1. Spirit Fanfics >
  2. Black Florest >
  3. Cap. 15 - Oferendas e Alegrias

História Black Florest - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Lavem bem as mãos!

Capítulo 15 - Cap. 15 - Oferendas e Alegrias


Nervoso. Ansioso. Agitado. São poucas palavras que eu poderia usar para me descrever neste momento. Meu coração estava um pouco acelerado. O suor escorria pelas minhas costas, enquanto eu tentava controlar a minha respiração.

Depois de algumas horas, a hora havia chegado.

Preparei a carne da raposa que abati, deixando ela mais agradável, arranquei os dentes, retirei todo o seu sangue e limpei os seus pelos. Não podia jogar num tempero ou algo para manter a carne por muito tempo, então a deixei perto da janela para o frio e a neve trabalharem.

Snow passou a viver em minha casa, alimento-a toda hora com leite e com alguns pedaços bem pequenos de pães. Afinal, eu não sei como cuidar de uma raposa, não Armin que devia ser craque neste assunto, então para não matar a bichinha engasgada por não ter dentes fortes, a dou migalhas.

As costureiras havia trazido para mim o traje ceremonial. Uma blusa de mangás compridas, um casaco de pelos de urso, uma calça e botas feitas de couro. A oferenda iria acontecer as oito horas, para então começar as festas que iriam durar até a madrugada. E adivinha quem irá abrir a oferenda... Sim, eu. Como eu sou o titã especial, é meu dever ser o primeiro a agradar os deuses.

E faltava trinta minutos para começar.

Eu saí do chalé e deixei Snow sozinha, com muito leite e com a lareira acessa. Eu andava pelas ruas iluminadas carregando um bolsa com a raposa.

- Ei, moleke - escuto Jean me chamando, ele vem correndo até mim vestido uma roupa com pelos, mas com o brasão de sua Casa em seu peito. - Vejo que não é tão inútil assim, conseguiu até mesmo caçar.

- Não enche, seu cara de cavalo.

- Que animal você caçou? - ele perguntou ignorando seu apelido.

- Consegui uma raposa albina.

Quando respondi, seus olhos se arregalaram, totalmente pasmo.

- Uma raposa albina? Que raro. A última que apareceu foi a cinco anos, depois disso nunca mais uma apareceu.

- Bem, acho que tenho sorte, pois eu peguei o filhote dela para cuidar. Não conseguirá deixar ela sozinha passando fome.

- Ah, então agora você tem um bichinho de estimação? Que bonitinho, agora você vai ter alguma companhia. Não dizem por aí que animais se dão bem com outros animais?

- Ora seu...!!

- Olá, Eren - ouvir a sua voz foi como se alguém tevisse jogado um balde de água fria em mim. Olhei para trás para olha-lo.

Era incrível como alguém conseguia ser tão belo assim, ele usava uma blusa de couro belíssimo, calças que alcançam as suas pernas e botas que lhe davam um lucho. Ele estava lindo.

- Levi! A quanto tempo... Que bom te ver aqui...

- Não faz muito tempo assim, mas admito que não nos vemos como antes. E fico feliz que ver você.

Seus olhos estavam tão brilhantes, me aproximei pegando em sua mão, para entrelaçar com a minha. Sua pele está mais macia que antes.

- Eu não vou ficar pagando de vela para o casal. Até mais tarde - diz Jean se afastando de nós.

Idiota.

Levi e eu continuamos a andar até o local onde seria a oferenda. E claro, seria aonde as duas estátuas estavam. Luna é uma deusa belíssima, o escultor a fez com longos cabelos, vestida um um vestido longo mas aberto entre as pernas, uma coroa de flores estava em sua cabeça. E em seus pés, pequenos animais, como cervos, coelhos, gatos, e até uma raposa. Soldes tinha os cabelos curtos, vestia uma armadura, em sua mão direita tinha uma espada e outra uma corrente. Aos seus pés estavam animais mortos, com flechas enterradas em seus corpos, e uma cabeça de um homem.

Na frente das duas estátuas estavam uma fogueira enorme, com tochas em volta, eu teria que pegar a raposa e tacar no fogo. Simples, mas muito importante.

- Está preparado para fazer isso? - Levi me questionou quando paramos na frente da fogueira. - Saiba que a oferenda é uma maneira de agradecer os deuses pela proteção e pela prosperidade que existe em Eldia.

- Eu sei. Eu não sou uma pessoa religiosa, não acredito que um ser ou seres supremo criou o mundo de acordo com sua vontade. Mas com o passar do tempo, vi que Eldia é um mundo maravilhoso, e se Luna e Soldes os criaram, então no mínimo devo agradecer.

- Entendo, eu também não acreditava na existência desses dois deuses, até que eu senti a presença deles num momento muito importante de minha vida. Então a partir daquele dia, eu passei a oferecer minha vida por eles, e não exitaria em morrer para hora-los.

- Você morria mesmo por eles?

- Só existe quatro coisas na vida que eu me sacrificaria. Luna, Soldes, Você e ao - - uma grande agitação começou a nossa volta, que acabou interrompendo Levi.

Vi História indo para a frente dos titãs, vestindo um vestido azul e branco com uma coroa vermelha. Ao seu lado estava Ymir. Todos olhavam para a rainha, as conversas pararam e todos prestavam atenção nela. O fogo atrás de História, se tornou mais vermelho e passou a ser mais violento, dando rajadas a sua volta.

- Este é um dia muito importante, um dia de celebração, um dia perfeito para nos reunir e celebrar mais uma era de vida. As estrelas se uniram está noite para permite a nossa reunião, onde faremos hoje a oferenda aos nossos deuses, Soldes e Luna. Àqueles que vêem cuidando de nós, e criando nossos destino e futuros. A muito tempo, o mundo foi criado por eles, tudo era pacífico e ordeiro. Mas por conta do orgulho de Soldes, a crueldade se espalhou pelo mundo, até chegar no quê é hoje.

"Nós somos criação desses dois irmãos, Eldia é crianção deles. E tudo que vive e respira, e tudo aquilo que morre e deixa de viver é criação deles. Para nos proteger das crueldades humanas, Soldes e Luna usam seus poderes para nos proteger, e hoje, no aniversário da crianção de Eldia, é onde iniciaremos o agradecimento.

"Através da oferenda, não estamos apenas jogando um animal ou algum vegetal no fogo para agradar a eles, mas estamos agradecendo pelos cuidados que eles fizeram por nós durante todos esses tempos. É por isso, que peço para que o titã especial, Eren Jeager, venha a frente e seja o primeiro a dar a oferenda."

Um calafrio desceu pelas minhas costas. Respiro fundo. Solto a mão de Levi e começo a caminha pelos titãs que abriam passagem para mim. Com a cabeça erguida caminhei entre todos aqueles olhos, pude perceber olhares desconfiados, outros com carinho e outros com ódio. Mas ignorei todos, já senti todos esses olhares ao longo de minha vida, muita vezes vinda de meu pai, ter eles me olhando assim não faz diferença nenhuma.

Pego a raposa que estava dentro da bolsa e a deito em meus braços. Continuo a andar até parar na frente do fogo. Eu sentia os olhares em minhas costas, e a respiração começou a faltar.

- Vamos ver se ele é realmente o titã especial, se o fogo ficar azul, então todos se ajoelharam diante dele - escuto alguém sussurrar. Então se o fogo ficar azul, então será a prova?

- A Luna e Soldes - jogo o corpo da raposa no fogo, vejo ela sendo engolida pelas chamas vermelhas. E então aconteceu, o fogo azul se ergueu.

Olho para trás e vejo cada uma das pessoas se ajoelhado, até História, meus amigos e Levi. Todos se ajoelhavam e abaixavam a cabeça.

Eu era o titã especial.

Eu era o escolhido dos deuses para trazer a paz para Eldia.

Eu sou aquele que unirá os dois mundos.

Eu sou Eren Jaeger.

X-

Depois de todos darem suas oferendas, de todo mundo me cumprimentando, passo a procurar Levi para irmos no grande salão onde ocorrerá a festa de Natal. Quero encontrar ele e aproveitar nosso tempo juntos.

- Parabéns meu amor - Levi aparece do nada ao meu lado, me fazendo tomar um susto, se eu estivesse bebendo algo, teria cuspindo tudo nele. - Fico feliz que agora todos sabem que você é o titã especial.

- É, talvez sim. Pelo menos estou contente que descobri ser alguém importante.

- Você é importante Eren, para mim - ele sorri de lado. Confesso que aquilo aqueceu meu peito.

- Levi!! - olho para o lado e vejo Mikasa correndo até nós carregando uma caixa de presentes. - Eu estava te procurando, onde esteve?

- Cumprimentando todos, como de costume.

Ela ignora totalmente a minha presença.

- Aqui, fiz para você. Feliz aniversário.

- Muito obrigado, Mikasa.

Pêra! Aniversário! Hoje é o aniversário do Levi e ninguém me falou nada!?

- Hoje é seu aniversário? - pergunto para ele depois de Mikasa se afastou.

- Sim, por que a surpresa? Não sábia?

- Não.

- Que coisa, achei que todo mundo já soubesse. Hoje estou fazendo dezenove anos.

- Bem, você é bem mais velho que eu, fiz dezessete anos este ano.

- Hum, então estamos num relacionamento complicado....

Nós dois rimos da piada.

Pego em sua mão e o traço para perto, caminhando com ele até o grande salão onde todos já estavam reunidos. Entramos e sentamos numa mesa bem afastada.

História novamente vai a frente de todos.

- Sei que todos estão com fome, ansiosos para começarem a brindar com seus irmãos e amigos. Mas antes, devo lembra-los que hoje é um dia especial. Hoje comemorarmos o natal, uma data especial. O natal não é apenas uma data comemorativa, ou uma data onde você poderá beber e comer a vontade. É uma data onde nós nos reunimos.

"É uma data onde a nossa família se reúne, onde passamos o dia ao lado daquele que mais amamos e que dá significado para a nossa vida. É tempo para perdoar, de amar, e de receber as bençãos de Luna e Soldes. É tempo de sorrir, de brindar, de espalhar a felicidade por aqueles que amamos.

"Por isso, peço que todos celebram está noite como não houvesse um amanhã. Perdoem seus irmãos, abracem os que já não vêem a muito tempo, bebam, embebedecem ao lado de seus irmãos e amigos e comam com fartura.

"Não deixarei meu discurso mais longo do que está noite. Curtem e sorriam."

Não foi nescessário pedir duas vezes, as pessoas atacavam as comidas como se nunca tivessem comido aquilo na vida. O vinho despejava pelos caleces, e escorriam pelas bocas dos homens e mulheres. A felicidade estava nítida em cada um que abraça e bebia.

Como eu queria que fosse assim em minha casa.

- Eren? Poderia vir comigo por um segundo?

Pediu Levi, que se levantou e seguiu para fora. Me levanto também e vou atrás dele.

As ruas estavam fazias, a neve caia bem pouco, tudo estava silêncioso, o único barulho ouvinte vinha de dentro do salão. As estrelas eluminavam noite serena.

Levi se destacava pela neve. Seu corpo abraçado, esperando por mim. Me aproximo lentamente, vendo a brisa balançar seus cabelos.

- Eren, não tenho nada mais para dizer, só quero saber que sou completamente apaixonado por você. Meu amor por você é infinito, mais infinito que as estrelas. E por isso quero que saiba que aceitarei qualquer coisa vinda de você.

Ele estica seus braços e me mostra uma pequena caixa de presente. Pego e o abro.

Dentro tinha um cachecol vermelho, pego e paço pelo meu pescoço. Olho novamente para dentro da caixa e vejo dois pares de sapatinhos, um azul e outro rosa. Pego-os e olho para Levi, que abre um sorriso e abraça a barriga.

Então eu finalmente percebi o que aquilo significava. Meu coração se aqueceu, lágrimas desciam pelos meus olhos. O abraço carinhosamente. Eu ia ser pai, pai.

- Muito obrigado, Levi.


Notas Finais


Valeu pelo nome, Bollints!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...