História BigBang - Seungri (REVISÃO) - Capítulo 92


Escrita por:

Postado
Categorias 2NE1, Big Bang, Blackpink, GRAY, IKON, Jay Park, Kara, Minzy, Simon D., WINNER
Personagens D-Lite (Daesung), G-Dragon, Hara, Hyuk, Jinwoo, Minzy, Personagens Originais, Seungri, T.O.P, Taeyang, Zelo
Tags Baby, Bigbang, Daesung, Drama Familiar, Estrageira, Hana, Jiyong, Seungri Oppa, Top, Youngbae
Visualizações 44
Palavras 1.356
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que o capítulo anterior tenha deixado vcs satisfeitas. Pq as coisas podem mudar de agora em diante ....

Boa leitura.

Capítulo 92 - Falando demais


Fanfic / Fanfiction BigBang - Seungri (REVISÃO) - Capítulo 92 - Falando demais

POV Seungri


Deixei a mocinha dormindo depois de um longo banho com água quente e duas rodas de sexo, só depois enquanto ela se ensaboava olhei as marcas na perna, bumbum e pescoço. - Só de imaginar isso me faz rir, até porque eu não fico atrás com o estrago que ela fez na minha costa, peito e pescoço. - Os meninos estavam curiosos com a caixa que estava sobre o tapete, onde até a Cookie cheirava frequentemente.

Passei por eles indo até a cozinha procurar alguma fruta para comer. - Esperava ver minha sogra, porém a sobrinha dela estava no local preprando o almoço:

- Bom dia?! - ela se assutou e sorriu respondendo de volta. - Cadê a sua tia?

- Está molhando as plantas do terraço.

Agradeci e fui onde ela, "S/N" não irá acordar por agora e eu precisava sair para comprar algumas coisas e também saber o que poderia ser comprado:

- Bom dia Ommoni?! - ela me olhou e abriu o sorriso.

- Bom dia. Acordou agora? - neguei a ela rindo fechado.

- Não. Os meninos até que acordaram cedo. O problema foi a "S/N". Que não me deixava sair da cama. - não iria dizer o real motivo, até porque não era necessário. 

- Certo... Ela trouxe uma caixa com ela, os meninos estão loucos para abrir, não abri ainda por falta de tempo. - ela me analizou por breve segundo. - Iria me perguntar algo?

- Sim. - comecei a pensar um pouco para formular a frase em português. - Onde tem farmácia?

- Na avenida tem várias. - ela foi no registro fechar a torneira e veio até mim. - O que vai comprar?

- Remédio para cólica. - ela ficou surpresa, mas tive que explicar depois. - Quando a "S/N" fica muito sonoleta é um sinal de que em breve ela estará naqueles dias. E ela fica bem estressada e mandona.

- Nem me diga. Ela ainda sente dor? - fui acompanhando ela até o portão.

- Acho que sim. - tive que usar um boné e o óculos escuro por causa do sol.

- Segue a esquerda. Tem duas atravessando a avenida e quatro do lado direito.

Agradeci e segui descendo a rua, minha sogra avisou sobre os perigos, porém aqueles horário a rua estava movimentada e avenidade cheia de carros e os ônibus que passavam. - Fui na primeira que vi, comprei algumas vitaminas, frauda descartáveis para Anyhee e o remédio de cólica.- Uma coisa que lembra bem deste país. É a compra dos medicamentos sem a receita médica.




POV "S/N"


Acordei e fui tomar um banho, meu corpo estava quente e o sol parecia escaldar alguém dentro do quarto. - Optei por um short jeans e uma camisetinha de malha fria bem folgada o que deixava meu sutiã de renda amostra pela lateral. Calei minhas chinelas e prendi meu cabelo em um coque, hoje realmente o dia parece bem quente:

- Mãe! - chamei por ela quando cheguei a sala e vejo meus bebês. - Hey minha bolinha. - abracei Anyhee fazendo cócegas na barriga decoberta da pequena. - Cadê Eunji?

Anyher sorria mostrando as covas e apontava para direção da cozinha. - Chamei pelo pequeno rapaz o que não demorou para vir:

- Omma! - senti o mesmo pular sobre minha costa e me segurat pelo pescoço. - Trouxe meu jogo?

- Trouxe guri. - coloquei Hee no sofá e dei cosquinha na barriga do moleque. - Cadê seu pai?

- Não sei... - ele tentava responder em meios aos risos. - hajimma omma. - arranquei um beijo dele, fazendo-o rir atoa.

- Cadê sua avó?!

- Na cozinha com a tia Micaela. - dei outro beijo no pescoço dele e fui na cozinha.

- Bom dia... Ou boa tarde. - falei olhando a mesa arrumada para o almoço. - Que horas são?

- Quase meio-dia. - Micaela respondeu colocando os pratos na mesa. - Seungri foi na farmácia.

- Já iria perguntar isso. - sorri fechado indo até a geladeira beber água.-  Mãe a caixa que eu trouxe, você colocou onde?

- No meu quarto. Eunji estava louco querendo abrir. - fui até o quarto dela pegando a caixa e levando para sala.

Peguei a chave de casa e fiz os furos nos locais fechados com a fita e fui abrindo,  Eunji apareceu apoiando-se no meu ombro e olhando tudo que eu fazia:

- De quem é esse pelúcia? - o guri se moveu para o lado segurando sua irmã que tentava subir no sofá.

- Do seu appa. As fãs dele mandaram. - ele pegou um específico e olhou detalhadamente. - Pedi para ele depois.

- Tá bom. - ele deixou o pelúcia no lado e ficou me olhando. - Essa caixa é o quê?

- Para sua avó.-  tirei deixando ao lado e pegando algumas coisinhas e o jogo. - Pega. É este o jogo? - entrei o box para o pequeno que largou o sorriso tornando bem aberto.

- Yeh... Obrigado omma. - ele ficou analisando tudo. - A vovó não tem console... - vi o bico se transformando e a carinha triste.

Ouvi o barulho da porta abrir e passei a olhar quem entrava. - Seungri estava com bastante sacolas e o óculos pedurando na camisa de botões. - Anyhee foi de encontro a ele:

- Vamos almoçar! - Micaela apareceu nos chamando e sorriu. - Oh que jogo legal. - ela olhou para Eunji. - Porque está com este bico?

- Vovó não tem console... - ele mfez manha na voz que era de derreter qualquer um.

- Conheço uma pessoa que pode ter. - entranhei o fato dela começar a falar em inglês.

- Quem tia! - o menino ficou tão animado, que até Seungri começou a dar atenção naquele momento.

- O Samuca. Lembra dele não é "S/N"? - estava demorando, espero que ela não fale demais.

- Lembro... - falei sem muita emoção na voz, até mesmo para Seungri não desconfiar.

- Quem é ele? - Olhei pra Micaela e sorria com gosto a tal pergunta que meu marido fez.

- É o Ex ....

- AMIGO! - interrompi ela falando mais alto e olhando para minha prima com um pouco de raiva. - Seungri oppa... Vai logo comer.

- Já estou indo. - Seungri saiu pegando a mão do Eunji e levando Anyhee no braço.

Esperei eles sairem da sala e ouvir a voz da minha mãe conversando com eles. - retornei meu olhar para ela, seu olhar sério pra cima de mim causava um pouco de medo, vamos confessar que ela é bem mais bonita e mais nova. Quando saíamos juntas todos os caras queriam o contato dela, até que eu deixei até de sair de casa. Pôr isso me mudei e fui estudar fora. - O Samuel ou Samuca como os amigos chamam faz parte disso:

- Porque mentiu? - ela vem com essa voz infantil que todos os homens caem feito idiotas na direção dela.

- Não se faz de burra Micaela. Me diga porque motivo eu falaria dos meus Ex's para ele?

- Talvez porque o Samuca seja um problema para você. - acabei rindo da situação, me levantei e fui para perto dela.

- Não me faça querer te bater por falar tanta merda. - me afastei quando ouvi a voz da minha mãe mais próxima.

- Que horas as mocinhas pensam em vir almoçar? - me afastei dando um riso mínimo.

- Vou levar as coisas para meu quarto. Já volto. - respondi sorrindo para minha mãe e peguei a caixa e fui para meu quarto.

Micaela é uma pessoa boa, porém quando ela quer algo, ela é capaz de derrubar qualquer um a sua frente para conseguir o que quer. - E isso a torna uma pessoa péssima, ninguém gostaria de ter alguém assim ao seu lado. E minha insegurança, só é maior pela garota usar roupas muito inadequadas isso tudo para atrair os olhares masculinos, e bom, eu conheço meu marido, ele não faria isso na cara dura, mas conheço a prima que cresci e sei do que ela é capaz para me pertubar ou me deixar triste. 


Notas Finais


Oie. Não se acostumem... Isso não será todo dia assim. Estou aproveitando que minha ideias estão fluíndo.

Não esqueçam das dicas(tradução: comentários e críticas) são importantes

Até mais....


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...