História Biscate - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Daddykink, Jungkook, Taehyung, Taekook, Vkook
Visualizações 216
Palavras 3.526
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi III!

Boa leitura...

Capítulo 2 - Parte II: Cônjuge


Entravam aos beijos na casa do jovem, as línguas dançavam nas bocas e os lábios não se desconectavam por vários minutos. Fecharam as portas do quarto e o corpo de Jeon foi empurrado para a parede, suas costas bateram com força contra a tinta descascada. Pouco se importou, puxou o Kim pela cintura e o apertou com força, desabotoando com mãos  ágeis o colete e jogando em qualquer outro lugar, empurrou-no para a cama e encaixou-se no meio das pernas do Kim, subia lentamente percebendo o estrago que poderia fazer com o corpo do garoto abaixo de si, somente de imaginar as perversidades que poderia realizar, usufruir de seus desejos como sempre quis, enlouquecia. O Kim tinha um olhar guloso assim como o seu e as mãos jogadas ao lado da cabeça, a respiração acelerada e pesada, a ligação de olhares era pecadora.

Viam-se em um pecado ao olharem-se de forma luxuosa demais, como se fossem devorar-se em um instante, ouviam o som das respirações e da adrenalina que sentiam. Taehyung mesmo novo, sentia que o mais velho queria diversão de um adulto, e daria para ele, uma diversão carnal, sem pudor ou vergonha alguma, se era para se entregar que fosse agora. Já não estavam mais ligando para o lado de fora, para os comentários que iriam receber, era tanto desejo que todo o ambiente emanava a quentura do sexo. Jeon aproximou seu rosto do outro e passou seu nariz gelado pelo rosto macio do outro, uma breve provocação já que os lábios já ansiavam voltar para onde nunca deveriam ter saído. As íris azuis eram cobertas pelas pálpebras e um arrepio passava pela espinha até a nuca, Jeon sabia ser quente, quente ao ponto de Taehyung ficar nervoso, ansioso para ter sua presa em seus braços de todas as maneiras. Aquela era especial, era divina. 

--- Jeon...- sussurrou assim que sentia beijos em seu maxilar e em seu pomo de Adão.

 --- Taehyung...- respondeu no ouvido do outro, praticamente rasgando os botões da blusa do Kim e arranhando o peitoral liso.

 O jovem arfava, suas pernas estavam presas na cintura do Jeon, este olhando em seus olhos e dando um sorriso cafajeste. Taehyung ficou surpreso, porém retribuiu beijando os lábios alheios e puxando-os entre os dentes. Sentiu seus pulsos serem segurados com força e beijos molhados descerem para o pescoço e clavícula, algumas mordidas deixaram sua pele maltratada. Suspirava e arfava por estar imobilizado, Jeon tinha-lhe nas mãos e fazia tudo que queria. Beijava-o com volúpia, maltratava seus lábios e seu pescoço, apertava seus pulsos e torturava-o com ondulações na cintura, propositadamente na sua intimidade e tornando sua calça colada, quase insuportável de tão apertada e desnecessária. 

 --- Jeon...- chamou rouco assim que os lábios do outro maltratavam seu mamilo, tornando-o vermelho, contrastando com os chupões vermelhos em sua barriga e peito.- Não me torture desta forma... 

 --- Eu te torturo até quando eu quiser.- respondeu subindo seus lábios até os do Kim, este que estava surpreso e excitado, adorava quando tratavam-no daquela forma.

 --- Não sejas injusto comigo, tire pelo menos sua roupa...- pediu sentindo seu nódulo ser mordiscado e seus pulsos serem apertados com mais força. 

 --- Por que não tira?- instiga e o Kim sorriu pervertido. 

 --- Como vou tirar esse pano inútil sem minhas mãos? - pergunta mordendo seus lábios e abrindo suas íris azuis, estas volumosas. 

 Os cabelos loiros estavam desgrenhados e se pudesse, veria que seus pulsos estavam com as marcas dos dedos do Jeon. Aquela era a cena mais linda que já vira, alguém tão submisso a si era quase como um presente. Soltou os pulsos do jovem e apertou seu pescoço com delicadeza, o Kim estava tão excitado com aquela imagem, Jeon estava tão mandão, tão superior e parecia que era seu dono. Sentiu o aperto ficar um pouco mais firme e viu um sorriso maldoso no rosto do outro, principalmente por ver a marca dos seus dedos na pele, antes imaculada, do pescoço. Aproximou seu rosto e beijou os lábios do Kim em um beijo estalado e intenso. Levou as mãos ao seu cinto e tirou junto com a calça, ouvindo um arfar ansioso do jovem, este que se deleitava com a visão que tinha do corpo alheio. Jungkook puxou os cabelos de Taehyung e levou-lhe para fora da cama, sentando-o no chão à sua frente. Baixou o pano que ainda cobria seu membro, deixando-o caído até os joelhos. Taehyung olhava com suas íris cobertas de gula, lambia os lábios, salivava somente com o que via, imagina quando provasse. 

 --- Sua boquinha é deliciosa, sabia?- murmurou o Jeon mordendo os lábios e puxando a cabeça do Kim para que se aproximasse.

 --- Achas mesmo? - provocou levando as mãos até o pênis alheio, massageando de leve. 

 --- Uhum, sabe onde ela ficaria ainda mais linda?- observou o jovem lamber a cabecinha melecada de pré-gozo, passando seu músculo gelado na fenda saliente. 

 O Kim negou, fazendo-se de inocente. Teve uma surpresa quando Jeon apertou seu couro cabeludo e abriu sua boca com a outra mão, colocando o pênis em uma boca e afundando-o em sua garganta, retirando-o apenas para observar um fio de saliva sair dos lábios do jovem. Taehyung abriu a boca deixando a língua para fora e sendo recebido com pinceladas da glande inchada em seu músculo molhado. O pré-gozo saia e já mostrava-se presente em seu paladar, sem demora sua cabeça foi empurrada para abrigar o pênis alheio novamente e abandona-lo apenas para aumentar sua gula. Estava para implorar e sabia que ele queria isso, Jeon queria faze-lo implorar. Procurou pelo pênis do Jeon com a boca, enquanto seus rosto era amaciado pelo comprimento do membro. Um grunhido saiu de sua garganta quando conseguiu colocar a cabecinha em sua boca, olhando nos olhos de Jungkook. 

 --- Minha biscate é gulosa...- rouco falou, mexendo a cabeça de Taehyung para que engolisse seu pau e movimentasse lentamente.- É só minha, não é? Você só gosta de chupar a mim... só eu sei o que você gosta...-não era uma pergunta.

 Taehyung sentiu sua espinha arrepiar e uma fisgada no pé do estômago. Sua excitação tinha chegado à um nível que nenhum homem com quem ficou ou deitou lhe fez chegar. Jungkook sem aviso, começou a foder sua boca, fazendo-o revirar os olhos pelo prazer que teve ao perceber as expressões prazerosas do Jeon. O pênis em sua boca era o estímulo que precisava, sentia seu próprio membro latejar e com isso iria levar sua mão até ele se o outro não tivesse lhe parado, parando com as investidas e apenas movendo sua cabeça lentamente, quase em uma tortura. O Kim revirou os olhos quando o Jeon lhe fez parar com a boca no começo de pé de seu pênis, engolindo tudo sem poder sair ou se movimentar. 

 --- Eu não mandei você se tocar...- pegou sua mão e apertou seu pulso. Puxou sua cabeça pelos cabelos e desgrudou sua boca do pênis já pulsante. O Kim não queria parar, então olhava bêbado para o membro, querendo-o em sua boca de novo.- Você merece um castigo...

 --- Mas eu quero...- choramingou, queria engolir aquilo tudo de novo. 

 Jeon tinha algo que na sua boca era delicioso. 

 --- Deita na cama.- mandou e o Kim levantou, subindo na cama e sentiu seu corpo ser empurrado para que deitasse de costas e empinado seu traseiro. 

 Sua calça colada foi tirada e uma mão espalmava em suas nádegas em um carinho singelo. Um tapa estalado fez sua tez arder e formigar quando uma língua traquina se passava em sua entrada. Gemeu quando o músculo penetrou seu buraquinho e investiu provocante. A sensação de um beijo grego era maravilhosa e ser proporcionada pelo Jeon era uma perdição que ultrapassava qualquer expectativa sua. Outro tapa foi desferido em sua nádega e grunhiu entre o tecido da cama. Faria questão de deixar seu corpo ser marcado da maneira que o outro quisesse, não sabia que alguns tapas de alguém seriam tão excitantes como os dele. Quando percebeu que a língua já não lhe investia mais, surpreendeu-se com dois dedos compridos penetrarem de forma lenta e quase imediata. Arfou. 

 --- Jungkook...- tremeu, quando sentiu não só dois e sim três, se não quatro. 

Engasgou quando estes começaram a se mover. Não sabia o que era dor, estava bem acostumado com aquela sensação. Porém, o prazer era imenso. Imaginava se fosse o pênis que tanto amou ali, o quanto gostaria de sentir aquele membro no lugar daquele dedos maravilhosos. Gemeu entre os panos quando estes se movimentavam com velocidade. Apertou o pano que estava em suas mãos, revirava os olhos quando um daqueles dedos encostava em sua próstata duas ou mais vezes. Seu corpo é virado e os dedos lhe abandonaram para que dessem lugar a um pênis pulsante. Jeon o olhava com olhos turvos de tanto desejo. 

 --- Você é um pecado...- murmurou em seu ouvido e investiu com força quando finalmente teve seu pênis engolido pela entrada alheia. 

 Taehyung sorriu, levando as mãos até as costas já descobertas da blusa de linho e arranhou com a investida repentina. 

 --- Maltrate-me, faça o que quiser Jungkook...- respondeu sendo recebido por mãos possessivas em sua coxa e cintura.

 Arranhando e apertando a pele. Seu pescoço era maltratado e seus lábios mordidos de acordo com a velocidade que iam. Era agora insano. Transavam sem pudor algum, Jungkook fazia tudo com seu corpo, desde tapas, apertos, beijos selvagens e quentes, chupões e mordidas sem pena alguma. Taehyung estava enlouquecido. Ser fodido daquela forma era a que mais gostava e não sabia explicar como o Jeon fazia aquilo tão bem, tão bem ao ponto de se tornar um vício. Sabia que seria um erro viciar em uma de suas presas - ou famigerados clientes, se quisesse chamar assim- nunca iria se perdoar, mas naquele momento. Nem a igreja o perdoaria pelos pecados que cometia naquele ato. Eram animais, desejo era puramente carnal e insano. Não havia cuidado e ele adorava aquilo. Quando sentiu que estava em seu orgasmo, fez questão de gemer ao pé do ouvido do Jeon, mostrando o quão magnífico foi seu sexo. Não demorou para que o outro lhe acompanhasse em um orgasmo intenso. 

 Contudo, algo que deveria ter acabado, não terminava por ali. Apenas começaria. Sem nem esperar pela recuperação, Jungkook lhe beijava os lábios intensamente. A língua procurava a sua e quando encontraram-se sabiam, nada as separaria. Somente aquele toque de lábios fez seu corpo amolecer e tremer, não só pelo orgasmo. Seu coração palpitava nos ouvidos e misturava-se com o do outro em uma orquestra gostosa de se ouvir. Quando o beijo se findou, beijos estalados e repetitivos corrompiam suas bocas, estas que não queria se desgrudar. Agarrou as madeixas escuras e não conseguia descolar do corpo alheio. As bocas e as respirações se misturavam em uma dança onde sentiam falta da companhia de uma da outra. 

 --- Jungkook...- chamou entre um beijo e outro. 

 --- Taehyung...- respondeu sem querer desgrudar os lábios, tanto que falou entre eles. 

 --- Não vai embora....- pediu puxando-o pelos ombros.

 --- Não vou... e nem quero...- beijou o maxilar do jovem abaixo de si. 

 E assim, lá estavam eles. Perdidos um no outro entre beijos curiosos e intensos, outros viciantes e alguns carinhosos. As bocas vermelhas pareciam nunca acabar de provar o mel do outro.

 * 


 Olhava a janela do quarto do Jeon e observava o anoitecer. Segundo o Jeon, sua mulher saira com suas amigas e não voltariam aquela tarde. Sentiu um nariz conhecido em seu pescoço cheio de marcas. O cheiro de sexo envolvendo os dois de maneira aconchegante, as mãos alheias rumavam até sua cintura e aproximavam seu corpo do tronco quente. Taehyung queimava por dentro apenas por sentir o olhar pesado do Jeon no seu. Um mês. Havia um mês que ainda se mantinham naquele relacionamento amoroso. Jeon lhe amava e sabia disso, era recíproco afinal. Aquela paixão era intensa demais. Sentia falta quando voltava para o Bar e encontrava com outros homem que seque chegavam perto do que sentia quando estava com o namorado. Jungkook então? Contava as horas para lhe ver novamente, não importando a forma despudorada ou até mesmo romântica de encontra-lo. Muitos diziam que era apenas sexo. Não, não era. Só eles sabiam as palavras que diziam depois de se amarem em uma cama e dos segredos entre lençóis. 

 --- Meu amor, eu sinto tanto sua falta...- Jungkook falava em seu ouvido, segredando mais uma prova de seu amor. 

 Podia sentir o coração do outro quase sair de sua caixa torácica. O Kim sorriu mole, sempre ficava assim quando ficava com ele.

 --- Eu também sinto, não sabe o quanto...- respondeu tão sincero quanto todas as vezes.

 Não haviam mentiras um para o outro. Em um mês já sabiam se decifrar, conheciam até mesmo os piores podres que já viveram. Conheciam o pior e o melhor lado de ambos. Virou-se para segurar a nuca do Jeon e ser envolvido pelos braços quente que sempre o acolhiam em volta da cintura. Selou os lábios e logo intensificaram o beijo por consequência do desejo e saudade que sentiam. Sorriram entre o ósculo e morderam os lábios em sintonia, quase como se fossem feitos um para o outro. Contudo, não poderiam ficar juntos. Era esse o porém de sua paixão. Taehyung não podia deixar seu trabalho e Jeon não podia deixar a esposa enquanto não acertassem suas contas. Jungkook lhe prometeu uma boa vida se fugissem, todavia, não havia como fugir. 

 --- Até quando iremos ficar assim?- perguntou-se o Jeon alto.

 --- Assim como? Eu sendo teu amante, sendo tratado como uma prostituta até casar? Quando uma vaca falar meu nome na cidade.- falou o Kim com sarcasmo e tristeza.  

--- Meu amor, eu já disse que largo tudo por você.- falou cansado e beijando a bochecha do jovem que tanto amava.

 --- Minha preocupação é essa Jungkook, você fica comigo, mas as consequências caem para você...

 --- E não são? A culpa é inteiramente minha. Eu que traio minha mulher com um amante conhecido como biscate e quer saber? Eu não me arrependo. 

 --- Falando assim até parece que sou grande coisa para você. 

 --- Já disse que lhe amo. 

 --- E eu disse que amo muito. 

 Olharam-se profundamente. Era real, o amor era palpável.

 --- EU SABIA! 

 A porta foi aberta abruptamente por Yoora. Esta com fogo e lágrimas nos olhos. Jungkook sequer virou para encara-la. Ele sabia, sabia que não era neura que estava sendo vigiado pela mulher enquanto andava pela cidade. Na verdade, Taehyung que percebia quando saiam para jantar ou ir à algum lugar para ficarem namorando à sós.

 --- Minhas amigas estavam certas, esta namorando com esta biscate! A quanto tempo Jungkook? A quanto me trai com este verme? 

 --- Ele não é um verme!- retrucou olhando nos olhos azuis do Kim.

 --- COMO OUSA ME TRAIR DESTA FORMA? CONTAREI PARA TODOS SUA FAMA POR ADULTERIO!- gritou irada. 

 Os cabelos caindo do coque bem feito e as jóias balançando em seu pescoço e pulsos. O vestido completamente cheio de tule, balançava com a indignação exposta da mulher. 

 --- Estas sendo hipócrita.- a voz do Kim surpreendeu a todos ali.

 --- Não fale comigo criatura imunda. 

 --- Jungkook sua mulher lhe trai com Charles Martins, um ex-garçom do bar.- Yoora empalideceu, principalmente quando o olhar do Jeon caiu sobre si.

 --- É verdade Yoora?- perguntou. Não era como se importasse, mas entendeu o que o Kim queria. 

 --- N-não! Óbvio que não, esta cobra está mentindo!

 --- Charles disse que ela só estava contigo por dinheiro e que o amor dos dois já estava perdido. - falou o Kim sorrindo de lado e vendo a mulher com lágrimas caindo dos olhos. 

 Era verdade. Traia Jeon. 

 --- Yoora... saia.- mandou o Jeon com voz raivosa.

 --- J-jung... 

 --- Deixe as jóias e os vestidos. Irei vendê-los para pagar minha divida, passarei as suas para sua conta. Se teve coragem de me trair e só interessa meu dinheiro para você, não estará mais debaixo de meu teto. Com gentileza, saia e arrume as malas. 

 --- Mas...

 --- A quanto tempo, Yoora?

 --- O que?

 --- A quanto tempo me traí?

 --- Seis meses.- o Kim tossiu apenas para que o Jeon ouvisse.

 --- Um mês... 

 --- Que coincidência. Agora pode sair.- falou.- Prepararei nossos papéis assim que der, por favor me diga seu endereço para que meu advogado vá ao seu encontro, sim?

 Yoora olhou incrédula, fez cara de brava e tirou a aliança com fúria. Jogou no chão e saiu do quarto com pressa. A que se faz, a que se paga. Jungkook respirou fundo e ouviu uma risada do Kim.

 --- Nunca agradeci tanto à Charles por ser tão fácil de falar segredos.- riu e Jeon puxou sua orelha.- Aí!

 --- És venenoso como uma cascavel...- brigou em brincadeira.- Acabou de separar um casal de quatros anos de casamento. 

 --- Mas veja pelo lado bom, agora não precisa se preocupar com desperdício de dinheiro. 

 --- Vendo por esse lado... 

 Riram e o loiro pegou a aliança do chão, olhou para ela e sorriu para o amado de lado. Sentiu uma respiração em sua nuca e um beijo carinhoso na tez. As mãos do outro envolviam as suas e a aliança.

 --- Não olhe para ela, quando receber a sua ficará ainda mais bonita no nosso dedo. O que acha de duas alianças de ouro e prata?- perguntou e Taehyung sorriu feliz.

 --- Gosto de prata. 

 --- Tudo bem, ela será de prata.- o sorriso era fácil entre os dois. - cristais? 

 --- Não...- fez um careta e olhou para o Jeon pelo ombro.- um cordão?

 --- Acha melhor?

 --- Sim.

 --- Então eu compro. 

 --- Não precisa comprar tão cedo, pague suas contas.

 --- Elas já estão pagas.- falou e o Kim lhe olhou desconfiado.- Sou um bom ator?

 O Kim negou incrédulo e riu.

 * 


 --- Não.

 --- Pai... 

 --- Não.

 --- Eu não sou mais criança e vou me casar, sim. 

 --- Já disse que não. Como vai ficar o movimento aqui? Vamos falir.

 --- O senhor nem vai precisar mais trabalhar, Jeon prometeu que faria de sua vida um luxo.

 --- Continua sendo não.

 --- Então irei fugir.

 Todos os que trabalhavam naquele bordel lhe taxaram como louco apenas pelos olhares assustados. Encolheu e mesmo assim levantou o queixo. Seu pai não poderia lhe prender naquele bordel para sempre, a biscate agora tinha dono. Riu em escárnio pelo pensamento, quem diria que teria orgulho de se chamar de biscate apenas por causa de um cliente. 

 --- O que falou Taehyung?- rosnou.

 --- Eu disse que se não aceitar nosso casamento eu vou fugir com ele. Não quero mais servir neste lugar como uma atração. Não sou uma mulher como o senhor queria, porém amo um homem que me fez ter orgulho do que sou. As vezes eu queria ter nascido uma menina apenas para agradar o senhor... Não acha isso injusto? Fazer seu próprio filho pedir para nascer de novo como uma menina apenas para ganhar o orgulho do pai? - todos calaram diante de sua declaração. Seu pai abaixou a cabeça.

 --- Deixa ele chefe, Jeon Jungkook é uma boa pessoa. - falou Damien, o garçom que atendera o Jeon naquele dia. 

 --- Tem certeza que quer se atar a um homem agora?

 --- Eu o amo. 

 --- Então tem minha bênção. Todavia irá arcar com o falatório da cidade, não quero meu bar com nome sujo.

 Taehyung assentiu, feliz e triste por dentro. Ainda era uma escória para o pai. Ouviram as portas do bar abrirem e o Jeon entrar com suas roupas de trabalho e chapéu pelo frio. Sorriu para o Kim e beijou-lhe os lábios com carinho, olhando para o homem gordo e barbudo sentado em uma mesa do bar. 

 --- Pode deixar que seu bordel não ficará com o nome sujo. Farei questão de limpar seu nome quando puder.- falou olhando para o velho barbudo.- Licença, vim buscar meu noivo para um passeio. Vamos? 

--- Claro, até mais pai.- beijou a testa do pai e pegou no braço do Jeon saindo daquele estabelecimento. 

 Todos do bar se olharam e algumas mulheres invejosas estalavam a língua em nojo da biscate. 

 --- Não acredito que ele irá deixar seus inúmeros clientes por um qualquer.- falou uma as moças que vestia um decote exagerado. 

 --- Não fale besteiras Jessy, Taehyung está em boas mãos.- Damien retrucou. 

 --- Meu menino pode ficar com quem ele quiser, agora arrumem-se, estamos atrasados e temos que arrumar um novo show.- falou o senhor levantando e voltando à sua sala.

 Os funcionários daquele lugar se olharam surpresos.

 * 


 --- Jungkook, você ainda me acha uma biscate? 

 --- Nunca te achei uma.- sorriu enquanto andavam no parque da cidade. 

 --- Eu sou uma... 

 --- Então é minha biscate, só minha.- falou rindo. 

 O Kim sorriu feliz, apertando o braço que segurava. Não sabia, mas era a cura dos problemas do moreno e também a cauda de alguns deles. Contudo o que poderia fazer? Apaixonou-se pela sua biscate. 

 ***


Notas Finais


Demorei, desculpa ;^^^^;
Eu não queria ter demorado tanto Desculpas mesmo. Espero que tenham gostado e obrigado por ler <3

Até bolinhos :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...