História Biology- Cellps - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Alan Ferreira (EDGE), Felipe Z. "Felps", Rafael "CellBit" Lange
Personagens Felps, Rafael "CellBit" Lange
Tags Cellps, Celps, Lemon, Professor
Visualizações 56
Palavras 1.544
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem!!

Faltam apenas 2 capítulos para o lemon do nosso casal favorito aparecer ❤️😏🔥
Comecem a contar, ein!

Até às notas finais!

Capítulo 10 - Capítulo 9-(parte 2)


Fanfic / Fanfiction Biology- Cellps - Capítulo 10 - Capítulo 9-(parte 2)

Acordei no dia seguinte com a sensação de que tinha acabado de pegar no sono. Após um longo dia de explicações e adaptações dos verdadeiros acontecimentos pra minha mãe, que estava aflita me esperando chegar, eu passei a noite inteira rolando na cama, inquieto. Nada parecia fazer sentido, nada parecia ser coerente, tudo estava desconexo, bagunçado, confuso. Por mais que eu tentasse compreender a insistente culpa dentro de mim, não conseguia encontrar uma explicação que prestasse. 

Me levantei antes mesmo que o relógio despertasse, anunciando que eram 6 da manhã de segunda-feira, e fui tomar banho, com a falsa crença de que uma ducha quente fosse melhorar meu humor. Uns trinta minutos depois, eu já estava me vestindo desanimadamente, e logo depois arrumando meus cabelos, de frente pro espelho. Assim que terminei, encarei meus próprios olhos, cansados pela noite em claro, e decidi que ia terminar com aquela angústia. Eu precisava pedir desculpas a ele, precisava pelo menos tentar. Só assim eu conseguiria afastar aquele mal estar de mim. 

Tomei meu café-da-manhã em silêncio, só respondendo uma coisa ou outra quando mamãe perguntava, e logo estávamos estacionando na frente da escola. Um arrepio percorreu minha espinha enquanto caminhava pela entrada do colégio, e meus olhos logo encontraram um Alan tenso me encarando de volta. 

- Oi, Cell - ele murmurou, com um sorriso triste, e me abraçou carinhosamente. Ele sabia sobre a festa no sábado, eu tinha lhe contado tudo por telefone no dia anterior. Bem, quase tudo, só preferi deixar de lado a parte que envolvia meu comportamento estranhamente triste por causa do Zaghetti. 

- Parece que eu não te vejo há anos - suspirei, abraçando-o com mais força. 

- É mesmo - ele concordou, se afastando alguns segundos depois pra poder me olhar - Você tá tão abatido... Tem certeza de que está bem? 

- Tenho - menti, empurrando a verdade garganta abaixo - Só tô um pouco cansado. 

Nos sentamos em nosso lugar de sempre, esperando até que o sinal tocasse, e senti Alan me cutucar discretamente enquanto conversávamos. Me virei na direção que ele me indicou, e só quando meu olhar encontrou o dele, me lembrei de que Kaê existia. Me senti estranho quando ele sorriu pra mim, especialmente radiante como em toda segunda-feira, e tudo que consegui fazer foi esboçar um sorriso fraco de volta. Senti como se não merecesse aquele sorriso dele. 

- Bom dia, Alan - ele cumprimentou quando passou por nós, como sempre fazia, e logo depois se dirigindo a mim e abaixando seu tom de voz - Bom dia, pequeno. 

- B-bom dia...- gaguejei, mal conseguindo sustentar seu olhar alegre. Parecendo alheio a qualquer sinal de tristeza meu, Kaê seguiu até a sala dos professores, e assim que o vi fechar a porta atrás de si e sumir, soltei o ar que estava preso em meus pulmões, finalmente relaxando. 

- Você vai contar a ele? - ouvi a voz cuidadosa de Alan perguntar, e apenas fiz que não com a cabeça, sem olhá-lo. Contar a Kaê o que quer que fosse não estava nos meus planos, ele não merecia saber das ameaças de Enzo, muito menos de nada que se passava na minha mente. Não queria ser injustamente cruel com mais alguém. 

---------------------------------------------

As três primeiras aulas se arrastaram morbidamente. Eu mal conseguia prestar atenção na matéria, minhas mãos estavam trêmulas pra copiar, um aperto na boca do estômago me impedia de desviar meus pensamentos daquela tortura repentina. Por mais que eu respirasse fundo e fechasse os olhos por alguns segundos, meu mal estar só se ausentava momentaneamente, voltando ainda pior logo em seguida. 

No intervalo, desci as escadas em silêncio com Alan, querendo logo que aquele dia acabasse. Ele parecia entender minha introversão e se manteve quieto, me deixando pensar sem interrupções. Como se houvesse algum jeito de interromper minha aflição infundada. Sentamos no mesmo canto de sempre, e enquanto  terminava uns exercícios de matemática, eu observava vagamente o fluxo de pessoas pelo pátio, até meus olhos novamente encontrarem Kaê.

Ele andava apressado em direção à saída da escola, falando energicamente ao celular com a expressão pesadamente preocupada. Senti uma fisgada no peito, como se fosse um súbito mau pressentimento, e ele logo sumiu de vista, me deixando ainda mais agoniado. Pensei em comentar com Alan, mas eu realmente não estava a fim de falar hoje e preferi esperar até saber do que se tratava. Obviamente, eu pretendia me inteirar da situação hoje mesmo, se ele voltasse ao colégio.

Vinte minutos depois, o sinal tocou, indicando o término do intervalo, e nós nos levantamos devagar. Logo estávamos subindo as escadas lenta e silenciosamente, e me surpreendi quando ouvi alguém sussurrar no meu ouvido, vindo por trás de mim. 

- Vem comigo...

Não precisei olhar pra trás pra reconhecer a voz de Kaê, e lancei um último sorriso fraco pra Alan antes de acompanhá-lo até uma sala vazia no segundo andar. Ninguém parecia se dar conta de nossa existência, ocupados demais com suas próprias vidas, por isso não hesitei em entrar naquela sala sozinho com ele. 

- Que saudade de você - ele murmurou, sorrindo de um jeito calmo e me dando um beijo delicado, que fez meu sangue formigar daquele jeito de sempre nas veias. Estar perto dele me trouxe uma sensação temporária de alívio, e me permitiu sorrir sinceramente, mesmo que um sorriso tímido. 

- Também senti sua falta - menti, me sentindo novamente desmerecedor daquele carinho por não ter pensado nele uma única vez desde que acordei no dia anterior. Passei meus braços ao redor de seu pescoço, e Kaê apenas me abraçou apertado, sem me beijar novamente. Agradeci mentalmente a gentileza dele por não me forçar a encarar seus olhos e ver minhas mentiras refletidas neles, e respirei profundamente seu perfume, que hoje cheirava levemente a...

- Formol? - indaguei, franzindo a testa e me afastando de leve pra poder ver seu rosto. 

Kaê riu baixinho, fechando os olhos por um momento. 

- Desculpe, eu não imaginei que o cheiro estivesse tão forte a ponto de você notar - ele disse, ainda sorrindo, mas me olhando calmamente - Talvez seja por isso que eu não goste de dar aulas nos laboratórios!

- Como assim? - perguntei, sentindo meu coração acelerar um pouquinho - Você deu aulas práticas hoje? 

- É, o Felps não pôde vir pra escola e eu o substituí - ele suspirou, entortando a boca - Aquele doido enfiou a BMW num poste ontem de manhã!

Mesmo sem poder me ver, soube que empalideci. Senti todo o meu sangue simplesmente evaporar e meu coração congelar simultaneamente. Minha expressão estava totalmente chocada, perplexa, apavorada. O mau pressentimento estava explicado. 

- Ah... É? - gaguejei, tentando não parecer tão horrorizado quanto eu realmente estava - E c-como ele tá? 

Kaê pareceu não notar minha agonia e continuou sorrindo de um jeito divertido ao responder: 

- Melhor do que nós, pode apostar. Ele não se machucou muito, apenas bateu a cabeça com força no volante enquanto tentava frear e ficou desacordado por alguns minutos. Acabei de voltar do hospital onde ele está em observação, falei com o médico e com o próprio Zaghetti, e ele me disse que amanhã mesmo poderá voltar a dar aulas. 

A imagem de Felipe batendo com o carro surgiu em minha mente sem esforço, seguida pela cena de vários paramédicos imobilizando-o na maca enquanto ainda estava desacordado. Um desespero enorme subiu pela minha garganta, fazendo lágrimas se formarem em meus olhos, mas eu fiz o máximo de força pra contê-las, pelo menos enquanto estava na frente de Kaê. 

- Eu... Tenho que ir... Me lembrei de que tenho uma prova agora - foi tudo que consegui gaguejar, me afastando dele devagar e evitando seus olhos - Depois a gente se vê...

Abri a porta da sala de aula, deixando um Kaê totalmente confuso pra trás, e subi correndo as escadas, já mais vazias, até o meu andar. Mal conseguindo conter as lágrimas e com as pernas perigosamente trêmulas, me enfiei num dos cubículos do banheiro masculino, e só depois de trancado e sentado no vaso sanitário fechado, finalmente caí num choro inexplicável. 

Tudo que eu conseguia sentir era culpa. Nojo de mim mesmo, repulsa, remorso, um peso imenso me impedia de respirar, me afundando cada vez mais num choro que parecia não ter fim. Sufocando meus soluços com as mãos cobrindo a boca, eu sentia meu rosto lavado de lágrimas esquentar à medida que o ar me faltava, mas não encontrava força pra respirar. 

Quando pensei que fosse desmaiar por falta de oxigênio, meus pulmões entraram no modo de emergência, puxando o ar pra dentro de si em inúmeras inspirações rápidas. Meus olhos não paravam de liberar lágrimas, e meu nariz começava a ficar congestionado, mas eu não me importava. 

As imagens daquele sábado vieram imediatamente à tona: minhas palavras rudes, o olhar furioso de Felipe, seus dedos apertando o volante com força, trêmulos de ódio, sua arrancada bruta quando foi embora... Tudo estava muito claro. Todos os pensamentos que ocupavam minha mente se resumiam a uma única frase, que meu cérebro insistia em repetir sem parar. 

Se Felps estava numa cama de hospital nesse exato momento, por melhor que fosse seu estado... A CULPA É TODA MINHAA!!!!

Continua.....


Notas Finais


Espero que tenham gostado!!

Esse é um capítulo mais pequeno, mas prometo que o próximo vai ser maior!

Comecem a contar o tempo, porque falta apenas mais 2 capítulos para o lemon do nosso casal favorito aconteçer, portanto fiquem ligados!!❤️😏🔥

Um 😘, um 🧀 e 👋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...