História Bite - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Bts, Jikook, Jimin!alfa, Jungkook!ômega
Visualizações 1.514
Palavras 901
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shounen, Slash, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


O último AAAAAAAAAAAAAA
meu coração </3

Capítulo 12 - Capítulo 12


Quando você pensa que sua vida não pode melhorar ainda mais, ela vai lá e te mostra o contrário.

Desde aquele fatídico dia, onde encontrei meu ômega naquele casebre, dez anos passaram e muita coisa aconteceu durante esse tempo.

Jungkook foi, durante um ano e meio, à um psicólogo. Afinal, naqueles poucos dias, muitas coisas aconteceram para um ômega tão novo e inexperiente. Ele foi estuprado e por mais que tenha me encontrado — sua alma gêmea — e tenha aparentado que estava "bem", não estava. O fato de nossa ligação ser muito forte quando nossas almas se encontraram, foi como se o problema de ter sofrido abuso não tivesse trazido os efeitos colaterais que a maioria das pessoas apresentam. Somado a isso, mais ao fato de ter sido raptado e ainda ter sofrido — não importando o espaço de tempo — psicologicamente e fisicamente! Nem mesmo a pessoa com o cérebro mais preparado, consegueria passar por isso sozinho e sem a ajuda de um profissional. Eu não podia ajudá-lo nesse quesito, apenas apoiá-lo. Pois, amor algum cura um problema desses, não é tão simples. Não direi que foi um ano e meio ruim, longe disso. As idas ao psicólogo ajudaram e muito Jungkook a entender e pôr muitas coisas no lugar, tratando também até mesmo o assunto sobre sua família que ainda bem, sumiu de vista.

Com todos esses acontecimentos, a paixão precosse que compartilhamos, passou a ganhar proporções ainda maiores conforme nos conhecíamos ainda mais. Virou amor. O mais puro e verdadeiro amor.

Tenho que lembrar que durante esse um ano e meio ainda, enquanto eu trabalhava durante o dia na empresa, Jungkook estudava em casa, já que não estava preparado pra voltar à faculdade de música, que com o tempo, acabou retornando e se formando.

O tempo foi passando e, ao contrário do começo, não tínhamos pressa em colocar rótulos em nossa relação. Afinal, morávamos juntos e meu ômega possuía minha marca. Pertencemos um ao outro. Mas claro, logo no primeiro ano juntos, pedi-o em namoro, com direito a um jantar bem romântico com vista para o mar de Busan.

E os anos foram seguindo, assumi a empresa de meu pai, Jungkook começou a dar aulas de canto em uma escola, estávamos finalmente construindo nossas vidas, sem ter com o que se preocupar.

O alfa estava na cadeia, não havia riscos.

Claro que mesmo sendo almas gêmeas, não significava que não tínhamos discussões. Éramos e ainda somos um casal como qualquer outro. Como quando eu me enciumava com algum colega solteiro (a) olhando demais para o Jeon assim que eu o esperava para buscá-lo do trabalho. Eu não era o único que tinha ciúmes, mas enfim, coisas assim aconteciam e sempre nos conciliávamos sem haver dificuldade alguma.

As vezes eu me pegava olhando-o por tempo demais quando ia buscá-lo no emprego, ao vê-lo sorrindo e ensinando as crianças enquanto, com um violão, cantava melodias que me fariam ouvir por horas sua voz doce. Era belo demais. Momentos como esse enchiam meu peito de alegria e um pensamento rondava minha mente: ele iria ser um ótimo pai.

Jungkook não quis filho cedo, o que concordei plenamente, já que ele queria ao menos terminar de estudar e começar a trabalhar. Mas conforme esse tempo passou, concordamos que estava no momento certo de ter mais um em nossa família.

Contudo, antes que tentássemos, pedi-o em casamento. Como disse antes, não precisávamos rotular o que tínhamos, mas sabia que bem lá no fundo, um casamento — seja de papel assinado ou apenas cerimonial — tinha um significado muito bonito e porque não?

Não convidamos muitas pessoas, apenas os mais próximos. Nossos grupos de amigos e alguns familiares.

Finalmente éramos: Park Jeon Jeongguk e Jeon Park Jimin.

Optamos por compartilhar nossos sobrenomes ao invés de apenas ele possuir o meu. E agora, além de possuirmos a marca, tínhamos nossas alianças douradas, com um detalhe singelo que nos representasse.

E a lua de mel…. Ah, foi um sonho.

Fomos para a Noruega, lugar belíssimo e encantador. Nos amamos profundamente e aproveitamos daquele lugar para construirmos recordações daquele momento tão especial.

Na volta, o que planejávamos aconteceu. Seríamos pais! Jungkook estava grávido! Não saberia dizer qual dos pais estava mais bobo.

Foi uma completa algazarra quando nossos conhecidos souberam da notícia. E o período de gestação do mais novo… indescritível.

Nos primeiros meses, o Jeon foi extremamente mimado, tanto por mim, quanto por Kim Seokjin. Arrisco até a dizer que fazíamos uma guerra para saber quem mimava mais o nosso querido gestante.

Brincadeiras a parte, sentia-me extremamente bobo e feliz ao tocar o volume na barriga que Jungkook ganhava, com a expectativa lá em cima para saber o sexo do bebê.

Ainda bem que, durante os meses restantes, não houveram complicações, apenas alguns fatos cômicos; como quando tive que levantar durante a madrugada para comprar a comida que o mais novo desejava ou quando, num estágio mais avançado, conseguia sentir os chutes do pequeno. Melhor, foi um alvoroço quando em uma certa noite, senti um cheiro extremamente forte a mais no quarto. Era de um alfa. Nosso pequeno alfa.

Quanto ao sexo do nosso bebê, ao irmos fazer o exame, o pequeno serzinho permaneceu com as pernas fechadinhas. Tivemos que esperar até seu nascimento para saber, e quando nasceu… jamais esquecerei daquele dia. Sequer fiz questão de segurar as lágrimas que escorriam por meu rosto, um sentimento que me aquecia inteiro preencheu meu peito. Nossa linda menininha entregue aos braços de meu esposo. Nossa família apenas começando.


Notas Finais


Fiiiiiim ❤

Só tenho a agradecer e muito a todos vocês, por tudo <3
Estou pensando em adaptar bite para exo 8D.... tenho 4 casais em mente: xiuchen, kaisoo, sulay e chansoo.... 8D

Dêem uma olhadinha nas minhas outras fics >< 💕

Dêem um cheiro nessa fic de uma amiga aqui: https://www.spiritfanfiction.com/historia/mirror-mirror-10221772 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...