? Seria nojento. Mas você e o Hyuuga estão no início de uma amizade, embora eu ainda tenha um pé atrás com ele, vejo bem como olha para você.

- Do que está falando? - Sarada franze a testa, e embora pergunte, sabe bem onde o primo quer chegar.

- Ele está afim de você, deixa de se fazer de sonsa, Sarada, está na cara.

- É… - da um longo suspiro. - Detesto pensar nisso e falar sobre isso, mas você é meu melhor amigo e que se dane. Foi exatamente por isso que te liguei, sabe? Tem uma cena de beijo no roteiro.

- Sério? - o tom do garoto muda, está surpreso, mas não dá o braço a torcer. - Pelo menos vai perder o BV.

- Não tem graça nenhuma, Hizoka.

- Relaxa, priminha, vai ser normal. Você já tem quase dezesseis anos. Sua boca vai encostar na boca dele, e o resto você faz. - Um silêncio estranho se instala, mas logo o Hatake volta a falar. - Gosta desse garoto?

- O quê?! Não, Hizoka… eu só… - Sarada fecha os olhos e soca o colchão fazendo uma careta. - Só me sinto estranha perto dele, intimidada sabe? Não é qualquer pessoa que me deixa assim.

- Então pelo menos se sente atraída por ele, e nem tente negar. - O primo a conhece tão bem, que a garota arriscaria dizer que ele sabe mais sobre ela, do que ela mesma sabe. - Deixa as coisas fluírem, não fica pensando nisso. Logo começam os ensaios, e aí você não vai ter como fugir.

- Tem razão… - resmunga. - E você, está bem?

- Sim, eu passei o dia todo conversando com a Chocho, vamos ao cinema amanhã. Quer ir?

- E ficar de vela? Tô fora!

- Ué, chama o Yoshi…

- Vou dormir, obrigada pela atenção, boa noite Hizoka, beijo, beijo. - Dizendo isso desliga, e respira fundo. Ela observa a tela do celular por alguns instantes, na esperança tola de receber uma mensagem, mas logo se recrimina por estar pensando assim, então logo o coloca sobre a cômoda, e se obriga a pegar no sono.

Quando Sarada acorda na manhã seguinte, seu coração dispara e não tem como negar que fica eufórica com a mensagem que recebeu de madrugada.

Yoshiro: Eu não devia ficar esperando pelo boa noite, pq ele nunca vem… msm assim, espero que e tenha bons sonhos

Ela sorri, e estica o corpo, antes de responder.

Sarada: Bom diaaa … espero que o excesso de a's conte como empolgação, e compense ter te dado um vácuo kkkk

Espera pela resposta, que chega minutos depois.

Yoshiro: Perdoada 🤔


[...]


Segunda feira chega rápido, e após as aulas, Sarada se reúne com o restante do elenco no auditório, para que os alunos possam ensaiar a peça. Após uma longa conversa, onde explicaram como tudo ocorrerá, a garota está sentada no canto do palco decorando suas falas, muito concentrada, enquanto o restante caminha pelo palco, fazendo exercícios sugeridos pela professora de teatro, que auxilia no que pode. Embora mantenha a pose de garota revoltada, Sarada é fã de romances clichês e histórias de amor épicas, por isso fica tão fascinada com o roteiro em mãos. Lê e relê, e está repassando as falas para si mesma, quando sente a presença ao seu lado, e o cheiro marcante do perfume amadeirado, que mesmo não entendendo a razão, ela sabe que reconheceria em qualquer lugar. Se atrevendo a olhar, dá de cara com um Yoshiro curioso, lhe encarando. O garoto está muito atrasado, e provavelmente isso se dá ao fato de que estava enrolando nos corredores.

- Não acha que é um pouco tarde para aparecer? - ajeita o óculos no rosto, e o moreno sorri.

- Eu tive meus motivos, estava em uma constante briga com o meu eu interior, a respeito de teorias de conspiração. Nada além de dramas de um jovem lunático… - Sarada revira os olhos.

- Ridículo. - Ela volta a encarar a folha, mas sente o olhar do garoto sobre si. - Vai ficar me olhando assim, ou vai fazer alguma coisa que preste?

- Eu gosto de te ver concentrada, mas você tem razão, eu preciso fazer algo. Vamos ensaiar juntos? - ela morde o lábio inferior nervosa, mas da de ombros.

- Como quiser.

No início ela se sente nervosa e até um pouco envergonhada, mas Yoshiro acha graça sempre que vê a garota corar com um diálogo mais romântico entre seus personagens. Ele gosta da companhia de Sarada, e do jeito direto dela, gosta de pessoas sinceras e a garota é exatamente esse tipo de pessoa, pois nunca precisou forçar simpatia para agradar ninguém. A Uchiha é o que é, e isso o agrada. Não demora até que ambos peguem o jeito, e de repente já estão ensaiando com toda emoção que as personagens devem passar.

- 'Que silêncio, que luz brilha através daquela janela? Surge claro sol, e mata de inveja a lua, vento que tu, tua serva, és mais linda que ela!' - Diz o rapaz olhando para o lado, concentrado em entrar no personagem. Sarada o observa por alguns intantes com a boca entreaberta. Ele parece ainda mais bonito quando faz isso, e se antes ela tinha dúvidas sobre o Hyuuga servir para o papel de Romeu, agora suas dúvidas foram ao chão.

- 'Ai de mim, Romeu' - Ela fala logo na sequência, mudando a entonação da voz, para que fique mais dramática.

- 'Oh, fala outra vez, anjo de luz, pois é assim que eu te vejo. És o mensageiro alado dos céu.'

- 'Oh, Romeu, Romeu! Por que tu és, Romeu? Nega teu pai, rejeita teu nome por mim. Ou então, jura teu amor por mim, e não serei mais uma Capuleto'

- 'Continuarei a ouví-la, ou falo com ela agora?' - Pergunta para si mesmo, mudando a expressão séria para pura indecisão.

- 'Somente teu nome é inimigo. Como desejo que tivesse outro nome. Renega teu nome odiado que não faz parte de ti, e me terás inteira.' - Nesse momento o garoto desvia o olhar para encará-la, e por alguns segundos sai do personagem. Ela lhe olha com expectativa, e seus par de ônix atentos, é a coisa mais linda que ele já vira na vida toda. Gostaria de dizer a ela.

- 'Então me chama somente de amor, e serei de novo batizado'. - Parece que todo o resto não existe mais, o coração de Sarada dispara com a proximidade do rapaz, e quando o vê se inclinando lentamente em sua direção, todo o seu corpo entra em estado de alerta. Não quer que seja assim. Por isso quebra o clima.

- Já é o suficiente, Yoshiro, vamos ensaiar com o restante do pessoal. - Ele recua, e coça a cabeça respirando fundo.

- Vamos lá.


[…]

Dois meses se passam, até que chega o dia da peça. Sasuke aguarda impaciente a esposa terminar de se arrumar, e caminha de um lado a outro da sala, com as mãos nos bolsos da calça social. Sakura insistiu para que ele usasse pelo menos a calça e a camisa, já que é um evento cultural na escola da filha. O homem já está prestes a apressá-la de novo, quando escuta o tilintar dos saltos contra o piso, e olhando para a escada não evita de abrir um sorriso. Sakura está linda, como sempre. Usa um vestido midi, preto e rodado, com scarpins da mesma cor, e um coque de lado. A maquiagem é a mais simplória possível, a mulher nunca precisou se esforçar para ficar bonita, ele sabe disso.

- Eu ia reclamar porque demorou… - diz assim que ela para diante dele, lhe dando um selinho. - Mas está tão linda, que tirou o meu foco.

- Nenhuma espera é atoa, meu amor. Agora vamos lá, é a primeira peça da nossa filhota e não quero perder por nada. - A Uchiha está animada, porque Sarada nunca gostou de participar de nada que envolvesse a escola e os colegas, e quando fazia era por por pura obrigação. Mas nos últimos meses tem estado tão empolgada com a tal peça, que ficou evidente para os pais que isso é importante para ela.

- Que Deus me ajude... - Sasuke resmunga se lembrando de quem será o par romântico da filha, enquanto acompanha a esposa para fora de casa.

Enquanto isso, Neji dirige rumo a escola, ao lado da esposa. Ele não parece muito contente, ao contrário da morena que canta animada uma música que toca na rádio, batendo os pés sobre o carpete do carro, no ritmo.

- Por que raios o Yoshiro tem que se meter com teatro? Eu nem sabia que ele gostava dessas coisas, Tenten. Desde quando ele gosta? - a morena revira os olhos diante das reclamações do marido.

- Ora, seu idiota, ele sempre gostou, não só de romances clássicos, como de musicais, óperas e peças de teatro. Tem uma coleção de livros no quarto dele, e isso é algo que você saberia se não estivesse tão ocupado o ensinando a lutar.

- Uma grande bobagem isso sim. - Boceja entediado parando no farol. - Da para acreditar que vai atuar com aquela garota Uchiha?

- Devia parar de implicar com ela, amor. Afinal, a Sarada é um doce, e ela admira muito você. Vejo a forma como presta atenção em suas aulas, as vezes eu espio do escritório. - O homem ri pelo nariz.

- Aposto que está planejando a minha morte, junto com aquele pai dela. - Neji recebe um peteleco de Tenten.

- Deixa de ser babaca, parece um adolescente falando.

- Tudo bem, não está mais aqui quem comentou.

Na escola, Naruto e Hinata acabam de chegar com Himawari e Boruto, e se sentam na mesma fileira que Kakashi, Itachi e Hizoka. Todos se cumprimentam e Naruto troca algumas palavras com Itachi, enquanto Hinata se empenha em procurar Tenten e Neji na platéia, porém eles ainda não chegaram.

- Ei, Boruto… - a pequena Uzumaki cutuca o irmão, que a encara entediado com uma sobrancelha arqueada. - Você não disse que ia trazer o Shikadai?

- Ele não pode vir, Hima… - estreita os olhos a fitando com certa desconfiança. - Por que quer saber do Nara? Por acaso queria vê-lo hoje?

- Foi só curiosidade, cuida da sua vida, idiota. - Cruza os braços emburrada, e se ajeita na cadeira.

Enquanto isso, Sakura e Sasuke acabam de chegar na escola, assim como Neji e Tenten, e para o desagrado tanto do Uchiha quanto do Hyuuga, eles se encontram no portão de entrada. As esposas se cumprimentam animadas, e tratam de se abraçar, enquanto os maridos fingem que não se conhecem.

- Da para acreditar que nossos bebês já tem quase dezesseis anos, Sakura? - pergunta a mulher enquanto caminham lado a lado pelo corredor.

- Nem me fale, parece que foi ontem que eles estavam brincando juntos no parque lá perto de casa. - A Uchiha ri saudosa. - Passa tão rápido.

- Demais, estamos ficamos velhas.

Ambas seguem conversando, ignorando o silêncio dos maridos que vão bem atrás, e permanecem assim até o auditório, onde se sentam em fileiras distintas.

No camarim, Sarada termina de se arrumar, passa o que falta da maquiagem e logo depois se fita no espelho. Usa um vestido de época rose, comprido e de tecido leve e esvoaçante, mangas bufantes, e decote redondo. O cabelo está preso em uma trança de lado embutida, com uma delicada tiara enfeitando, e precisou abrir mão dos óculos. Não se reconhece. O batom rosa acentuado, deixa os seus lábios maiores do que já são, e o blush deu vida ao seu rosto pálido. Parece uma princesa, se sente bonita com isso, e sorri satisfeita diante dos cochichos e olhares surpresos das outras meninas.

Faltam poucos minutos para entrar em cena, até que escuta batidas na porta, e como as outras parecem estar ocupadas demais falando sobre seus papéis, ela mesma se precipita para abrir. Não fica nada surpresa ao dar de cara com Hizoka, que ao vê-la ergue as sobrancelhas, e arregala os olhos azuis com espanto.

- Eu vim aqui falar com a minha prima Sarada, mas mudei de ideia, gatinha. É com você que eu quero falar. - Diz irônico coçando o queixo enquanto avalia a garota dos pés a cebeça.

- Nossa estou tão irreconhecível assim? Obrigada pela parte que me toca. - Ela sai do camarim, voltando a fechar a porta atrás de si e começa a caminhar com o primo pelo corredor. Pessoas passam segurando figurinos, ou falando alto, com o roteiro em mãos. - Estão todos aí?

- Sim, o tio Sasuke parece que vai parir uma criança, da para ver nitidamente no rosto dele o quanto está desconfortável. - Ambos gargalham, e Sarada imagina como o pai esteja se sentindo. - O pai do Hyuuga também está aí.

- A cada dia que passa, eu tenho a impressão de que o Neji sensei não vai muito com a minha cara. - Tem uma nota de decepção em sua voz. Ela odeia o fato de ser vista com maus olhos pelo professor, apenas por ser filha de quem é. Mesmo ele nunca tendo dito isso.

- Uma Uchiha, se apaixonando por um Hyuuga. A vida imita a arte, irônico, não? Será que o final dessa história vai ser trágico como o da jovem Capuleto e do jovem Montecchio?

- Não fica falando merda, Hizoka, eu não estou apaixonada pelo Yoshiro, e nem ele por mim. - Cruza os braços, caminhando a passos lentos, e o primo lhe lança um olhar sugestivo.

- Como pode ter tanta certeza assim?

- Bom… eu…

- Como foi beijar a boca do Hyuuga pela primeira vez nos ensaios? - a garota cora, e sente uma fisgada no estômago ao se lembrar do que vai acontecer em breve.

- Não nos beijamos ainda, ensaiamos a cena do beijo, sem o beijo. A professora disse que não era necessário ensaiar o beijo se não quiséssemos, desde que fizéssemos parecer real na peça. - Hizoka sorri cínico se virando para encarar a prima.

- Então eu verei ao vivo e a cores, seu primeiro beijo? Mal posso esperar por isso.

- Ai garoto! Some daqui! Vai, que eu logo vou entrar em cena. - Dizendo isso o empurra em direção a saída, e o primo pisca mandando um beijo, antes de sumir corredor. Sarada fecha os olhos e respira fundo para relaxar, mas logo é surpreendida por um toque suave em seu ombro.

- Está perdida, Julieta? - seu baixo ventre esfria, quando escuta a voz, e se vira para olhar. Com o figurino de época, Yoshiro está lindo, parece um príncipe, e isso a faz viajar por breves instantes.

- Não devia estar aqui, pode ser morto por um Capuleto, Romeu. - Brinca e ele sorri.

- Você é uma Capuleto, me mataria? - a garota coça o queixo estreitando os olhos, parecendo pensar.

- Talvez sim.

- Eu morreria feliz, se a última coisa que eu visse fosse você desse jeito. Está linda, Sarada. Eu diria que a Julieta não teria nem chances diante de você. - Ela engole em seco, respirando com cautela, e sente o corpo estremecer quando o Hyuuga lhe toca a face com o polegar.

- Hoje somos a mesma pessoa, Julieta não tem com o que se preocupar. - Ele faz mensão a dizer mais alguma coisa, contudo é tarde, a professora acaba de aparece feito um furacão no corredor.

- Ei! O que vocês dois fazem aqui? Já vamos entrar em cena, venham logo. - Segura um em cada braço e os sai puxando corredor a fora.

Quando a sessão começa, Sakura falta se derreter toda ao ver a filha atuando tão bem, nem ao menos parece a mesma garota séria e reservada. Sasuke também fica surpreso e coça o queixo, prestando atenção em cada detalhe. Não é diferente com Neji, que está acostumado a ver Yoshiro sempre avulso, com fones no ouvido e disperso de tudo, exceto quando está com a mãe, pois ambos parcem até melhores amigos. Todos gostam muito da peça, e não tem quem consiga desviar os olhos da atuação. Contudo, as coisas começam a ficar realmente interessantes, quando finalmente começa a cena dos protagonistas juntos. Estão em uma festa, e Julieta conversa com Romeu.

- 'Se minha mão profana o relicário em remissão aceito a penitência.' - Diz o garoto, tomando as mãos da Uchiha junto as suas, enquanto lhe encara no fundo dos olhos. - 'Meu lábio, peregrino solitário, demonstrará, com sobra, reverência.'

- 'Ofendeis vossa mão, bom peregrino, que se mostrou devota e reverente.' - Suas mãos se erguem juntas, palma com palma, e Sarada sorri, de forma pura e verdadeira. - 'Nas mãos dos santos pega o paladino. Esse é o beijo mais santo e conveniente.'

- 'Os santos e os devotos não têm boca?' - Indaga ele.

- 'Sim, peregrino, mas só para orações.' - Sarada sente um frio na barriga, e o coração acelerar, sabe que está perto demais, e por um momento se arrepende por não ter ensaiado essa parte antes.

- 'Que os lábios façam o mesmo que as mãos, então, ó santa! Que orem, e encontrem o caminho do seu coração.' - Se aproxima, mas seguindo o roteiro, ela da um passo para trás.

- 'Sem se mexer, o santo atende as orações.' - Sarada estremece com a aproximação de Yoshiro.

- 'Então fica quietinha: eis o devoto.' - Com as mãos ainda unidas, seus dedos se entrelaçam aos dela. Com a outra mão acaricia o a face corada da Uchiha, e lentamente aproxima os lábios dos dela, os selando em um beijo calmo. Sarada fecha os olhos, sentindo uma onda de eletricidade percorrer o seu corpo, conforme a boca macia do Hyuuga se apossa da sua. Yoshiro em seus pensamentos, mal consegue acreditar que realmente está beijando a garota que vem roubando seus sonhos por tanto tempo. Da platéia, Sasuke fecha a expressão e se remexe na cadeira, e observando a agonia do marido, Sakura segura sua mão. Neji revira os olhos, olhando para o Uchiha na fileira de trás com um sorrisinho debochado, e Tenten o cutuca chamando sua atenção. - 'Em tua boca me limpo dos pecados.' - Diz o rapaz, assim que se separam alguns centímetros.

- 'Que passaram, assim, para meus lábios.'

- 'Pecados meus? Oh! Eu os quero de volta. Devolva-me os meus pecados.' - Ele a beija novamente, e ninguém, além da própria Sarada e a professora, estranha o fato de que não havia um segundo beijo no roteiro, pois o correto seria Aiko no papel de ama entrar e interromper, mas a questão é que dessa vez não estão encenando. Sarada e Yoshiro deixam por breves momentos os seus papéis, e se entregam ao que tem sentido nas últimas semanas, pelo menos até voltarem a suas realidades e darem continuidade, com uma Aiko totalmente confusa ao interromper o segundo beijo.

Assim que a peça chega ao final, Sarada retorna ao camarim para se trocar o mais rápido que consegue. Não compreende aquele segundo beijo, e também não quer ver o Yoshiro para perguntar. Encontra a família, e ignora o fato de que o pai está mais calado que o normal, pois em meio aos abraços e "parabéns" dos tios, primos e da mãe, mais o nervosismo, isso pouco importa. Nem mesmo as piadinhas de Hizoka conseguem fazer a garota desviar-se de seu foco. Tudo a leva até Yoshiro, e por nunca ter sentido nada igual, sente medo dessa sensação nova e esquisita. Está tão apavorada, que estremece quando horas mais tarde, o celular vibra notificando mensagem.

Yoshiro: Não te vi dps da peça, mas queria parabenizar, foi uma bela atuação ♡

Enquanto assiste um filme com os pais na sala, a garota fita a tela do celular por um bom tempo, se perguntando o que deve responder, ou se deve responder.

- Está tudo bem, Sarada? - a voz de Sasuke a tira de seu transe, e quando ela ergue o olhar, ele lhe encara desconfiado.

- Sim, pai. - Força um sorriso, depois digita rápido a resposta para o Hyuuga.

Sarada: Valeu, vc tbm mandou bem ^^

Desliga os dados, para que não precise mais ficar nervosa com novas mensagens, e volta sua atenção ao filme, por mais que não esteja absorvendo nada da história, e nem ao menos com o pensamento nela.


[…]

Duas semanas se passam, e Sarada Uchiha foge de Yoshiro Hyuuga como o diabo foge da cruz. Ela o evita nas aulas, na academia, e por mensagens, sempre dando desculpas de que não pode falar ou está cansada demais para tal. Contudo, por mais que tente evitar, passa a maior parte de seu tempo pensando nele, e a isso a tem agoniado profundamente. Suspeita que o garoto vem nutrindo sentimentos por ela, e teme que também esteja nutrindo por ele. Sabe que seus pais não se suportam, e odeia que seja tão covarde ao ponto de não conseguir ser sincera com o Hyuuga.

É sexta a noite, e a garota pica tomates sobre a pia para fazer uma salada. Ela fecha os olhos e consegue se lembrar daquele dia, e daquele bendido beijo. Viu o Hyuuga mais cedo no treino, porém mais uma vez o ignorou. Lembra-se bem da cara de decepção do garoto, quando a mesma entrou no carro, assim que o viu sair da academia. Era notório que queria falar com ela, mas Sarada simplesmente não conseguiu enfrentá-lo. Geralmente a Uchiha não é de chorar, mas se sente mal com isso, e não consegue controlar quando as lágrimas enchem seus olhos. As mãos que antes picavam o tomate habilmente, agora tremem, enquanto a garota chora. Seu corpo todo tremula entre os soluços, e ela nem percebe quando o pai entra na cozinha. Ao ver o estado da filha, Sasuke se assusta, pois nunca a viu desse jeito. Contudo, já sabe do que se trata, e por isso se aproxima dela, segurando seus ombros e a fazendo virar para encará-lo.

- Ei, Sarada, olhe para mim. - Ele fita o rosto da filha, banhado em pranto, e seu coração aperta. - Está assim por causa daquele garoto, não é?

- Ele não fez nada, pai, eu juro que não fez. - Arregala os olhos assustada, mas logo volta a chorar. - Acho que quem fez fui eu.

- Eu sei disso.

- C-como? - sua voz vacila.

- Vi a forma como se olharam hoje mais cedo, acho que o Hyuuga queria te dizer algo, estou errado? - Ela nega com a cabeça. - Gosta dele, filha? - questiona, ainda segurando os ombros da garota, e ela se encolhe um pouco. - Não precisa mentir para o seu pai, somos amigos afinal.

- Eu não sei, pai. Acho que sim. - Encara o chão, sem coragem de encarar o próprio Sasuke, e suas lágrimas pingam no piso da cozinha. - Mas eu sei que não devia, você e o Neji sensei se odeiam.

- Olha, Sarada, talvez eu me arrepende disso, mas… - ele hesita por um momento, fechando os olhos e pensando bem, mas logo volta a abrí-los. - Se gosta dele, e ele também gosta de você, eu não tenho razão para me opor. - Sarada mais uma vez olha para o pai, agora chocada, e ele aproveita para secar suas lágrimas com os polegares. - Meu passado já afetou sua vida o suficiente, não quero ser o motivo da sua infelicidade. Conversa com o garoto.

- Está falando sério, pai?

- Sim. - Puxa a filha para um abraço que ela retribui calorosamente, no mesmo instante em que a campainha toca. - Deve ser a sua mãe.

- Ela sempre esquece as chaves, não é? - a garota se afasta do pai, termina de secar o rosto, ainda vermelho por conta do choro, e vai atender a porta. Quase tem um infarto quando dá de cara com Yoshiro. Ele usa uma conjunto de moletom cinza, e tem as mãos nos bolsos da blusa. Parece triste, e ao mesmo tempo ansioso. Os ombros caídos e o coque frouxo, o dão um aspecto desleixado.

- Por favor, não bate a porta na minha cara e nem inventa uma desculpa para não falar comigo, Sarada. - A garota sorri sem graça.

- Eu não vou. - Nesse momento, Sasuke aparece atrás dela.

- Boa noite, senhor Uchiha. Será que eu posso dar uma volta com a Sarada? - com a expressão de uma pedra e os braços cruzados, o homem da de ombros.

- Se ela quiser.

- Eu vou, papai.

- Não demore a voltar.


Os dois não dizem nada, enquanto caminham pela rua quase deserta da casa do quarteirão de Sarada, que estaria vazia, não fosse por eles e por dois senhores fazendo sua caminhada noturna. A brisa leve faz os cabelos da garota esvoaçarem, e apesar da falta de diálogo, ela se sente confortável. Em certo ponto, Yoshiro pega o celular, com os fones e oferece um a ela, colocando o outro, como a alguns anos atrás na academia. A Uchiha aceita, e ambos dão as mãos, enquanto passeiam, ouvindo Creep.


Quando você esteve aqui

Não conseguia te olhar nos olhos

Você é como um anjo

Sua pele me faz chorar


Você flutua como uma pena

Em um mundo tão belo

Eu queria ser especial

Você é especial pra caralho


Mas eu sou insignificante

Eu sou um esquisitão

Que diabos estou fazendo aqui?

Eu não pertenço a este lugar


A mão dele é grande, e praticamente cobre a sua, mas é confortável, e ela gosta da sensação quente, do contato com a pele. O mesmo acontece com o Hyuuga, que nem ao menos cogita a hipótese de soltá-la por um único segundo. Ambos seguem seu caminho, chutando pedrinhas, enquanto Yoshiro a conduz para um lugar que ela nem sabe onde é, mas já imagina que vai gostar.


Eu não ligo se isso machuca

Eu quero ter o controle

Eu quero um corpo perfeito

Eu quero uma alma perfeita


Eu quero que você perceba

Quando eu não estiver por perto

Que você é especial pra caralho

Eu queria ser especial


Mas eu sou insignificante

Eu sou um esquisitão

Que diabos estou fazendo aqui?

Eu não pertenço a este lugar


Quando chegam em uma rua a três quadras da casa de Sarada, eles param, bem em frente a uma árvore grande em um parque. Tem uma construção de madeira nela, uma enorme casa na árvore.

- É aqui que eu gostaria de te trazer. - Ele diz retirando os fones, e indica a escada. - Damas primeiro. - Ela arqueia uma sobrancelha, e sobe na sequência, com o Hyuuga em seu encalço.

O lugar é do tamanho de um quarto, e cabe uma pessoa em pé com facilidade. Não tem luz, mas algumas lanternas estão penduradas no teto, iluminando parcialmente. Troncos passam por dentro dela, mostrando que quem construiu teve todo o cuidado para não devastar nada. Tem dois puffs, uma mesinha ao canto com cadeira, e alguns livros, além de lençóis e cobertores no chão.

- Caraca, é incrível, eu adoro casas em árvores. - Sarada diz olhando ao redor. Seus olhos brilham, e tem um sorriso em seu rosto. - É sua?

- Sim, meu pai construiu para mim a alguns anos atrás, e desde então se tornou meu lugar preferido. Passo mais tempo aqui do que em meu próprio quarto.

- Sua casa fica do outro lado da rua, não é? - Yoshiro concorda com a cabeça. - Por que me trouxe aqui?

- Porque esse é o lugar mais especial do mundo para mim, Sarada, e nunca trouxe ninguém aqui antes. - Ela morde o lábio inferior, e se sente mais culpada ainda. - Queria trazer alguém especial, e bem… você é muito.

- Me desculpa, eu tenho evitado você, não devia fazer isso. - Ele se aproxima, ficando a centímetros dela. Mesmo nervosa, a morena respira fundo e continua falando. - Não quero que pense que o problema é você… - coloca uma mecha de cabelo atrás da orelha. - Eu só fiquei com medo, depois daquele beijo extra na peça.

- Não queria te assustar, meu anjo… - acaricia o rosto dela, e ela arrepia ao ser tocada, e chamada de um jeito tão carinhoso. - É que eu realmente não resisti, seus lábios são tão tentadores... - diz isso olhando fixamente para eles. - E seus olhos me prendem como se eu fosse um maldito ladrão.

- Você… - ela precisa criar coragem para o que está prestes a prestes a perguntar, e por isso puxa o ar algumas vezes, antes de prosseguir. - Você sente alguma coisa por mim?

- Estou completamente apaixonado por você, Sarada. - Responde sem hesitar, e Sarada fica eufórica, tanto que praticamente consegue ouvir suas próprias batidas descompassadas. Suas mãos tremem, e a respiração falha. - Não é recente, sabe? Acho que isso aconteceu bem antes de nos tornarmos amigos… - ele da de ombros. - Eu só queria a chance de te explicar tudo.

- Eu fui uma idiota, mas isso não é novidade. - Sarada sorri. - Desculpa mesmo por ter fugido de você.

- Tudo bem, eu fui inconveniente, deveria ter me tocado que você não estava afim e… - a garota não espera que ele termine de falar, apenas fica na ponta dos pés e segurando seu rosto com as duas mão, o beija com toda a vontade que reprimiu nas últimas semanas.

Yoshiro corresponde na mesma intensidade, envolvendo o corpo muito menor que o seu, com os dois braços, enquanto se entrega a ela. Suas línguas se enroscam, e o gosto doce do beijo de Sarada o faz perder a razão. Precisa tocá-la, precisa abraçá-la e não deixá-la ir nunca mais, porque de alguma maneira imagina que ambos foram feitos para ficar juntos. Quando finalmente se separam em busca de ar, ela sorri, se aconchegando no abraço dele, enquanto ele acaricia seus fios longos e sedosos, sentindo o cheiro de seus cabelos.

- Não foi inconveniente, Yoshiro. Eu também estou apaixonada… - dizer isso em voz alta é libertador. - Mas que droga, justo por você?

- Lide com isso, Uchiha. - Ele a encara estreitando os olhos, e ela arqueia uma sobrancelha, debochada. - Se essa porra toda for um sonho, por favor, peço que não me acorde.

- Não é um sonho. - Da mais um selinho em seus lábios, e passa a fitar as orbes peroladas do Hyuuga, com carinho. - Estamos aqui, nesse lugar, e acabamos nos declarar de um jeito bem esquisito.

- Então a menina mais linda que eu conheço, realmente é minha namorada? - Sarada arregala os olhos.

- Namorada? Você não disse nada de namoro e… - ele a puxa para mais um beijo, e de repente nada disso importa. Ambos ficam ali aproveitando o tempo juntos, agora que não tem mais o que temer. Se é namoro ou não, o fato é que estão felizes e assim pretendem ficar, sem se importar com mais nada.


Seja lá o que te faz feliz

Seja lá o que você deseje

Você é especial pra caralho

Eu queria ser especial


Notas Finais


Vamos aos links

Música: https://youtu.be/kgf2hCZQHBg

Casa na árvore (modelo): https://pin.it/ffpyslnoemzzpp

A cena do beijo de Romeu e Julieta eu me inspirei nesse vídeo aqui: https://youtu.be/l-reM6aaaiI

Vimos que o Sasuke embora tenha ficado com ciúmes, deixou o orgulho de lado pela felicidade da filha né hahaha... o que o futuro reserva pra esse namoro? cap que vem teremos um pouquinho de drama ... me digam o que acharam 💋💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...