1. Spirit Fanfics >
  2. Black Amazon ( Amazona Negra) >
  3. Terapia.

História Black Amazon ( Amazona Negra) - Capítulo 41


Escrita por:


Capítulo 41 - Terapia.


Pov Katrina. 

Chego na escola não demora muito chega um carro quase junto, conhecia aquele carro, mas fiquei p da vida com quem saiu dele. 

-Se assumiram de vez agora? O que fazem aqui? Katrina.

-O Steve  me ligou, a Selina se meteu em uma briga ou algo assim, e ele está em missão. Diana.

-O Jonathan estava no meio também, devo supor  que seus filhos também. Clark.

-Você é  repórter investigativo me diz você. Katrina.

-Não precisa ser mal educada com ele. Diana.

Suspiro. 

-Desculpa estou meio irritada hoje.  Katrina 

-Quer chocolate? Clark. 

-A pior coisa que você faka pra uma mulher é  isso sabia? Katrina. 

Entro na escola, não demora acho a diretoria, Hanna, Thomas, Selina e Jonathan estavam sentados nas cadeiras perto da porta. 

-Mãe a gente não ...Hanna.

Faço sinal pra ela ficar quieta.

-Depois eu falo com vocês sobre isso,  cadê o Damian? Katrina. 

-La dentro. Thomas.

-O que ele faz aqui? Selina. 

-Que eu saiba ele ainda é meu pai, agora não sei o que sua mãe faz aqui. Você não tava morando com o Steve?. Jonathan.

-Eu estou,  o que você faz aqui? Selina. 

-Steve estava ocupado,  não tinha como vir, você está bem? Se machucou? Diana.

-Como se você se importasse  com o que eu sinto.  Selina.

-Sra Wayne, pode entrar. Diretora. 

Entro  na sala dela, era a tipica sala de diretoria. Damian estava sentado na cadeira um garoto com  uma tipoia em outra. Damian suspira aliviado quando me vê acho que foi melhor do que se fosse o Bruce, mas eu ia ter que contar para ele.

-Bom seu filho Damian teve um certo incidente envolvendo seu colega Tyler hoje. Diretora.

-Ela não é  minha mãe  é  minha Madrasta. Damian. 

-Pode continuar por favor Diretora. Katrina.

-Bom a que tudo indica ele usou um golpe de Karate pra quebrar o braço de seu colega de classe. Diretora.

-Não foi Karatê. Damian.

-Cala a boca e deixa ela falar.  Katrina.

Ele fica quieto e se encolhe na cadeira cruzando os braços.

-Bom independente do que tenha acontecido ele quebrou o braço do Tyler que ainda por cima é  um dos nossos atletas. Diretora.

-Foi isso que aconteceu Damian? Por que você bateu nele ? Katrina. 

-Por que ele é um baita esquisito isso sim! Tyler. 

-Cala a boca você também antes que eu quebre seu outro braço. Katrina.

Damian sorri. 

Me aproximo de sua cadeira ergo seu queixo com as mãos para ele olhar em meus olhos.

-Fala pra mim, o que aconteceu exatamente? Eu vou saber se estiver mentindo. Katrina.

-Ele xingou minha mãe de puta, e mexeu com a Hanna também. Eu não  ligo se mexerem comigo, mas com elas não.  Damian.

Suspiro. 

-Eu acredito nele Diretora. Katrina.

-Mas teremos que tomar uma providência considerando que ele usou violência física contra um colega...Diretora.

A mãe do garoto entra com tudo na sala. Sinceramente só de olhar dava pra ver que ela era bem perua, estava com um vestido curto de onça e cheia de adereços. 

-Cade ele?? Filhoo, o que fizeram com você  bebê. Mãe do Tyler. 

Ela vai lá e abraça ele só  então parece me perceber. 

-Espero que expulsem esse garoto daqui, sabe como um braço quebrado vai afetar meu menino? Mãe do Tyler. 

Ela me olha de cima a baixo com desdém. Me levanto e  cruzo os braços com indiferença. Percebo uma lagartixa passando por baixo da porta. Rapidamente abaixo e pego  ela em uma mão e coloco no meu bolso. 

-Não é  por que é  a droga de um Wayne que da direito de não obedecer regras. Mãe do Tyler. 

-O braço não está quebrado, foi apenas um susto. Ele é  só uma criança,  não conseguiria quebrar um braço assim . Katrina.

-É lógico que quebrou, olha isso! Mãe  do Tyler. 

Ela pega no braço dele que grita. 

-Se não  tivesse quebrado ele conseguiria dobrar. Mãe do Tyler. 

-Jura? Katrina. 

Pego o braço do menino e curo enquanto dobro ele, ele faz cara de espanto depois dobra o braço sozinho.

-Como...como..fez isso? Tyler.

-Fiz o que? Provei que estava com frescura? Que estava mentindo? Diretora eu sou contra violência física,  mas a coisa que mais detesto é  mentiras. E acho que a Sra. Tambem. Katrina.

-Tem que entender Sra. Wayne que terá que ter uma punição para os dois nesse caso. Acho que 5 dias de suspensão são o suficiente. Diretora. 

-5 é  um pouco demais não acha? Acho que 3 considerando que o braço não foi quebrado de verdade. Katrina.

Ela arruma os óculos. 

-Acho que será o suficiente então, 3 dias. Diretora. 

-Não pense que isso acabou Wayne. Mãe do Tyler.  

Ela saí  com o filho rebolando da sala. Faço  sinal pra Damian sair comigo da sala. Selina e Jonathan ja haviam ido embora. Thomas estava sentado esperando, tiro a lagartixa do bolso e coloco na mão. 

-Bonito em dona Hanna, ja conversamos sobre bisbilhotar conversas alheias, Thomas você e sua irmã vão pro carro quero conversar com Damian a sós . Katrina. 

-Eu vou ter que encostar nela assim? Você  podia se transformar em um bicho menos nojento. Thomas. 

De propósito ela pula nele que caí pra trás se debatendo  ela volta ao normal gargalhando.

-Você é  muito frouxo moleque. Hanna.

-Vamos logo pro carro piralha. Thomas. 

Ele faz sinal e ela o segue me sento na cadeira e chamo Damian pra sentar do meu lado.

-Você vai contar pro meu pai não vai? Damian.

-Sabe que eu tenho que fazer isso, é pro seu bem. Katrina.

Ele suspira. 

-Não me arrependo de ter feito o que fiz. Damian. 

-Não tem que se arrepender. Katrina.

Ele me olha curioso. 

-Você defendeu sua família, e nisso estou orgulhosa de você. Mas você deu o primeiro golpe. Por isso perdeu a razão. Não quero que isso se repita tudo bem? E tenho uma ideia que acho que vai ser boa pra você.  Mas não pode contar pro seu pai que eu faço  isso. Katrina. 

-O que sair com a Canário? Damian.

Acho que fiquei vermelha. 

-Não, e eu saí com ela a muitos anos atrás e foi só um beijo. Thomas era pequeno. Agora como sabe disso? Katrina. 

-Jonathan ficou mexendo com o Thomas falando isso, o que vai fazer comigo então? Damian.

-Hoje a noite  vou te levar na minha terapia. Mas tem que ser de Robin, e seu pai não pode saber. Katrina.

Ele me olha curioso. Sorrio. 

Pov Bruce. 

-COMO VOCÊ ME FAZ ISSO NO PRIMEIRO DIA? UM BRAÇO DAMIAN! SE VOCÊ ESTIVESSE ARMADO IA TER FEITO O QUE DEGOLADO ELE? Bruce. 

-Bruce, eu e ele já conversamos, não precisa gritar com ele. Katrina.

-É lógico que preciso. Parece que ele só aprende assim. Bruce.

Eu estava muito bravo sabia que ia dar merda essa ideia estúpida de escola. Mas sinceramente pensei que meus outros filhos que fossem aprontar alguma coisa. 

-Por que merdas fez isso? Bruce.

-Ele estava me irritando desde o começo do dia, te chamou até de covarde. Mas depois falou da Hanna e da minha mãe,  então não aguentei. Damian. 

Suspiro. 

-Damian, você não pode sair quebrando o braço de quem te encher o saco, se fosse assim a Wayne texh não teria mais acessor algum. Bruce.

Katrina ri. Olho bravo pra ela que revira os olhos.

-Eu vou ter que te punir. Duas semanas sem ser o Robin. Bruce.

Ele levanta na hora.  

-Mas pai! Damian.

-Mas pai nada. Quero que limpe o Batmóvel e a caverna também.  Bruce.

-Isso é  trabalho do Penyworth. Damian. 

-Agora é  seu. E espero que não desobedeça. Bruce. 

Saio batendo o pé do quarto.  Vou até a cozinha. Katrina chega logo atras. Ela estava de calça e camiseta, mas as duas bem marcadas. Acabo olhando pro decote dela.

-Não pode brigar com ele assim. Katrina. 

-Eu brigo com nossos filhos assim. Bruce.

Ela suspira. 

-Eu sei Bruce. Mas o Damian é diferente. Ele já se sente excluído por vários motivos. Katrina.

-Vai me ensinar a educar agora? Bruce.

-Sinceramente vou. Katrina.

Puxo ela pra um beijo  e a prenso na pia.

-Acho que eu não  to nem te educando direito. Bruce. 

Sento ela na pia e dou um tapa ardido em sua coxa ela arfa.

-Bruce as crianças.  Katrina. 

-Não vão se aproximar se ouvirem gemidos, sugiro que gema o mais alto possível. Bruce.

Beijo  o decote dela. Ela arrepia. Ela me beija e leva a mão pra dentro da minha calça. Arfo quando ela começa a me masturbar de leve. Puxo a mão dela. 

-Não.  Eu que quero te tocar hoje.  Bruce.

Puxo a calça dela junto com a calcinha e penetro um dedo. Ela geme. Insiro mais um dedo e faço movimentos circulares. Era incrível como conhecia os pontos de prazer da minha esposa. Não demora ela goza. 

-Bruce...

-Quer que eu te foda gostosa ? 

Beijo o pescoço dela.

-Quero..

-Então pede pro Batman te fuder, pede minha vadia. 

Aperto a bunda dela com força. Eu adorava fazer isso. Me sentia no controle, considerando que casei com uma quase deusa imortal era a maneira de eu me sentir no controle e útil. E usar a voz de Batman com ela me dava três vezes mais prazer. 

-Me fode Batman... por favor...

-Como quiser minha Amazona.

Puxo minha calça pra baixo e a penetro com tudo. Ela se contrai e joga a cabeça pra trás. Começo movimentos rápidos e fortes de vai e vem. Ela geme loucamente.  Apoio as mãos na pia pra conseguir aumentar a velocidade. Sinto ela se contrair e sei que está  quase gozando. 

-Goza pra mim, goza Kat.

-Bruce...

Ela crava as unhas em minhas costas. Quando goza.  Gozo mais dou mais duas estocadas pra aumentar a sensação de prazer dela. Paro e saio de dentro dela. 

-Tá mais calmo agora? 

Ergo a calça e abotou. 

-Quem disse que estava bravo? 

-Você só  me come assim quando tá bravo comigo. 

Ela levanta e puxa a calça. 

-To. To bem mais relaxado agora.

Ela sorri.

-Eu vou sair com o Damian hoje, como Robin. 

-Kat, ele ta de castigo. 

Ela vem e me abraça enrolando uma perna em minha cintura, merda meu corpo reagia a ela.

-Ele vai sair comigo, se  o pai dele não quiser passar por uma seca de sexo.  

-Isso é uma ameaça? 

-Considere um aviso. 

Ela me da um  selinho e saí rebolando. Acabo rindo. Subo para o quarto de Thomas queria conversar com ele, abro a porta, ele estava sentado na cama desenhando. 

-Podemos conversar? 

-Vocês dois sabem que eu tenho superaudição não é? 

Ele me olha. Rio.

-Se fosse pra estar traumatizado você estaria a muito tempo.

-Pode apostar. 

Ele Suspira.

-Eu falhei com o Sr. Você me pediu pra cuidar deles,  e o Damian ja levou uma suspensão. 

Me sento na cama dele.

-Não tem que ficar chateado filho, seu irmão é imprudente e irresponsável,  tenho certeza que você fez o melhor que pode.  

Ele sorri. 

-Obrigada pai. 

-O Damian vai ficar de castigo uns dias. Enquanto isso vou precisar de um Robin,  o que acha?

Era uma  maneira a mais de punir o Damian. Os olhos dele brilham.

-Eu adoraria. 

Dou um beijo na testa dele e me levanto.

-Amanhã a noite então. 

-Estarei lá. 

Pov Amazona. 

-Por que o Arkham? Robin.

-Faz silêncio,  esse lugar é  complicado.  Amazona.

Passo pela cela da Hera. 

-Hora Hora, se não é  a destruidora de bebês, trouxe  seu bebê? Deixa eu destruir ele pra você.  Hera.

Puxo Damian pro lado quando ela estica a mão para alcançar ele. 

-É sério o que estamos fazendo aqui? Robin.

-Vai ver,  mas só faz silêncio.  Ainda mais agora. Amazona. 

Puxo ele e me abaixo pra passar por uma cela. Mas ele é lento demais e puxam ele  pelo pescoço. 

-Hahaha, acho que já  vi essa cena antes, mas da última vez eu tinha um pé de cabra. Coringa.

Me viro pra ele e cruzo os braços.

-Solta ele Coringa. Amazona.

-Ou o que? Sabe eu fico bem chateado, o Bat quase nunca vem me ver, nem você vem me ver, só vai atrás daquela traidora. Coringa.

Ele puxa mais o pescoço de Damian que se contorce.

-Não tenho culpa, ela tem Doutorado. Agora se me da licença. Amazona.

Acerto um soco no nariz dele que cambaleia pra trás e começa  a rir. Puxo Damian rapidamente pelo corredor. 

-Sua terapia é  bater em supervilões? Damian

-Não esse é  meu trabalho. Amazona. 

Sorrio pra ele. Chegamos na cela que eu queria. Tinha a porta lacrada. Abro sem dificuldades e entro, Damian estava receoso, mas entra  também.  Por dentro ela era mais ampla que as outras e tinha uma TV e uma máquina de café  junto com duas cadeiras e uma cama. 

-Amigaa! Arlequina.

Ela vem me abraçar acabo rindo e afasto ela.

-Sem contato físico Harley, não quero sua loucura pra mim. Amazona.

-O que trouxe pra mim hoje? Arlequina.

-Um cubo mágico. Amazona. 

Entrego o cubo pra ela que senta na cama e começa a tentar  desembaralhalo.

Sento em uma cadeira e faço sinal pra Damian se sentar também.  

-Então sua terapia é conversar com a louca da namorada do Coringa? Robin. 

Seguro o cubo antes que voe na testa dele.

-ELE NÃO É  MEU NAMORADO MAIS! Arlequina. 

-Calma, Só viemos conversar, e ela é  uma otima Psiquiatra Robin, só mantenha pronomes pra se referir a família . Amazona

-Uuu, falando em família como anda com o morcego? Ainda tá  tendo problemas de controle na cama? Ja te disse que ele faz isso por que se sente intimidado por você  não é? É lógico que a parte de implorar  pra  fuder com voz de Batman demonstra grande insegurança emocional....Arlequina

Tampo as orelhas de Damian com as mãos. 

-HARLEY! Crianças presentes. Amazona.

-A tá  desculpa. Arlequina.

Tiro as mãos dos ouvidos dele que começa a rir. 

-Se meu pai souber que você  faz isso ele vai te matar sabe disso não é? Robin.

-Não viemos aqui pra falar dele hoje viemos pra falar de você.  Amazona.

-E qual o problema dele? Arlequina.

-Nenhum. Robin.

-Hora pode falar comigo,  se não pode confiar em uma médica doida internada em um manicômio em quem vai confiar? Arlequina. 

Ele cruza os braços e se encosta na cadeira.

-Ele quebrou o braço de alguém na escola. E ta com  tendências violentas. Eu não achei errado ele estava defendo a filha 2. Mass sei la. Amazona.

-Bom Robin, sabe que provavelmente você é  apegado a sua irmã por ter falta de uma figura feminina que cuide de você como no caso sua mãe, o fato de eda ter te abandonado com seu pai te faz se sentir largado e mal amado, mas tem que começar a confiar mais um pouco nas pessoas. Arlequina. 

-Eu não preciso de ninguém. Robin.

-E por que não? Arlequina. 

-Porque eu não tenho mais ninguem caramba! Minha mãe é  a porra de uma assasina psicótica que quer que eu tome o controle do mundo e me expulsou pra casa do meu pai, onde ele me trata como se eu fosse um deliquente, a unica pessoa que me trata bem é  a Hanna e  você nem gosta de mim, mas me trata bem. As vezes queria ser mais seu filho que da minha mãe. Robin. 

-Uuu nominho interresante, quem é  Hanna? Arlequina.

-A cachorra. Hanna é  um cachorro nosso. Amazona.

Olho para ele brava ele percebe a cagada que fez. 

-É ela é  um cachorro nosso. Robin.

-Nome diferente pra um cachorro. Arlequina.

-Harley! Foco. Amazona.

-A sim, bom Robin,  acho que você tem que começa a tentar aceitar um pouco mais a Amazona, talvez pra compensar seus problemas maternos, talvez pra superar o abandono.  Ela não é sua mãe,  mas tenho certeza que ela é legal. Então tenta começar a agir mais como família agora, quanto a seu pai não se preocupe, ele tem uma tendência narcisista de querer subir o próprio ego e mandar nos outros e em seus pelos corporais, ele também tem grande problemas de autoestima considerando como ele age na cama quando goz....Arlequina. 

Tampo os ouvidos de Damian de novo. 

-HARLEY! Amazona. 

Ela ri 

-Desculpa, eu esqueci. Bom meu remédio pra você é muitos abraços e carinho fraterno, consegue fazer isso? Demonstrar mais sentimentos? Quero que escreva poesia também e me traga pra próxima sessão,  que vai ser? ...Arlequina. 

-Quando precisarmos de novo.  Amazona.

-Eu tenho que ver na minha agenda,  mas to com um bom tempo livre ultimamente, trás chocolate a próxima vez? Arlequina. 

-Claro. Amazona.

Faço sinal pra Damian me seguir, assim que saimos puxo ele pra uma sombra pra fora do prédio. 

-Se podia fazer isso por que me fez entrar  lá? Robin.

-Pra te mostrar o caminho. Amazona.

-Sabe que isso é  errado não sabe? Robin.

-Ela é  uma boa ouvinte, e uma ótima terapeuta,  mas é  meio louca, e uma supervilã então  não  podemos esquecer isso, você deu mancada hoje lá dentro.  Está melhor? Amazona.

-Estou obrigada, foi bem util na verdade. Robin.

Abraço ele que fica parado sem saber o que fazer. 

-Estou só  cumprindo recomendações médicas. Amazona.

Ele se afasta.

-Tudo bem, meu pai tem mesmo problemas na cama? Robin.

-Não vou falar disso com você. Amazona.

Ele ri. 

-Só não deixa ele saber que fala isso pra sua terapeuta, mas gostei de vir aqui hoje, acho que vou vir mais vezes. Robin.

-Só  não posso te deixar vir sozinho, é  perigoso demais. Amazona

Ele suspira.  

-Tudo bem, obrigado por tudo que você ta fazendo  por mim. Robin.

Dou um beijo  na testa dele. 

-Mães são pra isso. Amazona.

Ele me abraça.

-Eu realmente queria que você fosse minha mãe. Robin. 

Passo a mão nos cabelos dele e sorrio eu realmente tinha passado a considerar ele meu filho.













 

 

















Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...